"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sábado, 31 de julho de 2021

A mediocridade da Figueira que temos e a falta de tempo...


Andamos a perder tempo, há muito tempo, na Figueira.
Estamos em 2021. Em Setembro próximo, a 26, há eleições autárquicas.
Será que vamos continuar a perder mais tempo?
Pelo andar da carruagem, estou a ver que ainda não é desta vez que se vai conseguir solucionar a conjuntura para que haja a possibilidade de preparar a estrutura.
Quase tudo o que exige tempo, verdade e qualidade, ou tarda muito ou, pura e simplesmente, nunca acontece...

Nada vir a acontecer de novo, mais uma vez, é um risco real.
Sem “tempo”, sem “verdade” e sem exigir “qualidade” na política, como até aqui tem acontecido, nenhuma força política conseguirá realizar na Figueira a obra que a construção do futuro impõe. 
A conjuntura joga-se fora do poder político.
Decide-se nas catatumbas imundas dos jogos de bastidores.
A Figueira precisa de coragem e de veradde. É fundamental que os responsáveis digam que a situação é complicada, a recuperação é difícil, que a tarefa é árdua e que os resultados são demorados. 
Repito: quase tudo o que exige tempo, verdade e qualidade, ou tarda muito ou, pura e simplesmente, nunca acontece...

O estado da decadência da Figueira é profundo e as circunstâncias envolventes são complexas.
Se não soubermos aproveitar a oportunidade que nos vai ser oferecida em 26 de Setembro próximo futuro, só podemos, depois, queixar-nos de nós mesmos, enquanto sociedade.
Se os eleitores figueirenses não perceberem isso, muito rapidamente, ficaremos onde estamos...

Há dias assim...

... tenho cada vez mais dificuldade em sentir nostalgia dos lugares em que fui feliz. Há dias em que podemos ser infelizes em qualquer parte...

A foto fala por si: ou o arquitecto queimou os neurónios, ou isto é incompetência pura e dura.

Na obra de requalificação do Cabedelo, nem a recolha do lixo foi pensada!.. 
Atentem na colocação dos contentores: quem for colocar o lixo sujeita-se a ser atropelado. 
Numa obra de milhões de euros, isto é admissível?.. Os automóveis têm de se desviar para não atropelarem os utilizadores dos contentores. 
Com tanto espaço disponível, qual foi o problema?

Bom sábado

 

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Morreu a pianista Olga Prats

A pianista Olga Prats morreu esta sexta-feira, aos 82 anos, na sua residência na Parede, concelho de Cascais, vítima de doença oncológica.

A questão do voto verdadeiramente útil nas próximas autárquicas na Figueira...

A questão do voto útil é uma questão pertinente e importante. 
Para mim, porém, fácil de resolver. A questão do voto útil, a meu ver, é importante e útil, em primeiro lugar, para quem vota -  o eleitor. 

O que está em causa, nas próximas eleições na Figueira? 
Apenas, e só, a remoção do líder do PS, Carlos Monteiro? 
O PS cometeu um erro estratégico: entregou o aparelho à mediocridade chamada, para simplificar, de  monteirismo. 

Como sabemos, as mudanças no interior dos partidos não se fazem a partir do exterior.
Na Figueira, o PSD  está a fazer uma travessia do deserto que dura há 12 anos. Está desejoso de voltar a ter acesso ao orçamento municipal.
Se objectivo do PSD Figueira passar apenas por remover Monteiro, mesmo que vença, a Figueira vai continuar a ser a grande derrotada.
É isso que  os figueirenses têm que ter bem presente quando forem votar.
Depois queixem-se. Ou ainda acreditam no  D. Sebastião?

Olho para a politica na Figueira e noto os partidos - todos os partidos -  a envelhecer.
Vejo que todos nós, talvez por falta de alternativas, cada vez mais desiludidos, ficámos receptivos ao mal menor pouco estimulante e respeitador da nossa inteligência.
Sempre tive o defeito de ligar à política. De  valorizar o poder exercido em e  com democracia. De achar que a política deveria ser das mais nobres actividades humanas. 
Demasiado importante, por isso, para ser exercida por incompetentes, medíocres e oportunistas.

Tenho dificuldades em  rever-me no poder político que temos tido na Figueira. Estou farto de políticos com sonhos egocêntricos, que têm tramado a minha vida e a de muitos outros.
Aquilo que quero para próximo presidente da câmara da Figueira é pouco:  alguém que tenha coragem, honestidade e dedicação para depositar o meu voto, a minha esperança e o meu apoio activo. 
Por isso fiz a minha escolha, que é pública.

Há políticos que não falam para mim. Podem falar para muita gente, mas muito raramente falam para mim. E eu vou aceitando, porque como democrata, sou de uma minoria. Mas não tenho que lhes entender as razões deles, nem tenho de compreender e aceitar o compromisso das massas. Ando há anos suficientes pela vida para saber que os políticos demasiadas vezes dizem e fazem o oposto dos interesses que defendo para mim e para os outros.

Em 2021, depois de alguns anos de interregno, entendi que era tempo de tentar fazer qualquer coisa no terreno. Contribuir para construir, talvez arduamente, qualquer coisa útil, que ajude também a mim a respirar melhor neste pedaço de Terra, que é a Figueira, onde tenho raízes.
Tenho 67 anos de idade. Vivi os primeiros 20 em ditadura. Não quero mais disso.
Enquanto tiver sanidade mental quero merecer a  dignidade de ser livre num concelho de um país que quero democrático. Fazer política, depende de nós. Enquanto actores mais ou menos passivos. Se ninguém se indignar com nada, nada é indigno. Se ninguém se mexe, “alguém” se mexe contra nós.
No momento em que estou a terminar este texto para ir apresentar as listas no Tribunal da Figueira, sinto-me de bem comigo próprio.
A CDU é a força indispensável para a defesa dos mais genuínos interesses das populações do concelho e freguesias da Figueira.
A Figueira não é a "Vila morena", mas também na Figueira o Povo é quem mais ordena.

"Os capitães de Abril toleram-se, mas não se homenageiam. Não caíram na boa graça das elites pensadoras nem dos partidos. Não lhes pertenciam"

 Via Expresso

Milhões...

Curioso como OUTRA MARGEM passa. 
De telemóvel em telemóvel, de tablet em tablete, de computador em computador.
Agrada-me que venham de visita até aqui.
De Portugal, Brasil, França, EUA, Canadá, Macau, Luxemburgo, Irlanda, Escócia, Inglaterra, Austrália, vários países africanos, etc., etc., etc. ... 
Já são muito mais de 4 milhões e meio de visitas...

Ainda bem que na Figueira não é assim...

Há cidades em que não pode haver crítica pública à autarquia.
Ainda bem que na Figueira não é assim.
Nesssas cidades, quem teve o desplante de a fazer nas redes sociais recebeu piedosos  avisos - e calou-se.
Ainda bem que na Figueira não é assim.

Bastava um like num comentário crítico para desencadear a pressão. 
Ainda bem que na Figueira não é assim.

Ainda nessas cidades, que não na Figueira, pois na Figueira não é assim, era frequente serem apagados posts nas redes sociais. 
Nessas cidades, que não na Figueira, pois na Figueira não é assim, existia  gente a  passar a pente fino as redes sociais, ao ponto de até se "alertar" quem colocava likes. 
Nessas ciadades, que não na Figueira, pois na Figueira não é assim, parecia estar a viver-se 50 anos antes, quando havia agentes da PIDE a vasculhar a vida das pessoas. 

Nessas cidades, a estratégia resultava e tem-se mostrado eficaz. 
Esperemos que os querem tomar conta da  “manjedoura” autárquica, não sigam essas práticas e esses métodos: uns telefonemas, umas "facilidades", umas conversas - tudo para controlar (o ideal é mesmo silenciar...) as críticas. 
Ainda bem que na Figueira não é asssim.

O desejo de ter  acesso ao "pote" autárquico, isto é, à  gestão dos dinheiros camarários, leva muita gente, por esse Portugal fora, a cometer disparates.
Ainda bem que na Figueira não é assim. 

Ainda bem que, na Figueira, existe a garantia que quem ganhar em 26 de Setembro de 2021, vai continuar assim e não como tem sido em muitas cidades de Portugal continental e ilhas adjacentes.
Nessas cidades, que não na Figueira, pois na Figueira não é assim, aquilo que tem acontecidos, além de triste, tem sido uma vergonha.

S. Pedro, uma freguesia a definhar

Imagem via CENSOS 2021


Em dez anos perdemos 11,2% da população: de 2910, em 2011, passámos para 2585, em 2021. 
Somos a QUARTA freguesia com menos pessoas no Concelho. 
Perdemos 7.1% dos agregados familiares.
Isto, quando a média do Concelho está em crescimento.

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Censos 2021: Distrito de Coimbra perde 5% da população em 10 anos

"Em termos absolutos, Figueira da Foz foi o concelho que mais residentes perdeu (3.143), seguindo-se Coimbra (2.600) e Penacova (2.132)."

Salgado, Berardo, Proença, Vieira, Ronaldo....


Nota de rodapé....
"Aquilo é uma tempestade medonha, aquilo vai p'ra lá do que é eterno, aquilo era o retrato do inferno, vai ao fundo, vai ao fundo, e vai ao fundo sim senhor"...

Rui Curado da Silva no Dez & Dez.


“Temos um executivo que deixou a cidade desenvolver-se, deixando o seu centro de gravidade mover-se para as periferias, onde tínhamos rotundas e avenidas que serviam para desviar o trânsito para as praias e agora estão a servir para serem montados supermercados”.

Autárquicas: 2021: na lista do PS para a Câmara, nada de novo...

Tal como OUTRA MARGEM tinha informado há 5 dias, mais precisamente no passado sábado, 24 de julho de 2021, hoje na edição do Diário as Beiras, as previsões confirmaram-se.

Autárquicas 2021: CDS-PP já entregou as listas

Nota de Imprensa

"O CDS-Partido Popular da Figueira da Foz, representado pelo seu Mandatário, Dr. José Trindade Constante, o seu Secretário da CPC, Carlos Miguel Vitória, e o Dr. Luís Villalon, entregou na manhã de ontem, dia 28, no Tribunal da Figueira da Foz as suas Listas concorrentes às Autárquicas de 2021. 

O CDS-PP da Figueira da Foz apresenta listas à Câmara Municipal e à Assembleia Municipal, bem como às Assembleias de Freguesia de Buarcos e São Julião, Tavarede, Maiorca, Ferreira-a-Nova, Alhadas e Bom Sucesso."

quarta-feira, 28 de julho de 2021

By pass, entre a propaganda e a realidade

 Via Diário as Beiras. Dia 28.07.2021

Foto de António Agostinho. 
Dia 28.07.2021, cerca das 12 horas e 30 minutos

Será exigir muito desejar uma política mais decente para a Figueira e para os figueirenses?

 


É tempo de mudança na Figueira. 
Os tempos de hoje requerem um novo inquilino nos Paços do Município. 
Um político que não esteja "amarrado" a compromissos partidários e outros, conhecedor do concelho e do seu povo, capaz de enfrentar as contrariedades para tornar a vida dos figueirenses mais segura, mais próspera e mais saudável.
E, já agora se não for pedir demais, politicamente mais decente.
Mas, isso não vai cair do céu. Têm de ser os figueirenses a protagonizar a mudança. 
Como? Com a arma que têm: o seu voto. Votar vale a pena.
O significado político do voto torna-o um dos centros da acção e decisões políticas correntes na vida política democrática, servindo como fonte de equilíbrio e motivação de cálculos políticos e eleitorais, em cada momento próximo aos actos eleitorais. 

CDU VAI ENTREGAR LISTAS NO TRIBUNAL DA FIGUEIRA DA FOZ...

A CDU apresenta candidaturas a todos os órgãos autárquicos - Câmara Municipal, Assembleia Municipal e às 14 Frguesias. 
Bernardo Reis é o candidato desta coligação eleitoral à Câmara Municipal da Figueira da Foz. À Assembleia Municipal, onde a CDU tem 2 eleitos no mandato 2017/2021, o primiro nome é Silvina Queiroz
Foram já apresentados diversos candidatos às freguesias: Aprígio Barraca, em Buarcos e São Julião; Vítor Gomes, em Vila Verde; Maria João Almeida "BIZARRO", em Tavarede; Agostinho Cruz, em Quiaios; José Maia Azedo, em Maiorca; Nelson Delgado, em S. Pedro;   Lino Pereira, no Alqueidão; Fábio Rodrigues, no Bom Sucesso; Luís Pedro Medina e Silva, nas Alhadas; Paulo Cordeiro, na Marinha das Ondas; Paulo Dias, no Paião; António Pedrosa Reveles, em Lavos; Ana Rita Inácio, em Ferreira-a-Nova.

A CDU - Coligação Democrática Unitária na Figueira da Foz, c
om a entrega das listas na próxima sexta-feira, dia 30 do corrente, pelas 15 horas, no Juízo Local Cível da Figueira da Foz, vai formalizar a sua candidatura autárquica ao concelho.

terça-feira, 27 de julho de 2021

A candidata d a Figueira do Futuro - Pedro Machado à Assembleia Municipal é ...

Vídeo sacado daqui

Autárquicas, o arco do poder figueirense e as responsabilidades do povo

1975, o ano em que o povo disparou a arma do voto: Votaram mais de 90%.

Estamos a entrar nos meses finais da campanha autárquicas 2021.
 
Faltam 61 dias para o acto eleitoral de 26 de Setembro. 
Em plena recta final, António Costa veio à Figueira apoiar a candidatura de Carlos Monteiro.
Rui Rio já cá havia estado a apoiar Pedro Machado.
Francisco Rodrigues dos Santos também cá tinha estado para apoiar Mattos Chaves.
Esperemos que outros líderes partidários nacionais façam o mesmo.
Os políticos nacionais estão a assumir as suas responsabilidades para com a Figueira da Foz.
As autárquicas 2021 poderiam ser uma oportunidade para os figueirenses contribuírem, votando, para dar mais dignidade à vida pública e à afirmação dos valores da democracia na cidade e no concelho.
Nas eleições o povo tem de assumir responsabilidades.
Durante o Estado Novo, o voto estava limitado ao comum dos cidadãos. As restrições inviabilizavam o voto geral e universal, impedindo eleições livres, justas e democráticas. Em relação ao voto feminino, os embargos eram maiores e tornavam a participação da mulher no acto eleitoral muito difícil.
O Estado Novo determinava, por exemplo, quais as mulheres que podiam votar: desde 1933, apenas as que tinham curso secundário ou superior. Depois de 1948, o corpo eleitoral feminino é ligeiramente alargado, mas só a partir de 68 passa a incluir as mulheres que soubessem ler e escrever. 
Só em 25 de abril de 1975 é que o País vota pela primeira vez em eleições livres com sufrágio universal. Depois do processo de recenseamento eleitoral, passam a votar todos os cidadãos maiores de 18 anos, independentemente do sexo, nível de instrução ou capacidade económica.
Votaram mais de 90% dos portugueses.

O circo mediático, a previsível campanha ao contrário aí está. Os problemas reais do concelho ficam para depois...

Sem querer meter a foice em seara alheia, mas metendo, penso que uma campanha política não se pode resumir ao "circo" que é "atirado" à população como forma de a distrair dos problemas reais. Claro está que um dia o público pode acordar e sem público não há circo que resista. 
O espaço mediático é o instrumento fundamental desta política. 
Política? Sim e não só porque são os políticos os seus principais "actores",  mas também porque são os únicos com poder efectivo para mudar alguma coisa. 
Todavia, a uma classe governante medíocre interessa uma população igualmente medíocre, alienada e desiformada, como forma de se perpetuar no poder. 
Esta é a tal "política" que tem servido para perpetuar  a partidocracia bipolarizada em em que vivemos na Figueira há mais de 4 décadas, com os resultados que são difíceis de ignorar e conhecidos de alguns. 
De Santana não se esperava outra coisa. Agora os outros embarcarem!.. 
Santana começa a marcar decisivamente o terreno e o rumo da campanha autárquica. E, aí, sente-se como peixe na água e vai golear. 
Se é para continuar por este caminho não estou a ver nada de bom a avizinhar-se para o concelho...
Via Diário as Beiras

Dragagens em 4 portos do norte até 2023

Via Jornal de Notícias
«Um contrato de investimento no valor de 4,12 milhões de euros, que prevê dragagens em quatro portos de pesca do Norte do país, foi assinado ontem em Vila Praia de Âncora.
O acordo, promovido pela Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), contempla intervenções anuais nas barras de Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim e Vila do Conde, até 2023. Segundo o diretor-geral da DGRM, José Carlos Simões, os primeiros trabalhos deverão começar ainda este verão, "final de agosto, início de setembro", e serão reforçados todos os anos "após o inverno marítimo".
No portinho de pesca de Vila Praia de Âncora decorre atualmente uma operação de dragagem de cerca de 111 mil m3 de inertes, que estão a ser utilizados para reposição das dunas dos Caldeirões, destruídas pela intempérie em 2014. Deverá ficar concluída em setembro, pelo que aquele porto apenas voltará a sofrer intervenção em 2022.
O contrato hoje celebrado com a empresa Rohde Nielsen contempla dragagens já antes do final do verão nos portos pesqueiros de Vila do Conde (total 130 mil m3 de inertes no triénio), de Póvoa de Varzim (200 mil m3) e Esposende (115 mil m3). E, a partir de 2022, no de Vila Praia de Ancora, num total de mais 80 mil m3 de areia.
Segundo o Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, que presidiu à assinatura, o protocolo "representa uma mudança de procedimento [para aquele tipo de operações] que se espera venha para ficar". "Este é um dia feliz porque conseguimos implementar o primeiro plano plurianual de dragagens e é assim possível planificar com antecipação e sobretudo fazer as dragagens nas alturas em que elas têm que ser feitas, tendo em conta a própria natureza, os ventos, o estado do mar", declarou, referindo que "o plano nos traz muita alegria". "É uma resolução do Conselho de Ministros que mostra a relevância que o Governo está a dar a esta situação das dragagens que não é um problema de agora. É um problema de séculos", acrescentou.
O planeamento das operações deverá ser renovado no final do triénio 2021-2023, a fim de garantir a operacionalidade dos portos de pesca. "São processos plurianuais que vão ter que continuar para o futuro e, eventualmente, prevejo que até com mais intensidade, dado que tentamos enfrentar algumas questões relacionadas com as alterações climáticas", afirmou. 
De acordo com informação avançada pelo diretor-geral da DGRM, José Carlos Simões, o referido estudo para reconfiguração do porto inclui também a avaliação de uma solução para a barra de Esposende. E quanto à transferência de competências do porto de Vila Praia de Âncora para a autarquia, o Ministro do Mar adiantou que "o processo é para avançar e já está em curso".»

Ex-banqueiro recusa ir a tribunal e é apanhado em férias de luxo....

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Quem será?..

Pedro Machado - Figueira do Futuro: "amanhã, vamos da a conhecer quem encabeça a nossa candidatura. Conto consigo, esta terça-feira, às 16 horas, na Escola Dr. Bernardino Machado."

"Pedro Santana Lopes, num almoço de Presidentes de Câmara em funções no mandato de 1997-2001"...

O PESO DAS SOMBRAS?
Os ressabiados, têm arte e engenho. Fazem parte do jogo. É perfeitamente compreensível, mesmo que em alguns casos seja cómico.
Quem não souber fazer a leitura política, veja os bonecos...

Povo da Figueira estará assim tão desatento, desmotivado e dormente?

Se o PS/Figueira pretendia continuar a liderar a política camarária na Figueira tinha de fazer mais. Deveria, por exemplo, em devido tempo, ter sido capaz de encontrar um candidato credível. Um candidato capaz de estar à altura dos problemas que a Figueira actualmente enfrenta, isto é, ser capaz de se organizar para apresentar em sede própria, políticas locais, mas com um alcance e relevância nacionais, como é a questão do porto da Figueira ad Foz, que a direcção do PS nacional e o governo, deveriam ter tido em conta na hora de tomar decisões, ao contrário do que sucedeu e continua a suceder. Quem diz porto comercial, diz linha do oeste troço Figueira da Foz Caldas da Rainha.
O porto da Figueira e o troço ferroviário Figueira Caldas da Rainha, tal como o concelho, está a definhar e a perder importância, a nível regional e nacional.
Não me admira o que aconteceu ontem: o PS local e nacional, apenas querem tentar salvar a face em véspera de eleições autárquicas.
E, com naturalidade chegámos aqui: "à CONFUSÃO DE FUNÇÕES E AS FALSAS PROMESSAS".
Será que o Povo está assim tão desatento, desmotivado e dormente?

"O cargo de Primeiro-Ministro, como o de Presidente da Câmara merecem outro respeito, como merecem respeito os figueirenses, que não se deixam enganar. Confundir funções e invocar cargos oficiais em campanha eleitoral, como ontem repetidamente fez Carlos Monteiro, não apenas é ilegal, é também imoral. Quem estava ali a falar não era o Primeiro-Ministro, era o socialista que quer perpetuar o poder na Figueira para um seu candidato, seja ele qual for, quem sabe para, a seguir, o colocar em Lisboa na cadeira do Parlamento, como já antes aconteceu.
Portanto, o que tivemos ontem na Figueira da Foz não foi o Primeiro-Ministro a prometer o investimento que os seus ministros negam à Figueira e que Carlos Monteiro não consegue colocar na agenda. O que tivemos ontem foi um ato de propaganda política barata, ilegítima e falsa. Porque nem aquele era o Primeiro-Ministro nem o Secretário-Geral do PS sequer sabia dizer "o que ainda não foi feito" na barra e que Pedro Machado, logo de manhã, exigiu ao Governo. Enquanto Carlos Monteiro cala..."

"Ricardo Salgado descansa na Sardenha após ser dispensado de ir a tribunal"...

Era o que mais faltava! Queriam que o pobre do Salgado estivesse à míngua e a pão e água?

«Apesar do inestimável contributo para a destruição do Grupo Espírito Santo, e em particular daquele que era o seu filho pródigo, o BES, que nos custou uns quantos milhares de milhões de euros, que continuaremos a pagar, de múltiplas formas, por muitos e longos anos, Ricardo Salgado, outrora Dono Disto Tudo, recebe uma simpática pensão de 90 mil euros. É sempre reconfortante perceber que, no admirável mundo podre da elite financeira, destruir um banco traz consequências destas. Ainda bem que existem mecanismos para desmotivar quem lhe quiser seguir as pisadas. 
Porém – preparem-se para uma grande injustiça esquerdalha, mesmo à comuna –o fundo de pensões do Novo Banco quer cortar a pensão a Ricardo Salgado & The Espirito Santos, que no seu entender deverá situar-se nos 11.500€, que é mais ou menos o valor da reforma que Cavaco temia não lhe chegar para pagar as contas...
Este Portugal soviético vai de mal a pior. Onde é que já se viu pôr um banqueiro reformado a pão e água?»
Comunas...

Uma relação complicada...

 Via Diário as Beiras

domingo, 25 de julho de 2021

A democracia só é possível com democratas. Na Figueira, não é diferente...

A democracia pratica-se com a aceitação democrática das diferenças. Não com discursos sonantes, mas vazios de conteúdo. Muito menos, com ataques pessoais.
Neste momento na Figueira, ainda em clima de pré-campanha eleitoral, tem cabimento uma reflexão serena. Não pretendo ensinar nada. Trata-se de um contributo à sanidade da vida política e ao exercício correcto da cidadania.  
É, apenas uma opinião, uma opinião despretensiosa e livre. 
Espero que possa interessar a mais alguém.
A democracia na Figueira, em Setembro próximo, pode testar positivo para ameaça autoritária...

Campanha sem promessas não dá votos.
Porém, os compromissos eleitorais deviam ser para cumprir. 
A verdade, como temos constatado ao longo de décadas, é que raramente os compromissos assumidos em campanhas como promessas eleitorais, não se cumprem.
Basta recordar as promessas feitas nos últimos 24 anos no decorrer das campanhas eleitorais na Figueira da Foz. 
Quem, nessa altura, fez promessas sabe muito bem que assim é. 

Perante esta realidade, parece que o mais importante é reflectir sobre o que se promete e o seu interesse para o conjunto da comunidade. De quem se propõe governar, a qualquer nível, espera-se sempre e muito legitimamente, um testemunho de sensatez, de verdade, de respeito pelo eleitorado e pelos outros candidatos.

A democracia constrói-se com a aceitação respeitosa das diferenças, não com discursos sonantes, nem com ataques pessoais. A diferença pode sempre enriquecer. Falar do outro, como se fosse um inimigo a abater, divide sempre, fere inutilmente, levanta muros, promove suspeitas, inquina relações, destrói uma sociedade onde todos têm direito a viver e participar.

Uma campanha eleitoral é, entre nós, normalmente um espectáculo desagradável e nada edificante, pelo que se diz e como se diz e pelo que se promete. Contados os votos, lá vêm palavras de felicitação com sorrisos de circunstância, mas, para trás, ficaram feridas difíceis de curar e lama difícil de limpar. 
Vêm, depois, as promessas para cumprir. Então, se elas ainda se recordam,  multiplicam-se desculpas, arranjam-se culpados, para tentar responder pelo incuprimento do que foi prometido aos eleitores. 

E o povo? Pelo que vamos vendo, conta pouco ou conta cada vez menos.
Em campanhas eleitorais, poucas vezes se vê a leitura serena da realidade concreta e se fala de propostas de solução possível. 
Nas autárquicas 2021 na Figueira, temos tribunos argutos, fluentes e experientes e promessas para deslumbrar.
Por mim, espero um empenhamento autêntico e sincero no bem comum, espírito de serviço em prol dos figuerense e menos ânsia de conquisat de prestígio pessoal.
A classe política tem o dever de se prestigiar. As campanhas eleitorais são uma boa ocasião. Não se diga que a respeitar os outros candidatos não se ganham eleições. 
Para ganhar e para perder é preciso dignidade.
Só esta sobrevive para além do acto eleitoral.

Não chegou às comemorações dos 50 anos do 25 de Abril de 1974

Foto via Jornal Público

Morreu Otelo Saraiva de Carvalho

Morreu o capitão de Abril Otelo Saraiva de Carvalho este domingo aos 84 anos, no Hospital Militar, onde estava internado, avançou a TSF em primeira mão Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril. Otelo foi o responsável pelo setor operacional da Comissão Coordenadora e Executiva do Movimento dos Capitães, elaborou o plano de operações militares do 25 de Abril de 1974 e dirigiu, com outros militares, as operações a partir do posto da Pontinha, no Regimento de Engenharia n.º 1.

Considerado um dos elementos mais carismáticos do MFA, Otelo foi nomeado comandante da Região Militar de Lisboa, e Comandante do COPCON, após a revolução. Além disso, pertenceu ao Conselho dos 20 e ao Conselho da Revolução.

Quem com ele privou destaca-lhe as características de liderança, mas também o otimismo. “Nunca teve inimigos”, garante Paulo Moura autor da biografia de Otelo, ouvido pela SIC Notícias, dando como exemplo o general Ramalho Eanes que o mandou deter, na sequência dos acontecimentos do 25 de Novembro. Foi libertado três meses mais tarde. Otelo voltou a ser detido em 1985 pela liderança das FP-25 de Abril, uma organização terrorista de extrema-esquerda, que operou em Portugal entre 1980 e 1987, e à qual foi imputada a autoria de 13 mortes e de dezenas de atentados. Por isso, para muitos, “Otelo é considerado uma figura controversa”, tal como sublinhou Nuno Gonçalo Poças, que escreveu um livro sobre a amnistia do Processo FP-25 de Abril, na SIC Notícias.

É ainda cedo para a História o apreciar com a devida distância”, diz Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota na página oficial da presidência da República. “No entanto, parece inquestionável a importância capital que teve no 25 de abril, o símbolo que constituiu de uma linha político-militar durante a revolução, que fica na memória de muitos portugueses associado a lances controversos no início da nossa Democracia, e que suscitou paixões, tal como rejeições”, acrescenta o Chefe de Estado, sublinhando que está “consciente das profundas clivagens que a sua personalidade suscitou e suscita na sociedade portuguesa”.

A Figueira continua fora do mapa das obras de manutenção e requalificação dos portos portugueses. Explicações exigem-se...

OUTRA MARGEM, 15 de Janeiro de 2018:

"Atenção presidente Ataíde: é preciso pressionar para não se esquecerem da zona a sul do estuário do Mondego...

Governo prevê investir, nos próximos dez anos, cerca de 900 milhões de euros em obras de manutenção e requalificação da costa portuguesa, para minimizar os efeitos das alterações climáticas, anunciou esta segunda-feira o ministro do Ambiente.
"É um investimento que se prevê necessário, em obras que vão ser feitas, algumas em pedra, afastadas, mas paralelas à costa para reduzir bastante aquilo que é a força que o mar tem", disse à agência Lusa o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, à margem da inauguração das obras de requalificação do litoral em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira."
Hoje na última página do Correio da Manhã.
A Figueira, conforme se pode ler acima, continua esquecida.
Hoje, António Costa vai estar na Figueira.

A CANDIDATURA DE "PEDRO MACHADO QUER QUE ANTÓNIO COSTA DÊ EXPLICAÇÕES SOBRE FALTA DE INVESTIMENTO NO PORTO E NA COSTA DA FIGUEIRA DA FOZ".
«No dia em que António Costa apresenta as candidaturas do PS ao Distrito de Coimbra, o seu Governo volta a deixar a Figueira da Foz de fora do plano de investimentos nos portos, anunciando-se 4,1 milhões de euros para dragagens em quatro portos portugueses, que excluem, de novo, um dos que mais precisa para manter a sua operação e segurança.

De acordo com os anúncios do Ministro do Ambiente, em janeiro de 2018, o Governo PS previa um investimento de 900 milhões de euros em obras de manutenção e requalificação da costa portuguesa, deixando a Figueira da Foz de fora. Hoje é o Ministro do Mar a anunciar investimentos nos portos, esquecendo, de novo, a Figueira da Foz.»

Querem impor a «auto-censura»?..

Cuidado e juizinho com o que vão fazer em 26 de Setembro próximo. 
Por mim falo: suponho que ninguém quer vir a estar nostálgico da liberdade na Figueira depois das autárquicas de 2021...

Imagem sacada daqui

sábado, 24 de julho de 2021

Autárquicas de 2021: o teatro é o espaço da clarificação

A morte é privada. O cadáver é público.
Na tragédia grega, só vemos aquilo que é passível de interessar à comunidade. 
As autárquicas de 26 de Setembro próximo na Figueira vão ser uma tragédia e a morte política definitiva para alguém.
A divisão entre o que é privado - a morte - e o que é público - o cadáver - será visível a seu tempo.
Só o que é visível pode ser assunto de análise democrática. 
O teatro é o espaço da clarificação. Tudo é o que pode ser. 

Carlos Monteiro, em dois anos, desbaratou um capital político conseguido para o PS na Figueira por João Ataíde em 10 anos.
Pode conseguir que o PS passe de uma maioria absolutíssima para o segundo ou terceiro lugar em 26 de Setembro. Carlos Monteiro, neste momento, é o fantasma do populismo na Figueira. Com Ana Carvalho, a Mafalda, a Diana, o Nuno e os reforços Glória Pinto e o jovem da Associação Académica de Coimbra, não deve ir longe. 

Por sua vez, Santana Lopes não é sequer o fantasma do populismo: é pior. A candidatura de Santana não existe. Já esteve em melhor forma, mas ainda é um excelente orador. Tem um ego maior que a dívida que deixou em 2001 na Figueira. Não tem uma única ideia própria. Num debate com gente séria e a sério, sem cartas marcadas, vai ao tapete em três tempos. Santana não debate: discursa. Vamos ver a equipa.

Pedro Machado tem estado a fazer uma campanha profissional e limpinha. Mas ainda tem muito caminho para percorrer se quer aspirar à presidência. Falta a equipa e o programa. Ficamos a aguardar.

Mattos Chaves tem feito o que se esperava: com escassos meios financeiros e humanos, tem tentado apresentar ideias. Contudo, o actual estado do CDS não ajuda.

O BE apresenta mais do mesmo: Rui Silva.

O Chega continua uma incógnita. Não sei se vai chegar a apresentar lista. As coisas não estão fáceis.

Finalmente, a novidade CDU: Bernardo Reis. Com o seu registo calmo, o seu candidato, apoiado num colectivo organizado, trabalhador e esforçado pode ser a supresa. Veremos...

Vamos acreditar?..

Estamos na Figueira.
A vida muda. As pesssoas também. A política também.
Faltam dois meses para as eleições autárquicas 2021.
Por saber de experência feita, sei que pode demorar muito pouco tempo para algumas pessoas se transformarem naquilo que criticavam nos políticos que exerciam o poder.
Já me aconteceu: depois de ter lutado para tentar mudar as práticas, vi que afinal apenas tinha contribuido para conseguir substituir os executantes.
As práticas continuaram as mesmas.
A vida é o que é. As pessoas e a natureza humana são o que são.
Os hábitos e a  "cultura" demoram muito tempo a alterar-se. Têm um valor meramente instrumental. 
Os poetas, a música e a poesia foi o melhor que os seres humanos conseguiram.
O altruismo é uma coisa importante, apesar de também, por vezes, ser meramente instrumental.
Temos de aceitar a realidade: a Figueira não é uma ode.
A vida é o que é. A Figueira é o que é. 
A vida muda. Os anos passam. As pesssoas também. A política também.
Mas, as práticas têm continuado sempre as mesmas.
Vamos acreditar que, desta vez, algo vai mudar no futuro?
Os poetas, a música e a poesia foi o melhor que os seres humanos conseguiram...

Covid está a aumentar no nosso concelho

 Via Diário as Beiras

sexta-feira, 23 de julho de 2021

O Doutor Santana Lopes tem razão: "as rendas de casa na Figueira estão altas".

 Vídeo via Figueira a Primeira

E... não é só no verão... A Figueira, como sabemos, precisa de uma nova política de habitação, com rendas acessíveis.

Por isso, são absolutamente compreensíveis as dificuldades do Dr. Santana Lopes em mudar a residência para a Figueira da Foz. Para já, está cá recenseado. E "continua à procura de casa"...

Entretanto, vai tendo como residência a nova casa em Belverde, Amora.
Segundo as "más línguas", acaba de se mudar da Charneca da Caparica para lá...

Telenovelas figueirenses: Edifício O Trabalho (episódio nº. 369)

SINOPSE DO EPISÓDIO DE HOJE, VIA DIÁRIO AS BEIRAS

RESUMO DE (ALGUNS) EPISÓDIOS ANTERIORES:
segunda-feira, 17 de março de 2014
- o vereador Carlos Monteiro… advogou «todos temos de ser proactivos».
quarta-feira, 25 de novembro de 2015
- a vereadora Ana Carvalho, deu conta que a seguradora Açoreana não tenciona reabilitar o Edifício O Trabalho. 
quarta-feira, 21 de dezembro de 2016
- "o prazo da licença para obras no Edifício O Trabalho caducou. Aliás, já caducaram todos os prazos a que o proprietário do imóvel, a seguradora Açoreana, recorreu."
sexta-feira, 29 de dezembro de 2017
- Autarquia pretende demolir o Edifício O Trabalho para cortar o mal pela raiz
quinta-feira, 8 de novembro de 2018
- "Novos donos querem reabilitar Edifício "O Trabalho"...
sexta-feira, 19 de abril de 2019
- Edifício o Trabalho está à venda no OLX!..
sexta-feira, 15 de maio de 2020
- O Edifício "O Trabalho" paga IMI?
sexta-feira, 22 de maio de 2020
- Obras no Edifício O Trabalho incidirão no interior e exterior das áreas comercial e habitacional
- Novos proprietários do prédio manifestaram vontade em iniciar as obras brevemente 
- Donos anteriores também apresentaram projetos mas  não realizaram  as obras

Preciosa ajuda aos autarcas impreparados, como é o caso da Figueira: vamos ver como será na prática...

As podas têm sido muito contestadas pelos moradores e tem-se exigido regras para esta prática.


"A PSP e a GNR vão poder multar municípios e particulares que façam podas radicais ou abates de árvores sem justificação e contra as regras inscritas nos regulamentos municipais de arvoredo urbano, que passarão a ter de existir dentro de um ano. Esta é uma das várias novidades inscritas num inédito 
Regime Jurídico do Arvoredo Urbano, aprovado ontem pelo Parlamento, com contributos de vários partidos, na sequência de uma petição pública lançada no ano passado. Tal como pediam os peticionários, Portugal vai ter também um guia de boas práticas e será reconhecida a profissão de arborista.
Regulamentos municipais dentro de um ano 
Este guia é crucial para ajudar os municípios a elaborarem, posteriormente, até de hoje a um ano, os seus regulamentos municipais de gestão do arvoredo urbano, com uma lista e planta de localização das árvores classificadas de interesse público e de interesse municipal existentes no seu território; a sua estratégia municipal para o arvoredo urbano; a identificação dos ciclos de manutenção e as normas técnicas para a implantação e manutenção de árvores. Este documento terá de passar pela votação nas assembleias municipais e as áreas metropolitanas e comunidades intermunicipais terão também algo a dizer sobre a respectiva adequação ao regulamento jurídico e ao guia de boas práticas que vier a existir (e que será actualizado de cinco em cinco anos). O processo será, pelo meio, submetido ainda a consulta pública, com um mínimo de 30 dias, abrindo um primeiro espaço de participação cidadã num tema que tem gerado cada vez mais interesse, à medida que uma parte da população se apercebe da importância das árvores para a melhoria da qualidade do ambiente urbano e para a adaptação das cidades a alguns efeitos da crise climática, como as ilhas de calor.
O regulamento jurídico melhora a capacidade de participação dos cidadãos na gestão do arvoredo com outros instrumentos. Um deles é o Inventário do Arvoredo em Meio Urbano, um trabalho mais extensivo do que a mera identficação de espécimes classificados, e que cada município terá de levar a cabo nos próximos dois anos."

Chega e PSD, PSD e Chega...


Se Carlos Moedas precisar de apoio do Chega qual é a vontade, independentemente do partido, do Nuno Graciano?
 Acho que há condições para conversarmos. 
 Já houve alguma conversa, entretanto, no passado? 
 Já o encontrei, é muito simpático. 
 Mas encontrou-o, se me permite, em que contexto? 
 Já nos encontrámos circunstancialmente e fomos muito simpáticos um com o outro e desejámos boa sorte um ao outro.

Em futebol, chamava-se a isto andar a arrastar-se pelos pelados da III divisão..

quinta-feira, 22 de julho de 2021

Arrastão Deneb foi de encontro à muralha no porto de pesca da Figueira da Foz

O Deneb, uma embarcação de arrasto costeiro, pertencente à empresa Testas & Cunha SA, de Aveiro, teve um acidente no porto de pesca da Figueira da Foz, esta tarde,  ao chegar da faina quando, ao que se preume, pretendia fazer a manobra de atracação.
O navio com o comprimento de  24 metros foi de encontro à muralha ficando na situação que se pode ver nas fotos.


Bernardo Reis, candidato CDU FIGUEIRA no Dez & 10

 Via Diário as Beiras
Uma comunicação social livre, exigente, isenta e plural é uma das condições fundamentais para existir democracia. 
À relevância do papel social de produção e publicação de notícias deve corresponder a mesma dose de responsabilidade e exigência no tratamento noticioso da realidade que é, necessariamente, construída pela própria noticia. 
Na Figueira, num período em que nos aproximamos de eleições autárquicas, a responsabilidade sobre os temas tratados não deve existir apenas no plano da justa distribuição de tempo pelas várias candidaturas, ideias e opções politicas que se apresentam perante o sufrágio dos cidadãos: a semântica reveste-se igualmente de uma importância crucial no tratamento noticioso. 
Neste sentido, torna-se manifestamente inaceitável os órgãos de comunicação social continuem a reproduzir, displicentemente, a ideia de que a qualidade de vida não passa de um slogan de propaganda política, optando assim, implicitamente, pela aceitação acrítica deste conceito. 
Sabemos, não ainda pelos programas dos partidos que concorrem a eleições, que existem diferentes abordagens, interpretações e propostas de solução para a qualidade de vida dos figueirenses. São estas perspetivas que estarão sob escrutínio dos eleitores no dia 26 de Setembro. 
Ao assumir acriticamente o slogan “qualidade de vida”, a comunicação social interfere no processo plural de debate de ideias, contribuindo para que, neste processo eleitoral autárquico,  um slogan partidário se sobreponha à discussão das ideias.

Além de Santana Lopes, Carlos Monteiro, Pedro Machado, também Bernardo Reis(CDU), João Domingues(CHEGA), Pedro Chaves(CDS) e Rui Curado(BE), são candidatos à presidência da Câmara Municipal da Figueira da Foz!


 Álvaro Manuel Cabete Ferreira, um militante do Partido Socialista

Autárquicas na Figueira: Pedro Machado acusa Santana Lopes de traição ao PSD

Vídeo via Figueira do Futuro. Texto via SICN
«Pedro Machado, actual presidente da Entidade Regional do Turismo do Centro de Portugal, é o candidato do PSD à Câmara Municipal da Figueira da Foz. 
Se ganhar, promete que a cidade voltará a ter uma posição de relevo no país, “sem promessas vãs e sem despesismos desnecessários”. O candidato diz que o convite para ser cabeça de lista foi feito tanto pela concelhia local do partido como pelo próprio Rui Rio e deixa acusações ao adversário, Pedro Santana Lopes, que acusa de traição ao PSD. Pedro Machado reiterou ainda que irá abdicar do cargo no Turismo do Centro, caso vença as eleições autárquicas.»

quarta-feira, 21 de julho de 2021

Exclusões que passam pelas televisões

Via Ladrões de Bicicletas

"Nas televisões ditas privadas é o que se sabe: comentário em canal aberto monopolizado pelos facilitadores das direitas dos negócios. No cabo, com raras excepções, é o mesmo, mas com mais força, agora também com Bugalhos e Pintos, todos excitados com a sua imaginação cada vez mais reacionária. 

Por sua vez, na televisão pública, estamos reduzidos a um extremo-centro pretensamente sensato, capitaneado, entre outros, por Carlos Daniel: ontem tivemos um “debate” sobre o estado desta nação com Silva Peneda e Correia de Campos, antigos ministros e presidentes do Conselho Económico e Social. Estava um representante dos patrões (CIP). Logicamente, devia estar alguém dos sindicatos. Mas não: estava uma cientista política. Foi para não polarizar, como agora se se diz, tentando disfarçar os vieses ideológicos e de classe. 

Há, de facto, toda uma nação excluída de “debates” para cada vez menos."

Máquina da verdade...

 Via FIGUEIRA DO FUTURO. Para conferir clicar aqui.

Assadores de peixe na via pública

Via Diário as Beiras

"O presidente da câmara anunciou que a autarquia está a consultar o mercado para a aquisição de assadores de peixe na via pública, que serão autorizados em zonas que não interfiram com moradores e atividades económicas. As taxas que os estabelecimentos de restauração terão de pagar pelos equipamentos amortizarão o investimento, esclareceu Carlos Monteiro. O autarca defendeu que os fogareiros terão de ser menos poluentes do que os tradicionais que utilizam carvão."