sábado, 22 de fevereiro de 2020

Da série, Museu do Mar... (5)

Museu do nosso mar
 
"Não tenho dúvidas: a localização do futuro museu do mar deverá ser no Cabo Mondego. Por razões muito simples.
1. A infraestrutura já está parcialmente construída, sendo as antigas instalações da fábrica de cal perfeitas para isso. 2. Iniciar-se-á o processo de requalificação e construção da ligação entre a Murtinheira e o Teimoso, criando, assim, uma ligação vital para o norte do concelho. 3. Instalaríamos o museu num local com um património geológico e biológico único no nosso país.Pa ra mim, a dúvida já nem é o local, mas sim o foco do futuro museu do mar. Afinal de que mar iremos falar? Em que ramo científico ligado ao mar vamos basear o nosso museu? As hipóteses são inúmeras, mas tentar falar de todo o mar pode ser um de-sidrato difícil de alcançar com qualidade. Não é por acaso que a nossa Exposição Mundial, a Expo 98, se dedicou à água e aos oceanos, sendo certo que, até aí, ficou muito por explorar.
Dado que é impossível falar de todo o mar, considero que os principais temas do nosso museu deverão ser a ligação da Figueira ao mar, ou seja, como é que a proximidade do mar influenciou o desenvolvimento humano na Figueira da Foz, abordando as vivências dos pescadores, a evolução do porto comercial, o desenvolvimento do turismo balnear e os primeiros vestígios de desenvolvimento humano.
2. A singularidade do património natural do Cabo Mondego, procurando “repatriar” alguns dos achados geológicos e biológicos encontrados no Cabo Mondego.
3. Deverá haver uma sensibilização significativa no que toca às questões ambientais, transmitindo aos futuros visitantes o estado chocante a que chegaram algumas regiões dos nossos oceanos.
O museu do mar irá ser um polo de atração de visitas de estudo e de curiosos relativamente ao nosso mar. Mas o museu do mar irá ser também o primeiro passo para abrir novamente o Cabo Mondego aos figueirenses, um património singular, que infelizmente temos vindo a perder."


Via Diário as Beiras

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Luto Municipal em Seia e na Figueira

Via Notícias de Coimbra
"O Presidente da Câmara Municipal de Seia, Filipe Camelo, decretou hoje três dias de Luto Municipal, pelo falecimento de Joaquim Pina Moura, natural de Loriga, no concelho de Seia.
Filipe Camelo determinou que as bandeiras dos edifícios municipais fossem colocadas a meia haste em memória e reconhecimento ao “ilustre senense Joaquim Pina Moura”, “personalidade de elevado nível intelectual e profissional, colaborando ativamente, sempre que solicitado, em matérias relacionadas com o desenvolvimento do c oncelho de Seia, tendo presidido à Assembleia Municipal de Seia entre os anos 2005 e 2009”, como se pode ler no despacho rubricado pelo autarca."

Via Município da Figueira da Foz
"É com grande pesar que o Município da Figueira da Foz informa que, faleceu esta madrugada o Dr. João Ataíde, magistrado, ex-presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz e deputado na Assembleia da República.
O presidente da Câmara Municipal, Carlos Monteiro, decretou dois dias de luto municipal, nos dias 21 e 22 de fevereiro.
Cumpre-nos informar que no seguimento do falecimento do Dr. João Ataíde, as cerimónias fúnebres decorrerão da seguinte forma:

Sexta-feira, 21 de fevereiro
18h00 - Capela da Universidade de Coimbra

Sábado, 22 de fevereiro
12h00 - Missa na Capela da Universidade de Coimbra
14h15 -Passagem do cortejo fúnebre frente à Câmara Municipal, com paragem simbólica e o cumprimento de um minuto de silêncio.
14h40 - Complexo funerário da Figueira da Foz".

Morreu João Ataíde, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz até Abril de 2019

Aos 61 anos de idade, vítima de doença súbita, durante a noite, morreu João Ataíde, o Juiz Desembargador do Tribunal da Relação de Coimbra, que em 2009 se candidatou e ganhou a presidência da Câmara Municipal da Figueira da Foz.
Em Abril de 2019 abdicou da presidência da Câmara da Figueira, para ir desempenhar as funções de secretário de estado do ambiente, no governo de António Costa. 
Actualmente era deputado eleito pelo círculo de Coimbra à Assembleia da República.
O seu último acto público, aconteceu ontem na Assembleia da República.

"Plástico zero? Distribuição de 12 000 copos de plástico? Uma contradição nos termos. Não faz sentido"*

* Comentário de João Vaz, numa postagem do Município da Figueira da Foz:
"O Carnaval de Buarcos/Figueira da Foz aposta, este ano, numa edição que tem como objectivo a não utilização única do plástico, de forma a promover a sustentabilidade e a ecologia, sendo, para tal, distribuídas 1600 garrafas de plástico reutilizável aos participantes do Desfile Infantil, 100 garrafas às Escolas de Samba e Grupos e ainda 12000 copos destinados aos vendedores ambulantes, foi hoje avançado numa conferência de imprensa, realizada nos Caras Direitas."
Na Figueira é sempre carnaval!..
Imagem via Diário as Beiras. Para ver melhor, clicar na imagem.

Contrato “Águas da Figueira” (Esclarecimentos - 2)

Via PSD/Figueira...
Via Diário de Coimbra
Via Diário as Beiras

A demagogia continua: e se terminassem as obras, ao menos a daquela rua!..

Imagem via Diário as Beiras

Da série, "verdadeiros artistas"...

"O CDS quer um referendo à eutanásia, mesmo que seja chumbada no Parlamento. Para Francisco Rodrigues dos Santos, caso sejam conseguidas as 60 mil assinaturas necessárias, a consulta popular deve avançar.
O líder do CDS reuniu com o bastonário da Ordem dos Médicos para debater a morte assistida. À saída, sublinhou que os projectos de lei que vão ser votados violam a Constituição."
Para ver o vídeo, clicar aqui
Este artista, que é o actual líder do CDS, que se orgulha de ser o único partido historicamente contra a "Constituição socialista", enche a boca de Constituição como argumento contra a morte medicamente assistida...

Um cidadão português, por ser deputado, pode tentar evitar ir a tribunal, por uma questão pessoal, refugiando-se na " imunidade parlamentar" ? ..


Via Observador
"O deputado do PS e Presidente da Assembleia Municipal de Penacova, Pedro Coimbra, pediu ao Parlamento que mantivesse a imunidade após ter sido acusado de insultar um árbitro durante uma prova do Campeonato do Mundo de Nações de Pesca Desportiva, em 9 de setembro de 2019, no centro náutico de Montemor-o-Velho, avançou o Público esta quarta-feira. O árbitro colocou-o em tribunal pelo crime de injúrias por se ter sentido ofendido. O pedido de levantamento da imunidade à Assembleia da República já foi feito e poderá acontecer na próxima semana."

Contrato “Águas da Figueira” (Esclarecimentos)


Conforme consta nas atas das reuniões de Câmara Municipal, o PSD apresentou requerimentos a solicitar informações relativas ao contrato de concessão com as “Águas da Figueira”nem sempre a informação tem sido disponibilizada!

O PSD em Novembro de 2019, propôs que fosse elaborada uma auditoria técnico-financeira ao contrato de concessão e ao desempenho da concessionária por uma entidade independente e idónea!

Da parte do Dr. Carlos Monteiro, temos assistido a comportamentos de arrogância e prepotência, acusando constantemente o PSD de mentir sobre as dúvidas ao contrato com as “Águas da Figueira” !

Em 2005, o Dr. Carlos Monteiro, encabeçou o movimento a “ Água mais Cara”, criticando a tarifa de disponibilidade e os investimentos em Água e Saneamento!

Mas o executivo Socialista em 2012, vendeu a ilusão que a fatura da água ia baixar para os Figueirenses!!

Na Revisão de 2012 a Câmara Municipal:

- Eliminou a caução 7 milhões de Euros do Contrato de Concessão, ou seja, a mesma é exigida em todos os contratos públicos, no caso em concreto se a Concessionária não cumprir, não há caução para acionar!) “Art. 41º Garantias, Sanções e Contencioso foi revogado” (anexo comprovativos das afirmações. Doc. 1).

- Permitiu a sub- Concessão do sistema de saneamento à empresa “Luságua”, acionista das “ Águas da Figueira” alterando o Art. 11º (exclusividade), tornando-se um financiamento encapotado ao acionista. (anexo comprovativos das afirmações. Doc. 2).

- A Câmara Municipal deixou de fiscalizar as obras das “ Águas da Figueira”. O Art. 40º (fiscalização de obras) foi revogado. (anexo comprovativos das afirmações. Doc. 3)

- Diminui em 5,7 milhões de Euros de rendas a receber da Concessionária! Art. 69 Retribuição da Concessão, (anexo comprovativos das afirmações. Doc.4)

- As tarifas fixas da água e saneamento aumentaram! (anexo comprovativos das afirmações. Doc. 5)

No primeiro semestre de 2019, as perdas de água na rede (água não faturada) aumentaram 18,73% em relação ao período homólogo. (anexo comprovativos das afirmações. Doc. 6)

- Desobrigou o investimento das “ Águas da Figueira” em cerca de 11 milhões de Euros. (anexo comprovativos das afirmações. Doc. 7)

Anunciaram baixa da TIR (taxa interna de rentabilidade) do acionista, sendo o desejável para a Concessionária, o que serviu apenas para a mesma reequilibrar as contas.

- O Dr. Carlos Monteiro NÃO honrou o compromisso eleitoral, de baixar a tarifa da Água a todos os Figueirenses.

A propaganda SOCIALISTA iludiu os Figueirenses com a redução das tarifas da água, com a tarifa das famílias numerosas e tarifa social, e assim Câmara Municipal deixou de comparticipar 25% nos investimentos!

Os Figueirenses ficaram a pagar muito menos pela Água? NÃO!!

Assim sendo, todo o supra exposto encontra-se devidamente provado e documentado! 
Desta forma, aguardamos que face à documentação apresentada e explanada, o Sr. Presidente da Câmara Municipal, continue a atacar, difamar e apelidar a oposição como MENTIROSA! 
A verdade é e será INCONVERTÍVEL!!!

Figueira da Foz, 20 de Fevereiro de 2020 
PSD Figueira da Foz
Os anexos podem ser consultados aqui.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Da série, Museu do Mar... (4)

Histórias do mar
"Um museu do mar terá de contar as histórias das mulheres e dos homens que viveram do mar. Dos que se aventuravam pelas ondas adentro como o meu avô Aureliano Curado e de todas aquelas e aqueles que em terra faziam tudo para que a faina corresse pelo melhor. Mas o museu do mar terá de contar também a história da fauna e da flora marítima da nossa faixa costeira. 
Desde o tempo em que baleias e delfins abundavam na nossa costa (vendia-se carne de delfim no mercado da Figueira no início do século XX) até aos dias de hoje onde restam apenas espécies de pequeno porte (sardinha, carapau, cavala e pouco mais). A estreita e frágil faixa costeira com nutrientes para a fauna marinha resume-se à placa continental submersa de apenas algumas milhas de extensão. As profundas placas oceânicas são consideravelmente estéreis e com muito pouco interesse para a pesca. Quem visitar o museu terá de ganhar consciência destas questões. Uma boa referência para um museu deste tipo é o Museu Marítimo de Ílhavo e o excelente trabalho da equipa coordenada por Álvaro Garrido que deu ao museu uma dimensão digital, espalhando pelo mundo as histórias dos nossos pescadores. Foi assim que encontrei a ficha do meu avô Aureliano no portal Homens e Navios do Bacalhau. A minha família que se encontra espalhada pelo mundo, da Costa de Lavos à Austrália, emocionou-se depois de uns meros cliques, descobrindo fotografias e histórias que desconhecíamos dos nossos antepassados que se fi zeram ao mar. Um museu assim terá de se relacionar forçosamente com o mar. Certamente, teremos arquitetos capazes de concretizar de uma forma sublime essa união entre terra e mar. Há um conceito que considero particularmente simpático, que é a requalificação de edifícios degradados para novos espaços. Neste particular, serão boas opções o antigo posto da GNR em Buarcos ou a antiga fábrica do Cabo Mondego. No entanto, seria importante descentralizar este museu a outros lugares de memória nas restantes localidades costeiras do concelho, como já podemos encontrar na Casa dos Pescadores da Costa de Lavos."

Via Diário as Beiras

Na Figueira é sempre carnaval... Alguém sabe alguma coisa sobre a PISCINA OCEÂNICA?

Imagem sacada ao jornal DIÁRIO AS BEIRAS em Fevereiro de 2019
Há um ano, foi anunciado que as obras deveriam arrancar em 2019.
O caderno de encargos implicava um investimento de 3,6 milhões de euros. A concessão, por seu lado, é isenta de renda e tem um prazo de 50 anos. O vencedor do concurso está obrigado a apresentar uma caução de 100 mil euros na autarquia. Caso os prazos e o contrato não sejam cumpridos, ficará sem aquele montante e sem a concessão.
“Finalmente, estamos a ver a luz ao fundo do túnel e estamos com muita expectativa em relação a este projecto. Há quase 20 anos que a câmara tem tentado, sem sucesso, encontrar uma solução para o edifício”, declarou a vereadora Ana Carvalho.
 “Esta proposta é muito favorável para município”, disse ainda a autarca em Fevereiro de 2019 ao DIÁRIO AS BEIRAS

Foram duas as propostas apresentadas no concurso público lançado em 2018 pela autarquia, tendo vencido aquela que mais garantias oferece para a reabilitação e exploração daquele imóvel municipal classificado.
Passou um ano e, até agora, nada?..
Certo, certo, garantido, garantido, é que para a semana, a começar segunda-feira, continua este carnaval?

À segunda foi de vez...

Uma perda irreparável

O americano Larry Tesler, criador do comando "copiar e colar" (CTRL C+CTRL V), morreu na última segunda-feira (17), aos 74 anos.

"Cientista informático que tornou o nosso trabalho ao computador muito mais simples tinha 74 anos."

Com este péssimo desempenho, vão continuar na Figueira sem jobs para os boys and girls, deixando no desemprego muitos militantes...

A mensagem passada pelo jornal Diário as Beiras de hoje, com chamada de primeira página, é clara: "Figueira da Foz Distrital do PSD procura apaziguar Carlos Tenreiro".  
Na minha leitura, o que o jornal transmite na primeira página é que a distrital do PSD tranquilizou Carlos Tenreiro.
Não sei se foi isso o que aconteceu, pois não estive na reunião, nem falei com ninguém sobre isso. 

Já na página 12 o título da peça assinada pelo jornalista JA, é um bocadinho diferente: "Distrital do PSD e Carlos Tenreiro reuniram-se para apaziguar ambiente político".

O que na minha leitura, pretende transmitir que a distrital do PSD procura pacificar as partes em confronto, contando para isso com o passar do tempo para que as tensões se diluam.


Recordo que, precisamente há um ano (20 de Fevereiro de 2019), Paulo Leitão, então candidato à distrital do PSD, manifestou “total confiança” na Comissão Política de Secção do PSD da Figueira da Foz. Paulo Leitão, não deixou espaço para qualquer réstia de dúvida: estava solidário com a Comissão Política de Secção do PSD da Figueira da Foz.
Passado um ano, o agora presidente da Distrital do PSD, Paulo Leitão, ao que o DIÁRIO AS BEIRAS apurou, sem citar a fonte, "promoveu recentemente uma reunião com Carlos Tenreiro, na qual , além do dirigente, também participaram Manuel Rascão Marques e Manuel Domingues, tendo por finalidade sensibilizar o autarca para a necessidade de apaziguar a sua relação com o partido e o seu líder local, Ricardo Silva, nas reuniões de câmara. O autarca fez-se acompanhar pelo presidente da Concelhia da JSD, Bruno Pais Menezes, e pela ex-dirigente local Margarida Viana. Carlos Tenreiro terá sido sensível aos argumentos da Distrital, e já deu sinais disso." 
Como é do conhecimento público, as tensões começaram quando o agora vereador Carlos Tenreiro ainda era candidato a presidente da câmara, pelo PSD, nas autárquicas de 2017.  As coisas agravaram-se em janeiro de 2019, quando a Concelhia retirou a confiança política a Carlos Tenreiro e a Miguel Babo, que foi em número dois na lista.

De harmonia com o que li na edição de hoje do Diário as Beiras, se Carlos Tenreiro aceitou cumprir um pacto de não-agressão política em relação a Ricardo Silva, vereador e presidente da Concelhia, nas reuniões de câmara e no espaço público, já os dirigentes do PSD, sobre a referida reunião, fizeram um pacto de silêncio e não prestaram declarações.
Não obstante o silêncio, fonte social-democrata disse ao Diário as Beiras, que “aquilo que foi pedido a Carlos Tenreiro foi que cumpra os estatutos do partido”. Outra fonte do mesmo partido, porém, acrescentou que “a reunião destinou-se a promover uma convivência pacífica”
Segundo o mesmo jornal, nas duas últimas reuniões de câmara, realizadas após aquela “conferência” da paz possível, Tenreiro não fez intervenções visando Ricardo Silva ou o PSD. “Carlos Tenreiro deixou de atacar o partido e Ricardo Silva, mas incumbiu Miguel Babo dessa tarefa”, afiançou um dirigente do PSD local. 
“Nunca ataquei o partido; quanto muito, posso ter estratégias divergentes do partido, a nível local”, reagiu Carlos Tenreiro.
O jornalista que assina a peça refere, que "Miguel Babo, de facto, tem estado mais activo nas críticas ao dirigente local e à estrutura que lidera"
“Pura coincidência”, garantiu, porém, o vereador independente, acrescentando que “também há uma nova era de comunicação, por parte da Concelhia do PSD, que muitas vezes contradiz as posições do vereador Ricardo Silva nas reuniões de câmara”.
Na minha opinião, tem sido desolador para os figueirenses assistir ao espectáculo dado nas reuniões de câmara pela oposição. Isso, não enfraquece só o PSD local. O PS tem feito um passeio neste mandato. A maioria absoluta e a divisão no partido da oposição levaram a isso. Perde a Figueira, pois uma oposição forte, interventiva e unida, ajudaria o próprio poder a estudar os problemas e a tornar melhor e mais competente a sua prática política.

Nada do que se passa actualmente no PSD Figueira, surpreende quem tenha estado minimamente atento à política nos últimos 30 anos no nosso concelho.
Nos chamados partidos do arco da governação  (recorde-se o que se passou no PS, entre 1998 e 2009...), quando ocupam o poder, as várias tendências, ainda que procurem exercer influência, submetem-se às lideranças, para conseguir o que lhes interessa: um cargo. Na oposição, são um saco de gatos. 
Em 2017, perante a hecatombe eleitoral que o PSD sofreu a nível autárquico na Figueira, esperava-se que fosse feito algo nos anos seguintes para tentar recuperar alguma coisa.
A meu ver, com este péssimo desempenho, vão continuar na Figueira sem jobs para os boys and girls, deixando no desemprego muitos  militantes.
Durante os anos de Santana e Duarte Silva à frente da câmara da Figueira, os socialistas fizeram a travessia do deserto que agora os laranjas estão a fazer.
A não ser que o PSD Figueira prefira continuar em constantes intrigas palacianas, terá que discutir um programa antes de discutir pessoas...

Que sorte esta árvore ter nascido numa terra onde Carlos Mota Serra Monteiro não manda nada... (2)

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

São eles e uma pessoa que eu conheço muito bem com as multas da Figueira Parques...

Que sorte esta árvore ter nascido numa terra onde Carlos Mota Serra Monteiro não manda nada...

VILA POUCA DE AGUIAR: Castanheiro português quer ser a árvore europeia 2020

"Com mais de mil anos, este castanheiro de 21 metros de altura e um tronco com perímetro de 14 metros é a Árvore Portuguesa de 2020 e está a medir forças durante este mês de fevereiro com mais quinze árvores de outros tantos países.

A organização do concurso nacional está entregue à UNAC – União da Floresta Mediterrânica que, no próximo dia 14 de fevereiro, irá deslocar-se ao local do Castanheiro de Vales para proceder à entrega do prémio nacional que valoriza o património natural e que contribui para o desenvolvimento da comunidade local. O Castanheiro de Vales está classificado como Árvore de Interesse Público pelo ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e da Floresta sendo considerada uma «das árvores mais grossas de Portugal», dentro da sua espécie, Castanea Sativa Miller. A árvore eleita para representar Portugal no 10º Concurso Europeu de Árvore do Ano consegue produzir duas qualidades de castanha, a Côta e a Longal que são as mais típicas desta região, totalizando uma produção de cerca de 250 kg deste fruto de outono. Fernando Marques, o produtor e proprietário do souto, está a plantar vários exemplares para dar continuidade à espécie de castanheiro na aldeia de Vales, freguesia de Tresminas, concelho de Vila Pouca de Aguiar. As votações decorrem até ao próximo dia 29 de fevereiro e para votar tem de selecionar duas árvores, confirmando o voto através de link que recepcionará na respectiva conta de correio eletrónico."

Maló de Abreu

Costa (o Carlos...) em dificuldades...

Da série, Museu do Mar... (3)

Finalmente o museu do mar

"A Figueira da Foz e a sua costa desde sempre tiveram um vínculo estreito ao oceano, principalmente pelas actividades piscatórias, da longínqua pesca do bacalhau nos mares gelados do norte, passando pelo arrasto, pelas traineiras de relativa proximidade, não esquecendo as artes e a pesca fluvial, a curta distância da foz do rio, também ele “mar”, misturadas as suas águas com as salgadas que o recebem no final da “viagem”, e também por via do turismo.
A existência de um museu que recolha o espólio relacionado com a ligação umbilical que temos ao mar, é um imperativo e a ideia da sua implantação só peca por tardia mas muito bem vinda e desejo ardentemente que realidade a curto prazo. Onde “nascer”? Recentemente assistimos a contradições por parte de dirigentes autárquicos sobre o assunto, dando-se a impressão de que cada um “puxa a brasa à sua sardinha”, rivalizando incompreensivelmente. O futuro museu do mar e o próprio mar não são propriedade exclusiva de ninguém, mas património de todos. Então a localização da estrutura deverá acontecer num sítio que sintamos também como património comum. Nenhum local me parece ter este carisma que não o Cabo Mondego. Quando pisamos aqueles lugares sentimonos em casa. Parecem-me os mais adequados para o propósito, criando-se um sítio museológico de larga importância, com a rota dos dinossauros ali patente, condições de excelência. Entendo que a distância do núcleo urbano e as acessibilidades poderão constituir dificuldades mas havendo genuína vontade, do longe se faz perto, do difícil se faz fácil. Necessário será um esforço financeiro mas tal não pode levantar-se como entrave. Falamos de cultura e não de simples entretenimento. Não poderão ser esquecidas as facetas menos felizes da nossa ligação marítima, designadamente as memórias das tragédias, do naufrágio do “Nova Leirosa” ao “Olívia Ribau”. Outro factor a acautelar será a preservação do Núcleo Museológico do Mar, em Buarcos, peça emblemática da cultura do município, com tantas provas dadas, nomeadamente no seu serviço educativo."


Via Diário as Beiras

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

O "meio comentador de futebol e meio político" Ventura...

Normalmente, costumo ver o jornal da noite da  TVI às segundas. Concordando ou discordando, gosto de ver Miguel Sousa Tavares opinar e debater sobre a espuma dos dias.
Ontem, contudo, por terem anunciado a presença de André Ventura no jornal da noite, propositadamente passei ao largo.
Hoje, porém, alguém ligado à política, disse-me que o André Ventura deu uma coça ao Miguel Sousa Tavares. Despertou-me a curiosidade. E fui ver... 


O resultado foi o que esperava. Não percebi o que pretendia Miguel Sousa Tavares ao dar palco a Ventura. Se pensava que ia desmascarar o fascista e populista, a coisa saiu-lhe como tinha de sair: mal.
André Ventura não olha a meios para atingir os fins: não respeita nada. 

Mas Ventura não se atrapalhou: atropelou o MST, deixou-o na valeta. E, pelo que me disse hoje à tarde, alguém ligado à política, deve ter passado o seu discurso demagógico, populista e trauliteiro para o grande público.
É verdade que  Miguel Sousa Tavares tentou fazer o contraditório às afirmações de André Ventura. Todavia, caiu na armadilha. O palco que lhe foi dado na TVI, na longa entrevista dada no telejornal, serviu às mil maravilhas para o que Ventura, "meio comentador de futebol e meio político", quer fazer passar para o eleitorado que quer captar: mostrar que está sozinho num dos lados da barricada e que é único na luta, contra tudo e contra todos.

E se fôssemos governados por pássaros?..

Via Jornal Económico
"Pássaros do Montijo “não são estúpidos” e podem adaptar-se ao novo aeroporto, defende secretário de Estado"...

Na Figueira e sempre carnaval...

Da série, Museu do Mar... (2)

 Começar pelo telhado

"Ou porque é preciso fazer uma “prova de vida”, ou para criar um “facto político”, ou porque se julga mais fácil e eventualmente menos impopular tentar justificar o erro com uma distração do que reconhecê-lo, ou ainda porque a opinião pública fica efetivamente convencida de determinada realização, não quando ela o é de facto mas apenas porque foi (sucessivamente) anunciada, nesta Figueira política já deixou de ser surpreendente a pirueta, a inércia e a leviandade, até porque o povo (o que ainda vai votar) parece gostar e estar satisfeito.  Entendo que uma forma séria de abordar a questão da instalação de um Museu do Mar não pode começar pelo local, mas pela resposta assertiva às seguintes perguntas prévias: Há um claro e estratégico consenso no concelho da Figueira sobre o que deve ser, hoje, um Museu? Há um espólio, material e imaterial, que justifique um Museu do Mar “da Figueira”? Há uma vontade política, social, económica e cultural abrangente, que envolva todos os players, relativamente à necessidade de construção de um Museu do Mar? Já foi feito algum estudo sobre o esforço necessário para a concretização deste desiderato e respetivo impacte (económico, fi nanceiro, cultural, social)? A CIM-Região de Coimbra é/fará parte do projeto? O Turismo Centro Portugal já foi contactado? E o Ministério da Cultura, sabe? Algum dos pré-auto-envolvidos na “discussão” (os presidentes das Juntas de Buarcos e São Julião e de São Pedro e o presidente da Câmara), além de terem divulgado “que já têm um local”, realizou alguma reunião (de trabalho, estratégica ou sequer para auscultação) sobre o assunto?
Não tenho dúvida em afirmar que a resposta é um “não” a (quase) todas as perguntas atrás formuladas, pelo que mal vai um concelho no qual a falta de desígnio proporciona a continuação desta tendência para começar a casa pelo telhado, com as consequências que todos estamos a ver."


Via Diário as Beiras 

Nota via OUTRA MARGEM. 
Na altura, comprar o Palácio de Maiorca, o Convento de Seiça e fazer o Caríbe foram  as prioridades...
Estávamos em 1998 na Figueira da Foz.
Santana Lopes tinha tomado posse de presidente da Câmara Municipal há poucos meses.
Com o apoio do Centro de Estudos do Mar - CEMAR, uma comissão de cidadãos (constituída por Manuel Luís Pata - que, então, estava a publicar os seus livros sobre a Figueira da Foz e a Pesca do Bacalhau, e já era associado do CEMAR - e pelos últimos Capitães figueirenses desse navio: o Capitão Marques Guerra e o Capitão Abreu da Silva) desenvolveu esforços para tentar salvar da destruição e da sucata o último de todos os navios bacalhoeiros da Figueira da Foz (o "José Cação", antigo "Sotto Mayor").
Com o declínio das pescas portuguesas, fruto em grande parte da adesão à União Europeia, após o falhanço da tentativa levada a cabo nos anos de 1998 e 1999 de transformar este navio em museu - a Câmara da Figueira presidida então por Santana Lopes não apoiou a iniciativa da sociedade civil - o “José Cação” acabou na sucata por volta de 2002-2003.
Recordo, um pequeno excerto de uma  interessante crónica de Manuel Luís Pata, publicada no jornal O Figueirense, em 2.11.207.
"A pesca do bacalhau foi a indústria que mais contribuiu para o desenvolvimento da Figueira da Foz. Nas campanhas de 1913/14 foi este o porto que mais navios enviou à Terra Nova (15 navios), ou seja, quase metade de toda a frota nacional. Hoje o que resta? Nada de nada!”
Foi assim que as coisas se passaram, mas tudo poderia ter sido diferente. Recordo as palavras do vereador então responsável, Miguel Almeida de seu nome: “esta proposta (a oferta do navio que o dr. António Cação fez em devido tempo à Câmara Municipal da Figueira da Foz, presidida na altura por Santana Lopes) foi o pior que nos podia ter acontecido”.
Como disse na altura Manuel Luís Pata, “nem toda a gente entende que na construção do futuro é necessário guardar a memória”
E, assim,  o “José Cação” foi para a sucata. Como sublinhou Álvaro Abreu da Silva, o seu último Capitão, "foi e levou com ele, nos ferros retorcidos em que se tornou, a memória das águas que sulcou e dos homens que na sua amurada se debruçaram para vislumbrar os oceanos”.

Onde ficou a inteligência ao serviço do urbanismo figueirense nas decisões que foram tomadas ao longo dos anos?


Na Figueira há sempre carnaval...

... 2020 não é excepção

Carnaval em Ílhavo reforça a aposta na tradição

"O desfile carnavalesco, genuinamente português, que sairá à rua no domingo, dia 23, e terça-feira, dia 25, contando com a presença de 13 associações e colectividades, e a aguardada presença dos Cardadores - com os seus urros, danças e a típica cardação -; são motivos suficientes para se poder apreciar a memória e os costumes das gentes de Vale de Ílhavo, onde se incluem as Padeiras e o seu tradicional Pão."

A subtil e genial argúcia política de José Esteves, "antigo homem do mar"...

Afinal, a entrevista era para falar da erosão costeira a norte do estuário do Mondego, ou para lançar a candidatura de José Esteves a Buarcos e S. Juliãio (a freguesia com mais eleitores) e Carlos Monteiro à câmara, nas autárquicas de 2021?
Caramba: a Figueira continua com Galamba!
Como todos sabemos, na política não há almoços grátis. Muito menos, feijoadas de búzios presidenciais.


Imagem via Diário as Beiras

Os pendões foram colocados a 7 de fevereiro, para publicitar a abertura que ocorreu a 12...

Pelos vistos a Câmara só teve conhecimento a 14, dia da reunião do executivo...
Via Diário as Beiras

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Jornalismo - e do bom - é isto...

Esta nossa barra...

 A barra da Figueira está assim por vontade dos homens



Via Figueira from the sky 
..."fiz ontem este video que demonstra a atual condição da nossa barra.
"Apreciem" a força da natureza mas, acima de tudo, a enorme bravura de todos estes Homens que fazem do mar a sua vida."

Moussa Marega, deixa-me dizer-te uma coisa:

Via O Sítio dos Desenhos
"Existem valores que falam mais alto. E a luta pela dignidade não conhece castigos."

"Todos os fins-de-semana os campos de futebol dos clubes mais recônditos enchem-se de pais, treinadores, jogadores e dirigentes assanhados. Violência verbal, violência física. Tudo vale num estado quase hipnótico, esquecendo que na relva falsa estão crianças e jovens a praticar desporto. Tudo vale no chamado “futebol de formação”. Compra de resultados, aliciamento de árbitros, sorteios viciados, fugas fiscais, branqueamento de capitais, apadrinhamentos, ofensas verbais, ofensas corporais e ofensas racistas. Tudo vale e tudo assobia para o lado. Todos os maus exemplos do futebol sénior são implementados no “futebol de formação”. E quem pode acabar com isto de uma vez por todas? O Moussa Marega já lançou a semente."

Adriano Miranda

ARU de Quiaios

Via Município da Figueira da Foz

DISCUSSÃO PÚBLICA | Delimitação da ARU de Quiaios e respectiva operação de reabilitação urbana (ORU) do tipo sistemática orientada por um Programa Estratégico de Reabilitação Urbana — PERU.

O Município da Figueira da Foz torna público que, em reunião pública de dezasseis de dezembro de 2019 deliberou submeter a discussão pública a delimitação da ARU de Quiaios e respectiva operação de Reabilitação Urbana (ORU) do tipo sistemática orientada por um programa Estratégico de Reabilitação Urbana — PERU, de acordo com previstos nos artigos 13.º, 33.º e n.º 4 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, na atual redação da Lei n.º 32/2012 de 14 de agosto, a qual será promovida nos termos do disposto no artigo 89.º do Regime jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial (RJIGT), aprovado pelo Decreto -Lei n.º 80/2015, de 14 de maio.

O período de discussão pública, com duração de 20 dias (úteis), nos termos previstos no disposto no n.º2 do artigo 89.º do RJIGT, terá início amanhã, terça-feira, 18 de fevereiro e prolonga-se até 16 de março.

Durante este período, os interessados poderão apresentar as suas reclamações, observações ou sugestões por escrito devidamente identificadas e dirigidas ao Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz ou para o correio eletrónico:participacaopublica.du@cm-figfoz.pt.

Mais se informa que o documento da proposta se encontra disponível para consulta, nos dias úteis das 9.00h às 16:30h no serviço de atendimento ao público da Divisão de Urbanismo e ainda no link https://www.cm-figfoz.pt/pages/724

Contributos de José Augusto Marques
- parte I
"(Enquadramento escrito em janeiro de 2008 para folheto do CD do R.F.R. Quiaios)
Nota - Quem conhecer alguns aspetos de Quiaios e consultar o documento a consulta pública perceberá facilmente o porquê deste enquadramento."
Para ler clicar aqui.
- parte II
"Carta enviada em 24 de setembro de 2019 às entidades abaixo mencionadas. Volvidos que são quase cinco meses apenas a CDU da freguesia de Quiaios respondeu ao signatário. E depois dizem que os assuntos do município e freguesias não são para discutir nas redes sociais!…
Apesar de ser longa, julgo que as pessoas que gostam verdadeiramente de Quiaios, devem fazer o sacrifício de a ler até ao fim."
Para ler clicar aqui
- parte III
"Na sequência missiva de 24 de setembro de 2019, já publicada na parte II, enviada à Câmara e Assembleia na semana antes da sessão de setembro, e também da interpelação de um eleito na reunião da Assembleia Municipal, o Sr. Presidente respondeu o seguinte."

Para ler clicar aqui.
- parte IV
"Se tivessem acordado quando deviam, em plena negociação do quadro de apoio 2020, os vários núcleos urbanos tinham sido alvo de estudo e projeto de reabilitação em devido tempo, como foram noutros concelhos, evitando assim projetos feitos em cima do joelho para ir buscar fundos e fazer obra a qualquer preço. A isso chama-se planeamento. Não foi à falta de sugestões feitas por simples presidentes de junta, que na opinião de alguns só servem para decorar.
A intervenção que se segue, feita em 23 de fevereiro de 2006, é a prova que já naquela altura, há 14 anos, havia gente que sabia o queria e não estava no poder pelo poder.
É caso para perguntar: o que andaram a fazer estes anos todos".

Para continuar a ler clicar aqui.

A ferrovia nacional, a Linha do Oeste e o ostracismo a que a Figueira está votada... (2)

José Vitorino Guerra, via REGIÃO DE LEIRIA

"Enquanto a abertura à aviação civil da BA5 acalenta o imaginário de alguns dos nossos autarcas, mesmo sem haver transportadoras aéreas interessadas, verifica-se um estranho silêncio em relação aos atrasos na modernização da Linha do Oeste.

A Linha do Oeste liga a Figueira da Foz a Lisboa e atravessa concelhos com uma forte dinâmica económica e uma elevada concentração populacional. Serve diversas indústrias e une dois portos de mar.

A Linha devia ligar Leiria ao Porto e a Lisboa de forma rápida e eficiente, criando uma alternativa à actual Linha do Norte. A Linha do Oeste tem de ser competitiva em relação ao transporte rodoviário. Leiria devia ser um centro intermodal desse novo eixo ferroviário, dada a sua localização geográfica e importância política e empresarial.

Desde a segunda metade do século XIX que existem projectos para modernizar a Linha do Oeste e proceder à sua ligação directa com a Linha do Norte. Todavia, ao longo do tempo, foi sendo deixada ao abandono, perdeu capacidade de serviço público e quota de mercado no sector dos transportes. Agora, ocupa uma posição meramente residual.

O transporte ferroviário electrificado pode assumir um papel fundamental no combate à poluição atmosférica e ambiental, tendo condições de exploração para ser mais seguro e barato que o rodoviário. Permite transportar um número elevado de passageiros ou de mercadorias e reduzir o consumo de combustíveis fósseis no sistema de transportes e também o ruído.

A modernização prevista para o troço Mira-Sintra/Meleças/ Caldas da Rainha está atrasada e a ligação entre as Caldas e Lisboa passará a ser feita em cerca de 90 minutos. Hoje, o mesmo percurso demora mais de 2 horas e faz-se a uma velocidade média de 45,8km/hora. A modernização vai permitir um aumento das composições em circulação e mais segurança, mas não torna a Linha competitiva com a auto-estrada.

Quanto a Leiria, o futuro é ainda mais incerto. A autarquia não parece mostrar capacidade para mobilizar vontades nem para convencer o governo a proceder à modernização integral da Linha do Oeste e à construção da ligação à Linha do Norte. Leiria precisa de ser o centro de um nó ferroviário e intermodal que sirva a região, reforce as suas potencialidades e lhe permita afirmar-se no todo nacional."

Nota, via OUTRA MARGEM, um blogue que vem de longe