.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

domingo, 31 de janeiro de 2016

Resumo da manhã

foto Pedro Agostinho Cruz
O vapor da respiração para afagar as mãos. 
Ausência de sol.
Um céu encoberto, suave, calmo.
Uma manhã de um inverno contido. 
Uma manhã ideal para gente introvertida, com mentes agitadas, realizar uma caminhada pela beira mar da Aldeia, sob uma irritante morrinha, até ao molhe sul, para ir ver surf -  a 1ª Etapa do Circuito Inter-Sócios 2016, que estava agendada para este fim de semana, mas que a Associação Surf Figueira Foz, devido às condições de mar, teve de adiar.

De fugida, só para recordar que é fácil afirmar que existem bons sentimentos...

Tê-los e agir em conformidade, isso sim, é que acontece poucas vezes.
Enquanto se tratou de pôr o contribuinte a resgatar dois bancos, primeiro o BES, depois o BANIF, não se ouviu nenhuma agência de ratação (não é gralha...) financeira questionar o Orçamento do Estado nem o cumprimento de metas nem os compromissos assumidos com os credores nem a credibilidade do país...

Em tempo.
Uma parte do resultado, no valor de 283 milhões de euros, diz respeito ao Banif, que o Santander Totta comprou no final do ano passado por 150 milhões de euros, quando foi aplicada a medida de resolução ao banco português...

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Vai ser difícil aguentar até ao início da silly season...

Isto continua a não andar nada bem, portanto, a carteira tem de continuar disponível...

Requalificação do areal para aproximar a cidade ao mar

Ao deparar na pág. 8 do semanário “A Voz da Figueira”, de 13 de janeiro de 2016, com o anúncio da construção desta “milagrosa” obra onde irão gastar (estragar mais de 2,1 milhões de euros), fiquei perplexo!..
No entanto, os meus 91 anos não deveriam permitir que isso acontecesse! Mas, parece sempre algo que nunca nos passaria pela imaginação.

Afinal: devemos aproximar a Cidade do Mar, ou o Mar da Cidade?
Insisto: devemos procurar a todo o custo aproximar o Mar da Cidade, como no tempo em que a Figueira era a Rainha das praias.
Leva-me a crer que quem tomou esta iniciativa desconhece que foi a “Praia da Claridade” que deu a grandeza e beleza à Figueira e não será esta “milagrosa” obra que irá repor essa condição!

Na realidade, o extenso areal existe e todos sabemos qual a razão e, mesmo sabendo, foi decidido acrescentar o molhe norte!
O resultado está bem visível e é lamentável! Pelo que li, o areal distancia o mar da cidade 40 metros em cada ano!
Julgo que todos sabemos - ou o que nos leva a crer, nem todos - esta areia não pertence à Figueira e não deveria ali estar.

Também por artigos que pude ler, há quem tenha apreensão em relação à permanência da areia ao longo do tempo. A meu ver com razão.
Este pensamento faz todo o sentido! Mais ano menos ano, mais década menos década a areia vai ter de ser utilizada.
Portanto, a solução para voltarmos a ter um bem indispensável à nossa terra, esse sim que pertence à Figueira, é pegar no projecto do saudoso Eng. Baldaque da Silva e construir o indispensável “Paredão a partir do Cabo Mondego” e dar início à bombagem das areias depositadas na ex-Praia da Claridade, para o molhe sul do Cabedelo, que o mar (sendo soberano) se encarregará de as distribuir para onde entender, porque lhe pertencem!
Parte desta areia, que seria simplesmente uma pequena parte, digamos, poderia e deveria ser utilizada, ou melhor, reposta na praia de Buarcos.

A importância gasta nesta operação (que há muito deveria ter sido feita) não aumentaria a despesa ao Estado, porque essas areias iriam evitar a erosão em várias zonas da orla costeira.
MANUEL LUÍS PATA, o autor deste texto
Na recente intervenção para prevenção da erosão nas dunas, na Figueira, na parte sul da praia da Freguesia de S. Pedro, assim como na Costa de Lavos e Leirosa, andaram envolvidas várias máquinas a transportar milhares de m3 de areia da própria praia, para substituir o que o mar levou!
Isto não é uma solução, mas sim um remendo...
(Que não resulta. Esta areia depositada por meios mecânicos não tem a resistência da areia que lá se encontrava depositada hidraulicamente ao longo de milhares de anos.)

Enquanto não devolvermos ao mar as areias que lhe roubaram (e que lhe fazem falta) continuamos à sua mercê. O mar faz parte da natureza e o ser humano não tem poder para a dominar! Tem sim que a respeitar e, com inteligência, saber defender-se das fases nocivas.
Pelas razões que expus, terei, a contragosto e uma vez mais, de adicionar mais uma obra ao meu arquivo de obras “asnas” e gostaria que fosse a última, não porque na verdade já não terei muito mais tempo para o fazer, mas por deixarem de existir.
O mar deu brilho e riqueza à Figueira, à praia, à faina da pesca – com destaque para a do bacalhau -, grades secas, fábricas de conservas e indústria naval e a Figueira há muito lhe virou as costas.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Meu caro Rui: a esquerda deveria era questionar-se porque perdeu...

Confesso que esta crónica do Rui, de que sou leitor atento, me deixou algo desiludido e preocupado.
Gostava era de saber a opinião do Rui, sobre aquilo que foi realmente importante nestas presidenciais: a vitória de Marcelo.
Sobre isso, o que me deixa insatisfeito e preocupado, é a indiferença do PS, o contentamento  e o entusiasmo do Bloco e a desilusão do PCP
Aquilo que eu gostava era de ver as diversas forças políticas de esquerda a reflectir e a pensar no que fizeram de errado para que a direita tivesse ganho umas eleições presidenciais, quando ainda em outubro a maioria da população votou à esquerda. 
E pior - como se pode confirmar clicando aqui - quando estiveram a 71 mil votos de ir à 2ª volta
Repito algo que deixei ontem neste espaço.
No domingo passado foi isto o que aconteceu, mais uma vez: um falhanço em toda a linha das forças identificadas com o 25 de Abril de 1974.
Antes do passado domingo, eu já conseguia antecipar que "a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa para Presidente da República constituía, na actual fase da vida política nacional, um factor negativo que não pode deixar de suscitar legítimas inquietações".
Se tivesse havido uma segunda volta, a única hipótese para vencer Marcelo não era o voto em Sampaio da Nóvoa?
Se tivesse havido uma segunda volta entre Marcelo e Maria de Belém os comunistas  e o BE votavam em quem?
Eu, que não sou filiado no PC nem no BE, não votava em ninguém.
As eleições não são um milagre...

"...todos nós, pobres ou ricos, que ganhem mais de 2000 euros devemos estar felizes porque o nosso Guterres vai subindo na vida à custa do país que lhe tem sido tão útil, podemos passar fome mas temos o Ronaldo no Real Madrid, Durão Barroso rico e com o filho bem empregado e Guterres num cargo mais limpinho do que a presidência portuguesa...."

"Deus vos pague", que eu não tenho dinheiro trocado...

Declarada insolvência da NAVAL SAD...

Segundo o que li aqui, a NAVAL SAD deve 9 milhões!
O maior credor é mesmo aquele que deu nas vistas como presidente do Conselho de Administração do clube.
Aprígio “investiu” 4.109.417.47 €, mas não fica por aqui, pois as “suas” Figueira Exposições (29.243,15 €), Naval Capital – SPGS, (129.524,83 €) ou Naval Imobiliária, Lda (244.360,14 €) também fazem parte da lista.
A CGD e o BCP querem mais de duzentos mil euros. A Fazenda Nacional quer cobrar 1.514.040,90 € e o Instituto da Segurança Social, IP/ Centro Distrital de Coimbra  reclama 484.949,94 €.
Os ex-directores Nuno Cardoso com créditos de  93.526,24 € e Nuno Mateus (actual chefe de gabinete de Manuel Machado) com 43.435,91 € são mais dois antigos colaboradores que esperam acertar contas com a sociedade administrada por Aprígio Santos.
A Liga Portuguesa de Futebol Profissional tem em jogo 121.226,12 €. O 2º maior credor da NAVAL SAD é a PPTV – Publicidade de Portugal e Televisão, SA, a empresa da Sport TV, que pretende que a Naval lhe transmita 597.994,00 €.
Como neste caso, os últimos são os primeiros a terem direito a receber, encontramos treinadores e jogadores que davam para fazer 3 equipas de mais ou menos famosos.
No campo dos treinadores e jogadores vemos Álvaro Magalhães, quer receber 36.441,60 €;   Tó Zé Marreco,  tem direito a 37.482,28 €; Eduardo Almeida, que deixou de receber 47.450,00 €; Wesley deseja ter 61.581,98 €; Steven Gary Harvey Thicot, o Tikito,  pretende 28.852,59 €; Antero Diogo da Silva Ferreira, mais conhecido por Diogo Vila, reclama 69.994,33 €. e Klysman quer levar € 18.055,00 € para o Brasil…
Em 2013, no relatório de Pedro Pidwell, administrador da insolvência, constavam cerca de 100 particulares e empresas que esperam receber 8.877.973,43 €, que é/era a soma total das dividas da sociedade fundada por Aprígio Santos.

No fundo, para a maioria dos que votaram no passado domingo, a eleição presidencial foi isto



Marcelo não foi o primeiro a ganhar eleições impulsionado por uma gestão da sua imagem na televisão, desde o famoso programa que punha Sócrates a Santana Lopes que os políticos portugueses acham que vender um político é como vender os velhinhos sabonetes Lux, o "sabonete preferido por 9 entre 10 estrelas de cinema".

Começa a ser um hábito a escolha de políticos favorecidos pela passagem em programas de televisão. Se por um lado é bom conhecermos os políticos ao pormenor, por outro estamos a escolher entre os políticos previamente escolhidos pelas televisões. Isto é, nas nossas eleições começam a haver umas primárias ocultas, as primárias que escolhem os políticos que podem ascender ao estrelato televisivo.


Via Jumento

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A democracia é um fenómeno sui generis...

"Como é que, algures pelo caminho dos últimos anos, perdemos a independência? 
Como é que permitimos, todos, povo e governantes, o que se está a passar? 
E não me venham com a dívida. A dívida ajuda e muito, mas não é a questão central. A questão central é que ao abdicarmos de soberania, abdicamos também de democracia. E estamos agora governados por uma burocracia anónima, sem legitimidade eleitoral, que responde aos seus donos e nós não somos donos de nada. 
Nem sequer de nós próprios." - Pacheco Pereira

Porque votei em Sampaio da Nóvoa



Este vídeo de 8 minutos  e 52 segundos explica muito daquilo que é a esquerda. 
Espero, por isso, que seja visto com a atenção que merece. 
Lá estão algumas das razões porque votei Sampaio da Nóvoa no passado domingo.

Todos sabemos que a maioria da minoria dos portugueses, que ainda vota, não gosta e não quer quem governa.
E, no entanto, a Aldeia tem o presidente da junta que tem. O concelho tem o presidente da câmara que tem. O país tem o primeiro ministro que tem. A república tem o presidente que tem.
A culpa, pode ser repartida, começando pelo facto de a oposição não ter a mínima capacidade de diálogo para criar uma alternativa que efectivamente reúna e potencie o descontentamento.
Fazer política é isso mesmo: gerir.

No passado domingo, os candidatos que se opunham a Marcelo, não conseguiram entender-se e criar uma solução alternativa para ir buscar força aos mais de 2/3 de portugueses descontentes com Cavaco Silva.
No domingo passado foi isto o que aconteceu, mais uma vez: um falhanço em toda a linha das forças identificadas com o 25 de Abril de 1974.
Antes do passado domingo, eu já conseguia antecipar que "a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa para Presidente da República constituía, na actual fase da vida política nacional, um factor negativo que não pode deixar de suscitar legítimas inquietações"
Se tivesse havido uma segunda volta, a única hipótese para vencer Marcelo não era o voto em Sampaio da Nóvoa?
Se tivesse havido uma segunda volta entre Marcelo e Maria de Belém os comunistas  e o BE votavam em quem?
Eu, que não sou filiado no PC nem no BE, não votava em ninguém.
As eleições não são um milagre...

O Presidente da República é o garante da Constituição...

Mas,  se a desrespeitar não acontece nada.?..

O que um gajo tem de se conter...

Maria Luís Albuquerque em Setembro de 2015: 

Maria Luís Albuquerque em Janeiro de 2016: 
Via The Cat Scats

Vagueira

Foto António Agostinho. Mais fotos aqui.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Fotos da Aldeia

Parque de estacionamento na praia do Cabedelo: máquinas da câmara a limpar o alcatrão
A sul do parque de estacionamento da praia da Cova: o mar continua a levar a areia da duna
Fotos António Agostinho

Pour l'instant, tout va bien...

Ao contrário de Cavaco Silva, que é um homem de silêncios, Marcelo Rebelo de Sousa vive da palavra e tem conversa para tudo. 
Nesse aspecto, é parecido com Mário Soares. 
É um conservador, mas um conservador do seu tempo e não à moda de Cavaco, que nunca se libertou do saudosismo pré-democrático. 
Se a prática corresponder à conversa com que se propôs à presidência, poderá ser um presidente divertido. 
O país precisa de recuperar rapidamente do pesadelo de Boliqueime...
Logo no primeiro dia foi condução sem cinto de segurança e estacionamento em lugar reservado a deficientes. 
Começamos bem. 
E, ainda, faltam 5 anos...

Marina da Figueira



Bacias, garrafas de água, embalagens de iogurte, copos descartáveis de cerveja, chinelos e outros artefactos de plástico.
O problema está no facto de não serem biodegradáveis. 
As partículas de plástico permanecem nos Oceanos durante décadas, cada vez mais pequenas e insidiosas. Estratégias de limpeza? Não existem...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Os sabonetes da república...

Ontem, muitos anos depois e a título póstumo, a História deu razão a Emídio Rangel. 
A televisão que vende sabonetes, também conseguiu eleger um habilidoso para presidente da república.
Como se viu, num país de habilidosos, resta pouco espaço para a inteligência.
A inteligência gosta de sonhar e percorrer caminhos novos.
A habilidade gosta de encenar, criar a ilusão e manipular, para convencer. 
O habilidoso que acabou de ser eleito presidente da república portuguesa tem, finalmente, uma oportunidade única para mostrar se também é inteligente.
É que, do outro lado, está outro habilidoso construtor de poder...
Ontem, ficou provado que uma televisão pode vender um presidente como quem vende um sabonete. 
E há quem compre. 
Espero, pelo menos, que quem comprou, tenha tido consciência disso.

É sempre carnaval...

Não tarda nada, temos na Avenida o carnaval propriamente dito ... 
Enquanto não desfila o corso, vamo-nos divertindo com a barretada apanhada, entre outros, pelo Assis, pelo Martins, pelo Vera, pelo Coelho, pelo Alegre, com a beleza e a simpatia da Marisa, com os favores ao Mendes (o próximo comentador?..) com a bonomia do Marcelo (fixe como Soares...)  e com a superior e sabedora inteligência do Costa.
Continua a alegria...
Não é todos os dias que se alcança ter uma personalidade marcante da vida política internacional, cujo nome ecoará pelos tempos e pelo Universo, como presidente da república.
Não sei o que se passa com vocês, mas eu, como se nota, estou exultante.

Pois é: vivemos num país onde o mais importante é ter amigos nas redacções...

"Podíamos arranjar uma candidata mais engraçadinha e com um discurso mais populista", disse ontem à noite Jerónimo de Sousa
"São opções e não quero criticá-las", acrescentou Jerónimo de Sousa
Para depois rematar com uma confissão: "Não somos capazes de mudar. Fazemos sempre a mesma opção por uma forma séria de fazer política".

Em tempo.
Pois é: convém não esquecer que este é o país onde Marcelo foi coroado e o Tino de Rans tem mais votos do que o Paulo Morais e o Henrique Neto...

domingo, 24 de janeiro de 2016

Como habitualmente...

Confirmou-se, mais uma vez e sem dúvida, que os figueirenses continuam a gostar de votar na ascensão da insignificância
Elegeram, como é habitual, mais um que vai cumprir: cuidar bem de si e dos amigos.

Desculpem lá, mas o vencedor (para já) é...


Já sabemos quem vai ganhar: a abstenção...

Gostaria que alguém me explicasse porque é que num país europeu ainda votamos com um papel e uma esferográfica (que ainda por cima pode ser gamada por algum pilante...).
Gostaria que alguém me explicasse porque é que num país europeu ainda votamos num local único.
O sistema, que é o mesmo do século passado, tal como existe, está montado para favorecer a abstenção. 
É incompreensível que se exija a alguém que pague para votar!
Que tenha de fazer uma viagem, que tenha de mudar os compromissos de trabalho...
É incompreensível que ainda seja assim em 2016.
A esferográfica foi uma ideia genial, mas já foi há muito tempo...
Estamos na era do computador.

Grande despiste...

Ler notícia aqui.

Esclarecimento

Quando vou votar nunca me esqueço de levar a minha caneta.
Nunca toco naquela que lá foi colocada pelos membros da mesa...
Nunca se sabe quem pegou nela antes...

Pensamento para hoje

Ser contra algo, é o maior - hoje, em Portugal, o único - promotor de união entre as pessoas...

Bom domingo

Gosto que esta coisa tenho tido fim e, finalmente, acabado...

Hoje, 24 de Janeiro de 2016, termina a célebre rodagem do Citroën BX do Professor Aníbal Cavaco Silva que se iniciou no dia 19 de Maio de 1985 na Figueira da Foz.
Neste aspecto, creio que podemos estar "tranquilos que não teremos outro líder político, com esta justificação para o início de uma vida política tão longa, porque os novos carros estão dispensados das  «velhas» rodagens."

Em tempo.

"Hoje o famoso Citroën BX, com mais de 25 anos, é considerado um automóvel clássico, com toda a certeza com muitas centenas de milhares de quilómetros. 
Do mesmo modo Cavaco Silva tornou-se o maior clássico da vida política portuguesa apesar de, passados mais de 30 anos, continuar a negar ser político. Após uma passagem fugaz pelo ministério das finanças, nos anos de 1980, foi presidente do PSD e primeiro-ministro entre 1985 e 1995 e presidente da República, entre 2006 e 2016. 
E assim se conta a vida do cidadão com mais anos no exercício de altos cargos na história da política portuguesa, após o 25 de Abril que, por mero acaso, teve como responsável a rodagem de um carro novo."

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

O meu voto para domingo

Domingo, vamos novamente a votos. Desta vez, para escolher o sucessor de Cavaco Silva.
Neste momento, todos temos a noção de que o nosso futuro próximo não vai ser fácil. 
A pressão dos directórios europeus já nos fez pagar o BANIF e prepara uma batalha de imposição do seu orçamento, cujas consequências ainda são difíceis de prever. 
Neste contexto, o futuro Presidente da República fará sempre parte dessa batalha, seja seguindo a estratégia de quem manda na UE, seja na defesa do direito soberano de ser o país, e o seu povo, a decidir as suas principais opções estratégicas.
Depois da campanha não me parece haver grandes dúvidas que dos dez candidatos, apenas três, escolheram a segunda opção: Sampaio da Nóvoa, Marisa Matias e Edgar Silva.
Na primeira volta, todos os votos, em um destes três candidatos, são úteis para impedir a eleição à primeira do "catavento"
Quem não quer o "prof. martelo", podia votar na Marisa, que é verdadeira, espontânea, simpática, bonita, culta, de esquerda, mas que tal como Edgar Silva, que não é espontâneo, mas é simpático, culto, verdadeiro e de esquerda, não faria nunca o pleno, numa segunda volta, se ficasse em segundo lugar na votação. 
Quem não quer o "prof. martelo", podia votar nesta primeira volta num destes 3 candidatos, votando depois, contra o "catavento", no candidato que passasse à segunda volta. 
Ora, acontece, que tendo apenas um voto, considero que no contexto em que se realizam estas eleições - à segunda volta (se a houver...) só um passa para defrontar o "prof. martelo" - tenho de  VOTAR SAMPAIO DA NÓVOA.

Choses da política local...

A minha vida é uma miséria. 
Um dia destes, no sítio mais ermo e mais longe que possam imaginar, mandei aquilo a que se costuma chamar um peido de antologia
Pensava eu que as hipóteses de estar alguém por perto eram nulas. 
Mas estava enganado.
Apareceu alguém... 
Fuck my life. 

Para quem, independentemente de quem estiver no poder, olha livre e seriamente para a política figueirense, o enquadramento actual, deixa-lhe pouca margem de optimismo e de manobra.
Resta fazer o mesmo de sempre:  tentar cumprir  a  missão. 
Isto, é: tentar  defender os interesses de todos nós, que tão maltratados temos sido...

Como escreveu um dia numa parede da Figueira um anarca do meu tempo: "se um gajo dá um peido é mal educado, mas uma fábrica a fazer merda é progresso..."
Ainda bem que, em tempos, joguei Subbuteo...
Isso, fez de mim um entendido em tédio...
Continuação de feliz ano novo para todos. Especialmente, com a minha benção, para os figueirinhas...

Acabou-se o cimento?..

Ainda há pouco, quando estavam no poder, a química entre os dois era fabulosa...

Palavras que me estão a guiar agora...

foto António Agostinho
"A AREIA QUE ME TENTARAM MANDAR PARA OS OLHOS, FAZ MUITA FALTA NAS DUNAS DE S. PEDRO".
Pedro Agostinho Cruz, 8 de junho de 2015

Marcelo, o dissimulado: não obrigado!..

"Marcelo Rebelo de Sousa, é público, foi declarado apoiante de Pedro Passos Coelho, Durão Barroso, Cavaco Silva e demais destacadas personalidades do PSD. Ele próprio é um destacado militante laranjinha. Mas, para fugir a uma segunda volta eleitoral, procurou reescrever o seu passado, por actos tais como o afastamento do líder do PSD da sua campanha, pela sua afirmação supra partidária e pela camuflagem da sua vida partidária.
Mas Rebelo de Sousa é, simplesmente, quem sempre foi. Uma destacada personalidade do PSD, que sempre defendeu o seu partido. Os militantes partidários não perdem o direito de se candidatarem por o serem. Mas se procuram esconder a sua natureza, não se queixem de ser apontados por tal. Num contexto onde os políticos, tão despudoradamente, têm um discurso em campanha e uma acção muito diferente no exercício dos cargos, votar em quem se apresenta dissimulado é o primeiro passo para se ter aquilo que não se antecipou. Por isso, não votarei em Marcelo Rebelo de Sousa."
Com a devida vénia, faço minhas as palavras de j. manuel cordeiro.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Vai-te embora melga!..

Assunção Cristas "acha" que restituir os direitos aos cidadãos, ou devolver parte do que lhes foi roubado pelo governo anterior, é destruir o laborioso trabalho de quatro anos e meio. 
Manda mas é acertar o relógio do CDS...

As "freirinhas" e o edifício que é um Trabalho!.

foto António Agostinho
Esta paisagem desoladora, no coração da Figueira, não é uma questão semântica: é a continuação da demonstração do que tem sido o poder político na Figueira: fraco com os fortes e forte com os fracos.
A questão, para os figueirenses é esta: "...  não conseguimos perceber como pode a Açoreana, empresa proprietária do chamado edifício "O Trabalho", fazer perpetuar e permitir a degradação constante do mamarracho que todos conhecemos, para mais situando-se numa zona nobre da cidade e de grande fluxo de turistas e locais..."
Acabei de citar o vereador António Tavares, numa crónica publicada no jornal AS BEIRAS, na terça-feira, 11 de março de 2014.
Como em tempos escrevi aqui"A Figueira é mesmo uma cidade que não se leva a sério..."

Que enorme socialista ao serviço de Marcelo!..

Maria de Belém salientou que não assenta a campanha "em demagogias e populismos", e lançou um repto em tom de resposta à candidata do Bloco de Esquerda, que a criticou por causa desta polémica das subvenções vitalícias: "Eu estou disponível para confrontar a minha folha de vencimento como deputada, com a folha de vencimento da eurodeputada Marisa Matias."
Via TSF

Em tempo
Esta excelente, ilustre, alta, subliminar e excelsa figura de estado,  não poderia ter prolongado o luto mais dois dias?..
Se esta criatura, por qualquer ironia do destino, fosse à segunda volta - o que não acredito - o meu voto seria anulado...
Só cá faltava mais esta...
"Todos temos direito a salário digno, escusamos é de ter privilégios".

Reconhecer o erro

     

Quando duas pessoas chocam acidentalmente, duas atitudes podem ser tomadas. 
Ou se pede desculpa e sorrimos... 
Ou, por outro lado, não sabemos lidar com o problema e metemos os pés pelas mãos... 
São duas atitudes diferentes perante um acontecimento que, objectivamente, não é culpa dos envolvidos. 
Sabemos que há quem se culpe a si e há quem culpe os outros. 
Sabemos, também, que há quem seja naturalmente educado, empático e correcto e quem seja naturalmente mal educado, bruto e hostil com os outros. 
Sabemos, que há quem considere que quem pede desculpa mostra sinais de fraqueza.
Sabemos, também, que quem não pede desculpa, pensa que mostra sinais de liderança e domínio. 
Todos sabemos muita coisa. 
Eu prefiro viver numa Aldeia em que as pessoas acabam por reconhecer o erro, do que viver numa Aldeia em que duas pessoas se zangam e hostilizam por causa de uma coisa que, objectivamente, não é culpa delas...

A sul da Cova: Presidente da junta teme que o mar chegue às casas

Desde o final do ano passado e início deste, que o mar não tem dado sossego às gentes da freguesia de S. Pedro. 
«As condições do mar e atmosféricas pioraram a situação, originando estragos na protecção dunar» efectuada pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), diz hoje o presidente da junta de S. Pedro ao Diário de Coimbra, «muito preocupado» com as investidas, mesmo em frente ao complexo habitacional, uma vez que as águas têm “engolido” boa parte das areias que serviam de protecção. «A seguir ao quinto molhe tem havido destruição e já efectuei duas exposições à APA na tentativa de resolver o problema», disse António Salgueiro, frisando que, se o mar chegar às casas «é uma catástrofe».
Tal como ficou aqui dito, não vou escrever nada de novo - ficam as fotos.
Apenas porque tudo foi dito, tudo se cumpriu: depois da construção do acrescento dos malfadados 400 metros do molhe norte, a erosão costeira a sul  da foz do mondego tem avançado, a barra da Figueira, por causa do assoreamento e da mudança do trajecto para os barcos nas entradas e saídas, tornou-se na mais perigosa do nosso País para os pescadores, a Praia da Claridade transformou-se na Praia da Calamidade, a Figueira, mais rapidamente do que esperava, perdeu.
A pesca está a definhar, o turismo já faliu - tudo nos está a ser levado...
Espero que, ao menos, perante a realidade possam compreender o porquê das coisas...

A propósito, desejem-me sorte e as melhoras...

Em 1973, quando comecei a trabalhar oficialmente (trabalhar já trabalhava há alguns anos...), a pagar impostos e a descontar para a segurança social, a lei previa, salvo erro, que teria direito a aposentar-me ao fim de 30 anos de trabalho. 
Se a matemática não é uma batata, deveria ter direito à reforma há doze anos, quando tinha 50.
Neste momento da minha vida, com uma carreira contributiva de 43 anos e com 62 de vida, ainda estou à espera de ser reformado. 
Espero, por isso, que o Tribunal Constitucional tenha em conta as legítimas expectativas que criei e que, defendendo o princípio da protecção da confiança, impeça o Estado de me forçar à violência de me vir a sentir penalizado. 
Ah: já agora, se não for pedir muito, aproveito para solicitar o reembolso dos cortes feitos no subsídio de desemprego, que deram cabo das legítimas expectativas que criei para a minha vida nos últimos três anos...
Que eu saiba, sempre fui um bom e cumpridor cidadão e bom português, merecedor, igualmente, de ser defendido no legítimo princípio de protecção de confiança...

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Reposição das subvenções vitalícias: o seu a seu dono...

Por acaso, mas deve ter sido apenas por mero acaso, "a ideia original foi de Passos Coelho"!.. 
A ideia de repor as subvenções vitalícias dos ex-políticos partiu do anterior Governo, em novembro de 2014. 
Passos e Marques Guedes insistiram, contra a direcção da bancada do PSD. 
O CDS preparava-se para votar contra. 
Pressionado, Passos recuou e deixou cair a ideia - e assim manteve a condição de recursos para as subvenções vitalícias. 
Foi esse recuo que levou um grupo de 30 deputados (21 do PS e 9 do PSD) a apresentar a queixa ao Tribunal Constitucional que agora os juízes decidiram. 
Para ler a história do que aconteceu, antes dessa queixa, clique aqui.

Na Aldeia dos índios da meia praia...

foto António Agostinho
Aguardo os vossos comentários a esta foto. Hoje, não me apetece comentar!..

Pobre Aldeia

"Em Janeiro de 1975 chegou à Câmara uma carta de um pescador figueirense, residente nos Estados Unidos que, “em nome de todos os emigrantes que nasceram e pertencem à Cova e Gala” solicita ao Presidente que desencadeie “providências de protecção da nossa praia e da nossa terra”… ”para que se evite uma grande catástrofe”
A preocupação não se continha na necessidade de proteger a zona sul dos avanços do mar mas estendia-se “à nossa cidade da Figueira da Foz”. Visava sobretudo a segurança das suas “casinhas, que tanto custaram a ganhar” mas, tratando-se de homens do mar, conhecedores do seu comportamento, pode inferir-se o seu desassossego com a situação da barra, posto que, menos de vinte anos antes ali tinham ficado dezoito pescadores, além do histórico trágico. 
Não adivinhava que, quarenta anos depois, se poderiam contar mais alguns naufrágios, o último dos quais levou a vida de cinco pescadores em outubro passado e que a sua terra continuava a ser ameaçada pelo avanço do mar. Recentemente o ministro do ambiente, em dezembro, e a ministra do mar, a semana passada, anunciaram que vão ser estudadas medidas para resolver problemas do litoral e, principalmente da segurança na barra da Figueira, criando um grupo de trabalho que envolverá os serviços do ministério do mar e a autarquia local. 
Vale a pena criar as condições para que se evitem outros avisos convocando quem melhor conhece o mar: os pescadores."

Esta crónica, hoje publicada pelo eng. Daniel dos Santos, no jornal AS BEIRAS, é elucidativa: qualquer semelhança com a realidade não é pura coincidência
Pobre concelho, este,  que, quarenta anos depois, tem esta Aldeia à beira mar, com ar de Aldeia de um município de terceiro mundo.
Suja, desmazelada, abandonada, carenciada: numa palavra, pobre
A vida por aqui é uma miséria.
Por aqui, somos tão pobres, tão pobres, que, por vezes, tenho a sensação que quando perdemos a carteira, enriquecemos...
Vale pelo sítios onde se pode comer e pelas abandonadas praias...
Quanto ao resto, estamos conversados.
Até o hospital nos colocaram dentro de um parque de estacionamento pago e com problemas de operacionalidade à espera de serem avaliados pela Autoridade Nacional de Protecção Civil!..

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

«Filho de Deus e do Diabo», do «Diabo e da maldade»...

Chamem-me nomes à vontade, mas não me ponham nos dedos coisas que não escrevi.
Quem disse isto sobre Marcelo foi Portas...
Agora, é seu apoiante...

Vergonha: ex-políticos vão receber subvenções vitalícias com retroativos

"Não há igualdade que resista a um tribunal superior que trata ex-políticos de uma maneira e o cidadão comum de outra, da mesma maneira que não há confiança que resista à cobertura dada pela falta de vergonha dos juízes que o compõem ao anonimato cobarde de pelo menos 23 nódoas que mancham um Parlamento composto por 230 deputados todos diferentes. 
A gravidade da decisão de ontem está aqui." 

Em tempo.
Eis a lista completa dos deputados signatários do requerimento:
Alberto Costa (PS), Alberto Martins (PS), Ana Paula Vitorino (PS), André Figueiredo (PS), António Braga (PS), Arménio Santos (PSD), Carlos Costa Neves (PSD), Celeste Correia (PS), Correia de Jesus (PSD), Couto dos Santos (PSD), Fernando Serrasqueiro (PS), Francisco Gomes (PSD), Guilherme Silva (PSD), Hugo Velosa (PSD), Idália Serrão (PS), João Barroso Soares (PS), João Bosco Mota Amaral (PSD), Joaquim Ponte (PSD), Jorge Lacão (PS), José Junqueiro (PS), José Lello (PS), José Magalhães (PS), Laurentino Dias (PS), Maria de Belém Roseira (PS), Miguel Coelho (PS), Paulo Campos (PS), Renato Sampaio (PS), Rosa Maria Albernaz (PS), Sérgio Sousa Pinto (PS) e Vitalino Canas (PS).

O ajuste directo...

No decorrer da reunião de ontem, que segui via internet - um luxo a que só tenho direito uma vez por mês - tive oportunidade de ver Ana Catarina Oliveira, vereadora Somos Figueira, na oposição, interrogar o executivo acerca do concurso para concessão da exploração do Complexo Piscina Mar. 
Em resposta, o presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde, declarou que “é altura de começar a pensar”
Miguel Almeida, também vereador Somos Figueira, na oposição, veio a terreiro para "reclamar uma resposta concreta."  
João Ataíde ripostou: “Vamos abrir e enviar o convite aos vários interessados para se apresentar, com tempo, uma solução”
A reunião camarária, estava no chamado período antes do período da ordem do dia. 
No entanto, a questão levantada por Ana Catarina Oliveira, a proposta de contratação de serviços de consultadoria, no âmbito do processo de reabilitação e exploração do complexo Piscina de Mar, fazia parte da agenda de trabalhos.
Na oportunidade, a vereadora da oposição solicitou mais esclarecimentos sobre o referido ponto e lembrou que, no passado mês de novembro, foi à reunião de câmara um ponto em tudo semelhante, onde o valor era de 15 mil euros. 
As explicações foram dadas pela vereadora Ana Carvalho.
Afirmou que a consultadoria estará a cargo de Carlos Figueiredo (foi o penúltimo dos concessionários do Complexo Piscina Mar). “O acordo foi definido por ajuste directo ao arquitecto Carlos Figueiredo, no valor próximo de 18 mil euros”, disse a vereadora Ana Carvalho
"Só o arquitecto Figueiredo reúne as condições? E com que base chegaram ao valor 18 mil euros?” foram algumas das questões levantadas a seguir pela vereadora da oposição Somos Figueira, Ana Catarina Oliveira
A vereadora socialista Ana Carvalho, em resposta, argumentou que o arquitecto já havia feito o levantamento exaustivo no complexo, trabalho que iria demorar muito tempo se fosse outra pessoa. Isto porque, alegou que o arquitecto “reúne todas as condições”
“Vai fazer o caderno de encargos, acompanhará as propostas, analisa e conduzirá a obra”, disse Ana Carvalho
Miguel Almeida veio novamente à discussão deste ponto.
Admitindo desconhecer que os serviços tinham sido adjudicados ao arquitecto Carlos Figueiredo, o vereador Miguel Almeida fez alusão ao facto de que “em 1998, a câmara lançou um concurso para as obras do concelho, pelo que já existia um levamento total do edifício”. 
“É preciso perceber o que aconteceu a isso”, sublinhou Miguel Almeida, que disse ainda: “Não deixa de ser extraordinário que o arquitecto tenha feito o ajuste directo”. 
“Afinal tem os 32,5 mil euros que ele tinha pedido (com base na resolução do contrato de concessão da exploração, aprovado com os votos contra da Somos Figueira, em junho)”.
Ao que Ana Carvalho argumentou:  “Desconheço que haja esse levantamento rigoroso. A autarquia vai pagar ao arquitecto que melhor conhece o edifício"
Já para o presidente Ataíde, esta é a “melhor forma de resolver o assunto”. 
“Ficamos, neste contexto, com os trabalhos por ele desenvolvidos. É a pessoa mais avalizada para levar isto com serenidade e de acordo com os direitos de autor”, justificou o presidente, fazendo referência à relação de proximidade que Carlos Figueiredo tem com o arquitecto Isaías Cardoso. 
Ao que Miguel Almeida respondeu: “A mim não me custa aceitar que Carlos Figueiredo reúna as condições. O que custa é a forma como o processo foi conduzido. E não foi bem conduzido, constitui uma ilegalidade”.
Resposta de João Ataíde: "Foi o possível em função das circunstâncias. Reconheço que é a solução possível no contexto que foi criado. Achamos que estamos a fazer isto nos termos correctos de boa gestão dos dinheiros públicos”.
E pronto.
A proposta de contratação de serviços de consultadoria, no âmbito do processo de reabilitação e exploração do Complexo Piscina Mar, foi aprovada com três votos contra da Somos Figueira. |
As maiorias absolutas têm uma função bem definida desde que Deus as inventou: servem para isto... 

Morreu António Almeida Santos

Actualmente Presidente Honorário do PS, tinha 89 anos

Maria de Belém acusada de insultar Mário Soares

O fundador do PS Alfredo Barroso entrou em polémica com Maria de Belém e acusa a candidata à presidência da República de insultar Mário Soares por ter afirmado que Almeida Santos é "porventura o maior de todos os socialistas vivos".
Alfredo Barroso classifica a afirmação da ex-ministra da Saúde como “estúpida” e “vergonhosa” e apela a “todos os socialistas convictos, para que nem um só dê o seu voto a uma candidata a Presidente da República capaz de tamanha canalhice, que de socialista não tem absolutamente nada e que sempre se encostou vergonhosamente à Igreja, às grandes empresas do sector da saúde e à direita reaccionária para fazer pela vida”.
Via jornal i

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

"(…) Ontem como hoje, vinham por aí abaixo (…)"

"Nos séculos passados, é evidente o que deve ter acontecido"…

"(…) Alguns lembram-se de ouvir a mesma coisa aos velhos e teimam: — Somos de Ílhavo… Viemos de Ílhavo… — Também tenho a ideia de que foram os cagaréus que povoaram os melhores e mais piscosos pontos da costa. Ontem como hoje, vinham por aí abaixo, aos dois e três barquinhos juntos, até ao Algarve. (…) O peixe era tanto como no princípio do mundo (…)"

(…) Isto, de que não se deram conta os historiadores que têm tratado do mais célebre capítulo da História de Portugal, sabem-no os etnólogos que têm estudado as pobres comunidades piscatórias, da Póvoa a S.João da Foz, da Afurada à Murtosa, de Ílhavo a Buarcos, da Nazaré a Peniche. Sabem-no até os escritores e poetas que têm observado os pescadores e o seu largo mundo de miséria e de azul.
Apeteceria convidar os historiadores dos Descobrimentos a lerem Pedro Homem de Mello: (…) Virei costas à Galiza; voltei-me antes para o sul… (…) Virei costas à Galiza, voltei-me antes para o mar… (…).
Apeteceria convidá-los a lerem Raul Brandão: (…) Fito-os. É o mesmo tipo que conheço de Aveiro, de Caparica e de Sesimbra. O patrão Joaquim Lobo, de grandes barbas brancas, afirma que esta gente veio de Ílhavo. Alguns lembram-se de ouvir a mesma coisa aos velhos e teimam: — Somos de Ílhavo… Viemos de Ílhavo… — Também tenho a ideia de que foram os cagaréus que povoaram os melhores e mais piscosos pontos da costa. Ontem como hoje, vinham por aí abaixo, aos dois e três barquinhos juntos, até ao Algarve. Aparecia-lhes toda a costa incógnita, os penedos nascidos no meio do mar, os fios de areia reluzindo e as baías entranhadas nos paredões. À aventura iam ter às águas do peixe. E eu sinto como eles a primeira impressão dum panorama nunca visto e duma frescura que ninguém respirou. Descobriram os sítios a que a sardinha se encosta, os fundões que dão a pescada e o cherne, e os melhores abrigos para refúgio do mau tempo. Sabiam a costa a palmos. Voltavam um dia com a mulher, os filhos, a rede e a panela da caldeirada. Fixavam-se no areal, construíam os palheiros, cobrindo-os com rama, e fundavam uma nova povoação. O peixe era tanto como no princípio do mundo (…).
Já no nosso século, o processo continuou, semelhante ao que sempre deve ter sido nos séculos anteriores: como mostram Octávio Lixa Filgueiras e o Com. Gomes Pedrosa, as inovações contemporâneas (como a traineira) alastram a partir da zona basca e cantábrica: uma década mais tarde usam-se na Galiza, duas décadas depois usam-se em Peniche. Os exemplos de fixação galega contemporânea, como Vila Praia de Âncora, junto ao Forte da Lagarteira, simplesmente nos exemplificam os processos congéneres anteriores, ocorridos nos séculos passados em Buarcos, na Ria de Aveiro ou em Peniche.
Nos séculos passados, é evidente o que deve ter acontecido. Os historiadores dos Descobrimentos parecem até hoje não se ter apercebido de que o primeiro dos Descobrimentos Portugueses foi… precisamente… o do litoral português…
E os Descobrimentos seguintes, mais para sul… foram a continuação natural do anterior… e feitos pela mesma gente… (…)

ALFREDO PINHEIRO MARQUES
A Maldição da Memória do Infante Dom Pedro e as Origens dos Descobrimentos Portugueses

A Figueira nunca foi uma cidade de pequenos ditadores...

Estou a assistir à  reunião da câmara municipal, via online (na Figueira, as reuniões de Câmara públicas, apenas a última de cada mês, são transmitidas em directo na internet)...
Neste momento, ao assistir a mais uma destas reuniões tão intensamente polvilhadas de realidade, nem sei bem porque me voltei a lembrar de sonhos.
Já passaram mais de 3 meses sobre o acidente do Olívia Ribau e ainda não se sabe nada sobre o inquérito aberto pelo ministro da Defesa da altura.

A reunião de câmara está a continuar. Neste momento, estão a falar das obras da praia da “calamidade” e eu estou a ficar com a sensação de estar a ver mais um daqueles filmes em que o protagonista chega a uma aldeia que só parece deserta porque, uns estão a fazer a sesta e os que o esperam não contavam com ele tão cedo...
"A obra vai-se fazer", diz o presidente Ataíde a arrumar a questão...
A oposição é que ainda não percebeu o seu papel: colocar questões e levantar dúvidas, então isso é o papel de quem perdeu eleições?..
Aprendam a não chatear: João Ataíde é, apenas, um "ditador à moderna"...