.

#FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA.#FIQUE EM CASA.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Para meditar...

Os desastres naturais em sítios com uma população (ou parte dela) pobre, são sempre um maná para os fotógrafos de ocasião - e para os outros. Há sempre algures uma criança orfã ou desalojada com olhos tristes e cara suja cujo desalento sobressai por entre os escombros. Sob a capa do "fotojornalismo" dito sério, na onda World Press Photo, o sofrimento humano extremo transforma-se, através da câmara, num evento triste mas delicodoce - tristezinho, vá -, que suscita por um lado a piedade alheia, mas, por outro lado, a admiração pela sensibilidade e sentido de oportunidade do fotógrafo em questão. Que, com um bocado de sorte, ganhará um prémio qualquer e o concomitantereconhecimento público. E, embora qualquer imagem comovente que se preste a metáforas lamechas seja de todo preferível à brutalidade frontal da última capa da Visão - Madeira (que mostra em grande plano um corpo enlameado em posição fetal - um pai, uma mãe, um filho de alguém - a ser retirado dos escombros), ambos os modos de "olhar" a tragédia debitam um exibicionismo pornográfico e um pressuposto venal que me repugnam. Ao invés de prazer, falamos de sofrimento, mas o princípio é o mesmo: descontextualizar, mostrar... e vender."



aF109


Ao que chegámos!...



Podíamos viver sem sol?..


Logo mais, pelas 15 horas há futebol

“Pare, Escute e Olhe”

Jorge Pelicano, nascido na Fontela, freguesia de Vila Verde, em 1977, licenciado em Comunicação e Relações Públicas pelo Instituto Politécnico da Guarda, repórter de imagem da SIC, desde 2001, realizou o documentário “Pare, Escute e Olhe”, “uma viagem por um Portugal profundo e esquecido, conduzida pela voz de um povo vítima de promessas incumpridas”, onde retrata as consequências do encerramento da linha do Tua, entre Bragança e Mirandela.
Um testemunho impressionante de um homem que sentiu e viu aquilo que os políticos e o país se recusam a ver.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

"O País precisa de se inspirar nos bons exemplos..."





Sem título!...

Figueira da Foz: Câmara estima dívidas do município em 90 ME

Por unanimidade, Assembleia Municipal contra eventual encerramento da Oncologia


Em sessão ontem realizada, a Assembleia Municipal da Figueira da Foz aprovou, por unanimidade, uma moção contra o eventual encerramento do Serviço de Oncologia do Hospital da nossa cidade.

X&Q838

O líder

Quando fazemos uma pergunta a uma pessoa normal o que é que acontece?
Tentem lembrar-se.
Ela costuma reflectir um pouco antes de falar.
Depois, a resposta vai-se organizando com pausas, hesitações...
Experimentem fazer a mesma pergunta ao líder...
A resposta é imediata, como se já existisse!... Mas ela surge sempre, completa, ao gosto das claques, das jotas , dos jornalistas, do povo...
Se acreditarmos que temos os políticos que merecemos, que o povo de votantes segregou eleitos à sua imagem e semelhança, somos responsáveis por este.
Não nego as minhas responsabilidades. Este é o meu país. O país que deixo quando partir.
Mas confesso que gostava que o líder fosse diferente.
Um homem ou uma mulher sábios por terem pensado muito, cultos por terem estudado, modestos por haver certamente homens e mulheres mais sábios e mais cultos, viajados, cosmopolitas, com humor.
Capaz de dizer não sei, não faço ideia, não tenho solução para isso, não estou preparado para responder, não quero responder a essa pergunta.
Um líder raro como a gente comum. Capaz de se indignar, mas não em estado de permanente crispação.
No fundo, uma pessoa normal, capaz de emoção, riso, espanto, surpresa, alegria, esquecimento, fragilidade.
Humana.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Finalmente, algo de novo!...

foto sacada daqui

Sem título




No Politicazinha, li esta pergunta meramente retórica, que me deixou a pensar:

"No dia 24 de Junho, o Procurador-geral da Republica foi informado pessoalmente das escutas. A partir desse dia, as conversas mudam de tom e há troca de telemóveis. Quem avisou os visados?"

E o PDM figueirense!..

foto sacada daqui
Portugal, no que concerne ao ordenamento do território, visando a segurança dos seus cidadãos, não é exemplo para ninguém. Todos sabemos, que as cidades portuguesas evidenciam ainda uma vulnerabilidade excessiva aos fenómenos climáticos extremos, como o demonstram os importantes prejuízos materiais e humanos que resultam sempre que ocorrem situações de pluviosidade intensa.
Daí, a importância dos Planos Municipais de Ordenamento do Território - Plano Director Municipal (PDM), Planos de Urbanização (PU) e Planos de Pormenor (PP) - como instrumentos da política de ordenamento do território.
O PDM abrange todo o território municipal, enquanto os PU abrangem áreas urbanas e urbanizáveis e, também, áreas não urbanizáveis intermédias ou envolventes daquelas. Os PP têm como área de intervenção, em princípio, subáreas do PDM e dos PU.
O PDM é, pois, um instrumento de planeamento de ocupação, uso e transformação do território municipal, pelas diferentes componentes sectoriais da actividade nele desenvolvidas e de programação das realizações e investimentos municipais.
Recorde-se, que o PDM da Figueira da Foz foi ratificado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 42/94, e publicado em 18/6, no D. R. nº 139/94. De harmonia com o seu Artigo 4º, o período de vigência máximo do Regulamento é de 10 anos após a sua publicação no Diário da República!..
Recorde-se, que houve tempo, em que o Partido Socialista da Figueira da Foz "se mostrou contra o facto da autarquia figueirense avançar com uma revisão do Plano de Urbanização (PU) antes do Plano Director Municipal (PDM)". Na altura, a estrutura liderada por António Paredes defendia que “se estava a colocar o carro à frente dos bois”, sinónimo de que “quem detinha os destinos da autarquia não tinha uma visão estratégica global para o concelho da Figueira da Foz”.
Pois... Mas isso já foi há uma eternidade: aconteceu em Setembro de 2008.

X&Q837

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Joana Amaral Dias na Figueira








Hoje, 25 de Fevereiro, pelas 18h30, Joana Amaral Dias apresenta o seu novo livro Maníacos de Qualidade (Esfera dos Livros) no Casino da Figueira da Foz.

Para quando a transição?..

foto Pedro Cruz
Um dia destes, o actual poder autárquico figueirense, constatou “que a saúde financeira da autarquia é mais grave do que havia diagnosticado”.
Não é que hoje acordei extremamente preocupado e pessimista: poderá ter algum futuro, uma pobre cidade dirigida por uma classe política distraída e incompetente?
Quando é que esta cidade entra em transição?..

Simão, o Perspicaz










Personagens:

• Simão, 9 anos
• Eu


Cenário:

Passamos em frente de uma joalharia. Eu paro para namorar, na montra, os meus relógios predilectos: os
Cartier. O Simão, ao meu lado, espreita-os, e, sarcástico, desdenha, continuando a andar.


Acção:

– Tão chiques, tão chiques, e tão ignorantes. O quatro em numeração romana não é assim que se escreve.


Sacado daqui

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Mais um: Henrique Monteiro , “mentiroso” ou “doente”?..

O director do "Expresso" contou, hoje, na Comissão de Ética, que na véspera da publicação das notícias sobre a polémica licenciatura de José Sócrates, o primeiro-ministro lhe "telefonou a pedir por tudo que não publicasse" o artigo.
"O primeiro-ministro telefonou-me uma noite e esteve mais de hora e meia a pedir-me para não publicarmos uma notícia sobre a sua licenciatura".
"Se isto é uma pressão legítima, não há pressões ilegítimas", acrescentou Henrique Monteiro, explicando que a decisão foi então de avançar com as notícias em causa, tendo "pago um preço por isso", passando "a ter maior dificuldade de acesso à informação institucional".
"Antes disso", contou ainda Henrique Monteiro, "já várias pessoas, políticos e não políticos me tinham manifestado incomodidade ou estranheza por notícias que tinham saído, mas por notícias que ainda não tinham saído foi a primeira vez".”

O problema do PSD

“Há 25 anos que o PSD vive dominado pela figura tutelar de Aníbal Cavaco Silva. É um ciclo que já devia ter terminado. Se tem ambições de futuro, o partido laranja devia iniciar um novo ciclo, sem qualquer resquício de tutela cavaquista. É algo que já se percebeu que não sucederá nesta campanha interna, onde o cavaquismo surge em força. Alexandre Relvas, o director da campanha presidencial de Cavaco Silva, é um dos principais apoiantes de José Pedro Aguiar Branco. Carlos Blanco de Morais, consultor do Presidente da República para os assuntos constitucionais, contribui para a elaboração da moção de estratégia de Passos Coelho. E Eduardo Catroga, que foi o ministro das Finanças preferido de Cavaco Silva, inclui-se entre os apoiantes de primeira linha de Paulo Rangel. Estes - e vários outros - garantem a perpetuação do cavaquismo um quarto de século depois na Rua de São Caetano à Lapa, ganhe quem ganhar. E ou muito me engano ou isso constitui uma péssima notícia para o PSD.”

Pedro Correia no Delito de Opinião

No próximo sábado é importante encher o Bento Pessoa


Aprigio Santos, presidente da Naval anunciou hoje a promoção de uma iniciativa da Naval à qual deu o nome de Auto-Estrada de Solidariedade Figueira da Foz/Madeira.
O presidente do clube figueirense quer encher o Estádio no próximo sábado no encontro com o Marítimo estabelecendo o preço de ingresso para todos os lugares do Estádio em 5 Euros, cuja receita final reverterá para o povo da Madeira nomeadamente para aqueles que perderam todos os seus haveres e idosos.
Aprigio Santos conta desde já com o apoio das câmaras Municipais de Figueira da Foz, Coimbra, Cantanhede, Soure, Montemor, Poiares que estiveram presentes e ainda com Juntas de Freguesia, Associação das Colectividades, Clubes da Zona Centro, Pampilhosa, Gândara, Tocha, Sourense, Marialvas, Cova Gala, Sporting da Covilhã (estes os primeiros aderentes já que se esperam mais).
Também os Bombeiros Voluntários, Cruz vermelha e PSP deram o seu apoio a esta iniciativa não cobrando os emolumentos a que têm direito.

O verdadeiro enigma

Dizem que Sócrates, entre outros epítetos, é prepotente, autoritário, arguto e descarado. Dizem que Sócrates está a vestir pele de cordeiro, quando nunca deixou de ser lobo.
Pergunto-me: será mesmo assim?..
O primo, usou o seu nome de forma abusiva para tentar negócios; Lopes da Mota, usou o seu nome de forma abusiva para pressionar os procuradores que detêm o caso Freeport; Vara e os administradores da PT, nomeados pelo governo, usaram abusivamente o seu nome para concertar um plano para controlar a comunicação social e para recompensar apoios eleitorais ao PS...
Como é possível, que o nome de um homem tão autoritário, prepotente, arguto e descarado – um animal feroz - seja usado por tanta gente, sem a sua autorização, e nada de menos bom lhes aconteça?...
Para mim, este, é que é o verdadeiro enigma!...

X&Q836

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Seminário


Parafraseando o próprio: "não diria melhor"

"Só compreendo o que se está a passar no PS concelhio, por saber que as eleições internas terão lugar brevemente. Depois das declarações de ontem de João Paredes, hoje os "inocentes" replicam. Tudo isto no diário as Beiras...
Só quem não souber que João Portugal e Nuno Biscaia foram apoiantes de João Paredes, consegue ficar surpreendido... Quem tem memória política, ri-se."

Longe vão tempos em que João Paredes valia mais por aquilo que calava do que por aquilo que dizia...

Nada de confusões


Um dia destes, o Alexandre publicou este post, onde demonstra, com documentos, aquilo que eu desde o início, remando contra ventos e marés, vinha alertando.
No mapa reproduzido acima, “pode-se ver, contornada a amarelo, a delimitação da cidade da Figueira da Foz, segundo o Decreto nº 45 638 do Ministério do Interior, de 1964 (que pode ler clicando aqui) e que, que se saiba, nunca foi revogado.”
Aquilo que aconteceu no verão passado, não passou de demagogia política, “desprovida de nexo, para enganar papalvos.” Como escreve o Alexandre, “é o poder político que temos, não temos outro. Incompetência, oportunismo, ignorância, poder-se-à chamar muita coisa. É só escolher.”
A mim, acompanhado por alguns, resta-me continuar persistente, contra ventos, marés e opiniões vigentes.
Eu sei que a persistência é uma posição difícil. Mas, atenção, isto é persistência não é teimosia.
É que existem diferenças. A teimosia mantém o seu curso sem reavaliações. Não tem em conta as alterações da realidade e mantém a sua acção porque isso lhe custa menos. Já a persistência reavalia sistematicamente o fim e o caminho e mantém a acção porque mantém a opinião, apesar de isso lhe custar. Por isso é que eu, com todo o orgulho deste mundo, continuo a ser natural e resido na aldeia da Cova-Gala.
A realidade, é que a freguesia de São Pedro, para além de não passar de uma mera denominação administrativa e escamotear o passado e as raízes históricas da Cova e Gala, faz parte da malha urbana da cidade da Figueira da Foz e não poderia ser elevada a vila.
Façam-me o favor e a justiça, de não confundir persistência com teimosia. Nada de confusões.
Estamos definitivamente entendidos?

Não é uma paisagem da margem sul, nem ribeirinha, mas uma "surpresa" escondida para os lados de Quiaios


A "Cascata da Pedreira", que divulgamos neste vídeo realizado pelo Jornalista José Luís Sousa, fica na vertente norte da Serra da Boa Viagem.

aF108

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Assim não vamos lá...


Via Limonete, fiquei a saber que "João Ataíde foi atacado no diário As Beiras pelo líder do PS figueirense".
Sobre a qualidade e a gravidade do ataque feito ao actual executivo camarário pelo líder concelhio do PS figueirense, nem sequer me vou pronunciar, pois considero a matéria do foro íntimo do PS local.
A minha preocupação é outra.
Diz o Povo, "que zangam-se as comadres e descobrem-se as verdades", o que, neste caso, penso que não irá acontecer, pois o que está à vista nesta guerra de alecrim e manjerona, é a bandalheira a que o nosso concelho chegou.
O que está realmente em causa para esta gente, é a gestão das suas carreiras políticas e os interesses pessoais dos boys, comedores ou aspirantes à gamela.
Uma coisa eu sei, por estar mais que provada: assim, o nosso concelho não vai descolar desta pobreza franciscana, deste ciclo fatídico que se colou à pele dos figueirenses, da responsabilidade de quem esteve no poder nos últimos anos.
Nem é preciso grande memória, pois a história recente, prova-o.
Assim, não vamos lá...

Câmara vai entregar a Medalha de Mérito Social em Prata Dourada ao Pastor Neto

Acabei de ler no blogue de JML, “o que eu penso”, queno próximo dia 28 de Fevereiro, Domingo, pelas 17H30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, vai realizar-se a cerimónia de entrega da Medalha de Mérito Social em Prata Dourada ao Pastor João Severino Neto.”

Em 7 de Setembro de 2006, tinha este Outra Margem poucos meses de existência, publicámos o texto que podem ler, clicando aqui, sobre a vida e a obra do Pastor João Severino Neto. Felicitamos a Câmara Municipal da Figueira da Foz pela decisão tomada em 3 de Dezembro passado. Como escrevemos na oportunidade, nada mais justo e merecido.

O essencial

foto: Pedro Cruz

Na Figueira, neste momento, a exemplo do que acontece a nível nacional, vivem-se tempos difíceis para o debate político.

Num momento em que, o fundamental, era centrar as atenções e o debate político sobre a eficácia das escolhas autárquicas de Outubro passado, tendo em vista o futuro do nosso concelho, temos vindo a assistir, nos últimos dias, a uma tentativa deliberada de tentar desviar a atenção mediática para o acessório. Infelizmente, querem-nos fazer acreditar, que a pornografia é mais apelativa do que o debate, sério e aprofundado, sobre a realidade política do nosso concelho e do nosso País.

Neste momento, o importante, diria mesmo o fundamental, para quem gosta da Figueira e do seu concelho, é centrar o debate político nas ideias e não permitir a manobra de diversão de tentar transformar o palco político concelhio numa guerra entre assassinos de personalidade. Essa, no actual e decisivo momento que o País e o nosso concelho atravessam, é uma questão decisiva, não só para a democracia, mas também para a mudança e para o desenvolvimento, que se deseja sustentado, de Portugal e do concelho da Figueira das Foz.

Esta nossa postura de sempre, mantém-nos ausentes das tricas e manobras de diversão da actualidade de curtíssimo prazo. Acreditem: não é defeito, é mesmo feitio.

X&Q835

Barulho e silêncios


Fernando Nobre acusa Alegre de «barulho».

Silêncios, registem-se os do ps de sócrates e do be de louçã sobre a candidatura de nobre.

Azar!..

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Balanço dos primeiros 100 dias do novo executivo da Câmara Municipal da Figueira da Foz

DEVE .................................................................................................................HAVER








aF107

Sócrates falou ao país



Não vi em directo, mas vim aqui, para ver e ouvir atentamente.

Muito obrigado senhor engenheiro.

Na mouche...


No passado dia 1, neste post, previ o que era previsível: Pronto, estão justificados os 150 mil euros, que é o que está orçamentado para o evento: a Figueira, vai ocupar quatro horas de tempo de antena na televisão paga por todos nós, a RTP1, num daqueles inenarráveis programas de entretenimento!..
Serão, certamente, mais quatro horas de televisão gastas como normalmente: com o habitual vazio que caracteriza o país.

Ontem, dia 18, não foi eu que escrevi isto:

O Carnaval da Figueira mereceu desta vez a atenção da RTP1, através do seu programa “Portugal no Coração”. E, infelizmente, além do incontrolável mau tempo, também o que foi mostrado e dito da Figueira foi de baixo nível. O corso carnavalesco muito fraquinho, embora tivesse exigido muito sacrifício aos participantes por causa da incomodativa chuva e do frio. E as entrevistas feitas no estúdio de Lisboa foram muito pouco significativas, não sendo de molde a evidenciar devidamente os atractivos da nossa terra. Boa nota o espaço dedicado à gastronomia e também para os Reis, Rosa Amélia e João Baião, que tiveram uma actuação constante e apelativa animação que lhes exigiu, decerto, grande esforço físico."

"Mais vale pouco… que nada?!.." E pela bagatela de 150 mil euros, o que é que se podia exigir mais?..

Coisas realmente importantes

"Liberdade de expressão na imprensa regional existe?", pergunta o Rogério Neves no seu blogue Marcha do Vapor.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Carnaval de Buarcos 2010


Fotos de Pedro Cruz

Na Figueira, o Carnaval já foi outra coisa...


Na Figueira, o Carnaval já foi outra coisa. Já foi Entrudo!..
Na foto ao lado, sacada daqui,
"eis o ENTRUDO em toda a sua pujança e alegria popular e no seu melhor. As expressões genuínas e portuguesas, a verdadeira sátira a uma vida curta e efémera. O resto são carnavais e para os carnavais já demos!.."
Nesse tempo, não existiam, melhor, não vinham dançar o samba para a Avenida, como neste momento está a acontecer, ao frio e à chuva, apenas protegidas - e ao abrigo - de minúsculos biquinis!..
Um horror, não as moçoilas, claro, mas o frio, o desconchavo meteorológico e a total desadequação climática para a festa carnavalesca importada dos trópicos…

Depois, temos o desfile… Carros alegóricos montados em cima de tractores. Fatos de qualidade duvidosa e brilho barato, cintilantes, é certo, mas, repito, de qualidade duvidosa e brilho barato, por vezes, escarlates.
Contudo, o pior, mas o pior mesmo, é o frio de Fevereiro, os chuviscos, a angústia de se saber se São Pedro tem um pingo de misericórdia para proteger o corso…
Enfim, um suplício, este desconchavo climatérico.

Ao vivo, só assisti uma vez ao desfile, já lá vão uns anos, e fiquei vacinado: as moçoilas, enregeladas, dançavam mal o samba da música imaginada, pois a pouca música que animava o desfile não era audível por grande parte dos “sambistas”, mas sorriam, sorriam sempre, protegidas e abrigadas pelos tais biquinis, que mostravam uns corpos, tal qual o meu, a precisarem de dieta....
Enfim, um suplício. Para as moçoilas, claro!..
Depois, as figuras dos carros alegóricos, caricaturas de políticos, mal pintadas, legendas de gosto duvidoso, também não me cativaram…
Contudo, o pior, mas o pior mesmo, é este frio de Fevereiro. Que horror, que suplício!...

Entretanto, a crise apertou, já não estamos em tempo de actrizes de telenovela brasileira, que vinham, diziam umas bacoradas, sorriam muito, recebiam o cheque, para levantar os braços no desfile, enfim, exerciam a função, e zarpavam!..
Contudo, o pior, mas o pior mesmo, foi sempre o frio de Fevereiro. Que horror, que suplício!.. Não sei se continua muita gente a pensar, cá pela Figueira, que este Carnaval e este desperdício de dinheiro, é para continuar.
Não sei. Não sei mesmo…

Grupo Desportivo Cova-Gala

Escolas: Cova-Gala "A" / Naval "A"
Resultado e fotos aqui.

X&Q830

Foto mil

foto Pedro Cruz