domingo, 21 de abril de 2024

No PSD, Paulo Leitão vai para o 4º. mandadto na distrital de Coimbra

Paulo Leitão foi reconduzido ontem, sábado, na liderança da Distrital de Coimbra do PSD, ao derrotar José Miguel Ferreira Ramos. Paulo Leitão teve 988 votos e a outra lista 903. 
Paulo Leitão, o actual presidente, ao derrotar o presidente da concelhia de Miranda do Corvo, José Miguel Ramos, que contava na sua lista, entre outros, com João Barbosa de Melo e João Moura como vice-presidentes, vai para o quarto mandato à frente da estrutura partidária distrital, 
A lista de Paulo Leitão tinha Raul Almeida e Jorge Custódio, como vice-presidentes, Filipe Carrito a tesoureiro e Luís Almeida a secretário. Entre os vogais, contam-se representantes de todo o distrito, designadamente Juliana Catarino, Paula Alves, Rui Fernandes, Cristina Faustino, Maria João Sobreiro, Diogo Fagundes, Tiago Cadima, Nuno Bandeira, Vítor Melo, Diana Santos, Henrique Carmona, Maria Guilhermina Antunes, Adriana Carnoto, Leonel Serra, João Abreu, João Tiago Neves, Jorge Prado, Dora Pontinha, Pedro Abrantes, Júlio Gaudêncio, Carlos Lima, Alexandre Leal, Tiago Ramos.
Na Figueira, onde curiosidade era o confronto entre Tiago Cadima e o Director-Geral Ricardo Silva (com funções profissionais suspensas, pois, actualmente, o único vereador eleito pelo PSD, nas autárquicas de 2021, faz parte do executivo camarário figueirense presidido por Santana Lopes), os resultados foram os seguintes.
No horizonte está a escolha dos candidatos autárquicos para as eleições de 2025.

Dissolução era sonho da direita...

«Segundo o Presidente da República, a dissolução "era um sonho antigo da direita portuguesa, desde 2016»...

sábado, 20 de abril de 2024

E a procuradora-geral da República não se demite?

"O acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa tem uma outra dimensão que o torna uma peça essencial que devia ser de estudo obrigatório para os magistrados do Ministério Público." - São José Almeida

Hoje à noite há teatro em Vla Verde

 Via Diário as Beiras

COMO?...

"O antigo Presidente da República Aníbal Cavaco Silva pediu que se deixe o actual executivo minoritário PSD/CDS governar e se analise posteriormente o que este fez em comparação com as promessas da campanha eleitoral."

Foi anunciado ontem por Santana Lopes: "piscina-mar, equipamento municipal encerrado desde o anterior mandato autárquico, reabre este verão"...

Via Diário as Beiras



ERSUC, "encontra-se fortemente endividada, distribui cerca de dois milhões pelos accionistas e penaliza os municípios com um aumento de 160%"...

 Via Diário as Beiras


Câmara da Figueira apresenta saldo positivo de 16.232 euros em 2023

Diário as Beiras.
"A Câmara da Figueira da Foz contabilizou em 2023 um saldo positivo de 16.232 euros, num ano em que reduziu o passivo em 1,7 milhão de euros e manteve o prazo médio de pagamentos em 16 dias.
Os documentos de prestação de contas, aprovados hoje com a abstenção do PS, registam um aumento considerável de 4,7 milhões de euros (31%) da despesa com a aquisição de bens e serviços e o acrescimento do pagamento de juros em mais de 374 mil euros.
Os gastos de pessoal também aumentaram 1,7 milhão de euros (10%) devido às atualizações remuneratórias e ao processo de descentralização de competências, que aumentou o número de funcionários.
“Foi um exercício económico difícil, com várias condicionantes. Apresentamos contas que refletem as repercussões da conjuntura atual, mas que demonstram o esforço do equilíbrio financeiro das contas municipais”, disse a vice-presidente da autarquia, Anabela Tabaçó.
A autarca, que detém o pelouro das finanças municipais, salientou ainda o aumento de dois milhões de euros na revisão de preços das empreitadas aprovadas em 2023, que representou um aumento de 61,5% face a 2022.
Na apresentação dos documentos, Anabela Tabaçó destacou ainda o impacto do “brutal” aumento das tarifas de resíduos sólidos impostas pela ERSUC-Resíduos Sólidos do Centro, que gerou um défice tarifário para o município de 636.767 euros em relação ao ano anterior.
Com uma receita arrecadada de 77 milhões de euros, a Câmara da Figueira da Foz registou um aumento nos impostos diretos, com destaque para o acréscimo de dois milhões de euros (mais de 50% em relação a 2023) na derrama municipal (aplicado às empresas).
Segundo a autarca, entre a extinção e a criação de novas empresas existe um saldo positivo de mais 111, que geraram um significativo aumento do volume de negócios.
A vice-presidente da autarquia liderada por Pedro Santana Lopes salientou que o Plano Plurianual de Investimentos registou uma execução de 82,59% relativamente aos processos já adjudicados e em execução.
As transferências para as Juntas de Freguesia totalizaram 1,36 milhão de euros, representando um aumento superior a 20% face a 2022.
O executivo do movimento Figueira a Primeira, que está no primeiro mandato, salientou ainda a redução de 1,7 milhão de euros no passivo municipal, que a 31 de dezembro era de 21,4 milhões de euros.
Apesar de optar pela abstenção, o PS assinalou com agrado a taxa de execução, a redução do passivo e o aumento da receita, nomeadamente da derrama.
“Este relatório de prestação de contas revela a relevância das propostas pelas quais o PS se bateu na discussão do orçamento, que permitiram um aumento das transferências para as freguesias na ordem dos 20%”, frisou a vereadora Diana Rodrigues.
A autarca socialista manifestou preocupação com a execução de projetos cofinanciados, nomeadamente do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), “que ditou uma redução na receita ao nível dos fundos comunitários”.
“Acreditamos que pela menor expressão do serviço de dívida e pelos aumentos de receita, é razoável ambicionar um investimento e uma execução mais robustos dos projetos mais fundamentais para o reforço da competitividade do concelho e das condições de vida dos figueirenses”, sublinhou.
O presidente da Câmara da Figueira da Foz, que encerrou a discussão da prestação de contas, realçou que dos 19 municípios que constituem a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra apenas cinco autarquias registaram saldos positivos."

sexta-feira, 19 de abril de 2024

A não perder, pois vai ser certamente uma noite especial...

Luís Osório amanhã no CAE

Passaram muitos anos, mas há quem tenha saudades de Kit Jones na Figueira...

 Via Diário as Beiras

Actualização às 18 horas e 5 minutos:
Na reunião de Câmara que se está a realizar neste momento, foi atribuída por unanimade a Medalha da Cidade da Figueira da Foz a Kit Jones.

No PS/Figueira já está no horizonte a escolha dos candidatos autárquicos para as eleições de 2025

Miguel Pereira, ex-vereador, agricultor, sindicalista e político gandarez,  também vai a votos para presidente da concelhia. Em outubro de 2023, a deputada Raquel Ferreira já tinha assumido a recandidatura à concelhia do PS/Figueira. 

Via Diário as Beiras


Segunda reunião de câmara de Abril realiza-se hoje

 Via Diário as Beiras

Agora imaginem que isto não era "tudo socialismo"...

Golpe de Estado


"Em 50 anos tivemos dois golpes de Estado sem sangue. 
Um, pelas mãos das Forças Armadas, devolveu a liberdade e a democracia ao povo, o outro, pela acção do Ministério Público, obrigou a eleições antecipadas e reconfigurou radicalmente o Parlamento. 
Dizem os guardiões da Acrópole que "não se pode avaliar o Ministério Público por uma decisão", afinal só se demitiu um primeiro-ministro, só caiu um Governo, a extrema-direita só ocupou 50 lugares no Parlamento, a cavalgar o descontentamento popular assente numa mentira, tenham lá calma. 
E além do mais, no país "colonizado pelo Partido Socialista", dos organismos do Estado à comunicação social, da Justiça às empresas, todos temos direito a ter uma cor política e uma preferência partidária
Agora imaginem que isto não era "tudo socialismo".

Imagem sacada daqui

Com os olhos postos nas autárquicas de 2025, PSD Coimbra vai a votos...

O actual presidente da distrital do PSD de Coimbra, Paulo Leitão, e o presidente da concelhia de Miranda do Corvo, José Miguel Ramos, disputam este sábado a liderança da distrital social-democrata de Coimbra. 
Como curiosidade extra para os figueirenses, Tiago Cadima e o Director-Geral Ricardo Silva (com funções profissionais suspensas, pois, actualmente, o único vereador eleito pelo PSD, nas autárquicas de 2021, faz parte do executivo camarário figueirense presidido por Santana Lopes) vão a votos por listas diferentes.
No horizonte está a escolha dos candidatos autárquicos para as eleições de 2025.
Para ver melhor clicar em cima da imagem
As eleições para os órgãos distritais do PSD de Coimbra vão decorrer, entre as 14:00 e as 19:00.
Ao acto concorrem duas listas. À liderança, concorrem Paulo Leitão, antigo deputado e antigo vereador na Câmara de Coimbra, e José Miguel Ramos, presidente da concelhia social-democrata de Miranda do Corvo e gestor de projetos hoteleiros.

Face à proximidade das eleições autárquicas de 2025, os dois candidatos assumem como principal desígnio garantir que o PSD passe a liderar a maioria dos municípios no distrito, algo que não acontece desde 2005.
Paulo Leitão disse à agência Lusa que o principal motivo da recandidatura está relacionado "com os resultados obtidos" nas autárquicas de 2021, em que o PSD "reconquistou a liderança de três municípios [Penacova, Góis e Coimbra, a última numa coligação] e, nas restantes, que são lideradas pelo PS, subiu consideravelmente em votos e mandatos".
Também José Miguel Ramos assumiu como "grande ambição" que os sociais-democratas passem a ser maioritários no distrito, considerando que, para isso, será importante "activar e dinamizar estruturas", abrir o partido e assegurar "um programa de desenvolvimento para a região a dez anos".
Os dois candidatos veem com bons olhos uma recandidatura do actual presidente da Câmara de Coimbra, José Manuel Silva, que encabeçou uma coligação que juntou PSD, CDS-PP e outros partidos, bem como o movimento Somos Coimbra, cujos membros foram incluídos nas listas através do Nós, Cidadãos!.
Relativamente à Figueira da Foz, as duas listas defendem um diálogo com Santana Lopes, actual presidente da Câmara eleito por um movimento independente, para uma possível recandidatura pelo PSD ou que agregue as duas forças.
Para além das eleições para a distrital, decorrem também este sábado as eleições para várias das concelhias, entre as quais a de Coimbra, onde foram apresentadas duas listas, uma encabeçada pelo actual presidente, João Francisco Campos, e outra liderada pela antiga directora regional da Cultura do Centro, Celeste Amaro.

quinta-feira, 18 de abril de 2024

Mais arroz?..

Será que o Montenegro vai bater a perfomance do Costa?

«De acordo com o Correio da Manhã, a ex-jornalista da RTP, Patrícia Cerdeira, demitiu-se depois de ter sido confrontada pelo diário sobre as publicações que fez há alguns meses nas redes sociais, nas quais criticava o Ministério Público e a PJ e apoiava António Costa, ex-primeiro-ministro.    

Ex-assessora do ministro da Economia no último Executivo de Costa, Patrícia Cerdeira, segundo o jornal, referiu que as vítimas são quase sempre os governantes. "Esqueci-me de dizer uma coisa. Que nunca tenhamos o azar de cair nas mãos do Ministério Público", escreveu em dezembro do ano passado, no dia em que Marcelo dissolveu o Parlamento.»

Malta do Viso


Abrigo da Montanha vai ter obras de adaptação para ser transformado num centro de estudos sobre movimento de areias, erosão costeira e outras matérias relacionadas com o mar, e também com as alterações climáticas

 Via Diário as Beiras

O silêncio tem sido de ouro no PSD sobre esta questão...

A excepção foi Ferreira Leite, que considerou inaceitáveis as declarações de Passos Coelho.

Manuela Ferreira Leite, antiga líder do PSD, reagiu à entrevista de Passos Coelho ao Observador, no âmbito dos 50 anos do 25 de Abril, e não poupou nas críticas ao ex-primeiro-ministro: “timing escolhido para a entrevista, o conteúdo das declarações e a nomeação específica das pessoas que foram nomeadas torna esta intervenção absolutamente inaceitável.”

Aos olhos de Manuel Ferreira Leite, confrontada com a hipótese de esta entrevista fragilizar Montenegro, disse apenas que “fragiliza quem as fez”.

Ciclo de Conversas sobre Mário Soares, tem uma sessão esta noite, pelas 21H30, no Auditório Madalena Biscaia Perdigão.

 Via Diário as Beiras

quarta-feira, 17 de abril de 2024

"Isto é gozar com quem trabalha", ou, simplesmente, "a insustentável leveza do ser"?..

Imagem via TSF

Nota de rodapé.

Como sabem, "isto é gozar com quem trabalha", é um programa de televisão e "a insustentável leveza  do ser", é um dos romances míticos do século XX, uma daquelas obras raras que alteram o modo como toda uma geração encara o mundo que a rodeia.

Mercado do Duque recria invasões napoleónicas na próxima semana

 Via Diário as Beiras

"O Mercado do Duque – Na Rota das Invasões Francesas realiza-se de 25 a 28 deste mês, na praça João Ataíde. Este evento esteve programado para as férias da Páscoa, tendo sido adiado, para a próxima semana, devido ao mau tempo que naquela altura afetava a cidade e o país.
Este evento, promovido pela Junta de Buarcos e São Julião, com o apoio do Município da Figueira da Foz, substitui a Feira Medieval Infante D. Pedro, que se realizava, há vários anos, junto ao Forte de Santana Catarina, certame criado pelo anterior executivo da junta.
Os executivos da Junta de Buarcos e São Julião e da Câmara da Figueira da Foz entenderam que a feira medieval não encontrava contexto na história de uma cidade com 142 anos. Nem a vila da Figueira da Foz tinha qualquer ligação à Idade Média."

Já somos dois...

 Via Diário as Beiras

António Bilhano vigiou entrada e saída de presos políticos em Caxias: "Gostava que os portugueses tivessem mais respeito por aquilo que os militares fizeram para termos liberdade"

Dez & 10...

 Via Diário as Beiras

Por alguma razão, as pessoas insistem em acreditar que irão passar entre os pingos da chuva sem se molharem...

 Carmo Afonso

"Luís Montenegro tem revelado uma estratégia clara para gerir problemas: sorri e faz de conta que não tem de responder ou de esclarecer nada. Coloca-se acima do escrutínio público e dá a conhecer as suas sentenças em causa própria que invariavelmente ditam que está tudo bem. 

Um Governo de maioria absoluta caiu em condições que todos conhecemos. Cuidados redobrados com estes assuntos era o que se exigia ao novo Governo. Só que não. O novo Governo acaba de revelar a mesma consciência que um grupo de adolescentes numa festa de bar aberto. Portugal não é o melhor país do mundo e os portugueses também não são perfeitos. Mas merecíamos melhor do que isto."

Governar para as grandes empresas

ESTE, O DA FOTO ABAIXO, VAI SER UM DOS MAIS RICOS DO CEMITÉRIO...

"... só a EDP pode esperar ter logo uma borla de 250 milhões de euros, obviamente canalizada para o bolso dos acionistas. O “orleanista” Lobo Xavier tem razões para sorrir. O distinto fiscalista sempre defendeu esta corrida para o fundo em matéria de IRC."

terça-feira, 16 de abril de 2024

Mais arroz...

Acusada por fraude em fundos europeus, Patrícia Dantas já não será adjunta no Ministério das Finanças.
Depois de notícias sobre um processo onde está a ser julgada por fraude para obtenção de fundos europeus, Patrícia Dantas decidiu não assumir as funções de adjunta do Ministério das Finanças, avança o Ministério num comunicado enviado esta terça-feira.

“Na sequência de notícias veiculadas pela comunicação social, sobre um processo que teve início em 2017 e que está ainda a decorrer nos locais próprios, sem que sobre o mesmo tenha sido proferida qualquer decisão judicial, Patrícia Dantas, mantendo a presunção da inocência que se impõe e após ponderação, comunicou ao Sr. Ministro de Estado e das Finanças que decidiu não assumir as funções de adjunta do Ministério das Finanças“, lê-se no comunicado.
mantendo a presunção da inocência que se impõe e após ponderação, comunicou ao Sr. Ministro de Estado e das Finanças que decidiu não assumir as funções de adjunta do Ministério das Finanças“, lê-se no comunicado.
Em causa está um processo judicial onde se investiga um crime de fraude na obtenção de subsídio, que está em fase de julgamento, de acordo com a notícia publicada no Correio da Manhã esta terça-feira. Patrícia Dantas foi acusada pelo Ministério Público, há seis anos, no megaprocesso da já extinta Associação Industrial do Minho, por suspeitas de ter emitido faturas falsas para obter fundos europeus.
A economista, de 52 anos, já foi deputada do PSD, eleita pela Madeira. Na altura a que diz respeito o processo, era presidente executiva da Startup Madeira."

Ex-ministro da Saúde do primeiro Governo de António Costa

 Via Diário de Notícias

O prefácio esteve a cargo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e a apresentação vai ser feita por Luís Marques Mendes. Adalberto Campos Fernandes foi ministro do PS. Podia bem estar como ministro no governo da AD...

Ministério Público arquiva processo contra deputado do Chega

 Via SIC NOTíCIAS
Filipe Melo teria prestado falsas declarações em tribunal, mas, afinal, não estava sob juramento quando o fez.
"O Ministério Público arquivou o processo contra Filipe Melo. O deputado do Chega era suspeito de prestar falsas declarações em tribunal.
Filipe Melo declarou perante o juiz que desconhecia a existência de uma ata de uma reunião interna do partido. No entanto, a ata em causa estava assinada pelo próprio deputado.
Agora, o Ministério Público apurou que, durante estas declarações, o deputado não estava sob o juramento do tribunal que o compromete a dizer a verdade.
crime de falsidade de depoimento ou de declaração não pode, por este motivo, ser considerado e o processo que envolvia o deputado foi assim arquivado.
história remonta a 2021, quando José Moreira, adjunto da Distrital de Braga do Chega, foi exonerado. Quando a distrital se arriscou a ficar sem quórum para continuar funções, Filipe Melo terá revertido a exoneração, de modo a evitar eleições internas.
A decisão deu origem a um processo no Tribunal de Braga, onde a ata do primeiro encontro em que José Moreira foi exonerado acabou por ser protagonista. É que Filipe Melo garantia desconhecer a existência da mesma. Mas, quando o processo passou para a esfera criminal, a ata acabou por ser entregue à Justiça e estava assinada a caneta pelo próprio deputado do Chega."

Universidade de Coimbra quer arrancar com os primeiros cursos superiores no próximo ano lectivo

 Via Diário as Beiras

De 22 a 28 deste mês, pelas 21H00, tertúlias de leitura com livros censurados na Biblioteca Municipal

 Via Diário as Beiras

O objectivo é ensinar conceitos básicos de literacia financeira aos alunos

 Via Diário as Beiras

A cassete de Ferraz da Costa, o 1º Presidente da CIP...

"A CIP organizou um Congresso nos dias 21 e 22 de Fevereiro na Alfândega do Porto sob o lema “Pacto Social. Mais Economia para todos” com a participação de especialistas do PSD, PS e independentes, para responder a 6 questões: 1) O que está em jogo nestas eleições; 2) Como fazer crescer Portugal; (3) Como reter talento em Portugal; 4) A competitividade regional multiplica o crescimento? 5) Menos impostos, mais economia? 6) É possível aumentar salários sem aumentar a produtividade? Perguntas pertinentes para uma resposta simples: sim, tudo é possível à custa do orçamento de Estado e dinheiro dos contribuintes, do bem estar da maioria dos portugueses e de maior exploração dos trabalhadores! 

O que ficou inscrito no Programa Eleitoral do PSD agora vertido em Programa do Governo ADA lenga-lenga está toda na resposta da CIP à 6ª Pergunta: “Os salários em Portugal são baixos. (reconhecerem tal é um passo em frente!) A questão que se coloca é a de como aumentar de forma sustentável os salários sem prejudicar a competitividade (erro:queriam dizer lucro) das empresas e o seu futuro. Temos de criar mais riqueza para a poder distribuir (Oh, há quanto tempo não ouvíamos tal prece!). A resposta está no aumento da produtividade, com concentração de recursos (de quem?) em políticas públicas (Ah, os do Estado!) com estratégia económica, mas (cautela!) sem dirigismos económicos que interfiram nas decisões que cabem às empresas (Oh senhores, quem manda é quem paga, já dizia a Drª M. F. Leite)"... 
Para continuar a ler, clicar aqui.

Choque fiscal no IRS, uma promessa escrita na água

 Via Jornal Público

Para ler melhor clicar na imagem

segunda-feira, 15 de abril de 2024

Brenha sente-se intimidada e ameaçada...

Via Diário as Beiras
«Brenhenses vivem em clima de “medo e insegurança”

A luta pela hegemonia nas direitas está ao rubro...

A vingança serve-se fria e num prato irrevogável

Os ideais de Abril

Coronel Carlos de Matos Gomes, escritor e antigo militar, no Diário de Notícias.

"O 25 de Abril era um movimento social que pretendia justiça social, agregar as pessoas em torno dos mesmos valores. Ora, a sociedade de hoje é a do indivíduo isolado, atomizado. O individualismo está a destruir os ideais de uma vida coletiva de justiça, cooperação, contrato social, aceitação do outro. O que estamos a assistir é a cada um defender o seu território e a juntar-se aos outros para destruir os que estão organizados. O neoliberalismo atual é claramente a negação do que o 25 de Abril propunha, mas também as revoluções do século XX eram o contrário do que foi a Revolução Francesa. Não podemos prever o futuro, mas neste momento há uma oposição entre a civilização de hoje e o modo de vida que o 25 de Abril propunha."

Parede na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa...

Daqui. 

Uma imagem vale mais do que mil palavras...

Nota de rodapé: Paulo Otero defende a família tradicional como um "santuário da vida"

Teve a merecida resposta.

Alívio no IRS? Luís Marques Mentes: Montenegro mentiu, não foi ambíguo e foi claro

Luís Marques Mendes afirmou ontem na SIC  que o Executivo de Luís Montenegro "não mentiu", mas também não foi claro. Criou e alimentou a ambiguidade.

Tal como fez Luís Marques Mendes, a tentar dourar a pílula ("no primeiro casinho da era Montenegro, o Governo não esteve bem"), as esfarrapadas explicações para evitar o mais possível de danos ao Governo e a Montenegro, face à denúncias entretanto feitas, arrasam-se de uma forma muito simples.

Perguntando simplesmente isto: porque é que, em vez de andarem a falar de 1.500 milhões, não falaram antes e só de 200 milhões?

Como explica Filipe Tourais, «Pedro Nuno Santos apontou o embuste. 

O “choque fiscal” em sede de IRS, aquela que foi apresentada por Luís Montenegro como a principal medida da sua governação e alegada  sucedânea dos aumentos salariais que o PSD também põe  à espera  da chegada da fada da produtividade, afinal apenas acrescentará cerca de 200 milhões à redução de 1327 milhões já em vigor, inscrita em Orçamento pelo Governo anterior. A revelação  do novo Ministro das Finanças em directo no telejornal da noite passada não deixa de ser uma originalidade. Montenegro andou a fazer campanha e a conquistar votos a vender medidas do principal adversário como sendo suas. 

De facto, Montenegro coloca o país perante uma enorme impostura, de sua exclusiva responsabilidade e autoria. Mas também podemos olhar para a trapaça como elogio, porventura o maior que António Costa recebeu do sucessor até agora. 

Sempre que a governação muda de cor e, apesar das animadas discussões para consumo mediático,  o  sucessor prolonga no tempo o essencial das medidas do antecessor, o elogio está lá, no meio do amontoado de coincidências plenas que as teatralizações de ambos transformem nas mais estridentes diferenças. Estas produções valem o que valem e não passam de espectáculo. 

Infelizmente, os foguetórios não melhoram a vida a ninguém.»

E se a moda pegasse e a praia fosse interditada a azêmolas na zona do Cabo Mondego?..

Ao que conseguimos apurar o jerico terá fugido do seu abrigo, próximo da «Colina do Elétrico». Talvez, por estar muito calor, ser domingo e haver muitos generosos biquinis pela zona, fez como outros fazem: dirigiu-se até à beira mar, na zona do Cabo Mondego, ao final da tarde.
Aprecebendo-se  que a estrada tinha demasiado trânsito (chamem-lhe asno!..) o jumento, seguiu pelo passeio até ao Tucano Beach Bar.
Entretanto, chegaram os Bombeiros sapadores da Figueira da Foz e resolveram o problema: imobilizaram o burro e entregaram-no ao dono.
Hoje, este asno, ao contrário de outros que o fazem habitualmente, é notícia no Diário as Beiras, por ter ido dar uma "espreitadela" até à beira mar figueirense!
Na Figuiera, pode-se ser burro, besta, asno, burrinho, jerico, jumento, macho.
Não se pode é ter a fama...

domingo, 14 de abril de 2024

Simone de Beauvoir nunca provocou grandes empatias e foi sempre objecto de discussões sem fim sobre a sua importância relativa quando comparada com a de Sartre...

«A vida não é uma coisa que se tenha, mas sim algo que passa», disse Simone de Beauvoir que morreu em 14 de Abril de 1986, com 78 anos. 

Montenegro, um estado de graça maior do que o de Santana Lopes

 Via jornal Público. Ana Sá Lopes

Para ler melhor clicar na imagem

Da série grandes primeiras páginas (continuação)

Capa do Expresso, edição de 12 de Abril de 2024

"... o diabo está nos títulos, que é o que a maior parte das pessoas leem."


Nota de rodapé: 
"A inventona governamental da descida do IRS", na expressão de Vital Moreira...

André Coelho Lima é uma figura nacional que foi cabeça de lista do PSD por Braga em duas legislativas

"Existe uma direita decente, tem é andado na clandestinidade".
Imagem: daqui

sexta-feira, 12 de abril de 2024

IRS e SMN

"Montenegro fez o anúncio que marcou o primeiro dia de debate do programa de Governo, a descida do IRS já em 2024, mas decisões como as tabelas de retenção ficam para o próximo Conselho de Ministros."

O que falta saber? A anunciada descida de IRS era uma promessa eleitoral, mas depois da tomada de posse, o ministro de Estado e das Finanças alertou para os riscos orçamentais e somaram-se outros avisos para os riscos de desequilíbrio das contas públicas. O primeiro-ministro desfez as dúvidas: a descida de IRS avança mesmo este ano, mas não esclareceu uma primeira dúvida: à descida das taxas, haverá também alterações aos escalões de IRS?

Neste momento, nas televisões por cabo os debates são só sobre o IRS. E o salário mínimo?

O "governo compromete-se a aumentar salário mínimo nacional em linha com inflação e produtividade".

Dizer isto,  é desconhecer, do ponto de vista técnico, qual é a definição de “Salário Mínimo” e de para que é que este é fixado em algumas sociedades mais evoluídas do ponto de vista social.

O “Salário Mínimo” serve, TECNICAMENTE, para garantir que “alguém com um trabalho a tempo inteiro NÃO vive na miséria”. Se assim é, então o salário mínimo deve ser INDEXADO à INFLAÇÃO (aumento ou decremento do custo de vida) e NUNCA a quaisquer medidas de produtividade.

Lembram-se qual foi o governo "que baixou em Portugal o salário mínimo"?

Pois foi o governo de Passos Coelho e Paulo Portas que, em Setembro de 2012, baixou  salário mínimo, pela primeira vez, desde que foi criado. Esta foi uma consequência directa do aumento da taxa social única (TSU) em sete pontos percentuais, que se aplica a todos os trabalhadores de forma indiferenciada. 

Esta medida afectou cerca de 10% das pessoas que trabalham por conta de outrem. Na altura, o salário líquido bruto era de 485 euros. Líquido, deduzido da taxa social única de 11%, ficava em 431,65 euros. Passando esta taxa para os 18%, o salário mínimo líquido passou para 397,7 euros.

Tudo foi tratado por igual pelo governo PSD/CDS em Setembro de 2012: um trabalhador que ganhava cinco mil euros por mês, foi tratado da mesma maneira que um desgraçado que ganhava o ordenado mínimo. Brilhante

Como escreve Carmo Afonso hoje no Público, "vão aumentar o salário mínimo nacional porque o futuro será extraordinário...

É fundamental atentar no que diz o programa do governo sobre o aumento do SMN. Dizer que o objectivo do governo é aumentar o SMN é como dizer que o objectivo dos trabalhadores é que o SMN aumente. Não vincula ninguém a coisa alguma."

Ontem ouvimos Miranda Sarmento falar da relação entre o aumento do SMN e crescimento económico.

Isto é muito preocupante. "Os 900 mil trabalhadores que ganham o SMN, podem ir buscar um banquinho para esperarem sentados."

Miranda Sarmento, agora ministro das Finanças, desde Outubro de 2021 certamente que não mudou. Lembram-se dele? O presidente do Conselho Estratégico Nacional do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, considerava que o  aumento do salário mínimo devia ser "substancialmente inferior" ao que tem sido admitido, que colocaria a fasquia nos 705 euros no próximo ano, isto é, em 2022.

"Dizer que o objectivo do Governo é aumentar o SMN é como dizer que o objetivo dos trabalhadores é que o SMN aumente. Não vincula ninguém a coisa alguma."

A memória é tão curta na Figueira...

Imagem via Diário as Beiras. Para ler melhor clicar na imagem.

Recordo algo que escrevi na edição do mês de Novembro de 2021 na Revista ÓBVIA

"Na Figueira, em 2021 e anos seguintes, concorde-se ou não, a vida política vai passar por políticos como Santana Lopes - aqueles que sabem aproveitar as oportunidades pessoais. 
Santana sempre foi mestre a aproveitar as falhas dos chamados "notáveis", que desprezam num partido enraizado no povo, os militantes. Os "baronetes" das concelhias e das distritais, têm de si próprios e da sua importância uma ideia desproporcionada do peso real que lhes é dado pela máquina partidária dum partido com Povo, como é o PSD. 
Sem esquecer que na "elite" local há quem se oponha, não me admirará que o verdadeiro "proprietário" do PSD Figueira, nos próximos tempos, venha a ser, não alguém que defenda a aproximação a Santana, mas, ainda que por interposta pessoa, o próprio Santana Lopes. E Santana Lopes, se assim o quiser, nem vai precisar de tornar a ser militante do PSD... 
Acham estranho? Lembram-se o que aconteceu ao PS depois de 2009? O PS Figueira passou a partido municipalista liderado por João Ataíde, que nunca foi militante socialista. Para o PSD Figueira, o comboio de amanhã já passou há semanas. 
Ventos e marés podem contrariar-se, mas há muito pouco a fazer contra acontecimentos como o que aconteceu ao PSD Figueira nas autárquicas 2021. Em 2021, que saída tem um PSD Figueira confrontado com uma escolha entre a morte por asfixia ou por estrangulamento? 
Resta Santana Lopes, um político que, como ficou provado na anterior passagem pela Figueira, continua em campanha eleitoral, mesmo depois de ter ganho as eleições?"

Portanto, Ricardo Siva (e quem está acima dele...) apenas conseguiu atrasar o percurso natural do processo político em curso na Figueira alguns anos. 
Como escrevi na minha página no facebook, a aproximação do PSD ao presidente da autarquia, “foi uma questão que acaba por ser natural”. Isto, porque “houve um plenário de militantes em que foi aprovada, por unanimidade, uma moção sobre essa aproximação”.
Não foi isso que acabou por acontecer na sexta-feira, dia 2 de Junho de 2023, com a cooptação de Ricardo Silva por Santana Lopes, o único vereador que os 10,83% conseguidos pelo PSD/Figueira, em Setembro de 2021, permitiu eleger?
Imaginemos que o vereador cooptado por Santana Lopes não era Ricardo Silva, número dois na lista, mas Pedro Machado, que foi quem, efectivamente, foi eleito, ou o número 3, 4, 5, 6, que já nem lembro quem foram, não seria isto que todos pensariam?
Portanto, o problema da equação é - e continua?..., a ser apenas, um: Ricardo Silva e o passado que o vai perseguir para o resto da vida.

A beleza está na simplicidade.
Pensar simples não é para todos.
E a memória é tão curta na Figueira...
Na passada quarta-feira, no Dez & 10, quase 3 anos depois, vejo que a minha análise de Novembro de 2021 sobre o futuro da Figueira está a confirmar-se em plenitude.
Em Setembro de 2025 teremos mais um capítulo.