.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

A Figueira, de vez em quando, tem necessidade de ouvir homens que não saibam mentir como os outros...

foto Pedro Agostinho Cruz
"A celebração dos 40 anos do 25 de Abril, da responsabilidade da Assembleia Municipal teve como novidade a palavra do “orador oficial”, António Augusto Menano, que recordou os acontecimentos ocorridos na Figueira naquela data e os seus protagonistas. Uma excelente oportunidade para o dar a conhecer aos mais jovens. Boa intervenção de quem viveu de perto os antecedentes. História que deve ser recordada." 
Daniel Santos, engenheiro civil, hoje no jornal AS BEIRAS.

X&Q1206


A valsinha das medalhas, ou o esplendor da promiscuidade...

Via Delito de Opinião:
"Quando um Presidente da República, tendo feito o discurso que fez no dia 25 de Abril pp., em seis condecorações que resolve atribuir se permite entregar cinco aos correligionários do seu partido político e antigos colaboradores, incluindo ao seu ex-director de campanha, é legítimo que os portugueses possam dele esperar que antes do final do mandato seja suficientemente justo para também condecorar a mulher que o atura, a filha, o genro, o resto da família, e todos os militantes da sua agremiação que tenham as quotas em dia.
Há muito que eu tinha a percepção de que o Infante D. Henrique e mais algumas figuras gradas da nossa História levavam tratos de polé. Nunca pensei que um Presidente da República lhes faltasse ao respeito desta forma tão descarada e ostensiva. E que os humilhasse tanto. E com eles ao resto da nação."

Adeus Abril

25 de Abril, Lisboa 2014. Foto de Alfredo Cunha
Hoje é último dia de Abril.
Na Figueira aconteceu.
Na cidade, porém, a nível de jornais, rádio e televisão, parece-me que ninguém deu por nada.
Daqui a 10 anos, os sobreviventes festejarão de novo a data apesar do reumático
A pergunta “onde é que você estava no 25 de Abril?” fará cada vez menos sentido e haverá cada vez mais gente a baralhar 1974 com 1794, ano em que Robespierre mandou guilhotinar Danton, para morrer ele próprio de cabeça decepada pouco tempo depois, episódio que ainda hoje contribuirá em muito para fundamentar a ideia de que a natureza humana é mesmo do piorio.
Por cá, tivemos o Salgueiro Maia mas, ainda assim, há quem ache que nunca fiando...
“O caso do Salgueiro Maia é um caso comovente, para nós portugueses e para nós sociedade foi um bem ele ter morrido. É muito cru dizer isto, para a família e para ele é uma infelicidade, mas nós precisávamos de um puro. (...) Se ele continuasse a viver não sei se aguentaria isso. Não é possível tanta aspiração de beleza e de pureza numa figura viva”, resumiu cruamente Lídia Jorge, naquilo que poderá ser interpretado como uma defesa do axioma “um herói bom é um herói morto”.
O tempo, esse grande escultor, aproximará ainda mais o 25 de Abril do 5 de Outubro, mandando para o galheiro da História as declarações pomposas de Luís Montenegro (que, aliás, tinha um ano e usava fraldas no 25 de Abril): “Isto não é o 5 de Outubro na Praça do Município”, justificando assim o inconseguimento de não deixarem falar os militares de Abril na Assembleia da República, e eu se fosse militar também me chateava, pá e mandava o Luís Montenegro mudar de fraldas (citando naturalmente Eça...), já que a ingratidão é uma coisa muito feia e esta coisa do “25 de Abril é de todos”, como disse o ministro da Defesa, pode cair muito bem num salão 40 anos depois, mas o facto é que alguém teve de dar o corpo ao manifesto que não se foi lá por geração espontânea nem por obra e graça de nenhum soft power sagrado.
Amanhã começa Maio. 
Por cá, "Folclore nas ruas” assinala a data.

Mais um que vai comer uma grande posta de pescada que lhe permitirá continuar a dar os consequentes arrotos...

Percurso político e académico compensam falta de experiência empresarial de Frasquilho, conclui CRESAP...

Estupidez é o que continua a haver mais...

Jorge Coelho diz que PS tem de ganhar eleições “custe o que custar”!..

Concurso nacional Penteados Figueira 2014


terça-feira, 29 de abril de 2014

“Somos todos macacos”...

E somos todos espontâneos? 
Afinal, há uma campanha publicitária por trás do gesto de Dani Alves comer a banana racista que lhe atiraram...

"partidos"

As transformações sociais nunca foram feitas pelos indivíduos, por mais brilhantes e cultos que eles sejam.
As transformações sociais foram sempre feitas pelas massas populares.
Sem a participação das massas, nunca houve revolução.
É por isso, que uma das tarefas de quem pretende contribuir para a transformação da sociedade em que se insere, deveria passar por tentar contribuir para elevar nível da consciência cultural dos seus pares.
Se pretendemos contribuir para transformar a sociedade em que nos inserimos em algo melhor, temos de tentar compreender as suas características na actualidade - nomeadamente o seu “carácter capitalista dependente” - e o papel que desempenhou o neo liberalismo na actual situação figueirense, e não inscrever-se à pressa como militante do partido do poder para manter a todo custo o cargo e as mordomias.
No cansaço que é a vida, desistir é sempre uma opção.
Os figueirense podem parecer alheios a tudo quanto por cá se tem passado, mas não estão.
As almas do poder que não fiquem descansadas: há vida no meio do povo figueirense.

Algo de novo no jornalismo

    Para ver clicar aqui.

"Precisamos de denunciar a captura de poderes autárquicos e serviços municipais ou estatais por interesse privados especulativos e opacos..."

A propósito das recentes notícias de abertura do TITANIC, talvez não
seja desapropriado lembrar o que pensa a arquitecta Helena Roseta acerca do monstro.

A história do Plano de Pormenor do Vale de Galante reúne tudo o que não deve ser feito no ordenamento do território. A espiral de trapalhadas e multiplicações de valor sucessivas, a partir de um terreno municipal destinado inicialmente a um equipamento desportivo – tanto quanto sei, uma piscina – para acabar, depois de sucessivas decisões precipitadas ou pouco claras, num aparthotel com 16 pisos e 6 torres com mais de 200 fogos, é um escândalo nacional que não pode passar impune.
Para continuar a ler, clicar aqui.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Havana os juntou...

foto sacada daqui.

Luís Vaz de Camões.

Um Profeta da Figueira... 

E o do supositório!..

VASCO GRAÇA MOURA 1942-2014

Uma grande figura da cultura portuguesa...
Em devido tempo, foi devidamente apreciada e registada neste blogue a sua coerência na questão do Acordo Ortográfico.

Zé Martins - 14 anos depois continua vivo na minha memória

O MESTRE
Morreu em 28 de Abril de 2000.
Tinha nascido a 17 de Fevereiro de 1941.
Nome completo: José Alberto de Castro Fernandes Martins.
Para os Amigos, simplesmente o .
Purista do verbo e do enredo no dissertar da pena, concebia o jornalismo como uma arte e uma missão nobre.
Também a lança pode ser uma pena/também a pena pode ser chicote!”
Andarilho e contador de histórias vividas, passou em palavras escritas pelo Notícias da Figueira, Diário de Coimbra, Diário Popular, Jornal de Notícias, Diário de Lisboa, República, Opinião, Vértice, Mar Alto (de que foi co-fundador), Barca Nova (de que foi fundador e Director) e Linha do Oeste.
No associativismo passou pelo Ginásio Clube Figueirense e Sociedade Boa União Alhadense.
Lutador contra o regime deposto pelo 25 de Abril de 1974, teve ficha na PIDE.
Foi membro da Comissão Nacional do 3º. Congresso da Oposição Democrática que se realizou em 1969 em Aveiro.
Chegou a ser preso pela polícia política.
Com a sua morte, a Figueira perdeu uma parte do seu rosto.
Não a visível, mas a essencial.

No cansaço que é a vida, desistir podia ter sido uma opção...

A foto é de 1943 e foi sacada daqui
Na altura, vivia-se em plena II Grande Guerra. 
Aqui, neste cantinho à beira-mar plantado imperava o desemprego, o medo, o racionamento, a miséria e a fome. 
Éramos gente cabisbaixa, vencida e resignada, entregue a um destino sem sentido e ferida na sua dignidade. 
Valia o altruísmo de alguns a quem doía a visão da fome e da miséria. Estávamos em 1943 em plena Cova num local que alguns, porventura, ainda reconhecerão. 

Hoje, que temos de novo "o regresso da sopa dos pobres como modelo social", outros,  reconhecerão o mesmo olhar e a mesma resignação em largos milhares de nós. 
Hoje, todos sabem que o Programa Alimentar de Emergência cresceu paralelamente à redução das prestações e do âmbito do rendimento social de inserção (RSI), que apoia cada vez menos pessoas apesar do evidente aumento das necessidades. 
Todavia, todos os especialistas consideram que um grande alargamento do RSI seria a medida mais justa, mais respeitadora da dignidade das pessoas, mais promotora da sua autonomia e até mais benéfica para a economia nacional. 
Porque é que o Governo gosta de distribuir sopa, mas reduz o RSI? 
Porque o RSI proporciona uma autonomia que o Governo não quer promover. 
O RSI serve para fazer sopa ou para um bilhete de autocarro. 
A sopa é só sopa.

Promovendo campanhas de propaganda sem escrúpulos, o Governo e a direita em geral, conseguiram difundir a ideia de que o RSI promovia a preguiça e atrofiava a iniciativa, além de gastar recursos gigantescos. Era e é mentira, mas a campanha ajudou a estabelecer a sopa dos pobres como modelo social alternativo. 
Mota Soares prefere dar sopa e anunciar que os pobres podem fazer bicha para a sopa. 
É bom para o Governo e lava a alma. 
É maravilhoso ter muitos pobres a quem dar sopa, porque quem dá sopa aos pobres pratica a caridade e quem pratica a caridade está na graça de Deus.
É por isso que Mota Soares exulta com a sopa dos pobres. 
Por isso, e porque sabe que na bicha da sopa só estarão os filhos dos outros. 

Uns anos depois da foto acima, no final dos anos 50 e anos 60, que é onde consigo recuar nas minhas memórias vividas, a Cova e Gala não era pacata, era obediente
Como são obedientes todos os povos que vivem em ditadura. 
E quem não o era – sim, por aqui houve sempre “marginais”... - foi vigiado, perseguido e preso. 
Os covagalenses eram trabalhadores. Mas, não só: também foram escravos
Basta conhecer o que foi a sua vida no mar, como, por exemplo, na "faina maior"... 
Os covagalenese, em geral, não conseguiam poupar. 
Por uma razão simples.
Vivíamos na miséria. Morríamoos cedo, comíamos mal, não tínhamos direito à saúde nem à educação. Na sua esmagadora maioria éramos  analfabetos, doentes e subdesenvolvidos.
Como diziam as senhoritas da elite figueirense da altura -  "credo que porcos, feios e maus que eles são"!..
Por isso, quem sabe, porque viveu lá, como era a vida da esmagadora maioria dos covagaleneses, do tempo de Salazar e Caetano, não tem saudades.

Momento "omo"

imagem daqui

domingo, 27 de abril de 2014

Hoje em Ançã o Grupo Desportivo Cova-Gala escreveu mais uma bela página da sua história

foto Pedro Agostinho Cruz

"Cinco a zero ao Mocidade e estamos na Divisão de Honra"!..

Um rigoroso exclusivo Outra Margem sobre a inauguração do Óasis Plaza

Em rigoroso exclusivo, Outra Margem conseguiu obter de fonte que prefere permanecer anónima, o programa das festas para a inauguração em 24 de junho próximo, dia feriado municipal na Figueira da Foz.

Programa:

10.00
Concentração dos convidados nas antigas freirinhas.
11.00 

Partida para o edifício o trabalho onde será servido um porto de honra.
12.00 

Visita ao jardim municipal para inauguração do coreto e nova florestação e limpeza.
13.00 Inauguração do Titanica.
14.00 Almoço volante servido no lago do oásis.

Que é feito da nossa memória?..

Como escrevi aqui, “eu estive lá”. Eu vivi lá, no antes do 25 de Abril de 1974.
Eu tinha 20 anos quando se deu o 25 de Abril.
Agora, anda por aí gente a fingir que antes do 25 de 1974 aquilo não era mau.
Eu estive lá, eu vivi lá e posso assegurar que era mesmo muito mau.
Na Cova e Gala, era o tempo do pé descalço, da fome envergonhada ou às claras. 
Era o tempo em que colegas da primária iam para a escola a correr pelo areal, para tentar aquecer os pés descalços e sem nada no estômago.
O empobrecimento dos dias que passam, é um murro que incomoda e uma má memória, para quem, como eu, por exemplo, é do tempo da miséria na Cova e Gala – miséria mesmo, com piolhos e tudo.
Estou a referir-me à vida nas décadas de 50 e 60 do século passado, numa pequena aldeia de 2.500 habitantes, localizada à beira do Atlântico, perto da importante cidade balnear da Figueira da Foz, onde se vivia pior que nas localidades vizinhas.
A ausência de esgotos, a corrente eléctrica considerada uma excepção, a miséria material, as condições de trabalho desumanas, a deterioração das células familiares, a má nutrição era, lamentavelmente, a situação de toda uma região economicamente desfavorecida.
Era o tempo em que a Cova era um lugar isolado, quase que perdido, onde ninguém se deslocava.
Eu estive lá.
E continuo a ter memória.

aF224


Cova-Gala e Mocidade disputam a vaga que resta na próxima época na divisão de honra da AFC...


Bom domingo



Em tempo.
Este vídeo é dedicado ao meu Amigo Olímpio Fernandes que, na noite do 25 de Abril, no Caras Direitas, ficou enfastiado com a dose Manuel Alegre...

sábado, 26 de abril de 2014

Sala cheia ontem nos Caras Direitas para "Respirar Abril - 40 anos" ...

foto António Agostinho


Gostei de ter estado ontem à noite nos Caras Direitas para "Respirar Abril - 40 anos" depois.
Gostei de ter estado ontem à noite nos Caras Direitas para recordar o Adriano Correia de Oliveira que cantou contra o Estado Novo de Marcelo Caetano, juntamente com José Afonso, José Mário Branco, Fausto, Manuel Freire, Luís Cilia, José Jorge Letria e muitos outros. 
Adriano cantou poucos anos antes de 25 de Abril, as canções de Manuel Alegre, no Canto e as Armas e é, sobretudo, a poesia de Alegre que remete para Adriano: “ Quem poderá domar os cavalos do vento/ quem poderá domar este tropel/ do pensamento à flor da pele? Quem poderá calar a voz do sino triste/ que diz por dentro do que não se diz/ da fúria em riste/ do meu país?" 
Estas letras, como Trova do vento que passa, cantadas pela voz única de Adriano, soaram antes e depois de 25 de Abril de 1974. 
Não eram proibidas, ouviam-se na rádio, embora pouco e no disco Gente de aqui e de agora. As músicas, na sua maioria, eram de José Niza. Este disco de 1972, será porventura o mais emblemático do “trovador militante”
O trovador militante, nos anos setenta, cantava a liberdade, nas palavras de Poetas, como Manuel Alegre e Manuel da Fonseca.  
Ontem nos Caras Direitas, 40 anos depois do 25 de Abril,  onde parou a liberdade cantada por outros Poetas de Abril, como Ary dos Santos, José Gomes Ferreira, Manuel da Fonseca ou Sidónio Muralha?  
O PS, do lado esquerdo, mantém Manuel Alegre, no lugar simbólico, onde continua a congregar todas as ilusões.
O PS, há muito, colocou o socialismo numa gaveta sem fundo e retomou ideias alheias, mesmo liberais que os desvirtuam, mas os idealistas, mesmo com protestos, ainda por lá andam, a cantar e a comemorar o passado. 
Ainda por lá andam, mas sem futuro...
Vai valendo a memória poética e musical, aliás de grande riqueza e sentido, como se viu ontem nos Caras Direitas.
Termino como comecei: apesar da selecção poética ter sido pouco abrangente, gostei de ter estado ontem à noite nos Caras Direitas e ver uma sala cheia para "Respirar Abril - 40 anos" depois.

Profetas da Figueira … (11)

“A transformação do país foi radical, brutal, até, seja no plano da democracia, seja no plano económico e social.
A nova vida que Abril me trouxe sorvi-a sofregamente, por isso não me demito hoje de ter opinião, de a exprimir, de escrever e assinar a minha opinião. Foi também isto que Abril me trouxe, e disso não desisto mantendo o grito «Viva o 25 de Abril»!
Joaquim Gil, advogado, hoje no jornal AS BEIRAS.

A revolução passa pela aproximação às coisas da terra, praticando a frugalidade em oposição ao desperdício. Plantar árvores, criar pequenas hortas, investir em painéis fotovoltaicos (em vez de comprar um carro novo), consumir menos, comer menos carne, resistir ao individualismo, andar mais a pé, partilhar e oferecer tempo à comunidade…25 de Abril, sempre!
João Vaz, consultor de ambiente e sustentabilidade, hoje no jornal AS BEIRAS.

Se tudo correr como o previsto, a "festa" poderá acontecer a 24 de junho, feriado municipal...

"A unidade hoteleira não vai ser explorada sob a bandeira da multinacional Holiday Inn, mas sim pela espanhola Hotusa, que em Portugal opera com a marca Eurostars.
A câmara municipal da Figueira da Foz já licenciou o que lhe competia licenciar, aguardando-se que o Turismo de Portugal coloque o carimbo nos documentos necessários para a abertura da unidade hoteleira."
AS BEIRAS

O sonho comanda a vida


Poesia e poetas de Abril

Muitos foram os poetas que cantaram as ideias de Abril.
Antes e depois da Revolução dos Cravos, para além de Manuel Alegre,  muitos poetas portugueses escreveram sobre as ideias de liberdade e solidariedade, contra a ditadura.
No ano em que se comemoram os 40 anos do 25 de Abril ficam alguns poemas
 de Abril.

As Portas Que Abril Abriu - José Carlos Ary dos Santos
Eu Sou Português Aqui - José Fanha
Explicação do País de Abril - Manuel Alegre
Liberdade - Sérgio Godinho
Para Aquém de Abril - Francisco Duarte

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Profetas da Figueira... (10)

"No dia 25 de Abril, o sonho concretizou-se, as conversas ficaram livres, os sorrisos abriram-se, passou-se a dizer sim, em vez de não, a festa teve os seus cravos vermelhos. A democratização traduziu-se na duplicação do salário mínimo, de pensões sociais para inválidos e para quem tivesse mais de 65 anos, as férias alargaram-se para 30 dias e passaram a ser pagas, aumentou-se o abono de família para mais de meio milhão de crianças, o serviço nacional de saúde nasceu universal e gratuito, a educação abriu-se para muitos, institui-se o subsídio de Natal pago, extinguiu-se a PIDE, a Legião Portuguesa, as mulheres puderam sair do país sem terem que pedir autorização aos maridos, congelaram-se os salário e ordenados mais elevados. Nascia uma realidade diferente daquela em que o país estiolava. Descolonizou-se, ressurgiram valores de comunidade, o povo afirmou ter direito à sua própria vida. Passaram-se 40 anos."
António Augusto Menano, escritor, no jornal AS BEIRAS.

Pulido Valente em todo o esplendor iconoclasta...


Vasco Pulido Valente, hoje, no jornal I:
 "Não devemos nada aos capitães de abril"!... 
Será que devemos a ti "bêbado de merda"?..

Oito anos...Hoje, é dia de fazer contas à vida


Desde já e para que conste: Outra Margem é um projecto que nunca teve nada de oculto ou inconfessável.
Oito anos depois por cá continuamos... 
Continuamos - mais por causa das derrotas, do que apesar das derrotas  - a tentar trazer uma voz livre da esquerda figueirense, democrática e pluralista, arredada das capelinhas e, por conseguinte, dos media, para a vida pública, para o debate político, para a batalha das ideias. 
Sei que pode  constituir ambição a mais para tão fracos recursos, todavia, como não está no meu horizonte endireitar a Figueira, muito menos o País e ainda menos a vila ou a aldeia, decorridos oito anos e 12214 postagens depois, sinto que dentro dos condicionalismos de que sou possuidor (falta de tempo e debilidades, carências e ignorância reais) tenho a consciência de ter “conseguido levar algumas cartas a «garcias»”.
Desde 25 de Abril de 2006, temos estado presentes, fomos lidos por largas centenas de milhar, fomos apoiados e criticados, houve quem gostasse de nós e quem se nos pudesse bater, batia. Ponto.
Seja qual for a opinião que tenham  deste espaço,  ele cá está feito e assumido, sem truques nem malabarismos,  à vista de todos e  disponível,  podendo cada um fazer o seu próprio  inventário de prós e contras.
Eu tenho-me divertido...

25 de Abril, Sempre!

foto Pedro Agostinho Cruz
40 anos depois, ainda me lembro daquele dia 25 de Abril de 1974!
Começou cinzento, mas foi ficando colorido. 
Depois, por nossa culpa, foi perdendo a cor. 
O Capitão Salgueiro Maia, um dos protagonistas maiores do 25 de Abril, numa entrevista dada em 1991, pouco antes de falecer, disse: 
“Os nossos políticos têm uma grande preocupação em serem bem reformados e uma preocupação nula em serem bem formados.”
Que pensar e dizer, ainda, ao fim de quatro décadas?
Que representa, ainda, a data mais importante da história moderna do nosso País?
Que representa, ainda, a  democracia política e a alternância do poder?
Sinceramente, lamento que no campo social tanto ainda esteja por fazer! 
Coisas práticas, no terreno, que continuam por realizar...
A paz. O pão. A saúde. O emprego. A habitação. A dignidade.
40 anos depois, ainda me lembro daquele dia 25 de Abril de 1974.
Começou cinzento, mas foi ficando colorido.
Depois, por nossa culpa, foi perdendo a cor.
Eu tinha 20 anos quando se deu o 25 de Abril.
Agora, anda por aí gente a fingir que antes do 25 de 1974 aquilo não era mau.
Eu estive lá e posso assegurar que era mesmo muito mau.
Depois veio o tal dia e tudo mudou. Foram tempos incríveis. 
O 25 de de Abril, tem de ser aquilo que sempre deveria ter sido: um ponto de partida...
Ainda estamos a  tempo. 
Dias a preto e branco, nunca mais!

quinta-feira, 24 de abril de 2014

HUMBERTO DELGADO

"Que tristeza! Eu julgava o Parlamento uma assembleia de homens e fui deparar com uma súcia de garotos dizendo piadas de sol uns aos outros, num barulho indecente próprio de praça de touros ou de taberna".

SALAZAR

"O jornal é o alimento espiritual do povo e deve ser fiscalizado como todos os alimentos".

Portugal, 1974

"A corporação militar, independentemente das armas em que se diversifica, constitui uma organização coerente e harmónica, pronta a cumprir a missão que lhe é determinada. A lealdade e a disciplina são atitudes fundamentais que o militar não poderá deixar de manifestar nas suas relações hierárquicas. São princípios universais de ética militar que, vale repeti-lo, sempre deveremos ter presentes.
Finalmente, move-nos como supremo objectivo, o bem da Pátria. Num momento em que o progresso da Nação e o bem-estar dos portugueses dependem da protecção que lhes é dada pelas forças militares é também oportuno dizer a Vossa Excelência que estamos unidos, firmes e cumpriremos o nosso dever sempre e onde quer que lho exija o interesse nacional".
General Paiva Brandão, representante dos oficiais-generais dos três ramos das Forças Armadas, na manifestação de solidariedade para com o regime, em 14 de Março, cujos participantes ficaram conhecidos como «brigada do reumático»

"O País está seguro de que conta com as suas Forças Armadas, e em todos os escalões destas não poderão restar dúvidas acerca da atitude dos seus comandos. Pois vamos então continuar, cada um na sua esfera, dentro de um pensamento comum, trabalhar a bem da Nação."
Marcelo Caetano, em agradecimento aos militares que aderiram à manifestação de 14 de Março. 

"A existência de um amplo movimento que abrange centenas de oficiais do quadro permanente dos três ramos das Forças Armadas, assim como a eclosão da sublevação de 16 de Março, exprimem a crescente oposição das Forças Armadas às guerras coloniais e à política do governo de Marcelo Caetano."
Notícia do jornal Avante!, Abril. 

Portugal, 1973

63 por cento dos portugueses nunca votaram.
Primeira página do jornal Expresso, 6 de Janeiro.

"Eu não sou de direita nem de esquerda. Eu sou do caminho que convier ao povo."
Marcelo Caetano, no único congresso da Acção Nacional Popular, antiga União Nacional, em Tomar.

Portugal, 1968

"O País habituou-se, durante largo período, a ser conduzido por um homem de génio; de hoje para diante tem de adaptar-se ao governo de homens como os outros".
Marcelo Caetano, discurso na cerimónia de tomada de posse como presidente do Conselho, a 27 de Setembro.

- O que pensa do senhor Presidente do Conselho?
- Este «Salazar» parece mais simpático do que o outro...
Resposta de uma mulher no Alentejo, quando inquirida por um jornalista durante a primeira viagem de Marcelo Caetano como presidente do Conselho, em Outubro.

Portugal, 1959

Artº 72º. - O Chefe do Estado é o Presidente da República eleito pela Nação, por intermédio de um colégio eleitoral constituído pelos membros da Assembleia Nacional e da Câmara Corporativa em efectividade de funções e pelos representantes municipais de cada distrito ou de cada província ultramarina não dividida em distritos   e ainda pelos representantes dos conselhos legislativos e dos conselhos de governo das províncias do governo-geral e de governo simples, respectivamente.
Lei nº. 2100, 29 de Agosto.

Portugal, 1942

"Por felicidade o país, ao desempenhar-se do encargo constitucional da eleição, não tem que escolher: felizes as nações que nos momentos cruciais da sua vida não são obrigadas a escolher, e às quais a Providência com desvelado carinho dispõe os acontecimentos e suscita as pessoas de modo tão natural e a-propósito que só uma solução é boa e essa a vêem com nitidez no íntimo da sua consciência todos os homens de boa vontade! Felizes porque não se debatem em dúvidas angustiosas, porque não se arriscam em desmedidas contingências, felizes sobretudo porque não se dividem!"

Salazar, em 7 de Fevereiro, aquando da reeleição do Presidente da República Óscar Carmona, candidato único, com 90,7% dos votos.

X&Q1204


Profetas da Figueira... (9)

"O próprio Salazar redigiu o seu retrato psicológico difundido pela propaganda: humilde, honesto e um homem sem ambições políticas. Ainda hoje há quem o repita..."
Rui Curado da Silva, investigador, hoje no jornal AS BEIRAS.

LIBERDADE!

Neste dia, há 40 anos ainda não era assim.
Agora, o Povo é livre. Não tem que ter medo de falar. 
Antes do 25 de Abril de 1974 falava-se baixinho. Agora, pode dizer-se alto o que se pensa.
25 de Abril de 1974, recordo-te como a vontade de um Povo que quis ser livre e numa manhã veio para a rua gritar:
LIBERDADE! LIBERDADE!

O 25 de Abril de 1974 foi o maior acontecimento, de que tenho memória, que houve em Portugal.
Foi com ele que a LIBERDADE veio para as ruas de braços abertos.

Havia um sonho na véspera do tempo, um grito na boca cerrada por inúmeras outras palavras.
Neste dia, há 40 anos, ainda havia o medo e o desejo de uma palavra virgem: LIBERDADE.

LIBERDADE que é que tu ainda podes fazer?
Eu espero que tu combatas os homens maus, e que ajudes o mundo e Portugal.

LIBERDADE não é só para vós. Todos queremos. Também tem de ser  para todos nós!

LIBERDADE é vossa, mas nós também a queremos. E,  assim, a LIBERDADE será vossa e nossa.

LIBERDADE é uma criança. Criança que voa ao vento. Vento que é livre. Livre como o tempo.
Ó Portugal, Portugal! Porque choras de saudade, o que passou, passou. Hoje existe a LIBERDADE.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Austeridade – sinais exteriores (3)...

Como diria Durão Barroso, no tempo da outra senhora havia uma preocupação sincera pelos pobrezinhos.

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal comemorativa do 40.º aniversário do 25 de abril

Sexta, 25 Abril, 10:00 
-  Sessão solene
Inicia-se com a concentração junto ao Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, seguida da cerimónia do hastear da bandeira. 
Será orador convidado o cidadão António Augusto Menano, e intervindo para além do Representante da Associação 25 de Abril, Representantes de todos os partidos e Coligação de Cidadãos com assento na Assembleia Municipal. 
Estas cerimónias serão abrilhantadas pelas actuações da Filarmónica da Sociedade Filarmónica Quiaense e do Coral David de Sousa.

Preço da aquisição disparou com swaps


Uma estória de Abril

Celeste Caeiro, de 79 anos, foi a mulher que fez do cravo o símbolo do 25 de abril de 1974. Trinta e nove anos depois, "Celeste dos cravos" - como é conhecida - recorda um dos momentos mais marcantes da sua vida.

Mistério!..

daqui
Lido hoje no jornal AS Beiras
"A apresentação da obra “Antologia de Poesia País de Abril”, de Manuel Alegre, ontem ao fim da tarde em Coimbra, foi motivo para fazer crítica à política actual, com o poeta a mostrar preocupação por “um país em que os mercados estão acima do Estado”. Todavia, na Casa da Escrita, estando entre amigos – alguns deles anteriores ao 25 de Abril de 1974 – Manuel Alegre não deixou de revelar um olhar mais descontraído sobre os fenómenos sociais, constatando que, nos últimos tempos, “nunca se viu um mar de gente na rua como na celebração do Benfica, de que gostei, mas que também me deixou preocupado”. Para o antigo candidato à Presidência da República, “isto também revela a necessidade das pessoas se libertarem de um vazio que existe”." 
Ora cá está um mistério!..
Os portugueses, por norma, pelam-se por estar  ao lado dos vencedores
É assim na política e no futebol. 
A recente vitória do Benfica trouxe à tona um mistério...
Mais do que um mistério, penso mesmo que é  um fenómeno em Portugal: o benfiquismo
Vejamos: nos últimos 30 anos, se a memória não me atraiçoa o Benfica venceu 7 campeonatos. O Porto ganhou quase o triplo – 20
A diferença é substancial. 
Seria de esperar que os adeptos do Porto tivessem aumentado de forma clara... 
Todavia, como se viu no domingo, este país é de benfiquistas!..

Lembram-se de "um campo chamado Tarrafal?"

23 de Abril de 1936: abertura do campo de concentração português do Tarrafal, na ilha de Santiago, em Cabo Verde. Três anos depois chegavam os primeiros 152 detidos, entre os quais se contavam participantes do 18 de Janeiro de 1934 na Marinha Grande. 
daqui

terça-feira, 22 de abril de 2014

A decomposição do açúcar e do sal

"Vá lá, isto já não é um governo. É um ajuntamento de pessoas unidas para cumprir o fecho do programa da troika, porque se isso não acontecesse - a manutenção do governo em funções mesmo em estado de colapso - a senhora Merkel ficaria muito aborrecida... 
É este ajuntamento que governa o país e vai a votos no dia 25 de Maio em coligação." 

Profetas da Figueira... (8)

"É curioso atentar na postura dos que se colocaram como críticos do que se fez; os que se esgadanham na crítica ronceira de dizerem mal de tudo tapam os ouvidos aos resultados e, se os apresentamos, acusam-nos de auto elogio. A oposição, mais inteligente, cola-se a toda a acção inegavelmente positiva e reclama a sua parte; o impulso é tão forte que chega a reclamar para si os méritos do Plano de Saneamento Financeiro, embora não assuma o seu reverso - o sacrifício."

António Tavares, vereador PS no jornal AS BEIRAS.

Para ler na calma da noite

«Há qualquer coisa em Passos Coelho que faz com que as pessoas lhe tolerem com alguma bonomia todas as suas mentiras. Ou que pelo menos não se indignem como se indignavam com Sócrates ou com Durão Barroso ou como se continuam a indignar com Portas. (...) Querem o melhor exemplo? O espaço de opinião de José Sócrates, transformado numa "entrevista confrontacional", foi aplaudido pela maioria dos jornalistas. A entrevista de José Gomes Ferreira a Pedro Passos Coelho, transformada num espaço de opinião partilhada (à semelhança do encontro amigável de Passos Coelho com uns cidadãos, na RTP), não provocou grande incómodo nos intrépidos defensores do jornalismo corajoso e independente. Na realidade, a entrevista foi tão fácil que Passos Coelho acreditou que os país era composto por milhões de gomes ferreiras. E desembestou num chorrilho de mentiras sem pensar que havia um dia seguinte.»

Daniel OliveiraAs contradições de Passos Coelho em entrevistas não "confrontacionais"

«No diálogo televisivo de terça-feira, o primeiro-ministro falou dum alargamentozinho no corte de salários face ao do anterior Governo. Segundo o primeiro-ministro, fazer cortes de 3,5% nos salários a partir de 1500 euros não é muito diferente de cortar 2,5% a partir dos 675. Também, segundo ele, não existirá grande diferença entre o tal corte de 3,5% nos salários de 1500 euros e o atual de 8,5%. Mais do dobro. (...) Infelicidade verbal, pois então. Mas existiram mais aspectos que houve quem achasse claros. Houve tempo para libertar (...) uma não verdade, quando disse que os cortes nas despesas de funcionamento do Estado tinham sido de 1600 milhões de euros: não foram, foram de metade desse valor como provou o Jornal de Negócios dois dias depois. Infelicidade verbal, sem dúvida. Também não faltaram, no alegre convívio, momentos de puro entretenimento: o desonerar (...) das pensões e salários em 2016. Se der, eventualmente, às tantas. Tão certo como "termos cumprido as metas". Não houve tempo para explicar como é que não se tendo cumprido uma única meta original se diz exatamente o contrário. Infelicidade verbal, claro.»

Pedro Marques Lopes"Infelicidades verbais várias"

«"Nós temos um sistema de pensões que não é sustentável". (...) Como incentivo à fuga contributiva, dificilmente se conceberia melhor declaração. Depois, os vários estudos de instituições internacionais mostram que, depois de 2006, o sistema de pensões português é dos que apresentam menores riscos. (...) O problema da segurança social hoje é a combinação entre quebra contributiva (por força da quebra do emprego) e aumento de despesa (efeito do desemprego). Entre 2010 e 2012, a diminuição das contribuições foi de 400 milhões de euros, enquanto a despesa com subsídio de desemprego aumentou 480 milhões. (...) "Os portugueses escolheram um governo para governar nas circunstâncias mais difíceis de que há memória nos 40 anos sobre a revolução". (...) As frases citadas foram proferidas por Passos Coelho na conversa televisiva desta semana. Esta última distingue-se por ser verdadeira e merece um comentário adicional: foi uma tragédia, num momento como o que vivemos, termos alguém tão impreparado a chefiar o governo.»

Pedro Adão e Silva, Um primeiro-ministro

«Nunca saberemos ao certo se o primeiro-ministro cedeu a tentações eleitorais em 2011 ou se pura e simplesmente desconhecia o plano de ajustamento da troika e as limitações da poupança com as "gorduras no Estado". Vê-lo voltar a essa história de fadas de grandes reduções de défice com base em ganhos de "eficiência", menos "consultoria" e muitas "fusões" causa inevitavelmente calafrios - especialmente se considerarmos que três anos depois parece ainda não dominar o assunto em que depositou tanta esperança. Se desta vez, o primeiro-ministro errar, já não terá desculpa. Pois como disse, e bem, "às vezes criam-se ideias que não são correctas".»

Rui Peres JorgeNúmeros errados, ideias erradas

«Debaixo deste discurso muito pouco transparente, há no entanto uma ideia clara e um objectivo definido. A ideia clara é que a austeridade é para continuar. (...) O objectuvo definido é que, para conseguir aqueles equilíbrios, o governo aposta tudo no esmagamento da procura interna. E isso exige que salários e pensões não só nunca mais voltem aos patamares de antes da crise como se mantenha a brutal carga fiscal sobre os rendimentos. Em síntese, este ajustamento exige e assenta no esmagamento da classe média. E é isso que a troika e o governo têm prosseguido com afinco, enquanto nos fazem sentir a culpa de "termos vivido acima das nossas possibilidades", seja isso o que for, uma viagem às Maldivas ou jantar fora demasiadas vezes...»

Nicolau SantosQuantos pobres fazem o ajustamento?


Via Ladrões de Bicicleta

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Segurem-se...

Agora é que o PIB vai disparar!..

X&Q1203


25 de Abril - Sempre!

foto Alex Campos

Profetas da Figueira... (7)

"Compreendo bem a frustração dos que genuinamente queriam um país mais solidário, coeso e livre, quando olham para a situação a que chegamos, mas não tenho dúvidas que, apesar de tudo, valeu a pena. Hoje, todos temos de ser “capitães” e ajudar Portugal a erguer-se, como sempre se ergueu. Abril ainda não se cumpriu totalmente, mas depende de todos a melhoria da democracia, através da persistência, da esperança e da sabedoria. O 25 de abril não deve ser comemorado como rotina, ou por obrigação. O 25 de abril tem de ser um tempo de reflexão, de cerrar fileiras para o futuro e de perce ber a história contemporânea de Portugal. Tenhamos memória."

Miguel Almeida, vereador Somos Figueira hoje no jornal AS BEIRAS.

sábado, 19 de abril de 2014

"QUEM É IGUAL A QUEM? ou A RESISTÊNCIA HERÓICA DAS MULHERES DA COVA / GALA", estreou ontem à noite com casa cheia

foto Olímpio Fernandes
O texto foi  escrito nos anos setenta do século passado pelo Adelino Tavares da Silva (foi meu Amigo e um grande jornalista deste País, tendo chegado a ser Director do extinto «O Século», a seguir ao 25 de Abril de 1974. Adelino Tavares da Silva tinha raízes familiares no nosso concelho, pois o seu Pai – o Comandante Rainho – era da Gala). A solução cénica encontrada para levar pela primeira vez ao palco este inédito, de que gostei sobremaneira,  foi do Francisco Sanchez.  A meu ver, houve  apenas dois pormenores que podem ser melhorados: a Tasca do Zé Gandarês, onde o narrador, o Tzé Maia, ao estar fora do palco, ao nível da sala, não fica visível para  grande parte dos espectadores; por outro lado, numa sala cheia como felizmente aconteceu ontem, a riqueza satírica e acutilante do texto provocou, por diversas vezes, reacções de agrado e boa disposição do público, o que foi positivo, mas prejudicou a compreensão da peça, pois tornou difícil a audição de certas passagens do magnífico texto do Adelino Tavares da Silva. De registar a boa prestação dos amadores em cena, o  que certamente terá muito a ver com a exigência e o rigor do director cénico. Sem desprimor para ninguém, gostei especialmente da interpretação que a Manuela Ramos deu a uma personagem forte e cheia de força, uma autêntica Mulher da Cova Gala, como é, indiscutivelmente,  a Ana Racha.
Muita gente pensa que o teatro é uma arte inacessível ao nosso depauperado bolso, ainda para mais neste difícil tempo de crise que atravessamos. Só que nem sempre é verdade. Para alegria de quem não possui bolso recheado e gosta de teatro, existem bons espectáculos, como o que foi levado à cena ontem à noite no Clube Mocidade Covense, que por dois ou três euros podem ser vistos.
"QUEM É IGUAL A QUEM? ou A RESISTÊNCIA HERÓICA DAS MULHERES DA COVA / GALA", é um espectáculo interessante e arrebatador, que fala de nós e dos nossos antepassados covagalenses,  que nos surpreende e  prende pela simplicidade de um texto escrito com a qualidade só ao alcance de um talento literário como o de Adelino Tavares da Silva, que consegue alcançar, como ontem aconteceu, os corações e a alma da plateia. Faz-nos pensar e reflectir, mas também nos faz rir e divertir. Numa palavra provoca-nos emoções. A não perder.
  
Ficha Técnica.
Actores:  Ana Margarida, Beatriz   Duarte, Dina Pimentel, Francisco Sanchez, João Pita, Lurdes Sardo,  Manuela Ramos, Maria Luísa, Rosa Estrela , Leonor,  Alexandra, Ana Sofia e Mariana.
Sonoplastia: José Vidal, João Pita e Adelaide Sofia.
Cenário: João Pita e Susana Brás.
Música: José Castro. Letra da Canção: João Pita.
Encenador: Francisco Sanchez.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

25 de Abril - 40 anos

A Direcção da Associação 25 de Abril informa que decidiu levar a efeito uma evocação a Salgueiro Maia, nela personificando a homenagem a todos os militares de Abril, no Largo do Carmo, no dia 25 de Abril às 11.00, evento para o qual desafia toda a população.
Mais informa que, nessa circunstância, o Presidente da Direcção da A25A proferirá uma intervenção de fundo na linha da que seria feita na sessão solene na Assembleia da República.
Após esse tributo, será organizada uma romagem ao edifício onde funcionava a PIDE/DGS, na Rua António Maria Cardoso, para evocação da memória dos cidadãos ali assassinados no fim da tarde de 25 de Abril.
Todos ao largo do Carmo às 11h00 de dia 25 de Abril!

Austeridade – sinais exteriores (2)...

40  anos depois do 25 de Abril, alguém  conhece por estes lados  algum órgão de informação de referência?
Eu não quero ser injusto. Mas, mesmo reconhecendo a competência, o profissionalismo, a dedicação e a entrega de alguns jornalistas locais, na Figueira, só conheço órgãos de informação de reverência...

Profetas da Figueira... (6)

“O 25 de Abril eclodiu as organizações, políticas, sindicais, populares.
Algumas novas, outras saídas da clandestinidade, onde se tinha desenvolvida a sua luta contra o Estado Novo.
A sua divulgação assumiu modos diversos, dos comícios aos cartazes e aos murais, colados , por militantes, pelas cidades, pintados nos muros e nas paredes. A Figueira não ficou de fora desta forma de luta. Brigadas de alguns partidos disputaram, renhidamente, os espaços.
Recordo pichagens a azul, no percurso de minha casa, até às paredes do Hospital da Misericórdia, onde trabalhava, palavras onde o meu nome era escrito exortando à minha morte. Que acabaram após uma conversa entre mim e o líder de um partido de direita, no café O Caçador.”

António Augusto Menano, escritor, hoje no jornal AS BEIRAS.

X&Q1200



quinta-feira, 17 de abril de 2014

Gabriel García Márquez morreu aos 87 anos

Gabriel García Márquez morreu nesta quinta-feira, aos 87 anos, na Cidade do México, de acordo com o jornal "El País". Ainda não há informações sobre a causa da morte, mas o autor de "Cem anos de solidão" chegou a ser internado neste mês por conta de uma infecção.

Austeridade – sinais exteriores...

Descobri que se acende uma luzinha quando o nível do gasóleo no depósito do combustível do meu carro desceu de tal maneira que entrou na reserva...

Troca-tintas

Dou-me cada vez pior com  coisas destas.
Deve ser falta de paciência, uma forma educada de me referir à minha própria idade.
Casos destes, entre os chamados partidos do arco do poder, são frequentes. Penso que todos nos lembramos, por exemplo,  de João Gouveia em Soure.
“Posso dar um contributo para o concelho”, afirma hoje ao jornal AS BEIRAS a vereadora Alexandra Ferreira, sobre a  mudança de “equipa”, que gerou uma onda de choque nos bastidores políticos e autárquicos locais, com o PSD e a CDU a
manifestarem estranheza. 
Recorde-se, que Alexandra  Ferreira foi eleita pela coligação “Mais por Montemor”, nas últimas autárquicas e que fez parte do executivo liderado por Luís Leal.
Agora, aceitou assumir um lugar a meio tempo na Câmara de Montemor-o-Velho, depois de um longo “namoro político” de Emílio Torrão .
Nunca tive o menor respeito por essa treta de que aos jovens, é suposto ser permitido (e aconselhado), o arroubo ideológico...
Se se é novo, é suposto ser-se tolerante, aberto, curioso, e não fanático. Mas, também, penso, ter princípios e coerência política...
O que esta senhora fez, em gíria figurada e popular,  é definido com um nome: troca-tintas.

Capitães de Abril não discursam no Parlamento

"Em reunião, que ontem se realizou ao fim da tarde entre a presidente do Parlamento e os representantes dos grupos parlamentares, não ocorreu o consenso necessário para a intervenção de um representante da Associação 25 de Abril na sessão solene comemorativa [dos 40 anos do 25 de Abril]", informa a nota do gabinete de Assunção Esteves.
A inteligência pode ser  inimiga da acção, pois pode conduzir ao paradoxo.
Nos momentos de ruptura, ensina-nos que somos muitos pequenos, mas também nos diz que se nos vemos como pequenos nos apequenamos, o que é contrário ao bom uso da inteligência.
Como disse no passado domingo Marcelo Rebelo de Sousa -  Capitães de abril: «Goste-se ou não, estamos aqui devido a eles».