FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Pedro Cruz e a paisagem sem figuras

A estória é curta e resume-se assim: o jovem Pedro Cruz (que já retratei aqui e sobre quem já me debrucei aqui), foi convidado pelo presidente da Junta de freguesia De S. Pedro para fazer uma exposição de fotografia.
O jovem foto-jornalista, certamente enaltecido, aceitou o convite que encarou como um repto. Em lugar de postais bucólicos e turísticos o jovem Pedro, cidadão atento e interventivo, decidiu partilhar com os seus conterrâneos o que o preocupa, mostrando algumas das suas imagens que documentam a erosão do litoral costeiro e da sua praia e dando à mostra o nome de ALERTA COSTEIRO 14/15.
Leal, como só os grandes o sabem ser, o jovem fotógrafo deu uns dias antes uma entrevista a um jornal regional na qual anunciava que para além da paisagem devastada iria também expôr as figuras daqueles que acha responsáveis.
Em vésperas de dia de inauguração, Pedro dirigiu-se ao local marcado e começou a montar a selecção de imagens que, segundo o seu critério, melhor davam a ver a devastação da sua praia: paisagens, mas também figuras. Foi uma das fotos que mostrava figuras que o presidente da junta exigiu que fosse retirada. O jovem Pedro recusou fazê-lo e a exposição foi cancelada. Segundo o artista, no seu Face-Book, “O Alerta está dado”. 
(podeis acompanhar mais prolongamentos desta notícia  no blogue "outra margem").
.
Esta estória exemplar demonstra, quarenta anos depois do vintecincodAbril, como este país continua afinal igual a si próprio e ao que sempre foi: um pobre e bisonho paraíso paroquial para pequenos chefes labregos que - no seu boçal entendimento, certamente inebriado plo esplendor do mando - pensam que podem apagar figuras de uma paisagem.
Mas também demonstra que há algo - para além do talento, claro - que um artista consciente, ainda que pobre, nunca admite que lhe seja escamoteado: o orgulho (o amor-próprio, meus lindos).
.
Por isso, caro Pedro, nunca agradeças a quem te enaltece o talento e a independência (ninguém deve o que é seu por mérito). Seria falsa modéstia.

O comunicado emitido pelo presidente da Junta de S. Pedro, António Salgueiro a propósito do cancelamento da exposição fotográfica ALERTA COSTEIRO 14/15

O comunicado de sua excelência, o presidente da junta de freguesia de S. Pedro fala por si, pelo que, qualquer comentário é absolutamente excedentário, tal a gravidade da sua tomada de posição: "pediu" para retirar uma foto...ao que se seguiria um muito claro "se não retirasse essa não havia exposição"...  que foi o que acabou por acontecer.
Enfim...
Lamento ter de o escrever.
O senhor presidente não percebe o óbvio: continua a ser completamente burro todos os dias, até aos sábados...
Temos pena...
A exposição era do artista: na totalidade - no talento e nos custos.
A Liberdade é isto, senhor presidente.
“Seu” era o espaço do Mercado da Gala.
O senhor entendeu interditar o acesso ao espaço.
Problema seu, caro presidente da junta.
Neste momento, a exposição do Pedro já foi mais longe do que o senhor pensa – e sabe, porquê?
Porque o senhor, além de acagaçado, é burro todos os dias (até aos sábados)...
Na Cova e Gala, freguesia e vila de S. Pedro, 41 anos depois, continuamos entre a liberdade e a democracia formal, entre o sentimento e o falhanço, entre a governação e o autoritarismo, entre a Liberdade e a ostentação, entre a justiça e a injustiça, entre a Liberdade e a fraude, entre a Liberdade e a intimidação. 
Je suis covagalense e tenho nojo do presidente da junta de freguesia da minha Terra. 

A EXPOSIÇÃO CENSURADA PELO PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE S. PEDRO


Este é o trabalho que o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz tinha preparado para inaugurar hoje, às 10.30, no Mercado de S. Pedro, na Gala. No entanto, por não ceder ao pedido do presidente da Junta de Freguesia de S. Pedro, António Salgueiro, para retirar uma fotografia da sua narrativa fotográfica ALERTA COSTEIRO 14/15, a exposição foi cancelada. 
A exposição não se vai realizar, mas o problema esse vai continuar. 
O alerta foi dado!

JE SUIS COVAGALENSE: "a exposição foi cancelada, o problema mantém-se, o alerta está dado"...

Foi há quase 89 anos que foi instituída a censura prévia à imprensa em Portugal, pela ditadura militar saída do golpe de 28 de Maio de 1926. Como é sabido, iria durar 48 anos.
Vivemos agora com liberdade de expressão e dispomos de uma diversidade de meios de acesso à informação com que nem sequer podíamos sonhar nos tempos que se seguiram ao 25 de Abril. E, no entanto...

Alerta: Fotografia "incómoda" leva ao cancelamento de exposição fotográfica sobre erosão costeira em S. Pedro 
“O fotojornalista figueirense Pedro Cruz, que fotografou os avanços do mar sobre as praias da margem sul durante os últimos dois anos, já tinha dado o alerta. Em entrevista ao programa da Foz do Mondego Rádio, "Tem a Palavra", afirmou que o presidente da Junta de Freguesia de S. Pedro, António Salgueiro, lhe tinha dito que, quando o convidara para expor no renovado Mercado da freguesia, não era "aquilo" que tinha em mente. Pedro Cruz, porém, queria mostrar, mais do que os habituais postais das zonas piscatórias, "um problema grave, que ameaça casas com gente dentro". A exposição foi programada, mas ontem, ao final do dia, acabou por ser cancelada, depois de o fotógrafo se ter recusado a retirar uma das imagens. Para além de fotografias que permitem constatar as alterações provocadas pela erosão costeira só nos últimos dois anos, depois do prolongamento do molho norte, a exposição incluía imagens de visitas de responsáveis políticos aos locais mais afectados. "A exposição foi cancelada, o problema mantém-se, o alerta está dado", sintetiza Pedro Cruz.”
Je suis covagalense. 
Um alerta final.
A pressa e a leveza com que quase tudo é abordado nos dias que passam, acaba por influenciar muitíssimo a opinião pública, aquela que está para além das elites, sempre minoritárias, que são capazes de filtrar o que lêem, o que vêem e o que ouvem. É assim que estamos.  
"A exposição foi cancelada, o problema mantém-se, o alerta está dado".
É útil não esquecer.

Eu é que sou o presidente da junta...

“Chego a concordar que a Censura é uma instituição defeituosa, injusta, por vezes, sujeita ao livre arbítrio dos censores, às variantes do seu temperamento, às consequências do seu mau humor (...). Eu próprio já fui em tempos vítima da Censura e confesso-lhe que me magoei, que me irritei, que cheguei a ter pensamentos revolucionários”
António de Oliveira Salazar em entrevista a António Ferro (1933)

A foto que o presidente da junta
não autorizava na exposição é esta.

O que é que, na realidade, acagaçou o
o presidente António Salgueiro? 
Quase 41 anos depois daquela manhã de Abril, em que os militares decidiram devolver a Liberdade aos portugueses, falar em Censura é algo que soa a passado e cuja memória colectiva se vai lentamente esboroando no percurso do tempo. É pelo menos essa a sensação com que se fica, ao falar com pessoas que durante o Estado Novo foram vítimas da Censura.
Quase 41 anos depois daquela manhã de Abril, um covagalense foi vítima de censura por um presidente de junta.
Gostava de ver alguns dos indignados com a falta da liberdade de expressão, apavorados com o regresso da Censura e defensores da Liberdade comentarem a decisão do presidente da junta de S. Pedro. 
Confesso que fiquei surpreendido, pois o que estava em causa não envolvia sequer matéria política.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Fernando Alvim

"Pedro Agostinho Cruz, o fotógrafo inconveniente" *

A verdadeira fotografia é aquela que nos ajuda a compreender e a interpretar a realidade.
A fotografia pode ser mais directa do que a escrita, pois pode transmitir “a pura verdade”, a tal verdade por vezes inquietante e incómoda, que um artista inquieto acabará por descobrir e transmitir e que pode ser compreendida por todos - mesmo pelos analfabetos.
Isto tornou-se ainda mais verdadeiro com a “democratização” do próprio acto de fotografar.
Há muitas formas de pensar a fotografia, mas é preciso fazê-lo criticamente. Se não o fizermos há o perigo de a reduzir ao seu lado estético.

As fotos que o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz vai mostrar na exposição que vai ficar patente ao público no Mercado da Gala, a partir de amanhã, têm essa vertente, mas têm, ao mesmo tempo, algo que nos inquieta e que nos agride, pois mostra a violência de uma força da natureza brutal e poderosa – o mar em todo o seu esplendor e crueldade.
É claro que também há beleza nas paisagens fotografadas, mas é uma beleza estranha - é uma beleza que nos causa desconforto.  

* Título roubado à entrevista que a jornalista Andreia Gouveia fez ao Pedro Agostinho Cruz, hoje publicada no Diário de Coimbra.

João Proença

O ex-”sindicalista” - espero que os verdadeiros sindicalistas me desculpem, relevem a ousadia e me perdoem … -  João Proença vai fazer uma intervenção nas Jornadas Parlamentares do PSD,uma iniciativa exclusivamente "laranja", sem a presença do CDS, "ao contrário do que aconteceu em outubro, após a apresentação do Orçamento do Estado." 
Há pessoas capazes tudo para tentar conseguir apanhar por um "tachinho" na Concertação Social... 

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O preço do "cherne" anda pela hora da morte...

"Durão Barroso passou a cobrar 75 000 euros por cada conferência, chamando a atenção de Jorge Mendes que, apurou o IP, passou a agenciá-lo. Durão Barroso terá assim que agir em consonância com o seu novo papel de estrela milionária, passando a usar um penteado absurdo, tatuando no braço o rosto da Angela Merkel e passando a namorar com alguma modelo russa ou com o José Milhazes. Jorge Mendes está tão entusiasmado que vai agora tentar agenciar Pacheco Pereira, “o Fábio Coentrão do PSD”."

Alfredo Barroso, um dos fundadores do Partido Socialista...(II)

Era outro tempo.  
José Sócrates era primeiro-ministro.
Cavaco já era presidente.
Parece que foi ontem...
Mas foi há 4 anos.
Entretanto, havia jornalistas e comentadores desiludidos com António Costa, ou porque não falava sobre as coisas, ou porque falava pouco, ou porque não falava nada. 
Mas, entretanto, falou...
Cum caneco!..
Alfredo Barroso, “um dos fundadores do PS (em 1973) e, hoje, o militante número 15 do partido (com as quotas em dia)", passou-se.... 
"Já chega! Nunca me passou pela cabeça que um secretário-geral do PS se atrevesse a prestar vassalagem à ditadura comunista e neoliberal da República Popular da China, e se atrevesse a declarar, sem o menor respeito por centenas de milhares de desempregados e cerca de dois milhões de portugueses no limiar da pobreza, que Portugal está hoje melhor do que há quatro anos. A declaração de António Costa é uma vergonha! Ainda esta semana, enviarei à direcção do PS (hoje tenho vergonha de escrever por extenso Partido Socialista) uma carta muito simples, sem considerandos ou justificações, solicitando, pura e simplesmente, a minha desfiliação do partido”...

Alfredo Barroso, um dos fundadores do Partido Socialista...

"Depois da ignóbil chinesice de Costa, abandono o PS, e é já" !..

Em tempo.
Finalmente, Costa fazer resolveu fazer oposição!

Agora, é só uma questão de alguém lhe explicar que deve fazer oposição ao governo e não a si próprio...

O tal “arco do poder local”...

Segundo o jornal AS BEIRAS, “a administradora executiva da Figueira Domus vai sair da empresa municipal.”
Ainda de harmonia com o referido matutino, “Anabela Gaspar já comunicou a sua saída aos restantes membros da administração e aos funcionários, devendo apresentar a demissão nos próximos dias, invocando razões pessoais, mas este não deverá ser o único motivo da sua saída.”
Ao que o jornal que temos vindo a citar apurou, “o ambiente entre Anabela Gaspar e o presidente do conselho de administração, Hugo Rocha – que não quis pronunciar-se sobre o assunto –, tem-se vindo a degradar, com conhecimento do executivo camarário.”
Entretanto, o gabinete da presidência da Câmara da Figueira da Foz informou que “este assunto será tratado em sede própria”. Ou seja, na assembleia geral da empresa.
A “batata quente”, vai estar nas mãos do presidente da autarquia, João Ataíde, que terá que decidir se vai substituir apenas o elemento demissionário ou toda a administração, que se completa com Matos Rodrigues.
Anabela Gaspar foi convidada para a Figueira Domus em finais de 2011. Entrou como administradora não executiva, passando a exercer funções executivas em novembro de 2013.
Anabela Gaspar, a exemplo de outras ilustres personalidades figueirenses, como por exemplo, Joaquim de Sousa, José Elísio Oliveira e João Russo, faz parte do núcleo dos tais que nos últimos 40 anos têm sido militantes dos chamados partidos do arco geral de interesses locais - leia-se, PS e PSD -, que têm controlado facilmente o poder político figueirense - e os tais negócios, alguns deles manhosos, e as tais clientelas, e a tal gestão controlada da "afundação local"– porque a larga maioria dos figueirenses, em 40 anos de democracia, nunca tiveram coragem, nem engenho e muito menos arte, para darem um safanão nos seus destinos, que os tivesse livrado desta gente ilustre, que nos intervalos apregoa aos sete ventos, que "os políticos são todos iguais", para que as eleições, também na Figueira, não sirvam para nada.
Anabela Gaspar, foi vereadora do PSD, quando Duarte Silva, entretanto falecido, presidia à Câmara da Figueira da Foz. Em 2009, alinhou pelas listas do PS, partido que desde então governa o município, tendo sido eleita deputada municipal... 

ALERTA COSTEIRO 14/15, uma exposição fotográfica de Pedro Agostinho Cruz, vai ser inaugurada no próximo sábado, 28, pelas 10H30M no Mercado da Gala

No sábado, o Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz) vai mostrar mais uma série de fotografias.
Nesta mostra, o Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz) põe-se à prova.
Vai mostrar o que aprendeu em quase 10 anos de fotografia e provar que a sua fotografia tem a ver com a maneira como vê as coisas, as mesmas coisas, aliás, que estão à disposição de toda a gente para serem vistas, fotografadas e analisadas.
Ao Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz) não interessa apenas a estética - as suas fotografias comportam mensagens e pretendem contar «estórias».
Como escreveu um dia - já lá vão mais de 5 anos - o Fernando Campos, o Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz) é “um jovem “pas tout a fait comme les autres”; ao contrário do que é típico na sua idade (neste momento, tem apenas 27 anos) não é daqueles que descobriram a pólvora seca das verdades insofismáveis; gosta mais de ouvir (e observar) do que de falar. O Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz) é um andarilho (tem o projecto de uma viagem a África...) e, sobretudo, um observador incansável.
No seu olhar silencioso e perscrutador há algo que o distingue de um mero fotógrafo competente, algo intangível e difícil de descrever: uma sensibilidade poética; ou seja, aquilo que o torna capaz de, com enquadramentos ousados e um sentido da composição notável, transformar o mais banal retrato do quotidiano numa imagem carregada de sentido(s).
É este Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz), que depois de ter exposto noutros lados para onde foi convidado, vai mostrar o seu trabalho, pela primeira vez, na sua Terra e sobre a sua Terra.
Dia 28, sábado, no Mercado da Gala, (a inauguração acontecerá pelas 10H30M) vai estar patente ao publico o seu mais recente trabalho - ALERTA COSTEIRO 14/15.
- ALERTA COSTEIRO 14/15 é um retrato informativo, crítico e cru de uma realidade da costa portuguesa, nomeadamente na Cova-Gala - erosão costeira.
- É um olhar preocupado e inconformado que vive na esperança e ânsia de uma solução.
ALERTA COSTEIRO 14/15 é a exposição que o Pedro (o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz) não queria fazer, mas que infelizmente sente que é importante a sua realização.
- ALERTA COSTEIRO 14/15 é mais uma sensibilização a quem de direito.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

António Costa...


Limitou-se a constatar o óbvio....

Santana Lopes...

"Portugueses defendem o Syriza porque protegem «os coitadinhos»" - Santana Lopes, ontem à noite na SIC Notícias...
Diz quem o conhece, que Pedro Santana Lopes quando tem um objectivo perde a noção da racionalidade. Quem o conhece dos bastidores das campanhas, na luta político-partidária, sabe isso bem... 
A meta, agora, ao que parece, é Belém. Tem tido avanços e recuos, próprios de quem anda perdido: gosta, mas está a observar quem também avança... 
Contudo, o que, Santana Lopes, um antigo primeiro-ministro, ontem à noite desabafou na SIC-Notícias, era perfeitamente evitável.  
Além do mais, Santana tem protegido, nos últimos anos, tantos «coitadinhos» lá pela Misericórdia...

A propósito de erosão costeira, recordo...

Engenheiro Baldaque da Silva, João Pereira Mano e Manuel Luís Pata.

Na Aldeia da subserviência...

Dizia Einstein que existiam duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana.
Ainda não estamos seguros sobre se o Cosmos é ou não infinito mas, seguramente, a estupidez humana não conhece barreiras ou limites.
Quando a subserviência a interesses de terceiros, prejudica o interesse de quem o elegeu, a isso chama-se traição.
Vivemos numa Aldeia domesticada...
Domesticados já estamos há muito...
Até fomos elogiados por sermos bem comportados.
Não há movimentação social.
Nas próximas eleições ganharão os mesmos ou os «outros», os tais do arco...
É isto uma Aldeia democrática?..
Parece-me mais uma ditadura moderna onde em vez de partido único há, no máximo dos máximos, o bipartidarismo «do arco».
Mas, sobretudo, vivemos numa Aldeia onde o que não há é política, que o mesmo é dizer, não há ideias.
Neste momento, na Aldeia, o cargo de político começa a parecer desnecessário...
Domesticados, há muito, já fomos...
E isso nota-se...  

X&Q1234


O mar continua a “engolir” sistema dunar em S. Pedro

foto de António Agostinho
Estávamos em 11 de abril de 2008, uma sexta-feira.
O prolongamento em 400 metros do molhe norte do porto da Figueira da Foz foi adjudicado nesse dia, um ano depois do lançamento do concurso público que sofreu reclamações dos concorrentes e atrasos na análise das propostas.
A obra, considerada fundamental pela tutela e comunidade portuária, visava permitir a melhoria das condições de acessibilidade ao porto da Figueira da Foz.
Cerca de 7 anos depois de concluída a obra, a barra, para os barcos de pesca que a demandam está pior que nunca e a erosão, a sul, está descontrolada. 
Neste momento, pode dizer-se, sem ponta de demagogia, que é alarmante: o “mar continua a “engolir” sistema dunar em S. Pedro”.
Repito a pergunta que fiz neste Outra Margem, nesse dia 11 de abril de 2008, pois ainda não obtive resposta:
Será que alguém sabe, porque estudou, as REPERCUSSÕES QUE MAIS 400 METROS NO MOLHE NORTE terão na zona costeira na margem a sul do Mondego?

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Há cafés que morrem devagar...

Desta vez, o Nicola morreu mesmo...

Daqui a pouco na Foz do Mondego Rádio "Tem a palavra" Pedro Cruz



Hoje, das 21 às 22h00, o fotojornalista Pedro Cruz é o convidado do programa da Foz do Mondego Rádio "Tem a Palavra", para uma conversa sobre o seu percurso, as suas referências, os seus objectivos e, em especial, a exposição que inaugura, este sábado, no Mercado da Gala, "Alerta Costeiro 14/15", em que denuncia, através de dois anos de fotografias, a degradação da orla costeira na margem sul. 
Um programa a não perder, em 99.1 e em myradiostream.com/fozdomondego.

X&Q nº1235


O inverno ainda não acabou, cuidado com alguma inundação...

Uma Aldeia em agonia...

Vejam o que o mar comeu em 13 meses!..
Encontrei a foto acima no facebook do João Pita
Foi publicada em 23 de Janeiro de 2014.
Encontrei a foto acima no facebook do Pedro Agostinho Cruz
Foi publicada em 21 do presente mês Fevereiro. 

Entre uma e outra fotos, decorreram apenas cerca de 13 meses. 
Isto, que temos vindo a denunciar desde 11 de dezembro de 2006, é uma vergonha. Mais do que uma vergonha, é uma imoralidade.
Para além das pessoas, sem dúvida o mais importante, também está em risco, todo um património conquistado ao longo de vidas trabalho, por vezes, sabe-se lá com que sacrifícios...

Leituras

para ler a crónica, clicar na imagem
É uma característica bem figueirense. Nesta coisa do carnaval, “não somos gajos tesos” ainda que, no dia-a-dia, o sejamos.
Mas, isso, são outras contas.

Na Figueira não pode ser sempre carnaval. Todos sabemos que a maior razão da manutenção do Carnaval de Buarcos ao longo dos anos, pago com fundos públicos por executivos camarários PS e PSD, se deve ao facto de só assim ser possível manter as escolas de samba que, como sabemos, representam muitos votos.
As virgens ofendidas que têm permitido com a sua cobardia política a modalidade que praticam as escolas de samba, financiadas ao longo dos anos por dinheiros públicos, provendo deste modo - com o dinheiro dos outros – as suas actividades lúdicas, fariam um favor à sociedade se começassem a custear do seu bolso essas práticas. Seguramente que o seu orgulho, seria mais seu, e o seu esforço, mais admirável.
No fundo, resume-se ao princípio tão em moda, do utilizador-pagador.

Poderiam orgulhar-se, pessoal e individualmente, dos seus feitos ou, do apoio dado à escola do seu coração. As escolas de samba, enquanto auto-suficientes e propriedade dos seus indefectíveis, financiadas por eles próprios, merecem-me o respeito que qualquer pessoa colectiva ou particular é credora. As outras, as que se alimentam dos impostos e estratagemas diversos, merecem-me apenas, distanciamento.

É aceitável o argumento de que é preferível manter os jovens ocupados mesmo que seja a sambar do que deixá-los à deriva.
Creio, porém, que é para isso que os contribuintes figueirenses já pagam, por exemplo, o desporto escolar, o Museu e Biblioteca e o CAE.
No usufruto do direito de opinião e livre expressão constitucionalmente garantidos, contesto a prática de distribuição sistemática de subsídios para o carnaval - entenda-se em minha opinião, gasto injustificável de dinheiro público.
Na crise em que o nosso concelho continua mergulhado, é inaceitável que as autarquias continuem a exigir mais e mais impostos aos cidadãos para os delapidarem em propaganda eleitoral. É óbvio que a este executivo, como disso já deu muitas provas -  falta também a lucidez e a coragem para acabar com este e outros carnavais.

Já quanto ao combate à anterior “tesura” - que até deu para ficar a dever ao quiosque - referida na crónica do vereador Tavares, é pena que se não verifique o mesmo empenho quando se trata de defender o património que mexe com a qualidade de vida de todos – como é o caso do lastimável estado das estradas do concelho.
Veja-se, por exemplo, o que se passa na saída do Hospital Distrital da Figueira da Foz: no parque de estacionamento pago a Câmara “investiu” mais de 80 mil euros num piso que está um brinquinho. Logo que que se passa a cancela que controla a “bilheteira” é o caos que clicando aqui pode constatar...
A política e a culinária devem respeitar o mesmo princípio: precisam de ingredientes certos, mas é na sua correcta aplicação que está a arte. 

Uma ideia...

Uma imagem para um cartaz a exibir na campanha eleitoral de 2015...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Harald Schumann, jornalista alemão que está a realizar um documentário sobre a troika, explica ao PÚBLICO por que acusou o Governo português de "censura"...


Em tempo.
O que mais o surpreendeu na situação portuguesa?
O facto de terem tido - em proporção - a maior manifestação de todos os países em crise, mas que não teve qualquer impacto… Se, na Alemanha, 10% da população saísse à rua para protestar, o que significaria uma manifestação de 8 milhões de pessoas, nenhum Governo sobreviveria a isso intacto.

O mar continua a invadir a freguesia de S. Pedro

mais fotos de António Agostinho aqui.

Ontem, foi noite de óscares...

Prémio para o melhor actor secundário
Pedro Passos Coelho em “O bom alemão a quem o medo consome a alma"... 

Na Figueira têm sido décadas de carnaval!..

notícia jornal AS BEIRAS

A “barrinha do sul”... (II)

para ler melhor clicar na imagem

Atenção ao mar de hoje até quarta-feira, pois são esperadas ondas que podem atingir os 10 metros.
Dez distritos do continente vão estar sob aviso laranja a partir das 00:00 desta terça-feira devido à previsão de agitação marítima, com ondas até 10 metros, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). 
De acordo com o IPMA, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal, Beja e Faro vão estar sob aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, entre as 00.00 de terça-feira e as 6.00 de quarta-feira devido à previsão de ondas com 5 a 7 metros, podendo atingir os 10 metros. 
Estes mesmos dez distritos vão estar sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, entre as 21.00 e as 23.59 desta segunda-feira, prevendo-se ondas com 4 a 5 metros. 

Tributo a José Afonso - 23/02/1987 - 23/02/2015

Onde quer que estejas...nós estaremos contigo!
Obrigado pelas tuas canções!


Aproxima-se Abril e a generosidade que tantas vezes salta fronteiras e se aproxima dos que combatem pela liberdade ou, apenas, por um futuro digno, começa a ser mais assiduamente evocada. 
Pode haver gente ignorante ou miserável que despreza a história ou os outros - mas, a esses devemos ter a sabedoria de desprezar...
Estamos quase em Abril, o mês do generoso laço da Fraternidade e da Liberdade que nunca deveremos calar no nosso peito.
A vida de um País é naturalmente cheia de períodos bons e de outros para esquecer. O período que estamos a atravessar é destes últimos: para esquecer.
Abril, para mim, todos os anos é um bom mês para renascer. 
José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, que nasceu em Aveiro, a 2 de Agosto de 1929, morreu em Setúbal, no dia 23 de Fevereiro de 1987.
Foi um cantor e compositor português, também conhecido pelo diminutivo familiar de Zeca Afonso, que para muitos continua a ser sinal de esperança no futuro. 
Portanto, neste dia que fica aqui superiormente assinalado com o texto inédito do meu Amigo Luís Pena, fica a esperança que a esperança renasça, que a vontade de lutar renasça, que a força renasça - até porque, nossos, são possíveis todos os caminhos.  

O texto de Luís Pena:
"Hoje, tal como defendia o Zeca, já em 1963, é preciso enfrentar os Vampiros que “comem tudo e não deixam nada”, opormo-nos a um modelo de sociedade que nos oprime e que “é imposta aos jovens de hoje, teleguiada de longe por qualquer FMI, por qualquer deus banqueiro” por uma Troika sem qualquer legitimidade democrática, cuja politica cega de austeridade empobreceu o país e que foi, pasme-se, recentemente criticada pelo presidente da Comissão Europeia, o senhor Junkers.
José Afonso defendeu dois ideais fundamentais: a liberdade e a justiça social.
O primeiro ele pôde realizá-lo ao cantar sem ter a Pide à espreita…
O segundo, infelizmente, está por alcançar e daí as suas canções continuarem actuais.   
- Que canção cantaria Ele hoje, se fosse vivo, sobre a corrupção e as gritantes desigualdades sociais que assolam este país?
- Que canção cantaria Ele hoje, se fosse vivo, sobre o patobravismo e chico-espertismo que destruiu a paisagem do litoral português?
-Que canção cantaria Ele hoje, se fosse vivo, sobre a emigração dos jovens?
-Que canção cantaria Ele, se fosse vivo, sobre a Troika e a servil submissão de Portugal à Alemanha?
- Tantos temas e canções que tinhas para nos cantar…
O Zeca está entre nós, com os seus sonhos e denúncias, com a sua imensa autenticidade e generosidade.
Obrigado, Zeca, pelas tuas canções, pelas tuas mensagens e, sobretudo, pela tua Dignidade! 
Um abraço,
Luís Pena"

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Um calendário - já!..

Na sua habitual crónica dos sábados no jornal AS Beiras, o engº. João Vaz deu conta do óbvio.
"A maior parte das estradas do concelho está degradada. Sabemos todos que não há manutenção preventiva nem planeamento na sua conservação. Além disso, o excesso de vias asfaltadas (mais de 900 km), devido à dispersão urbanística, exige meios financeiros consideráveis. Principalmente os “rasgos” e remendos sucessivos estragaram as vias. As várias entidades que abrem buracos (águas, electricidade, comunicações, gás) não comunicam entre si. Logo, abrem buracos a mais. Muitas vezes, a rua é asfaltada e na semana seguinte já alguém decidiu meter “um tubo” e criar um “rasgão”, ou seja, um “buraco”. Esta ineficiência do abre e fecha buraco é agravada por um regime legal que não obriga a quem abre “buraco” a repor o piso por completo. A lei fomenta o remendo. Pouco se houve ou vê que demonstre empenho das entidades em coordenar esforços e evitar os agora “inevitáveis” buracos. A câmara, ao tapar buracos, não o faz de forma eficiente."
No sentido de dar ideias para a resolução de tão cadente problema, fica o seguinte.
Que tal, todos os membros do executivo camarário - incluindo a oposição - e da assembleia municipal despirem-se para um calendário a vender no concelho e além-concelho...
Neste momento, não vejo outra solução para a ajuda de que tanto necessitamos para colocar minimamente aceitável, por exemplo, a circulação nas estradas da Serra da Boa Viagem.
Além do mais, sempre seria um gesto solidário, visto que há muitos anos não sabem fazer-nos mais nada...

"Nada há de mais ruidoso - e que mais vivamente se saracoteie com um brilho de lantejoulas - do que a política."

Será que, alguém com capacidade e talento, um dia, aparece nesta cidade, e consegue escrever sobre as putas, os putos, os chulos, os cabrões e os proxenetas que têm passado pelos meandros da política figueirense nos últimos 35 anos, dando nome aos animais?..

Será que a candidatura presidencial de Santana foi de carrinho empurrada pelo “lambretas”?..

O “Ministério da Segurança Social abriu uma auditoria à Santa Casa no primeiro mandato de Santana”.
Segundo o Observador (que cita o Expresso), “o lançamento da auditoria deu-se escassos dias antes de Santana Lopes mudar de ideias sobre a data ideal para o lançamento de uma candidatura às eleições presidenciais”...


Recorde-se que o mandato de Santana Lopes à frente da Santa Casada Misericórdia de Lisboa tem enfrentado diversos casos polémicos. Em agosto, o Público noticiou que, nos últimos cinco anos, o conselho de auditoria interna emitiu pareceres sucessivos em que alertava para o facto de a “sustentabilidade futura” da instituição não estar garantida. Seguiram-se depois notícias sobre contratos suspeitos na área da saúde (que um inquérito interno desvalorizou) e ainda sobre alegadas preferências de Santana por militantes do PSD e do CDS para cargos de gestão.
Santana Lopes é o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desde 2011. 
Segundo o Diário de Notícias, o Gabinete de Mota Soares já respondeu oficialmente dizendo que fiscalização à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa faz parte da gestão "corrente"

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Gala, um olhar sobre a antiga borda do rio...

imagem  COVA GALA...entre o rio e o mar...
Em 25 de junho de 2007, sobre a antiga borda do rio da minha Aldeia, escrevi aqui.

É bom ter boa memória.
A nostalgia não é boa se não for acompanhada de lucidez. Sem lucidez a nostalgia é perigosa. A lucidez é que permite que a memória esteja no sítio que deve ocupar. 
A memória nostálgica é perigosa, é mesmo muito perigosa, porque significa imobilismo, significa amargura, significa sempre dor. Enquanto que a lucidez permite-nos assumir a memória voltando a dar-lhe vida como período do nosso passado que é útil e bom recordar.
Vamos então olhar para este quadro com lucidez."

A imagem que desenterrei da minha memória ao olhar para este quadro, já desapareceu há anos.
A variante levou este postal magnifico da nossa Terra. 
Ainda bem que o artista, em boa hora, pintou esta obra...
Era tão bonita a antiga borda do rio da minha Aldeia.


Uma informação final.
O autor do quadro é Carlos Camarão.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

A “barrinha do sul”...

Tal como alertámos em 11 de dezembro de 2006,  o processo de erosão costeira da orla costeira da nossa freguesia, a sul do quinto molhe, a nosso ver, era já então uma prioridade. 
Continua a ser... Até porque, entretanto, e já passaram quase 9 anos, nada se fez.
As dunas continuam a ser devastadas e quem de direito nada faz...
Hoje, cerca das 16 horas, como as fotos documentam, o mar continuava a invadir a freguesia de S. Pedro.
O povo já baptizou o local por onde o mar entra com facilidade como a “barrinha do sul”...
fotos de António Agostinho. Mais fotos aqui.

Quem não se sente, não é filho de boa gente...

Portanto, sobre a postura adotada pela rapaziada que ocupa o poder apenas tenho a pedir ao senhor Passos que fale por ele...
Posso ser um fulano muito susceptível, mas a minha dignidade de cada vez que lia coisas como estas, ficava francamente afectada.
Passos Coelho, não tem o direito de confundir "a dignidade dos portugueses" - por conseguinte, também a minha... -  com a falta de coluna vertebral dele próprio, Pedro Passos Coelho... 
Como li aqui, “a passagem da Troika pelo nosso País, é um período negro na história de Portugal, não por causa da crise, não por causa do empréstimo, não por causa das organizações internacionais. Mas sim por causa de gente quase iletrada, ambiciosa e com uma ideologia de discoteca que sujeitou o país  a uma experiência económica, com base num livro cheiro de erros técnicos e com pressupostos como o do ideólogo agora arrependido Vítor Bento, de que os portugueses eram culpados do pecado do consumo acima das suas possibilidades.  
Não foi a Troika que ofendeu a dignidade dos portugueses, foi a direita mais idiota deste país, gente sem dimensão humana e sem grande currículo, com ministros doutores de diplomas aldrabados que humilharam Portugal e os Portugueses.”
E para terminar e para que conste...

Na Figueira é sempre Carnaval – rescaldo de 2015...

Pelo jornal AS BEIRAS, ficámos a saber que “vários milhares de pessoas assistiram na passada terça feira ao último Carnaval Figueira da Foz/Buarcos."
Mais ainda: "já o desfile ia a meio, ainda havia longas filas nas bilheteiras.”
Em declarações aos jornalistas, o presidente da câmara, João Ataíde, admitiu o óbvio: no próximo ano, “terá de ser melhorado o sistema de entradas no recinto do corso.”
Falta referir a parte da notícia que, presumo, irá ser desmentida no Carnaval do próximo ano...
“Esta foi a última edição com a organização da autarquia”...
Vejamos o que ficou desde já garantido pela autarquia: “um apoio de 50 mil euros...”
E no precioso e valioso pormenor: “a autarquia vai continuar «atenta» à organização do evento...”

A vida, por vezes, tem destas coisas: pormenores e descobertas deliciosas...


"Os deputados não são todos iguais"... 
Depois de, um dia destes, Paulo Sá ter ensinado Maria Albuquerque a brincar com legos, mais uma jovem deputada, de esquerda, explica ao tipo das bjécas agora ministro, que viragem económica só no fundo da garrafa quando acaba de as beber... 
Gostava de ter ainda o optimismo suficiente que me permitisse ver em "Mariana Mortágua a garantia de que este país tem futuro, e a esquerda, devagarinho, vai encontrando quem nos tire deste buraco"...

A dignidade e os partidos de que eu conheço o funcionamento – naturalmente, os da Figueira...

Numa cidade que pouco depois do 25 de Abril - o de 74 - sempre teve no poder gente lá colocada democraticamente, por um povo  que se habituou a viver numa sociedade amorfa e acrítica, a elite dominante aproveitou para sobreviver estes cerca de 40 anos no meio da indiferença quase geral...
Dignidade não enche barriga. Ponto.
Dignidade não existe, não se quer ter e existe raiva de quem a tenha ou alguma vez teve, como alguns desses pacóvios dos nossos antepassados (a história os varra e o passado os descarregue numa qualquer lixeira da memória...)
Hoje em dia o que vale e conta é a falta de dignidade. E, quanto mais indigna e infame, melhor.
A indignidade, é que dá lugares, tachos, euros  e garante carreiras e ascenções na vida política local.
A dignidade é para os palermas, os tolos, os tristes ou os otários....
Armar ao digno, na vida política, é meio caminho andado a nunca passar de um miserável passa fome... 

Covagalenses (e não só): hoje pelas, pelas 18h30, todos ao Clube Mocidade Covense....


quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

A dignidade dos portugueses não foi "beliscada", foi tratada com chicote...

"A vida das pessoas não está melhor mas o país está muito melhor"

Passos pede aos portugueses para serem "menos piegas"


Crianças chegam ao hospital doentes por terem fome


Portugueses mais pobres e a ganhar menos do que em 1974


Um em cada cinco suicídios tem a ver com o desemprego

Se temos de pagar os sacos de plástico aos merceeiros, porque é que os merceeiros podem continuar a publicitar o seu nome nos sacos?..


"Quem é amigo dos gregos?..."


Pronto. Fora estes dois suspeitos de serem pelo menos lacaios da senhora Merkel, multiplicam-se como cogumelos os amigos dos gregos. 
E ninguém tenha dúvidas que mesmo Passos e Cavaco ainda vão virar o bico ao prego. Basta que Tsipras e Varoufakis consigam cortar a dívida, baixar os juros e sacarem mais uns milhões para aumentarem a despesa pública, para os dois passarões inimigos dos gregos passarem a ser os mais fervorosos amigos dos gregos do Syriza, dos Gregos Independentes, da Aurora Dourada, da Nova Democracia e dos desgraçados dos socialistas. 
Vá lá, também serão amigos dos comunistas para não os acusarem de discriminações. E viva a Grécia e quem a apoiar.

Há cada artista!...

Disse, entre outras coisas,  Juncker, que criticou Durão Barroso:
"Pecámos contra a dignidade dos povos, especialmente na Grécia, em Portugal e também na Irlanda. Eu era presidente do Eurogrupo e pareço estúpido em dizer isto, mas há que retirar lições da história e não repetir os erros"... 

 "A troika é pouco democrática, falta-lhe legitimidade democrática e devemos rever essa questão quando chegar o momento..."

A propósito de reuniões camarárias à porta fechada...

para ler melhor clicar na imagem
Ontem, via internet, acompanhei a reunião camarária...
Foi uma reunião que teve muita participação popular no período a esse fim destinado.
Foi essa a melhor memória que registei da reunião camarária de ontem à tarde... 
Mas, por quanto tempo pode essa imagem persistir na minha memória?
Na próxima reunião de câmara, mesmo que queira, não posso acompanhar o que, presumo, de mais importante se passa no meu concelho.
Deverei concluir que a persistência dessa futura nova imagem na minha memória, se ficará a dever ao facto de a porta daquela casa se encontrar fechada durante as horas que durar a próxima reunião camarária?
A meu ver não deverei. 
A persistência da perturbação que essa futura memória causa em mim e, estou certo, em muitos figueirenses, ficará a dever-se mais ao facto de perdurar em nós a imagem da porta fechada.
Mas, sobretudo, em mim e, presumo, que em milhares de figueirenses, vai perdurar a imaginação daquilo que, para além da porta fechada, não pude observar...
Nessa futura próxima memória, o elemento mais forte pode muito bem consistir numa imagem daquilo que não pude assistir, mas posso imaginar que, eventualmente, possa vir a acontecer...
Imaginações vagas e férteis todos temos... E, sobretudo, persistentes.