.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Da série, bem-vindos à campanha eleitoral de Carlos Monteiro, autárquicas 2021 (3)

 Via Diário as Beiras

A arrogância meritocrática

«Os que aterraram lá em cima tendem a acreditar que o seu sucesso se deve apenas a si mesmos. E na mesma lógica acham que os que ficaram para trás merecem o seu destino. 

Esse menosprezo gera cada vez mais indignação e rancor. As elites meritocráticas são pouco humildes. Muitos nunca se interrogaram sobre os privilégios. Desafiar essa naturalização é importante, propondo o fomentar de espaços comuns de cidadania, onde pessoas de condições e estilos de vida diversos se encontrem, renovando a sociedade civil, furando bolhas, criando experiências partilhadas. Talvez tenha razão. Mas não sou tão optimista. Os comportamentos só se transformarão com políticas. E este devia ser o momento para as implementar, repensando o valor social da contribuição de quem faz trabalhos que não gozam de prestígio ou mal remunerados. Se existiu altura em que os mais privilegiados tiveram oportunidade de constatar o quão dependemos uns dos outros foi este, através da actividade essencial de muitos daqueles que assumiram riscos enquanto outros estavam protegidos. Se não existir um pingo de humildade agora, será quando?»
Via jornal Público

O debate político-partidário local está degradado ha muito tempo

Nos idos de 1975, no decorrer do chamado PREC, alguma da direita mais radical alinhada com a "Maioria Silenciosa", trouxe ao debate político a moca de Rio Maior. 
Como sabem, a moca é um pau maciço, com uma ponta mais larga cravejada de pregos. Essa, era a arma que essa direita imbecil entendia ser a melhor para combater os comunistas. 

45 anos depois, em Agosto
 de 2020, na sequência de uma exposição enviada à Junta de Freguesia de S. Pedro relativa a um problema com uma caixa multibanco avariada no mercado local, assinada por duas residentes que juntaram à carta uma petição subscrita ao longo do mês de julho por uma centena de pessoas, António Salgueiro, um autarca militante e eleito pelo PS, respondeu, por escrito e em papel timbrado do órgão autárquico a que preside, a Junta de Freguesia de S. Pedro: "O silêncio é a única resposta que devemos dar aos tolos. Porque onde a ignorância fala, a inteligência não dá palpites"
A frase utilizada pelo autarca socialista é atribuída, em inúmeras fontes espalhadas pela internet, ao ditador italiano Benito Mussolini, considerado o pai do fascismo e aliado de Hitler, que morreu em 1945. 

O PSD criticou. Por sua vez, «o presidente da Câmara da Figueira da Foz e líder do PS local mostrou-se "indignado" com a postura do PSD! 
O presidente do município manifestou-se "indignado", sim, mas com a abordagem de que diz ter sido alvo o assunto por parte da concelhia do PSD. 
Que foi a seguinte: o PSD da Figueira da Foz acusou o presidente da junta de freguesia socialista de má conduta democrática, exigindo ainda ao presidente da Câmara Municipal que, "de uma forma clara e inequívoca, manifestasse o seu e o do seu partido maior repúdio por mais este desaforo à democracia representativa", sob a pena "de estar a ser cúmplice de má conduta democrática" do presidente da junta, António Salgueiro. 
E qual foi a resposta de Carlos Monteiro?
"Os presidentes de junta têm de prestar contas aos seus fregueses e não ao presidente da Câmara".
"É uma imagem", dirão os socialistas apoiantes de Salgueiro e Monteiro. 
Pois é. E bem verdadeira. É a imagem de quem acha que a política se faz à cacetada (deseja-se que apenas com o verbo). 

Quem acompanha a vida política local e assiste a reuniões da Assembleia e Câmara Municipal, sabe que não existe debate político há muitos anos na Figueira. 
Quando muito, existe debate partidário. Nas Assembleias Municipais a qualidade dos seus membros (principalmente nos partidos do chamado arco do poder) tem vindo a degradar-se eleição após eleição. 
(Quem duvidar desta realidade, que vá assistir a uma sessão e depois trocaremos opiniões...)
Como escreve João Vaz na edição de hoje do Diário as Beiras, «os actores com qualidade política são poucos. 
Nas reuniões da Câmara Municipal, entre presidente e vereadores, está o melhor palco local de discussão e debate político. Contudo, assistimos frequentemente a ataques pessoais, defesas de honra, “queixinhas pessoais” e um sem número de remoques sem substância política. Alguns políticos locais chegam a misturar a sua vida privada com a intervenção política, amiúde vitimizando-se, degradando o debate político.» 

E o que pode fazer um cidadão? Tentar exercer o direito de cidadania. Como pode e como sabe. Só que isso não é bem visto, nem benquisto, pelo poder do momento. 
Como cidadãos, em teoria, temos todo o direito de nos manifestarmos, contra ou a favor, com esta ou aquela linguagem, apenas com os limites da ética e do código penal. Só que os novos censores não aceitam a Liberdade de pensamento. Gostam é de estabelecer os limites da Liberdade de expressão e de pensamento. Na Figueira, os políticos no poder nunca fizeram esquecer algumas perversidades geradas no absolutismo de Salazar. 
Os intocáveis, como vimos na reacção de Carlos Monteiro em relação ao vergonhoso e antidemocrático comportamento do seu camarada António Salgueiro, esquecem o essencial: em democracia, tudo e todos estamos permanentemente em regime de prova
Em 2020, tal como em 1975 (aconteceu e acontece comigo...), o "lápis azul" assume formas mais maquiavélicas de tentar riscar as opiniões diversas. 
A ameaça velada, o sorrizinho amarelo, o passar à frente, o vê lá no que te andas a meter, a encomenda para a tentativa de silenciamento. 
Assim não vamos lá: só com o exercício da cidadania, cumpriremos a democracia.

Da série, bem-vindos à campanha eleitoral de Carlos Monteiro, autárquicas 2021 (2)

Piscina das marés - Figueira da Foz  
Vídeo sacado daqui

Aldina Duarte

«O grande acontecimento que marca a minha primeira infância é o fascismo. 
A minha infância foi triste, cruel (...) 
As crianças pobres assistem à humilhação dos pais (...) 
O fascismo é isso. Achar que há seres humanos de primeira e seres humanos de segunda. 
O segundo momento da minha vida foi o 25 de Abril, é óbvio. Foi a restituição da dignidade merecida.»

domingo, 20 de setembro de 2020

Valha-nos o vento

A antiga Praia da Claridade, que hoje comemora 138 anos de existência como cidade, tornou-se num dos mais sujos concelhos portugueses. 
Vai valendo - a ela e a nós - o vento purificador que sopra, cada vez com mais força, de ano para ano. 
Como costuma dizer o Brito, um sábio parceiro da sueca: «Deus não dorme».

Bom domingo: Leonard Cohen - The Partisan

 

EM 20 DE SETEMBRO DE 1882 A FIGUEIRA DA FOZ FOI ELEVADA À CATEGORIA DE CIDADE

  FOI HÁ 138 ANOS!

 

Paço de Maiorca, uma história que vem de longe e que continua a dar muito que falar... (continuação)


 Para ver e ouvir o vídeo da Juventude Socialista da Figueira da Foz, clicar aqui.

E pronto: lá temos de ressarcir (leia-se indemnizar) os privados em 6 milhões de euros.

Paço de Maiorca, uma história que vem de longe e que continua a dar muito que falar...


 Para ler clicar aqui.

Portugal, de novo, em estado de contingência. Figueira, continua em estado de incompetência...

 Via Diário as Beiras

Perante o que pode ser lido na entrevista, alguém pode afirmar que a Câmara Municipal da Figueira da Foz tem feito um esforço contínuo e continuado  no desenvolvimento da vertente social do município?
As medidas de apoio social, têm  medidas destinadas especificamente a idosos, jovens e crianças?
Pelo que foi dito na entrevista, as medidas levadas a cabo e que abrangeram um número residual de carenciados, foram acções pensadas com o propósito de melhorar a qualidade de vida dos munícipes, em áreas como a saúde, educação, habitação, violência doméstica e intervenção familiar?
O Município tem alguma medida que preveja o apoio no transporte ambulatório de doentes; a atribuição de bolsas de estudos;  fundo de emergência social;  ajuda no pagamento de rendas de habitação?
O Município tem um Gabinete de apoio jurídico à família, para quem procure o esclarecimento e encaminhamento das famílias no que a questões de sobre-endividamento diz respeito, nomeadamente por atraso nas prestações do pagamento do empréstimo das prestações por pagamento aos bancos da habitação própria?
Num contexto para a saúde pública de grandes dificuldades, com um impacto social na comunidade figueirense, a Câmara Municipal da Figueira ad Foz, a pensar nas famílias mais vulneráveis, delineou ou pensa implementar um conjunto de Medidas de Emergência Social, como, por exemplo, um Fundo de Emergência Social, Água e Saneamento e Apoio ao Arrendamento Urbano para Fins Habitacionais? Há algum acesso a banho e mudas de roupa para as pessoas que se encontram em situação de sem abrigo?
Tudo isto seriam medidas que iriam ao encontro e seriam uma resposta, concreta, eficiente e rápida ás exigências e necessidades dos cidadãos.
O Apoio Social deveria ser uma aposta da autarquia figueirense. Pensar e fazer para proteger os cidadãos, deveria ser o objetivo de uma governação autárquica, sempre, mas, em especial no tempo difícil que estamos a atravessar...

sábado, 19 de setembro de 2020

Via Diário as Beiras

"Não deixem aos populistas a conversa sobre a corrupção..."

Pacheco Pereira

«Não se mistura “honra” com mundos muito pouco honrados. Por isso é que a participação do primeiro-ministro, do presidente da Câmara de Lisboa e de vários deputados num acto de promiscuidade com o poder fáctico do futebol é muito grave, porque significa indiferença face à corrupção, numa altura crítica do seu combate. Como não se retractaram, ficam com uma mancha. 

… porque senão eles tornam-na num ataque contra a democracia, usando como pretexto a corrupção, que lhes é verdadeiramente indiferente. Mais do que nunca, temos que ter uma conversação rigorosa, dura, intransigente, mesmo impiedosa, sobre a corrupção.»

Da série, bem-vindos à campanha eleitoral de Carlos Monteiro, autárquicas 2021 (1)


 Via Diário as Beiras

Nota OUTRA MARGEM:

O anúncio do sintético para o Grupo Desportivo Cova-Gala não vai demorar muito.

Isto é: deve estar para "breve". O anúncio.

Para o autor deste espaço, o problema, para os covagalenses, não é ainda não terem o ansiado sintético no Campo do Cabedelo. O problema foi terem perdido ao longo dos anos a oportunidade de poderem competir em igualdade de circunstâncias com outros clubes, pois as condições foram sempre desiguais.
Por isso, a questão do sintético, que espero se resolva o mais breve possível,  parece-me de relativa pouca importância, se compararmos com todo o resto que envolveu a vida do Grupo Desportivo Cova-Gala desde 1977.
A implantação de um relvado sintético, na Cova-Gala, é, cada vez mais, uma questão pertinente, e uma necessidade a curto prazo. Sabemos a situação financeira da Câmara Municipal da Figueira da Foz. Conhecemos as deficientes condições que a juventude da Cova-Gala tem ao seu dispor para a tão necessária prática desportiva. Somando tudo não acham que está na hora?

Para além dos mais de 25 anos que passei como dirigente do Grupo Desportivo Cova-Gala, tenho feito o que posso, desde há muitos anos...
Vou recuar até Maio de 2007, para recordar algo do muito que escrevi sobre O Desporto em São Pedro.

O Desporto, em São Pedro, ou em outro qualquer lugar do planeta, deveria constituir um assunto sério e um valor cultural e de promoção social de grande relevância na melhoria da qualidade de vida das populações.
A actividade desportiva, no âmbito de uma sociedade moderna, que queremos mais democrática e mais justa, deveria promover a qualidade de vida dos cidadãos, não apenas dos mais aptos e mais dotados, mas de todos aqueles que fazem parte do agregado social 
.

A prática do desporto não se esgota no resultado da competição desportiva e nem este constitui a sua principal finalidade.
A democratização da prática desportiva, através de um projecto concertado e desenvolvido pelas Colectividades e pela autarquia, a promoção de um Plano de Desenvolvimento Desportivo para a nossa Terra, há muito que deveria ser uma realidade.
O apoio às colectividades, respeitando a sua autonomia e propondo a celebração de protocolos específicos, no âmbito da utilização dos seus espaços, deveria ser um processo com um programa com regras claras e transparentes e não baseado em critérios de troca de favores políticos e outras conveniências...
O associativismo na nossa Terra, nas suas múltiplas formas e funções, poderia também servir para uma melhor integração na comunidade dos novos habitantes que continuam a escolher São Pedro para viver todo o ano.
Um planeamento das instalações e equipamentos desportivos a implantar em São Pedro, deveria obedecer a um plano que tivesse em linha de conta as prioridades dos moradores e das colectividades locais, nomeadamente o Grupo Desportivo Gala, que é quem ao longo de 30 anos já deu provas mais do que suficientes na matéria...

Quem manda politicamente em São Pedro, tem tido uma interpretação e uma filosofia contrária: resolve os problemas dos equipamentos desportivos e do associativismo local casuisticamente e ao sabor de interesses pontuais.
Veja-se:
1. houve planeamento, tendo em conta o interesse geral da Freguesia e dos seus habitantes, nas intervenções no Clube Mocidade Covense e no Desportivo Clube Marítimo da Gala?
2. houve planeamento, tendo em conta o interesse geral da Freguesia e dos seus habitantes, na implantação do “sintético da Praia da Cova”?
3. houve planeamento, tendo em conta o interesse geral da Freguesia e dos seus habitantes, na implantação do “sintético” do Parque das Merendas?

As perguntas ficam. Se alguém quiser que responda.
Certezas, há pelo menos uma: dinheiro não falta.

Telenovelas figueirenses: Edifício O Trabalho está à venda

Espaço publicitário da responsabilidade da Imovirtual


Vende-se prédio com 7 andares junto ao casino. 5 600 000 € 2 121 €/m²

(Nota OUTRA MARGEM: Esta, é uma oportunidade única e irrepetível. Será que os empresários figueirenses andam a dormir? Com a Câmara não podemos contar: tem de pagar 5 milhões e tal de indemnização aos credores do Paço de Maiorca. Não fora isso e não sei não...)

A Localização deste prédio não poderia ser melhor!

Ideal para Hotel, pois a Figueira precisa de uma oferta mais moderna e apelativa para poder ter capacidade para grandes eventos!
Também pode ser transformado em oferta para habitação, sendo um projeto bem pensado e prático que possa satisfazer os nossos jovens, tentando inovar com alguma coisa diferente da que já existe.
Estando perto do Casino podemos falar e pensar numa oferta mais virada para esse tipo de cliente!
Tantas coisas que se podem fazer com este Imovél tão perto de tudo!
O Prédio é composto por um total de 220 Frações
Sub cave e cave, para estacionamento. ( 110 LUGARES DE ESTACIONAMENTO)
Rés de chão e 1º andar, para comércio. (41 LOJAS PARA COMÉRCIO)
O 2º e 3º andar para escritórios. (26 ESCRITÓRIOS)
O 4º, 5º, 6º e 7º andar para Habitação. (38 APARTAMENTOS)
Fica situado junto ao Casino, Mercado Municipal, Praia do relógio e Marina.
Visite.

Características

  • Elevador
  • Gás Canalizado
  • Terraço
  • Vista de Cidade

MARCELO CÚMPLICE DO CRESCIMENTO DA CORRUPÇÃO

«Ex-candidato Paulo de Morais acusa Presidente de ser "principal cúmplice" do crescimento da corrupção».

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Este executivo ainda vai transformar a Figueira num concelho entre a opereta e a tragédia...

Via Diário as Beiras
...«com a requalificação da rua Direita e da estrada do Cabo Mondego, a variante, que melhoraria o acesso à Praia de Quiaios, desviando o trânsito do centro da vila, poderá deixar de ser necessária. Até porque, concluiu o edil, “com a “Enforca cães”, teremos uma via alternativa”
Imagem sacada daqui

Bem aventurados os pobres de tudo, incluindo de espírito, pois será nosso o Reino dos Céus!

 "Rita Pereira", via Luís Osório

Foi na Figueira,
 que Rita Pereira deu o salto
 ao ser coroada
 Miss Biquini, em 2002
.

"1.
A atriz/apresentadora Rita Pereira, no seu instagram, mostrou fotografias da sua passagem por Roma e pelo Vaticano. E dedicou esta pérola aos seus fans: “Estas imagens são para vocês. Vocês que se calhar não terão oportunidade de um dia visitar o Vaticano. Com amor para vocês”.

Não discutindo a qualidade do seu português, ou qualquer outro atributo, Rita Pereira assumiu estar numa esfera superior à maioria dos mortais que, coitados, miseráveis indigentes, podem e devem agradecer as suas fotografias e sonhar com um dia longínquo em que também eles poderão ser merecedores de ver aquelas imagens em carne e osso.

2.
Não traria este episódio sem importância se ele não fosse simbólico deste tempo em que o real e a ficção são muito difíceis de distinguir.

O que é real pode ser ficcionado.
E o que parece ficção pode ser real.

Ou, se preferirem, este é um mundo em que a verdade e a mentira deixaram de ser opostos. Um tempo em que uma importante franja das pessoas não se interessa se aquilo que ouve é verdadeiro ou falso, apenas se importa que a informação vá ao encontro daquilo que já pensam ou que seja dita pelo personagem que escolheram como fiel depositário da verdade.

Um tempo em que quem detém poder, popularidade ou qualquer outro atributo mediático acredita que quem está por baixo é inferior.

3.
o episódio de Rita é importante na medida em que nos oferece um sinal que explica muito do que vivemos.

Que explica o advento dos populismos.
Os venturas desta vida.

É difícil levá-los a sério, como é difícil levar a sério Rita Pereira mas todos se distinguem pelo desprezo em relação às pessoas – parecendo que as protegem e amam.

A apresentadora fá-lo por burrice ou ingenuidade. Está convicta de que as fotografias ajudam as pessoas a ser mais felizes. E está obviamente fascinada com ela própria e a bolha onde e em que vive.

Os populistas fazem-no por oportunismo político e com uma perversa inteligência. Acumulam polémicas e acicatam os ânimos de pessoas ressentidas e mal informadas para ganhar massa de apoio e votos.

Uma oferece fotografias a quem nunca poderá fotografar.
E os outros oferecem um lugar à mesa aos que foram arredados de todas as mesas.»

Que APA tão exigente!.. Bolas...

Em Maio de 2019, O presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, no programa de entrevistas Dez&10«... “em breve” será colocado asfalto na estrada “Enforca cães”, provisoriamente interditada por razões de segurança
Hoje, na edição do Diário as Beiras.


 Política figueirense em tempo de COVID-19...

Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta distribui prémios...

"As câmaras municipais de Castro Marim, Figueira da Foz e Óbidos e a Junta de Freguesia de Arroios, em Lisboa, são as vencedoras do prémio nacional Mobilidade em Bicicleta"...

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

OVAR: CM APROVA REDUÇÃO HISTÓRICA DOS IMPOSTOS MUNICIPAIS

«Autarquia abdica da taxa de Derrama, volta a reduzir taxa de IMI e de IRS e mantém TMDP

Coronavírus: situação leva António Costa a convocar uma reunião do gabinete de crise com carácter de urgência

António Costa


«O primeiro-ministro, António Costa, convocou com carácter de urgência, para sexta-feira, em São Bento, uma reunião do gabinete de crise para o acompanhamento da evolução da covid-19 em Portugal, disse esta quinta-feira fonte do Governo. 
A mesma fonte adiantou à Lusa que a reunião, que se inicia às 11.30 horas, surge na sequência do "contínuo aumento" de novos casos diários de infecção com o novo coronavírus e pela necessidade de "reforçar a sensibilização dos cidadãos para a adopção de medidas de prevenção e de segurança contra a covid-19"
Do gabinete de crise, que se reuniu pela última vez em 29 de junho, em São Bento, fazem parte os ministros de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, de Estado e da Presidência, Marina Vieira da Silva, de Estado e das Finanças, João Leão, da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, da Administração Interna, Eduardo Cabrita, do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, da Saúde, Marta Temido e das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos. Integram ainda este gabinete de crise os secretários de Estado dos Assuntos Parlamentares, Adjunto do Primeiro Ministro, Adjunto e da Defesa, da Juventude e Desporto e da Mobilidade.
Portugal contabiliza hoje mais 10 mortes relacionadas com a covid-19 e 770 novos casos de infecção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS).»

Cartazes do PSD

Em Lisboa

Vieira, mostra vermelho a Costa, Medina e a todos os titulares de cargos politicos. Já foi tarde...


"Luís Filipe Vieira decidiu retirar António Costa, Fernando Medina e todos os os titulares de cargos públicos da comissão de honra da recandidatura à presidência do Benfica."
 

Desassorear a Ria de Aveiro promovendo os habitats presentes


"A Polis Litoral Ria de Aveiro informa que os trabalhos de dragagem na Ria de Aveiro continuam a decorrer com recurso a 6 dragas e 3 batelões, que se encontram nos vários canais da ria, no canal de Ovar a sul da Praia do Areinho, no canal de acesso ao cais da Ribeira, no rio Boco, a norte e a sul da ponte da Água Fria, e no Canal de Mira, a sul da ponte da Barra."

SMS


«Daniel Bessa é um economista que está na crista da onda há muitos anos. Tem assento nas principais mesas de influência e nas páginas de jornais. Hoje no Público dá uma entrevista onde, com extrema convicção, diz que o aumento do salário mínimo não irá resolver problema nenhum às pessoas. Só se aumentasse para 1000 euros acrescenta, mas como isso é impossível, agora acrescento eu, é melhor deixar assim. Há gente que não faz ideia da falta que fazem 20 euros para muitas pessoas. Há gente que não tem noção do que é passar dificuldades. Começo a perder paciência para alguns destes personagens e para o respaldo que têm.»

Via Luís Osório

Jornal O DEVER: o futuro a Deus pertence...


O Paço de Maiorca e a memória

Uma delegação do PSD visitou o Paço de Maiorca. Considera que "está muito pior do que estava antes da obra de recuperação, agora está abandonado, vandalizado, onde foi alvo de subtração de alguns materiais valiosos!"

O PSD considera que tal fica a dever-se a "pura incompetência e irresponsabilidade da forma como PS e o seu Executivo, geriram o dossier Paço Maiorca desde 2009 ... Deixando o Património Municipal ao Abandono Total!!"

O PS, por sua vez, "sobre esta temática, esperava, no mínimo, algum recato por parte dos dirigentes locais do PSD."

Do seu ponto de vista "o PSD errou! E o erário público, o concelho e os Figueirenses saíram gravemente prejudicados com os elevados custos desse erro."

Temos aqui, entre outros, também um problema de memória. No fundo, o que divide os figueirenses, incluindo os dirigentes partidários do PS e do PSD, é a memória.

Vamos recuar a 16 de de novembro 2009 e recordar uma postagem do blog Quinto Poder, que pode ser interessante e proporcionar algum esclarecimento.

Passo a citar, o entretanto falecido autor do blog, M.Saraiva Santos.

JÁ ESTAVA À ESPERA ...

«Pela minha parte, já estava à espera disto. Segundo leio no diário As Beiras de hoje, o novo Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz (CMFF) já foi dizendo ou deixando dizer "fonte próxima" que, face à situação financeira deixada pelo anterior executivo camarário, poderá não ter meios financeiros para dar seguimento (deve ler-se cumprimento...) a todos os projectos aprovados e anunciados.

É o truque do costume. É a velha história da “pesada herança”. Na campanha eleitoral promete-se este mundo e o outro, a lua se for preciso, o bacalhau a pataco. Depois de alcançado o poleiro, é a desculpa habitual. Assim do género: “...é uma chatice, eu bem queria, mas afinal a situação financeira é muito pior do que aquilo que estava à espera...”. Ou então: “...eu bem queria, fazia muito empenho nisso, mas o governo não dá dinheiro...” . “Logo, vejo-me forçado , com muita mágoa minha, a mandar para as urtigas as promessas que fiz”. Desta vez, nem demorou um mês, depois das eleições autárquicas, para que o balão se começasse a esvaziar, veremos até que ponto.

Vão assim ao ar a Aldeia do Mar, o corredor verde, a nova frente frente urbana sul, a devolução do brilho que outrora a Figueira tinha, sabe-se lá mesmo o coreto do jardim, essa obra verdadeiramente estruturante para o progresso da terra, e outras fantasiosas promessas espalhadas para impressionar o eleitorado e caçar os seus votos.

O novo Presidente da Câmara não pode agora vir a alegar desconhecimento. Se o tinha, tal não abona nada em favor da sua sensibilidade económica e da sua capacidade política. E se o não tinha, muito pior.

Já antes todos tínhamos visto, ouvido e lido que havia compromissos mais ou menos firmemente assumidos para o chamado programa “Mais Centro”, no âmbito do Programa Operacional Regional do Centro, com execução prevista entre o início de 2010 e meados de 2012.

Só nos eixos (ou vectores, ou lá como isso se chama...) em que o parceiro executor é o Município da Figueira da Foz está prevista a despesa de investimento total de 9,7 milhões de Euros (ME). Da qual 42% teria de ser suportado por recursos financeiros próprios do Município. Coisa aí de uns 4,1 ME.

A acrescentar a isto, mais uns 2 milhões de compromissos assumidos para os centros escolares, e 4 a 5 milhões para a empresa que vai (iria..) investir e explorar o tal novo hotel de charme no Paço de Maiorca. Tudo isto somado, dá uns 10 a 11 milhões de euros, ou seja à roda de 5 ME por ano durante o biénio de 2010 a 2011.

Como é que tal verba global poderia ser encaixada num Orçamento de despesa anual em que a receita total, a avaliar pela execução orçamental de 2008, andará no máximo por 34 ME ( repito, no máximo...- Nota 1 ) em que a despesa corrente rondará os 25 a 26 ME, e em que da diferença entre 34 e 25 ( ap. 9 ME) uma parte terá ainda de ser destinada a pagar amortizações dos empréstimos bancários ? Talvez contraindo novos empréstimos bancários, a juntar aos 70 a 80 ME da dívida total, se tal fosse possível. Será continuar a viver do fiado, enquanto houver quem fie. Não falta muito para deixar quem o faça. E como é que, se acaso encaixasse, se poderia realizar ainda mais tudo aquilo que foi acenado e prometido na campanha eleitoral do actual Presidente da Câmara?

Nota 1

O volume total de receitas em 2008 foi de 35,4 ME , mas das quais 1,8 ME foi de um novo empréstimo bancário contraído. Acresce que tudo levará a crer que o montante total de receita cobrada em 2009 será inferior ao 2008, como consequência da crise económica e financeira que todos conhecemos e vivemos.»

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

As reacções a Fátima provam que o objetivo era calar o PCP

«Não se trata de justificar a Festa do Avante com Fátima. Mas, com a actual ausência de indignação, fica claro que a motivação contra o PCP nada teve a ver com saúde pública. Há quem use a pandemia para tentar limitar a liberdade política dos seus opositores. E isso é um ataque à democracia.»

Jacintos-de-água: "praga veio para ficar..."

Imagem via Diário as Beiras

PSD visitou o Paço de Maiorca: "está muito pior do que estava antes da obra de recuperação, agora está abandonado, vandalizado, onde foi alvo de subtração de alguns materiais valiosos!"

 Comunicado do PSD Figueira, após a visita.

(a mostra fotográfica publicada no site do PSD Figueira, sobre este assunto é impressionante)

Notícia publicada na edição de hoje do Diário as Beiras

Notícia publicada na edição de hoje do Diário de Coimbra.



Paço de Maiorca: neste momento o que está em causa?

A meu ver, salvo melhor e mais abalizada opinião, o apuramento da Verdade. 

Depois de consumidos seis milhões de euros o edifício está “ao abandono”.

O Paço de Maiorca, é um assunto incómodo. Para o PSD e para o PS. Mas, sobretudo, para os contribuintes figueirenses.

Porque não se faz a auditoria para apurar a Verdade, de preferência realizada por uma empresa sólida e reputada e à prova de qualquer influência? 


Há quase 2000 anos Pilatos questionava-se sobre o que era a Verdade.

Hoje, nesta Figueira à beira mar plantada, o apuramento da Verdade é, na prática, o que menos interessa. A mentira banalizou-se. Será que os figueirenses gostam de ser enganados?  

Vindo de políticos e dirigentes de futebol já nada me surpreende. Não apresentam resultados, mas ganham eleições. Contudo, ninguém acredita, nem espera, que nos digam Verdade.

Falar Verdade é a excepção, não a regra, porque os fins justificam os meios. 

E o meio é ganhar a todo o custo.

Nós próprios, enquanto conjunto que podia decidir, há muito que não nos interessamos pelo apuramento da Verdade. 

Esse, é o maior problema.

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

VOTAÇÃO DA MOÇÃO DE REPUDIO ÀS DECLARAÇÕES PÚBLICAS PROFERIDAS PELO PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO PEDRO

Imagem via Carlos Tenreiro - Mudar Porque a Figueira Merece

 

A proposta foi rejeitada: o PS votou contra.

EM TEMPO: 

ACTUALIZAÇÃO, via Diário as Beiras (15.9.2020, pelas 7 horas): «a proposta de repúdio pela resposta dada pelo presidente da Junta de São Pedro, António Salgueiro, a um grupo de cidadãos da freguesia foi rejeitada pela maioria socialista. 
Carlos Monteiro lembrou que os presidentes de junta são democraticamente eleitos e, por isso, não estão sob a hierarquia das câmaras. Por outro lado, defendeu que o autarca terá oportunidade de esclarecer a sua atitude em sede de Assembleia Municipal. 
O socialista António Salgueiro respondeu, em papel timbrado da Junta de São Pedro, com uma citação atribuída ao ditador italiano Benito Mussolini – “o silêncio é a única resposta que devemos dar aos tolos, porque, onde a ignorância fala, a inteligência não dá palpites”».

Paço de Maiorca: uma gordura financeira com charme!..

Via Diário as Beiras:


«... o presidente da câmara, Carlos Monteiro, afirmou que está à procura de soluções para o Paço de Maiorca. “A nossa preocupação é dar-lhe um uso. Não podemos ter aquela estrutura e não poder ser fruída. Estamos à procura de investidores, mas a crise pode estar a afastar potenciais interessados”, defendeu o edil.» 

Em Junho de 2011, a Câmara da Figueira da Foz estava a desenvolver contactos com entidades públicas, com a Associação de Cister e com agentes privados, tendo em vista a reabilitação do mosteiro de Santa Maria de Seiça, Paião, e o mosteiro está uma ruína... 

Em Janeiro de 2017, segundo a vereadora Ana Carvalho, não faltavam investidores interessados na piscina-mar e o processo da piscina-mar está com sabemos... 

Por onde andam esses publicitados investidores?

Falta pedra...

Via Diário as Beiras: «Ricardo Silva (PSD) afiança que o atraso deve-se à exigência do pagamento de parte da encomenda no momento em que ela é feita, por parte do empreiteiro. 
Carlos Monteiro mantém que o motivo do atraso naquela obra inserida no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Baixa da cidade, em curso, é a falta de pedra no mercado, baseando-se na informação do empreiteiro. 
“Aquilo que o empreiteiro me diz é que há falta de pedra no mercado”, afirmou. E rematou: “Ricardo Silva já devia saber que eu não minto”

Se Ricardo Silva diz a verdade, se Carlos Monteiro não mente e continua a faltar a pedra para acabar uma obra que já ultrapassou todos os prazos há muito, será que o problema é a falta de dinheiro?

domingo, 13 de setembro de 2020

Amanhã há reunião de Câmara

Ponto 1.1.3 da ordem de trabalhos - PROPOSTA DOS VEREADORES ELEITOS PELO PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA, CARLOS TENREIRO E MIGUEL BABO – MOÇÃO DE REPUDIO ÀS DECLARAÇÕES PÚBLICAS PROFERIDAS PELO PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO PEDRO – APROVAR EM MINUTA.

Milhares de fiéis na penúltima peregrinação do ano...

Multidão invade Santuário de Fátima para a celebração do 13 de setembro. 

Promoção: óculos especiais (3)

Via jornal Público: 

O Boa Viagem está de volta ao Tejo e há passeios em Setembro

«De 15 a 30 de Setembro, este centenário varino da Moita navega pelo rio entre vários pontos. Os bilhetes já podem ser reservados.

A história deste barco tradicional perde-se no tempo, mas o que se sabe é que por volta de 1900 se chamava Marechal Saldanha e assim estava registado na Capitania de Lisboa. A câmara da Moita recuperou-o nos anos de 1980 e baptizou-o de Boa Viagem, relembrando a devoção local à Nossa Senhora da Boa Viagem, cujas festas se celebram também por estes dias, de 13 a 17 de Setembro. Foi assim que este varino renasceu e passou a dedicar-se a realizar passeios fluviais entre pontos do concelho e do Tejo a cada Verão.»

Sou do tempo em que o Batel do Sal navegava no Mondego


Pouco, mas navegava... 

É uma tristeza ver o último batel do Mondego, parado sem navegar.

Se assim continuar, vai-se extinguir o derradeiro marco de uma época e de uma cultura, a memória de tempos difíceis, mas, ao mesmo tempo, formidáveis, do trabalho e das canseiras de vidas vividas penosamente para se ganhar o pão quotidiano.
É uma realidade que, nos dias de hoje, os batéis deixaram de ter utilidade prática, mas, quem com eles conviveu, vai sentir o vazio. 

“Todos os rios portugueses têm barcos tradicionais a navegar, com excepção do Mondego e da Figueira da Foz”.

Promoção: óculos especiais (2)


Sou do tempo em que a Figueira era fortíssima no turismo de cruzeiros: chegámos a ter um navio de passageiros com a lotação de um autocarro!..

 Depois, dado o crescimento exponencial do sector a "Administração do Porto da Figueira da Foz abriu a possibilidade de poder vir a instalar um terminal de cruzeiros junto à praça da Europa, na zona portuária, que seria concessionado a privados. A infraestrutura seria complementada por um edifício de apoio, com recepção, forças de segurança, operadores e posto de turismo. Joaquim Sotto Maior, fez o anúncio aos jornalistas a bordo do “Hebridean Sky”, um navio de cruzeiros que fez escala na Figueira em 26 de Setembro de 2018, com 100 turistas a bordo, maioritariamente ingleses. 

Registe-se: a vereadora Mafalda Azenha, que subiu a bordo do “Hebridean Sky” para apresentar cumprimentos à tripulação, frisou que a autarquia quer que a cidade deixe de ser apenas uma escala e passe a ser, também, um destino."

Convém não esquecer os heróicos e sacrificados autarcas que nos trouxeram até aqui, que tanto fizeram pelo bom povo figueirense...

Mas, vamos ao essencial: sabem porque é que não se construiu um terminal de cruzeiros na Figueira? Para evitar as más notícias: a Figueira, com o incremento que o turismo de cruzeiros estava a ter, neste momento, provavelmente já seria a sétima cidade portuária da Europa! 
Lisboa é a sexta cidade portuária da Europa com mais emissões poluentes, a sexta mais poluída por causa dos cruzeiros. As emissões de óxido de enxofre na costa portuguesa causadas pelos navios de cruzeiros são 86 vezes superiores às dos automóveis. 
Ao contrário do que aconteceu em Lisboa, conseguimos evitar os malefícios com a poluição que a construção de um terminal de cruzeiros traria à Figueira! 
Note-se, a eficácia de Carlos Monteiro com o combate pelo ambiente, a descarbonização e alterações climáticas. Está aqui a justificação dos milhões que estão a ser investidos no concelho - Buarcos, casco velho da cidade e Cabedelo são exemplos disso. 
Percebem agora porque é que não quiseram trazer para o coração da Figueira uma fonte poluente da dimensão de um terminal de cruzeiros. 
Por outro lado, mesmo em termos económicos, é previsível que, devido a preocupações ambientais, de governos e cidadãos, os cruzeiros tendam a declinar. 
A pandemia que entretanto nos assolou, também veio ainda reforçar mais a opção de esquecer o terminal de cruzeiros na Figueira da Foz.
O que nos vale é termos autarcas de grande visão estratégica. Foi isso, que evitou, não só um enorme prejuízo financeiro, mas também, neste momento, um elefante branco à beira Mondego.

sábado, 12 de setembro de 2020

Acabei de ficar a saber via TVI24

João Ferreira é o candidato do PCP a Belém.

Via Diário as Beiras


"Só faltava pôr Arons na RTP. Agora já não falta"

«O Conselho de Opinião elegeu Leonor Beleza para ser indigitada como membro do Conselho Geral Independente (CGI) da RTP e o Governo escolheu Alberto Arons de Carvalho, de acordo com fontes oficiais das duas entidades».


«Foi assim com Guterres, foi assim com Sócrates e continua a ser assim com Costa. Eis uma bonita recompensa por uma vida inteira dedicada ao PS e ao lambe-botismo. Roma não paga a traidores, mas o PS, tal como a Casa de Lannister, paga todos os seus favores.» 

Promoção: óculos especiais

Imagem sacada daqui

...fazem avistar a Figueira «com tudo e segurança» e melhoram tudo o que se encontrar no campo de visão...
(um gajo que tirou um curso na célebre Internacional figueirense,  pode transforma-se num assessor de excelência. O Museu Santos Rocha,  transforma-se no Louvre . Um carteirista encartado, pode ascender a um lugar na administração dum Casino. O comboio turístico, pode fazer recordar o TGV do falecido Aguiar de Carvalho. O Parque de Campismo do Cabedelo, pode transformar-se num parque de excelência para surfistas como o Parque Municipal de Campismo. O barco eléctrico para a travessia do Mondego, pode ser equiparado aos barcos de cruzeiros no Douro. O aeródromo na zona industrial, vai ter a mesma importância que o aeroporto Manuel Machado...)
Convém não esquecer os heróicos e sacrificados autarcas que nos trouxeram até aqui, que tanto fizeram pelo bom povo figueirense...

A culpa é um pouco de todos nós, embora com lugar de destaque para os políticos que desprezam a coerência...

Eleições do Benfica. António Costa e Fernando Medina na comissão de honra de Luís Filipe Vieira
 

Foto: Jorge Amaral/Global Imagens/Arquivo

«Imagino a cara de felicidade da Ana Gomes quando soube que o António Costa quis dizer presente na comissão de honra da candidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. E a dos membros do Governo a quem Costa aconselhou a nunca esquecerem o cargo que ocupam nem na mesa do café. Cá para mim, isto foi para convencer o Gentura a votar a favor do Orçamento. Para mais dicas sobre Alta Política, sigam-me.»  Filipe Tourais

Água: um problema esquecido pelo poder autárquico figueirense?

 Primeiro caso no país: "água em Mafra volta para mãos públicas"...

"Mafra reassumiu fornecimento da água ao rescindir, 22 anos depois, a concessão da água e saneamento em baixa a uma empresa chinesa."
Imagem via jornal Público

Felizmente, apenas houve ferimentos ligeiros

Via Diário as Beiras

Paço de Maiorca: porque não se faz a auditoria para apurar a verdade, de preferência realizada por uma empresa sólida e reputada e à prova de qualquer influência?

Foto via Diário as Beiras

Ontem, em comunicado o "PSD responsabiliza gestão socialista pelo dossier Paço de Maiorca"
Ao mesmo tempo, a Concelhia da Figueira da Foz do PSD colocou, na rotunda à entrada da cidade junto à linha férrea, um cartaz gigante sobre o dossier Paço de Maiorca, onde se destacam as palavras “gestão danosa”, “vergonha” e “incompetência”. No documento afirma que "a Figueira merece mais e melhor!": os figueirenses foram “lesados pelo PS” em seis milhões de euros e  o edifício está “ao abandono”
Hoje, em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS, Carlos Monteiro afirma que “o PSD mente e sabe que está a mentir, o que em nada dignifica a democracia”
Segundo o presidente da câmara, “as evidências são que o contrato leonino, a favor do privado, foi assinado em 2008, a obra iniciou-se antes da nossa tomada de posse e os compromissos não puderam ser assumidos porque a câmara estava em falência”. Carlos Monteiro acrescentou que, quando os socialistas quiseram fazer pagamentos nas obras do Paço de Maiorca, foi publicada a lei que acabou com as empresas municipais que davam prejuízo. “O que levou a que o Tribunal de Contas não permitisse fazer o pagamento das obras e o assunto fosse para a justiça”, frisou. 
“O PSD é duplamente causador da situação, ou seja, pelo contrato leonino e por ter iniciado as obras em fase de eleições e deixar a câmara com uma dívida superior a 90 milhões de euros, o que nos impediu de honrar os compromissos que eles tinham assumido”, concluiu o edil.
No comunicado do PSD pode ler-se o contrário.
«O valor de 6 milhões de euros a pagar, vai hipotecar o futuro da Figueira da Foz. O PS tomou decisões sobre este negócio afirmando sempre que tinha soluções, para o qual, afinal, não tinham solução! Se o PS era contra este processo devia ter parado o mesmo logo que tomou posse em 2009, a exemplo do que fez com o projecto do “Parque Desportivo de Buarcos” (onde pagou uma indemnização à empresa construtora para parar). 
Tinha legitimidade democrática para isso. Não foi essa a opção, pois o então Presidente Dr João Ataide e seu executivo expressaram publicamente que tinham solução para o “Paço de Maiorca”, por isso permitiram que o negócio avançasse. 
Em Outubro de 2011 (dois anos após a tomada de posse), depois de terem sido investidos 4,2 milhões de euros e faltando 1 milhão de euros para terminar, executivo Socialista entendeu PARAR a obra.... deixando o Paço ao abandono até hoje! 
Muitos milhões vai custar para recuperar!! Entretanto, e perante os ALERTAS do PSD, sempre o PS e seu executivo respondiam que tinham soluções e interessados no negócio. 
A Sentença do Supremo Tribunal de Justiça, incide sobre decisões tomadas pelo PS e o seu executivo. Chegamos a esta Sentença pois o executivo PS nunca quis negociar uma solução em tempo útil, originando um problema GRAVE. A este tipo de procedimento chamamos “gestão danosa”, desperdício de recursos e desleixo do executivo PS! 
A posição do PS, ao chumbar a proposta de auditoria ao processo “Paço de Maiorca” em Dezembro 2019, só provou que estão de consciência pesada! 
Ainda está a tempo de mandar fazer uma Auditoria independente ao caso “PAÇO de MAIORCA”“Quem não deve, não teme”, tem medo?, prefere a mentira e calúnia para desviar as atenções às suas RESPONSABILIDADES.»