.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sábado, 31 de janeiro de 2009

Passaram sete dias...


Entre a foto, que pode ver clicando aqui, e a foto desta postagem, passaram sete dias.
Durante estes sete dias, nós, aqui no Outra Margem, e outros meios de informação (conforme pode ver aqui, aqui e aqui) fomos alertando, mas a situação continua a que a foto obtida hoje à tarde mostra.
A única intervenção visível no local, foram umas grades amarelas (na foto, no canto superior direito), colocadas onde a duna de areia já foi, e começa o passeio que bordeja a estrada, devido á erosão provocada pelo mar.
Só, para mais uma vez, avivar a memória, e por o seu conteúdo ser do maior interesse, vamos recuperar, com devida vénia, uma carta do SENHOR MANUEL LUÍS PATA, publicada no dia 26 de Março de 2007, no “Diário de Coimbra”, pág. 8, na secção Fala o Leitor, com o título:

“Erosão das Praias”

Permitam que me identifique:

Manuel Luís Pata, nascido há 82 anos na povoação da Gala (à beira do mar), Figueira da Foz e filho, neto e bisneto de marítimos. Também eu como os meus ascendentes, segui a vida do mar, onde aprendi a ser homem. O mar foi para mim um grande Mestre… E a vida que escolhi levou-me a conhecer novos horizontes!...
Vivi 20 anos em Moçambique. Cinco na marinha mercante e quinze na província da Zambézia, catorze dos quais a governar um dos navios da Sena Sugar Estates, o “ Mezingo”.
Além do meu serviço normal, prestei no rio Zambeze preciosos e gratuitos serviços ao Estado. Entre outros, recordo com muita tristeza, quando estive 20 dias com o meu navio nas operações de recolha de “ corpos de militares e recuperação de 22 viaturas” de uma coluna militar que no dia 21 de Junho de 1969 seguia num batalhão e se afundou no rio Zambeze, quando fazia a travessia da Chupanga para Mopeia, perecendo neste naufrágio 103 militares e 2 civis. Esteve a comandar estas operações o então Capitão do Porto do Chinde, sr. Comandante Fernando Manuel Loureiro de Sousa. Sou um simples cidadão que ama a sua Pátria. É esta a razão que me leva a lutar pelo bem do meu pobre País, que continua a ser destruído, não pela natureza, mas sim pelo ser humano!...

Qual a principal causa da catástrofe que se avizinha?

Depois da “ exemplar descolonização”, regressei à minha terra natal, aqui à beira-mar plantada e, a partir de 1992, passei a dedicar o meu tempo a escrever sobre a pesca do bacalhau, tendo concluído três livros e, ao mesmo tempo, a estudar a preocupante situação da erosão costeira, principalmente na zona centro.
Devido às grandes quantidades de areias (milhões de m3) dragadas no porto de Aveiro e depositadas na Gafanha da Nazaré, para vender; as grandes quantidades dragadas na enseada de Buarcos, na barra, e na foz do Mondego e descarregadas na Murraceira, com o mesmo destino, além da que foi directamente transportada para Vigo, pelas próprias dragas… Na Praia da Figueira, há também muitos milhões de m3, retidas pelo molhe norte, além da já vendida.

Os molhes da barra da Figueira da Foz

Foram estes “Molhes” que provocaram a erosão das praias a sul da Figueira, e foi o “ Molhe Norte” que originou a sepultura da saudosa “ Praia da Claridade”, a mais bela do país. Embora seja de conhecimento geral, quão nefasto foi a construção de tais molhes teimam em querer acrescentar o “Molhe Norte”, como obra milagrosa… Santo Deus! Tanta ingenuidade e tanta teimosia!... Quem defende tal obra, de certo sofre de oftalmia ou tem interesse no negócio das areias!...
É urgente contratar técnicos credenciados, de preferência Holandeses, para analisarem o precioso projecto elaborado pelo distinto Engenheiro Baldaque da Silva em 1913, do qual consta um Paredão a partir do cabo Mondego em direcção a Sul, a fim de construir um Porto Oceânico junto ao Cabo Mondego e Buarcos. Este Paredão, sim, será a única obra credível, não já para o tal Porto Oceânico mas sim para evitar que as areias vindas do Norte, se depositem na enseada, que depois a sucessiva ondulação arrasta-as e deposita-as na praia da Figueira, barra e rio.

A erosão da Costa da Caparica

Esta situação é, em parte, devida à extracção e venda das areias, conforme acima descrito. Sim, porque as areias não sendo seres vivos movimentam-se devido às correntes. A solução para este problema, não poderá ser resolvido simplesmente com areia. Necessita sim, de estacaria de madeira ou várias filas e, depois colocar pinheiros ou eucaliptos ao comprido com a própria rama entre a estacaria. Depois sim, a areia.
Penso que o facto de o mar atacar mais esta zona, poderá também ser devido à pedra que foi colocada à volta do Farol do Bugio. Como a área da ilhota aumentou, pode ter alterado as correntes na zona.
Há sete anos o mar afundou cerca de três metros as praias da Cova Gala. Penso que o fenómeno se deveu a razões semelhantes… Os cientistas há muito que vêm alertando que os oceanos estão a subir… porém, a degradação da orla costeira deve-se na maior parte ao homem e não à Natureza… No entanto, neste degradado País, continuam a roubar as areias ao mar para vender… Até quando!!!...

Manuel Luís Pata
Figueira da Foz

Grupo Desportivo Cova-Gala

Seniores: Praia da Leirosa / Cova-Gala
Resultado e fotos aqui.
Juvenis: Cova-Gala / Águias
Resultado e fotos aqui.

Escolas: Cova-Gala / Tocha
Resultado e fotos aqui.

Borda do rio

X&Q575


sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

A famosa Carta Rogatória

"O conteúdo da carta rogatória da investigação inglesa lança novas pistas sobre este caso. O primeiro-ministro é um dos dez suspeitos e é envolvido em alegados subornos. Sócrates nega qualquer envolvimento e diz-se vítima de calúnias."
O DN publica na quase totalidade a carta rogatória oficial que as autoridades inglesas enviaram ao DCIAP no último dia 19.
Mas, quer conhecer o conteúdo integral da carta rogatória?
Aqui fica, via Expresso, a versão completa da famos e já celebérrima carta rogatória inglesa.

Isto ainda vai deixar de ser notícia...


O quarto filho de uma mulher residente na Gala, nasceu numa ambulância, a cinco minutos da Maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, na madrugada de ontem.
O quarto filho de Carla, teve pressa em nascer e resolveu fazê-lo na estrada...
Recorde-se, que a Figueira teve uma Maternidade a funcionar durante 59 anos...
Encerrou em Novembro de 2006...

Autárquicas locais - ponto da situação

ANTÓNIO JOÃO PAREDES
“A escolha do candidato é da exclusiva responsabilidade dos órgãos locais”
FRANCISCO GUERREIRO
“É preciso gente nos lugares certos para ajudar a construir opções políticas diferentes”
LÍDIO LOPES
“A recandidatura de Duarte Silva só dependente da sua própria decisão”





«António Alves disponível para concorrer à Câmara… se for a vontade do partido» in O Figueirense

Este país existe mesmo?...

O ex-director nacional da Polícia Judiciária, juiz Santos Cabral, assegurou, ontem, em declarações ao PÚBLICO que, até ter abandonado o cargo, em Março de 2006, o processo Freeport "teve o andamento prioritário e seguiu todos os procedimentos legais" e sublinha a certeza de que "ninguém ignorava a importância do processo".

“A responsabilidade pelo facto de o processo ter estado parado desde que a carta rogatória foi expedida em 2005, até que o actual procurador-geral da República avocou o processo, em Setembro de 2008, é agora "empurrada" de polícias para magistrados do Ministério Público e de magistrados para polícias.”

X&Q570

Na mesma...


quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Contas...

Sócrates, o grego, dizia: “creio que tenho prova suficiente de que falo a verdade: a pobreza”.
Segundo a Visão, os ingleses querem saber as contas do primeiro-ministro.
Querem ver as contas? Aqui estão...
Cliquem.

Alguém já viu alguma recarga aqui pelo sul?...


“O molhe norte do porto comercial da Figueira da Foz vai crescer, mar adentro, 400 metros. A obra, iniciada em Setembro, também levará a praia da Figueira, já de si enorme, a conquistar mais 100 a 200 metros ao mar.
O prolongamento do molhe Norte, que delimita a praia da Figueira da Foz a Sul, pretende melhorar as condições de navegabilidade na barra e deverá ser concluído até ao princípio do Verão de 2010. Já o areal da Figueira deverá avançar sobre o mar ao longo dos seis a oito anos posteriores à concretização da empreitada, conforme referido na discussão pública do projecto, antes de este ser consignado, a 3 de Junho, ao consórcio constituído pelas empresas CPTP e Etermar.
A praia vai aumentar de tamanho na medida em que o molhe, com mais 400 metros de comprimento, vai reter quantidades ainda maiores da areia arrastada pela ondulação predominante, de Noroeste. Estima-se que esta acumulação de areias possa fazer-se sentir quase até à praia de Buarcos.
Tal processo de "assoreamento" deverá ser proporcionalmente inverso ao que se verificará nas praias a Sul do molhe Norte. No Cabedelo, na Gala e até na Costa de Lavos, faltará a areia que a ondulação de Noroeste agora arrasta, sem obstáculos, para Sul. Para colmatar tal lacuna, o Instituto Portuário dos Transportes Marítimos (IPTM) assumiu a responsabilidade de fazer recargas de areia naquelas praias, disse ao JN o comandante do porto comercial da Figueira da Foz, Joaquim Sotto Maior.”

Alguém já viu, de Outubro passado até hoje, alguma recarga de areia aqui pelo sul? Se sim, digam, pois eu não.

X&Q575


quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

País de ressabiados?...

Prolongamento do molhe norte

Sabendo embora que, porventura, isso possa incomodar alguém, facto que lamento profundamente, mesmo assim, dada a actualidade da matéria, fica aqui o link para um post publicado neste blogue em 7 de Dezembro de 2008.
O senhor Manuel Luís Pata, na foto, é também uma das vozes discordantes do prolongamento do molhe norte.
Só que, ainda um dia destes me confessou: "ninguém ouve".
Recordemos então algumas frases de Pinheiro Marques na entrevista dada à Voz da Figueira em 26 de Novembro de 2008 :

“os litorais da Cova-Gala, Costa de Lavos e Leirosa vão sofrer uma erosão costeira muitíssimo maior, com o mar a ameaçar as casas das pessoas e o próprio Hospital Distrital”.

“Devido à orientação obliqua do molhe norte, os barcos pequenos, as embarcações de pesca e ao iates de recreio, vão ter de se expor ao mar de través. Poderá vir a ser uma situação desastrosa para os pescadores e os iatistas e ruinosa para o futuro das pescas e da marina de recreio”.

X&Q569


Dia para dia a situação piora junto ao Café Pôr do Sol

Foto de Pedro CruzOntem à tarde

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Já fui muito feliz nestas dunas da Cova-Gala

Foto sacada daqui

"Eles olham, mas não conseguem ver nada," dizem, para quem os quer ouvir, os pescadores da minha Terra.

"Com o prolongamento do molhe norte na Figueira a situação a sul vai agravar-se", dizem, para quem os quer ouvir, os pescadores da minha Terra.

O litoral e os conflitos de interesses

Fotos de Pedro Cruz

A faixa litoral constitui uma peculiaridade no território, quer na perspectiva da sua ocupação antrópica, quer pela sua dinâmica natural.
Na realidade, é fácil constatar que à escala global o crescimento demográfico é assimétrico, com variantes sociológicas bem marcadas, mas com uma componente geográfica em que as regiões costeiras registam sistematicamente valores elevados.
O litoral constitui, assim, um espaço de interface onde se travam os maiores conflitos, entre modelos de ocupação, entre as várias actividades em desenvolvimento, e entre estes e os valores de conservação ambiental.
È neste território, escasso, que têm de coexistir interesses vários: urbanos, industriais, comerciais e turísticos.
È precisamente o que se está a passar no litoral do nosso concelho. O prolongamento do molhe norte em mais 400 metros é disso exemplo.
E o grave da situação, para nós, habitantes do sul do concelho, é que as “obras no Molhe Norte, têm precisamente impacte maior nas praias a sul”.

E estudos aprofundados sobre tão sensível matéria não existem. Conhecemos este Estudo de Impacte Ambiental relativo às Obras destinadas à melhoria das condições de acesso ao Cais Comercial e Porto de Abrigo (consultar clicando aqui).
Sobre, o sector sul dos molhes é muito pragmático.

Contudo, ainda assim, considera que “a instabilidade da faixa costeira é mais grave, porque com a drástica redução do caudal sólido a agressiva dinâmica marítima provocou uma intensa erosão na linha de costa”.
Que, aliás, nos últimos dias se agravou substâncialmente, conforme este blogue tem vindo a alertar.
Felizmente, os nossos continuados alertas vão encontrando eco noutros meios. Ontem, o cova d´oiro deu conta das nossas preocupações. Hoje, outros espaços acompanham o tema da erosão da nossa orla costeira, como podem ver a seguir.

Cova Gala ... entre o rio e o mar...
Exigem-se Medidas Urgentes,Concretas,Responsáveis...

“Não poderia deixar de publicar esta imagem,tirada da"OUTRA MARGEM" ,que ilustra bem o que está acontecer nas praias da Cova Gala,ali mesmo junto ao café "Pôr do Sol" e Hospital, o que considero de muito grave.”

Diário de Coimbra
Mar continua a destruir zona sul e ameaça habitações

“O mau tempo que se tem feito sentir por todo o país tem tido também reflexos no mar. Tal como o nosso Jornal divulgou no início da passada semana, a forte ondulação e os ventos têm contribuído para que toda a zona da costa a sul da Figueira (em S. Pedro, Lavos e Leirosa) esteja a ser fustigada por ondas fortíssimas que têm “engolido” toneladas de pedra, protecções, passadiços e tudo o que lhe surge pela frente. No entanto, dizem os pescadores, a «coisa está feia e ainda vai ficar pior», porque «até quinta-feira as águas vão continuar a crescer», dizem, salientando que este ano «está 200 ou 300% pior que nos anos anteriores».”

X&Q568


segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Preocupante...

Ontem, dia 25.01.2009, a situação ainda era esta.

Um dia depois, é esta, que pode ver na foto de Pedro Cruz, sacada daqui.


ACTUALIZAÇÃO (22.28 dia 26.01.2009)

Cova d'oiro
Agravada diária e constantantemente pela conjugação de factores climatéricos e de marés, a erosão costeira coloca em risco, não só os areiais das nossas praias mas, também, a continuar a este ritmo, a própria povoação da Cova. Não nos esqueçamos que a cota a que a Cova e a Gala estão implantadas é muito baixa e, nalguns pontos, negativa.
É sintomático o pouco interesse que esta matéria merece do poder que governa a nossa cidade.
Na nossa opinião roça a irresponsabilidade.
Esperemos não necessitar, a titulo de urgência, dos serviços da Protecção Civil. Por muito bem que possam vir a correr estes serviços, eles representarão sempre o corolário de incompetências várias e de inacção ao longo dos tempos.
Em relação à foto acima há a referir que, hoje às 14 horas, o passadiço já não existia, o mar lambia o passeio da estrada à direita na foto e todo aquele maciço de areia desapareceu pura e simplesmente."

Ainda a Morraceira...



A questão da jurisdição da Ilha da Morraceira , como escrevemos recentemente, “é uma questão antiga e sobre a qual já foi dita tanta coisa...”
Num trabalho da agência LUSA, que pode ler e ouvir, clicando aqui, sublinha-sese, que “por todas as razões jurídicas, históricas e circunstanciais», o documento advoga que a ilha da Morraceira, exceptuando a parte que pertence a São Pedro, «deverá ser reintegrada na freguesia de São Julião da Figueira da Foz, à qual esteve adstrita durante mais de um século (…).
Evitar-se ia, assim, qualquer partilha do tipo salomónico»."

X&Q559


domingo, 25 de janeiro de 2009

Orla costeira da freguesia de São Pedro - hoje à tarde junto ao Largo do Hospital

Foto de Pedro Cruz sacada daqui

A erosão é uma das maiores ameaças às zonas costeiras europeias. Os principais factores causadores deste fenómeno, têm a ver com a urbanização desmesurada, o declínio de sedimentos disponíveis no sistema (por exemplo, devido às extracções e venda das areias) e a redução progressiva de áreas dedicadas à conservação dos sistemas naturais.

Um dia depois de Sócrates ter falado ...


Depois das suas afirmações de quinta e do comunicado de sexta, falou também ontem sobre a Freeport: repetiu que a reunião que manteve com os promotores da Freeport "aconteceu unicamente a pedido da autarquia de Alcochete e que a sua intervenção no caso se limitou à participação nessa reunião".
Já se sabia, há muito, que em Portugal os licenciamentos oscilam entre os lentos e os de "celeridade invulgar".

A defesa da orla costeira e os esporões


Aproveitem, hoje é domingo...


... licor Beirão, o Licor de Portugal!...

X&Q567


sábado, 24 de janeiro de 2009

Grupo Desportivo Cova-Gala

Seniores:
COVA-GALA/ ÁGUIAS
Resultado e fotos aqui.

Juvenis: COVA-GALA / UNIÃO DE COIMBRA

Resultado e fotos aqui.

Futsal feminino:
CRIA/COVA-GALA
Resultado e fotos aqui.

A nova função do Portinho da Gala

Foto de Pedro Cruz sacada daquiAs instalações terrestres de apoio aos pescadores do Portinho da Gala deveriam ter começado a ser construídas durante o ano de 2008, já que em PIDDAC estavam inscritos 400 mil euros para a obra.
2008 já lá vai e, mais uma vez, a promessa não foi cumprida.
Enquanto a promessa não é cumprida, os putos descobriram uma nova função para o Portinho da Gala, aproveitando a amplitude dum espaço "que custou 2,0 milhões de euros" e divertem-se!...
Ao menos "que se explique para que serve realmente, para além de permitir a atracação de uns quantos botezitos de pesca artesanal ou de recreio, e servir, todo aquele enorme espaço, de tranquilo poiso a alguns pescadores à linha de um ou outro robalito que por ali apareça distraido. A promessa da obra data dos despreocupados tempos do santanismo (com Santana) e do guterrismo, durante os quais, populista ou beatificamente, se distribuia dinheiro a rodos, e se prometia a felicidade terrena para todos. Mais tarde, levou, claro, o apadrinhamento da Câmara Municipal e do governo Durão-Portas . Na sua qualidade de Ministro da Defesa, Paulo Portas fez questão de vir ele mesmo inaugurar a grandiosa obra da “Marina”, com muita festa, pompa, circunstância, entusiasmo e belos discursos . A lembrar a auspiciosa efeméride, ficou lá a inevitável placa de mármore com as inevitáveis letras a dourado, com a inevitável referência ao nome de Sua Excelência."

X&Q566


As coisas são como são…

De vez em quando, o poder choca com o ambiente.
Por uma ou outra boa razão mas, e essencialmente, quase sempre pelos piores motivos, como foi o caso há dois dias atrás, da erosão costeira a sul do Mondego.
O concelho - em particular as freguesias de São Pedro, Lavos e Marinha das Ondas - tem razões de sobra para se alarmar com este assunto.
Estas coisas do ambiente, tal como as da cultura, as da solidariedade, ficam bem na boca do poder. Mas, na prática, o que é determinante, são os interesses e o o dinheiro.
Qualquer área protegida, facilmente passa a urbanizável, perante um projecto imobiliário duvidoso, logo classificado como de interesse local.
Em São Pedro, se for aprovado o Plano de Urbanização, o tal que por motivos óbvios era tão urgente (era para ter ido a reunião de Câmara em Dezembro passado e, depois, em Janeiro corrente, e agora parecer estar em “banho Maria” a aguardar melhores dias), muita coisa, nesse campo ficará explícita.
E não se poderá acusar a Câmara Municipal da Figueira da Foz e junta de freguesia de São Pedro de omissão. Bem longe disso. As coisas são como são…

Tio e sobrinhos...


"O tio materno de José Sócrates, Júlio Monteiro, admitiu ter proporcionado o encontro entre o actual primeiro-ministro e Charles Smith, sócio da Smith & Pedro, empresa contratada para conseguir o licenciamento do Freeport. As declarações fazem parte de uma entrevista dada pelo tio do ex-ministro do Ambiente ao semanário “Sol” e que será publicada amanhã. Paralelamente, um primo de Sócrates, Nuno Carvalho Monteiro, confirmou ao "Expresso" a existência de um encontro entre um intermediário do negócio do Freeport e o então ministro do Ambiente.“Foi através de mim que ele conseguiu a reunião”, afirmou Júlio Monteiro, que, contudo, garantiu não saber mais nada sobre o desenrolar dos acontecimentos. O tio de Sócrates sublinhou estar a ser “inconveniente” para o sobrinho mas disse estar-se “nas tintas porque é verdade”.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Só para avivar a memória....

A protecção da orla costeira da nossa freguesia sempre foi uma das preocupações de quem faz este Outra Margem.
Este blogue viu a luz do dia em Abril de 2006.
Para avivar certas mentes, recordamos parte de um post, que pode ler na integra clicando aqui, que publicámos em 11 de Dezembro de 2006.

"A protecção da Orla Costeira Portuguesa é uma necessidade de primeira ordem...
O processo de erosão costeira assume aspectos preocupantes numa percentagem significativa do litoral continental.
Atente-se, no estado em que se encontra a duna logo a seguir ao chamado “Quinto Molhe”, a sul da Praia da Cova.
Por vezes, ao centrar-se a atenção sobre o acessório, perde-se a oportunidade de resolver o essencial..."


O espírito do nosso trabalho foi sempre o mesmo: lutar por aquilo que consideramos serem os genuínos interesses da Cova-Gala. Por isso, sobre a defesa da nossa orla costeira fomos publicando, de 2006 para cá, inúmeras matérias que podem ser vistas na íntegra por quem quiser, pois estão disponíveis neste blogue. Para poupar tempo e trabalho aos nossos leitores, destacamos apenas algumas dessas postagens: esta, esta, esta, esta, esta, esta.

Sabemos – somos ingénuos, mas assim tanto também não – que este nosso posicionamento mexeu com interesses - uns já instalados e outros a instalaram-se.
Por isso mesmo, fomos caluniados, ameaçados e perseguidos...
Isso, porém, não tem importância absolutamente nenhuma... O importante é que os “poderes”, nomeadamente o autárquico, assuma que a protecção da Orla Costeira, no nosso concelho e na nosssa freguesia, não termina na protecção das praias e das regiões da costa arenosa. Passa, forçosamente, pela necessidade de melhorar o exercício das políticas de urbanismo e Ordenamento do Território junto à linha da nossa costa.

E isso tem a ver com a política urbanística da Câmara Municipal da Figueira da Foz.
A pressão urbanística desmesurada, que já se verifica e está planeada por este executivo municipal junto à linha de costa da freguesia de São Pedro, fruto, essencialmente, da construção desregrada para fins turísticos, por demais conhecida e identificada, constituiu um autêntico atentado contra o património costeiro e dunar da Cova-Gala.


A protecção da nossa orla costeira, nomeadamente das dunas, areais e frentes edificadas que lhe são próximas, é, por conseguinte, mais do que um imperativo, é uma necessidade elementar para a sobrevivência - NOSSA E DA NOSSA TERRA .

Lá por Lisboa, esta gente que anda a comentar nos blogues é demais!...



Tem tempo disponível?...

X&Q565


Mar ameaça casas na zona sul da Figueira




Uma semana após a sua construção
, os passadiços foram destruídos pela fúria do mar, que ainda invadiu o parque de estacionamento da Praia do Cabedelo. O presidente da Junta de S. Pedro afirma que a situação é preocupante, tendo em conta que nos últimos anos se tem vindo a verificar uma erosão costeira mais acentuada.
“Quem vive à beira-mar sabe que há coisas deste género, como se diz na linguagem dos pescadores, o mar faz sempre das suas. Mas a continuar assim, a juntar marés grandes com mar mau vai ser perigoso”, alerta Carlos Simão.
Entretanto, o autarca acautela: “as entidades competentes devem realizar uma intervenção daquilo que existe, bem como fazer uma manutenção periódica de prevenção, já que os molhes são uma forma de suster as areias”. E remata salientando que esta operação é “importante não só para as populações locais, mas também para o país”, uma vez que “a nossa costa é de uma riqueza que deve ser protegida”.

(in Diário as Beiras, de 22/01/2009, página 10)

Democracia saudável….


Alguém acha possível “estrangular uma empresa jornalística em nome de cálculos políticos condicionados pela proximidade das eleições"?..
Alguém acha possível “um primeiro-ministro insinuar que o timing de uma investigação policial, ainda por cima realizada a pedido das autoridades britânicas, se deve ao calendário eleitoral nacional”?..
Claro que não, pois isso seria admitir que Portugal é uma democracia doente!..
Alguém acha isso possível?...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

A Cova-Gala vista das dunas



A Cova-Gala - penso que a foto dá disso ideia - está praticamente ao nível do mar.

Duarte & Reis (1992) referem, num estudo histórico sobre a barra do Mondego, que recebi por mail, "que na primeira década após a construção dos molhes se observaram taxas de acumulação da ordem dos 30m/ano defronte do Forte de Santa Catarina (junto ao molhe norte) e de 7m/ano em Buarcos (2 quilómetros a norte da barra).
A acumulação sedimentar a norte do molhe da Figueira da Foz, concluindo que foi de 4,5x106m3/ano. No entanto, este valor não inclui a acumulação ocorrida na praia submersa e no banco externo da foz do Mondego. Relativamente à parte submersa, é de mencionar que o movimento das batimétricas dos -8m, -10m e -12m, na área adjacente à embocadura, foi da ordem dos 280m a 350m para oeste, e que a areia acumulada em 40ha localizados imediatamente a norte do molhe norte, entre a linha de maré baixa e os 10m abaixo dessa linha, foi de cerca de 1,5x106m3, entre 1963 e 1968, ou seja, cerca de 300 000m3/ano.
A sul da foz do Mondego, começaram a sentir-se os primeiros efeitos da erosão, logo após a edificação dos molhes. Junto à Cova, registou-se um agravamento acentuado do recuo da linha de costa , sendo inclusive apontados valores extremos de erosão da ordem dos 30m/ano em 1976 (Duarte & Reis,1992)."

Neste momento, estão a decorrer as obras de prolongamento, em mais 400 metros do molhe...
Repito a pergunta que fiz, aqui no Outra Margem, em 11 de Abril de 2008:
Mas, será que alguém sabe, porque estudou, as REPERCUSSÕES QUE MAIS 400 METROS NO MOLHE NORTE terão na zona costeira na margem a sul do Mondego?

Hoje foi um desses dias....

... choveu mesmo!...

Consta-se que o Instituto de Meteorologia tem acertado mais vezes nas previsões que o Governador do Banco de Portugal.

Via PROSAS VADIAS.

Dúvida!...

Tomás Vasques, do hoje há conquilhas, ontem à noite, teve esta dúvida:
“A minha dúvida, neste momento, é a seguinte: Barack Obama vai mudar a América ou a América vai mudar Barack Obama?..”
Horas antes, ao final da tarde desse mesmo dia, numa mera e casual conversa no Café Escondidinho, na Cova, em redor de uma bica, o Zé Vidal, emigrante nos EUA durante muitos anos, tinha-me tirado essa dúvida:
“Com Obama, ou outro presidente qualquer, a América não vai perder a mania de querer mandar no mundo!...”
Pronto, penso que está esclarecida a dúvida do Tomás Vasques: se a América não muda, vai ter de mudar Barack Obama...

X&Q563


Será assim tão difícil evitar o que é previsível?..


No nosso concelho, a protecção da Orla Costeira a sul do Mondego é uma necessidade de primeira ordem.
“O problema da nossa costa é que estamos perante um desastre previamente anunciado, alguém vai ter de ser responsabilizado se acontecer uma tragédia”, disse o vereador do Ambiente, José Elísio Oliveira. E nós concordamos, mas, talvez seja bom recordar ao senhor vereador, neste momento de aperto, que a protecção da Orla Costeira, no nosso concelho, não termina na protecção das praias e das regiões da costa arenosa. Passa, forçosamente, pela necessidade de melhorar o exercício das políticas de urbanismo e Ordenamento do Território junto à linha da nossa costa.
E isso tem a ver com a politica urbanística da Câmara Municipal da Figueira da Foz.
A pressão urbanística desmesurada, que já se verifica e está planeada por este executivo municipal junto à linha de costa da freguesia de São Pedro, fruto, essencialmente, da construção desregrada para fins turísticos, por demais conhecida e identificada, constituiu um autêntico atentado contra o património costeiro e dunar da Cova-Gala.
A protecção da nossa orla costeira, nomeadamente das dunas, areais e frentes edificadas que lhe são próximas, é, por conseguinte, um imperativo.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

A política é tão simples

Manuela Ferreira Leite é uma mulher conservadora e de direita.


José Sócrates é um homem de direita que ultrapassa a direita pela direita (como se viu com o Código do Trabalho, fazendo algo que Bagão Félix nunca faria - ver o que o Tribunal Constitucional chumbou quanto aos períodos de trabalho experimental alargadíssimos deste governo).

Resumindo:
Ferreira Leite é óbvia.
Sócrates é “Poder”.

Desporto figueirense ficou mais pobre

E porque não uma candidatura para o europeu de 2048?...


Há cinco anos atrás, no ano da graça futebolística de 2004, Portugal assistiu empolgado a um autêntico “golpe de estádio”, que consistiu na construção (ou reconstrução) de 10 (dez) novos estádios de futebol para albergar o Campeonato Europeu de Futebol.
Como era fácil de prever - e a realidade posteriormente confirmou, gastou-se à “fartasana” em grandes inutilidades, pois os equipamentos futebolísticos, tirando duas ou três excepções, estão hoje praticamente às moscas...
Agora, novo "golpe de estádio" é já oficial: Portugal entra com a Espanha na aventura de se candidatar a um Mundial (o de 2018, mais que provavelmente), com vista à “rentabilização” desses estádios no Campenato Mundial de Futebol.
Em Portugal, os erros não se pagam: apagam-se com outros erros.
Portanto, se se realizar mesmo o Mundial de 2018 no nosso País, nos estádios do Euro 2004, remodelados ou em novos, proponho desde já uma nova candidatura, para o europeu de 2048...
Rentabilizar, rentabilizar, sempre!...
E ainda dizem que este País está em crise.... Só se for de "tininho"!...