.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz comemorou 180 anos de existência

imagens sacadas daqui
A sessão arrancou  com a assinatura de um protocolo entre a ACIFF, o Turismo do Centro e a Câmara da Figueira da Foz para a instalação de painéis de informação turística interactivos em pontos estratégicos da cidade.
Seguiram-se os discursos.
O presidente da Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz,  João Damasceno, ao usar da palavra  na sessão solene comemorativa dos 180 anos da Instituição , uma das três mais antigas do país (a seguir às de Lisboa e Porto), aproveitou para  reclamar mais atenção  da Universidade de Coimbra em relação ao estuário do nosso rio. Segundo AS BEIRAS, João Damasceno sublinhou que “não se compreende,  que durante 725 anos de existência, ainda não tenha considerado suficientemente a biodiversidade única do estuário do rio Mondego e a costa da Figueira para criar um pólo marítimo de excelência nesta cidade e se reduza a recolher amostras para colocar em apresentações de PowerPoint e teses”.
Na oportunidade, João Damasceno defendeu ainda a abertura da Base Aérea de Monte Real à aviação civil e referiu  também a necessidade que a Figueira Foz tem de se se preparar para responder aos desafios que a região, o país e a Europa lhe colocam. Um desses repto tem a ver com os refugiados, advogando que a cidade se posicione para recebê-los, tal como fez durante a II Guerra Mundial.
A cerimónia teve outros oradores: José Couto, presidente do Conselho Empresarial do Centro, António Tavares, vice-presidente da câmara, João Vieira Lopes, líder da Confederação do Comércio, e o ministro Poiares Maduro, que encerrou as comemorações.
Poiares Maduro, que falou num registo descontraído, começou por dizer que, hoje, os ministros não podem levar uma lista de promessas quando fazem visitas, muito menos quando sabem que não podem cumpri-las.
Os tempos mudaram e o assunto da ordem dos dias do governante são os fundos comunitários, que dominaram aliás a sua intervenção. 

Sem comentários: