.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Taipais de São Pedro



Diz quem sabe, que depois de complicar o futuro da Figueira da Foz e de Lisboa, só não fez mais pelo País, porque Jorge Sampaio não lhe deu tempo.
Todavia, o dr. Santana Lopes não é um político qualquer.
Tem estilo. Aí reside a sua primeira diferença.

Por exemplo, em Lisboa, logo no início do seu mandato na capital, decidiu que a passadeira vermelha, usada apenas em cerimónias mais solenes, ficasse colocada em permanência na escadaria principal dos Paços do Concelho. O pormenor é simbólico, revelador de um género «mais majestoso de poder», acusou na altura a oposição.
Essa, porém, não era a opinião do dr. Santana Lopes, que considerou que a tal passadeira tornou a escada “mais bonita e mais segura, pois havia ainda o facto de a escada ser escorregadia”.
Fosse como fosse, este episódio ficou a constituir uma imagem que marcou o seu consulado em Lisboa.

Não sei se se lembram
, mas se na Figueira o Oásis é a sua imagem de marca, aqui em São Pedro, também temos algo para não esquecer a passagem do dr. Santana Lopes, como autarca figueirense.
Uns painéis colocados na variante da Gala, que na altura se pensou terem sido ali implantados para isolar o barulho, aí estão para recordar o político ressuscitado pela Figueira da Foz em 1997, que chegou a primeiro-ministro uns anos depois.
Cá para mim, tenho outra interpretação: penso que serviram foi para atirar o lixo para debaixo do tapete.
Os barracões logo à entrada da Gala não são, de todo, um cartão de visita recomendável, para uma freguesia e para um concelho que se reclamam com aptidões turísticas...

Estão, pois, justificados os taipais de São Pedro.
Até porque, a tal segunda fase do portinho da Gala, não há meio de arrancar.
Já agora, que vem a talhe de foice, os taipais estão a precisar duma manutençãozinha...

Mais um aniversário



O Benfica comemora hoje 103 anos de existência.

Parabéns Benfica.

Inacreditável


Para ontem à noite, tinha encontro marcado com o retorno do Bola ao Centro, programa do sempre esforçado e dedicado Custódio Cruz, na antena do RCFM.
Viu-se, apesar das inacreditáveis condições técnicas que enfrentou durante três horas, que o responsável pelo programa tinha o trabalho de casa bem feito.
Portanto, o Bola ao Centro tinha tudo para ter um retorno ao éter radiofónico feliz.
Como ouvinte, fiquei perplexo com as dificuldades a nível técnico com que o autor do programa se defrontou.
Uma pergunta ficou no meu espírito: o que aconteceu para justificar tamanha incompetência profissional de quem estava a apoiar tecnicamente a condução do programa?
Ficou uma nódoa na imagem dada pela técnica do RCFM.
O Custódio que esteja atento: se os profissionais daquela que pretende ser a estação emissora da Figueira da Foz têm falta de conhecimentos ou competência, quem de forma desinteressada, e com provas dadas, pretende trabalhar para a comunidade, e é vítima disso, merece uma palavra de solidariedade.
Pessoalmente, já tenho remédio para o assunto: vou passar mais uns anos sem sintonizar o RCFM.
Um abraço Custódio.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Sem reacção


Segundo se pode ler aqui, “a vida não anda fácil para Correia de Campos. O ministro tem a reputação de ser uma das pessoas tecnicamente mais bem qualificadas no país em matéria de gestão da saúde. Mas nem sempre a competência técnica é acompanhada pelo perfil político necessário para o exercício de uma função de Governo. E crises como a gerada pelo plano de encerramento das urgências mostram falta de tacto da parte do ministério para impor uma política. Pode ser, no entanto, que essa falta de tacto tenha afectado mais os aparelhos partidários locais, nomeadamente os do partido no poder, do que as populações. Os ministros friamente técnicos têm o condão de irritar, antes de mais, os apparatchiks”...

Conclusão:
Sócrates, ao que parece, só tem medo das manifestações quando são apoiadas pelas bases do seu partido.
Sendo assim, os figueirenses não se podem queixar de nada.
Vão ter o que merecem.
Um Serviço de Urgência Básico.

Num inquérito realizado na Universidade de Coimbra por Rui Bebiano e Elísio Estanque, 18,3% dos estudantes revelou jamais ler livros

O maior português de sempre





Salazar ou Cunhal?
Ou a história transformada em concurso televisivo!..
Não é grave...

domingo, 25 de fevereiro de 2007

Cova-Gala desafina no Malhão


Campo do Malhão
Árbito: António Tomás
Auxiliares: Fernando Matias e Alberto Caixeiro

Ereira: Nuno; Mota (Cap.) (Luis aos 52m ), China, Pinto, Pedro Nobre, Neves, Vasco (Manel aos 71), David (Tito aos 61m), Matos, Nobre e Wilson
Suplentes não utilizados: Canhoto, Paiva e Nuno Rocha
Treinador: Vasco Cavaleiro

Cova-Gala: Dias; Ruizito (Pedro aos 82m), Copinho, Hugo, Rato, Pedro Mota, Rui Camarâo (cap,), Zézé (Sérgio aos 57m), Ivo (Luisito 61m), Lambreta e TóJó
Suplentes não utilizados: nada a registar
Treinador: Carlos Silva

Disciplina:
Amarelos: Mota (26m); Nobre (43m); Ruizito (60m); China 60m); TóJó (86m) e Pinto (92m)
Vermelhos: Nobre por acumulação (43 e 85m)

Resultado ao intervalo: 1-1
Resultado final: 2 –1

Golos: Wilson (9m); Ivo (25m) e Tito (74)

Comentário:
O Cova-Gala entrou mal no jogo. Depois de dois sustos acabou por sofrer o primeiro golo aos 9 m. Os jogadores de São Pedro equilibraram a partida e ao intervalo o empate era lisonjeiro para a Ereira.
No recomeço o Cova-Gala entra bem no encontro e podia ter-se adiantado no marcador. Tal não aconteceu. Como quem não “mata morre” acaba por perder com um golo muito facilitado pela sua defesa: no espaço de poucos metros, dentro da grande área Manel finta quatro jogadores do Cova-Gala e oferece o golo a Tito.
Uma palavra final para o que se passou no período de compensação. Inacreditável, a maneira como a Ereira queimou tempo: jogadores a atirarem-se para o chão, simulando lesões, e o banco a colocar uma segunda bola em jogo para cortar um ataque do Cova-Gala.
Enfim, pobre futebol distrital.

DA VISÃO E PROBIDADE DOS NOSSOS GOVERNANTES

O estreitamento do canal de atravessamento da Ponte dos Arcos vai manter-se ainda mais um ano





Devido às obras, a redução do canal de atravessamento do braço sul do Mondego, junto à Ponte dos Arcos, vai manter-se ainda por mais um ano.
Quem o garantiu, segundo as Beiras da passada sexta-feira, foi um responsável da Empresa Pública Estradas de Portugal.
Tal informação foi dada no decorrer de uma reunião em que participaram igualmente representantes da Câmara e Protecção Civil da Fagueira da Foz, Capitania do Porto e Junta de Freguesia de São Pedro.
Entretanto, em equação estão algumas soluções para minorar os problemas com a falta de segurança na travessia daquele troço do rio.
Nomeadamente, existe a possibilidade do Portinho da Gala ser deslocado provisoriamente para a zona do porto de pesca.

sábado, 24 de fevereiro de 2007

Preocupante



O mar, a noite passada, esteve em fúria por estas margens.
Junto ao Pôr do Sol e próximo do Parque de Campismo do Cabedelo, os vestígios de que as ondas andaram pelo asfalto são evidentes.
Todavia, esta fotografia obtida na praia, entre o Campo de Futebol e o Hospital, mostra o local mais exposto e mais a jeito a uma possível devastação da fúria e da força do mar na nossa Terra...
Admiro a intensidade constante das forças da Natureza...
Mas, neste momento, a debilidade das dunas naquele local é perigosa... e preocupante.

A ASSISTÊNCIA SELECTIVA

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

Vinte anos depois da morte do Zeca



(a partir das 22:30 a Antena 1 realiza uma emissão especial no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, onde Vitorino, Janita Salomé e ZéCarvalho cantarão canções do poeta)

José Afonso, uma referência cívica de Portugal, morreu faz hoje 20 anos.
Possivelmente, a sua música vai ouvir-se na rádio.
Possivelmente, haverá depoimentos na televisão.
Tudo isto, possivelmente, só hoje.
"E se não fossem as efemérides talvez nunca o ouvíssemos".
"José Afonso tornou-se igualmente incómodo antes e depois do 25 de Abril. É impossível pôr em causa a sua qualidade musical, por isso houve quem preferisse atacá-lo pelo lado político."
Mais próximo das utopias do que "das grandes tramóias políticas", José Afonso tornou-se inconveniente.
"Mesmo reconhecendo o seu valor, sabendo que ele tinha um sentido harmónico extraordinário e uma voz excelente."

Em 1987, José Afonso deixou-nos, vítima de doença incurável. Além de ser, juntamente com Adriano Correia de Oliveira, um dos mentores da canção de intervenção em Portugal e um baladeiro/compositor notável, soube conciliar a música popular portuguesa e os temas tradicionais com a palavra de protesto. Zeca trilhou, desde sempre, um percurso de coerência. Na recusa permanente do caminho mais fácil, da acomodação, no combate ao fascismo salazarento, na denúncia dos oportunistas, dos "vampiros" que destroçaram Abril, no canto da cidade sem muros nem ameias, do socialismo, da "utopia”.
Injustiçado por estar contra a corrente, morreu pobre e abandonado pelas instituições. Mas não temos dúvidas, a voz de "Grândola” perdurará para lá de todos os chacais.

"O Zeca foi injustiçado em vida e continua a ser muito injustiçado depois de morrer”.
Mas nem tudo é negativo: apesar de tudo, neste dia, o Zeca vai estar disperso pelo país.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

São três os sinos da Capela da minha Terra

Continua a ser um dos mais antigos meios de comunicação da nossa Terra.
Ontem pode ter tocado a finados; hoje, pode tocar para a missa; amanhã, pode tocar para dar conta de um casamento; depois, há-de tocar para anunciar um baptizado. Lá para Junho, vai tocar para a saída e recolha da Procissão de São Pedro...
Em situações de emergência, felizmente, poucas, já tem tocado a rebate, para alertar os covagalenses..
A maior parte das vezes, porém , o sino da nossa Capela toca, simplesmente, para informar as horas.

O velho sino, o que está virado para nascente, data de 1943. Os dois novos, os do lado poente, são recentes e automatizados.
Por mim, continuo a preferir o sino velho...
É o sino da minha infância.

Para continuar a respirar



Houve um engraçado anónimo que se deliciou a enviar inúmeros comentários que, enfim... Normal, dirão vocês...
Claro, que nenhum foi publicado.... Não foi por nada, mas se o anónimo tivesse nome, rosto, identidade, enfim, algo que pudesse ser “acariciado”, outro galo cantaria. Seria tudo publicado... Acredite.
Assim, fica apenas um cheirinho de parte de um comentário (talvez o mais “soft”) deste anónimo: “Abafa o cheiro da erva e abafa a palhinha......” Para lhe dar outra oportunidade de mandar os comentários que fazem as suas delícias, desta vez devidamente identificados, fica outro post para respirar...

(Caro anónimo:
Vistos da Figueira, os provincianos, como sabes, somos nós!...
Mas entre nós?..
Entre provincianos, portanto?..
Há os provincianos 100% e os provincianos 99%.
Assim, achamos do maior interesse, por agora, fazermos uma grande homenagem aos provincianos 100%, os provincianos provincianos, os provincianos de corpo e alma, os provincianos felizardos: cá fica, portanto, mais um dos meus locais de culto, ou simplesmente um sítio onde vou com frequência... porque sinto necessidade.)

X&Q18

terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

Porque é Carnaval: um ícone do tempo que passa...

Depois do Marialvas a Naval


Escolas:
Cova-Gala 1 / Naval “A” 0
Campo: Complexo Desportivo do Cabedelo
Arbitro: António Rocha


Rui Pedro; Cláudio, Carlos Rafael, João Reis, João, Carino, Ruben (cap.), Dário e Tiago
Treinadores: João Cravo e Pedro Nunes


Marcelo; Ruben, Zé Pedo, Rui, Antonio, Gonçalo, Luis, Fabio, Leandro, Zé Miguel, João Miguel e Carlos (cap.)
Treinador: Aurélio Bugalho.

Resultado ao intervalo: 1 – 0
Golos: Ruben aos 4m

Infantis:
Os “Infantis”, no jogo realizado hoje pelas 10 horas,no Campo de Treinos do Estádio Municipal José Bento Pessoa, alcançaram uma vitória perante a Naval “A” por 2 – 0.
Os golos foram marcados por Carlos Daniel e Zé Pedro.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

Última hora: carnaval vai prolongar-se na Madeira




Alberto João Jardim anuncia demissão e diz que vai recandidatar-se (SAPO).

Como se pode ver aqui, a Madeira é mesmo um jardim.

Para respirar


(local de culto, ou simplesmente um sítio onde vou com frequência, porque sinto necessidade)

Se fosse eu que mandasse...


(Foto: Jornal "As Beiras")

... este ano o Carnaval na Figueira não acabaria amanhã!...

Repetir para quê?...


No blogue Amicus Ficaria como pode ler-se aqui:

“Importa-se de repetir?
(...) Todos os movimentos cívicos são interessantes, desde que não ponham à frente os interesses públicos para defender interesses particulares”(...)António João Paredes, presidente da Comissão Concelhia do PS da Figueira da Foz, em resposta a uma pergunta de um jornalista a propósito da iniciativa do “Movimento Parque Verde”, 12 de Fevereiro de 2007”

Do mesmo modo que não entendo porque temos que morder as velas quando fazemos anos...Comer cera não é bom... é até um bocadinho parvo!...
O que interessa, o que é importante mesmo, é enfiar a cara naquilo que é realmente suposto comer, o bolo.
Com toda a consideração ... mas não entendo, o pedido do Amicus Ficaria!... repetir para quê?!...
Meu caro António João Paredes: por mim escusa de repetir...
Percebi à primeira...

X&Q19

domingo, 18 de fevereiro de 2007

Carnaval espontâneo


Dez mil anos antes de Cristo, homens, mulheres e crianças reuniam-se no verão com os rostos mascarados e os corpos pintados para espantar os demónios.
Domingo de Carnaval, à tarde na Cova-Gala não foi assim tão diferente.
Não há dinheiro para vedetas nacionais ou internacionais, contudo, o Carnaval foi lembrado, de maneira saudável e de forma peculiar: com música, alegria, espontaneidade e muita, muita brincadeira.
O Carnaval da Cova-Gala pode não ter a pompa dos mais famosos carnavais ( Paris, Veneza, Munique e Roma, Nápoles, Florença, Nice muito menos do Rio de Janeiro), mas tem características genuinas e populares, sempre de preservar.
Terça-feira há mais.

Resultado aceitável


Cova-Gala 1 / Carvalheira 1
Campo: Complexo Desportivo do Cabedelo
Arbitro: Sérgio Caetano
Auxiliares: Nelson Duarte e Paulo Vicente

Cova-Gala: Dias, Rafa, Copinho, Hugo, Rato, Dani, Rui Camarão (Cap.), Zézé, Ivo (Ruizito aos 88m), Sérgio ( Alex aos 71m) e Tó-Jó ( Lambreta aos 63m)
Suplentes não utilizados: Pedro Mota
Treinador: Carlos Silva

Carvalheira: Mário; Pedro, Nelson ( Fausto aos 45m),Roberto ( Francisco aos 75m), Bruno, João, Nuno, Júlio, Vítor, António (cap.) e Paulo
Suplentes não utilizados: José, Cesáreo, Daniel e Bruno
Treinador: Góis

Resultado ao intervalo: 0 – 0
Golos: Dani aos 84m e Paulo aos 94m

Disciplina:
Amarelos: Tó-Jó aos 40m, Roberto aos 43m, Sérgio aos 43m e Pedro aos 88m
Vermelhos: Fausto aos 92m

Comentário:
Jogo pobre e sem muitas oportunidades de golo, foi esta a realidade que se viveu hoje no Complexo Desportivo do Cabedelo.
Lances de perigo, praticamente só surgiam através de bola parada.
Os golos foram alcançados já no decorrer da segunda parte, ambos através da cobrança de pontapés de canto.
Para o Cova-Gala marcou Dani aos 84 minutos. Já no tempo de compensação Paulo aos 94 minutos marcou, fixando o resultado final.
O final de jogo foi algo atribulado com cenas de lamentar.



Obras da Ponte dos Arcos criam dificuldades aos pescadores


Os pescadores da pesca artesanal da Cova-Gala estão descontentes com as obras que estão em curso na zona da Ponte dos Arcos.
Segundo quem se dedica a este tipo de pesca, o canal de navegação ficou demasiado estreito, pondo em risco a segurança das embarcações e dos homens no decorrer da navegação naquele troço do rio.
Na passada sexta-feira, o jornal “As Beiras” publicou um trabalho sobre este assunto, que pode ser lido aqui.

sábado, 17 de fevereiro de 2007

A aventura e a globalização

Marialvas não passa no Campo do Cabedelo


Infantis:
Cova-Gala 15 / Marialvas “B” 0
Complexo Desportivo do Cabedelo
Árbitro: Alberto Caixeiro

Cova-Gala: Pedro Duarte; João Carlos, André, Pedro (cap.), João Pedro, Paulito, Carlos Daniel, Zé Pedro, Fredy, Carlistos e Hugo
Treinadores: João Camarão e Rui Camarão

Marialvas “B”: Diogo; João Neves, João, Gabriel, Diogo Santos (cap.), Bruno, Zé, Dário, Vítor, Miguel e Vasco
Treinador: Alexandre Frias

Resultado ao intervalo: 9 – 0
Marcadores: Zé Pedro aos 6m, 9m e 57m, Carlitos aos 18m, 24m, 31m e 40m, Carlos Daniel aos 19m, 20m, 22m, 25m e 28m, Hugo aos 47m, João Pedro aos 49m e João Carlos aos 51m

Escolas:
Cova-Gala 5 / Marialvas “B” 0
Complexo Desportivo do Cabedelo
Árbitro: Alberto Caixeiro

Cova-Gala: Rui Pedro; Cláudio, Carlos Rafael, Carino, Ruben (cap.), Dário e Tiago
Trinadores: João Cravo e Pedro Nunes

Marialvas “B”: Diogo; Pedro, Carraçitas (cap.),Benjamim, Rodrigo, Rui, Miguel, Ivo, Morais e Ruben
Treinadores: Ramiro e Frasco

Resultado ao intervalo: 1 – 0
Marcadores: Carlos Rafael aos 17m, Ruben aos 35m e 48m, Tiago aos 37m e Carino aos 45m (g.p)

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Vocês vão ter de resolver isto....



As coisas andam quentes lá pela Câmara da Figueira.
Mas, qualquer dia tudo pode mudar!...
A escolha não vai ser difícil.
A grande maioria dos Figueirenses, apenas vai ter de dizer que maioria quer.
Isso acontecerá, naturalmente, nas próximas eleições autárquicas.
Entretanto, por uma Figueira Melhor, ainda há muito para cumprir!...
Tenham paciência...

X&Q6

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Amanhã, dia 15 de Fevereiro, na Cova-Gala vai faltar a água entre as 09.30 e as 22,00 horas!..


(para ampliar clicar na imagem?

Já viram se tem sido hoje, Dia dos Namorados?..

Em Aveiro, a smart shop cogumelo mágico fechou por “esgotamento de stock”

Em Dia de S. Valentim


Rua dos Apaixonados, na Cova-Gala...
Esta Rua fez sonhar muita rapaziada do meu tempo...
Mas, como sabemos, tudo tem a sua época!..

Também houve tempo em que gostei de escrever cartas de amor.
Mas devo dizer, como prévio e indispensável esclarecimento, que apesar da abundância da minha produção epistolar, toda ela sobre estados de alma amorosos, não me encontro apaixonado por ninguém, nem julgo que tal me venha a acontecer nos tempos mais próximos.

O que estou mesmo a precisar, neste momento, é de fazer uma reconversão profissional.
E até já tenho uma ideia, penso que brilhante: tornar-me um profissional, viver do amor.
Clarificando, para evitar ser alvo de pensamentos tortuosos: dedicar-me à escrita das cartas que os apaixonados não sabem escrever e cobrar, por isso, os justos honorários.

Se as minhas cartas ajudassem a melhorar a vida das pessoas que me procurassem, e depois de resolvidas as suas inseguranças e estabilizadas as suas vidas amorosas, se habituassem a visitar-me para dar conta dos seus novos estados de alma, deixando, é claro, sempre pequenas lembranças em manifestação de gratidão, o que me tocaria profundamente...

Podem crer, que me sentiria recompensado e satisfeito pela felicidade dos que recorressem à minha habilidade, como se se tratasse da minha própria felicidade!..

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Na Figueira, o coelho da Páscoa chega plo Carnaval

EM NEW BEDFORD, pescadores portugueses aprendem o inglês para reduzir riscos no mar


Depois de várias tragédias sucedidas ao longo dos anos com barcos de pesca portugueses em mares americanos, tornou-se claro que a falta de conhecimentos da língua do País de acolhimento limita os pescadores portugueses a nível de entendimento e interpretação das leis, regulamentos, informações e, o mais importante, na comunicação com as autoridades oficiais, como a Guarda Costeira, em situações de risco e em casos de emergência.
Foi este conjunto de problemas que incentivou Manuel Pedro Pereira, pescador da embarcação Sea Siren de New Bedford, a contactar entidades locais para o ajudar a implementar uma aula de inglês para pescadores de língua portuguesa.

Mais pormenores aqui.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Lá vai barão...


A partir das 11 da manhã de hoje, a ponte que faz a ligação entre as freguesias de Ereira e Maiorca vai estar vedada ao trânsito.
Prevê-se que a interdição dure meio ano...
Insegurança foi o que motivou o corte.
Resultado: tenho de ir a Montemor, que o mesmo é dizer, percorrer todos os dias mais 10 kms...
Lá vai barão, pró gasóleo.

Mais pormenores desta desgraça orçamental pessoal, aqui.

RESUMINDO E CONCLUINDO



59,25% dos votos expressos deram a vitória ao “SIM”.
40,75% dos votos expressos deram a derrota do “NÃO".

Esse “SIM” tem de ser mesmo para valer.