.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quinta-feira, 30 de abril de 2020

O Governo vai permitir o regresso da I Liga e da final da Taça de Portugal, mas não da II Liga...

Aconteceu o que se previa.
Futebol regressa no final de maio mas sem público.
A Sport (e a Benfica tv) agradece... a indústria do futebol “não pode colapsar”.
Esta é a imagem do PS quando governa: os grandes - também no futebol -, é que decidem.
Quando a luta aquece, vê-se o que vale o PS...

Da série fuga para a frente...(Esperemos que a promessa do multiusus tenha sucesso, ainda que a esperança não seja muita...) 4

"Depois de o Ginásio Figueirense se ter sagrado campeão nacional de basquetebol, recebeu no Pavilhão da Escola Joaquim de Carvalho o gigante Real Madrid. Lembro-me desse dia como se fosse hoje. O pavilhão estava à pinha e eu, que conseguia arranjar sempre um buraquito para me enfiar e ficar junto às linhas, nessa ocasião pouco vi do jogo. A derrota foi pesada, mas a animação foi grande e encheu o pavilhão talvez como nunca tinha acontecido, nem voltou a acontecer. Desde então, o concelho da Figueira equipou-se com mais pavilhões, com maior capacidade e mais modernos. Com o passar dos anos, alguns foram sendo desleixados, vítimas da falta de dinheiro e de funcionários para a manutenção. Para a realização de eventos desportivos no concelho, a escolha é variada e descentralizada, apenas requer a reabilitação dos espaços existentes e uma política racional de manutenção, caso contrário a reabilitação para nada serve. Para eventos culturais, feiras, certames, etc., o panorama é semelhante. Temos variadíssimos espaços espalhados pelo concelho, muitos deles com uma longa história de enraizamento na vida das comunidades do concelho. Bastará reabilitar estes espaços e elaborar planos sustentáveis de manutenção, e ganharemos imensos espaços multiusos perfeitamente viáveis. O próprio Centro de Artes e Espetáculos é um espaço com capacidade para receber com muita qualidade uma parte dos eventos que cabem num pavilhão multiusos. Se nos anos 70 do século XX, a Figueira foi capaz de receber o Real Madrid no “Liceu”, apesar de o espetáculo basquetebol ter mudado muito, porque é no século XXI não somos capazes de organizar todos os eventos relevantes que ocorrem na Figueira na panóplia de pavilhões desportivos, pavilhões e salões de associações locais, salas de congressos de hotéis, etc., que possuímos no concelho? Um pavilhão multiusos soa a mais uma obra de betão para enfeitar um mandato. Não me parece que seja a prioridade da Figueira, sobretudo no mundo pós-Covid-19, que desejo estar para muito breve."
Via Diário as Beiras

COVID19 - 27 casos confirmados na Figueira

Via DGS

Campeonatos distritais de futebol sem subidas ao Campeonato de Portugal...

Há o futebol dos grandes... 
E o futebol dos pequeninos.

"Os campeonatos distritais ficam esta época sem subidas ao Campeonato de Portugal, que também não terá descidas, confirmou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) em reunião com as associações, disse hoje à Lusa fonte das estruturas regionais.
A decisão, que vai ser ratificada na próxima reunião da direção da federação, mantém o quadro competitivo do terceiro escalão do futebol nacional, que foi cancelado em 08 de abril, devido à pandemia de covid-19.
Na altura, a FPF já tinha anunciado “dar por concluídas, sem vencedores, todas as suas competições seniores que se encontram nesta data suspensas, não sendo atribuídos títulos nem aplicado o regime de subidas e descidas”.
No entanto, algumas associações distritais e regionais defendiam as promoções dos seus campeões distritais e, por isso, a alteração do modelo competitivo do terceiro escalão, sugerindo, por exemplo, a criação de um quarto escalão com menos equipas.
Estas propostas foram rejeitadas e a FPF decidiu manter o quadro competitivo, deixando em aberto a possibilidade de integrar os clubes que possam vir a ser despromovidos da II Liga ou dos distritais para substituir desistentes, neste caso seguindo o ‘ranking’ das associações.
A decisão da FPF poderá ser particularmente cruel para o Rabo de Peixe, que já se tinha sagrado virtual campeão dos Açores, na altura da suspensão."

Em Cascais é assim:


Rua dos Combatentes, hoje: tudo parado nas obras...

As obras da Baixa são retomadas hoje (dia 27 de Abril de 2020) segundo adiantou recentemente o presidente da câmara, Carlos Monteiro, ao DIÁRIO AS BEIRAS.


NOTA:
Imagem via Diário as Beiras. Edição do passado dia 27 do corrente, segunda-feira.

Seria uma medida para estar em vigor entre Abril e Setembro...

Já se sabe que a maioria socialista irá votar contra proposta...
(Reunião de Câmara Municipal da Figueira da Foz a realizar dia 4 Maio de 2020)
Via Diário as Beiras

Da venda "ao preço de custo", à oferta...

Diário as Beiras, edição de hoje:
Recuemos 22 dias:
"Juro que como cidadão e como Presidente duma IPSS, não acredito nisto.
Juro, mas juro mesmo, que num caso de SAÚDE PÚBLICA, numa situação em que as IPSS, estão de rastos, a CM não prescinda de uns trocos e venha propor vender equipamento.
Este vai ser um ano sem festas populares e outros eventos, será que esse dinheiro, não pode ser aplicado a ajurdar a SALVAR VIDAS, de Figueirenses, de Utentes e de tantos Funcionários, que trabalham dia e noite.
Sempre na linha da frente, no risco de minuto a minuto, dando tudo o que podem, a bem dos outros, esquecendo os seus familiares.
Sr. Presidente as INSTITUIÇÕES sempre estiveram com a CM, agora vamos lá fazer um esforço e virar a coisa ligeiramente ao contrário.
Pelos Figueirenses, pelas INSTITUIÇÕES e porque é uma questão de SAÚDE PÚBLICA, é importante estarmos unidos.
Mas continuo a dizer que não acredito no que li.
Não e por não querer é mesmo porque não ACREDITO.
Serei o último a desistir, PELA VIDA TUDO."
Outra Margem, 8 de Abril de 2020

Morreu o autor do slogan "Soares é fixe"...

Morreu o CDS que inventou o slogan do fundador do PS e candidato presidencial em 1986.
Adelino Vaz, ex-dirigente da JC, morreu e será sepultado hoje em Lisboa, disse o dirigente do PS Vítor Ramalho. o slogan que “se colou à pele” do fundador do PS e antigo Presidente da República surgiu numa discussão entre dois jovens, na altura, António Ribeiro e Adelino Vaz, que era do CDS e antigo dirigente da Juventude Centrista.
Aconteceu, numa reunião, ainda em 1985, do MASP (Movimento de Apoio Soares a Presidente), “numa altura em que as sondagens davam 8%” ao fundador do PS.
Nas urnas, derrotou Freitas do Amaral e esteve no Palácio de Belém até 1996.
Em jeito de balanço, estamos com quarenta e seis anos de PS, pós 25 de Abril,  resumidos num óbito.
Está aqui, o Partido Socialista, "pai protector" dos interesses da direita pós 25 de Abril de 1974, que aproveitou todas as oportunidades para "atacar" o PS e a democracia, continua vivo e activo.

Ao estado a que isto chegou: patrões querem mais estado...

Patrões propõem entrada do Estado para segurar empresas durante a crise
CIP defende criação de um fundo que, à semelhança do capital de risco, ajude as empresas em dificuldade. A ideia é complementar o crédito, que está a esgotar-se.

Quando a luta aquece, vê-se o que vale o PS...

Estudo prevê fim da pandemia de coronavírus em Portugal a 100% a 18 de julho
Vem aí o Futebol. Bastou a Altice suspender os pagamentos... 
Luís Filipe Vieira, Pinto da Costa e Frederico Varandas, presidentes de Benfica, FC Porto e Sporting, acompanhados por Fernando Gomes e Pedro Proença, líderes da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e da Liga de Clubes, e ainda por Tiago Craveiro, CEO da FPF, estiveram  juntos em reunião com o primeiro-ministro. 
Os dirigentes apresentaram a António Costa o plano que têm em cima da mesa para o regresso dos campeonatos profissionais, em plena situação de pandemia de covid-19. Os clubes e as entidades organizadoras do campeonato estão a apontar fazer regressar o futebol no início de junho, com a adopção de medidas de segurança para que não se registem casos de contágio durante os jogos.
Esta é a imagem do PS quando governa: os grandes - também no futebol -, é que decidem.
E novidades do sunset? Nada!..

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Brasil

Primeira página do Jornal Estado de Minas

Da série fuga para a frente...(Esperemos que a promessa do multiusus tenha sucesso, ainda que a esperança não seja muita...) 3

"Não defendo a construção de um pavilhão multiusos no concelho. Sei que sempre vai à baila, nestas “discussões” a questão do emprego criado pela realização de obras públicas. Para além da sua fragilidade e quase sempre difíceis condições de trabalho a que os trabalhadores são sujeitos, para além dos baixos salários, direitos frequentemente atropelados ou inexistentes, esta não a solução para o desemprego que facilmente se prevê crescente nos próximos meses. Em primeiro lugar pela efemeridade das obras, que “inevitavelmente” arrastará contínua precariedade. Um pavilhão será uma prioridade? Já o disse neste espaço, os tempos que vivemos e viveremos por largos dias, são duros e exigentes e o investimento público tem de fixar-se na melhoria de condições de vida das populações, em estratégias de criação de emprego seguro, no apoio a medidas de desenvolvimento das freguesias, combatendo as visíveis assimetrias, que tenderão a gravar-se, se nada for seriamente feito. O concelho não precisa de espaços para a realização de variadíssimas actividades, do teatro, ao folclore, à realização de Feiras do Livro e da Música, cinema, palestras, congressos, ofi cinas. O Centro de Artes e Espectáculos serve perfeitamente os objectivos. Por outro lado, o movimento associativo popular dispõe de boas ou razoáveis instalações, algumas ainda feridas pela passagem furiosa do Leslie. Há que apoiá-las para que ganhem qualidade de acolhimento e possam levar cabalmente por diante o seu imprescindível papel de acompanhar as populações, permitindo-lhes o acesso ao lazer e à cultura. Neste campo, cabe à Câmara Municipal reivindicar que a fatia do Orçamento de Estado para as actividades culturais não fique abaixo de 1%, protegendo os artistas e permitindo o combate dos déficites culturais, ainda tão presentes. Ainda não esquecemos a indemnização milionária entregue ao sr. arquitecto espanhol, quando caiu o megalómano projecto Centro de Congressos – um pesadelo! O que teria sido possível realizar com esse dinheiro atirado aos ventos?! Aprenda-se com o passado, não entrando em perigosos quixotismos!"
Via Diário as Beiras

Expofacic vai ser cancelada

Via Rádio Jornal de Cantanhede
«A INOVA (Empresa responsável pela organização da EXPOFACIC ) deve comunicar dentro de horas o Cancelamento da mesma, isto depois de ontem o próprio Primeiro Minstro, António Costa ter escrito no seu Twitter que "Todos partilhamos a mesma ansiedade de regresso à "normalidade" mas nada pior do que dar más e erradas expectativas às pessoas. A normalidade, tal como a conhecíamos até aqui, só vai voltar quando tivermos vacina ou tratamento para o #COVID19."

"Num transporte público apinhado para ires trabalhar: podes. No supermercado: podes. Na rua, no jardim, na praia, ao ar livre: não podes. Vai mas é lavar as mãos e deixa-te de ideias."...

O milagre Isabel Jonet...

Deve viver do vento e do ar.  "Não ganho um tostão há 27 anos. Sou voluntária, é quase uma missão de vida." 

Portugal padece de uma genética incapacidade nacional: a de conseguir construir uma sociedade evoluída seja a que nível for - cientifico, técnico, cultural, social ou económico.
Em 1992, o então ministro do Emprego Silva Peneda assinou, diante de todos os sem-abrigos de Lisboa que frequentavam a Sopa dos Pobres, a criação - com a ajuda da Igreja - de um Banco Alimentar contra a Fome. Deu verbas avultadas (7,5 milhões de euros aos preços actuais) e prometeu que tudo iam fazer para acabar com aquela realidade. Veja-se o video de arquivo da RTP. 
Passaram quase 28 anos. Agora, é o Presidente da República que faz os mesmos trajectos pelas instituições que servem este tipo de Caridade, põe um avental e ele próprio serve a Sopa dos Pobres tal como antes de si o faziam os contemporâneos do seu pai.
Estamos a retornar acelaradamente aos tempos da caridadezinha hipócrita da consciência tranquila, que quem viveu antes do 25 de Abril de 1974 em terras onde a miséria campeava, bem se recorda.
Enquanto país, somos o que somos, desde 1143. Os governantes, que continuam a conseguir manter os governados em rédea curta, asseguram a estabilidade do sistema.
Por sua vez, os politicos sempre tiveram como meta preservar esta situação: a sociedade de governantes e de governados, mantendo estes com rédea curta por via de favores e esmolas.
Construiu-se - e mantém-se, assim, uma sociedade favorecida, dentro de uma outra, de desfavorecidos. A dos empregos pelo partido e não pela competência, dos negócios pelos interesses e não pela qualidade orçamental, da governação pelos favores e não pela liberdade do voto em consciência.
É assim que se perpetua a pobreza, a caridadezinha e a humilhação de não podermos ser cidadãos de corpo inteiro. Acabei de ler um texto de Filipe Tourais sobre o assunto, que não resisto a transcrever:


"Causa-me sempre asco ver governantes ou candidatos a governantes a acotovelarem-se nas distribuições de massa e arroz dos bancos alimentares. Eles acotovelam-se porque sabem que a sua popularidade aumenta sempre que conseguem aparecer nos directos das televisões ou nas fotografias dos jornais. A esmagadora maioria não é capaz de compreender que se os bancos alimentares existem tal não significa outra coisa senão que o Estado que aqueles seres que se acotovelam para angariar popularidade objectivamente falhou com a multidão à qual não deixou outra alternativa que não a da caridade. Falham na administração da coisa pública para a seguir ganharem popularidade montados no seu próprio falhanço porque a maioria prefere aplaudir a caridade e os falhados que a tornaram necessária a exigir um Estado que não condene ninguém à privação e à humilhação de ter que pedir esmola.Ontem calhou ouvir a Isabel Jonet a arrancar aplausos a esta maioria que gosta de políticos e de governantes falhados. Perguntaram-lhe como reage à crítica que lhe aponta que pessoas como ela necessitam que existam pobres e muita pobreza para viverem e se notabilizarem. Trazia a resposta mais do agrado da maioria que aplaude o Estado falhado que a sua caridade evidencia na ponta da língua.
Começou por dizer que não liga a críticas de natureza político-ideológica. No imaginário Jonet, a política e a pobreza serão coisas sem relação alguma uma com a outra e, segundo a própria, a ideologia é luxo próprio de pessoas com vidinhas – disse vidinhas – que nunca fizeram nada pelos outros. Exigir políticas conducentes a um Estado eficiente que não deixe ninguém para trás está fora deste imaginário, pelo menos na qualidade de fazer pelos outros.
Terminou a tirada rematando com a autoridade alegadamente conferida pela sua qualidade de voluntária. Ela sabe como a maioria valoriza o voluntariado. Todos devíamos seguir o seu exemplo e transformar-nos em voluntários como ela, que certamente vive de ar e vento e não precisa de um salário ou de uma fortuna que lhe pague as contas, apenas de donativos que não existiriam se todos fossemos voluntários. Em bom rigor, se todos vivêssemos de ar e vento como a senhora, não haveria gente interesseira que trabalha por dinheiro, logo, para além de não haver donativos também não haveria impostos, logo, também não haveria Estado, logo, estaríamos todos na fila para o banco alimentar. Nada de grave. Afinal, aquilo não seria nenhum banco alimentar, seria um banco de ar e vento, e seríamos todos livres e felizes como uma Jonet, embora uma Jonet diferente da que ela é, menos massas e arrozes e mais oxigénio e outros gases, dos raros e dos outros. Mas caridosos e abnegados como ela, que não precisa que haja pobres e que o Estado falhe para ser tão boazinha como é.
É não ligar ao o que dizem os invejosos egoístas com vidinhas que nunca fizeram nada pelos outros, inexplicavelmente mais preocupados com a miséria generalizada que se instalará caso a Europa que nos empobreceu nos últimos vinte anos não responda como se prepara para não responder à crise que se vai abatendo com raiva sobre todos do que empenhados em contribuir com umas latas de atum para a perpetuação da pobreza de que é feita a vaidade de mais uma baronesa da caridade. Venham de lá dessa Europa amiga de todos, em especial dos pobrezinhos, mais vinte anos de óptimas notícias para ela. A política e as políticas nunca terão relevância social comparável ao de uma lata de atum."

Praça do Forte vai passar a chamar-se João Ataíde

Segundo o Diário as Beiras, "a praça do Forte vai passar a ostentar o nome de João Ataíde, falecido a 21 de fevereiro deste ano. O autarca presidia à câmara quando a zona foi requalificada. A proposta já foi submetida à comissão de toponímia. O executivo camarário pretende descerrar a respetiva placa no Dia da Cidade, que se celebra a 24 de junho."

Grupo Lusiaves adquire 12,19 hectares para construção de unidade industrial em Pombal

Em Coimbra: "em Abril, Maio e Junho atribuição gratuita a todas as famílias de 5000 litros de água por mês"

terça-feira, 28 de abril de 2020

Da série fuga para a frente...(Esperemos que a promessa do multiusus tenha sucesso, ainda que a esperança não seja muita...) 2

"Embora tema de conversa e de referência de interesse em determinados círculos figueirenses desde há vários anos, a inclusão da construção de um Pavilhão multiusos enquanto parte do “top-3” das prioridades da autarquia tem apenas alguns dias.

De facto, na entrevista que o atual presidente da Câmara da Figueira concedeu a este jornal, a propósito do primeiro aniversário da sua ascensão ao cargo, depois de dez anos de vice-presidência intermitente, ficámos a saber que à (parada? demorada?) requalificação do estádio municipal se seguirão as construções da piscina municipal coberta e depois a de um pavilhão multiusos com caráter desportivo (de acordo com as mesmas declarações, ainda está a ser trabalhado se o mesmo será um multiusos ou se os equipamentos devem ser distintos)…

E é assim que se vai vivendo na Figueira: sem que se tenha sequer a ideia do que verdadeiramente se quer, nem porquê nem para quê, nem pago por quem ou até em que local, aí está o dito como prioridade absoluta!

Numa altura em que a preocupação do povo ainda é sobretudo sanitária e de contenção do vírus e do seu rasto triste e infeliz que vai deixando, deveria fazer parte da ação do Presidente da Câmara garantir que, no dia seguinte, o concelho da Figueira está preparado, de forma efetiva e com os instrumentos adequados, para enfrentar o desemprego, as necessárias adaptação e transição industriais, a emergência climática, a urgente coesão, o novo digital, a reorganização tão difícil do sector do turismo, a defesa das ligações ferroviárias, afinal as áreas fundamentais para auxiliar a sair da convalescença os residentes e/ou trabalhadores no nosso concelho, perspetivando o regresso dos que nos queiram visitar.

Assim, neste momento trágico, não posso aceitar que a construção de um novo pavilhão na sede do concelho (e em tantas freguesias há pavilhões degradados ou mesmo incompletos…) possa sequer constar das preocupações de quem nos governa, muito menos elegê-la como prioritária. Haja respeito por quem está a sofrer!"
Via Diário as Beiras

Proposta para incluir na Ordem de Trabalhos da Reunião de Câmara Municipal da Figueira da Foz a realizar dia 4 Maio de 2020...

"O PSD Figueira da Foz vai propor, que o Município da Figueira da Foz, através de Protocolo com a Concessionária “Águas da Figueira”, proceda à redução dos Tarifários de Água, e Saneamento de abril a setembro."


A proposta pode ser lida aqui.

COVID19, um tiro em cheio no sector da comunicação social

"A crise da Comunicação Social deve-se a vários fatores. Uns surgem-lhe como elementos externos à sua vontade, outros resultam de responsabilidade próprias.
Uns são estruturais e obedecem a objetivos estratégicos do poder dos mercados e das suas instituições, outros resultam da substituição da informação por notícias, verdadeiras ou falsas, que servem poderes subversivos e atacam a democracia e outros, ainda, podem residir na subversão da profissão de jornalista. Sobre esse caldo de pressões e de irresponsabilidades é evidente, também, a incapacidade do poder político criar barreiras à penetração de poderosas multinacionais que roubam, sem contemplações, as receitas de uma atividade que precisa de uma dimensão nacional.
Entre as causas externas encontra-se a expansão, radical e rápida, das transformações no mercado de comunicação, tanto no que se refere a formas de a fazer, como quanto à apreensão da informação: as plataformas que dão vida a redes sociais, a desmultiplicação de suportes de informação, a concorrência de múltiplas formas de suporte de informação.
Os detentores de meios de Comunicação Social não souberam nem antever nem acompanhar o que estava a acontecer e muito menos fazer-lhe frente. Aderiram em massa à inovação em marcha (ofereceram a sua produção na Internet ao mesmo tempo que a queriam vender em papel), ignorando, por interesses imediatos, que ela viria a cavar a sua sepultura. Os jornalistas - trabalhadores qualificados e relevantes nas nossas sociedades - não são os grandes responsáveis dos problemas existentes, contudo têm todo o interesse em proceder a uma análise crítica do percurso feito e em encontrar saídas. E podem ajudar a construí-las.
Os jornalistas acabaram por sofrer em grande medida às suas próprias mãos. Inicialmente agiram como se estivessem protegidos pelos poderes emergentes, que por vezes catalogaram facilmente de modernidade.
Segundo, não resistiram às ideias dominantes de desarticulação das instituições representativas e de libertação de poderosas forças da sociedade sem contrapoderes. Por vezes têm feito parte de processos que atacam as instituições de mediação indispensáveis ao funcionamento da democracia.
Terceiro, ao vestir individualmente a camisola de uma concorrência que não era a sua, não conseguiram contrapor-se à opção recessiva adotada pelos grupos de Comunicação Social - cortes de pessoal, degradação do produto, menos audiências, menos receitas, mais cortes de pessoal. Reproduziu-se neste setor a desigualdade social que se vive em amplos setores por todo o país: chefes muito bem pagos a coordenar jornalistas recém-criados mal pagos e explorados.
Deste cenário todo e com a publicidade a ser canibalizada pelas multinacionais, como o Google e o Facebook, em prejuízo dos grupos nacionais, resultou que não só os produtos não mudaram como, pior ainda, a informação tradicional e credibilizada mimetizou aquilo que as novas formas de produção de notícias fornecem: a notícia do momento (verdadeira ou falsa) sem preocupação informativa, o superficial, o risível.
A crise que se vive é a expressão, neste sector, dos objetivos e práticas do sistema capitalista, nesta sua fase de neoliberalismo, de financeirização da economia e mercantilização do trabalho, com um pensamento dominante e uma forma de estar na vida social. A classe profissional jornalistas, como outras, tem tolerado em demasia este rumo, tendo apenas reações típicas de agentes assustados.
Como se reverte isto?
Os órgãos de poder não podem ficar indiferentes. O espaço da Comunicação Social é público e é concessionado e, como tal, o Estado deve ter uma palavra. Intervir mas com princípios e regras inerentes ao Estado Social de Direito Democrático e não com remendos dando dinheiro ou proteções a entidades ou empresas que continuarão a reger-se pela lógica de um Estado ao serviço dos mercados.
O Estado é imprescindível na regulação, por outro lado, poderá agir quer na criação de limites a plataformas de contrainformação, quer no fomento de experiências alternativas com apoios a grupos nacionais, escrutinados, que ajudem a modificar positivamente o panorama que temos. Mas o Estado está longe de poder fazer tudo."
Este texto tem mais de 2 anos. Foi escrito por Manuel Carvalho da Silva no início de Dezembro de 2018 e foi publicado no Jornal de Notícias
A crise da comunicação social já vem de longe, mas esta crise do COVID19 agravou-a: a quebra abrupta da actividade económica, tinha de ter efeitos na publicidade. Se não se vende não se promove. 
A comunicação social tem nas receitas publicitárias uma boa parte do seu equilíbrio financeiro. Contudo, também depende  do número de leitores ou espectadores. 
Seria de todo o interesse ser pluralista. Por isso, é que  os canais de televisão, estações de rádio e a maioria dos jornais, se  afirmam “independentes”. Todavia, essa independência, na prática, consiste quase sempre numa atitude reverencial perante o poder.
A fragilização dos colectivos redactoriais teve consequências: «A assessoria de imprensa trabalha em cima das brechas do jornalismo», nomeadamente a falta de meios humanos e de tempo para pensar. «A tendência vai no sentido da diminuição da cobertura jornalística por iniciativa dos jornalistas e do aumento do aproveitamento do que vem das agências».
Há quem considere que "não é a crise dos media que faz perigar a democracia; é a democracia que está em perigo com media destes"...
Há quem "não precise para nada de media que se alvoroçam contra «fake news» e «redes sociais» onde, porém, se encontra todos os dias informação, dados, perguntas, dúvidas, debate, críticas que escapam aos media, miseravelmente."
Há até quem se "agonie com a reverência dos media perante primeiro-ministro e governo, a passividade e falta de contraditório com que acolhem todos os ditames."
Um dia li que "o especialista é o único que sabe que nem os especialistas percebem nada do assunto."
Como leitor de jornais há 50 e tal anos (com 10 de idade, não todos os dias (só quando o meu estava em casa no intervalo das viagens ao Cabo Branco...), mas tinha acesso a jornais como  A Bola, O Mundo Desportivo, O Primeio de Janeiro, o Diário de Notícias, o Século), penso que a crise (que não é recente) tem vários culpados. 
Os meios de comunicação social já vivem num mar encapelado e cheio de dificuldades, pelo menos, há cerca de 30 anos, mas na última dezena de anos o problema agravou-se. A crise provocada pela pandemia foi um tiro em cheio. O Presidente Marcelo, que sabe para que serve a comunicação social, melhor do que ninguém, em Dezembro de 2019 (antes da pandemia...) já andava a alertar: "os poderes públicos têm de colocar a comunicação social no centro das prioridades e das medidas orçamentais."

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Imprensa regional vive momentos dramáticos

O grupo Diário de Coimbra, o maior da imprensa regional, tem 90 por cento dos trabalhadores em lay-off. Continua a resistir, a fazer quatro jornais todos os dias mas só vai conseguir sobreviver mais três ou quatro meses.

"As quatro publicações jornalísticas do grupo Diário de Coimbra estão em ‘lay-off’ parcial desde sexta-feira, na sequência das dificuldades criadas pelo estado de emergência devido à covid-19, confirmou fonte do grupo empresarial.

Em declarações à agência Lusa, Teresa Veríssimo, do grupo Diário de Coimbra, confirmou a entrada parcial em ‘lay-off’ e, sem querer avançar pormenores sobre o processo, explicou que a medida visa garantir a “sobrevivência” e “dar continuidade aos quatro projetos jornalísticos (Diários de Coimbra, Aveiro, Leiria e Viseu)”.

“Trata-se de uma medida tomada para podermos sobreviver. Os jornais vão continuar a ser editados parcialmente e dentro das limitações”, frisou.

Teresa Veríssimo realçou ainda que neste momento o “problema é muito grave, com a falta de publicidade”.

“É uma fase muito complicada”, acrescentou.

O grupo Diário de Coimbra, que inclui ainda o Diário de Aveiro, o Diário de Leiria e o Diário de Viseu, é uma referência na imprensa regional portuguesa, servindo prioritariamente a região Centro."

Da série fuga para a frente...(Esperemos que a promessa do multiusus tenha sucesso, ainda que a esperança não seja muita...)

"A ideia da construção de raiz de um Pavilhão Multiusos é mais uma obra sobre a qual há muitas dúvidas. Parece mesmo extemporânea e deslocada das necessidades do concelho, até prova sólida em contrário. Isto porque o concelho da Figueira da Foz tem imenso património construído devoluto, abandonado e até subutilizado.
Pensar em gastar milhões de Euros para um pavilhão multiusos é estrategicamente errado e mostra falta de imaginação. Quem irá sustentar o pavilhão? Tem viabilidade económica? Ou é apenas uma forma de ir buscar mais uns fundos à União Europeia? Quanto custa? 12 milhões de Euros? (tendo como exemplo de Leiria que cancelou em março o projeto de um novo pavilhão multiusos).
Há várias alternativas à realização de eventos e feiras, algumas móveis e desmontáveis, outras com aproveitamento de espaços existentes. Por exemplo, a Expofacic em Cantanhede faz-se com grande sucesso sem que haja um “pavilhão multiusos”.
Os investimentos do município devem ter uma lógica de manifesta e evidente sustentabilidade. O que não acontece agora. Basta pensar no milhão e meio de Euros a gastar no Jardim Municipal sem que se vislumbre a sua utilidade para além da construção de um coreto!
Estamos a iniciar mal uma década (anos 20 do séc. XXI) que é decisiva para a sobrevivência do concelho como o conhecemos. Desde a crise do Covid19 até à adaptação às alterações climáticas, a sociedade em que crescemos alterou se profundamente. Contudo, persistem vícios políticos difíceis de mudar, um deles surge na forma de uma tendência para fazer “obra” que pouco acrescenta face aos desafios fundamentais e sem que haja uma coerente fundamentação estratégica.
Sou contra a ideia de mais construção megalómana, não precisamos de um novo pavilhão multiusos, necessitamos sim de investimento verdadeiramente produtivo e que melhor a qualidade de vida, e atratividade, do concelho."

Ainda bem que na Figueira a rede funciona a 100%!..

"Covid-19: Montemor-o-Velho reclama intervenção urgente da ANACOM face a internet deficiente"...

"...o presidente da autarquia, Emílio Torrão, argumenta que, para além de em algumas freguesias de Montemor-o-Velho “a rede de internet não garantir a ligação oficial, não existindo serviço de fibra ótica, a qualidade deficiente do serviço, as quebras de ligação e a baixa velocidade têm vindo a agravar-se face às exigências de teletrabalho e ensino à distância actuais”, devido à pandemia de covid-19.
“Existem alunos que, pese embora sejam clientes de tais serviços, não conseguem assistir às aulas ‘online’, materializando-se tal facto numa violação do direito ao ensino e à igualdade de oportunidades, constitucionalmente consagrado”, argumenta, na nota, Emílio Torrão."

Dita por quem foi, uma frase, no mínimo, infeliz...

Dias de relexão

"Um dia vamos descobrir que estes foram alguns dos melhores dias da nossa vida.
O período em que descobrimos o valor de tanto que tomávamos como garantido.
Para alguns, os dias foram melhores porque os puderam passar com as pessoas que mais amam, com todo o tempo do mundo para os amar.
Outros descobriram agora que afinal não era esta a vida que queriam. Não são estas as pessoas com quem querem viver.

Quem está sozinho sofre mais, mas quem sabe se não está mais acompanhado do nunca.

Solidários e abertos ao mundo, descobrem novas amizades à janela da casa ou nas portas que se abrem na internet.
Vamos à janela e vemos o mundo mais quieto do que nunca. Não há pressa sem sentido. As pessoas vivem o que têm de viver e não sentem a angústia de demonstrar que são úteis numa sociedade que nos força a ser o que não somos.
Uma longa aprendizagem. Como se todos sofrêssemos de uma doença grave e esperamos pela cura para que voltemos a viver, mas desta vez com os olhos abertos para o que realmente interessa."

Daqui

Ensino à distância...



"Se não possui um computador ou outro dispositivo para acompanhar as aulas à distância, saiba que a Câmara do Porto comunicou ainda em março, aos Agrupamentos de Escolas da cidade, que podiam usar verbas já então transferidas para aquisição de material informático e Internet para alunos que estivessem impedidos, por falta de dispositivos, de aceder ao ensino à distância.
Com efeito, a 24 de março, o vereador da Educação, Fernando Paulo, comunicou a todos os agrupamentos de escolas que poderiam usar as verbas já disponíveis e transferidas, através dos contratos interadministrativos (190 mil euros), para esse efeito. Esses contratos, suportados pela autarquia do Porto, visavam custear atividades extras das escolas que agora se encontram suspensas.
Até hoje, nenhum agrupamento reportou falta de verba ou pediu reforço relativamente a estas necessidades à Câmara do Porto. O Município entende que, nesta fase, devem ser disponibilizados equipamentos apenas a alunos carenciados e que estejam impedidos por esse motivo de acompanhar as aulas e depois de identificados pelos agrupamentos de escolas, tanto mais que o Governo anunciou para o próximo ano letivo um programa universal de distribuição de computadores, tablets e Internet.
Por forma a melhor preparar o próximo ano letivo, o Presidente da Câmara do Porto escreveu já há dias ao Primeiro-Ministro, questionando-o sobre a execução do programa de distribuição de material informático a todos os alunos, por si anunciado numa entrevista à Agência Lusa, a 11 de abril. Na sua missiva, o Rui Moreira alerta António Costa para a necessidade de não se replicarem ou duplicarem esforços nesta matéria, já que não fará sentido generalizar um programa de entrega de equipamentos informáticos a todos os alunos quando o Governo o prometeu para daqui a poucos meses. 
O Governo já entrou em contacto com a Câmara do Porto, assegurando que o programa do Governo vai ser cumprido e que não faz, por isso, sentido, replicar com poucos meses de antecedência a distribuição massiva de computadores que nem estão disponíveis no mercado. Por outro lado, um procedimento dessa natureza obriga a concurso público e demoraria meses a ser concretizado."

“Grândola” à janela na Figueira da Foz

Via Diário as Beiras
"O jornalista e bloguer figueirense Rogério Neves e a mulher, Isabel Mendes, foram dos que não deixaram passar a efeméride ao lado e responderam ao apelo da Associação 25 de Abril, cantando a contrassenha da Revolução dos Cravos, à janela do apartamento, e exibindo a bandeira nacional."
Com o apoio de uma aparelhagem, o casal não desafinou com o “espírito de Abril”. Na vizinhança também se ouviu a canção de Zeca Afonso e viu-se a bandeira das “quinas”. “Ambos sabemos ver e analisar o que foi o antes e o depois do 25 Abril. Somos activistas e defensores do 25 de Abril, desde a primeira hora”, afirmou Rogério Neves. Além disso, acrescentou: “Foi a seguir ao 25 de Abril que constituímos família”.

Posso dizer que tenho alguns bons Amigos.
O Rogério Nevesnos idos de 1978, meu ex-companheiro de Redacção no Barca Nova, pelo menos há mais de 45 anos, é um deles.
Neste tempo de dúvidas e incertezas, com a Liberdade confinada, não sabemos é se vai ficar tudo bem... 
Um abraço Rogério: 25 de Abril, Sempre!..  

"Docapesca investe na lota mais de 1 milhão de euros". Em Janeiro passado não estava em orçamento...

Via Diário de Coimbra
"Ainda a recuperar dos prejuízos da tempestade “Leslie”, que rondaram os 500 mil euros, a Docapesca tem vários projectos em andamento para a lota da Figueira da Foz. Sérgio Faias, administrador da Docapesca, disse ao nosso jornal que vão construir um novo pavilhão «para apoio à transformação de pescado», num investimento de cerca de 600 mil euros, já apoiado pelo programa “Mar 2020”."

Recorde-se.
"O deputado do PSD Paulo Leitão, eleito por Coimbra, questionou, na Assembleia da República, o ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, sobre a zona portuária. Começou por perguntar se a Figueira da Foz irá beneficiar das verbas destinadas a dragagens e intervenções de emergência nos portos do Centro e Norte do país.
Paulo Leitão afirmou ainda que, na visita que fez à lota, “foi possível constatar os graves da-nos nas instalações” provocados pela tempestade “Leslie”, em outubro de 2018. “Em contraponto ao desfile de governantes no rescaldo da tempestade”, acrescentou, “este é mais um exemplo da inoperância deste e do anterior Governo”, criticou.“Quanto mais tempo é que temos de aguardar pela recuperação das in-fraestruturas afetadas?”, indagou Paulo Leitão. Por outro lado, indicou “a falta de investimento na modernização da estação de tratamento de águas salgadas e fábrica de gelo”. O deputado perguntou, também, se está previsto um montante de 400 mil euros para a construção de um novo edifício naquela área de concessão. E afirmou que “o assoreamento da entrada da barra tem sido um dos principais entra-ves à segurança de tripulantes e embarcações”.
As respostas chegaram através do secretário Estado José Apolinário. O membro do Governo esclareceu que o referido plano de dradagens não inclui áreas sob jurisdição das administrações portuárias. No caso da Figueira da Foz, destacou, são feitas “dragagens regulares” pela administração do porto.
Acerca dos prejuízos provocados pela “Leslie” na zona portuária, José Apolinário afirmou que foram realizadas obras, através do acionamento do seguro, incluindo as da Docapesca. Contudo, ressalvou: “Reconheço que é necessário fazer outras intervenções de requalificação no espaço”. E comprometeu-se a “ver em que medida, no Orçamento do Estado [deste ano], se pode responder a algumas das questões” colocadas pelo deputado da oposição."

sábado, 25 de abril de 2020

Quiaios – Uma bonita Terra com muita ilusão e pouca razão.

"Muitos ainda não notaram, mas já estamos a viver um tempo dolorosamente novo desde que a crise iniciou. Seria portanto expectável que os velhos hábitos da política – velhos dos últimos vinte ou trinta anos, porque para trás não era bem assim – perante uma crise tão avassaladora, tivessem ficado pelo caminho e recuperássemos rapidamente a ajuda ao próximo pelo próximo e não por oportunismos em torno da desgraça alheia.

Prometi, publicamente, fazer uma espécie de diário de crise onde vou registando as ocorrências que nos vão acompanhando e que farão a história destes tempos improváveis.
Por cá, tudo iniciou oficialmente no dia 26 de fevereiro de 2020. Recebemos o primeiro contacto da câmara no dia 23 de março, talvez para experimentar se ainda tínhamos força para atender o telemóvel. Da junta de freguesia, não sabemos se ainda tem telefones ou se perderam os contactos da Casa do Povo. Podíamos sempre comunicar por fumos; afinal, as duas sedes distam apenas 277 metros. Estamos a 25 de abril e nem sinal. Bem… com tanto comunicado “chapa cinco” e tanta partilha nas redes sociais a prometer o que não quantificaram antes e a Lei não permite, não houve ainda tempo para saber se estamos vivos, quais as nossas reais carências e se podem usar o nome da instituição para fazer publicidade ao que ainda não sabem se podem dar.

Materialmente - não sendo para a nós a questão mais relevante por agora, mesmo com pouco dinheiro - não podemos agradecer dádivas que não existem, nem sabemos se existirão, porque, insistimos: apesar dos constantes atropelos às Leis da República a que vamos assistindo, a democracia, embora mal tratada, ainda não foi de férias, o que imporia prudência e bom senso no que se anuncia.

Chegados aqui, 25 de abril de 2020, 60 dias depois da crise ter iniciado, já alguém fez alguma coisa de concreto que não fosse publicidade, replicada à exaustão nas redes socias, à custa da desgraça alheia? Sim, fizeram. A velha política da caridadezinha natalícia que tem sido a imagem de marca de uma parte significativa das autarquias portuguesas antes da crise, agora alargada também à páscoa.

Os que realmente precisam de ajuda sabem onde recorrer e sabem também que ninguém lhes pede votos em troca. Por isso não têm que se expor; já lhes chega o infortúnio de terem acordado sem rendimentos num qualquer dia do passado mês de março. A pobreza envergonhada está de volta pela segunda vez em dez anos e exige de nós ações concretas, proximidade e pouca ou nenhuma publicidade.

Portanto, desiludam-se se estão à espera de mudanças! Por cá é tudo à antiga...e, volvidos dois meses , “não poderá ser de outra maneira”.

25 de abril hoje… e o resto do ano!"

Via Jossé Augusto Marques

Podemos ter os políticos mais burros do mundo, mas isto com inteligência e imaginação vai lá...

Salgueiro Maia

“Fernando Salgueiro Maia é um dos principais heróis da história de Portugal. Conseguiu-o através da sua destemida, extraordinária e patriótica acção no memorável dia 25 de Abril de 1974”. - Vasco Lourenço.

Salgueiro Maia morreu aos 47 anos. A História consagra-o como o maior exemplo de coragem da revolução de 25 de Abril de 1974. Salgueiro Maia, o capitão sem medo, desapareceu a 4 de abril de 1992.
No dia da Liberdade, aqui fica uma simples homenagem a Salgueiro Maia, homem modesto e honrado, militar íntegro, dotado de uma excepcional coragem moral e física, que «não devia ter morrido de um cancro qualquer, mas de pé, fulminado por um raio»,  como disse esse enorme jornalista deste País, também já desaparecido, de seu nome Fernando Assis Pacheco.

14 anos, não é muito, mas já é algum tempo...

Precisamente no dia 25 de Abril de 2006, o menino que esta foto mostra, começava este blogue...
Desde esse dia muita água passou, rumo ao mar, no rio da minha Aldeia
Passados 14 anos, considero que em boa hora foi criado este espaço.
Ultrapassou todas as mais optimistas expectativas. A nível de visitantes, os números falam por si. O retorno – elogios, calúnias, tentativas de silenciamento e de descredibilização, pressões, e críticas, umas positivas, outras negativas -  tem sido um desafio aliciante, que vem de longe e, felizmente, se mantém. Finalmente - e isso para mim é o mais importante, foi com o OUTRA MARGEM que mais aprendi sobre o que é e para que serve a blogosfera: um sítio onde há de tudo um pouco e é um espelho daquilo que somos como sociedade.

Com este blogue, aprendi igualmente algo que já sabia que havia em abundância na sociedade figueirense e que é uma coisa simplesmente execrável: cavalheiros que pensam que a vida deve ser deixada só aos políticos e aos aprendizes a candidatos a políticos. E que, igualmente, existem cavalheiros que reagem de forma primária, desmesurada, exagerada, desrespeitosa, mentirosa, caluniosa, torpe (fiquemos por aqui) em relação a quem apenas criou e mantém, com esforço e dedicação, um blogue de discussão, divulgação e promoção da sua Aldeia.

É triste e mesquinho, mas é verdade: apenas por termos criado e mantido este blogue, fomos alvo de reacções e boatos que me escuso aqui de pormenorizar.
Decidi, desde o início, passar à frente, pois há coisas com as quais não vale a pena perder o nosso tempo.
Contudo, tenho vindo a  reflectir, até porque já cá cantam 66, sobre a minha condição de finito. Confesso: esteve, por isso,  no propósito de quem nos últimos 14 anos, tem horas e horas de trabalho não remunerado, dar hoje por encerrada esta tarefa. 
Todavia, o momento que passa exige outra postura. Por isso, o OUTRA MARGEM vai continuar.

Festejar um aniversário pode ser uma manifestação de saudade. 
Pode ser também uma manifestação de esperança.
O tempo, sobretudo para os que como eu, têm menos tempo de esperança de vida do que aquele que já viveram, é um bem precioso. 
Nada é irrevogável a não ser a morte.
Infelizmente para a Figueira, continua a haver boas razões para continuar.
Para o bem e para o mal, este tão acarinhado e tão atacado blogue (e quem tem de se aguentar à broca sou eu, seu único e exclusivo autor), tem uma história de serviço público, cívico  e de defesa da liberdade e da democracia. O seu património, que está acessivel gratuitamente a todos, fala por si. Quem quiser fazer a história figueirense dos últimos 14 anos tem aqui muito material de estudo e de trabalho. 
Esta OUTRA MARGEM veio ao mundo para questionar... Que o mesmo é escrever: para incomodar.
Enquanto o seu autor mantiver a esperança de que há uma possibilidade de ser possível viver numa Aldeia, num Concelho e num País melhor do que isto que temos, vou continuar por aqui. Quando perder totalmente essa esperança, meto o teclado no saco...


Pode ser incómodo, difícil, duro e arriscado. Mas, continuo a não me esconder na cumplicidade, no silêncio, nas meias-tintas de conluio com o poder. Mas, sempre com rigor.
Já fui prejudicado na vida, na carreira profissional, na família e no bolso (mas, isso, é o menos importante). Até agora não desisti. A luta continua. Abril, Sempre! Saúde e um abraço para todos: aos que gostam e aos que gostam menos - e que apesar de estarem fartos de mim, continuam a vir cá espreitar...

Em tempo de pandemia...