.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Saia mais um regulador do "arco da governação"...

Carlos Costa Disto Tudo expulsa Donos Disto Tudo do BES. E quem é que expulsa Carlos Costa Disto Tudo do Banco de Portugal? Quem não é capaz de ver um monte de merda tão grande, quem andou a dizer que estava tudo bem no BES até que a trampa chegou ao tecto , comprovadamente não serve nem para regulador intestinal.

Em tempo.

1
Ver este vídeo é bem capaz de não ser uma perda de tempo...
2
Fica a lista dos reguladores do Banco de Portugal nos últimos 30 anos!
1985/86 - Vítor Constâncio;
1986/92 - Tavares Moreira;
1992/94 - Miguel Beleza;
1994/00 - António de Sousa;
2000/10 - Vítor (dejá vu) Constâncio;
2010/... - Carlos Costa;

Quem é que disse que Portugal não tem figuras de dimensão planetária?..

Esqueceram, por acaso, uma figura de prestígio internacional como o Dr. Durão Barroso?.. 
Lembram-se do enorme estadista internacional e anfitrião da famosa e inesquecível Cimeira das Lajes, um acontecimento que ficará para sempre nos anais da história e que elevou o nome de Portugal para os mais altos cumes do prestígio e da respeitabilidade internacional!.. 
Pois este grande português, ao que consta, ainda tem muito para dar. 
Para já, temos novamente o pote bem recheado, como a malta do poder gosta... 
Mas existe quem sonhe mais alto: além da “Pipa de Massa” pensa que temos "um Presidente a Caminho"

Em política é assim que a coisa funciona...

Muita gente, logo no início, disse: "com o Costa é que a gente lá chega"
Não interessam o projecto, as ideias, o que as pessoas fizeram durante três anos, a disponibilidade...
Para algumas pessoas, no interior do PS, interessa é aquele que dá poder e o distribui."

Seguro, hoje, na Visão

Na Aldeia... (V)

Ser-me-ia, não diria impossível, mas muito difícil, viver fora da Aldeia.
Tive essa experiência - entre 2010 e 2012 - e não foi fácil.
Faltava-me o mar, os cheiros, o linguajar... Sobretudo, faltava-me este meu povo, pouco culto, crédulo, com mau gosto nas escolhas políticas, malcriado, desconfiado, mas do qual sinto a falta quando estou no meio de gente culta...
Enquanto povo e enquanto Aldeia, temos o que merecemos. Porque somos preguiçosos, subservientes, oportunistas, pouco instruídos, incultos - mas, sobretudo, manhosos...
Eu sei o que a maioria pensa: esta vida são dois dias e não vale a pena chatear e criar inimigos.
Preferimos viver com a espinha dobrada, a ter de abdicar de sentar o cagueiro numa festarola no parque das merendas, mesmo que seja de propaganda partidária, para comer um naco de carne do porco assado no espeto com um pedaço de pão e emborcar uns copos de tinto...
Claro que a carapuça não serve a todos. Ainda existem uns poucos que têm tido a coragem cívica e o bom senso de resistir...
Não é fácil...
Fácil, é pegar na primeira esferográfica e votar onde lhe for “aconselhado”.
Lá para finais de setembro próximo teremos eleições na Aldeia. Espero e desejo que na próxima campanha política os candidatos falem claro, sobretudo, dos projectos que têm para a Aldeia.
Espero que esqueçam os discursos políticos.
Exigem-se compromissos claros e exequíveis, próprios de gente que esteja inequivocamente ao nosso lado e na primeira linha da defesa da Aldeia.
Que não voltem a acontecer casos como o da habitação social: numa Terra virada para o turismo - de praias e sol -, na governação de Santana Lopes e Duarte Silva, dimensionou-se exageradamente a construção de habitação social numa Aldeia situada à beira-mar, sem qualquer estudo e medidas adequadas para a devida inserção social dos novos habitantes na Aldeia. Isso, como sabemos, condiciona o nosso presente e vai ter efeitos no futuro...
Todos sabemos o que pensam os possíveis futuros investidores, actuais comerciantes e veraneantes...

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Teatro na Aldeia

Grupo de Teatro do Clube Mocidade Covense apresenta a Peça de Teatro "A Resistência Heróica das Mulheres da Cova/Gala Ou Quem é Igual a Quem?" Dedicado a todos emigrantes Cova/Galenses No próximo sábado, dia 2 de Agosto Pelas 21h30

Tininho, tininho!..

Como escreve a terminar a sua crónica de hoje no jornal AS BEIRAS o eng. Daniel Santos, "a montante da decisão política, o assunto é eminentemente técnico. Com coisas importantes já se brincou demais, com consequências irreversíveis para a actual geração e as futuras. Bom senso exige-se".
Eu diria a mesma coisa mas de outra forma...
À maneira da Aldeia: um Pai e uma Mãe fazem muita falta, mas o tininho, ai o tininho, senhor vereador!.. 

aF228


E Quiaios aqui tão perto...

jornal El País elaborou um guia com as 10 melhores praias de Portugal. 
A Praia de Quiaios foi colocada no topo da tabela.

DRAMÁTICO!..

Recordando o assalto à Agência do Banco de Portugal na Figueira da Foz

Em 17 Maio de 1967, a meio da tarde, a agência do Banco de Portugal na Figueira da Foz foi assaltada, naquela que foi uma das acções mais mediáticas de oposição à ditadura de Salazar. 
Eu, na altura, tinha 13 anos de idade e andava a estudar na Bernardino Machado. Lembro-me que estava na Praça Velha, então terminal de autocarros, para apanhar transporte para a Gala, e não dei por nada. 
O assalto rendeu 29.274.390$00 (146.020 euros) e constituiu o maior roubo que até essa data tinha acontecido em Portugal. 
Os quatro assaltantes fugiram de automóvel, um Taunus 17M com a matrícula CE-56-02, para o aeródromo de Cernache (Coimbra), onde se apoderaram de uma avioneta Auster que aterrou horas depois na herdade do Vale do Paço, a 6 quilómetros de Vila do Bispo. De Vale do Paço a Vila do Bispo, os assaltantes utilizaram um Opel Kadett com a matrícula LE-82-54 e de Vila do Bispo a Mértola num Cortina alugado, de onde sairam clandestinamente do País. 
Cerca de um ano depois, a 10 de Abril de 1968, a Polícia Judiciária considerou não haver implicações de carácter político no caso do roubo da agência do Banco de Portugal na Figueira da Foz e divulgou a identidade dos 4 principais autores da façanha: Hermínio da Palma Inácio, 46 anos; Camilo Tavares Mortágua, 34 anos; António Manuel Marques Barracosa, 25 anos; Luís Benvindo, 25 anos. 
Dois pormenores curiosos: 
1. No automóvel que os levou até Cernache deixaram uma metralhadora de plástico e 4 pistolas de bazar.
2.  Uma crónica que relata o modo como a notícia do assalto ao Banco de Portugal na Figueira da Foz foi recebida no Rádio Clube Português.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Uma história figueirense: o outro lado do oásis...

José Santos, via Figueira na Hora
 "Centena e meia de patos morreram no Oásis da praia da Figueira".
"Já ao final da tarde da passada segunda-feira eram visíveis muitos patos mortos no Oásis da Praia da Figueira da Foz, mas hoje de manha “era uma lástima, talvez mais de centena e meia estavam mortos no lado” dizia-nos um morador da Ponte Galante que assistia revoltado a toda aquela tragédia.
Hoje ao princípio da tarde, funcionários da autarquia ainda andava a retirar os últimos, enchiam sacos de plástico e levavam para uma camioneta e de vez em quando, ainda aparecia um ou outro com sinais de vida como pudemos documentar numa das fotografias juntas.
Fala-se em algumas causas, como por exemplo, descarga de água de uma piscina com cloro, mas de uma coisa há a certeza, a falta de cuidado, vigilância, higiene e limpeza com o oásis, que está cheio de lodo e infestado de lixo
O Oásis que foi uma mais-valia turística é hoje um ponto negro para a cidade pelo desleixo a que foi votado."


Actualização: 
Fonte da autarquia figueirense contactou o Figueira Na Hora para esclarecer que o número de patos mortos ronda os 25 e não os cerca de 150 conforme avançado no local por populares e residentes nas imediações que foram acompanhando os trabalhos.
Quanto à causa da mortandade, a mesma fonte adiantou que só se irá pronunciar após conhecimento do resultado das autópsias que deverão acontecer amanhã.

"Estudo confirma potencialidades da Figueira da Foz para desportos náuticos"...

A Figueira nunca viveu em social-democracia. Isto é o mesmo que dizer que nunca tivemos uma sociedade equilibrada, justa e igualitária nas oportunidades. 
Tal como no resto do país, vivemos sempre numa sociedade que colocou os pobres por conta da caridade e os ricos por conta do privilégio.
Por isso, sempre me senti rico e privilegiado com notícias como esta...
"Uma investigação académica sobre a gestão do desporto no litoral confirma as potencialidades da Figueira da Foz para as modalidades náuticas. Ricardo Gomes, autor do estudo e professor na Escola Superior de Educação de Coimbra, que defendeu a sua tese de mestrado na Faculdade de Motricidade Humana de Lisboa, escolheu a costa entre Mira e a Praia do Pedrógão. Ou seja, a área da jurisdição da capitania da nossa cidade. “Descobrimos que as praias do concelho, entre o Cabo Mondego e São Pedro, têm maior valor desportivo”, disse Ricardo Gomes ao DIÁRIO AS BEIRAS. O estudo, saliente-se, não aborda a vertente económica associada. “Existem vários valores desportivos que têm uma relação com as condições que cada praia oferece”, pormenoriza. 
Por exemplo, São Pedro é sinónimo de surfe e bodyboard. Mas no concelho pratica-se, também, kitesurf, vela, remo e motonáutica."
Resumindo: a natureza, aqui pela minha Aldeia, privilegiou-nos com condições naturais de beleza excepcional e atributos excelentes para a prática de desportos náuticos. 
Falta-nos a luz que nos guie... Talvez,  o líder que nos tivesse sabido conduzir...
Como sabemos, o parolismo, por aqui, andou deslumbrado, demasiados anos, com as luzes da cidade...

“Autarquia quer divulgar a Figueira através dos “modernos meios de comunicação”. Prémio é de 5 mil euros”

Com esta iniciativa, que até merece chamada de primeira página no Diário de Coimbra, edição de hoje, a câmara pretende impulsionar e divulgar o concelho, através «dos modernos meios de comunicação e suportes digitais». Para isso, está a promover o concurso “Prémio Figueira Imagem”, ao qual podem candidatar-se pessoas singulares, a título individual ou em grupo, assim como pessoas colectivas a título individual. A Câmara Municipal pretende igualmente «reforçar os meios de divulgação da sua competitividade enquanto território nas diversas dimensões», visando «valorizar o potencial turístico e o empreendedorismo, incentivando e contribuindo para o seu desenvolvimento».
Perante isto um cidadão tem de reflectir. Todos estes senhores que vão fazendo de autarcas, devem ser apreciados na total plenitude do seu talento.
Não é um problema que tenha sido criado por este executivo, mas este concelho já é bem conhecido por algumas idiotices - carnavais de inverno, por exemplo.
Certamente, que a autarquia vai financiar este concurso “Prémio Figueira Imagem” com o dinheiro de quem paga impostos. Até nem está mal pensado, pois comédias como esta ajudam a entreter a pobreza de espírito e, como é sabido, enquanto andamos entretidos com merdas, evitamos pensar em coisas sérias.

Dono Deles Todos...

"Políticos como Marcelo Rebelo de Sousa, Marques Mendes, Dias Loureiro, Oliveira e Costa, Isaltino Morais e muitos outros sofrem de um grave problema, sofrem de Google, dantes a memória era propriedade dos jornalistas e da Torre do Tombo e todos sabemos como em Portugal é fácil de calar muitos jornalistas, basta um pacote de grão. 
Mas desde que o maldito Google existe a memória está à distância de um dedo e em poucas horas é possível encontrar todos os laços de algumas personalidades aos negócios. Mas há uma imensidão de informação que não consta no Google, quem recebeu de quem, quem financio este ou aquele partido ou político, quem pagou as despesas de campanhas presidenciais, quem contratou políticos com o estatuto de assessor. 
E em Portugal quem tem mais informação sobre os podres de muito boa gente é o Ricardo Salgado, ele conhece a nossa classe política de ginjeira, é por isso que é o DDT."

segunda-feira, 28 de julho de 2014

CDU ANUNCIA QUE VAI A VOTOS NAS ELEIÇÕES INTERCALARES EM SÃO PEDRO

Em comunicado, a Coligação Democrática Unitária (CDU), reagiu hoje aos acontecimentos na Junta de Freguesia de São Pedro:
«Por não termos nenhum eleito na Assembleia de Freguesia de São Pedro, o nosso conhecimento sobre o que se passa na direcção da autarquia é sempre reduzido ou tardio. Continuam a chegar‐nos “ informações” pouco claras e avulsas sobre o que aconteceu na Junta de Freguesia e que levou a demissões no seio do Executivo.
A CDU repudia vivamente a utilização de dinheiros públicos em proveito próprio e nenhuma “desculpa” é aceitável, seja qual for a circunstância ou os montantes envolvidos. O que aconteceu em São Pedro é infelizmente um caso não único no País e o desejável e até exigível seria a instauração de uma sindicância sobre as actividades e contas da Junta de Freguesia actual e anteriores.
Face ao que aconteceu serão marcadas eleições intercalares para esta Freguesia.
A CDU apresentar‐se‐á a este acto eleitoral sob o seu lema de sempre: TRABALHO, HONESTIDADE E COMPETÊNCIA».

“Os reaccionários da esquerda, direita e do centro estão contra o tomateiro selvagem que cresceu na praia”...

A frase é deste blogue e é importante, pois realça um dos defeitos genéticos e óbvios da nossa democracia: qualquer democracia pluralista tem uma direita e uma esquerda, porque só há esquerda se houver direita. E só há direita se houver esquerda. E só há centro se houver esquerda e direita.
Portanto, é absolutamente natural que os “reaccionários” sejam de vários matizes... 
Alguns, esquecem  que na Figueira e no país há uma história que pode ser comparada - muitas direitas, hoje, consideravam-se putativamente antigas esquerdas... 
Na política, não há "vacas sagradas", está quem quer e os lugares são de eleição e escolha e sujeitos a crítica também. 
A política, em democracia, é uma actividade rotativa e de alternância.
À medida que o tempo avança os factos e os interesses vão surgindo... E o conhecimento deles também.
Um dia destes, “os reaccionários da esquerda, direita e do centro", além de estarem contra o tomateiro selvagem que cresceu na praia, serão também os principais causadores e culpados dos horrores que acontecem na Figueira desde 1977...
Continuamos no "quem não é por mim, é contra mim"!
Já percebi que os próximos tempos - o tempo que resta deste segundo mandato de Ataíde - vão ser muito aborrecidos para quem se interessar demasiadamente pelo que se passa na sua cidade. 
Tempos atrás, um querido e saudoso Amigo que, entre outras coisas, também sabia muito de política, ensinou-me: "a gente vota sempre contra alguém". Nos últimos 20 anos, a nível local, votei quase sempre contra alguém ou contra um projecto e não a favor de algo...
E,  errada ou certa, a imagem que este executivo me transmite hoje é a de uma inultrapassável soberba, pouco menos desagradável do que a arrogância da imagem transmitida pelo intelectual e vereador Tavares.
Por mim, podem ficar descansados: já que a praia da Figueira no tempo que passa não serve para nada, podem transformá-la num latifúndio biológico à vontade...
Não se armem é em "patos bravos"...

O circo do “nosso” PS de cada dia...

foto Foz do Mondego Rádio
Segundo li no jornal i, num almoço com apoiantes, em Buarcos, o autarca de Lisboa defendeu que é necessário "estabilizar de uma vez por todas as pensões já formadas", acabando com os cortes porque "as pessoas têm direito a ganhar a pensão que constituíram e que não lhes deve ser retirada". Costa fez as contas e garante que o que está a "fragilizar" a sustentabilidade da Segurança Social não é "o que os actuais pensionistas recebem", mas "o elevadíssimo nível de desemprego e a elevadíssima taxa de emigração que estão a tirar dos cofres da Segurança Social 8 mil milhões de euros". Nesse sentido, Costa prometeu que um governo socialista irá "travar a austeridade", embora tenha omitido o que fará com os cortes aos salários dos funcionários públicos.
Recorde-se, que  promessa de repor os cortes feitos aos pensionistas já tinha sido feita por António José Seguro em abril passado. Na altura, o ainda líder do PS prometeu que, se chegar ao governo, terá "de imediato, uma prioridade: repor as pensões e as reformas aos idosos do nosso país". Seguro também garantiu que fez as contas e que, apesar de 340 milhões de euros ser uma quantia significativa, o PS podia "afirmar esse compromisso, acabando com a CES [Contribuição Extraordinária de Sustentabilidade] ou com a contribuição de sustentabilidade, repondo esse rendimento aos pensionistas e reformados".
Os novos cortes aos pensionistas foram aprovados na sexta-feira na Assembleia da República com os votos do PSD e do CDS. A nova Contribuição de Sustentabilidade será aplicada aos pensionistas que recebam mais de 1000 euros e irá incidir sobre as pensões do regime geral da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações. Os cortes são entre os 2% e os 3,5%.
Outra das propostas de António Costa para inverter o ciclo económico é o aumento do salário mínimo para 522 euros...
Nada de novo: é a mediocridade política que temos em todo o seu esplendor!
Costa a repetir as promessas de Seguro!...
Seguro, mas seguro mesmo, é que quando se analisa a “nossa” evolução, torna-se inequívoco o “nosso” declínio governo após governo.
Seguro, mas seguro mesmo, é que, quando se perspectiva o “nosso” futuro europeu, ele é cinzento.
Seguro, mas seguro mesmo, é que há mais de quatro décadas que o produto desacelera, conforme as seguintes taxas de crescimento médio anual: 7,5% (1960-70); 4,5% (1970-80); 3,2% (1980-90); 2,7% (1990-2000); e  6,47% (2000-2010). Tal como o previsto, estamos na “cauda” da Europa.
Não há “verdade” política quanto aos problemas essenciais.
Os partidos do chamado arco do poder assumem compromissos eleitorais que não tencionam ou não podem cumprir e fazem no Governo o que antes rejeitaram ruidosamente na oposição.
Eleição após eleição, assistimos a um espectáculo de mentira sem decoro, gerador do descrédito dos partidos e da decadência da democracia.
Como se verificou no passado recente, no PSD e no CDS, e agora se está a acontecer no PS, escasseia “qualidade” política e, nalguns casos, também humana: os partidos que nos governam desde 1976,  são “agrupamentos sem raízes na realidade do país” e que propiciam o “aparecimento na cena política de políticos de segundo plano”.
Diga-se em abono da verdade, que desde 2000, os governos pouco podem fazer, perdidas que foram as principais “ferramentas” de política macro económica: a moeda nacional, os juros, os câmbios, as tarifas aduaneiras e, na sua maior parte, a margem de discricionaridade orçamental.
Desde 2000 o produto português limitou-se a acompanhar as tendências europeias, crescendo quando ali se cresceu e caindo quando ali se caiu.
No decorrer destes 14 anos, apesar dos governos que tivemos terem sido do PS, do PSD e do PSD + CDS a nossa economia, uns pontos abaixo, só “obedeceu” à Europa.
Foi indiferente quem governou. Portanto, foi sem surpresa que verifiquei que António Costa repetiu ontem uma promessa “antiga” de António José Seguro...
Ontem, em Buarcos, ao que li, estiveram cerca de 150 pessoas a receber António Costa. A Rosa Amélia não faltou...

"Atrevimento de Um Pescador (e as Horas de Solidão)"

O Centro de Estudos do Mar e das Navegações Luís de Albuquerque - CEMAR (Figueira da Foz - Praia de Mira), informa que dentro de cerca de um mês, lá para finais de Agosto de 2014, vai ter lugar o lançamento da edição do livro de memórias do membro do Conselho Consultivo e Científico do CEMAR, Mestre Manuel Gabriel, da Praia de Mira.
Manuel Gabriel, "Mestre do Largo Pescador", com toda uma vida de mar, plena de experiências náuticas, durante décadas, nas águas da Europa, da África Ocidental, da Guiné, da África do Sul e do Atlântico Norte, vai publicar o seu livro de memórias, editado por iniciativa do próprio autor (e a cuja produção editorial o CEMAR tem a honra de também prestar colaboração), o qual vai ser intitulado "Atrevimento de Um Pescador (e as Horas de Solidão)", e no qual vai ser incluído um anexo final ("E as Horas de Solidão)") onde são reunidos alguns poemas do autor, escritos ao longo dos anos, nos intervalos das suas actividades marítimas.

domingo, 27 de julho de 2014

Bonjour Tristesse!..

foto Pedro Agostinho Cruz

aF227


Alberto João

Quarenta anos. Quarenta «redondos» anos a comandar a Madeira. Quarenta anos que Alberto João Jardim quer que terminem agora, ou no máximo em outubro do próximo ano. Em entrevista ao Expresso, o social-democrata falou de Passos Coelho, com quem não “acerta”, da falta de “dinheiro para brincadeiras” [leia-se uma possível candidatura a Belém] e da vontade de ser esquecido. É um «rei» que já não quer mais brincar aos tronos.” daqui

Numa rábula que se tem repetido de quatro em quatro anos, sabe-se agora que Alberto João Jardim não vai, afinal, candidatar-se de novo nas próximas eleições regionais. Após largas dezenas de anos à frente do poder madeirense - e apesar das suas renovadas e veementes promessas de não se candidatar e encontrar um sucessor - será que é desta que vai mesmo abandonar o posto?
Não sei não...
O veterano presidente do governo regional da Madeira tornou-se um refém político na sua própria ilha.
Ao contrário de Mota Amaral, que teve a capacidade e soube fazer a transição, na sua carreira, da dimensão regional para o plano nacional, Jardim nunca foi capaz de se afirmar fora do seu reduto. Nem a nível da direcção nacional do PSD, nem em órgãos como o Parlamento ou o Conselho de Estado. A sua voz não é ouvida ou, quando o é, não se leva a sério.
Daí que sempre se tenham frustrado as suas tentativas para se libertar do espartilho regional. Quer em rocambolescas encenações de candidatura à Presidência da República quer em fracassadas alianças para disputar o poder no PSD nacional.
Jardim acabou por tornar-se um refém da Madeira.
Agora, resta-lhe querer que o esqueçam e que o deixem em paz...
Não lhe vou fazer essa maldade. Vou recordá-lo em cuecas, grotesco e rasca, na primeira página do  «Tal & Qual». Ou de copo de «whisky» na mão, a rir-se, no meio da sua  trupe carnavalesca. Ou, ainda, vestido de palhaço, a fazer um manguito  com o dedinho espetado para cima e a proclamar, muito ufano: «Quero  que se foda a Assembleia da República! Já disse que me estou cagando  para Lisboa! O país não se revê em Lisboa, naqueles parvalhões que  andam por lá e têm a mania que mandam nisto tudo!».
Enfim...  mais uma vez um fim anunciado que, quando acontecer, vai ser triste.

Bom domingo


Carlos Paredes, mestre e maior expoente da guitarra portuguesa faleceu a 23 de julho de 2004, aos 79 anos. 
Recorde, clicando aqui,  a sua vida e obra.

sábado, 26 de julho de 2014

Praia em directo

aqui

João Paulo Baltazar cumpriu ontem o seu último turno de jornalista na TSF. Foram 26 anos, quatro meses e 25 dias de paixão da rádio. Até que um dia...

"...há que tirar as medidas ao mundo em cada esquina desta aldeia. “Continuamos a discutir isto?” Sim. Vai e volta. Na rede, sem rede. Ligados, sem fios. Tantas voltas. Analógico, digital, cabeça, coração. 

Mas, incerto dia, dás-te conta: um pouco mais de silêncio na oficina – tic, tic, tic... Um pouco menos de calor. Gestos um pouco mais em câmara lenta. Até que um dia, perante uma crítica, atiras: “É a tua opinião... cada um por si, topas?”. A economia (a nossa, mais íntima, nos bastidores das notícias) sempre em plano inclinado. Até que um dia te pedem para seres "brand journalist" ou uma merda do género, “ganhas uns trocos extra, não é bom?” E seres... pouco mais, afinal. Até que um dia te dizem que não há outra saída: é preciso organizar mais um "evento" e outro ainda, 
"fazes nas folgas, ok?". Até que um dia, o estatuto editorial acorda encolhido numa quase-palavra: EBITDA. Até que um dia nada te dizem, durante semanas, meses, anos a fio. Até que um dia te dizem (ou tu percebes): acabou."

Hoje, as manchetes continuam muito pesadas...



Lembram-se ainda?.. Por ocasião da bronca do BPN, falou-se abundantemente na questão da regulação e da supervisão... 
Aprendeu-se ou fez-se alguma coisa?.. Temos a casa novamente roubada e continuamos na mesma: sem trancas à porta. 
Eu considero-me um optimista realista, portanto, não creio que o caso BES sirva para aprendermos o que quer que seja. 
Neste destroçado país, as desgraças financeiras são encaradas como desastres naturais - sismos
Como tal, não se vai fazer nada...
Vamos ter de continuar a correr o mais rápido possível para as ombreiras das portas.

Olhem quem vai estar amanhã na Figueira...

foto sacada daqui
Amanhã, domingo, às 13h00, realiza-se no restaurante Tamargueira, em Buarcos, um almoço de apoio a António Costa, candidato nas eleições primárias do PS marcadas para setembro próximo.
Quem deverá estar presente - já
formalizou a sua inscrição como simpatizante do Partido Socialista - a apoiar António Costa é João Ataíde (
independente eleito pelas listas do PS), presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz a cumprir o segundo mandato...

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Mais do que uma imagem ou um pormenor - uma preciosidade

"O miúdo da 8ª. meia maratona da Figueira da Foz" - Foto de Pedro Agostinho Cruz

"Há tomates a crescer na praia da Figueira"... (II)

Não sou adivinho. Não tenho grandes fontes privilegiadas. Portanto, resta-me andar o mais atento possível e tentar ler os sinais.
A Ana já explicou alguma coisa. A ideia é "perder características de praia", para "se poder fazer lá alguma coisa".
O António explicou muita coisa. «Esta é a única praia que conheço que era lavrada», diz o vereador, que considera positivo o surgimento de condições naturais no solo que possam vir a permitir à autarquia reclamá-lo para equipamentos, já que está a «deixar de ser praia».
O José também explicou alguma coisa: «qd se perceber pq é q a 'vegetacao' la esta.... ate manifs vai haver para a limparem. Se alguem pensa q aquilo e natural... pense outra vez (nunca na vida vau existir duna num deposito de areia... mas ha iluminados q acham q sim, fazer o q?)»
O João ainda não...
Eu, por mim, acho que pouco posso contribuir. 
Para mim, esta estória  da anarquia com tomates ainda vai ter muitos capítulos e, por enquanto, a meu ver, não faz sentido!..
Demonstrem o contrário ...

Hoje, as manchetes estão muito pesadas...

"E ainda há quem diga que a justiça não é coisa de ricos. Que são três milhões de euros para quem só num ano se esqueceu de declarar mais de oito milhõesregularizando depois a situação com cerca de metade dessa verba? Que são três milhões para quem é acusado de ter recebido catorze milhões de um construtor civil a título de oferta? Pois eu respondo: são croquetes, salgadinhos. Nada que uma boa cervejola, ao pôr-do-sol, na Quinta da Marinha, não faça esquecer."
texto daqui

Na Aldeia ... (IV)


Na antiga aldeia de pescadores, Praia da Tocha, do concelho de Cantanhede, existem ainda vestígios dos antigos "Palheiros", onde os pescadores guardavam o material utilizado na faina diária da pesca. Alguns desses antigos palheiros foram recuperados e transformados em casas de férias.

O povoado não é muito antigo. Na opinião de alguns autores, a sua formação data do início do século XIX; outros recuam um pouco mais. Teriam sido pescadores vindos do norte (Ovar, Ílhavo e Murtosa), na procura de novos centros pesqueiros, os colonizadores de entrada e, posteriormente, os gandareses juntaram-se-lhes, acabando por se apropriarem das "artes". Essa "aldeia" piscatória e o que resta da sua memória, deve-se sobretudo a estes homens que se tornaram "anfíbios" ou que trocaram os carros de bois pelas xávegas.
Não podemos, no entanto, subestimar o contributo dos pastores de vacas e ovelhas na formação deste lugar. Segundo os mais velhos, foram eles que traçaram os primeiros caminhos, estabelecendo a ligação do mar com o interior.
Os palheiros foram-se erguendo, posicionando-se estrategicamente em função da vida da pesca uns no areal, outros nas zonas mais elevadas da duna, bem sobranceiros ao mar, como que a espiar os seus movimentos. Bastante rudimentares, os primeiros palheiros cumpriam no entanto a sua função: serviam de arrumos dos apetrechos da pesca ou de armazéns de salga, embora de reduzida expressão, e de habitação temporária dos pescadores que residiam neste povoado durante o período da safra (Abril a Outubro).

Estas construções tradicionais são bem elucidativas da humanização da paisagem, como podemos ver nas soluções peculiares que o homem encontrou, adaptando-as perfeitamente ao meio natural, agreste e isolado das terras do interior (altura em que não havia estrada e as dunas eram um obstáculo difícil de transpor). Nesse sentido, foram utilizados materiais locais: - O estorno na cobertura (substituído posteriormente pela telha caleira), e a madeira o material preferencialmente utilizado na sua construção. Assentes em estacaria, para que as areias tocadas pelos ventos fortes, passassem por baixo delas sem as soterrar. Ao contrário de outras praias do litoral central, os Palheiros da Tocha conseguiram manter até mais tarde parte das suas características primitivas, conservando o seu aspecto palafítico, isto é, estacas à vista, inclinadas para o exterior, dando maior base de sustentação ao palheiro. Fernando Galhano e Ernesto Veiga de Oliveira referiam em 1964, a esse propósito, que era «o carácter palafítico na sua pureza integral que conferia a este aglomerado o aspecto original.» (Palheiros do Litoral Central Português). (texto daqui)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

"Há tomates a crescer na praia da Figueira"...

Possivelmente, já todos associámos a anarquia à falta de tomates...
Na Figueira, ao que parece, temos agora algo de completamente novo: a anarquia com tomates!..
Portanto, recomendo vivamente a notícia de tomateiros entre "a vegetação que está a tomar conta de parte do areal figueirense, para ouvir nos blocos informativos da Foz do Mondego Rádio, às 17h00, 18h00, 20h00 e 22h00, com a reacção e a explicação do vereador António Tavares, defensor da renaturalização do areal. 
«Esta é a única praia que conheço que era lavrada», diz o vereador, que considera positivo o surgimento de condições naturais no solo que possam vir a permitir à autarquia reclamá-lo para equipamentos, já que está a «deixar de ser praia»".
O vereador é um intelectual conceituado... 
E há uma poesia, um cinema, uma pintura que são um itinerário místico... 
Todavia, os maiores disparates, as maiores tragédias, começaram quase sempre com as melhores das intenções!..

É tão fácil e simples falar do óbvio

No geral, gosto das crónicas de Rui Curado da Silva, de que, aliás, sou leitor assíduo.
São simples, directas, objectivas e concisas. Habitualmente, o que aprecio sobremaneira, vão directas ao óbvio.
É o caso da que hoje publicou no jornal AS BEIRAS,O «evento» quotidiano”.
Fica um extracto. 
“Permitam-me ainda relembrar que há um “evento” quase diário que ocorre durante os três meses de Verão em toda a costa do concelho, que é a ida à praia.
É um “evento” ecológico que não requer a contratação de artistas estrangeiros ou de artistas pimba (tanto do agrado dos nossos autarcas) e que dá de comer a muita gente, do vendedor de bolachas americanas ao restaurante da moda. Requer apenas que sejam contratados nadadores-salvadores em condições minimamente dignas durante três meses, requer o pagamento de salários justos, o estabelecimento de horários e condições de trabalho que não envergonhem ninguém.
Não me parece que esteja a ser dada a devida importância aos nadadores-salvadores e ao “evento” quotidiano que assegura a sobrevivência de muitos pequenos negociantes.
Sem este “evento” os “12 eventos 12 meses” (ou 24 se quiserem) poderão ficar ameaçados.
Já agora não seria mau investir nas nossas praias para que outros “eventos” se possam estender ao inverno, como é prática de surf ou de desportos com velas, asas e paraquedas.”
O resto poder ser lido na edição impressa de hoje do jornal AS Beiras. 
E, normalmente, também aqui...

"Ricardo Salgado foi detido"

Neste tipo de  notícias, é de elementar justiça reconhecê-lo, o Correio da Manhã anda sempre à frente.
De acordo com o jornal, a detenção surge na sequência de buscas a várias entidades do Grupo Espírito Santo (GES) realizadas na quarta-feira. Em causa estará a empresa ESCOM, vendida a capitais angolanos em 2010. Cliquem aqui.
Entretanto, a Procuradoria-Geral da República em comunicado enviado às redacções confirmou a detenção de Ricardo Salgado esta quinta-feira de manhã.
"No âmbito do Processo Monte Branco, o Ministério Público (DCIAP) tem vindo a realizar várias diligências que culminaram com a detenção de Ricardo Salgado no dia de hoje", diz a nota. 
A PGR adianta ainda que o ex-presidente do BES será ouvido pelo juiz de instrução criminal.

Postagem em actualização: 
(às 12 horas e 50 minutos...)
O título dos títulos de hoje de “A voz de Fátima” poderia bem ser “Espírito Santo detido no aniversário de Jesus”. Mas não, não se trata de milagre nenhum e o Jesus que hoje faz anos é o encarnado. É apenas a história de uma detenção no âmbito de um caso com mais de dois anos, o Monte Branco, que ficou à espera quer da falência de mais um banco que todos vamos pagar, quer da perda de poder do detido. Já sabemos como a nossa Justiça é corajosa, tão bem como sabemos  que o poder legislativo sempre esteve em mãos amigas de delinquências várias, entre elas a fiscal e a banqueira. Para além disso, o regime não estará mesmo nada interessado em tornar públicos os negócios que foi fazendo com a família do banqueiro com quem sempre se deitou. Nada a festejar, portanto. E tudo a questionar. (daqui)

(às 13 horas...)
Segundo a TVI, Ricardo Salgado continua detido e está a ser ouvido.
Entretanto, apesar de todos os esforços o défice público continua a aumentar...

(às 15 horas e 45 minutos...)
José Gomes Ferreira, na sic, contou que por "iniciativa" conjunta de uma pessoa conspícua no mundo financeiro - presentemente em queda acelerada -, de uns quantos deputados e de uns quantos advogados, tentou-se que o parlamento aprovasse um diploma ad hominem (o homem era o primeiro) para "resolver" uns "problemas" fiscais do agora famoso ex-banqueiro. A coisa borregou e este pobre contribuinte aproveitaria, mais tarde, um regime especial geral sobre a matéria. Na peripécia que alegadamente conduziu esta criatura, em detenção, a um tribunal de instrução criminal para prestar declarações, estará envolvido um tal "Zé das Medalhas". No auge da "revolução liberal", apareciam nomes curiosos como o "Alfaiate Coxo da Rua do Ouro" ou o misterioso "Águia Inglesa" especializado em lançar patacas e insultos das galerias parlamentares. Portanto, em matéria de "Zé das Medalhas" estamos conversados. Mas quanto à primeira parte da história, não. Apesar da recente parceria com a Guiné-Equatorial, o que nos concede uma certa margem de manobra em pulhice político-financeira (ainda mais), conviria saber quem foram os insignes representantes da nação, e os não menos ilustres  causídicos, que se dispuseram a tão benemérita e patriótica "iniciativa" relatada pelo jornalista da sic. Já agora. (daqui)

(às 17 horas e 15 minutos...)
A queda de um Santo, por Pedro Santos Guerreiro. Ler aqui.


(às 19 horas e 40 minutos)
"Ricardo Salgado passou de testemunha a arguido no processo Monte Branco e teve de pagar uma caução de três milhões de euros para sair em liberdade do Tribunal Central de Instrução Criminal, onde prestou hoje declarações após detenção." (daqui)

A Figueira e os jornais

 Hoje, a Figueira é primeira página nos dois jornais distritais. 
O motivo, triste e lamentável, está à vista...
Primeiras páginas destas, aproximam cada vez mais os jornais – presumo que até nas vendas...
Se o  leitor compra, por exemplo, o Correio da Manhã sabe ao que vai: pretende ler as notícias e os pormenores sobre os casos de faca e alguidar e os acidentes.
Quem quer saber o que se passa na sua cidade espera notícias com outra densidade informativa.
Exemplos destes, nos últimos tempos, são repetidos a nível nacional, o que a meu ver mostra o declínio acentuado na qualidade do jornalismo que se pratica em Portugal.
Nestes tempos conturbados que vivemos, para sobreviver, um jornal tem que ser melhor que os seus leitores e dar-lhes a conhecer aquilo que eles não sabem!

Tal como li, um dia destes no blogue Delito de Opinião, escrito por Pedro Correia, "a utopia do «jornalismo cidadão», que transforma cada um de nós em repórter munido de uma câmara de filmar e de uma pena indignada pronta a retinir nas redes sociais, não substitui - de forma alguma - o jornalismo clássico, sujeito a princípios deontológicos e a um quadro de referências éticas muito específicas que podem ser alteradas no pormenor mas não no fundo.
Nenhuma democracia pode prescindir do jornalismo enquanto veículo formador da opinião pública. Porque não existe democracia sem opinião pública: só as ditaduras a dispensam e a sufocam.
Por este motivo, e apesar das incógnitas contemporâneas, julgo que o jornalismo conseguirá sobreviver a todas as crises. Em novos formatos, com novas perspectivas, com metas diferentes. Mas sem nunca trair, na essência, a matriz original."
Isto é também o que eu penso, pois só isso justificará que eu o continue a comprar e a ler um jornal.

Rio e Costa, a continuação do memorando da Troika?..

Penso que toda a gente já percebeu o que vem aí: um acordo entre partidos. 
Rui Rio e António Costa, na linha de partida para preencher a vaga, “defendem um entendimento de regime para o país”
É a lei da oferta e da procura a funcionar. Para mostrarem que se conseguem pôr de acordo, tentam, desde já, fazer estragos nos respectivos partidos... 
Grande começo que, porventura, os deverá levar longe. Cavaco deve andar satisfeito... 
E nós, vamos na onda?..
"A questão  básica tem a ver com a confiança". 

quarta-feira, 23 de julho de 2014

"Presidente de Quiaios assina e anula contrato de trabalho com familiar”...

Fernanda Lorigo, presidente da junta de Quiaios.
FOTO JOT’ALVES
Um sistema político que se quer transparente exige homens e mulheres transparentes.
Um sistema político que se quer dignificante, deve ser comandado por Homens e Mulheres que dignifiquem a causa por que lutam. 
O PS no nosso concelho,  digamos assim, anda com azar. Para já, perdeu uma oportunidade de ouro de marcar a diferença no panorama político nacional. Perdeu hipótese de ser transparente, mas, acima de tudo, de ser fiel aos princípios que o executivo municipal apregoa como a marca da sua gestão
São atitudes como esta que nos levam a não acreditar no sistema político português, a não acreditar nos discursos inflamados prometendo coerência e transparência, a não acreditar nos políticos.
O PS figueirense que vá à bruxa...
Entretanto, fica o registo dos cómicos que vão fazendo de presidentes - enquanto procuram governar a vida...
Por mim, também considero que “estes", como escreveu ontem um vereador desta maioria que governa a Figueira na sua crónica semanal num jornal distrital, "uns pobres diabos que se esfalfam a todo custo por fazerem qualquer coisa, são os malfeitores responsáveis do que vai acontecendo e carregam às costas todas as críticas e ignomínias”devem ser apreciados na total plenitude do seu talento e aptidões!..

Entrada da Guiné Equatorial marca cimeira da CPLP

"A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é liderada por Angola e Brasil, como convém a Portugal. Nos momentos em que é preciso ser forte, presidente e PM podem dizer que não podem fazer nada e até tentaram tudo para evitar a entrada da Guiné Equatorial. Como são pequeninos, mesmo pequeninos..."

daqui

Na Figueira, porque é que quem decide não escuta quem sabe do que fala?

Ao longo dos anos, foram disparates em cima de disparates que se cometeram na orla marítima figueirense. Recordo este post  de março de 2009.

Tudo começou a 15 de Maio de 1959, com o concurso público para arrematação da empreitada das obras exteriores do porto da Figueira da Foz.

“Entre o progresso e a decapitação da beleza natural, decidiu-se pelo progresso.

Contudo, isto não ficou assim: o molhe norte do porto comercial da Figueira da Foz  cresceu mais 400 metros.
Entretanto, a  Figueira continua com o futuro adiado.
Mas, não foi por falta de alertas  que este desastre ambiental aconteceu.
Recordemos, a entrevista dada por  Pinheiro Marques à Voz da Figueira em 26 de Novembro de 2008. Para ler melhor, basta clicar nas imagens.

Entretanto, tudo indica que vamos ter na Figueira mais uma polémica. Antes que seja tarde, fica aqui a solução apontada em devido tempo.

"O grande problema do nosso sistema democrático é que permite fazer coisas nada democráticas, democraticamente." - José Saramago

terça-feira, 22 de julho de 2014

Na Aldeia (III)

A partir da esquerda:  Rui Moura, António Agostinho, Manuel Capote, Francisco Curado, Domingos Laureano, Carlos Lima, António Russo, Manuel Rodrigues, Carlos Azevedo
5 de Janeiro de 1986. Constituição da primeira Assembleia de Freguesia de São Pedro
Quase 29 anos depois, tenho distanciamento e paz para escrever.
S. Pedro, tal como agora, em 1985 teve um verão quente. Depois, veio o ano de 1986 e a 5 de Janeiro desse ano tomou posse o primeiro executivo da Junta de Freguesia de S. Pedro. Naturalmente, só no dia seguinte, a 6 de janeiro de 1986, começou o trabalho...
As dificuldades foram tantas. Lembro, ao correr da pena, o seguinte: haver uma Rua para dar nome, mas não haver dinheiro para mandar fazer a placa.

Na política, como disse Maquiavel, os resultados é que interessam.
Recordo, como se fosse hoje, que a tomada de posse foi bonita. Eu, como se pode ver na foto acima, estava bem: magrinho, bem penteado e um aspecto aprumado.

A minha presença na política activa decorreu igualmente de forma esplêndida.
Planeei tudo com cuidado. Por isso, fiz apenas um mandato: entre 1986 e 1989.
A minha passagem pelo poder correu gloriosamente. As ideias saíram do meu crâneo em catadupa.
Saí como entrei: com bom nome, o que não foi pouco, pois os autarcas, no geral, não primam pela inteligência.

Depois de 1989, o futuro foi meu. Apenas meu.
Basta olhar para o que se passou a seguir na Aldeia. Em 2005, estávamos no grau zero das alternativas.
Face a isso, por dever de cidadania - fica sempre bem dizer isto -  lá tive de dar o corpo ao manifesto e contra tudo o que tinha previsto para a minha vida, lá tive de ir fazer oposição.
Foram 4 anos a pregar no deserto: numa Assembleia de Freguesia de 9 membros, 8 (OITO), eram da situação. O outro era eu. E ainda havia mais da situação: os 3 do executivo da junta de freguesia.

E chegámos a 2014. 
No PS, a balbúrdia é total. 
Na lista da actual oposição tudo continua a depender do Alberto João local...

Entretanto, parece que vai fazer muito calor, mas, como não tenho de ir estacionar no parque pago do Hospital da Gala para ir à praia, onde a taxa de ocupação é de 120 por cento, não me importa. 
Em minha casa não há ar condicionado, mas tenho janelas que abrem.

Já agora, enquanto a política está a banhos, não se esqueçam de mimar os barões locais. 
Convém ter sempre do vosso lado estes tiranetes das cidades, vilas e aldeias.
Por mim, os maiorais do PS e do PSD que se lixem. 
E os outros também. 

Vou terminar...
Por ora, prefiro não falar das minhas aventuras amorosas que aconteceram desde 1990 até aos dias de hoje.
Por isso é que, possivelmente,  nunca vou escrever um diário. Não vá o seu conteúdo cair no domínio público.
Entretanto, não esqueçam: na Aldeia, o importante, é manter as aparências.
Por isso me comportei tão bem durante estes anos todos. 
Podem contar comigo para continuar a ser um velho bem comportado.