"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sábado, 31 de outubro de 2020

As restrições rigorosas à economia e à vida quotidiana, para evitar uma sobrecarga do sistema de saúde, começam na quinta-feira e vão durar até 2 de dezembro

Covid-19: Inglaterra vai estar em confinamento durante um mês

A Figueira faz parte dos 121 concelhos em que as medidas vão ser aplicadas


Covid-19. Novas medidas a partir de quarta-feira: 121 concelhos com dever de recolhimento, teletrabalho obrigatório e comércio fecha às 22.


As medidas são:

  • reposição do dever cívico de recolhimento domiciliário, menos grave do que o dever geral de recolhimento domiciliário, que esteve em vigor em março e abril. Assim, os cidadãos só deverão sair de casa para o essencial, ou seja: trabalhar, ir à escola, prestar assistência a familiares, fazer exercício físico, passear animais de companhia, comprar bens alimentares ou medicamentos, entre outros;
  • desfasamento de horários obrigatório;
  • teletrabalho obrigatório, salvo impedimento do trabalhador;
  • encerramento dos estabelecimentos comerciais até às 22h;
  • restaurantes com grupos limitados a seis pessoas e funcionamento até às 22h30;
  • eventos e celebrações limitados a cinco pessoas (salvo se do mesmo agregado familiar);
  • proibidas feiras e mercados de levante.

As medidas serão sujeitas a uma reavaliação quinzenal, em Conselho de Ministros, sendo revista a lista de concelhos.

A lista completa dos 121 concelhos em que as novas medidas vão ser aplicadas está disponível aqui.
Nos concelhos onde vão ser aplicadas as medidas, como é o caso da Figueira da Foz, vão continuar a ser permitidas visitas aos Lares.

KALIDÁS BARRETO

Custa assim tanto perceber que a areia que está a mais mais na Praia da Calamidade pertence à Cova, Costa de Lavos e Leirosa? "Soltem as areias"...

Via Diário as Beiras

No país dos "pila pinhas"...

Imagem via Diário as Beiras

Que fique claro claro: sou contra contra qualquer tipo de  gamanço.

O país já deveria estar mais do que farto de aberturas de telejornal e primeiras páginas de jornais  julgamentos que “não andam” e corrupção em doses gigantescas.

Mas, não está. Nem está enojado, por figuras públicas que deveriam ser exemplos de cidadania, estarem constantemente a ser apontadas como "corruptos", sem depois haver consequências.

A lixeira a céu aberto e o cheiro nauseabundo que nos são servidos diariamente pela comunicação social, há muito que anda fazer caminho a outras coisas que andam por aí.

O aproveitamento político deste clima de suspeição generalizada, num pequeno país sem recursos capazes de, só por si, o tirarem da depressão e onde muitos milhares de cidadãos estão sempre prontos a abraçar e dar as boas vindas a um qualquer “salvador da pátria que mande a sério e ponha tudo isto na ordem”, pode ter consequências difíceis de prever em toda a sua amplitude e dimensão.

O passado mostra, com exemplos, que foi exactamente para estender a passadeira a esses “salvadores da pátria” que servem estes longos e exaltados climas de paranóia carregada de chavões como “a corrupção, os desentendimentos dos políticos, a criminalidade e a insegurança, os ciganos, os imigrantes que tiram os empregos aos nacionais”...

Foi neste cenário abjecto, criado e ampliado até à exaustão, que o fascismo teve o caminho aberto.

Deixem os "pilha pinhas" em paz. 

Ao menos estes, por norma, são apanhados julgados e condenados. 

Desde quando é que o combate à pandemia é um caso de polícia?

 "Executivo pondera voltar a fechar o País nas duas primeiras semanas de dezembro"!..

O saco

 A saúde é cada vez mais um apetitoso negócio. Portanto, nada mais natural que se invista em publicidade.

Saco que traz a edição do Expresso desta semana

«No capitalismo realmente existente, de onde o Estado nunca esteve e nunca estará ausente, tanto a robusta CUF como a frágil Impresa recebem directa e indirectamente apoios públicos. E se o Estado não optar pela requisição civil de hospitais ditos privados, até perante a recusa destes em receber doentes infectados com Covid-19, é caso para dizer que já nem é preciso falar da sua autonomia sempre relativa, mas potencialmente real em democracia.»

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

“Geringonça” nos Açores...


Qual a razão ou razões para o PSD não governar os Açores em coligação com o Chaga?

«Carlos Furtado deixou de ser "social-democrata" do dia para a noite,.

Carlos Furtado passou a ser fascista da noite para o dia.

Carlos Furtado passou todos estes anos disfarçado e nunca ninguém deu por nada, ou as coisas são o que são e nunca ninguém quer saber a ponta de um chavelho para depois aparecerem boquiabertos de admiração por algo que era do conhecimento geral mas desde que não fosse falado, não fizesse muitas ondas, faz de conta que não existia?»

Obras do Cabedelo...

 A nova estrada de acesso, que ainda nem foi inaugurada já inundou!..

Embarcação eléctrica para a travessia do Mondego: infelizmente, já vi mais optimismo...

Via Diário as Beiras
«A regeneração urbana do Cabedelo será complementada com uma linha de transporte de passageiros e bicicletas fluvial entre as duas margens, assegurada por uma embarcação eléctrica. 
Mas será que estará disponível quando as obras terminarem? 
“Estamos a tratar disso com a rapidez que podemos e a lentidão que os 500 mil euros (preço do barco) nos abriga”, respondeu Carlos Monteiro.»
Fim de citação.

Já era sabido que Figueira da Foz ia adquirir uma embarcação elétrica para travessia entre as margens do Mondego.
Pensávamos é que era mais rápido. Em 20 de Setembro passado assim parecia: «a Câmara da Figueira da Foz vai apresentar, a curto prazo, uma embarcação elétrica para efetuar transporte de passageiros entre as duas margens do rio Mondego».
«A ligação mais rápida que temos para o lado sul do concelho é a Ponte Edgar Cardoso, que mais cedo ou mais tarde vai ter de entrar em obra. Portanto, é importante termos uma ligação rápida para o outro lado», disse Carlos Monteiro. 
O autarca, que falava na cerimónia de inauguração dos primeiros quatro quilómetros da Ciclovia do Mondego, presidida pela ministra da Coesão Territorial, considera que é importante ter uma alternativa, como ficou demonstrado nas tempestades Leslie e Elsa, que atingiram o concelho. Em declarações aos jornalistas, o presidente da autarquia adiantou que o “veículo está estudado” e vai ser apresentado a curto prazo, estando o município a preparar o processo de aquisição. Segundo Carlos Monteiro, trata-se de uma embarcação com painéis fotovoltaicos, com capacidade para 45 a 50 passageiros e transporte de bicicletas, cujo preço ronda os 530 mil euros. “Havendo uma embarcação elétrica, a transição entre margens é muito menos poluente e mais rápida”, sublinhou o autarca, que pretende ter a embarcação a operar todos os dias. 
O presidente da câmara justificou ainda a aposta nas ligações de barco no Mondego com o facto de o Hospital Distrital da Figueira da Foz, que “tem 800 funcionários”, se encontrar na margem sul da cidade. 
Depois de ouvir a intenção do autarca, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, disse que não será “nada difícil incluir” o projeto nas “elegibilidades”, com vista a financiamento. A governante destacou o projeto da Ciclovia do Mondego como um exemplo de coesão e de diminuição do trânsito e da poluição em zonas urbanas.
O que mudou em pouco mais de um mês?

Começou a segunda fase sem ter acabado a primeira...

Via Diário as Beiras

«A segunda e última fase da requalificação do Cabedelo já começou, enquanto ainda decorre a primeira.
Tem por finalidade a protecção costeira, através do reforço do cordão dunar, com 80 mil metros cúbicos de areia. 
O material inerte está a ser retirado do Cabedelinho, mas não é suficiente, já que não deverá ser permitido extrair mais do que 20 mil metros cúbicos, o que obrigará a autarquia a recorrer a outros areais. 
O presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, esclareceu que os trabalhos da segunda fase coincidem com a parte final da primeira porque implica movimentação de camiões carregados com areia e pedra. Deste modo, acrescentou, “evita-se estragar o que já está feito”. 
Carlos Monteiro não se comprometeu com uma data para a conclusão das obras, porque, ressalvou, “de um momento para o outro, pode surgir um imprevisto”
A autarquia está a estudar as diversas alternativas para os 60 mil metros cúbicos de areia que terão de ser acrescentados no Cabedelo. 
Questionado sobre se a escolha pode recair no areal urbano, respondeu que será escolhida a solução mais barata.»

A propósito de "um jantar privado de pessoas ditas de direita" publicitado no jornal!..

A notícia, como se pode comprovar pela imagem abaixo, veio nas páginas do jornal Diário as Beiras


Primeira constatação: a Figueira apanha as modas da capital, sempre com atraso. Foi assim em 1997... 

Segunda constatação: "os comensais, além de respeitarem as regras impostas pela DGS no âmbito da actual pandemia", deverão enviar foto do acontecimento social, não para o jornal Diário as Beiras, como, talvez por inexperiência, aconteceu desta vez, mas para a Caras, (onde são publicadas as notícias dos famosos putativamente presidenciáveis, realeza, moda, beleza, culinária, decoração, as mulheres mais elegantes) ou para a Maria (chegou a vender 300 mil exemplares. O seu forte era publicar entrevistas sobre os protagonistas do momento, artigos de saúde, apresentados de forma esclarecedora e baseados em opiniões de especialistas, páginas dedicadas ao esclarecimento sexual do casal, conselhos de moda e beleza, que ajudam a mulher a cuidar da sua imagem, informação televisiva, com os resumos das telenovelas, o bebé do ano, culinária, decoração e astrologia)... 

Terceira constatação: deste jantar, publicitado pelo jornal Diário as Beiras, ficaram duas coisas por saber...

Essas, sim, despertavam a minha curiosidade: a qualidade do repasto e do vinho e as propostas políticas para a Figueira?

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Quinto molhe: o «chouriço» vai nu...

"Cova-Gala: a terra onde o mar corre para o rio" 
"O mar é um gigante bruto que não tem noção da sua força. Não fomos nós que decidimos brincar com ele. Alguém o fez, mas não fomos nós. Por que raio temos de ser nós a pagar pelos erros alheios? Pior que ter um burro no leme, é ter um chico-esperto a mandar no barco. Aqui, deste lado, é o mar que corre para o rio - e eu ainda não encomendei a minha gôndola."

Foto António Agostinho

O passado (recente), o presente e o futuro (próximo) da Figueira?..

Via Diário de Coimbra

Ao longo dos anos a Claridade (praia) transformou-se na calamidade (praia, barra e projectos falhados)

Via Diário as Beiras, Silvina Queiroz responde à pergunta «que pode a câmara fazer para “aproximar” a cidade do mar através do areal urbano?», desta forma.


«O areal da Figueira da Foz é um deserto triste. Por força de erradas opções, nomeadamente o desgraçado prolongamento do molho norte, a Claridade tem vindo a crescer a um ritmo alucinante. E mais desgraçado ainda é constatar que esta construção, na boca do rio, não veio resolver o problema do assoreamento da barra e a sua perigosidade potencialmente e realmente assassina!

Que poderá fazer a Câmara para aproximar a cidade do seu mar, hoje lá longe? A ida à praia constitui-se como um 2 em 1: prática balnear e exercício físico, deveras exigente, aliás. Em tempos, a CDU muito insistiu no aproveitamento do areal “encurtando” a distância. Parte dele foi de facto aproveitado com a instalação de equipamentos desportivos, muito frequentados pelos jovens.
O Oásis é melhor que esqueçamos; tem sido uma “complicação” mantê-lo e dar-lhe utilidade que se não resuma a flashes de utilização elitista, dados os preços aí praticados. Renda alta? Uma pergunta tenho eu na cabeça: A Câmara estará disponível para ouvir opiniões dos cidadãos?! Não tem acontecido assim. Lembram-se das árvores, do freixo, da marginal de Buarcos, da baixa da cidade…?
A instalação dos equipamentos que acima refiro foi sem dúvida uma boa ideia. Boa ideia não será o que recentemente li na comunicação social. Tuk-tuks para a travessia do areal, teleférico?! Se a preocupação são os transportes, muito há a fazer no concelho. E por aí se deve começar, naturalmente.
As pessoas precisam de se deslocar para irem trabalhar e os transportes existentes (?) não dão resposta. Precisam de ir ao Centro de Saúde ou ao Hospital e é o que se sabe. As crianças precisam de transportes que as façam chegar à escola na hora certa, não ficando à espera tempo e tempo. Tanto mais agora, com a situação perigosa que vivemos, e em que cada diminuição do risco é valorizável.
Transportes respondendo eficazmente às necessidades dos fregueses, isso sim era um assunto muito interessante. E economizar recursos para o combate aos problemas sociais, mais agudizados no momento por força desta infame pandemia, deverá ser prioridade.»

Mais vale tarde do que nunca: demorou mais de um ano...

Reunião de câmara de 20 de Maio de 2019: "Aprovada constituição do Conselho Municipal de Turismo".

Era uma promessa já com alguns anos...
23 de junho de 2018, João Ataíde no jornal Diário as Beiras:
Abril de 2019, também via Diário as Beiras...
"A criação da Comissão Municipal de Turismo continua na gaveta. Será desta que vai avançar?" 
Resposta de Carlos Monteiro, presidente da câmara e vereador do pelouro da autarquia figueirense:
"Não tenho presente o dossiê, mas tenho presente que houve esse compromisso de João Ataíde e que será cumprido em breve. Vamos dar-lhe prioridade."

Este é que é o verdadeiro presidente da Junta

"Os murais estão na moda na Figueira, mas obra mais ambicionada por José Esteves, porém, tem o mar como paisagem natural: uma piscina de marés, em Buarcos."

Via Diário as Beiras

Depois de ser chamado de "ladrão", Rui Pinto 'ataca' José Miguel Júdice...

 "José Miguel Júdice lidou durante décadas com ladrões, que lhe encheram a conta bancária através de honorários milionários, e nunca se queixou. Defende com unhas e dentes Ricardo Salgado dizendo que não é nenhum gangster. Acho um piadão a este ex-MDLP".


Foi assim que Rui Pinto reagiu às declarações de José Miguel Júdice que apelidou o pirata informático de ladrão.

terça-feira, 27 de outubro de 2020

Ouçam de uma vez por todas o que disse Manuel Luís Pata: "devemos procurar a todo o custo aproximar o Mar da Cidade, como no tempo em que a Figueira era a Rainha das praias"

Na edição de hoje do Diário as Beiras, Teotónio Cavaco, responde à pergunta «que pode a câmara fazer para “aproximar” a cidade do mar através do areal urbano?», desta forma.
«O prolongamento, em cerca de 400 metros, do molhe norte, em 2011, acrescentou dimensão a um triplo problema, cujas variáveis, ligadas, parecem não possibilitar uma solução que a todas resolva completa e satisfatoriamente: a progressiva falta de areia a sul, a acumulação galopante de areia a norte e a navegabilidade na barra do rio.
Entendendo a necessidade da referida obra, muito cara mas imprescindível sobretudo para a sustentabilidade de um porto comercial tão estratégico quanto merecedor de atenção e investimento internacional, nacional e mesmo regional (é o único entre Aveiro e Lisboa), é inegável que aquela acentuou a erosão nas praias a sul, a destruição da duna de proteção costeira em vários locais (sobretudo na praia da Cova), e a retenção de areia na praia da Figueira em cerca de 230 mil metros cúbicos, como refere Nunes André “23 mil camiões que, se dispostos em fila contínua, ocupariam os mais de 300 quilómetros de ligação por autoestrada entre Lisboa e Porto” – a cada ano.
Ora, esta situação é insustentável para as populações a sul, em constante estado de alerta, e para o turismo, cada vez mais sazonal e dependente de uma praia cada vez mais afastada da cidade-mãe.
Assim, a pergunta desta semana, dramaticamente atrasada 40 anos (o Programa Base de Urbanização da Marginal Oceânica – areal da praia – teve início em junho de 1981) devia ser: o que é que a Câmara já devia ter feito para aproximar a cidade do mar através do areal urbano?

Primeiro, definir claramente se quer tirar areia (aproximar o mar da cidade) ou aproveitá-la (aproximar a cidade do mar); depois, envolver todas as Entidades, nacionais e internacionais, que possam estar relacionadas com a jurisdição e administração dos espaços; finalmente, cativar parceiros que sejam desafiados a interessar-se por uma Figueira do século XXI. Ou seja: durante mais uns meses, isto continuará a ser ficção científica!…» 

Nota OUTRA MARGEM:
 Só, para mais uma vez, avivar a memória, e por o seu conteúdo ser do maior interesse, vamos recuperar, com devida vénia, extratactos de uma carta do SENHOR MANUEL LUÍS PATA, publicada no dia 26 de Março de 2007, no “Diário de Coimbra”, pág. 8, na secção Fala o Leitor, com o título:

«“Erosão das Praias”

Permitam que me identifique:
Foto Pedro Agostinho Cruz
Manuel Luís Pata, nascido há 82 anos na povoação da Gala (à beira do mar), Figueira da Foz e filho, neto e bisneto de marítimos. Também eu como os meus ascendentes, segui a vida do mar, onde aprendi a ser homem. O mar foi para mim um grande Mestre… E a vida que escolhi levou-me a conhecer novos horizontes!...
Vivi 20 anos em Moçambique. Cinco na marinha mercante e quinze na província da Zambézia, catorze dos quais a governar um dos navios da Sena Sugar Estates, o “ Mezingo”.
Sou um simples cidadão que ama a sua Pátria. É esta a razão que me leva a lutar pelo bem do meu pobre País, que continua a ser destruído, não pela natureza, mas sim pelo ser humano!...

Qual a principal causa da catástrofe que se avizinha?

Os molhes da barra da Figueira da Foz

Foram estes “Molhes” que provocaram a erosão das praias a sul da Figueira, e foi o “ Molhe Norte” que originou a sepultura da saudosa “ Praia da Claridade”, a mais bela do país. Embora seja de conhecimento geral, quão nefasto foi a construção de tais molhes teimam em querer acrescentar o “Molhe Norte”, como obra milagrosa… Santo Deus! Tanta ingenuidade e tanta teimosia!... Quem defende tal obra, de certo sofre de oftalmia ou tem interesse no negócio das areias!..»

Apesar de algumas  vozes discordantes – principalmente de homens ligados e conhecedores do mar e da barra da Figueira – foi concluído o prolongamento do molhe norte.
Os resultados, infelizmente, estão à vista: já morreram várias pessoas à entrada desta nossa barra.
As dragagens  realizadas na enseada, na barra e no rio, na opinião de Manuel Luís Pata – velho e teimoso lutador contra as obras que têm sido feitas, nomeadamente o prolongamento do molhe norte, a que chama a obra “madastra”, fazendo alertas para o que iria acontecer – são a “principal causa da assustadora erosão da costa marítima, principalmente e S. Pedro de Moel para o norte”
Ao contrário de Leixões, cujo molhe está curvado a sul, mas  está construído em local fundo, onde por isso o mar não rebenta, na foz do Mondego, devido ao constante assoreamento provocado pelas areias que vêm do norte, o mar rebenta mesmo á saída da barra, tornando-a na opinião de muitos pescadores com quem convivemos todos os dias, neste momento, a pior barra do país para os pequenos barcos de pesca.
Como evitar isto?
Na opinião de Manuel Luís Pataum exemplo de perseverança, só há uma alternativa: “fazer o molhe a partir do Cabo Mondego para sul, o que não só serviria de barragem às areias, como também abrigaria a zona do Cabo Mondego e Buarcos, evitando-se assim as investidas do mar na marginal e que ainda há pouco tempo causaram importantes estragos na zona da Tamargueira."

Como me disse ao longo dos anos o velho e experiente Homem da foto acima, nas inúmeras e enriquecedoras conversas que ao longo da minha vida com ele tenho tido, e que foram a base deste texto,  “a Figueira nasceu numa paisagem ímpar. Porém, ao longo dos tempos, não soubemos tirar partido das belezas da Natureza, mas sim destruí-las com obras aberrantes. Na sua opinião, a única obra do homem  de que deveríamos ter orgulho e preservá-la, foi a reflorestação da Serra da Boa Viagem por Manuel Rei. Fez o que parecia impossível, essa obra foi reconhecida por grandes técnicos de renome mundial. E, hoje, o que dela resta? – Cinzas!..
Manuel Luís Pata deixou-nos em Abril de 2017. Continua a fazer muita falta à Figueira...

Vem aí dinheiro...


«O concelho da Figueira da Foz, onde, há dois anos, a tempestade provocou prejuízos de 38 milhões de euros, nos setores público e privado, foi um dos mais castigados pela intempérie. Tem direito a receber 800 mil euros de comparticipação do Estado, pela reparação de equipamentos públicos. Na sua alocução, o presidente da câmara e anfitrião, Carlos Monteiro, realçou que ainda falta o Estado restituir à autarquia os 60 por cento (400 mil euros) das verbas que esta avançou às colectividades e instituições de solidariedade social com instalações afetadas pela tempestade. Por outro lado, o autarca considerou “injusto” as juntas de freguesia não terem tido direito a apoios do Estado no âmbito do mesmo fundo.»

Recorde-se:

Em 18 de outubro de 2018 – cinco dias após a tempestade que atingiu diversos concelhos da região Centro – o Conselho de Ministros determinava que, “sem prejuízo da conclusão do processo tendente ao apuramento mais rigoroso dos danos sofridos” “dadas as circunstâncias excepcionais verificadas” – estavam reunidas as condições, no âmbito do Orçamento do Estado de 2018 – para a “concessão de auxílios financeiros aos municípios afectados através do Fundo de Emergência Municipal sem necessidade de declaração de calamidade pública”, o que ainda não aconteceu.

Em 17 de Fevereiro de 2019, Condeixa e Figueira da Foz queixavam-se de falta de apoios para recuperar da tempestade Leslie...

O novo livro de Pedro Rodrigues

 ALICE DO LADO ERRADO DO ESPELHO. 

PRÉ-LANÇAMENTO: ENVIO A PARTIR DE 20 DE NOVEMBRO

E se um dia acordássemos do outro lado do espelho? E se a maçã vermelha de Eva fosse a mesma que a Branca de Neve trincou? Será que a Rapunzel cortou o cabelo para evitar o contacto social? E o Lobo: porque é sempre ele o mau da fita? Estaria a profecia da Bela Adormecida certa? E a Cinderela: precisaria, ela, de ir ao baile para ser feliz? De uma coisa devemos estar certos: o mundo pode ruir com um póquer de ases — mas voltará a erguer-se como um castelo de cartas.

Pré-venda: https://culturaeditora.pt/products/alice-do-lado-errado-do-espelho

A Figueira ainda não morreu definitivamente... Mas, por este caminho, já não falta muito...

Via Diário as Beiras

Figueira, uma terra de políticos incompetentes
Neste concelho, manda o executivo camarário mais incompetente de que há memória, suportado numa maioria absolutíssima e mais acéfala que se poderia imaginar. 
Uma oposição, em grande parte conivente e folclórica, também impreparada, compõe o ramalhete. Dois terços do principal partido da oposição, comporta-se como uma espécie de Dupont do Dupont que está no executivo. Estes dois terços da oposição, ávido e faminto de umas migalhas que lhe caiam da mesa, vai fazendo o seu papel de dividir o que sobra da oposição. 
Chega, CDS e os dois terços da oposição que têm sido a muleta da situação, não estão a dormir para acabar com o resto...
Embora não pelos mesmos motivos, tal como o "recauchutado" socialista Dr. João Paredes, considero, também, que "está de parabéns o Presidente da Câmara - Dr. Carlos Monteiro e toda a equipa do executivo camarário"

Covid-19: Figueira com mais 29 casos (mais 22%)...


 Via Diário as Beiras

Cristina Ferreira e as presidenciais

 Via Luis Osório


«Sigo Cristina Ferreira para me ajudar a compreender o mundo.

É a mais popular apresentadora de televisão em Portugal.

E é tudo menos parva.

Sabe o que faz, sabe o que diz e sabe os efeitos das suas opiniões. Sabe também aproveitar em seu benefício o que aparentemente são fragilidades (suburbana, ostracizada pelas elites). É o paradigma de My Fair Lady. Insinuante e quase ingénua (sem o ser). Uma mulher simples sem ser vulgar (sendo-o bastas vezes).


Em tempo de discussão presidencial – perfilando-se já candidatos para 2025 –, a apresentadora e agora diretora de programas da TVI (pobre Nuno Santos) já confessou que pode ir a jogo.

E deixem-me dizer uma coisa quase pornográfica.

Ela pode ganhar.

Num país tão pouco politizado, e com tão baixos índices de compreensão sobre os mecanismos sociais, económicos e políticos, porque não? Seria levar à máxima a ideia de que a democracia se transformou num recreio onde o que verdadeiramente é importante passa por estarmos animados em permanência. E quem melhor do que Cristina Ferreira para o conseguir? Quem melhor do que ela para transformar o Palácio de Belém num gigantesco estúdio de televisão em que, 24 horas por dia, poderíamos ver o que a Presidente fazia, com quem reunia, os seus almoços e jantares, as reprimendas que daria ao primeiro-ministro, as visitas guiadas à residência oficial, os segredos dos governantes estrangeiros, os detalhes dos banquetes oficiais, as noites de sono e tudo sobre os seus assessores, cozinheiros, maquilhadores, massagistas, mestres de cerimónias, amores?


E para acabar, diria o seguinte. O desejo de se candidatar a Belém também diz sobre a presidência de Marcelo Rebelo de Sousa. Ele é tão próximo das pessoas, tão Papa Francisco, tão aparentemente pouco institucionalista, que levou Cristina a considerar que pode desempenhar bem a função. Cristina Ferreira não o afirmou, mas acha que Marcelo é um excelente apresentador de televisão e que aquilo que ele faz ela poderá também fazer. Se Marcelo é amado pelo país, ela também o é.»

O PS e a decisão sobre as presidenciais...

Foto LUSA/MáRIO CRUZ

Inicialmente, a reunião chegou a estar agendada para 24 de Outubro... 
Data anterior, 24 de Outubro, coincidia com o dia de reflexão nas eleições regionais dos Açores. 
Decisão só será tomada a 7 de Novembro. 
Partido quer cumprir restrições aprovadas em Conselho de Ministros...

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Covid-19. Hospital de Gaia já admite possibilidade de haver uma seleção dos doentes a tratar

 
Via SICN

Viagens ComSentidas...

«Se as viagens nos transmitem alargados conhecimentos , meus caríssimos responsáveis pela cultura da Figueira da Foz e das suas freguesias, não queiram ficar com uma batata gelada que vos trará no futuro o frio nas vossas consciências no serviço público da Figueira da Foz, encaixotando no palmarés, os Diálogos, cada vez mais necessários neste tempo transformado, em que fugimos uns dos outros. Peço ao senhor motorista, desta vez não do Casal Novo do Rio (Barca), que não se esqueça do destino, nem de percorrer o caminho sem trocar por carnavais ou festinhas ao pôr-do-sol. Querem-se corpos nus, ou mentes libertas para o conhecimento do outro e tolerância activa?»

Pelas juntas de freguesia...

Vila Verde vai mudar de instalações. Maiorca, idem. Alqueidão e Alhadas estão em obras de remodelação...

Via Diário as Beiras

Obras na baixa: tudo vai correr. A falta de pedra vai acabar «em breve»... (2)

Imagem via Diário as Beiras


Manuel António Pina: "empenhar-se ao máximo, sabendo que é irrelevante. É essa a grandeza do ser humano"

«... em relação ao jornalismo, quando observamos a nossa galáxia, percebemos que é uma entre milhões, que o nosso sistema está num braço modesto da galáxia e que o nosso planeta se encontra entre biliões de outros. Esta normalidade dá-me uma sensação de imensa paz, porque me permite relativizar-me a mim e aos meus problemas. 
Aprendi com os grandes tipógrafos, às vezes estava na chefia de redacção cheio de problemas com os títulos e eles diziam-me: “Não se preocupe que amanhã isto é para embrulhar o peixe.” 
A dimensão do infinitamente grande e do infinitamente pequeno dá-nos a consciência de que tudo é para embrulhar peixe.
“A grande dignidade da vida e do jornalismo está em ter a consciência plena de que aquilo acaba a embrulhar peixe, mas fazê-lo o melhor possível em cada momento. Fazer o mais honesto, empenhar-se ao máximo, sabendo que é completamente irrelevante. É essa a grandeza do ser humano.”»

Manuel António Pina, jornalista e escritor português, vencedor do Prémio Camões 2011, em entrevista ao jornal “i”, 18-02-2012.

Filme do Turismo Centro de Portugal vence grande prémio em festival

Via Diário de Coimbra

«O filme ‘A Vida é Agora’, do Turismo Centro de Portugal, é o grande vencedor da competição nacional da 13.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Turismo - Art&Tur, realizado em Viseu. O filme, produzido pela empresa leiriense Slideshow para o Turismo Centro de Portugal, venceu o grande prémio destinado à melhor produção portuguesa em competição no evento que decorreu entre terça-feira e sexta-feira. ‘A Vida é Agora’, realizado por Simão Lopes e Tiago Cardoso (Slideshow), “é um sinal de esperança e renascimento, gerado em plena pandemia”, adianta o Turismo do Centro em comunicado enviado à agência Lusa. A fonte refere que o filme “partilha uma mensagem de esperança e de renascimento, após o mundo ter despertado em 2020 para uma realidade imposta pela pandemia de covid-19”

domingo, 25 de outubro de 2020

A Figueira continua sem um museu do mar...

"Faltam paredes"... 
 
Reportagem via TVI

Figueira: foi uma vez...

Figueira, um concelho a empobrecer.

Essa é que essa, como escreveria o Eça...

Não a empobrecer por causa da pandemia, que apenas agravou e tornou indisfarçável esse empobrecimento, mas de antes, de mais de 4 décadas sem rumo. 

Sem emprego para os jovens e a morrer de envelhecimento.

Fechou-se a maternidade, que vinha do tempo da «outra senhora». Ter filhos, na Figueira, ou na maternidade da A14, passou a constituir um misto de loucura e coragem. 

Figueira, que foi uma vez uma terra de liberdade. 

É claro, que não perdeu liberdade em termos formais. Neste concelho, em matéria de liberdade, sempre se  publicitou muito mais do que aquilo que se concretizou. 

Mas a perder liberdade de facto. Famílias com menos oportunidade de escolha na educação a dar aos seus filhos. Casais com menos rendimento e maiores encargos, com menos infraestruturas públicas que impostos, sem horários nem apoios, impossibilitados de terem filhos. Trabalhadores sem expectativas de promoção. Empresários sem incentivo para promoverem. Jovens qualificados, sem saídas profissionais.

Figueira, que foi uma vez, terra de esperança, que desistiu de si e do futuro. 

Figueira, um concelho que continua  agarrado à grandiloquência do passado. Mas, um concelho sem qualquer visão de futuro. Um concelho onde é sempre carnaval: demasiadamente ocupado em gastar no dia-a-dia o dinheiro que existe, sem querer investir solidamente num futuro sustentável e sem qualquer aposta na sua emancipação. 

Um concelho em que os jovens qualificados só “fora”  podem esperar oportunidades. 

Um concelho ao longo de décadas domesticado pelos partidos políticos, com avenças e lugarzinhos para distribuir pelos indefectíveis, sem que a competência seja - vagamente sequer - critério. 

Um concelho de jovens sem expectativa de futuro, presos ao presente em casa dos pais. 

Um concelho sem esperança, onde para pagar uma dívida que deveria estar mais do que prevista em termos de orçamento, em vez de tentar um acorde de pagamento recorre a mais um empréstimo, empurrando com a barriga para a frente, para ter mais dinheiro disponível, para continuar a fazer disparates urbanísticos.

Figueira, uma terra de políticos incompetentes.

Neste concelho, manda o executivo camarário mais incompetente de que há memória, suportado numa maioria absolutíssima e mais acéfala que se poderia imaginar.

Uma oposição, em grande parte conivente e folclórica, também impreparada, compõe o ramalhete. 

Dois terços do principal partido da oposição, comporta-se como uma espécie de Dupont do Dupont que está no executivo. 

Estes dois terços da oposição, ávido e faminto de umas migalhas que lhe caiam da mesa, vai fazendo o seu papel de dividir o que sobra da oposição. 

Chega, CDS e os dois terços da oposição que têm sido a muleta da situação, não estão a dormir para acabar com o resto...

A Figueira ainda não morreu definitivamente

Mas, por este caminho, já não falta muito.

Bom domingo

Todos somos pessoas

Todos somos mortais.

Os super-homens e as super-mulheres também. 

(Nascem, crescem, amam, odeiam, são poderosos, são frágeis, têm calor, têm frio, vivem momentos felizes, vivem outros de desespero.)

Todos somos alguém.

Vivemos.

Sofremos. 

Morremos.

Todos somos mortais.

Todos somos pessoas.

Umas más, outras boas.

Ninguém é igual.

Mas, todos, somos o coração de Portugal.

Até numa simples vacina nem todos somos tratados como iguais...

sábado, 24 de outubro de 2020

Novo livro de Cavaco Silva


«Nem dado»...

«Até parece que alguém está a pagar o livro requentado de um tardio Cavaco Silva, escrito para comemorar os 25 anos em que deixou o Palácio de S. Bento. Ninguém já se recorda, mas Cavaco Silva - que ainda hoje se acha como não sendo nem de direita nem de esquerda, como o afirmaria todo o sujeito que é de direita - saiu envolto no tabu de deixar o poder entregue aos mais turvos interesses, ao que parece pressionado por provas entregues à comunicação social do enriquecimento ilegal de diversos ministros, igual fruto do seu papel de introduzir - através de políticas deliberadas e desejadas - o projecto neoliberal em Portugal

Na sua autobiografia política escreveu que se afastou porque se tinha vindo "cansando da vida partidária", que "estava a ficar farto", que os "comportamentos oportunistas e mesquinhos de alguns dirigentes partidários desenvolveram" nele "uma crescente sensação de fastio e vontade de reencontrar outras envolventes humanas, outras linguagens, outras atitudes" e que "era com sacrifício que participava nas reuniões dos órgãos de direcção do partido e escutava os discursos dos chamados barões ou de certos dirigentes"

... às vezes, "pela boca morre o peixe"...


"Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir"!.. 
"O deputado único e presidente do Chega, André Ventura, que tinha anunciado ser contra a medida, não foi votar o diploma"... 
Se o voto já fosse obrigatório, o que é que deveria acontecer ao Chega por ter faltado ao voto sobre a obrigatoriedade da máscara?..

Estranha forma de vida

«Ricardo Santos: a sorte de ter à mão de semear um homem providencial! "O seu a seu dono". A justiça fez o seu papel. Os políticos que façam o seu. Qual é a dúvida? » (2)

Sessão Extraordinária da Assembleia de Freguesia de Quiaios vai reunir de novo dia 28 de outubro de 2020

Nos termos do disposto no número dois do Artigo 53.o da Lei nº 7512013, de 12 de setembro, distribuo a Ordem de Trabalhos da Sessão Extraordinária da Assembleia de Freguesia, a realizar no próximo dia 28 de outubro (quarta-feira), pelas 21h30, na sede do Quiaios Clube.

1. Período da Ordem do dia

1.1.Tomada de posse dos novos elementos da Assembleia de Freguesia para ocupação dos lugares vagos;

1.2. Discussão e votação da ata da sessão ordinária de 25.09.2020;

1.3. Discussão e votação da ata da sessão extraordinária de 28.09.2020;

1.4. Discussão e votação da ata da sessão extraordinária de 06.10.2020;

1.5. Eleição, por escrutínio secreto, dos vogais da Junta de Freguesia;

1.6. Tomada de posse dos novos elementos da Assembleia de Freguesia para substituição dos membros da assembleia que irão integrar a Junta de Freguesia;

1.7. Eleição, por escrutínio secreto, dos lugares vagos na Mesa da Assembleia de Freguesia.

A sessão é pública.

«Ricardo Santos: a sorte de ter à mão de semear um homem providencial! "O seu a seu dono". A justiça fez o seu papel. Os políticos que façam o seu. Qual é a dúvida? »

"Ninguém profundamente me conhece 
Imagem via Diário as Beiras
nem talvez isso interesse a alguém
e aos íntimos menos que a ninguém" 

Ruy Belo, A Margem da Alegria

Actualização:
A frase da senhora engenheira Ana Carvalho, também vereadora e vice-presidente da câmara municipal, é um contributo essencial para a compreensão da política na última década na Figueira. 
"Quanto ao suposto impasse de Quiaios, considero está totalmente ultrapassado através do parecer conclusivo da CCDRC. Pois, na realidade é uma sorte haver alguém como Ricardo Santos disposto a amparar esta autarquia até às próximas eleições."
Percebe-se perfeitamente o pensamento da autarca figueirense: "do que Portugal precisa é de homens providenciais, novos regedores (como no tempo de Salazar) nomeados nas freguesias." 
Isto é grave. E, mais do que grave, é para levar a sério e pode levar-nos longe.
A senhora engenheira, também vereadora e vice-presidente da câmara municipal, tem sorte em viver em democracia. Se vivesse no tempo "de homens providenciais, novos regedores (como no tempo de Salazar) nomeados nas freguesias", seria aconselhada a remeter-se ao recato do lar, em função do seu estatuto de dependente do "chefe de família".
Nessa altura, o "chefe de família" seria aconselhado a estar caladinho, pois o providencial sábio sem mácula e sem pecado, tomava conta da vida do rebanho, injectando o medo, ameaçando com dificuldades e aliciando aqueles a que chamava "servidores do Estado", mas que não passavam de esbirros do regime ditatorial. Hoje, 46 anos depois do 25 de Abril de 1974, os portugueses já não levam a sério a "estória" dos homens providenciais, nem projectam neles aquilo que uma freguesia precisa.
Será que andará por aí alguém convencido que é possível voltar a antes do 25 de Abril de 1974, ou que os portugueses estão dispostos a calçar as botas cardadas, para que os iluminados fiquem com as estradas livres para poderem passear sem obstáculos?
O tempo passou. Para vender o salazarismo aos portugueses, tentando fazer crer que é disso que Portugal precisa, tem de se entender uma coisa: o medo só funciona se meter medo, como o Salazar metia, utilizando a repressão sobre os insubmissos e incutindo a ideia de que todos são medíocres.
Quiaios, embora isso não vá de acordo com a teoria da senhora engenheira, também vereadora e vice-presidente da câmara municipal, tem homens tão ou mais capazes do que Ricardo Santos (a quem reconheço valor para tal) dispostos a governar a autarquia até às próximas eleições.
Este problema de Quiaios, começou por ser um problema legal, que foi resolvido pelos Tribunais. O PS transformou-o numa questão democrática, que só o regular funcionamento da democracia pode resolver.

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

A forma como está a ser feita a comunicação com as pessoas é "péssima e não ajuda nada num momento em que os hospitais começam a ficar nos limites das suas capacidades, os centros de saúde não parecem funcionar e parece haver um descontrole ou desnorte a nível de comando".

"Não podemos ter idosos, doentes, à chuva, à espera de uma consulta nos centros de saúde".

Os doentes estão entregues a isto.

Como não obtive resposta, fui de novo ao posto médico da Cova Gala, cerca do meio dia. Cheguei à fala com uma funcionária, que me disse que não era com ela, mas com a colega que estava lá dentro. 

A seguir virou-me as costas. Como estavam umas 7 ou 8 pessoas de pé, sujeitas ao tempo, entendi vir embora.

Mas, não vou desistir da resposta ao email, pois tenho conhecimento que em outros Centros de Saúde do concelho estão a fazer o que deve ser feito: estão a vacinar por marcação.

Facilita, penso eu, a vida aos serviços e aos utentes.

Um recorte de jornal que faz recuar vários anos...

Recordando  Andreas Ding, um Pastor Evangélico que fez muito pela juventude da Cova e Gala, com quem tive o gosto de trabalhar e aprender muito...

Imagem via Diário as Beiras

A situação de Quiaios é o exemplo do que não deveria acontecer na política autárquica

David Monteiro, hoje no Diário as Beiras
«Normalmente, acredito na consulta popular como forma de dignificar a democracia. Contudo, também acredito que as eleições antecipadas devem ser a última solução, devendo apenas ser convocadas em situações de estrito interesse local ou nacional. Nesta situação, acredito que o interesse local não está posto em causa, dado que, se o bom senso prevalecer, Quiaios poderá ter uma equipa na Junta de Freguesia, com os atuais eleitos, que servirá o povo devidamente.» 
O que se passou na Junta de Quiaios, foi um caso de polícia que seguiu para julgamento em tribunal. Em 6 de Dezembro de 2019, a presidente da Junta de Freguesia de Quiaios, Maria Fernanda Lorigo, e o secretário, Carlos Alberto Patrão, foram condenados pela prática de um crime de prevaricação de titular de cargo público a penas de prisão, suspensas, e à perda de mandato. À ex-tesoureira, Ana Raquel Correia, também foi decretada uma pena de prisão suspensa. Os três arguidos foram julgados por terem favorecido o pai da autarca, Manuel Lorigo, para que este fizesse os serviços de manutenção das Piscinas da Praia de Quiaios. O tribunal considerou que Fernanda Lorigo foi quem teve “o papel mais activo” e aplicou-lhe uma pena de três anos e nove meses de prisão. Já Carlos Patrão foi condenado a dois anos e 10 meses e Ana Correia a dois anos e seis meses de prisão. Todas as penas foram suspensas por igual período. Os três arguidos terão ainda de pagar ao Estado 8.700 euros em partes iguais. Fernanda Lorigo recorreu para o Tribunal da Relação de Coimbra que confirmou a decisão da primeira instância e obrigou a presidente da Junta de Quiaios, Fernanda Lorigo, a perder o mandato, com efeitos a partir do passado 25 de Setembro, dia em que foi notificada sobre a decisão do acórdão. 
É assim que se degrada a democracia... É este um factor de isolamento dos políticos e de selecção negativa. 
De isolamento, pois a classe política vive entregue a si mesma, nas suas tricas, desencontros e encontros. Nunca, ou quase nunca conhece - muito menos vive - a vida do cidadão comum. 
E selecção negativa, pois os melhores passam a desejar entregar-se a outras carreiras - a política em Portugal tornou-se um misto de palavras e intrigas... 
A selecção fica naturalmente feita: vão ficando os piores. Se as coisas não mudarem rapidamente, cairemos na generalização de identificar políticos com incompetentes e outros epítetos ainda piores... 
A função política tem que ver com a fidelidade ao mandato recebido, com a responsabilidade perante o bem comum. Foi isso que aconteceu em Quiaios?
Recorde-se: foram os tribunais que expulsaram Fernanda Lorigo da presidência da junta. Entretanto, as coisas mudaram: depois de um problema legal resolvido pelos tribunais, temos um problema político em Quiaios... 
O que está a acontecer em Quiaios deveria merecer uma análise e reflexão profundas do Partido Socialista a outro nível, para além da Figueira, pois a concelhia figueirense já demonstrou que faz parte do problema. 
Por este andar, um dia acordamos a achar o André Ventura um razoável porreiro, em comparação com os que nos governam... E chegaremos lá por desmotivação, desânimo, cansaço, falta de esperança - e por eleições... 
Só espero, muito sinceramente, estar completamente equivocado. 
Porém, infelizmente, temo que não...

Na Figueira é sempre carnaval: iluminações, fogo-de-artifício, pista de gelo gigante, Natal pelas freguesias e, etc.

Sou pouco de elogiar. Mas, de vez em quando lá vai: ainda bem que temos um executivo camarário que gosta de desafios verdadeiramente desafiantes e não é um mero apontador de problemas. Ainda bem que, com os meios escassíssimos que tem, labuta quotidianamente para fazer o seu melhor no campo da promoção da agitação e propaganda (não esquecer que em outubro de 2021 há eleições autárquicas...). 
Com mais alguns políticos, assim, e há muitos, em vários cantos do território figueirense, dá para resgatar um pouco de ânimo e de fé neste concelho.
Imagem via Diário de Coimbra 

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Comunicado do Conselho de Ministros de 22 de outubro de 2020

«Foi aprovada a resolução que determina a proibição de circulação entre diferentes concelhos do território continental no período entre as 00h00 de 30 de outubro e as 23h59 de dia 3 de novembro, e que define um conjunto de medidas especiais aplicáveis aos concelhos de Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira no âmbito da situação de calamidade decorrente da pandemia da doença COVID-19.»

 Para ler clicar aqui.

Ortopedia do HDFF poderá abrir para a semana


Via Diário as Beiras

Centro, apenas mais uma região de um país do faz-de-conta...

«Ao longo de 142 quilómetros, os visitantes atravessam rios, vales, serras, zonas húmidas, campos agrícolas, estuário, praias e áreas protegidas. Tudo isto numa oferta turística sustentável que se distingue por uma diversidade que conflui no Rio Mondego, onde cabem, ainda, o património histórico, arquitetónico e cultural, a gastronomia, a etnografia e actividades de lazer. A Figueira da Foz é uma das duas principais portas de entrada. A outra é Oliveira do Hospital. 
Da serra até à foz, mergulhando nas paisagens dos municípios de Oliveira do Hospital, Tábua, Penacova, Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz, a Grande Rota do Mondego faz ligação com outras grandes e pequenas rotas da Região Centro, num total de 700 quilómetros. 
Entretanto, como o DIÁRIO AS BEIRAS avançou na semana passada, nos próximos tempos, serão construídas diversas ciclovias e ecopistas, acrescentando valor à grande travessia turística vizinha do Mondego. 
Com o rio ao pé da porta e o mar a ver-se pela janela, a apresentação da Grande Rota do Mondego realizou-se, ontem, no salão nobre dos paços do concelho da cidade da Praia da Claridade. Seguiu-se a inauguração simbólica, com um percurso pedestre entre os dois painéis alusivos à nova oferta turística instalados na Baixa figueirense. A cerimónia foi presidida pela secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que vaticinou que, depois da crise, “vamos ter mais e, sobretudo, melhor turismo”. O presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, por seu turno, definiu a Grande Rota do Mondego como “mais um passo para afirmar a região como destino turístico de excelência”. Uma região, defendeu, que deve ser um território “coeso e mais sustentável”.» 
Via Diário as Beiras

Continuamos a perder tempo demais com notícias estéreis sobre matérias desfocadas, inexistentes ou que não permitem chegar a nenhuma acção correctora dos problemas estruturais da economia há muito identificados. 
O que temos é: muita parra e pouca uva. 
Assim não teremos futuro. Continuamos a persistir no modelo económico que vimos seguindo há décadas.
O modelo tem de ser outro. O crescimento deve ser intensivo: primeiro a produtividade e o emprego... 
Na Região Centro têm que se operar mudanças substanciais no seu modelo de negócio, na sua especialização produtiva, no ordenamento do território, pois só assim será possível alterar, para melhor, a qualidade de vida das pessoas. Se continuarmos o caminho trilhado nas últimas décadas vamos continuar a viver tempos difíceis, instáveis e de crescimento reduzido. 
A Região Centro é de todos. Não pode continuar a ser governada ao sabor dos desejos de uma oligarquia do bloco central de interesses. 
O pequeno grupo desse bloco central de interesses que nos governa, à vez, e tem provocado a estagnação da Região Centro. 
Faz o que é o seu desígnio e a sua missão. Nós é que somos os culpados: andamos há décadas a votar sempre nos mesmos.