.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Frente ao mar, no último dia de Abril de dois mil e quinze

Numa Terra que mais parece um covil,
neste último dia do mês de Abril,
de dois mil e quinze,
frente ao mar
da Cova d´Oiro
dou comigo a perguntar:
quando é que na Terra da fraternidade,
que tem como primeira figura uma esfinge,
quando é que, enfim,
acorda esta gente
e manifesta vontade urgente
de mudar?..
Isso, sim
seria para todos nós,
incluindo os avós,
o verdadeiro tesoiro...

Em tempo.
Cresci, tornei-me adulto e estou a envelhecer, a ouvir dizer que aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes.
Começo a acreditar o contrário: aquilo que não nos mata torna-nos muito mais fracos...

Não te pões a milhas e continuas a ser alvo do meu escárnio...

“É como digo, o senhor de esquerda não tem nada. O senhor bloguista é um REACIONÁRIO mascarado de vermelho para descrédito da verdadeira esquerda.”
Este elevado e corajoso naco de prosa, faz parte – é a parte que me contempla, por isso a única que publico – de um comentário anónimo que procura atingir de forma vil e cobarde uma figura pública figueirense.
Tal como já o informei aqui, pode telefonar-me para uma amena cavaqueira sobre o que lha vai na alma.
Quanto ao resto, eventualmente para seu sossego e descanso, asseguro-lhe duas coisas:
1ª. - mesmo que eu fosse careca e ruivo, jamais usaria um capachinho vermelho. 
2ª. - nunca jogo na roleta russa. Portanto, nunca irei apostar no rosa à espera que saia o vermelho. 

Raios partam esta abulia que nos cerca...

As “nossas” elites sempre foram uma vergonha.
No último século, aos anos do negrume seguiram-se anos de euforia.
Aos anos de euforia seguiram-se anos de quebra.
Aos anos de quebra seguiram-se anos de mediania.
Aos anos de mediania seguiram-se anos de mediocridade.
Aos anos de mediocridade seguiram-se anos de abulia.
E aqui chegados, com a cabeça entre as orelhas, mais espantalhos do que gente, aceitamos tudo.
Tudo!..
E ninguém nos vai acudir.
Nem nós próprios, que continuamos a vegetar, quais carneiros mal mortos...
Estamos no país que, no início deste ano, regateou um aumento do salário mínimo nacional de € 20 brutos - de € 485 para € 505!..
E foi porque estamos em ano de eleições...
O salário mínimo nem devia existir, porque é prejudicial para a economia e pernicioso para os desempregados blah-blah-blah, pardais ao ninho, etc. e tal...
E estamos no país em que há quem receba quase 1,5 milhões de euros!
Apesar de estar "tudo ao contrário", que bom para eles. 

Nota breve:
- para ler melhor a crónica de Rui Curado da Silva, publicada no jornal AS BEIRAS, basta clicar em cima da imagem. 

quarta-feira, 29 de abril de 2015

A rede de transportes que já foi privatizada...

foto sacada daqui
A reportagem da TVI sobre o grupo Barraqueiro, que detém a Rede Nacional de Expressos e a Rodoviária, pode ser vista clicando aqui.
Tive oportunidade de vê-la em directo: desde motoristas a conduzirem durante mais de 20 horas ininterruptas, dias seguidos (quem recusar é ameaçado de despedimento), a fraudes com o sistema de fiscalização e controlo, o grupo Barraqueiro  pratica um manancial de irregularidades que podem colocar em risco a segurança e a vida das pessoas.
Ainda bem que prosseguem as privatizações no sector dos transportes...

Para perceber como funciona isto a que chamam imaginação: a seguir, coiso e tal e no fim, vocês vão ver, acaba tudo bem...

"DESTRUIÇÃO CONFIDENCIAL DE DOCUMENTOS", é nome de EMPRESA!..

Abril, não é só uma palavra

Durante algum tempo, muitos   acreditaram que era possível cumprir Abril.
Só por isso, valeu a pena a vida de muitos da minha geração, incluindo a minha.
Considero-me, também por isso, um felizardo. Tive a felicidade de viver esse tempo exaltante e histórico e continuar a ter a capacidade de acreditar.
Em quê? - perguntarão.
Desde logo, em mim - sempre consegui recomeçar depois de falhar as tentativas anteriores.
E tem sido isso, no fundamental e sobretudo, que me ajudou a ser, dentro do que é possível ser a cada um de nós, o que sempre quis ser: livre.
No sábado passado, à noite, estive em Buarcos, no Teatro do Grupo Caras Direitas para “Respirar Abril”.
No final, depois da actuação dos artistas, esperei que alguém se lembrasse de cantar Grândola, o que não aconteceu.
Não se cantou. E foi pena. Cantar a Grândola, seja em que dia for, nunca pode ser encarado como uma coisa de gente senil ou tontinha.
No fundo, para a maioria dos que estiveram sábado passado à noite no Grupo do Teatro Caras Direitas, o espírito do 25 de Abril é uma nostalgia, nada mais. 
Não quero com isto dizer, que para a maioria dos que lá estiveram, nos quais até me incluo, o 25 de Abril não continue a ser uma data especial, um símbolo do que este país poderia ter sido.
Contudo, aos momentos de exaltação colectiva, como aconteceu a seguir ao 25 de Abril de 1974, a história mostra que se seguem sempre momentos perversos, favoráveis, como sublinha o eng. Daniel Santos na crónica publicada no jornal AS BEIRAS, aos que para quem "a política deixou de ser a arte de governar para decair num jogo ... de palavras".
É nestes momentos que a natureza humana revela todo o seu esplendor e sabemos que na Terra não existem paraísos.
Aos tristes, como eu, que também não conseguem acreditar na possibilidade de outros paraísos, resta-lhes fazer das fraquezas forças e, tanto em actos como em intenções, comemorar o 25 de Abril todos os dias.  

Os dados são de 2009 e 2010... Que interessante não seria conhecer os valores de 2014, depois de 3 anos e picos de Passos e Portas!..

1% dos portugueses tem 21% da riqueza do país

Depois dos contos governamentais para crianças sobre recuperações fantásticas, a realidade narra-nos histórias diferentes e aparentemente mais credíveis que a literatura infantil cor-de-laranja.
A fonte é a insuspeita Rádio Renascença
Se a riqueza em Portugal representasse 1 euro, 1% da população tinha 21 cêntimos e 99% tinham os restantes 79 cêntimos. Esta é uma das conclusões da tese de mestrado do jornalista da Renascença Paulo Ribeiro Pinto.
"Uma pequena parte da população portuguesa detém muita riqueza, muito património. Essa pequena parte – 1% – detém mais de 21% da riqueza líquida das famílias. Não é que isso esteja fora da média da União Europeia, por exemplo, mas a questão é perceber se essa média é a média que nós, enquanto sociedade, gostaríamos que fosse".
É, segundo o autor, a primeira tentativa para estudar a riqueza das famílias portuguesas.
O estudo foi feito com base no Inquérito à Situação Financeira das Famílias, realizado pelo Banco Central Europeu, com dados de 2009 e 2010.

Projecto de requalificação do areal urbano: afinal, era areia a mais para a camioneta da câmara...

A vereadora Ana Carvalho. Foto AS BEIRAS
Já não se consegue esconder mais aquilo que está à frente dos olhos de toda a gente e que foi previsto pelo Laboratório de Engenharia Civil nos anos 60 do século passado: “a erosão costeira da duna, a sul do 5º. Molhe entre o 5º. Molhe e a Costa de Lavos”
Segundo o que a vereadora Ana Carvalho revela hoje em declarações ao jornal AS BEIRAS, “estão a decorrer contactos com a APA para a transferência de areia da praia urbana para sul". A proposta da câmara "aponta para cerca de 500 metros cúbicos por ano". Para Ana Carvalho, "quanto mais depressa o processo se iniciar, melhor, lembrando, por outro lado, que existem apoios europeus disponíveis para o efeito.”

Na mesma entrevista, a vereadora Ana Carvalho informa "que a Câmara da Figueira da Foz deixou cair a segunda fase da beneficiação do areal urbano para uma próxima e eventual oportunidade. Esta etapa incluía o Anel das Artes, um anfiteatro redondo, e uma piscina".
A intervenção que está na ideia da Câmara realizar, "fica reduzida à ciclovia, via pedonal, pista de atletismo, reparação dos espaços desportivos e dos passadiços (e construção de outros) e intervenção nas valas de Buarcos que atravessa o areal".

Tudo leva a crer que chamada “segunda fase” caiu. “O touril está muito próximo e, apesar de ser privado, pode vir a ter uma utilização mais pública”, disse Ana Carvalho ao jornal. E acrescentou: “Se calhar, o Anel das Artes não faz sentido”.
Sobre a piscina afirmou: “Já temos a piscina mar, mas acho que há necessidade de haver uma piscina com todas as condições na cidade, mas não é obrigatório que seja no areal”.
Porém, a realidade é que a câmara se viu confrontada com o “convite” da APA para esquecer as duas estruturas, cujos materiais de construção que teriam de ser utilizados, além da volumetria dos imóveis, não se enquadravam nos apertados requisitos deste organismo do Estado.
Caso insistisse no anfiteatro e na piscina, a câmara corria o risco de nem a primeira fase – e, pelos vistos, única – ver aprovada.

Ana Carvalho confirmou ao jornal AS BEIRAS que as obras de valorização do areal urbano deverão arrancar até ao final do ano.
Entretanto, a vegetação que a autarquia está a deixar crescer na antepraia vai manter-se, não obstante a contestação de muitos figueirenses. Aliás, até deverá ser reforçada, com a “plantação de algumas árvores”.
Para a vereadora, “a vegetação – só Ana Carvalho deve acreditar nisto!.. - vai permitir que não haja areia nos campos de jogos e na ciclovia”.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Na comidinha, a Figueira é um destino de sucesso garantido...

A Figueira com Sabor a Mar vai realizar, de 8 a 10 de maio e de 4 a 6 de setembro, a Feira Sabores Terra e Mar, no pavilhão do parque das Gaivotas. 
O serviço de restauração é assegurado por cinco dos 15 restaurantes que participam nos festivais gastronómicos da associação. A animação do espaço, as diversas demonstrações, degustações e os “preços promocionais” das ementas justificam a entrada de um euro, com direito a um café ou uma água. No entanto, para Mário Esteves, presidente da Figueira com Sabor a Mar, a justificação é outra: “são cobradas entradas para fins estatísticos”. 
Uma espécie de estacionamento pago no parque do Hospital! 

Confrontado com a interrogação - "duas feiras sobre o mesmo tema no espaço de quatro meses não serão feiras a mais?" -  Mário Esteves respondeu que “é um ensaio, é um teste que estamos a fazer”. 
Pela notícia que li no jornal AS BEIRAS, fiquei a saber que a primeira serve jantar no dia inaugural, almoço no último e as duas refeições no segundo. 
Para sublinhar e destacar a qualidade e o sucesso dos certames realizados na Figueira da Foz, o presidente da Junta de Buarcos, José Esteves, arruma a questão com esta simplicidade: “não devemos nada a outras cidades que também fazem festivais”. 
Já para João Ataíde, presidente da Câmara da Figueira da Foz, “o sucesso garantido do evento” passa pelo modelo de “auto-organização”. 
“A Figueira da Foz tem características muito próprias, vai consolidando o seu espaço. Estas iniciativas vêm no momento certo. Estamos a apresentar o que de melhor temos”, sublinhou o autarca, depois de ter falado sobre o crescimento do turismo em Portugal. 

Sobre sucessos gastronómicos, por experiência própria, apenas posso garantir aos leitores deste espaço, que a parte boa de ter a roupa a cheirar a sardinhas é o sucesso que faço junto dos gatos aqui da minha avenida.

Será que o último 25 de Abril foi o último 25 de Abril cavaquista?...


Cuidado com a linguagem, pois o novo acordo ortográfico é muito traiçoeiro... (5)

Neste blogue, nunca se ligou ao acordo ortográfico.
Por muitas razões. Nomeadamente, porque prefiro escrever com erros pessoais a fazê-lo com erros oficiais.
Por exemplo:
Antes do acordo ortográfico escrevia-se “Alto e pára o baile.” 
Significava  mais ou menos deixem-se de merdas, tenham juizinho  e vão mas é trabalhar!..
Com o novo acordo ortográfico escreve-se “Alto e para o baile.”
O que pode ser entendido como deixem-se de merdas, desbundem  e gozem mas é a vida!..

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Ainda bem que não acredito que podemos viver outra vez: com um estado destes, eu que sempre fui pobre, não iria suportar voltar um dia um dia e sentir-me miserável...

A notícia está no jornal Público.
“Artur Mendes e Manuel Pinheiro conheceram-se numa reunião no ministério da Economia. No encontro, que teve lugar no início de 2012, estavam ainda Álvaro Santos Pereira, o ministro da Economia, de quem Pinheiro era adjunto, e Miguel Caetano Ramos, neto do fundador do Grupo Salvador Caetano e gestor de topo do grupo. Na reunião falaram de negócios.
Quer Artur Mendes, quer Manuel Pinheiro, estavam há muito tempo do mesmo lado, embora só se conhecessem de nome. O primeiro, do Porto, tinha sido, desde as campanhas internas do PSD, “conselheiro de imagem” de Pedro Passos Coelho. O segundo, de Lisboa, era um bloguer activo no apoio ao actual primeiro-ministro (escrevia no Cachimbo de Magritte). Pertenciam ao grupo de activistas (quase todos bloguers) mais empenhados nas batalhas do líder do PSD. Depois da vitória nas legislativas de 2011, a maioria passou a exercer funções governativas.
Artur Mendes era a excepção. Acabada a campanha eleitoral, não integrou nenhum gabinete do Governo. “Desde essa altura e até hoje não mais houve qualquer tipo de colaboração que não seja a manutenção de uma relação de amizade” com o primeiro-ministro, explica ao PÚBLICO. Isso não o impediu de frequentar, assiduamente, alguns ministérios, onde tinha amigos e ex-colaboradores da sua empresa de comunicação, a Elec3city, ou E3C. Marta Sousa, que foi adjunta do primeiro-ministro, e é a actual mulher de Miguel Relvas, e António Vale, ex-assessor do ministro-adjunto, e actual quadro da AICEP, eram dois dos funcionários da E3C contratados pelo Governo. No ministério da Economia, que vivia eternos “problemas de comunicação”, Artur Mendes era “uma das vozes conselheiras do ministro [Álvaro Santos Pereira]”...
São todos do PSD, neste Governo da maioria PSD/CDS-PP.
Têm uma vida divertida, entre o Governo e a empresa e a empresa e o Governo, depois do empenhamento para que o chefe tivesse chegado a chefe do Governo.
Porém, o negócio foi entre "o Estado e Salvador Caetano"!..
Não é sinal de grande inteligência, mas ainda existem bloggers que não são boys que se transformam em homens ricos, pela via dos negócios pouco transparentes...

O País e a Figueira!.. A Figueira e o País!.. E os discursos de circunstância do 25 de Abril!..

Quem por aqui tem passado, certamente já percebeu que não sou adepto “de todos ao molho e fé em Deus”, seja na política ou na religião.
No entanto, acredito na bondade, na generosidade, na tolerância, venero a beleza da natureza, gosto da vida, sobretudo, procuro olhar para as pessoas com respeito – em especial, para aquelas que começam por se respeitar a elas próprias no quotidiano.
Desde muito novo que entendo que é para contribuirmos para que a vida de todos seja melhor que vale a pena viver.

Não sei – pelo menos eu ainda não descobri - se existe alguma linha política ou religião que torne isto possível. Não sei - nem isso me interessa - pois não tenho necessidade de fazer parte de nenhum “rebanho”
Não tenho palavras que me hão-de guiar um dia - que o mesmo é escrever, não tenho guiões... - e não gosto de caminhar por carreiros. 
Gosto – sempre gostei - de optar pelo trilho que considero o meu, de fundamentar a opinião com o que aprendo no estudo e com o que vou aprendendo com a experiência vivida.
Depois, analiso e comparo a prática de quem acede ao poder, com o que foi deixando pelo caminho enquanto preparava o assalto ao cargo político.

Tem acontecido o óbvio: os políticos, que antes de lá conseguirem chegar, fizeram parte dos meus conhecimentos, deixaram de me conhecer...
Sem me isentar de defeitos, tenho constatado que essa gentinha é grotescamente banal. No lugar de uma consciência moral, muitos possuem uma vertigem narcísica que tudo absorve e exige aos outros.
Depois, os actos de mentira, logro, ocultação, são mera predação desprovida de grandeza, causando dano apenas aos outros. Para eles ficam as mordomias e os privilégios. Estas criaturas menores pensam que são portadores de imunidade total e, por isso, não suportam quem não pense exactamente como eles.
Olho para isso e vejo uma tragédia moderna, um espectáculo vil e uma miséria sem conceito que está a penalizar tudo e todos.

O 25 de Abril foi uma coisa boa, disso não se pode ter dúvidas. O PREC, as nacionalizações, o que se passou antes do 25 de novembro, era inevitável que acontecesse: vivíamos um período transitório, com diferentes facções a querer tomar o poder, é normal que um período desses traga dissabores a alguns.
De facto e na realidade, para ser politicamente correcto, antes do 25 de Abril vivíamos numa ditadura.
Nunca tivemos economia a sério, nem uma verdadeira política de desenvolvimento económico.
Portanto, o gatinhar da democracia e o que veio a seguir e continuou até aos dias que passam - o servilismo deslumbrado de uma classe política pouco culta – tinha de dar nisto... 

A seguir ao tempo de um proteccionismo caduco e em grande parte falido (antes do 25 de Abril) seguimos para um período de euforia despesista, gerida por gente que não estava preparada para governar. 
O período mais nefasto para o País, pós 25 de Abril, a meu ver, foi o período cavaquista. 
A troco de fundos e subsídios, Cavaco Silva aceitou acabar com o que restava de tecido económico português e inviabilizou o que podia nascer e prosperar em sustentabilidade. 
Fechou a indústria, acabou com a frota pesqueira, pôr os campos agrícolas em pousio... O que é que poderia acontecer de mais negativo a um País que estava a percorrer os primeiros passos no caminho da democracia e do desenvolvimento moderno?...

Um País não tem futuro com políticos de aviário, tipo pessoal das jotas, amigos de amigos de amigos, pessoal do avental, ex-autarcas em fim de carreira, funcionários de bancos puxados para lugares cimeiros nos partidos, advogados ao serviço e avençados de toda a espécie... Enfim, gentinha que cultiva o chico-espertismo e a demagogia em vez de cultura política.

E como o texto já vai longo, termino com uma interrogação que, tal como a reflexão acima, me foi sugestionada após a leitura da crónica do vereador Somos Figueira, Miguel Almeida, publicada hoje no jornal AS BEIRAS: olhamos para a Figueira e vemos a tomar conta dos destinos do concelho, gente com maturidade política, com sentimento de servir, com cultura política democrática, com competência e com experiência de gestão?  

domingo, 26 de abril de 2015

Com super bock é sempre burridade trocar um prato de caracóis por um pires de lima...

"O ministro da Economia faz um excelente exercício daquela prática dupla de enganar em casa e mentir fora." 

Numa entrevista publicada há poucos dias num jornal galego, o ministro da Economia fez um excelente exercício daquela prática dupla de enganar em casa e mentir fora. 
Mas o exercício de mentir abertamente a um jornal galego, ignorando que no dia seguinte todo o Norte terá conhecimento disso, apenas pode ser fruto da ignorância ou da arrogância. 
Ou de ambas.

Ramalho Eanes

A direita, em geral, e Cavaco Silva, em particular, gostam de o recordar como um homem do 25 de Novembro de 1975...
Ontem, 41 anos depois do 25 de Abril de 1974, primeiro Presidente da República eleito democraticamente por sufrágio universal e directodeu uma lição de democracia a Cavaco Silva
Para ler com atenção, pelos portugueses em geral:

Em tempo.
"Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os sociais, os corporativos e o Estado a que chegámos."
Salgueiro Maia, na madrugada de 25 de Abril de 1974.

Não abram a pestana e depois digam que o toucinho tem bicho...


PSD e CDS vão coligados a eleições legislativas...

sábado, 25 de abril de 2015

Assim, a esperança, a cada dia que passa, morre a uma velocidade alucinante e isso não pode acontecer...


Depois da proposta conjunta apresentada pelo seu partido, PSD e CDS para controlar a cobertura eleitoral feita pela imprensa, António Costa aproveitou o 25 de Abril para nos presentear com a habitual hipocrisia do PS.
Abril é o que quisermos fazer dele.
Contém, em cada um de nós, as diversas gerações a que pertencemos.
Considero-me um produto Abril, que o mesmo é dizer, considero-me uma prova da Liberdade que Abril nos trouxe.
Evidentemente, com sonhos e anseios por cumprir. Mas, também com desencantos e frustrações.
Porém, não podemos esquecer Abril de 1974 – um momento histórico que, para quem o viveu e protagonizou, não pode permitir que o tempo o apague.
Esquecer Abril de 1974, é ignorar a melhor parte de nós.
Do passado, mas, sobretudo, do futuro ainda por fazer cumprir.
Neste momento, em que estamos a descrever uma curva muito apertada, sinuosa e difícil de percorrer, temos de conseguir ser dignos de manter vivo o sonho de um Povo que precisa, mais do que nunca, de novos ventos que o continue a alimentar. 
25 de Abril, Sempre!

9 anos a roer o silêncio!..


No dia em que este blogue comemora 9 anos de existência, fica um agradecimento e um abraço para todos aqueles - e muitos são - que por aqui vão passando...

Ser livre, além de complicado é, também, muito difícil: se a isso estivermos dispostos, é um ideal a atingir que nunca atingiremos plenamente; é uma luta diária, implacável e com momentos de desalento, que põem a nu as nossas limitações e fraquezas. 
Existem algumas alegrias associadas, mas parecem durar menos do que as tristezas. 

Por vezes, pergunto-me se não seria melhor viver uma qualquer ilusão anestesiante, mas não foi essa a minha escolha.
Como, há muito, desisti de tentar mudar algo por dentro dos partidos, ando por aqui há 9 anos a tentar colocar pedrinhas na engrenagem desta malfadada engrenagem -  e nem um convite... 
Nem, ao menos, pra "açeçôre"...

Sempre gostei de escrever. 
Já escrevi para muitos lados: jornais nacionais, jornais distritais, jornais e rádios locais.
Há 40 anos que ando nisto. E vou continuar, até que os dedos me impeçam. 
Escrevo porque sempre gostei, porque sempre me apeteceu – portanto, desde que me lembro, sempre escrevi.

9 anos passaram desde o dia 25 de Abril de 2006, dia em que publiquei a postagem nº. 1 deste blogue!.. 
9 anos passam depressa, ou devagar, conforme se ocupa o palco ou a plateia. 
Na plateia 9 anos são uma eternidade. 
Porém, para quem durante 9 anos alimentou todos os dias esta janela com vista para a rua com o prazer de escrever palavras e mostrar imagens neste modelo simples e directo de comunicar, 9 anos passaram depressa. 
A prová-lo ficam as 13903 postagens que editei no decorrer destes 9 anos!..
Foi obra.
O que escrevo, como escrevo, sobre o que escrevo o que escrevo, só me responsabiliza a mim.
Da responsabilidade de quem aqui vem de livre vontade, é o que lê - ou, melhor, o que interpreta do que lê daquilo que escrevo.

Continuem a aparecer.
9 depois, OUTRA MARGEM continua um blogue condenado à fama póstuma...
Prometo continuar ruim, mas, um dia, eu sei, será o silêncio a roer-me a mim.

A olhar para o 25 de Abril. Sem esquecer o 24...

foto de António Agostinho
Pelo estudo e a experiência ficamos a saber que nunca as revoluções são o que parecem e nem aconteceram como mais tarde as contam.
Portanto, também com a Revolução dos Cravos, quando esse tempo chegar, assim acontecerá.
Para mim, que vivi o 25 de Abril de 1974 com 20 anos, o património cívico e simbólico do 25 de Abril está em processo de delapidação continua e continuada há muitos anos.
Os responsáveis, foram os partidos que passaram pelo poder desde o 25 de Novembro de 1975.
Passados 40 anos, desaguámos numa espécie de consensualização do 25 de Abril - que foi o que acabou por acontecer com o 5 de Outubro, que continua a ser comemorado, mas que foi completamente secundarizado.
O PS diz que gosta de comemorar o 25 de Abril... Mas, ao longo destes últimos 40 anos, quando esteve no poder, cometeu enormes perversões ao seu verdadeiro espírito.
Por via disso, perdermos um conjunto de direitos e de conquistas, que as lutas que desembocaram no 25 de Abril de 1974 nos trouxeram.
Neste momento, por exemplo, vivo numa cidade onde um executivo PS me proíbe o acesso a uma reunião camarária, das duas que realiza por mês.
Portanto, continua a ser necessário gritar: VIVA O 25 DE ABRIL, SEMPRE!
E não esquecer o 24...
Nesse tempo - lembro-me bem... - não se podia escrever em Liberdade...
Nesse tempo - tinha eu 20 anos e por isso lembro-me bem - o serviço militar e a guerra faziam parte do horizonte imediato para início de vida dos jovens, que o deixavam de ser a partir dessa idade.
Nesse tempo - lembro-me bem - adivinhei que um Regime Político estava condenado quando o Estado perde capacidade de encontrar salvação para o País que serve.
Neste momento, é o que sinto que está a acontecer à democracia partidária desta segunda República, dominada pelo rotativismo partidário de um bloco central de interesses - que é o regime que sobrou do verdadeiro 25 de Abril, após o 25 de Novembro de 1975.
Não sei muito da matéria, mas tenho a sensação de que estamos a assistir à repetição da história da primeira República que desembocou no 28 de Maio.
Espero estar enganado...  

sexta-feira, 24 de abril de 2015

A verdadeira Festa sempre aconteceu na rua

«As comemorações do 25 de Abril, no sábado, são duas, e definem a divisão do País. As "oficiais", em circuito fechado, vão dar azo a que o dr. Cavaco repita o chorrilho de inocuidades. Sem cravo na lapela, para não ofender os que restam, o cavalheiro, melancólico e soturno, parece deslocar-se para um funeral. Há uma certa verdade no quadro: ele não tem nada a ver com aquilo e, notadamente, está ali a fazer um frete. A Associação 25 de Abril, como o tem feito, vai estar ausente, alguns senhores ostentarão o cravo, toque de "A Portuguesa", e a festa acaba, como se fora o cenotáfio de um morto, porém empalhado.»  
Baptista Bastos in O Grito de um VivaCM 22abr2015.

Dado que as eleições estão à porta, olhem que leitura tão interessante!..

“Somos O Que Escolhemos Ser”, é a história de Passos contada por uma assessora do PSD!..
Espero que não tenha esquecido isto...

As vantagens do futebol de cinco é que se está em todas as jogadas que dão golo...

Ilegalidade na contratação de avençado por parte da Junta de Freguesia de Buarcos e São Julião: 

O executivo da JF durante o mês de Abril de 2014 aprovou em acta um contrato de avença com um antigo elemento que compunha o executivo da extinta Junta de Freguesia de Buarcos, António Ceia Lima, para fiscalizar obras, com o pagamento da quantia mensal de 200,00€. Dado o facto do referido avençado estar inscrito como reformado pela Segurança Social, o referido contrato é ilegal pela existência de incompatibilidade dos reformados poderem auferir remunerações por parte de entidades publicas - art.78º da Lei 83-C/2013(OE para 2014) -. 
A questão foi suscitada pela bancada do PSD, tendo o Presidente da JF reconhecido a situação. Desde o mês de Junho de 2014 que se vem verificando a referida ilegalidade. 

(Via Figueira na Hora)

A erosão a sul pode esperar?.. Depois não digam que foram apanhados de surpresa...

Aquilo que há muito temia está a confirmar-se: a situação, preocupante e perigosa, da orla costeira a sul do quinto molhe, na orla costeira da freguesia de S. Pedro continua a ser branqueada e mal avaliada pelos órgãos de informação e por quem de direito – poder local e central.  
Hoje, porém, já não se consegue esconder aquilo que está à frente dos olhos de toda a gente.  A  intervenção humana tem vindo a acelerar a erosão costeira da duna, a sul do 5º. Molhe entre o 5º. Molhe e a Costa de Lavos e a duna, naquele local, desapareceu. 
E isso era perfeitamente previsível: o Laboratório de Engenharia Civil previu isso mesmo nos anos 60 do século passado.
Numa sessão pública realizada em março, na Junta de Freguesia de S. Pedro, promovido pelo Bloco de Esquerda, o dr. Filipe Duarte Santos (Grupo de Trabalho da Orla Costeira) considerou que a melhor solução para a defesa da orla costeira é repor a praia. No caso da nossa freguesia passa por “transportar” a areia da praia da Figueira, retida pelo molhe norte – problema que os 400 metros construídos na última intervenção agravaram – para as praias de S. Pedro. 
Hoje, é notícia de primeira página no jornal AS BEIRAS, algo que  vai inviabilizar a defesa e protecção das praias a sul: a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) aprovou o projecto de requalificação do areal urbano, apresentado pela Câmara da Figueira da Foz. 
Numa primeira fase, a autarquia vai construir uma pista de atletismo, uma via mista para ciclistas e peões, um novo parque de skate, reformular o sistema de passadiços de madeira e reabilitar os espaços desportivos. As valas de Buarcos e da Ponte do Galante vão ser soterradas. As obras do projecto global de requalificação do extenso areal deverão arrancar até ao final do ano, prevendo-se que fiquem concluídas dentro de 12 meses. Têm um orçamento de dois milhões de euros, que a autarquia vai buscar ao Turismo de Portugal, que acumula verbas das contrapartidas da zona de jogo. A intervenção tem como eixo fundamental a via clicável e pedonal, que vai dividir o areal urbano em duas partes – a antepraia e a zona de banhos. O “Anel das artes”, um anfiteatro redondo, bem como outras propostas recentemente apresentadas pela autarquia, na sequência da reformulação do projecto vencedor do concurso de ideias que lançou no anterior mandato, ficam para uma fase posterior. 
É fácil de deduzir, portanto, que o problema da erosão a sul da barra do Mondego terá de esperar... 
Esperemos é que haja tempo. Depois, não digam que não foram avisados. Aproveito para recordar o que me tem dito ao longo dos anos o velho e experiente Manuel Luís Pata, nas inúmeras e enriquecedoras conversas que ao longo da vida com ele tenho tido:  “a Figueira nasceu numa paisagem ímpar. Porém, ao longo dos tempos, não soubemos tirar partido das belezas da Natureza, mas sim destruí-las com obras aberrantes. Na sua opinião, a única obra do homem  de que deveríamos ter orgulho e preservá-la, foi a reflorestação da Serra da Boa Viagem por Manuel Rei. Fez o que parecia impossível, essa obra foi reconhecida por grandes técnicos de renome mundial. E, hoje, o que dela resta? – Cinzas!..”

quinta-feira, 23 de abril de 2015

25 de Abril, Sempre!.. Fascismo nunca mais...

O PÚBLICO apurou que, seja com a lei em vigor ou com as novas regras de cobertura jornalística das eleições e referendos que está a ser negociada na Assembleia da República pelo PSD, PS e CDS, boa parte dos associados da Plataforma de Media Privados (PMP) já decidiu não fazer a cobertura durante a pré-campanha e a campanha eleitoral. Falta apenas a Rádio Renascença dar a conhecer sua decisão à direcção da Plataforma.
Tendo em conta que o acordo entre os três partidos é mais do que suficiente para fazer aprovar a lei, é de esperar que nos ecrãs da SIC, TVI e CMTV, em rádios como a TSF, em jornais como o PÚBLICO, Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Correio da Manhã, Expresso, ou revistas como a Visão e a Sábado, possam não existir notícias sobre a campanha eleitoral durante todo o Verão deste ano.
Esta decisão e as justificações do sector serão comunicadas ao Presidente da República na próxima terça-feira, numa audiência da Plataforma com Cavaco Silva, em Belém. Luís Nazaré, director executivo da Plataforma, recusou fazer qualquer declaração sobre o assunto ou sequer comentar o projecto de lei, adiantando apenas que aquela associação “veiculará a sua posição durante a próxima semana”.
Em causa está a proposta do PSD, PS e CDS de alterar, de alto a baixo, a lei da cobertura jornalística das eleições e referendos, que se preparam para aprovar nas próximas semanas, de forma a ser aplicável já nas legislativas.

Planos de cobertura informativa com visto prévio
A principal novidade é a obrigação, que passa a existir sobre todos os órgãos de comunicação social, de apresentar “planos de cobertura dos procedimentos eleitorais” a uma comissão mista que junta Comissão Nacional de Eleições (CNE) e Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), que tem de os validar, numa espécie de visto prévio.
Estes planos, que têm de ser apresentados antes de terminar o prazo para apresentação de candidaturas, devem incluir o “modelo de cobertura das acções de campanha das diversas candidaturas”, assim como a previsão de entrevistas, debates, reportagens alargadas, emissões especiais ou “outros formatos informativos” de forma a assegurar a igualdade das candidaturas.
De acordo com a lei, estes planos têm que ser entregues “antes do início do período de pré-campanha”. Ora, pelas novas regras propostas, o período de pré-campanha começa do dia a seguir a terminar o prazo da entrega das candidaturas. O que significa que os media terão que fazer os planos de cobertura sem saberem sequer quantos e quais os candidatos.
Tendo em conta os diferentes prazos para a apresentação de candidaturas às legislativas, presidenciais, autárquicas e europeias, os media teriam que planificar ao detalhe a sua programação com uma antecedência de pelo menos 30 a 55 dias. Hoje em dia, as TV são obrigadas a entregar à ERC a programação com apenas 48 horas de antecedência.
Quem não cumprir esta obrigação ou o plano apresentado incorre em coimas entre 5 mil e 50 mil euros, além de mil euros por dia no atraso do cumprimento, depois de notificado pela comissão mista para o fazer.
É no âmbito desta lei que se prevê também que pode haver debates apenas entre os candidatos dos partidos com assento parlamentar (ou já com assento no órgão de soberania a que se destinam as eleições) durante a pré-campanha, como o PÚBLICO noticiou na semana passada.
A maioria e o PS estão em negociações com o PCP. João Oliveira, líder da bancada comunista, disse ao PÚBLICO que só amanhã, sexta-feira, o partido tomará a sua decisão.
O bloquista José Soeiro afirmou desconhecer a última versão em discussão mas o partido, que se retirou da mesa das negociações logo no início, irá esperar que a proposta final seja entregue formalmente na Assembleia da República. “Daremos as nossas propostas no momento da discussão parlamentar, em plenário e em comissão”, prometeu José Soeiro.
O Bloco é pelo princípio da “não exclusão dos pequenos partidos” e defende que se os partidos com representação parlamentar estão a fazer uma lei que abrange os que não estão no Parlamento, então também deveriam ouvir estes últimos. “Para se saber que sugestões têm os partidos sem representação parlamentar e sobre como consideram que se garante o princípio do tratamento de igualdade de oportunidades”, acrescenta.

O lado B da democracia



Um dos lados negros do momento que vivemos em Portugal, que ainda queremos de Abril, é a confusão de ódios pessoais com as posições institucionais. 
O caso mais conhecido foi o de Saramago.
Mas, houve mais: a Presidência da República ignorou o Grammy atribuído a Carlos do Carmo. 
Parece que há uma confusão total ente os ódios pessoais do cidadão e político com as funções institucionais, um sinal da falta de dimensão da actual Presidência da República. 
Pelos vistos, graças aos portugueses, é fácil chegar a Belém...
O difícil é ter classe para lá estar!
Basta olhar para Cavaco Silva, um político há 40 anos no poder - e sempre escolhido pelos portugueses.

Conselhos marginais

Um dia quiseram que Charles Bukowski (cuja imagem de alcoólico e poeta maldito foi forjada nas experiências sórdidas por que foi passando ao longo da vida, desde empregado de limpeza a carteiro, fez de tudo para sobreviver até alcançar o reconhecimento por aquilo que escrevia), desse conselhos aos jovens e mais velhos escritores.
A nudez crua e a ironia que caracterizam Bukowski e fazem dele um escritor diferente, ficou patente nas respostas:

P - Qual é o seu conselho para os escritores jovens?
- Bebam, fodam e fumem muitos cigarros.
- Qual é o seu conselho para os escritores mais velhos?
- Se ainda estão vivos, não precisam do meu conselho.

Salazar morreu como um privilegiado...

De Salazar, que morreu há quase 45 anos, em 27 de julho de 1970, ficou a imagem do todo poderoso Presidente do Conselho que esteve no poder 40 anos.
Ditador, patriota, fascista, conservador, nacionalista, autoritário, frio, cerceador da liberdade, salvador da Pátria, saneador das finanças públicas, provinciano, quase asceta e exemplo de honestidade e probidade - de António de Oliveira Salazar tudo se disse e o seu contrário, conforme as tendências da moda e as simpatias políticas de quem o qualifica. 
3 de Agosto de 1968, foi a data em que ao todo poderoso Presidente do Conselho, quando gozava um período de férias, no forte de Santo António do Estoril, o inesperado aconteceu. 
Não se saberá nunca se foi por descuido, desequilíbrio - ou por mera debilidade da cadeira de lona. 
O que é certo é que bateu violentamente com a cabeça no chão de pedra. Nunca mais recuperou. 
Morreu dois anos depois. 
O regime ainda lhe sobreviveu mais quatro anos
Até à morte, que aconteceu a 27 de Julho de 1970, ficou na tesura.
Daí, sobrou o mito de que morreu pobrezinho.
Mas a estória tem andado mal contada.
Não terá sido bem assim...
Leiam a crónica de Rui Curado da Silva, publicada no jornal AS BEIRAS, e ficam a perceber porquê.

Esta nossa barra... (X)

Extracto de uma carta dum VELHO SENHOR CHAMADO MANUEL LUÍS PATA, publicada no dia 26 de Março de 2007, no “Diário de Coimbra”, pág. 8, na secção Fala o Leitor, com o título: “Erosão das Praias”.
"Foram estes “Molhes” que provocaram a erosão das praias a sul da Figueira, e foi o “Molhe Norte” que originou a sepultura da saudosa “Praia da Claridade”, a mais bela do país. Embora seja de conhecimento geral, quão nefasto foi a construção de tais molhes teimam em querer acrescentar o “Molhe Norte”, como obra milagrosa… Santo Deus! Tanta ingenuidade e tanta teimosia!... Quem defende tal obra, de certo sofre de oftalmia ou tem interesse no negócio das areias!... É urgente contratar técnicos credenciados, de preferência Holandeses, para analisarem o precioso projecto elaborado pelo distinto Engenheiro Baldaque da Silva em 1913, do qual consta um Paredão a partir do cabo Mondego em direcção a Sul, a fim de construir um Porto Oceânico junto ao Cabo Mondego e Buarcos. Este Paredão, sim, será a única obra credível, não já para o tal Porto Oceânico mas sim para evitar que as areias vindas do Norte, se depositem na enseada, que depois a sucessiva ondulação arrasta-as e deposita-as na praia da Figueira, barra e rio."

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Andamos a lembrar pouco Abril cá pela Figueira...

Na obra teatral "Um Violinista no Telhado", Tevye é o leiteiro e judeu que vive na aldeia de Anatevka na Rússia em 1905. Trabalha arduamente, quase de sol a sol, para que nada falte à mulher e às suas cinco filhas. No entanto, no país, começam a soprar ventos pré-revolucionários que, mais tarde ou mais cedo, irão chegar à aldeia e alterar radicalmente as vidas e também os costumes e tradições dos seus habitantes. “O Violinista no Telhado”, porém, acaba por ser uma situação que nos afecta a todos, apesar de se passar numa comunidade judaica. Fala de famílias e de crenças. Portanto, “O Violinista no Telhado” não é só uma obra que pode ser entendida pela comunidade judaica. É uma peça que tem emocionado muita gente pelo mundo inteiro. Tevye é um pobre judeu. Pai de cinco filhas, mora numa pequena Aldeia, onde a maioria das pessoas são simples e, tal como ele, vivem acima de tudo condicionados pela tradição. Todavia, à medida que suas filhas se vão apaixonando, Tevye começa a sentir na pele as mudanças ideológicas que começam a “minar” a nova geração. Como homem de bom coração, deseja em primeiro lugar o bem de suas filhas. Porém, mesmo para ele, tudo tem limites. No fundo, o que Tevye teria desejado que tivesse mudado, é que as mudanças lhe tivessem proporcionado um pouco de mais bem estar económico.

O PS continua na mesma...

Em 2015, 41 anos depois do 25 de Abril de 1974, somos 10 milhões. Largos milhares de nós sem emprego. Milhões de nós a viverem abaixo do limiar da pobreza. Centenas de milhares de jovens a terem de emigrar e os que ficaram estão sem perspectiva de vida. As ruas estão cheias de sem-abrigo. Os velhos estão a morrer sem assistência ou a serem mal assistidos na morte.
Creio que nada é mais humilhante para a “esquerda” (leia-se PS) que esteve largos anos no poder e o “seu” 25 de Abril, do que esta simples constatação.

António Costa disse há tempos que se se pensasse como este governo, se acabaria a agir como este governo. 
Ontem, na apresentação do relatório onde se vai basear o programa eleitoral do PS, ao insistir no tema TSU e numa versão “mais moderada” da austeridade, ficou patente aquilo que já se sabia: que não consegue pensar fora do centrão ideológico e, pelo que disse o próprio António Costa, este PS acabará como acabou o PS Sócrates - a agir como este governo.
Do ponto de vista político, este PS já começou a dar tiros nos pés. Legitimou a pretensa pertinência de Passos Coelho em ter voltado ao tema TS: ao ter apresentado uma versão moderada da estratégia do PSD, acabou a caucionar  a acção governativa destes 4 anos.
Tudo como dantes: cá para mim, o prometido ligeiro alívio da austeridade só existe, por enquanto, porque o PS ainda está na oposição.

O povo é povo porque não percebe uma data de coisas. E como o povo não percebe uma data de coisas, o povo vai continuar a ser povo e a ser utilizado. 
Ora, era o que mais faltava. Quem manda, manda. E é muito mais fácil mandar quando se circula num bom carro. Com um bom carro, nota-se logo a diferença. O político fica cheio de confiança, chega mais rápido e começa a mandar com muito mais qualidade.
O povo, pode não perceber logo isso, porque o povo demora a perceber uma data de coisas, mas percebe logo que para mandar com mais qualidade é preciso que o político chegue montado num bom carro.

aF243


Corrida de carretas em Vila Verde


terça-feira, 21 de abril de 2015

No rescaldo do Bayern Munique - FC Porto...

Crónicas da treta...

A Figueira, em 2015, como pode ser lido aqui, tem umas contas fantásticas, quando vistas e analisadas pela pena competente, mas delirante, deste bem abençoado autarca que está no poder há quase 6 anos...
Pena é que os figueirense, perante as crónicas que dão conta disso, não acreditem.
Onde é que já se viu: termos a maravilha, que é a Figueira - a cidade e o concelho -, e os incrédulos figueirenses presos na realidade!..
Como é que se vai conseguir sair desta merda em que transformaram a Figueira de 2015 – nada mais, nada menos, que um fantástico bocejo!..
Uma coisa, porém, está em alta a animar a Figueira: os profissionais de crónicas da treta...
E, modéstia à parte, este blogue foi pioneiro em perceber isso - daí, como lhe compete, sublinhar e destacar esta importante realidade, desgraçadamente esquecida pela noite em que a Figueira acordou...

E se o Mediterrâneo secasse?

"Os EUA construíram um muro para impedirem a invasão de emigrantes vindo do México e de todas a América Latina, Israel fez o mesmo para se proteger dos Palestinianos, na Europa já começaram a surgir novos muros para proteger aqueles que dantes estavam do lado de lá de outros muros de emigrantes, só a Europa ainda não precisou de um muro porque tem o Mediterrâneo." 
Para continuar a ler, clicar aqui.

Deixem falar o homem, pois está a ser coerente: ele bem se esforçou quando foi primeiro ministro para acabar com os verdadeiros sindicatos...

Doutor Mário Soares, hoje no DN: "os portugueses que ainda vivem em Portugal, ou os milhares que saíram do país e gostariam de voltar, podem estar certos de que tudo vai mudar com a vitória de António Costa nas próximas eleições, no final de setembro. Não haverá necessidade de mais greves de comboios ou de quaisquer outros transportes, incluindo a TAP, que, com o Partido Socialista, não será privatizada."

Em tempo.
Em Portugal, nunca há inocentes: apenas quem não foi declarado culpado...

Há coisas que nunca mudam...

Há muito tempo que eu sei, por experiência própria, que a estabilidade no sector privado não passa de estórias para serem contadas aos putos...
"No primeiro trimestre, voltou a aumentar o número de empresas que fecharam as portas." 
Para quê preocupar-mo-nos com o futuro, quando tudo está tão bem no momento presente…

A importância das contas...

Depois de ler o pouco a que tenho conseguido ter acesso, sobre as contas de 2014 da autarquia figueirense, a constatação continua a ser simples e óbvia.
Antes dos mandatos do presidente João Ataíde, a Figueira não estava na moda, estava na merda.

Eu nasci em 1954, no tempo das dificuldades provocadas pela escassez de recursos económicos.
Durante a minha vida, até porque sempre vivi com parcos recursos, dei sempre valor à boa prestação de contas.
O meu pai era pescador e morreu muito cedo, apenas com 47 anos. A minha mãe ficou viúva e sem recursos.
Foi, assim, à força, que desde novo tomei contacto com a existência do dinheiro: nunca tive mesada.
Os anos 60 e 70 do século passado foram a época da minha vida em que aprendi que o dinheiro era um bem escasso e raro, destinado mais à poupança que ao consumo.
Aprendi, por necessidade, a não gastar de mais. Desde cedo, por opção própria, interiorizei que a educação financeira passava pela poupança natural e pela moderação dos consumos: a chamada autossustentabilidade.

Depois de Abril de 74 as coisas melhoraram para a maioria dos portugueses.

Mas, as coisas retrocederam muito em Portugal nos últimos 6 anos. No contexto de mudança em que nos encontramos actualmente, ainda de contornos mal definidos, mas onde já é visível, tal como acontecia nos primeiro anos da minha vida, a fome e a desvalorização do factor trabalho, o que coloca, de novo, a questão do dinheiro como um bem escasso e raro para a maioria dos portugueses e a revalorização da poupança associada à necessidade de olhar cada vez com mais cuidado e atenção a autossustentabilidade.
E o que vale para os cidadão, devia valer para a gestão das autarquias locais e do governo central.

Longe de mim, porém, ter o arrojo de pretender dar conselhos de poupança a alguém - sobretudo, aos políticos.
Todavia, ouso sugerir um investimento forte, duradouro e estruturado na educação para um consumo criterioso e moderado, não só por imposição de critérios políticos de austeridade macro, com profundas implicações micro, mas, por imperativos de uma filosofia de vida em sociedade orientada no combate ao desperdício e à plena utilização dos recursos disponíveis.
Estão a ver porque é que que eu sempre considerei que a passagem de Santana Lopes pela Figueira não serviu para nos meter na moda mas na merda?..
Os seus admiradores proclamam que Santana Lopes, como autarca figueirense, deixou obra feita no concelho. Os mais entusiastas, consideram-no mesmo o melhor presidente de câmara que passou pela Figueira.
Claro que seria estultícia negar que, em 4 anos, nada foi feito!... Principalmente,  foi gasto muito dinheiro!..
Mas, daí a que tenha desenvolvido a Figueira para lá do inimaginável constitui, a meu ver, um completo e despropositado exagero, que até deve ser incómodo para o próprio Pedro Santana Lopes…
O problema, ainda dos dias que passam aqui pela Figueira, é que  sobrou a dívida astronómica da autarquia figueirense, para a qual  Santana Lopes contribuiu de forma bastante significativa, cuja factura terá de continuar a ser paga ao longo de décadas.
Todos sabemos, porque todos os dias disso somos lembrados, que o endividamento é um dos principais problemas do País, em geral. E da Figueira, em particular. E, aqui pela Figueira, Santana é um dos principais culpados.

O GDCG na SportTV

Jogam com um pé na praia, no único campo pelado da Divisão de Honra de Coimbra, não recebem qualquer ajuda de custo ou prémio de jogo e apresentam-se como os últimos resistentes das praias da Figueira da Foz. Depois do desaparecimento do futebol distrital na Leirosa, Costa de Lavos, Buarcos e Quiaios, o Grupo Desportivo Cova-Gala transformou-se na bandeira futebolística das comunidades piscatórias do concelho. “Índios, Leiretas e Buarqueiros” é uma história sobre a união, o bairrismo, o futebol de rua e o jogo salgado dos pescadores da Figueira da Foz.
Para ver o vídeo promocional basta carregar na imagem.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Marcelo, há só um...

... este, e mais nenhum! 
"No monopólio da opinião não há lugar para mais nenhum. As pessoas gostam. E no Domingo há mais."

Sobre o que eu penso da utilidade de ser propietário de um blogue e de uma bicicleta...

A da esquerda, foi a minha primeira bicicleta
Escrever, ao contrário do que muita gente pensa, é a coisa mais fácil deste mundo.
Para mim, é escrever e andar de bicicleta...
Um gajo como eu, apanha-se com um teclado à frente e, depois, é só fazer combinações de letras e tentar que a coisa faça sentido para poder ser um livro. Como não conseguia isso, criei este blogue em 2006...
Tal desiderato permitiu-me, a partir daí, navegar por aqui, onde vou enganando meia Figueira (a outra metade não me lê, porque não são figueirenses...) e finjo que sei escrever sobre muitas coisas e tenho sempre assunto...

Os figueirenses já escreveram mais em blogues, mas ainda há alguns a escrever com alguma regularidade.
Há alguns, até, que conseguem fazer mais de 6 posts por dia!..
Eu vejo-me grego para fazer um...
Claro que espero que não interpretem o que acabei de escrever no sentido rigoroso... Se é verdade que, ao acordar, não me sinto o Giourkas Seitaridis, é verdade que, normalmente, ando com uma barba de 3 dias. 
A minha esperança é que, um dia, alguém repare nisso. É que um gajo, qualquer gajo, gosta de dar nas vistas...
Nada, portanto, como ter um blogue. Quando se sabe muita coisa, é muito mais fácil escrever coisas...