.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

domingo, 31 de maio de 2015

Festa da Sardinha no Coliseu foi cancelda



5 comentários:

Anónimo disse...

Bom isto está de tal maneira que o melhor era fechar a cidade para obras.
Aproveitava-se e fazia-se uma limpeza aos ratos.

Anónimo disse...

Um dia ia acontecer, estava escrito nas estrelas!!
Porque não a realizar já (daqui a dias) no pavilhão do Parque das Gaivotas?
Ou no Parque de Campismo?
Ou no refeitório da fábrica de cimento/Cabo Mondego?
Ou na pista do Estádio? (até naquela rua que circunda o estádio dá para esse fim);
Ou no Oásis, para ficar dentro da zona geográfica?
Espero sinceramente que encontrem uma solução.
Freitas Lobo

A Arte de Furtar disse...

Pelos vistos toda a gente já antecipava esta conclusão!!!!
Podem explicar ao simples figueirense os motivos?
Será que o cheiro da sardinha também incomoda no Touril, tal como incomodavam os assadores na rua (passado recente)?
E assim se explora "bem" a riqueza do peixe na Figueira da Foz!
E assim se entende que Peniche, Nazaré, Vagueira e.... tenham inúmeros visitantes atraídos pelo peixe e esplanadas.
É a "Marca Figueira"!

Anónimo disse...

Esta ofensiva de acabar com a festa da sardinha tem uma razão de ser........
Lembram-se quando se organizava a festa da sardinha? Lembram-se que de propriamente de Festa da Sardinha não tinha nada, a anfitriã da festa que era a SARDINHA deixava de ser, porque ali dentro dos corredores do coliseu figueirense era 10 ou 12 restaurantes que faziam a exploração do espaço, que de sardinha que assavam ali era muito pouco e davam prospecção a outros pratos, feijoadas de chocos, feijoada de búzios, etc... e até carnes, e a sardinha deixava de brilhar, até porque vendiam a sardinha a unidade, batatas e salada tudo a unidade e ainda se pagava bilhete para entrar. FESTA ELITISTA ONDE EXCLUÍA O POVO.
Mais tarde os tubarões da restauração da zona do bairro novo lá forçaram e acabaram com a festa, A Malta do Viso sobre os seus princípios da Solidariedade, Fraternidade e Amizade, decidiram devolver ao povo a única Festa popular da Figueira da Foz sob o lema " Tradição Verdadeira, Dupla de primeira" dando também visibilidade aos artistas da nossa cidade os artistas plásticos que ali pintavam os seus quadros e os expunham assim como ao artistas musicais da nossa praça, e assim foi organizou-se a Festa da Sardinha, organização essa que foi crescendo e tendo um enorme sucesso, porque elementos da Malta do Viso que se dedicam de corpo e alma durante todo o ano a organização e planeamento da Festa, mas como o sucesso é invejável por alguns tubarões da Fig. da Foz incluindo o Administrador do CCF, a festa tem sofrido algumas ofensivas por esta parte com um único interesse o interesse do capital aliado aos grandes grupos económicos, tirando ao povo o que é do povo, assim a Malta do Viso tem aguentado, mas agora foi o fim....pelo menos ali, já mais os princípios fundamentais da Malta do Viso podem ser postos em causa, Solidariedade, Fraternidade e Amizade.

Nuno Correia

Anónimo disse...

Há que agradecer ao sr Nuno Correia a exaustiva e objectiva explicação.
Na verdade os interesses da "dinâmica e inovadora" Associação Restauração tinham sido ultrapassados. Havia que repôr a ordem e o respeito. Isto do povo se organizar...é uma dor de cabeça!
Quanto ao Touril só me recordo do titulo:"A oeste nada de novo".

E depois venham cá falar em paquetes e etc e tal.