FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

E as mães, os pais e os filhos dos outros que se lixem?..

O deputado do PSD José Manuel Canavarro pediu a palavra para «defender a honra da mãe», considerando ser «inadmissível» que a tenham insultado. «As nossas mães não são para aqui chamadas», exclamou.

Via TVI

Dia da Criança


Baralhou e tornou a tirar...


Os subsídios de desemprego e de doença superiores a 419 euros por mês vão ser sujeitos ao pagamento de taxas de 6% e 5%, respetivamente. Com a criação de uma salvaguarda de isenção para as prestações inferiores àquele montante, correspondente ao Indexante dos Apoios Sociais (IAS), o Governo contornou a recente inconstitucionalidade declarada pelo Tribunal Constitucional. A medida está inscrita no Orçamento Retificativo, ontem aprovado em Conselho de Ministros, onde estão incluídos cortes na despesa pública equivalentes ao chumbo de 1,3 mil milhões de euros declarado pelo Tribunal Constitucional. E terá um efeito financeiro evidente no subsídio de desemprego de valor mais elevado (ver infografia). A aplicação de uma taxa de contribuição de 6% sobre o subsídio de desemprego irá abranger um universo de quase 400 mil desempregados.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Mais uma Colectividade do nosso concelho a viver momentos difíceis...

Se não acontecer um milagre,o Grupo Desportivo Cova-Gala, um clube que formou alguns craques, mas muitos Homens e uma  agremiação desportiva com história, no nosso concelho e no distrito de Coimbra, fecha as portas em Junho...

Alguém leva a sério que o ministro das Finanças consiga torcer pelo benfica?..

E se deixassem  de gozar com os "palhaços"?..

Curiosidades marginais (III): Porto Comercial e Zona Industrial e os erros estratégicos de localização

O assoreamento do Rio Mondego é um problema antigo e complicado. Mas, para a Figueira, nem tudo sempre foram desvantagens.
Antes do século XI, o Mondego navegável era a estrada natural para o comércio existente nos princípios da nacionalidade. Coimbra, Soure, Verride, Montemor-O-Velho eram então importantes praças comerciais e influentes portos fluviais no centro do país. Por sua vez, a Figueira limitava-se a ser um pequeno ponto localizado na foz do Mondego.
A partir do século XII, porém, o assoreamento do Mondego, com a natural perda da navegabilidade que daí resultou, fez com que um pequeno povoado pertencente ao concelho de Tavarede viesse a ganhar actividade e importância e se desenvolvesse até à cidade na moda, cosmopolita, mas ainda provinciana, dos dias de hoje.
E tudo começou, em boa parte, por há cerca de oitocentos anos o rio ter começado a ficar impraticável para a navegação. Como em tantos outros casos, o mal de uns foi a sorte de outros.
O rio e o porto estão associados ao crescimento da Figueira e são factores de desenvolvimento concelhio, pelo que deveria ter havido (e continuar a haver) o máximo de cuidado e planeamento na execução e expansão das obras portuárias.
As razões são óbvias: basta verificar qual será a função principal do porto comercial.
Fácil de responder: proporcionar o escoamento a mercadorias da zona centro do país, em especial das empresas sediadas na zona industrial da Figueira da Foz e das celuloses.
Sendo a Figueira, como sabemos, um porto problemático a vários níveis, nomeadamente por sofrer a influência das marés, enferma de um erro estratégico de fundo: a localização. A teimosia, ou a falta de visão, em manter o porto comercial na margem norte é um factor condicionante para as condições de funcionalidade da estrutura portuária.

Duas razões simples:
1º. Se estivesse na margem sul estaria mais perto das fábricas, o que pouparia as vias de comunicação que dão acesso ao porto comercial e evitaria a sobrecarga no tabuleiro da ponte da Figueira.
2º.  Principalmente no inverno, os navios acostados no cais comercial têm frequentes problemas de segurança, ao ponto de, por vezes, ser necessária a sua deslocação para a zona abrigada do porto de pesca com as demoras e despesas daí resultantes, o que torna mais onerosa e menos operacional a vinda dos navios à barra da Figueira.

Tempo é dinheiro no competitivo mercado dos transportes marítimos. O mal, contudo, está feito, mas não pode ser escamoteado. Até porque a vinda para a margem sul do porto de pesca não foi inocente. Era poluente ...
Também podemos aprender com os erros. E erro estratégico foi, igualmente, a implantação da zona industrial logo a seguir à zona habitacional da Gala, quando teria sido perfeitamente possível e fácil a sua deslocação mais para sul, possibilitando assim a criação de uma zona tampão entre as fábricas e as residências.
É uma questão pertinente, apesar do optimismo que aí vai com a notícia da implantação de uma fábrica que, segundo a responsável pela gestão do Parque Industrial, “é o maior projecto”, desde que a câmara tomou posse dos terrenos da zona industrial.
Com erros, ou sem erros, porto comercial e zona industrial são estruturas complementares no progresso e desenvolvimento do nosso concelho. Contudo, convém que o planeamento seja devidamente sustentado, pois erros já foram cometidos bastantes. Apesar dos alertas feitos em devido tempo.
Historicamente é conhecido que a ocupação espanhola dos Filipes foi penosa para Portugal. Na Figueira, conforme pode ler-se no Manifesto do Reino de Portugal, “nos séculos XV e XVI até as pescarias não eram seguras, porque nos nossos portos tomavam mouros e turcos as mal defendidas barcas de pesca; cativavam e faziam mercadoria humana dos miseráveis pescadores; e ainda se atreviam licenciosa e insolentemente ao mesmo nos lugares marítimos, como senão tiveram rei que os pudesse defender; e proibida a pescaria faltava ao reino uma considerável parte do seu sustento”.
Isto aconteceu na dinastia dos ocupantes Filipes. Nesse tempo, mouros, turcos e habitantes do norte da europa, todos piratas, saquearam e flagelaram Buarcos e a Figueira. Essa realidade só veio a mudar com a independência, a partir de 1640.
Todavia, só em meados do século XVIII o porto da Figueira conheceu o esplendor, beneficiando, é certo, de um factor exógeno: a quase inutilização da barra de Aveiro. Mais uma vez, o mal de uns foi a sorte de outros.
A região interior centro passou a processar o movimento de importação e exportação das mercadorias pelo porto da Figueira, a tal ponto que embora com demoras, dificuldades e riscos, a nossa cidade “ foi considerada a terceira praça comercial e marítima do país do século XIX”.
De então para cá aconteceram períodos mortos, avanços, recuos, estudo e mais estudos técnicos, ilusões, desencantos, mentiras, mas, nas últimas dezenas de anos, apesar de tudo, avançou-se desde o cais de madeira obsoleto e podre, apenas equipado com uma grua a vapor, tempos esses aliás ainda presentes na nossa memória.
Pena foi o cais comercial ter morto e enterrado as memoráveis regatas de outros tempos. Também por isso, porque é que não o implantaram na margem sul?

Em tempo.
Crónica Marginal de  António Agostinho, 18 de Junho de 2001, publicada no jornal Linha do Oeste     

terça-feira, 28 de maio de 2013

Costa de Lavos, 1958

foto de Gérard Castello-Lopes

28 de maio

Foi num 28 de Maio, mais concretamente em 1936, no 10º aniversário da «Revolução Nacional», que Salazar proferiu um discurso que ficou tristemente célebre pela frase que se ouve no vídeo:
«Não discutimos Deus e a virtude; não discutimos a Pátria e a sua História; não discutimos a autoridade e o seu prestígio; não discutimos a família e a sua moral; não discutimos a glória do trabalho e o seu dever.»

Mas ninguém refere o resto do discurso que foi longo e que termina deste modo lapidar: «Nada valem filosofias e filósofos ou sonhos de sonhadores contra estas realidades.»
Não estamos em ditadura, mas sim numa democracia, embora débil, e ouvimos todos os dias frases equivalentes a esta. Mas os «sonhadores» um dia vencerão – contra estas e contra muitas outras tristes realidades. 

Mia Couto ganha Prémio Camões

Um prémio  merecido  que segundo o Juri foi entregue tendo em conta a “vasta obra ficcional caracterizada pela inovação estilística e a profunda humanidade”

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Curiosidades marginais (II): Semear para se ver?

Existe “desunião” na Figueira?
É possível que sim.
A comunidade citadina “preocupa-se mais com questões pessoais, de maledicência, de desejar o mal aos outros, do que com o que é importante”?
É possível que sim.
Existem figueirenses que, quando alguém aponta para a lua, olham para o dedo de quem aponta, esquecendo o resto?
É possível que sim.
Haverá figueirenses a torcer para que o “oásis do Santana” vá por água abaixo?
É possível que sim.
Mas - é bom não esquecer, - também existem os outros: os que estão unidos pela Figueira; os que não querem saber das tricas pessoais; os que se preocupam com as verdadeiras necessidades do seu concelho (freguesias rurais incluídas) e as medidas estruturais necessárias à sua resolução. Existem, ainda, os que para quem o “oásis do Santana” é irrelevante (já agora, aproveito para esclarecer o porquê: normalmente semeia-se para se colher. O oásis, faz parte de um conjunto de outros (alguns pseudo) mega-projectos onde se semeia para se ver. Dá para entender?)
Embora não se deva duvidar que se “continue a trabalhar com todas as forças”, pelos projectos do concelho, até porque não se pode ser “presidente de Câmara a brincar”, percebe-se porque é que se perdeu a capacidade de sonhar: em política, tal como na vida real, tem de se semear para colher. E, mesmo assim, por vezes, há problemas com as colheitas....
Quem semeia para se ver, acaba por sofrer as consequências dos chamados “acidentes de percurso”. Daí, ao esfumar de um sonho, é um passo.

Em tempo.

Crónica Marginal de  António Agostinho, 10 de Setembro de 1999, publicada no jornal Linha do Oeste.   

domingo, 26 de maio de 2013

Quem avisa amigo é...

Tinha avisado para entrarem em "alerta vermelho", pois o Benfica estava a correr sérios riscos de contrair o "The Peseiro Syndrome"...
E não é que assim aconteceu!..

Uma curiosidade dos dias que passam na nossa cidade é a necessidade de alguns figueirenses terem legendas…


A carta de Ruy de Carvalho

Esta foto é de 3 de Junho de 2011.
Mostra o actor Ruy de Carvalho, um Social Democrata, «porque acredita nesse tipo de formatação política»,  a cumprimentar  efusivamente o presidente do PSD, Passos Coelho, durante uma acção de campanha do partido, em Lisboa.
Agora, escreveu-lhe uma carta que merece ser lida na íntegra.
Não carece de explicação… Quem necessitar de uma, não iria percebê-la.
Apenas, tal como Ruy de Carvalho, embora eu não tenha tido culpa, pois não votei no senhor Passos Coelho, tenho pena que tenhamos tido tão pouca sorte nas escolhas que fez o Povo Português.


"Senhores Ministros:
Tenho 86 anos, e modéstia à parte, sempre honrei o meu país pela forma como o representei em todos os palcos, portugueses e estrangeiros, sem pedir nada em troca senão respeito, consideração, abertura – sobretudo aos novos talentos -, e seriedade na forma como o Estado encara o meu papel como cidadão e como artista.
Vivi a guerra de 36/40 com o mesmo cinto com que todos os portugueses apertaram as ilhargas. Sofri a mordaça de um regime que durante 48 anos reprimiu tudo o que era cultura e liberdade de um povo para o qual sempre tive o maior orgulho em trabalhar. Sofri como todos, os condicionamentos da descolonização. Vivi o 25 de Abril com uma esperança renovada, e alegrei-me pela conquista do voto, como se isso fosse um epítome libertador.
Subi aos palcos centenas, senão milhares de vezes, da forma que melhor sei, porque para tal muito trabalhei.
Continuei a votar, a despeito das mentiras que os políticos utilizaram para me afastar do Teatro Nacional. Contudo, voltei a esse teatro pelo respeito que o meu público me merece, muito embora já coxo pelo desencanto das políticas culturais de todos os partidos, sem excepção, porque todos vós sois cúmplices da acrescida miséria com que se tem pintado o panorama cultural português.
Hoje, para o Fisco, deixei de ser Actor…e comigo, todos os meus colegas Actores e restantes Artistas destes país - colegas que muito prezo e gostava de poder defender.

Tudo isto ao fim de setenta anos de carreira! É fascinante.
Francamente, não sei para que servem as comendas, as medalhas e as Ordens, que de vez em quando me penduram ao peito?
Tenho 86 anos, volto a dizer, para que ninguém esqueça o meu direito a não ser incomodado pela raiva miudinha de um Ministério das Finanças, que insiste em afirmar, perante o silêncio do Primeiro-Ministro e os olhos baixos do Presidente da República, de que eu não sou actor, que não tenho direito aos benefícios fiscais, que estão consagrados na lei, e que o meu trabalho não pode ser considerado como propriedade intelectual.
Tenho pena de ter chegado a esta idade para assistir angustiado à rapina com que o fisco está a executar o músculo da cultura portuguesa. Estamos a reduzir tudo a zero... a zeros, dando cobertura a uma gigantesca transferência dos rendimentos de quem nada tem para os que têm cada vez mais.
É lamentável e vergonhoso que não haja um único político com honestidade suficiente para se demarcar desta estúpida cumplicidade entre a incompetência e a maldade de quem foi eleito com toda a boa vontade, para conscientemente delapidar a esperança e o arbítrio de quem, afinal de contas, já nem nas anedotas é o verdadeiro dono de Portugal: nós todos!
É infame que o Direito e a Jurisprudência Comunitárias sirvam só para sustentar pontualmente as mentiras e os joguinhos de poder dos responsáveis governamentais, cujo curriculum, até hoje, tem manifestamente dado pouca relevância ao contexto da evolução sociocultural do nosso povo. A cegueira dos senhores do poder afasta-me do voto, da confiança política, e mais grave ainda, da vontade de conviver com quem não me respeita e tem de mim a imagem de mais um velho, de alguém que se pode abusiva e irresponsavelmente tirar direitos e aumentar deveres.
É lamentável que o senhor Ministro das Finanças, não saiba o que são Direitos Conexos, e não queiram entender que um actor é sempre autor das suas interpretações – com diretos conexos, e que um intérprete e/ou executante não rege a vida dos outros por normas de Exel ou por ordens “superiores”, nem se esconde atrás de discursos catitas ou tiradas eleitoralistas para justificar o injustificável, institucionalizando o roubo, a falta de respeito como prática dos governos, de todos os governos, que, ao invés de procurarem a cumplicidade dos cidadãos, se servem da frieza tributária para fragilizar as esperanças e a honestidade de quem trabalha, de quem verdadeiramente trabalha.
Acima de tudo, Senhores Ministros, o que mais me agride, nem é o facto dos senhores prometerem resolver a coisa, e nada fazer, porque isso já é característica dos governos: o anunciar medidas e depois voltar atrás. Também não é o facto de pôr em dúvida a minha honestidade intelectual, embora isso me magoe de sobremaneira. É sobretudo o nojo pela forma como os seus serviços se dirigem aos contribuintes, tratando-nos como criminosos, ou potenciais delinquentes, sem olharem para trás, com uma arrogância autista que os leva a não verem que há um tempo para tudo, particularmente para serem educados com quem gera riqueza neste país, e naquilo que mais me toca em especial, que já é tempo de serem respeitadores da importância dos artistas, e que devem sê-lo sem medos e invejas desta nossa capacidade de combinar verdade cénica com artifício, que é no fundo esse nosso dom de criar, de ser co-autores, na forma, dos textos que representamos.
Permitam-me do alto dos meus 86 anos deixar-lhes um conselho: aproveitem e aprendam rapidamente, porque não tem muito tempo já. Aprendam que quando um povo se sacrifica pelo seu país, essa gente, é digna do maior respeito... porque quem não consegue respeitar, jamais será merecedor de respeito!
 RUY DE CARVALHO"

Bom domingo

sábado, 25 de maio de 2013

O esplendor da direita…


Em tempo.
Nos tempos que correm em Portugal, as castas iluminadas  – de que fazem parte os banqueiros, gestores e economistas de topo, membros de conselhos de administração, governantes,  e afins -, que, todos juntos,  não devem ser mais que um por cento da população, ganharam o  hábito de chamar privilegiados à maior parte dos restantes 99 por cento.
Daqui, estranhamente, está a dar-se  uma inversão do sentido de privilegiado.
Hoje, chama-se privilegiado a alguém que tenha perdido o  emprego,  e esteja a receber subsídio.
Este mero facto é a ilustração grotesca de quão baixo e mesquinho descemos em Portugal…
A continuar assim, a breve trecho, serão "privilegiados" todos aqueles que não estiverem a morrer de fome…
Curiosamente, porém, nunca são estes que trazem o tema do privilégio para a praça pública. Os desempregados não atacam o privilégio de se ter um emprego; querem apenas conquistá-lo.
Mas um banqueiro como este Salgado, que tem poucas oportunidades de ficar desempregado, defensor da  liberalização dos despedimento em Portugal - a benefício, supostamente, dos desempregados – ainda tem o desplante de dizer o que diz…
Aliás, é vulgar nos jornais, facilmente encontramos senhores que podem determinar o valor das suas pensões ou aumentar-se legalmente a si mesmos, que acusam o cidadão comum de, com os seus “privilégios”, estar a colocar em risco a sobrevivência de Portugal.
A esses senhoritos aproveito para lembrar o que dizia o padre António Vieira: “se é preciso muito peixe miúdo para alimentar um peixe grande, somente um peixe grande bastaria para alimentar muitos pequenos.”
Chegados aqui em que é que ficamos?
Ficamos a pensar, o  que já não é pouco, - não sendo embora um “privilégio” - nos cerca de 500 000 desempregados que não têm direito a subsídio... 

Uma palavra para o Miguel

Na Figueira, a vida democrática tem existido com alternância de poder, e é por isso que  andas  por  cá a mostrar a mensagem que queres passar.
"O  Miguel  está aqui, anda a  ver tudo. E vai  tomar conta de tudo.
Comigo, o futuro da Figueira brilhará…
E  brilhará de todas as maneiras possíveis, até ao infinito."
Felicidades  Miguel.
A Figueira merece-te.
E tu mereces a Figueira.
Vai ser  difícil?
Vai…  Mas se calhar, mais uma vez,  estarei  errado...

A direita no seu esplendor...

"Nem todos tiveram a oportunidade de assistir ao debate, há uns dias, sobre uma proposta de resolução dos Verdes que recomendava ao Governo o acesso à Constituição (CRP) por todos os alunos e a inserção do ensino da mesma nos programas curriculares.
Naturalmente, caberia ao Governo a concretização da recomendação. Não se tratava de pedir a alunos de 15 anos que estudassem a lei das leis como a mesma é estudada numa disciplina de direito constitucional no curso de Direito.
O que estava, e bem, em causa era permitir que os estudantes concluíssem a sua escolaridade com uma capacidade de cidadania acrescida. Saberem o que é a CRP; conhecerem os seus princípios básicos, como o da igualdade; conhecerem os (seus) direitos e deveres fundamentais; perceberem o sistema político no qual estão integrados, desde logo pelo direito ao voto; nesse sentido, por exemplo, ser-lhes facultado o estudo dos órgãos de soberania e das respetivas competências fundamentais; enfim, isto.
Para surpresa de toda a esquerda, a direita levantou-se como um equinócio contra a proposta. Como se a CRP fosse esquerdista ou ideológica ou rígida e aleijasse menores.
Sendo a CRP naturalmente de todos e tendo a direita votado favoravelmente todas as revisões constitucionais, desde logo ao lado do PS, a argumentação no debate foi um embaraço.
Um Deputado do PSD explicou como, noutras disciplinas – como a de história – se ensina a evolução constitucional portuguesa desde 1822. Sim, dizia, os alunos sabem que depois houve a Carta de 1826 e – pasme-se – também estudaram a primeira Constituição republicana, a de “1933”. O Deputado, provavelmente escutado por jovens, não sabia que deu-se o caso de uma revolução republicana em 1910 e de uma consequente e primeira Constituição republicana, a de 1911. Parece que o republicanismo constitucional se iniciou, então, com uma Constituição fascista.
Dir-se-á que erros acontecem, mas os Deputados escolhidos para intervir devem ser os mais preparados na matéria em questão."

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Mais uma contrariedade para a Naval: terreno onde esteve durante décadas a sede da Associação Naval 1º de Maio foi penhorado e vai ser vendido em hasta pública

Para ler clicar em cima da imagem. Outros pormenores aqui.

aF211


"Houve corrupção no jogo entre Naval e Moreirense, disputado em 29 de Abril de 2011"…



Peço desculpa pela publicação consecutiva de posts pouco motivadores...
Mas,  entre a corrupção na futebol, a evolução da economia nacional e o decorrer da pré campanha autárquica na nossa cidade, estou com alguma dificuldade em encontrar razões para andar sorridente.
Valha-nos o tempo, que parece estar a aquecer e a consequente inflexão no peso total da indumentária feminina,  que o calor  costuma provocar... 

Ideologia territorial

Aos que insistem em achar que não apoiar a candidatura de Miguel Almeida é um preconceito ideológico e que defendê-la é pragmático, eu respondo: defender a candidatura de Miguel Almeida é fragilizar gravemente a coesão territorial do concelho da Figueira da Foz. 
Conscientemente, ou deliberadamente, para um figueirense haverá algo mais ideológico que isto?

E assim aconteceu...

“Em circunstâncias normais, o Presidente da República já devia ter mandado o Governo para as urtigas”. 
Quem o disse foi Freitas do Amaral, na Figueira da Foz.

daqui

Curiosidades marginais (I): Já sabem quem é o pai do Oásis?...


Pedro Pinto, um inventor português, natural de Leiria e, actualmente, a residir em Mafra, acha-se com direito à autoria original do «Oásis» da praia da Figueira.
A «bronca» deu-se na reunião Camarária do passado dia 15 de Setembro de 1999, quando Pedro Pinto questionou a actual vereação, ao afirmar ter entregue em 1996 na autarquia figueirense um projecto com o mesmo nome e localização. Segundo o inventor, no projecto entregue há três anos constava a «construção de um corredor perpendicular à praia e outro paralelo à marginal, este último com passagens inferiores aos passadiços que são usados pelos banhistas».
Os corredores seriam destinados ao transporte de turistas a camelo, para a praia e vice-versa, e passeios ao longo do areal. Este projecto, entregue em 1996, contemplava ainda «um lago com repuxo com cascata baixa, uma zona arborizada, bar, jardim tipo oásis com rio e lago pequeno  e uma possível discoteca /bar subterrânea». Uma fase posterior, contaria também com «um ou dois bares ao longo do corredor paralelo à marginal».
Sendo verdade que Pedro Pinto apresentou o projecto na Câmara em 1996, mas que o mesmo foi indeferido pelo facto do «areal da praia fazer parte dos designados espaços naturais, sendo também área da REN, de acordo com o estipulado no PU em vigor», pergunta um leigo: o que é que, entretanto, foi alterado para obviar estas dificuldades processuais e implementar a execução em tempo record do oásis figueirense?
Será por o actual projecto – o que foi realizado – ter eliminado os camelos?
Com animais típicos do Norte de África, ou sem animais típicos do Norte de África, a dúvida subsiste:
Quem é o verdadeiro pai do oásis?
É que, pelos vistos, afinal havia outro ?!..

Em tempo.
Crónica Marginal de  António Agostinho, 19 de Setembro de 1999, publicada no jornal Linha do Oeste                    

António Gil Cucu ganhou um prémio há um ano. Para todos estes obcecados que confundem coração, cabeça e estômago com a carteira, um estudante de Latim, ainda que internacionalmente reconhecido, nunca será um empreendedor, porque estas coisas da cultura não dão dinheiro, não têm mercado, não geram emprego. António Gil Cucu, com tantos defeitos, ainda pode vir a doutorar-se, que é meio caminho para que o mandem calar.

Há cerca de um ano, um jovem de 16 anos ganhou um concurso internacional de Latim, graças ao seu próprio esforço, à competência dos professores, ao acompanhamento dos pais e apesar do desinteresse do Ministério da Educação, talvez porque o dito concurso se relacionava com um assunto estranho ao referido ministério: a Educação.
Esta semana, outro jovem ganhou notoriedade por, na opinião de muitos, ser um exemplo de empreendedorismo e por, para cúmulo, ter conseguido calar Raquel Varela, uma doutorada que acumula, ainda, o defeito de ser de esquerda.
O caso de Martim Neves, o jovem empreendedor, tem sido aproveitado por uma certa direita muito marialva para reforçar a comunicação de algumas ideias. Por outro lado, alguma esquerda distraída criticou o tom doutoral da doutorada ou a falta de oportunidade da sua intervenção. Entre defesas e contra-ataques respigados aqui e ali, foi possível assinalar as seguintes atitudes/afirmações:
- Martim Neves é virtuoso, porque soube aproveitar uma oportunidade e ganhar dinheiro com isso, factores que dispensam qualquer reflexão ética, moral ou social;
- é a inveja que move os críticos de Martim Neves;
- Martim Neves é extraordinariamente inteligente, apesar de ser jovem, e deve ser preservado das críticas ou da obrigação de reflectir sobre as suas responsabilidades de empregador porque é jovem;
- Martim Neves, alegadamente, cria emprego, ao contrário de todos os inúteis que o criticam, o que é razão suficiente para retirar razão aos críticos;
- se o crítico de Martim Neves é funcionário público, incorre em três pecados capitais num mundo em que só o empreendedor é virtuoso: o funcionário público inveja o empreendedor, o funcionário público não cria emprego e o funcionário público é, por definição, preguiçoso;
- se o funcionário público for professor, qualquer defeito típico do funcionário público sofre um aumento exponencial, porque não há ninguém mais invejoso, infértil de empregos e preguiçoso do que o professor;
- Raquel Varela não tinha o direito de chamar a atenção de Martim Neves para as condições de trabalho dos operários, porque, muito provavelmente, ela própria poderia estar a vestir uma peça feita na Índia ou poderia estar a usar um computador montado na China;
- do ponto anterior, conclui-se que, a partir do momento em que, por distracção, inércia ou outra razão qualquer, tenhamos na nossa posse um objecto que resulte da exploração de trabalhadores, ficamos impedidos de ter uma opinião negativa sobre a exploração de trabalhadores;
- de qualquer modo, Raquel Varela, como esquerdista limitada, é incapaz de perceber que o empreendedor não tem de se preocupar com problemas laborais;
- Martim Neves comportou-se como Jesus entre os doutores, ao calar a doutorada Raquel Varela com o argumento de que é melhor ganhar um ordenado mínimo do que estar desempregado;
- do ponto anterior, deduz-se que a opinião do empreendedor sobre a vida de quem ganha o salário mínimo é muito mais importante do que a da própria pessoa que ganha o salário mínimo;
- à semelhança do que acontecia noutros tempos, a pessoa que receba o salário mínimo deve limitar-se a agradecer a oportunidade de receber o salário mínimo, porque há sempre a hipótese de estar pior;
- subentende-se, aliás, que quem ganha o salário mínimo, tal como quem não arranja emprego, só está como está porque não quer estar melhor.

As vergonhas que o Partido Socialista passa…

Que os rapazinhos das juventudes socialistas  não saibam quem é o Cónego Melo, dá para perceber... 
Pelo caminho que isto leva qualquer dia pensam que o Tratado de Tordesilhas foi assinado pelo Durão Barroso.
Que o Mesquita Machado, esse exemplar do empreendedorismo avant la lettre, queira fechar com chave de ouro a sua presidência da Câmara, também não é assim tão surpreendente... 
Afinal, parece que é mesmo como ele diz e foi assim que, ele, como tantos,  subiu na vida: "não tem qualquer tipo de significado a ideologia da pessoa”.

Em tempo.
"O patriotismo é o último refúgio de um canalha", Samuel Johnson.

Miguel Sousa Tavares


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Querida Europa…

Estamos em recessão, com o desemprego a "galopar" para máximos históricos e Bruxelas continua a debater a sua idílica "sociedade higiénica"...
Como diria o meu saudoso o querido Zé Martins, “anda tudo doido”!...

Tributo a Georges Moustaki


Ontem, dia 23 de Maio de 2013, morreu o cantor anarquista Georges Moustaki - o Estrangeiro -, judeu errante e grego de Alexandria, nascido em 1934 no Mediterrâneo; poeta, amante, e habitante, de Edith Piaf e de outras Mulheres, e do coração de Paris, e de outras Ilhas, e da França da Liberdade; e que, ao longo das décadas do século XX, nos acompanhou, a todos nós, nos tempos das nossas vidas.

Em tempo.
Os meus agradecimentos ao Professor Alfredo Pinheiro Marques e ao Dr. Luis Pena pela informação.

Pondo de lado a demagogia - desculpem, aliás, a ideologia…

imagem sacada daqui

“Não tenho problemas ideológicos”, disse um dia destes o candidato Miguel Almeida. 
E acrescentou: “Somos Figueira, por convicção, não me posso barricar unicamente no meu partido”.
E assim vamos indo, de pragmatismo em pragmatismo, metendo a ideologia de parte...
Todas as cautelas são poucas -  da ideologia a malta, sem pensar,  poderia passar a valores… 
E  daí a princípios  (poderia ser apenas um pulito)
"Amarrado", ideológica e partidariamente  a este Governo,  está a tentar fazer o óbvio - enveredar pelo caminho mais fácil: "saltar fora"
Será que o Miguel,  se tivesse tido um  lugar elegível nas listas do PSD por Coimbra, em 2011 – ele, anteriormente, foi candidato e deputado, lembram-se?.. -  não teria tomada posse como deputado e não estaria, neste momento, a dar apoio, explícito e  implícito,  ao Dr. Passos Coelho e às suas políticas?..

Costa de Lavos - 1960

foto de Gérard Castello-Lopes

“Talento é sorte. A coisa importante na vida é ter coragem.” *


·   
*  Woody Allen

Diogo Freitas do amaral


quarta-feira, 22 de maio de 2013

"Patrão abusava de filha e não despedia o pai.."

Vá lá, vá lá: ao menos não ficou desempregado!..

O desemprego serve justamente para isto. Serve para se legitimar o mal menor, isto é, a miséria. Desemprego é, numa palavra, criação de um exército de desesperados dispostos a trabalhar a qualquer preço – é esse o programa da troika


“...ganhar o salário mínimo é melhor do que estar desempregado, estar no gulag é melhor do que estar morto, ser português é melhor do que ser somali, viver na brandoa é melhor do que viver em damasco, lavar casas-de-banho é melhor do que trabalhar em desminagem, ter um marido ciumento é melhor do que ser mulher em kandahar, ser insultado pela maria teixeira alves é melhor do que ser espancado por um skin, viver na carregueira é melhor do que estar preso no carandiru, viver com o passos coelho é melhor do que viver com dois pais, digamos um mobutu e um mugabe (há correntes), estar a recibos verdes é melhor do que ser escravo na Mauritânia  vestir uma blusa over it é melhor do viver numa dama de ferro. Espero que o miúdo passe factura das vendas na internet.”

Temos a obrigação de criar uma verdadeira alternativa aos figueirenses…

Deixemo-nos de discutir o sexo dos anjos.
“Vamos ao que interessa: uma verdadeira alternativa autárquica para a Figueira...”
Face aos cenários previsíveis -  uma coligação de direita, camuflada de Somos Figueira!.., e uma direita conservadora do PS -  os figueirenses não terão direito a uma verdadeira alternativa?..
Como alvitrei há tempo, neste espaço, é inadiável, necessário, útil, imprescindível e urgente uma coligação de esquerda: CDU + BE + Cidadãos Independentes.
Eleger um vereador, pelo menos, depende de nós...

Há muito tempo que estar à espera deixou de significar ter esperança…

“Com satisfação afirmo que não é pelo facto de uma mentira ser repetida muitas vezes que ela se torna verdade e não deixa de ser irónico que o que “vende” jornais afinal é o teatro. E na Figueira, terra de tradições cénicas, só os políticos e comentadores com jeito para a arte, é que se safam!

Grande frase do "100%"  António Jorge Pedrosa, desavergonhadamente sacada daqui
Em tempo.
Segundo li nas Beiras (edição papel),  “elementos da comissão executiva, do conselho de fundadores e da assembleia geral da Associação Cívica Figueira 100%, vão reunir, hoje,  informalmente, em  mais uma tentativa para encontrar uma solução para o futuro da estrutura.”

Marketing Político à Santana Lopes…



“Autárquicas 2013: «Somos Figueira» avança com várias coligações partidárias 

Segundo anunciou Miguel Almeida, a candidatura à presidência da Câmara Municipal da Figueira da Foz que encabeça e que se intitula «Somos Figueira» irá incluir vários partidos políticos. Ao PSD juntam-se outros partidos do centro-direita, (
é sabido que decorrem conversações com o 
CDS/PP...) mas também próximos à esquerda.
“Será o mais abrangente possível, não ficaremos barricados ao PSD. Esta é uma candidatura ampla e se encontrarmos pessoas mais adequadas aos vários cargos, não temos problemas alguns com questões ideológicas», referiu dando conta que no boletim de voto o nome a constar será, precisamente, «Somos Figueira».

Listas… só no final do verão

Via «Somos Figueira» - que este espaço já, em tempo, explicou o que é e para que irá servir.

"SOMOS FIGUEIRA, é apenas a bóia de salvação que o actual PSD FIGUEIRA  encontrou para se tentar salvar  nas próximas eleições autárquicas.
Ao contrário do que a entourage de Miguel Almeida nos quer fazer crer até outubro próximo, o PSD FIGUEIRA  não acabou.
Ainda existe…  
Só que agora chama-se SOMOS FIGUEIRA."

Apesar da idade avançada, confirma-se que a mente do pai de Passos continua com uma lucidez e acutilância fora de série...


A pouco mais de uma semana de completar 87 anos, António Passos Coelho é reservado nos comentários sobre a acção do governo. “Não sou político, portanto não faço análise política”, justifica. Ex-presidente da distrital do PSD de Vila Real, Passos Coelho foi responsável pelo primeiro contacto do actual primeiro-ministro com a política, quando, em 1978, o levou a um congresso do PSD em Lisboa. Hoje o ex-dirigente do partido não esconde que o país “está mal”. “A classe média é que está a pagar isto, não é a classe cá de baixo. Mas também tem de se ir buscar onde há”, explica o também ex-presidente da Assembleia Municipal de Vila Real.
Há pouco mais de dois anos – em plena campanha eleitoral – Passos Coelho deixava um recado ao filho: “Vais-te lixar”, anteviu o médico, guardando para si uma segunda previsão. “Toda esta gente que está aqui vai vaiar-te. Agora estão aqui todos contigo, mas daqui a um ano vão vaiar-te. Não disse isto porque parecia mal na altura”, recorda agora o pai do primeiro-ministro.

Via jornal i

No país da contrafacção


Arranja as miúdas mais giras da escola e põe-nas no Facebook com as camisolas que idealizou, estilo Linha de Cascais (costumo ver umas iguaizinhas na Feira da Senhora da Hora, de marcas famosas, mas como são os ciganos a vendê-las, chamam-lhes contrafacção). Começa então a vender bem e tem de contratar uma fábrica para lhe produzir as camisolas.
Se aqueles que lhe fazem as camisolas ganham 485 por mês, é coisa que nunca lhe ocorreu. O Martim é jovem e no meio em que se move se calhar ninguém ganha isso. O Martim é jovem, pode ser completamente insensível socialmente que a malta perdoa-lhe.
O Prós & Contras é especialista em trazer-nos figuras bizarras. Mas o Martim, que nem precisou de bater punho para ter sucesso, é tudo menos bizarro. Com 16 anos, já a sabe toda. Quanto às raparigas giras que usou como modelos, e que agora «já não servem», com um bocado de sorte terão outra serventia. Estarão daqui a uns anos a caminho de uma qualquer fábrica, onde trabalharão a troco do salário mínimo para enriquecer um qualquer Martim deste país.
Azar. Se estivessem desempregadas era pior.


Via Aventar

aF210


Pormenores da Figueira


Figueira  tem alma em cada canto e recanto. 
A Figueira  tem pormenores, cantos e recantos deliciosos, como este obtido pela máquina e pela sensibilidade de  Pedro Agostinho Cruz no Mercado Provisório da nossa cidade.

terça-feira, 21 de maio de 2013

“Cheguem-se à frente”... Isso é proposta decente que se faça a alguém?..

Um dia, já lá vão muitos anos,  descobri  que em política, ser perfeito não é não cometer erros: ser perfeito é não existir politicamente.
Deverá ser  por isso, que muita boa gente que o António Jorge Pedrosa, pelos vistos, conhece, “nem as eleições para administrar o condomínio do prédio ganharia”…
Se assim for, concordo com ele…

Parabéns Bruno! Parabéns Jardim!.. Agora, cumpram o meu sonho de Sporting...


Quando ganhou as eleições, há uns meses atrás,  Bruno de Carvalho disse que concretizava um sonho de criança...
A primeira vez que foi a Alvalade desejou, em frente à família, ser um dia o presidente do Sporting.
Afinal,  o sonho comanda a vida.
Agora, só falta pôr Sporting a jogar bem e a ganhar jogos na próxima época…
De preferência, limpinho, limpinho, limpinho…
Esse, sim, seria o  meu Sporting de sonho…

Conselho de Estado

Certamente que não foi  a Nossa Senhora de Fátima que redigiu o comunicado...

Isto, é enternecedor. A direita portuguesa é enternecedora. Portas é enternecedor…


"Quis fazer aqui uma visita porque, como é sabido em todo o mundo, seja qual for a perspetiva doutrinária, o Presidente Chávez teve muita relevância na política da América Latina e como eu disse no dia da sua morte, foi amigo de Portugal. Este é um gesto que tem esse significado", disse Paulo Portas a jornalistas.
Isto, é enternecedor.
Aliás, a direita portuguesa,  sempre foi muito enternecedora.
Portas, como sempre, mostra-se emocionado e enternecido...
Tudo isto, a meu ver, é um pouco estranho...

Fica o registo, para memória futura

foto daqui

Cá pela Figueira,  as eleições autárquicas lá vão mexendo.
Ainda  cambaleantes, mas já  vão mexendo...
Por enquanto, não comigo.
Havia um anúncio que afirmava que a Vaqueiro, a margarina, tornava tudo mais apetitoso.
Por aquilo que tenho vindo a perceber,  Miguel  Almeida, o vereador, tem-se vindo a esforçar por ser o mais charmoso.
E muito bem, a meu ver.
O terreno encontrava-se em pousio…
Aguardava  apenas a sementeira.
Lá para setembro veremos a colheita...

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Mais uma vida perdida...

Um homem com 22 anos morreu hoje à tarde no rio Mondego, quando se dedicava à pesca de amêijoa, através de mergulho com botijas, prática que é ilegal...
Mais pormenores aqui.

Assim vale a pena…

45 anos, 11 de deputado e tem direito a pensão vitalícia…
Reparem no ar exausto que o jovem apresenta:
foram 11 anos dedicados à causa pública!
Dos três parlamentares a quem foram atribuídas subvenções vitalícias, Melchior Moreira é o mais jovem: eleito deputado em 1991 pelo distrito de Viseu, o social-democrata, que esteve no Parlamento na VI, VIII, IX e X legislaturas, pediu a pensão vitalícia em 19 de Janeiro deste ano: tinha 45 ano. Foi nessa data que renunciou ao Parlamento para ser presidente da Entidade da Região de Turismo do Porto e Norte.
Melchior Moreira não está minimamente incomodado por ter pedido a subvenção vitalícia com apenas 45 anos. Ao CM, o antigo deputado do PSD, pelo círculo eleitoral de Viseu, foi categórico: “Não me incomoda de maneira nenhuma, é um direito que tenho e que me assiste em função do tempo que dediquei à causa pública”.

Desde 1449... "Fartar Vilanagem...!"

Hoje, 20 de Maio de 2013, completam-se quinhentos e sessenta e quatro anos da morte daquele que foi morto e comido pelos cães ("o verdadeiro gentleman só luta por causas perdidas"...), e por isso ficou para sempre como a maior de todas as figuras da História de Portugal... E... não foi em nenhuma "batalha"... (pois uma das partes não vinha para combater…). Foi só mais uma nova cobardia, e uma nova armadilha, e uma nova traição, num país que, para sempre, ficou um país de mentira e de cobardia e de traição… (a verdadeira batalha esteve para acontecer alguns meses antes disso, nesse mesmo ano de 1449, em Serpins/Lousã... mas nem sequer chegou a começar, porque um dos beligerantes, o bastardo Duque de Bragança, na iminência do combate, fugiu na noite anterior, às escondidas, com uma pequena escolta, abandonando o seu próprio exército… (!)… num dos episódios mais vergonhosos e mais desprezíveis da História de Portugal… e os "historiadores portugueses", sobretudo os da "Universidade de Coimbra", ainda hoje continuam a esconder-nos isso… como nos escondem tudo... pois é para esconder e para silenciar e para censurar que eles servem... e é para esconder e para silenciar e para censurar que eles são pagos… e fazem-no em relação ao Passado, tal como o fazem em relação ao Presente… pois é para transformar o Presente no Passado, e para impedir o Futuro, que eles servem, e que eles são pagos…).
Hoje, 20 de Maio de 2013, completam-se quinhentos e sessenta e quatro anos dessa tal "batalha de Alfarrobeira", em Alverca, às portas de Lisboa, a "batalha" que não foi nenhuma verdadeira batalha e em que ficou pela primeira vez proferida em Portugal a célebre frase que, depois, a partir daí, numa versão textual ligeiramente alterada, continuou para sempre a ser usada neste país -- até hoje... -- como síntese, lapidarmente lacónica, do que é a História de Portugal: FARTAR VILANAGEM...
Até hoje… Quinhentos e sessenta e quatro anos depois...
Hoje, 20 de Maio de 2013, completam-se quinhentos e sessenta e quatro anos da morte do Infante Dom Pedro de Alfarrobeira, a mais generosa e fascinante figura da História de Portugal... o Infante das Sete Partidas do Mundo, culto, viajado, ilustrado, beneficente e conciliador, justo e bem intencionado, protector dos povos e dos municípios, incentivador do progresso nos fins da Idade Média (defensor dos mercadores, dos pescadores, dos mareantes, dos humildes, dos fracos e dos oprimidos), amante e agente da Justiça, frontal inimigo do Feudalismo, clarividente crítico dos passadismos balôfos e das mafias e feudalismos serôdios que já então destruíam e asfixiavam Portugal (e que, após o seu assassínio, em 1449, em Alfarrobeira, conseguiram continuar, para sempre, infindavelmente, a destruir este pobre país e esta pobre gente... e, na verdade, conseguiram mesmo mantê-lo no subdesenvolvimento, na subserviência, na miséria, na cobardia, no obscurantismo e na vergonha… -- no puro e simples FEUDALISMO…! -- para sempre, até ao presente... "Vingar Vilanagem...!").

Alfredo Pinheiro Marques                                                                       
Centro de Estudos do Mar - CEMAR 

A propósito de mais um campeonato para o Porto…



A  superioridade do Porto sobre o Benfica e o Sporting, que já dura há décadas,  “é uma história gloriosa que tem um nome já glorificado em vida -  Pinto da Costa.”
Neste momento, talvez  o que mais importe  não seja  esmiuçar o mérito dos vencedores -  e os seus segredos, mas tentar perceber o demérito dos perdedores -  principalmente, os  seus erros.
O Benfica e o Sporting possuem nos seus órgãos de decisão e influência parte maior da elite nacional.
Não poderá residir aí grande parte da explicação para o seu fracasso – que  já dura há décadas?..