"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quarta-feira, 30 de junho de 2021

Carlos Monteiro, um político perigoso


Dizem que digo mal. A esses, apenas digo que sou desviante e que gosto da diferença.
É necessário perceber que não olho para a política para ganhar. 
Gosto da política com a naturalidade da cor vermelha do sangue que nos corre nas veias. 
A política que existe na Figueira está preparada para quem vive do sistema, isto é, para quem vive dependente das classes dirigentes. 
O sistema não está preparado para mentes livres e independentes.

Hoje, tive oportunidade de acompanhar, via interenet, pela primeira vez, a sessão da Assembleia Municipal.
Tive oportunidade de ver as intervenções. Tive oportunidade de ver como o PS/Figueira lida politicamente na AM com a maioria absoluta que conquistou nas autárquicas de 2017.

Porém, estive particularmente atento ao presidente da câmara por sucessão, o político doutor Carlos Monteiro.
Falou de muita coisa e falou do Cabedelo. Do alto do pedestal a que ascendeu por sucessão, pôde impunemente tecer insinuações e insultar quem não pensa como ele sobre o que estão a fazer ao Cabedelo. Disse por exemplo, que só quem tinha interesses pessoais no Cabedelo é que não tem a visão idílica que ele tem sobre aquele espaço. Pessoalmente, estou perfeitamente à vontade  porque o único interesse que sempre tive e tenho pelo Cabedelo, é por ter sido (e vai continuar a ser) um espaço que me acompanhou na viagem que estou a fazer pela vida.

Sei que haverá sempre quem lhe tire o  chapéu. Há sempre gente para tirar o chapéu à esperteza vivaz. 
O presidente de câmara por sucessão quer passar por um político teso, duro, determinado. Daqueles que não abrem caminhos, rasgam avenidas...
Porém, há um adjectivo a acrescentar aos anteriores sobre o político Carlos Monteiro: é politicamnte perigoso. 
Carlos Monteiro, o político (a pessoa não me interessa para nada), é perigoso porque considera que tudo pode dizer e que tudo lhe é permitido por estar no poder.

AM de hoje...


Está a realizar-se neste momento na Figueira...
Bypass a sul do quinto molhe, está atrasado... 
O Senhor Presidente, em resosta ao deputado municipal Rascão Marques, disse que espera que esteja a funcionar antes do inverno...
O bypass ainda não se instalou.
Não se chegou a instalar, portanto...
Como a tarde de verão de hoje, que ainda não tivemos...

Da série, bem-vindos à campanha eleitoral de Carlos Monteiro, autárquicas 2021 (7)

"... a câmara vai apurar se  será possível criar uma pousada da  juventude na Figueira da Foz com  fundos do Plano de Recuperação  e Resiliência", disse Carlos Monteiro... 

 Via Diário as Beiras


Coisas realmente importantes: O Foz Plaza Figueira Beach Rugby International ...

Da série, continuação da gestão da anormalidade pandémica na Figueira da Foz... 
"O Foz Plaza Figueira Beach Rugby International disputa-se nos dias 3 e 4 de julho, no areal urbano, com 30 equipas de seis países europeus, incluindo Portugal, e 450 atletas. 
O torneio internacional de râguebi de praia regressa dois anos depois (em 2020, não se realizou devido à pandemia) e com mais força. A organização afiançou que foi recusada uma dezena de inscrições. 
Os jogos, por razões de segurança sanitária, disputam-se num recinto vedado e sem público. Nesta edição, que é a 11.ª, as equipas femininas (14) são quase tantas como as masculinas (16), o que acontece pela primeira vez. Por outro lado, os prémios (1500 euros a distribuir por oito escalões) têm o mesmo valor para atletas de ambos os géneros. 
Se a paridade é um desiderato da organização, o ambiente não fica atrás. Pelo segundo ano consecutivo, é distribuída uma garrafa de água reutilizável por cada jogador, eliminando-se, assim, os milhares de garrafas de plástico que eram acumulados durante o torneio. Por outro lado, o Foz Plaza Figueira Beach Rugby International mantém a oferta de 50 cêntimos por cada ensaio conseguido durante o torneio para uma instituição de solidariedade do concelho. Este ano, as receitas são para um projeto comunitário embrionário de apoio ao sem-abrigo. 
O retorno económico do torneio, por sua vez, reflete-se em cerca de 300 dormidas e outras despesas associadas. A Câmara da Figueira da Foz contribui com 17 mil euros, mas apoio logístico
A primeira edição do torneio internacional de râguebi de praia da Figueira da Foz realizou-se em 2009."

Quem não faz o que devia acaba a permitir o que não queria...

 Via Jornal Público

Sobre as elites. Como sabemos, até pela Figueira são incultas e parasitárias dos dinheiros públicos. Nem os que foram lá para fora se safam Os que nunca saíram são muito provincianos. Olhem para o País. Olhem para a Figueira.

CARLOS SANTOS FERREIRA ARGUIDO

 Via OBSERVADOR

terça-feira, 29 de junho de 2021

Obrigadinho vereadora Diana e Câmara Municipal da Figueira da Foz: Deus vos pague...

Quando lemos, via Diário de Coimbra, a notícia do conjunto de medidas de apoio social, económico e financeiro de forma a mitigar o impacto negativo na Figueira  provocado pela pandemia mundial de Covid-19, ficamos curiosos e expectantes. As palavra da notícia não deixam laugar a dúvidas:  eram “apoios sociais”Mas que grande desilusão.

Recorda-nos aquela anedota do compadre que na hora do jantar metia o filho sentado na perna e ia perguntando: “ó filho, comias agora um bifinho com batatas fritas mais um Sumol’.

”Ó pai, se comia”. 

“Ó filho comias agora um arroz doce?”. 

“Ó pai, se comia…” 

Finalmente o filho adormecia e o pai gritava para a mulher: "ó Maria, traz outro que este já jantou!”.

Para ler melhor, clicar na imagem

Assembleia Municipal de amanhã tem uma novidade: será transmitida via internet


 Via Diário as Beiras

Dom Rodrigues e pouca sabedoria

Joana Petiz, via Diário de Notícias

"Quase 70 pessoas multadas e mais de mil mandadas para trás é o saldo da operação das forças de segurança que fiscalizaram neste fim de semana entradas e saídas da Área Metropolitana de Lisboa. Nenhuma delas, nem multa nem ordem de recuo, foi para Ferro Rodrigues, o presidente da Assembleia da República, que depois de ver o Presidente cortar-lhe as vasas de abalar para Sevilha para ver o Portugal-Bélgica ao vivo, decidiu fazer as malas e ir de fim de semana para o Algarve. É certo que governo e DGS recomendam cautela e pouco movimento, mas Ferro já está vacinado, já não há covid que lhe chegue. Também não há multas ou reprimendas em nome de Graça Freitas, a diretora-geral da Saúde que nos tem alertado a cada oportunidade para a importância de "ainda não podermos levantar o pé" ou "abrandar a pressão", porque o vírus anda aí e continua feroz. E que parece ter escolhido o mesmo destino de Ferro Rodrigues para descansar uns dias."

O Ministro do Ambiente abriu um inquérito, mas atentado ambiental continua no areal da Praia do Ourigo...

No final de Maio p.p, perante este atentado ambiental o candidato pelo PSD à Câmara do Porto, Vladimiro Feliz, afirmou estar preocupado "com a proliferação do betão" e criticou a "passividade" do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, "relativamente a estes temas"
Vladimiro Feliz disse que esta estrutura "marca a imagem da zona da Foz" e garantiu estar a avaliar, juntos dos seus serviços jurídicos, avançar com uma providência cautelar para travar os trabalhos. A par disso, alerta para o facto de que, o restaurante que ali existia "era de madeira e não de betão", chamando também a atenção para a "elevada volumetria do edifício", com cerca de 400 metros quadrados. 
A vereadora da CDU na Câmara do Porto e também candidata, Ilda Figueiredo, também questionou o autarca Rui Moreira, referindo que no local da obra, "no inverno, o mar provoca estragos, tendo destruído, por diversas vezes, as estruturas amovíveis lá colocadas". Ilda Figueiredo mostrou-se, igualmente, surpreendida com a volumetria do edifício: "1337 metros cúbicos"
Tanto Vladimiro Feliz como Ilda Figueiredo questionam a aplicação do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) neste caso, dando nota de que o mesmo prevê "a demolição de edifícios situados em locais muito mais afastados do mar"
O BE pediu esclarecimentos à Câmara, à APDL e à Agência Portuguesa do Ambiente.
Entretanto, o tempo vai passando e a burocracia vai fazendo o seu caminho...

Lei n.º 39/2021 de 24 de junho

Define o regime jurídico de criação, modificação e extinção de freguesias e revoga a Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, que procede à reorganização administrativa do território das freguesias.

Publicação: Diário da República n.º 121/2021, Série I de 2021-06-24

PSD aposta forte na candidatura de Pedro Machado à Figueira da Foz

Via Diário de Notícias
Rio admite cenário de saída enquanto lança Pedro Machado para a Figueira...
"Ainda com o problema da candidatura a Vila Nova de Gaia por resolver, após desistência de António Oliveira, Rui Rio aposta forte na autarquia onde Santana também concorre.
O Conselho Estratégico Nacional do PSD reúne-se no próximo sábado na Figueira da Foz para debater as propostas alternativas para a governação do país. Mas Rui Rio mandou reunir estas tropas naquele município com o intuito de dar visibilidade e força à candidatura de Pedro Machado, antigo presidente da Região de Turismo do Centro.
E isto porque na corrida à Câmara da Figueira da Foz está também Pedro Santana Lopes, antigo primeiro-ministro, que avançou mesmo para uma candidatura independente à autarquia que já governou entre 1997 e 2001 (quando saiu para concorrer à Câmara de Lisboa).
As duas candidaturas dividem, inevitavelmente, o campo político de centro-direita e reduzem drasticamente a possibilidade de Rio ver bem-sucedida a aposta em Pedro Machado contra o candidato do PS e actual presidente da autarquia, Carlos Monteiro.
E se na Figueira a aposta é no reforço da candidatura de Pedro Machado - já que Rio falará no sábado a partir daquele palco -, em Vila Nova de Gaia o líder do partido ainda tem um problema bicudo para resolver após a desistência do ex-selecionador nacional de futebol António Oliveira."

Covid-19: ele anda por aí....

Um livro que nos ajuda a compreender o mundo em que vivemos

Os alicerces da política. Sábios, académicos eestadistas cujas ideias moldaram o mundo.


As questões são intemporais. O que está verdadeiramente em jogo na política? 
Seremos animais políticos, económicos ou religiosos? 
Deveremos viver em pequenas cidades, Estados, em nações ou em impérios multinacionais? 
Que valores deverá promover a política? 
A riqueza deverá estar nas mãos de alguns ou ser propriedade de todos? 
Os animais também terão direitos? 
As respostas são dadas por um grupo diversificado de 30 grandes pensadores políticos da História, entre os quais Confúcio, Platão, Santo Agostinho, Maquiavel, Burke, Wollstonecraft, Marx, Nietzsche, Gandhi, Qutb, Arendt, Nussbaum, Naess e Rawls. Um guia que mostra como as suas ideias surgiram e evoluíram e como os escritos académicos do passado são, afinal, os alicerces e os fundamentos da política actual.

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Programa de Governo do Concelho da Figueira da Foz para o período de 2021 a 2025 do CDS: questões do AMBIENTE, da FLORESTA, das LAGOAS e dos RIOS

 Via Diário de Coimbra


Foz do Mondego Rádio nas mãos da empresa detentora do alvará da Rádio Popular de Soure

No dia 5 de Dezembro de 1985, com estúdios improvisados no Posto de Turismo de Buarcos, nasceu o Clube de Rádio da Figueira da Foz. 
Mesmo sem condições técnicas passou a emitir regularmente das 21 às 24 horas, em 106 MHZ. 
Foram fundadores da estação José Aroso Francisco, Rui Pedro, Manuel Adelino Pinto e Alexandre Coelho. A emissão abriu com a "Canção da Figueira", um tema composto por Carlos Nóbrega e Sousa e letra de António de Sousa Freitas, na voz da cantora Maria Clara.
Encerrou com a "Marcha do Vapor", oficialmente o hino da Figueira da Foz, um trecho musical assinado por Manuel Dias Soares com letra de António Pereira Correia, também na voz da cantora portuense, Maria Clara.
Hoje em dia a Foz do Mondego Rádio emite em 99.1.
Cerca de 36 anos depois, via Notícias de Coimbra ficamos a saber que "Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) autorizou recentemente a alteração do domínio societário Foz do Mondego – Meios de  Radiodifusão, Lda a favor da sociedade Publiline – Desenho e Publicidade, Lda., empresa detentora do alvará da Rádio Popular de Soure.

Após esta alteração, Rádio Foz do Mondego (99.1 FM), da Figueira da Foz, passa a ser controlada na totalidade pela dona da Rádio Popular de Soure (104.4 FM).
O capital social da Foz do Mondego – Meios de Radiodifusão, Lda.,  no valor de €150.000,00, era detido pelos sócios Fernando Lopes Cardoso (Litocar e Sorefoz), com três quotas de €70.900,00, €4.500,00 e €41.500,001; Publiline – Desenho e Publicidade, Lda., com uma quota de €20.100,00; Ricardo Manuel Mendes Rodrigues de Carvalho, José Manuel Caneira Iglésias, cada um com uma quota de €6.500,00 euros.
Foi agora autorizada a cessão das quotas detidas pelos sócios Fernando Lopes Cardoso, Ricardo Manuel Mendes Rodrigues de Carvalho e José Manuel Caneira Iglésias, a favor da sociedade Publiline – Desenho e Publicidade, Lda., passando esta a deter a totalidade do capital social.
O operador garante que a alteração da estrutura societária «não visa produzira lterações no serviço de programas, que se mantém generalista, garantindo-se o cumprimento de todos os requisitos legais a que estão sujeitos os operadores, bem como das exigências da respetiva licença».

A sociedade Publiline, que também detém  jornal O Popular de Soure,  integra o universo da Smart Family SGPS, com sede em Pombal. O grupo tem negócios em várias áreas, mas destaca-se na gestão e tratamento de residúos. Entre os seus clientes há autarquias, hospitais e organismos públicos e militares.
O outro alvára atribuido ao concelho da Figueira da Foz está nas mãos da Igreja Universal do Reino de Deus, para retransmitir a emissão da rede Record FM nos 92.4 da Maiorca FM."

Fica para sempre a memória de Paris


Fernando Santos não escondeu a enorme desilusão por uma derrota que considera injusta diante da Bélgica, nos oitavos de final do Europeu.

«Tenho os jogadores a chorar no balneário e, com certeza, muitos portugueses também. Estamos todos desiludidos, mas os jogadores deram tudo o que tinham, não há nada a apontar em relação a isso. Entrámos mal nos primeiros 10 minutos mas a partir daí pegámos jogo, criámos várias situações de golo mas o futebol é isto. A Bélgica fez seis remates, um na baliza, nós fizemos 29 e acertámos duas vezes nos ferros. Não tenho muitas palavras para isto, sinceramente», lamentou à TVI24.

«Tínhamos confiança nas nossas capacidades e acreditávamos que podíamos ganhar o Euro. Não aconteceu. No futebol não há justiça ou injustiça, há quem marca e quem não marca. Os jogadores estavam cansados mas encontraram energias para compensar o menor descanso. Mas isto agora é tudo conversa», completou Fernando Santos.

domingo, 27 de junho de 2021

"Os investidores brasileiros que queriam comprar a companhia aérea proprietária do avião apanhado com droga no Brasil - a OMNI - receberam a ajuda da deputada socialista Joana Lima para terem uma reunião com a Parvalorem"

PS E PSD DO MESMO LADO DOS NEGÓCIOS


O PS de António Costa e o PSD de Rui Rio estão de acordo com Joana Lima, que afirma: 

«Enquanto deputados, nós ajudamos as empresas. Procurei apenas o interesse público, desbloquear processos e arranjar reuniões. É para isso que somos eleitos»

A deputada socialista foi ilibada de quaisquer conflitos de interesse por ajudar a marcar reuniões entre a Aristropreference e a Parvalorem.

Recorde-se.

A deputada do PS, Joana Lima, conseguiu duas reuniões entre investidores brasileiros interessados em comprar a Omni e os técnicos da Parvalorem — a empresa pública a quem a Omni deve 17 milhões de euros, segundo o Correio da Manhã de 28 de Fevereiro do corrente ano.

O que andamos por aqui a fazer?...

Deve ainda estar para nascer a pessoa que falhou uma carreira ou um objectivo de vida e não se considere vítima do sistema. 
Ninguem aceita o óbvio: não se chegou onde se queria, no fundamental,  por culpa própria. 

Eu, só falhei uma vocação porque a minha Mãe não deixou: contrariou o meu desejo de ser padre.
Tirando esse pormenor familiar, falhei outras carreiras por uma razão simples: apenas porque o meu objectivo de vida foi sempre ser feliz à minha maneira.
Se quiserem, considerem-me presunçoso, convencido, vaidoso ou orgulhoso. 
A vaidade procura, no pouco que se consegue, um motivo de orgulho. 

Um tipo é pobre ou gordo?
Por mim, óptimo. Por acaso, até sou ambas as coisas.
Se não existir ego e um pouco de vaidade estamos sempre dependentes do elogio de terceiros. E aqui a coisa poderia descambar. Há muita gente desatenta neste mundo...

O narcisismo barato é muito frágil e não encontra suporte na justa vaidade por coisas pequenas: nem todos estamos destinados a cometer grandes feitos.
Eu só quis ser feliz à minha maneira. No essencial, consegui.
O segredo continua a ser o mesmo: tentar não desperdiçar as pequenas alegrias que a vida vai proporcionando.
Por exemplo, ler um livro, dar um passeio matinal de bicicleta, apreciar o cheiro do café acabado de fazer, ouvir o chilrear dos pássaros na natureza, apreciar um pôr-do-sol, tomar um fino numa esplanada, inalar o cheiro a maresia, rir, caminhar pela praia... E escrever um blog!
As coisas que nos podem tornar os dias mais felizes não custam dinheiro...
Alguém consegue comprar o amor ou a amizade?

Para quem não pensa assim, quando bate de frente com a realidade, a culpa é sempre dos outros.
Isto é, do sistema que eles próprios ajudam a preservar e manter.

Há 27 ex-autarcas a tentar o regresso ao Poder Local: Santana Lopes é um deles...

Arrancou no Poder Local na Figueira da Foz. “Concorri a Lisboa por solicitação do meu partido. Ficou sempre saudade da Figueira. O regresso nunca se proporcionou. Não iria concorrer contra quem foi meu vice-presidente”, explica Pedro Santana Lopes, que avança como independente à Figueira da Foz, Câmara gerida desde 2009 pelo PS.

Via Jornal de Notícias

sábado, 26 de junho de 2021

Que foto e que texto: para além da política, existe a beleza!..

Declaração de interesses:
1. Nas autárquicas 2021 não vou votar na candidatura do PSD.
2. Todavia, isso não me impede de constatar que, para já, Pedro Machado tem estado a fazer uma campanha fora do normal, surpreendendo pela positiva. 
"As pessoas são o património mais importante de uma cidade e de um concelho. E há pessoas que fazem parte de uma forma de estar muito própria da Figueira da Foz, como o Zé Petinga. Não há nada mais importante do que nunca nos esquecermos delas. Serei o presidente de todas."
Esta foto, demonstra que beleza e discurso podem ser realidades muito semelhantes. É impossível ficar indiferente a esta beleza argumentativa, transmitida pela foto e pelo texto.
A beleza argumentativa provoca geralmente, tal como a beleza física, reacções nos dois extremos: ou nos apaixonamos ou nos irritamos de morte com tanta argumentação ou com tanta beleza.
Em geral, e vamos ao que interessa, a pessoa normal não sabe argumentar. Foge com frequência para o conforto dos seus preconceitos, aninha-se nas miudezas curriculares de belo efeito e, não raro, escarafuncha nas partes perdendo completamente a noção do conjunto, ou ataca o conjunto esquecendo-se autisticamente das partes que o definem. 
Cada vez acredito mais na provocação como fonte de sobressalto.
E, esta foto, assim como o texto, sobressalta-nos.
Fazer uma boa fotografia é dificílimo. É preciso estar no controlo de tanta coisa... 
Até hoje não sei de onde vêm as boas fotografias. Se soubesse, fazia muitas. Talvez, ou apesar disso, eu, nunca consegui fazer uma. Já consegui algumas engraçadas, mas grandes fotografias, como esta, é de outro campeonato...
Na poesia é bom não saber de onde os versos vêm. Rende. Mas na fotografia nunca é assim. Há toda uma encenação complexa na realidade, nua e crua. Manipular essa realidade, ou não, é uma opção. A técnica fotográfica é a coisa de menor importância. Ninguém faz boas fotografias conscientemente. E raramente vejo uma fotografia, que foi totalmente pensada, que seja boa. Se isso acontecer, o que é um milagre, ficamos a pensar na mensagem, ou a admirar o virtuosismo da composição, a inteligência do autor, e lá se vai a emoção. 
Uma boa fotografia tem um dado qualquer de acaso. De anónimo e universal. De sorte. De emoção. De profundo e subjectivo.
Isto pode ser campanha política - e é. Mas, também é competência, profissionalismo, criatividade e talento.
A nível mundial, podemos usar apenas uma mão para contar os grandes fotógrafos. Como os poetas. São raríssimos.

Tudo começou há cerca de 23 anos...

Paço de Maiorca: um «charmoso» «crime financeiro» e «negócio ruinoso», que vem de longe e sem fim à vista...

Via Diário as Beiras


João Ferreira, candidato da CDU á presidência da Câmara Municipal de Lisboa

Via Diário de Notícias

"Se for eleito presidente da Câmara Municipal de Lisboa, qual é a primeira coisa que muda na cidade?
Bom, há muita coisa a mudar em Lisboa. Eu diria que o essencial é construir uma visão estratégica e concretizá-la. Esta cidade foi deixada nas mãos do mercado – todo o seu desenvolvimento – e nós temos de fixar objetivos de aumento de habitação acessível, de melhoria da qualidade ambiental na cidade, de aumento da fruição e democratização da fruição da cultura, do desporto, do lazer, do recreio na cidade. Precisamos de mais e melhores serviços públicos. E, portanto, o conjunto de frentes em que se desenvolve o direito à cidade – é para isso que temos de olhar – mais do que para uma ou outra medida emblemática. Temos de construir essa visão estratégica que Lisboa perdeu. O desenvolvimento da cidade foi deixado nas mãos do especulador imobiliário e com isso todos perdemos. Precisamos diversificar a base económica de desenvolvimento da cidade. Percebemos hoje o prejuízo que foi uma aposta numa espécie de monocultura intensiva do turismo. Temos de ter uma base económica mais sólida, mais diversificada, que crie mais emprego e emprego de qualidade para aqueles que aqui vivem."

sexta-feira, 25 de junho de 2021

Tempo de praia


Tenho andado a escrever menos, porque tenho tido outras ocupações.
Não escrevo mais, também para não dormir demasiado pouco. 
Sei bem que para evitar ter uma dor de cabeça amanhã de manhã, tenho que me poupar.
A Praia, em dias como o de hoje, está cheia, como é próprio da saison. 
Qualquer praia gosta de ser visitada. 
O pessoal chega, senta-se, começa a fazer barulho. A partir de certa altura é impossível não dar por eles. Dão uma certa alegria ao ambiente. Só depois começamos a ansiar pela hora de pegarem na lancheira e de irem até casa.
Há alturas em que quase não se consegue pensar nem escrever na praia com o pessoal todo a arrotar e a jogar raquetes. 
O que me tem valido é a bicicleta...

Imagem via Mário Martins

Transporte flexível

Via Notícias de Coimbra  

A Figueira faz parte de um Estado laico...


Em matéria política, sou como o Estado: laico. 
Por isso, não compreendo muito bem esta postagem numa página de campanha política.
Santana Lopes tem todo o direito de ir às missas que quiser. Acho, porém, que fica mal o aproveitamento político.
De igual modo não percebo que, por esse país fora, em determinadas inaugurações, ocorram bençãos.
Mas, o problem deve ser meu... Até António Costa um socialista, republicano, laico e não católico também já participou em procissões... 

Realidade...

 Imagem via Revista Visão

Texto: José Pacheco Pereira, via Revista Sábado

«Não sei se António Oliveira era um bom candidato...

Os partidos, onde existe um considerável acesso ao poder, logo uma distribuição de lugares, prebendas e poder, estão hoje muito condicionados na sua liberdade política pela degenerescência dos seus aparelhos.

….mas quem tenha experiência da vida partidária interna, quer no PS, quer no PSD, reconhece no que ele diz um retrato verdadeiro do que hoje se passa no interior dos grandes partidos. Os partidos, onde existe um considerável acesso ao poder, logo uma distribuição de lugares, prebendas e poder, estão hoje muito condicionados na sua liberdade política pela degenerescência dos seus aparelhos. É um processo conhecido e estudado, o da oligarquização dos partidos, e no PS e no PSD é um processo já muito avançado, igualmente muito negativo para a saúde da demo- cracia, com processos e efeitos muito semelhantes. Oliveira queixa-se de que:
"Ao longo de três meses fui sujeito a pressões, intimidações e ameaças. Tentaram impor-me o pior da mercearia partidária e envolver-me nas mais inacreditáveis negociatas de lugares. Quiseram obrigar-me a empregar os beneficiários do rendimento mínimo da política."»

Reforma eleitoral do PSD pode pôr pequenos em risco

Proposta deverá ser apresentada em julho. Partidos pequenos poderão ter mais dificuldade em eleger. PS não alinha

Rita Dinis, via Expresso

«É uma revolução no sistema eleitoral, mas sem ser preciso mudar a Constituição. 
O PSD está a finalizar uma proposta de revisão do sistema eleitoral que vai passar pela redução do número de deputados e por uma reconfiguração dos círculos eleitorais: os círculos maiores, como Lisboa e Porto, deverão ser divididos e irão perder deputados, enquanto os círculos mais pequenos deverão ganhar pelo menos um. 
O objetivo é, por um lado, manter a proporcionalidade e, por outro, aumentar a representatividade do interior e “aproximar eleitos de eleitores”. Mas pode prejudicar os partidos mais pequenos. A proposta já constava do programa eleitoral do PSD para as legislativas e, sabe o Expresso, deverá ser materializada até “meados de julho”
Uma versão intermédia foi já apresentada à Comissão Política Nacional do partido, e a ideia passa por pôr o projeto em discussão pública ainda antes de dar entrada na Assembleia da República. A redução do número de deputados é uma velha bandeira do PSD, e de Rui Rio em particular, tendo sido um dos pilares em que assentou o trabalho da comissão para a reforma do sistema político, coordenada pelo vice-presidente David Justino. Apesar de a comissão para a revisão constitucional também ter o trabalho avançado e se preparar para propor alterações em cerca de 10 artigos, a revisão do sistema eleitoral proposta pelo PSD não irá implicar qualquer alteração na lei fundamental — que prevê a existência de 180 a 230 deputados no Parlamento. 
Sem mexer no teto máximo nem no mínimo, a proposta de Rio irá no sentido da redução dentro desta margem. Estudos anteriores feitos pelo PSD têm apontado para vários modelos: 181, 191 ou 201 deputados, devendo o número ser ímpar para evitar empates em votações. Preocupação com o CDS A par da redução dos atuais 230 deputados, o PSD irá propor também uma redução dos círculos eleitorais. Lisboa deverá ser dividida em cinco, o Porto em quatro e Braga, Aveiro e Setúbal em dois. A ideia é que cada distrito não tenha menos do que três deputados nem mais do que 10 (atualmente Portalegre elege apenas dois, enquanto Lisboa elege 48 e o Porto 40). 
Tal como Rui Rio tinha avançado nas jornadas parlamentares do PSD que decorreram na semana passada em Portalegre, a proposta dos sociais-democratas deverá ainda passar por uma mudança no método de atribuição do número de eleitos por cada círculo. Em vez de se usar o método de Hondt, que, no entender do PSD, resulta numa sobrerrepresentação dos círculos maiores, passaria a atribuir-se um “deputado bónus” a cada um dos 20 círculos eleitorais e só depois se aplicaria o método de proporcio nalidade para a atribuição dos restantes. 
“O que é justo é que o primeiro e o segundo deputados de cada distrito possam ser atribuídos por igual, e depois então fazem-se as devidas correções de proporcionalidade”, disse Rio na altura. 
Ao que o Expresso apurou, o PSD não vai tão longe na atribuição de dois deputados bónus, ficando-se apenas por um. O resultado imediato é evidente: os partidos mais pequenos ficam com maior dificuldade em eleger
Para isso, o PSD admite criar um círculo nacional de compensação, à semelhança do que acontece nos Açores, mas o Expresso sabe que há alguma preocupação com as dificuldades que um modelo destes traria a um partido como o CDS. Ou até o PCP. É que os partidos que têm os votos mais concentrados em Lisboa e Porto, como o IL, não teriam tantas dificuldades em eleger, mas um partido como o CDS, que tem os votos mais dispersos pelo país, sim. Certo é que, além do combate à sub-representatividade do interior, o PSD também quer contrariar os fenómenos do excesso de representatividade de um partido que, por exemplo, só tem votos em Lisboa mas não tem expressão no resto do país. Em Portalegre, Rio dava o dossiê como semifechado: a “opção política está tomada”. Mas faltam pormenores. Sem ver a proposta redigida, o PS, essencial para que as medidas sejam aplicadas, rejeita comentar. 
Mas as dúvidas são muitas. Reduzir o número de deputados nunca fez parte das propostas dos socialistas, recorda ao Expresso o deputado Pedro Delgado Alves, e “o problema da representatividade do interior não se resolve a mexer na lei eleitoral”. Se o interior tem menos deputados é porque tem menos pessoas. E aí o problema é outro.»

quinta-feira, 24 de junho de 2021

A pandemia tem as costas largas...

Atraso do estudo do bypass de areias (sistema de transposição de material inerte de norte para sul da barra) já ultrapassou os limites? 
A culpa é da pandemia.
O estudo sobre os maus-cheiros que afeta localidades do sul do concelho, provenientes de unidades industriais está atarsado?
A culpa é da pandemia.

 Via Diário as Beiras


Só para mais tarde recordar...

Qualquer dia, ainda mais irão perceber que isto não passou de propaganda pró-monteirista autárquicas 2021...

Via Diário as Beiras

quarta-feira, 23 de junho de 2021

A BARRA, talvez o maior problema da Figueira...

«Segundo o que presidente da organização de produtores de peixe Centro Litoral, António Lé, afirmou ao DIÁRIO AS BEIRAS, os armadores decidiram utilizar o Porto de Pesca de Peniche “por falta de garantias de segurança” na costa da Figueira da Foz. O armador afiançou que ainda há troncos de madeira à deriva no mar, com a agravante de serem “invisíveis”
Pior cego é o que não quer ver. Em Abril de 2008, o Governo atacou o problema da barra da Figueira  como se não houvesse amanhã
A Figueira perdeu a bandeira do porto, pois este tornou-se o mais perigoso de Portugal para quem o demanda. A Figueira definha na definha na crise. O Governo na  resolução deste problema. É mau para todos...
Vou recuar até ao já longínquo ano de 1996. 
Manuel Luís Pata, no extinto Correio da Figueira, a propósito da obra, entretanto  concretizada, do prolongamento do molhe norte da barra da nossa cidade para sul, publicava isto.
“Prolongar em que sentido? Decerto que a ideia seria prolonga-lo em direcção ao sul, para fazer de quebra-mar.
Se fora da barra fosse fundo, que o mar não enrolasse, tudo estaria correcto, mas como o mar rebenta muito fora, nem pensar nisso!..
E porquê?... Porque, com  os molhes tal como estão (como estavam em 1996...), os barcos para entrarem na barra  vêm com o mar pela popa, ao passo que, com o prolongamento do molhe em direcção ao sul, teriam forçosamente que se atravessar ao mar, o que seria um risco muito grande...
Pergunto-me! Quantos vivem do mar, sem o conhecer?”
Ninguém ligou...

O sonho de Isabel Oliveira, ex-autarca de Lavos continua adiado: a casa onde em 1808, Artur Wellesley montou o seu quartel general na luta contra Napoleão Bonaparte continua fechada...

O duque de Wellington, a título póstumo, foi premiado com a Medalha da Cidade da Figueira da Foz, por um facto que ocorreu há mais de duzentos anos.
A Junta de Freguesia de Lavos, em 2008, tinha a intenção de adquirir a casa particular onde ficou hospedado o general Arthur Wellesley, Duque de Wellington, aquando da Guerra Peninsular. A intenção era criar ali um museu. Tanto quanto se sabe, nada disso aconteceu. 
Mas, agora veio a medalha.

Imagens via Diversidades

Recordemos via publicações LAVOS.
O homenageado comandou as tropas aliadas que combateram as invasões francesas, tendo instalado o seu primeiro quartel-general em Portugal nos Armazéns de Lavos. 
Portugal encontrava-se invadido desde Dezembro de 1807 pelas tropas Francesas de Napoleão Bonaparte. Todo o povo estava à míngua, ameaçado, amedrontado e ultrajado. Por onde quer que passavam as Tropas Francesas, deixavam um rasto de pobreza, incêndios, pilhagens, e destruição. Todo o país estava sob o seu domínio e transformado a seu bel-prazer. 
Passamos então a ser uma colónia do Brasil, pois a Corte mudara-se entretanto para Terras de Vera Cruz; por cá restaram apenas cinco pessoas a governar o país. O General Jean-Andoche Junot era quem comandava o exército francês, e encarregou-se de as destituir e tomar a ele o governo de Portugal. 
No dia 1 de Agosto do ano 1808, as tropas inglesas, sob o comando do Tenente General Arthur Wellesley, iniciaram o desembarque em Portugal, escolhendo as praias do Cabedelo, então Lavos, com o intuito de expulsarem do País o exército Francês invasor.
Saídos do porto de Cork (Inglaterra) a 12 de Julho de 1808, o Tenente General Wellesley e as suas tropas sob o comando, coadjuvadas pelo exército de Jonh Moore e pelas brigadas Ackland, tinham como objectivo desembarcar na costa Portuguesa e surpreender o inimigo.
Fundeada a esquadra de Arthur Wellesley ao largo da Figueira da Foz, desde o dia 30 de Julho de 1808, o início do desembarque das suas tropas – um contingente que ultrapassava os 13.000 homens, é então agendado para o dia 1 de Agosto. 
O desembarque ocorreu nas praias do Cabedelo (na altura, terra de Lavos) enfrentando imensas dificuldades, dadas as adversas condições marítimas. Ainda assim, e com o auxílio e empenho de toda a população e das suas pequenas e frágeis embarcações, conclui-se o desembarque a 5 do mesmo mês, sem grandes dados de perdas, quer humanas quer materiais. Em Lavos providenciou-se ao abarracamento de homens, à guarda de armas, munições e animais.
Arthur Wellesley, tenente-general irlandês, mais tarde Duque de Wellington, desembarcou nas praias de Lavos (Cabedelo) e estabeleceu o seu 1º Quartel General da Península no lugar de Armazéns, no Paço de Lavos, casa do pároco António de Macedo Pereira da Horta, tendo como objectivo ajudar as tropas portuguesas contra a 1ª Invasão Francesa a Portugal, em 1808.
Aqui se iniciou uma perseguição ao Exército Napoleónico, derrotado nas batalhas de Roliça e Vimeiro, a 17 e 21 de Agosto desse ano. Aqui começou a derrota de Napoleão; o exército de Junot abandonou o país após a assinatura da Convenção de Sintra.
Em 16 de Outubro de 1932, uma Comissão de História Militar, Comissão Wellesley, formada por Mário dos Santos Alves, Dr. José Salinas Calado e António Mesquita de Carvalho, “com grande solenidade”, mandou colocar na casa entretanto restaurada uma lápide comemorativa do acontecimento. E o Povo Lavoense esteve presente!
Com muito orgulho, humildade e a dignidade que se impunha, no dia 3 de Agosto de 2008, a Junta de Freguesia de Lavos (Isabel Curado Oliveira, António José Gaspar e Eduardo Ramos Coronel) levou os Lavoenses a relerem esta página da nossa história, comemorando os 200 anos do acontecimento.

Esta nossa barra...

 Via Diário as Beiras

Da série autárquicas 2021 na Figueira: depois dos estudos de opinião quando é que temos sondagens?..


1ª. Se o PSD ainda está nos 7%!..
2ª. Se o comboio socialista continua a descarrilar!..
3ª. Se o Santana ainda continua com a maioria absoluta!..

Não pensem que menosprezo as sondagens. As sondagens servem muita coisa e, também, para aferir a opinião pública. E, têm capacidade para a alterar, pois têm um poder estratégico potencial.Uma inversão dum resultado eleitoral “pode” já ter ocorrido. Em 2001, Santana Lopes ganhou Lisboa, à tangente, depois de uma sondagem no Expresso atribuir uma vantagem de dez pontos percentuais a João Soares. Uma sondagem pode influenciar o sentido de voto e a decisão de abstenção. Uma sondagem que dê um resultado “apertado” ao candidato da frente será sempre mais mobilizadora. Venha de lá uma sondagem dessas, pois o estudo de opinião de Maio p.p era francamente desmobilizador para o já bastante desmotivado eleitorado figueirense...

Dia da Cidade celebra-se amanhã



O Dia da Cidade, feriado municipal na Figueira da Foz, celebra-se amanhã. 
As comemorações começam às 10H00, com o descerramento da placa da praça João Ataíde (antiga praça do Forte). Pelas 11H15, tem lugar a sessão solene e atribuição de distinções honoríficas a pessoas singulares e colectivas, no Centro de Artes e Espetáculos. A abertura da Quinta das Olaias ao público está marcada para as 15H00. 
Um dos distinguidos será o duque de Wellington, a título póstumo, com a Medalha da Cidade. O homenageado comandou as tropas aliadas que combateram as invasões francesas, tendo instalado o seu primeiro quartel-general em Portugal nos Armazéns de Lavos. 
Na reunião de câmara realizada na passada segunda-feira, o vereador da oposição Miguel Babo votou contra a distinção ao militar inglês do século XIX. 
“(Sou) completamente contra. Então vamos dar (uma medalha) a todas as pessoas que morreram em combate”.

Portugal não é só a Figueira...

Via O Setubalense 

terça-feira, 22 de junho de 2021

Um retrato da "classe política" - os políticos profissionalizados em exclusividade...

 

Os políticos da "classe política", não brincam em serviço: são eles os donos e titulares da burocracia partidária. A função política não devia ser isto. A função política devia ter a ver com a fidelidade ao mandato recebido, com a responsabilidade perante o bem comum nas diversas áreas em que o aparelho de Estado procura resolver problemas concretos dos cidadãos. Nomeadamente, no poder autárquico. 
É este um factor de selecção negativa. Também de isolamento, pois a classe política vive entregue a si mesma. Nas suas conversas e encontros e no seu isolamento, nunca ou quase vive concretamente a vida do cidadão comum, aquele que anda em transportes colectivos, anda pelo meio da rua, sente regularmente um local de trabalho colectivo ou um mercado. E selecção negativa, pois os melhores passam a desejar entregar-se a trabalhos concretos - e a política em Portugal tornou-se um misto de palavras e intrigas... 
E assim vão ficando os piores. O caso que podem ver acima via jornal i fala por si.

Reunião de Cãmara de ontem: a Figueira é uma maravilha...

Via Diário as Beiras

Via Diário de Coimbra
 

Municípios são, desde 2018, obrigados a ter encarregado por esta área e dar conta disso à Comissão Nacional

«Mais de metade das câmaras viola o Regulamento Geral de Proteção de Dados, que manda nomear um encarregado de garantir que a lei é cumprida e comunicar a respetiva identidade à Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD). 
A lei entrou em vigor em 2018 e, numa ronda aos municípios, o JN constatou que estão em diferentes fases de cumprimento. 
Apesar das medidas de correção previstas, nenhuma foi aplicada. Das 308 câmaras do país, só 131 (43%) comunicaram à Comissão a identidade do seu encarregado de proteção de dados (EPD), indicou fonte oficial do regulador. 
O JN contactou as 278 câmaras do continente e recebeu 87 respostas.
Mais de metade das câmaras viola lei de proteção de dados mas organizaram-se em torno de Comunidades Intermunicipais: Lousã, Figueira da Foz, Miranda do Corvo e Vila Nova de Poiares (Região de Coimbra), Nazaré e Bombarral (Oeste) e Alfândega da Fé e Bragança (Terras de Trás-os-Montes). Todas indicaram ter um encarregado de proteção de dados e já o comunicaram à Comissão – exceto a Nazaré, que vai levar o tema a votação. Também Vila de Rei e Serpa garantem ter nomeado um encarregado, mas não o comunicaram à CNPD. Já Estarreja (Aveiro) e Beja (Baixo Alentejo) disseram que as CIM têm em curso um processo conjunto de aquisição de serviços. 
COIMAS ATÉ 10 MILHÕES 
Das câmaras que responderam ao JN, poucas ainda não designaram um EPD: Barcelos, Viana do Castelo, Murça, Oliveira de Frades, Sever do Vouga e Ansião. A larga maioria assegurou ter já cumprido a obrigação legal. Algumas fizeram-no logo em 2018, quando a lei entrou em vigor: Porto, Guimarães, Trofa, Vila Nova de Famalicão, Santa Marta de Penaguião, Baião, Sousel, Almada e Odivelas. Outras, tão recentemente quanto janeiro deste ano. Nenhuma, todavia, foi penalizada, adiantou a CNPD. 
A notificação da autoridade de controlo está prevista no n.o 7 do artigo 37.o do Regulamento Geral de Proteção de Dados. Por isso, é aplicável desde 25 de maio de 2018. O mesmo texto dá à Comissão poder para tomar medidas corretivas, em caso de incumprimento, incluindo impor coimas. Todavia, ainda nenhuma foi aplicada. 
As irregularidades detetadas em Lisboa abriram a discussão sobre a segurança digital nas autarquias. “A CNPD não adotou até agora nenhuma medida corretiva relacionada com a falta de notificação do EPD”, afirmou a mesma fonte. O valor das coimas é definido pelo artigo 38.o da Lei 58/2019, que transpõe o regulamento para a ordem jurídica nacional, acrescentou Alexandre Dias Pereira, professor na Faculdade de Direito de Coimbra. Para as PME, vai de mil a um milhão de euros; nas grandes empresas, é de entre 2500 euros e 10 milhões. Nos dois casos, pode ser antes cobrado 2 % do volume de negócios anual mundial, se for mais elevado. Nas singulares, vai de 500 a 250 mil euros. “São intervalos demasiado largos, que dão um poder discricionário ao decisor”, criticou Alexandre Dias Pereira.»

Câmara Municipal da Figueira da Foz quer regulamentar escolas de surf

 Via Diário de Coimbra

Esta nossa barra: oxalá esteja enganado, mas um dia vamos ter uma "surpresa" a sério...

Vídeo de Marco Soares, via Figueira na Hora.

Tal com este blogue previu há anos (tudo foi dito, tudo se cumpriu: depois da construção do acrescento dos malfadados 400 metros do molhe norte, a erosão costeira a sul  da foz do mondego tem avançado, a barra da Figueira, por causa do assoreamento e da mudança do trajecto para os barcos nas entradas e saídas, tornou-se na mais perigosa do nosso País para os pescadores, a Praia da Claridade transformou-se na Praia da Calamidade, a Figueira, mais rapidamente do que esperava, perdeu. A pesca está a definhar - tudo nos está a ser levado...), o porto da Figueira da Foz está a passar por graves dificuldades devido à falta de condições de navegabilidade.
Imaginem que um navio como o que o vídeo mostra se afunda na boca da barra?
Imagem via Diário de Coimbra

segunda-feira, 21 de junho de 2021

A barra da Figueira da Foz esteve enecerrada devido a troncos de madeira terem deslizado do navio que os transportava

Na foto de Pedro Agostinho Cruz comprova-se que os
troncos estão a dar à costa nas praias do sul do concelho
Um navio mercante de bandeira cipriota sofreu um deslizamento de carga (troncos de madeira) e levou ao encerramento à navegação da barra da Figueira da Foz durante toda a manhã, anunciou hoje a Autoridade Marítima.
O incidente, que levou à queda de vários troncos na água, ocorreu por volta das 08h00, quando o navio estava a entrar na barra da Figueira da Foz, afirmou a Autoridade Marítima Nacional, no seu site. 
O encerramento da barra, feito por questões de segurança, prolongou-se até por volta das 12h30, estando a situação já praticamente resolvida, faltando "remover os troncos que estão a dar à costa", disse à agência Lusa o comandante da Polícia Marítima da Figueira da Foz, João Lourenço, salientando que não há qualquer registo de feridos provocados pelo incidente. 
Segundo a Autoridade Marítima Nacional, o armador do navio contactou uma equipa de rebocadores, que procedeu ao reboque do navio até ao porto comercial da Figueira da Foz.

Câmaras do Baixo Mondego e Gândaras em tribunal contra autarca e deputado do PS

«Três municípios do Baixo Mondego e Gândaras participaram ao Ministério Público (MP) uma alegada prática de crimes do autarca e deputado João Gouveia (PS) na denúncia de responsáveis da empresa de águas, revelou hoje fonte do processo.

“Foi apresentada, em abril passado, participação criminal contra o senhor João Gouveia, presidente da Assembleia Municipal (AM) de Soure, pela prática dos crimes de difamação, injúria e denúncia caluniosa, em virtude da divulgação de factos falsos”, disse à agência Lusa o advogado Pedro Barosa.

O representante das câmaras de Soure, Mira e Montemor-o-Velho assumiu esta informação “na sequência das notícias que têm vindo a ser divulgadas” sobre a empresa Águas do Baixo Mondego e Gândara (ABMG) e que “visam igualmente” os seus constituintes, as três autarquias e os presidentes: Mário Jorge Nunes (PS), Raul Almeida (PSD) e Emílio Torrão (PS), respetivamente.

Na queixa-crime ao MP contra João Gouveia, deputado do PS e antigo presidente da Câmara de Soure (primeiro em lista do PSD e depois pelos socialistas), está também em causa a “propalação de ofensas à honra, bom-nome e consideração” dos presidentes dos municípios de Soure, Mira e Montemor-o-Velho, membros do conselho de administração da ABMG, adiantou à Lusa Pedro Barosa.»

Via Diário as Beiras

35 anos a delapidar recursos europeus...

Confesso-me apreciador do bom humor. Mas, ainda aprecio mais a desfaçatez... 
«Costa contra autoflagelação e diz que Portugal tem bom historial a gerir fundos europeus. 
"Temos um historial de que nos devemos orgulhar e não ser motivo de flagelação relativamente à utilização dos fundos"
Um discurso em que António Costa apresentou indicadores positivos, quer relativamente aos baixos níveis de fraude e de irregularidades na utilização dos fundos comunitários, quer ao nível do impacto económico estrutural e capacidade de absorção desses fundos europeus.»

Figueira Parques privada...

 Via Diário as Beiras

As obras no Quinto Molhe arrancam para a semana?

Foto Pedro Agostinho Cruz

"
Deverá ainda iniciar-se neste mês de Junho a intervenção na praia a sul do 5.º molhe, na freguesia de S. Pedro, na tentativa de repor as areias e repor a duna, que praticamente desapareceu. Para o presidente da Câmara da Figueira da Foz, é «importante que essa obra aconteça»."
V
ia Diário de Coimbra