.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Este País é uma MERDA para os Velhos!

Por Carlos Paz.

Aviso. 
Carlos Paz está de férias; está-se cagando para a linguagem; quem não gostar não leia...

Pedro Passos Coelho, o falso...

foto sacada daqui


Em tempo. 
Pedro Passos Coelho é um falso. 
Ao contrário do que quer fazer crer, é ávido pelo poder. 
Poder esse, aliás, que lhe foi entregue em 2011 pelos ingénuos.
Por via disso, ficaram ainda mais chupadinhos, para garantirem barriga cheia a Coelho e àqueles a quem ele serve - e que dele se servem - e que garantem penúria a quem os sustenta. 
Passos Coelho, que em tempos disse que se estava a lixar para as eleições, agora que se estão a aproximara eleições, quer mais poder - o tal poder que lhe foi oferecido pelos magros e descamisados, em 2011.  
Passos Coelho é falso, mentiroso e infernal, como são todos os vampiros.

Espaço Cultural e de Convívio em homenagem aos pescadores da Cova Gala foi inaugurado ontem

foto António Agostinho
O Centro Cultural e de Convívio dos Pescadores de São Pedro, que já estava pronto desde finais de 2013, foi ontem inaugurado. Na cerimónia, usaram da palavra diversas entidades.
António Santos, da AD ELO, em representação do GAC – Mondego Mar, começou por manifestar a satisfação em estar perante “um projeto dirigido aos pescadores”. Este orador apelou para que seja uma “casa viva, que sirva os interesses da comunidade”. António Santos anunciou que “a breve prazo” irá existir um “novo período de programas (apoio)” e exortou os pescadores a participarem, apresentando “os seus projectos”
Por sua vez, o presidente da Junta de Freguesia de São Pedro, considerou que "ontem foi um dia importante para todos os covagalenses”. António Salgueiro deixou claro que o centro cultural “é um local onde serão perpetuados todos os homens e mulheres do mar”. Naquele local, “serão recordados saudosos dias de trabalho” e partilhados momentos de lazer. O autarca local referiu que estão projectadas várias acções, em resultado da parceria com a Associação Mar e Rio de São Pedro
O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz encerrou a sessão. Com este "espaço modernizado", “o que se pretende é deixar o testemunho da identidade de um povo e de uma comunidade em especial”, afirmou o dr. João Ataíde. 
O autarca informou que o centro cultural rondou 100 mil euros (mais concretamente, informo eu, o Valor Contratual foi 101.803,84 € + IVA) comparticipado em 85% por fundos comunitários. “A câmara assumiu a sua construção, que agora transfere à Junta de Freguesia de São Pedro, que, em conjunto com a comunidade, irá fazer dele o melhor uso”, disse João Ataíde, salientando que a autarquia figueirense se mantém atenta às “preocupações da freguesia”
João Ataíde informou na oportunidade que irá apresentar na próxima reunião de câmara o projecto de requalificação da zona do Cabedelo, espaço ao qual “pretende dar uma configuração de excelência”.  
Por falar em excelência: atentem bem na beleza do barco da foto, que estava em exposição no exterior do edifício ontem inaugurado.
Totalmente construído por Adelino António Pereira Agostinho, irmão mais novo do meu Pai, portanto, meu Tio. Homem de afectos, deu ao barco construído com carinho, o nome da sua neta - July. Nesta obra, foram gastos anos de trabalho, minucioso, paciente e competente para concretizar a maravilha que os nossos olhos podem ver agora. 
O meu Tio Adelino Agostinho, tem agora 79 anos de idade, mas continua em forma. Afinal, "o mais importante na vida é ser-se criador - criar beleza".
A terminar, registe-se que o Presidente da Junta de Freguesia de São Pedro ofereceu o livro "A Cova-Gala, como notável exemplo de Solidariedade", recentemente publicado pelo Dr. Jorge Mendes, ao presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz.

Pensem. Mas, pensem bem...

No encerramento da Universidade de Verão, o líder social-democrata dirigiu-se aos "que não são do PSD e do CDS" e colocou desigualdades sociais no topo das prioridades.
A pouco mais de um mês das eleições legislativas, Passos Coelho fez um apelo aos eleitores do centro-esquerda – que não são do “PSD e do CDS” – para pensarem mais no futuro dos próximos quatro anos do que nas dificuldades por que passaram nos últimos anos. 
O líder do PSD empenhou-se em tentar retirar a carga ideológica e partidária das legislativas, ao dizer que o que está em causa no futuro “não são convicções ideológicas, nem dogmatismos partidários”, mas sim “coisas muito concretas”
Passos Coelho optou por não fazer um balanço dos quatro anos de governo – dizendo apenas que “não fez tudo bem” – mas no final deixou um desabafo: “Foi difícil, mas valeu a pena.”
A visita do líder do PSD a Castelo de Vide foi curta. À chegada ao cine-teatro, ao final da manhã, eram muito poucos os populares que o esperavam. Só à saída Passos Coelho cumprimentou algumas pessoas que se aproximaram antes de entrar no carro e seguir viagem para as festas de Campo Maior.

Em tempo.
Coligação a combater desigualdades "é como pôr Salgado no Banco de Portugal", diz BE...

domingo, 30 de agosto de 2015

Praia: último domingo de agosto na Cova-Gala

foto António Agostinho

Bem recordado...

"Talvez a culpa seja sua".
Se querem saber porquê, cliquem aqui.

O facebook também tem massa crítica...

António Boronha, no facebook.
No "tempo da outra senhora" resolviam-se os problemas eleitorais fazendo apelo "à chapelada", mobilizando para o efeito legionários, pides, padres e polícias. 
Porque, se não, era o caos..., vinham aí os "comunistas" comer criancinhas ao pequeno-almoço. 
Hoje faz-se apelo "à carneirada". Cavaco, sempre, Marques Mendes, hoje mais uma vez, Marcelo, amanhã, todos clamam por uma votação massiva no "centrão"
Um "centrão" que na cabeça destas figurinhas rima com..."coligação", note-se. [Um "centrão", recorde-se, que tem desgovernado este país nos últimos quarenta anos colocando-o na cauda do desenvolvimento e no topo da pobreza, que tem como figuras emblemáticas gente "impoluta" como: Dias Loureiro, José Sócrates, Armando Vara, Duarte Lima, mais umas dezenas de outros de igual calibre.] Porque, se não, dizem eles, será o caos..., agora com os "syrizas", a "troika", os "mercados", quiçá, mais adiante, com o "ébola", os soldados islâmicos e dezenas de refugiados do Magrebe a darem à costa na Praia da Rocha. 
Com o terror que têm vindo a disseminar junto dos velhos - com pensões de miséria constantemente ameaçadas de novos cortes - e dos jovens - propondo-lhes como futuro a emigração ou um estágio de 9 meses antes do desemprego de longa duração - esta gente ainda tem a lata de chamar terroristas a quem?..

Há sempre alguém pior que nós. Parecendo que não, isso anima-nos...

Paulo Rangel acredita que se os socialistas estivessem no Governo, "não haveria um primeiro-ministro sob investigação"!..

ESPAÇO CULTURAL E DE CONVÍVIO DOS PESCADORES DE S. PEDRO

sábado, 29 de agosto de 2015

O que vale a palavra de Cavaco Silva, Carlos Costa, Maria Luís Albuquerque e Pedro Passos Coelho?.. *

“contribuintes” a pagar buraco"

Em tempo.
"Este é o terceiro banco que, por mão do PSD, volta a ter o buraco das contas pago pelos portugueses. Primeiro foi o BPN e o BPP, bancos dos quadros do PSD e falido pelos quadros do PSD. O BPN foi nacionalizado pelo PS, para mal das nossas finanças, que viram um prejuízo privado transformado em prejuízo público. O BPP foi outro banco cujos prejuízos foram transferidos para o erário público. E agora é o BES, o qual pela mão do PSD e do CDS, volta a ser um banco no qual as trafulhices da família Espírito Santo estão prestes a ser pagas pelos portugueses."
* (nota explicativa do título desta postagem) - todos eles afirmaram, solene e repetidamente, que a solução que eles escolheram para o BES não teria impacto para os portugueses, ou para os “contribuintes”, como eles gostam de dizer...

Protestos (II)

Em tempo.
Entretanto, na sequência dos protestos desta semana, o presidente da Cooperativa de Produtores e Peixe Centro Litoral, António Miguel Lé, informou que  Assunção Cristas recebe os representantes do sector das pescas na próxima quarta-feira.
Armadores e pescadores queriam ser recebidos ontem, ameaçando com protestos de rua, caso a ministra se recusasse a recebê-los, mas acabaram por aceitar o adiamento da reunião para a próxima semana.

Há pessoas que para mostrarem que existem precisam que se fale delas todos os dias...

Rui Rio e Santana Lopes - até ver e aparentemente - mostram um estranho temor em defrontar Marcelo Rebelo de Sousa.
Se não os conhecêssemos, até poderíamos pensar que era por falta de coragem...
Santana já correu - chegou à Foz, mas foi a da Figueira.
Rio ainda corre - mas ainda está por saber se chegará a outra Foz, que não a do Porto
Não é por medo, note-se. É por respeitinho, é por respeitinho...

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Parabéns Fernando...

Ou como diria o Gabriel Alves que, por alguma razão insondável, fala sempre no plural: "fazemos 53 anos"
Contudo, foste tu que fizeste 53 anos. Cinquenta e três. 
Quem me dera, apesar de  "o  país em que habitamos não ter grande futuro..."
Como escreves...
"Isto é um facto da vida. A dura realidade. A verdade."
A caricatura, como a entendes, não ambiciona fazer rir. 
Embora, por vias travessas, talvez até o faça... 
A verdade é que, como Camilo a respeito do romance, “estou mais que muito desconfiado de que não morigera nem desmoraliza”
Apenas procura, modestamente, aquela inquietação que só proporciona o verdadeiro entendimento dos factos da vida...
Parabéns meu Amigo.
Um abraço.

Protestos...

1 - "Pescadores da Nazaré foram ao Ministério da Agricultura e Pescas entregar as últimas sardinhas que pescaram este fim de semana - uma forma de protesto, para pedir que o governo não reduza ainda mais a quota em 2016." 

2 - "Apesar de uma gestão de quota que ainda lhes permite continuar a laborar, os pescadores do cerco da Figueira da Foz não escondem as preocupações e revolta que lhes vai na “alma” e a mágoa que sentem em relação à titular da pasta do sector da pesca."

Em tempo:

Debates...

Passos, é mais vivaço do que muitos julgam: no Verão de 2013 deu o chamado "abraço de urso" em Portas, que o deixou atado de pés e mãos até ao presente. 
Passos, vivaço e esperto como é, tirou proveito dessa circunstância, para, numa jogada inteligente, reduzir agora os debates a um que possa ser levado minimamente a sério: o dele com Costa
Portas, ficou a falar sozinho e  a esbracejar pelos seus solitários minutos de fama que, decerto, alguma televisão "da corda" não deixará de lhe conceder. 
Costa, entretanto, depois da carta absurda e analfabeta que os chefes do PaF endereçaram aos portugueses, tem andado entretido para, diz ele, "cativar os indecisos".
E assim estamos chegados aqui, a pouco mais de um mês de saber o quanto vamos ficar mais pobres, com a bênção e ajuda da comunidade internacional. Mais pobres, a maioria de nós, no imediato e  ainda mais miseráveis, alguns de nós, num futuro bem próximo.

Nos últimos quatro anos houve um aumento brutal na dívida publica a juros que um país,  como o nosso, jamais poderá pagar. Nem sequer os juros, quanto mais o capital. 
Batemos  no fundo. Tal, ficou a dever-se, no essencial,  aos inúteis, oportunistas e incompetentes que transformaram este país, eternamente atrasado e rural, num oásis para as construtoras civis, banca e um punhado de amigos - os chamados mamões do regime - a quem foram vendidas a preço de saldo empresas estratégicas como a Galp, Edp, Portugal Telecom, CTT, TAP, (neste momento, está em curso a privatização acelarada  da CP Carga e EMEF),  em nome da livre concorrência e do benefício que a privatização traria aos consumidores. 
Estamos a ver...

E o que é ouvimos na rua: não vou votar mais. Não merece a pena!..
É musica para os ouvidos da direita. Esta malta que se abstém - que já é a maioria - vai legitimar,  uma vez mais, os mesmos manhosos de sempre no poder.
Como era fácil de prever e por aqui alertámos em devido tempo, Sócrates haveria de deixar, como deixou, o país mais pobre, mais endividado, mais desiludido, mais desmoralizado e mais atrasado do que já estava. 
Como os credores fizeram o cerco e exigiram o seu dinheiro, estes que vieram a seguir, andam há quatro anos a tomar medidas draconianas que tornaram as nossas vidas num inferno. 
Como as sondagens apontam vamos ter mais do mesmo. Depois de 4 de outubro, como é fácil de antecipar, virá mais descontentamento.
Quantos mais expressarem, pelo voto ou pela abstenção, o seu apoio aos candidatos do centrão, menos autoridade moral terão para protestar quando lhe começarem a alargar o esfíncter.
Preparem a vaselina, pois a partir de 4 de outubro, vai ser  a sangue frio.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Chineses já estão a vender casas acabadas de adquirir em Portugal...

É só "desgraças"!..
Quem irá agora comprar os vistos gold?.. 
E sem ninguém para comprar os vistos gold, como é que a malta do costume poderá meter algum ao bolso?.. 
É tudo contra o país... 
Em tempo.
O investimento dos chineses foi feito através dos vistos gold.

Sobretaxa...

A sobretaxa é uma manifestação de incompetência.
Num quadro recessivo em que qualquer estímulo à actividade económica ou uma redução das medidas restritivas era desejável, o governo decidiu manter a austeridade com a promessa de que se esta tivesse sido excessiva o governo saído de futuras eleições procederia à devolução da sobretaxa já depois da receita desta ter sido gasta em 2015 muito provavelmente em medidas eleitoralistas. 
Esperemos que Paulo Portas, Paulo Núncio e Maria Luís Albuquerque andem pelo país em Maio de 2016, pois terão de vir explicar aos portugueses a fraude que montaram numa jogada manhosa para ganhar votos. 
Nunca na história do ministério das Finanças foi montada uma mentira de tão grande dimensão

Isto de "experiência-piloto de orçamento participativo", tem muito que se lhe diga... (III)

O orçamento participativo é um processo que “consiste na reserva de um montante cujas finalidades são submetidas a um processo de escolha pública, sendo integradas no orçamento municipal…”. Na Figueira, o processo constituiu uma verdadeira novela que terá tido o seu início quando, em outubro de 2008, a oposição de então propôs ao executivo a inclusão no seu orçamento de uma verba para um “orçamento participativo”
A proposta não só foi recusada como foi recebida com desprezo e, entre outras coisas, foi apelidada de “caldeirada”. Em final de 2009, o partido proponente assume o executivo e, como lhe competia, apresenta em março a sua intenção de preparar aquele projecto. Em novembro de 2010, revela protelar o processo para o ano seguinte e em 2013 volta a manifestar intenção de o desenvolver. 
Passado todo este tempo, de orçamento participativo, nada! Até que a oposição antecipa-se, ultrapassa o executivo e, ao arrepio da opinião manifestada em 2008, propõe… o quê? Pois, nem mais: um orçamento participativo! Em resumo, um partido mudou claramente de opinião. O outro foi tão lento que se deixou ultrapassar. 
Disse Churchill: “Não há mal nenhum em mudar de opinião, contanto que seja para melhor”. Tratando-se, porém, de questões ideológicas… Por sua vez, afirmou Rousseau: “O castigo da ocasião malograda é o não tornar a encontrar-se mais”.

Em tempo.
Esta cónica do eng. Daniel Santos foi hoje publicada no jornal AS BEIRAS... 
Isto de "experiência-piloto de orçamento participativo", tem muito que se lhe diga...

X&Q1251


Recordar Manuel Fernandes Tomás, "O Patriarca da Liberdade", a tradição e a consciência cívica...

Mais uma vez, cumpriu-se a tradição. 
A tradicional homenagem a Manuel Fernandes Thomaz realizou-se no passado dia 24 de Agosto, uma oportunidade para os figueirenses reflectirem sobre os valores do político nascido na Figueira da Foz em 1771, a quem chamam o “Patriarca da Liberdade”
À deposição de uma coroa de flores no seu túmulo, situado junto ao monumento que lhe é dedicado, na praça 8 de Maio, seguiram-se as intervenções: António Ambrósio (presidente da Associação 24 de Agosto), Fernando Cardoso (presidente da Associação Manuel Fernandes Thomaz), Manuel Fernandes Tomás (descendente do homenageado) e João Ataíde (presidente da autarquia figueirense). 
O Grande Oriente Lusitano-Maçonaria Portuguesa enviou uma comunicação, que foi lida na cerimónia. 

Em tempo. 
A Figueira é o berço do Patriarca da Liberdade e uma Terra aberta e disponível para a democracia. 
244 anos depois do seu nascimento, como entender e aceitar que tivesse sido imposto por um executivo camarário PS, com maioria absoluta, tendo como presidente de Câmara o Dr. João Ataíde, reuniões camarárias realizadas à porta fechada?..

Irrevogável mente...

Portas diz estar “encantado” por debater com Heloísa Apolónia. 
CDS e PEV terão duelo televisivo em representação das respectivas coligações, CDU e PaF.

Por sua culpa, sua tão grande culpa.

O governo PSD/CDS não é, naturalmente, o único responsável pelo estado em que hoje se encontra Portugal. Mas é responsável por estarmos muito mais endividados do que estávamos há 4 anos. É também responsável por termos mais desigualdades sociais do que tínhamos há 4 anos. É o único responsável por termos mais carga fiscal sobre os trabalhadores e menos sobre as empresas e accionistas do que tínhamos há 4 anos. É o grande responsável pelo ataque vil e reiterado de que foram vítimas os funcionários públicos nos últimos 4 anos. E é certamente responsável pela degradação do sistema público de ensino e pelo défice inédito no sistema de pensões nos últimos 4 anos.

Contudo, das muitas coisas de que podemos acusar o governo PSD/CDS, há uma que é verdadeiramente gravosa: nestes quatro anos mataram como nunca a confiança do país e, com isso, afundaram a esperança no futuro entregando-nos a um miserabilismo cinzento e conformista.

A propaganda foi clara: somos medíocres, fomos despesistas, comportamo-nos como piegas e, por isso, merecemos viver condenados à pobreza em que estamos.

projecto ideológico é simples: 
(1) não podemos aspirar a ser mais do que um entreposto de mão de obra barata; 
(2) devemos viver condenados a saldar a dívida com que pagámos os desfalques nas instituições bancárias a quem querem agora confiar as nossas pensões; 
(3) devemos reduzir o Estado ao mínimo possível para entregar o máximo possível à Igreja e às outras multinacionais que se vão apropriando do património de todos; 
(4) o desemprego é um mal necessário, a emigração é a saída merecida e o emprego é uma beneficência que os patrões concedem aos mandriões dos portugueses.

A narrativa é eficaz porque se alicerça no medo. E o medo entorpece a ponto de se querer a protecção daqueles que humilham e chicoteiam quotidianamente. Mesmo quando há alguns sinais de optimismo ninguém ousa querer construir um país com um progresso suficientemente forte para capitalizar os recursos humanos altamente diferenciados de que dispõe.

É por isso que é fundamental um novo rumo para Portugal. É urgente restaurar a confiança do país mas sobretudo a confiança no país. Construir uma alternativa política tem que significar o retorno do país ao caminho do progresso e do desenvolvimento social e económico. De outro modo continuaremos entregues ao castigo de Sísifo a que PSD e CDS nos condenaram.

Pedro Morgado

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Grande Jerónimo!...

Passos Coelho queria Portas a debater com Jerónimo de Sousa. 
Jerónimo fez o que teria de ser feito... Era uma oportunidade que não podia ser desperdiçada...
Há quem falhe golos com a baliza aberta: Jerónimo de Sousa, não!
"CDU atira Heloísa Apolónia para debate com Paulo Portas ..." - Público

Na Figueira, carnaval é quando a Câmara quiser...


Passado o carnaval de verão, sem grande repercussão, a Figueira retomou a normalidade do carnaval quotidiano.
Os actores políticos locais, são muito parecidos com os demais lideres nacionais: olham o horizonte do próprio umbigo sem saberem bem para onde nos levar...
Registe-se de passagem o que está verdadeiramente em causa:
1. A leveza (para não dizer outra coisa) com que se disponibilizam dinheiros públicos para queimar em carnavais e outras batucadas.

2. A forma como tais decisões são justificadas: interesse turístico, económico e cultural!

Cofres cheios, cofres vazios!..

Os cofres das finanças públicas nacionais estão a ficar cada vez mais vazios e divida pública está a crescer 43 milhões por dia.
Com que então cofres cheios?.. 
Do sucesso ao fracasso, afinal, Passos, vai um passo!.. 
O Estado perdeu em junho deste ano cerca de seis mil e 500 milhões de depósitos mas não só. Nos últimos seis meses as receitas caíram cerca de dois mil e 400 milhões de euros.
A Unidade Técnica de Apoio Orçamental estima que as contas para este ano possam ser atenuadas se o governo conseguir vender o Novo Banco e encaixar 3,9 mil milhões de euros.
Uma medida que poderá impedir uma contínua recorrência aos mercados.

A não perder na edição de hoje do Diário de Coimbra

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Será que os finlandeses vão provar o remédio dos "preguiçosos do sul"?..

Em 2011, os portugueses tiveram oportunidade de assistir a um vídeo da Finlândia - em resposta a outro que Portugal já tinha feito -, em que os finlandeses diziam que iam abster-se de gozar com a situação da economia nacional, embora pudessem fazê-lo. 
Em boa hora não o fizeram. Quatro anos depois, a economia nórdica mergulhou numa crise estrutural sem fim à vista e não está em posição de gozar com ninguém. Na Finlândia a dívida pública também deve este ano romper o limite de Bruxelas, mas mantém-se próxima dos 60% do PIB. 
Noutra economia, poderia significar o recurso a estímulos. Na Finlândia, fiel defensora da teoria da austeridade alemã, isso é mais difícil. "É preciso cumprir o que se apregoa para os outros", frisa Pasi Sorjonen, economista-chefe do Nordea, o maior banco da região nórdica, reconhecendo que o futuro próximo não parece risonho, porque o actual governo está a tentar cortar na despesa - depois do falhanço das subidas de impostos dos últimos anos -, mas os finlandeses estão a rejeitar o medicamento que, nos últimos anos, defenderam para o Sul da Europa.

Foi em Portimão, mas podia ter acontecido na Figueira...

GNR captura pescador reformado de 79 anos...
"O arguido vinha da doca pesca na sua bicicleta com um balde de sardinhas para o almoço, quando foi interceptado por uma viatura da GNR … tudo indica que as sardinhas não estavam legalizadas … ficou sem as sardinhas, teve de almoçar conserva de atum. 
Sinto-me mais seguro com estas intervenções da GNR."

Dado que a GNR estava na “zona portuária PTM” e pelo DL 81/2005, supõe-se que o reformado de 79 anos em causa vinha da lota sem guia de transporte para os seus 5 Kg de sardinha. Perdão, 5.1 Kg. O que iria este pescador reformado fazer com os cabazes, perdão, com um balde de sardinhas?
Talvez fosse fazer uma grelhada para os filhos e netos. É plausível, caso haja venda ao público na lota e caso a reforma de pescador chegue para tanto. Talvez, com maior probabilidade, ele fosse fazer um pequeno lucro vendendo o peixe a um restaurante, como forma de complementar a parca reforma que portugueses como ele têm ao fim de uma vida dura. Um dinheiro a mais para os medicamentos ou para os filhos sem trabalho, tábua de salvação de tantas famílias que têm nas reformas dos progenitores a única fonte de receita.
Sendo claro que a legislação pretende manter a venda de pescado dentro da malha fiscal, teria também o legislador a intenção de perseguir ninharias? Eventualmente sim, pois o padrão da governação tem sido mão pesada, sob forma de excessivas multas face ao delito. Aliás, face ao pequeno delito, já que aquele que causa milhões de prejuízo ao erário público tem passado incólume por entre as malhas das prescrições e da débil investigação criminal.
Mas um balde de sardinhas sem guia de transporte, senhores e senhoras, tão gritantemente sem o papel, não poderia passar em branco. 
Bem vistas as coisas, se se fechassem os olhos às coisitas, acabaríamos onde? 
A permitir que altos quadros da política e da banca levassem o país a ruína, não?

Via Aventar

Recordar a Aldeia

imagem sacada daqui
Maria Archer, grande escritora, homenageada sábado passado, na Cova-Gala, em 1938 na  sua novela "Entre Duas Viagens" escrevia assim sobre nós. 
"No primeiro domingo de Janeiro faz-se na Cova a romaria anual a São Pedro, padroeiro dos pescadores. No extremo da povoação, num ermo desabrigado, ergue-se a pequena e humilde capela do santo. Em redor alongam-se as dunas cobertas de juncos, enquadradas pelo pinhal e pelo mar. S. Pedro, se viesse dos areais da Judéia, com as suas rústicas sandálias de caminheiro pobre, as suas barbas austeras, a face tostada pelo ar salgado, sentir-se-ia à vontade entre a gente da Cova e no seu agreste cenário de deserto ribeirinho".

Em tempo.
Recordar a Aldeia, como aconteceu sábado passado no Clube Mocidade Covense, pode ser gratificante. 
Recordar a aldeia, como aconteceu sábado passado no Mocidade Covense, é também saudável, tranquilo, didáctico e enche a minha vida com outras cores. 
Da minha Aldeia continuo a ver o rio e o mar.
Recordar a Aldeia faz  bem à saúde do corpo e faz bem à saúde da alma. 
Às vezes, faz falta saber quem fomos, principalmente os valores e os princípios, para continuar a gostar da minha Aldeia.
Mais uma vez, ouso recomendar a leitura de "A Cova-Gala, como notável exemplo de Solidariedade".

O apetite pelo poder

Como os resultados demonstram e é do conhecimento mais ou menos generalizado, até aqueles que eram honestos e tinham atitudes socialmente aceitáveis no momento da sua chegada a uma posição de liderança, mudaram com demasiada facilidade as suas perspectivas morais uma vez tomado o gosto do poder.

domingo, 23 de agosto de 2015

Sabem quem é o líder do campeonato?..


O Arouca, pois claro...
Dois jogos = a duas vitórias!..

A Arte Xávega no Concelho da Figueira da Foz ficou mais pobre...

"Zé do Olho, 
Não tinha medo do mar! 
Era amigo e um amigo! 
Adorava ser fotografado! 
Era a pessoa que me movia para ir fotografar a Arte Xávega naquela localidade, Costa de Lavos. 
Carismático, trabalhador e divertido é assim que me vou recordar do Zé do Olho." 
Pedro Agostinho Cruz

Em tempo.
Zé do Olho é um Homem, como tantos outros, que vem dos tempos de nada. Nas aldeias, vivia-se do nada. Nem o mais essencial estava acessível à generalidade do povo... 
Uma vida certamente recheada de estórias empolgantes, vividas na solidão branca das ondas do mar.
Uma vida, como tantas outras, vivida em condições de extrema dificuldade, que passou pelos longos anos da guerra, anos de fomes, tempos de duros racionamentos.

Zé do Olho, um Homem do Povo e um Amigo do Pedro, que o Pedro não esqueceu.
Os meus pêsames à família enlutada.

"A Cova-Gala, como notável exemplo de Solidariedade", um livro que merece ser lido por todos, em especial pelos covagalenses...

foto António Agostinho
Jorge Mendes, advogado em Lisboa, nascido em Coimbra a 3 de Dezembro de 1945, um escritor para mim completamente desconhecido, publicou um livro "que tinha projectado escrever, não com o propósito de trazer ao conhecimento dos leitores grandes acontecimentos históricos que estivessem por revelar, pois esse trabalho estava superiormente feito pelo Comandante João Pereira Mano e Manuel Luís Pata", mas para "dar a conhecer os covagalenses e as suas vidas ao longo dos últimos 225, ou seja, desde 1790".  

Adquiri os dois volumes deste livro na Junta de Freguesia de S. Pedro apenas na passada sexta-feira, pelo que, até ao momento, só tive tempo de fazer a chamada leitura em diagonal.
Gostei. Talvez porque fala numa linguagem que é também minha. O que não me admirou, pois o autor tem uma longa ligação à Cova-Gala: a sua esposa descende, por via materna, de famílias da Cova - "Malaquias" e "Gonçalves" - e, por isso mesmo, desde há dezenas de anos passa na Gala uma parte das férias, fins de semana e outros dias, numa casa em frente ao antigo "Portinho".
Repito: gostei. Talvez porque fala de nós tal como o fomos, somos e sentimos, da nossa idiossincrasia, dos trabalhos e das dificuldades colossais por que passámos, das nossas conquistas e derrotas, tristezas e alegrias, das quatro "viagens" desde finais do século XVIII - a pesca das "artes", a cabotagem do comércio, as campanhas do bacalhau e as migrações (Tejo, Cascais) e a emigração para a América.

Para lá das memórias e da história passada a letra de forma, fica um contributo mais para a história da Cova-Gala, duas Aldeias que, de tão pequenas e insignificantes, pouca atenção merecem daqueles que determinam a política e a cultura no nosso concelho. 
Presumo que seja uma edição de autor. Não conheço o escritor desta obra (a não ser de vista - e eu para ele sou um completo desconhecido...), pelo que estou completamente à vontade para recomendar  aos covagalenses  e a todos os que se interessam pelo conhecimento, para se dirigirem à Junta de Freguesia de S. Pedro, onde por 10 euros, podem adquirir os dois volumes deste excelente testemunho que é o livro "A Cova-Gala, como notável exemplo de Solidariedade", escrito por Jorge Mendes, que traz ao nosso conhecimento referências humanas passadas e outros importantes "documentos" da história da Cova-Gala - a minha Terra, onde continua a haver uma certa doçura de viver que cada vez é mais difícil de encontrar noutros locais. Só espero que não estraguem mais do que já está irremediavelmente estragado.  
Continua a dar gosto dizer que a Cova-Gala é a  minha Terra - apesar dos apesares continua a ser a minha Identidade, a minha História, a minha Alma. Este livro reforçou esta minha firme convicção de sempre.
Como covagalense fica o meu agradecimento ao dr. Jorge Mendes.

A história do bom aluno continua, desta vez aplicada à sardinha...

foto sacada daqui
Dez municípios do país exigem o aumento da quota de captura de sardinha para este ano e o próximo solidarizando-se com os pescadores de Peniche e da Nazaré, impedidos desde hoje de capturar aquela espécie.
“Há condições para que possa haver um aumento de quota para que se possa pescar por mais algumas semanas”, afirmou António José Correia, em nome de todas as autarquias que se solidarizaram com aqueles dois municípios, uma vez que nos seus territórios, a quota irá também esgotar-se, nalguns casos nas próximas semanas e noutros em poucos meses.
Na posição conjunta, os dez municípios exigem ainda ao Governo que sejam rapidamente definidas “as medidas de acompanhamento para responder aos problemas resultantes da interdição e imobilização temporária das embarcações”, medidas essas que serão discutidas na terça-feira pela Comissão de Acompanhamento da Pesca da Sardinha.
A posição é subscrita pelas câmaras de Peniche, Nazaré, Figueira da Foz, Matosinhos, Sesimbra, Sines, Loulé, Portimão e Setúbal e Olhão, que se manifestaram ainda disponíveis para apoiar acções que venham a ser definidas pela Federação dos Sindicatos da Pesca.

Em tempo.
"Por este ano já se acabou a sardinha... 
Não, não acabou a época da sardinhada. Até ao fim do Verão ainda haverá por aí umas sardinhadas... Com sardinha espanhola, e ainda mais cara...
Também é para isto que serve o bom aluno... convenientemente confundido com o aluno obediente, que come e cala. Que, no fim de contas, é o que importa: para isto e para outras coisas semelhantes!
Por isso a ministra Cristas diz que tem de ser assim... Que o  que tem que ser tem muita força. Que temos de cumprir, se não no futuro teremos ainda quotas menores... É assim. Sempre foi assim... É sempre esta a história do bom aluno!" Eduardo Louro

sábado, 22 de agosto de 2015

À atenção dos exmºs. autarcas figueirenses: uma ideia fantástica

"Circular de bicicleta na cidade com segurança".
É uma daquelas ideias em que podemos dizer “como é que não pensei nisto antes?”
No desenho das estradas, em vez de colocar os carros encostados ao passeio, com uma pista de bicicletas ao lado das pistas dos carros, colocar em vez disso a pista de bicicletas junto ao passeio e usar os carros estacionados como uma barreira de protecção.
Fica-se a a aguardar que adoptem a ideia. 
Afinal de contas, tantas coisas inúteis têm feito no domínio das ciclovias, porque não fazer algo de facto útil?

Uma crónica hoje publicada no jornal AS BEIRAS


Lista CDU por Coimbra

A reconquista de um deputado por Coimbra é aposta firme da candidatura da CDU, cuja lista distrital foi ontem entregue no Tribunal. Na ocasião, quer o mandatário, António Moreira, quer o cabeça de lista, Manuel Pires da Rocha, enfatizaram o trabalho “de provas dadas”, nomeadamente, através da deputada Rita Rato – que “fez mais pelo distrito” do que muitos dos que foram eleitos por Coimbra. 
Nos cinco primeiros lugares, a lista da CDU por Coimbra inclui, a seguir a Manuel Rocha, os nomes de Jorge Seabra, Adelaide Gonçalves, Paulo Coelho (Os Verdes) e Sérgio Dias Branco.

A ingratidão dos povo português é imensa: não se esqueçam de Dias Loureiro...

"A meritocracia já viveu melhores dias neste país onde boys abanadores de bandeiras, mal preparados e incompetentes infestam a Administração Pública enquanto milhares de jovens altamente qualificados se vêm todos os dias obrigados a abandonar o país para conseguirem um emprego. Felizmente existem aqueles que resistem, gente exigente e metódica como Dias Loureiro, esse empresário bem sucedido a quem aparentemente apenas Pedro Passos Coelho reconhece valor."

Em tempo.
Se Sócrates, que não vai a votos é tema, ele também merece a nossa atenção. Alguém lhe faça um hino por favor!

Resta conseguir rir no meio da desgraça?...

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

"A Cova-Gala, como notável exemplo de Solidariedade" e a minha expectativa inicial...

Ao iniciar a leitura deste livro, publicado em 2 volumes, ocorreu-me que também a escrita de um blogue ajuda a ganhar apreço pelo trabalho de quem empreende o caminho duma escrita com substância, como me parece ser o caso desta obra.
Quem escreve um blogue sabe que, a certa altura, do outro lado, haverá um leitor, pelo menos um leitor, que sentirá algo pelo que escrevemos: sentirá, no mínimo, indiferença. 

A escrita de um blogue torna-nos leitores mais atentos e mais exigentes. 
Gosto de ler desde que tenho memória. 
Gosto de livros. 
Sinto-me disponível para  ler, sobretudo, aqueles que acho que preenchem uma falta que eu nem sequer sabia que existia.
Há muitos mais livros, que passei a procurar, a que deixei de ser indiferente. 
Não terei, porventura, provas do que vou escrever, mas,  a minha intuição diz-me que este blogue, que já leva quase 10 anos de existência, fez de mim um melhor leitor. 
O que, não tendo sido o objectivo inicial é, talvez, o resultado que mais me agrada nesta aventura.
É essa a expectativa que tenho ao iniciar a leitura desta obra publicada em 2 volumes pelo dr. Jorge Mendes.

"De facto, uma das marcas das povoações marítimas é o luto que nelas esvoaça e fica sobre todas as famílias.
Aqui, porque também na margem da foz, a Cova-Gala foi mártir maior.
Apagar essas marcas seria negar a sua história.
Cimentar as marcas é honrar os nossos mortos.
Os painéis (na fachada da Junta de Freguesia) recordam e honram o trabalho do mar e as suas tragédias familiares".

A vacuidade total...

Em momentos de desespero só se dizem disparates: "Costa diz que se identifica com Ferreira Leite".
Se não fosse tão triste, neste momento,  estaria como o Seguro: a rir perdidamente...

Em tempo.
Qual é que é mesmo o argumento do PS de Costa por estes dias contra a coligação? 
É esse mesmo...
O de que quer privatizar a segurança social!.. 

Lançamento do livro " A Cova-Gala, como notável exemplo de solidariedade" da autoria do Dr. Jorge Mendes, no Clube Mocidade Covense.

José Vidal: "Apesar de ter filmado todas as intervenções, infelizmente só fiquei com o vídeo, pois o meu telemóvel pregou-me uma partida no som, desactivando-o sem que eu me apercebesse disso." 

Em tempo. 
Jose Vidal: "Peço imensa desculpa, mas sem som não há video por agora."

Cartazes

Mais cartazes aqui.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Vivemos em alienação?..

Estamos a 45 dias de eleições legislativas. Penso que é tempo de se discutir política - que o mesmo é dizer, discutir o futuro de nós todos. É mais do que tempo do debate político, sem demagogias, se centrar nos temas que interessam aos portugueses. Deixo, para reflexão de quem disso se queira dar ao trabalho, 5 questões. A meu ver, é na resposta sincera à solução para estes problemas, que se encontram algumas das principais diferenças entre um governo de direita e um governo de esquerda.

1. Como combater níveis de desemprego real historicamente altos, sobretudo entre os mais jovens?
2. Como contrariar o agravamento das desigualdades sociais entre pobres e ricos?
3. Como equilibrar as contas públicas mantendo no Estado os serviços públicos de saúde, educação e segurança interna?
4. Como preservar a Segurança Social, garantindo que todos receberão uma reforma quando se aposentarem?
5. Como garantir a igualdade entre todos os cidadãos independentemente do seu género, origem, cor de pele, religião, orientação sexual, profissão ou ideologia? 

Belém e Costa. Sócrates e Costa...

Na segunda-feira, Costa  faz-se à vida e tenta marcar a agenda mediática: Maria de Belém caiu-lhe em cima...
Ontem, Costa tenta fazer novamente pela vida e tenta novamente marcar a agenda mediática: Sócrates caiu-lhe em cima...  
Ai Costa, Costa, a vida Costa, a vida Costa... custa!..
Quando avançou para a liderança do PS, Costa dificilmente poderia prever que, nesta altura do campeonato, iria estar tão encalacrado dentro do partido.
Cá se fazem, cá se pagam...
Ai Costa, Costa!..

Isto é muito a sério, mas é só um começo

"Ao longo de vinte anos, a doutrina da terceira via, segundo a qual as eleições se ganham ao centro com uma política de centro, conduziu à vitória monumental da direita. Por isso, muitos militantes trabalhistas querem romper com este passado e Corbyn aparece como o homem certo para o fazer.
Os cínicos argumentam que Blair tem mesmo razão e que, se o partido virar à esquerda, a direita se eternizará no poder. Vai ser refrão em Portugal e em toda a Europa, assustada com esta surpresa. Portanto, a ideia é que tudo deve continuar na mesma, com o centro a aceitar que a direita determine a única política admissível. Esta solução é a da eternidade da ordem liberal.
De facto, os partidos socialistas submeteram-se a tal razão cínica. Não é essa a história de Hollande? Eleito com promessas gloriosas (fazer frente a Merkel! em poucas semanas renegoceio o Tratado Orçamental e acrescento um plano para o emprego!), alinhou-se no consenso europeu e assim ficou. O mesmo se dirá de Renzi (que já enfrentou uma greve geral contra a mudança da lei laboral), o mesmo se dirá de Seguro e de Costa (para quem não há vida para além do Tratado Orçamental e dos comunicados do Eurogrupo), de Sanchez (que quer um ministro das finanças europeu, como Schauble e à imagem de Schauble) e de todos os outros. 
A Inglaterra tem no entanto duas diferenças assinaláveis em relação a França, ou Itália, ou Portugal. A primeira é que o partido trabalhista tem uma história organicamente ligada ao movimento operário e sindical, o que explica que neste caso ainda tenha havido gente e convicção para esta aspiração a uma viragem anti-blairista e anti-liberal. 
A segunda é que o país não está submetido nem ao euro nem às regras do BCE e tem assim margem de manobra para políticas próprias, o que permite um debate mais aberto sobre alternativas realizáveis. A Corbymania que tanto incomoda o establishment resulta dessas duas potencialidades."

Em tempo.
O texto de Francisco Louçã pode ser lido na integra aqui.

Ena pá: tantos?..

Bem sei que não é uma promessa
É um compromisso

Jerónimo de Sousa na Figueira


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

terça-feira, 18 de agosto de 2015

PS: espectáculo!..

Ascenso Simões, cabeça-de-lista do PS em Vila Real, declarou esta noite que não vai apoiar ninguém nas eleições presidenciais de 2016. 
“Não apoio nem apoiarei qualquer candidato presidencial”, escreveu na sua página no Facebook.
E defende uma revisão da Constituição, para fazer com que o Presidente seja eleito por sufrágio indirecto....
"Há muito que defendo uma revisão constitucional que faça encerrar o anacronismo que é a eleição directa do PR."

Em tempo.
1. Já havia socialistas a apoiar Sampaio da Nóvoa (como Mário Soares ou Jorge Sampaio), outros a apoiar Maria de Belém (como Manuel Alegre), mas agora há uma terceira via no PS: Ascenso Simões, até há uma semana director de campanha de António Costa e agora cabeça-de-lista do PS em Vila Real. 

2. Américo Thomaz, o "corta-fitas", foi o candidato escolhido pela União Nacional, em 1958, para suceder a Craveiro Lopes, com o beneplácito de António de Oliveira Salazar, não só por ser afecto ao regime mas também por ser pouco interventivo. 
Teve como adversário o General Humberto Delgado. A maciça fraude eleitoral permitiu a sua vitória por 75%, contra apenas 25% atribuídos a Delgado. O próprio Thomaz não votaria na sua eleição. 
Na sequência das eleições presidenciais, cujos resultados oficiais nunca seriam publicados oficialmente no Diário do Governo, conforme estipulava a legislação vigente, o regime determinaria, na revisão constitucional de 1959, que estas deixariam de ser directas, passando a ser da responsabilidade de um colégio eleitoral, constituído exclusivamente por membros da União Nacional. Desta forma, o regime punha de parte qualquer tipo de mudança democrática encetada pelo voto da população portuguesa. Foi dessa forma reeleito em 1965 e 1972. 
O 25 de Abril encontrou-o a poucos meses de cessar funções, uma vez que determinara deixar o cargo quando completasse 80 anos. Foi então demitido do cargo e expulso compulsivamente da Marinha, tendo sido enviado para a Madeira, donde partiu para o exílio no Brasil. 

Crónica triste

"Preocupa-me a forma como os portugueses lêem sociologicamente o país. É uma leitura que mistura a narrativa da TV - as patéticas novelas, os péssimos noticiários, a papalvice dos comentadores - com a versão romanesca de um tabloide popularucho e a estranha forma como a justiça age. Basta escutar uma hora de conversas de café para perceber a esquizofrenia maniqueísta e simplória que arrasta a descrição que se faz do absurdo do quotidiano. 
Há os “nós”, sofredores, trabalhadores e pagadores de promessas, e os “eles”, essa corja malvada que deveria melhorar a vida dos “eles”
Os primeiros são impotentes; sabem tudo, mas limitam-se a desabafar que “ao menos o Salazar morreu pobre”
Os segundos aparecem nas revistas cor-de-rosa e nas TVs a falar genuinamente mal a língua materna, mas apiedados dos primeiros. Discorrem sobre a pobreza dos outros como quem fala de estranhos. 
Rui Cardoso Martins, nas suas crónicas que intitulou “Levante-se o Réu”, já nos tinha relatado como uma boa parte desta portuguesinha sociedade se desenrola nas salas de audiências. A justiça é o teatrinho dos pobres – do pilha-galinhas, do burlão de esquina, do traficante de erva, do contrafator de marcas.
Das conversas ouvidas, destaco a da D. Olga, ex-telefonista, que tem dores na bacia, veio há pouco da hidroginástica e vai almoçar um chambão assado com batatinhas salteadas que a empregada está a fazer. Bonito. 
“Ó Portugal, se fosses só três sílabas/de plástico, que era mais barato!” (O’Neill dixit)" - António Tavares, hoje no jornal AS BEIRAS.

Em tempo.
"É normal no ser humano ser um pouco neurótico, sendo apenas o excesso chamado de patológico", Sigmund Freud.
Fala-se pouco disso, mas Portugal tem uma incidência brutal de doenças Pisquiátricas.
Brutal, porque um em cada cinco, é deveras significativo. 
O leque é elevado, e dentro, cabem doenças mais e menos graves. 
O preocupante, para além de outras questões, é que a abordagem, é muitas das vezes feita pelo Médico de Família, que por boa vontade que tenha, não domina o assunto. 
É mais ou menos o mesmo, que pormos um Médico de Clínica Geral a realizar intervenções cirúrgicas. 
O resultado, não escandaliza tanto, é um facto. 
O desgraçado até já era maluco.