quarta-feira, 25 de maio de 2022

Polo da Universidade de Coimbra na Figueira... (3)

 Via Diário as Beiras

"... o dirigente da APA não se comprometeu com datas, prometendo notícias para breve sobre a primeira fase da intervenção"

 Via Diário as Beiras

20 anos de CAE

A importância do CAE

Se recuarmos à segunda década dos anos 80 do século passado, verificamos que durante cerca de 10 anos (1986 a 1995) houve em Portugal um acentuado  investimento em recintos culturais, por parte das autarquias  locais. A Figueira, como tem sido habitual, apanhou também esta onda com alguns anos de atraso. O Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz abriu em 2002. Comemora no próximo dia 1 de Junho 20 anos.

Imagem via Diário as Beiras

Em 1999, com Santana Lopes como presidente, a Câmara Municipal da Figueira da Foz adquiriu a Quinta da Olaias, um espaço junto ao edifício do Museu e Biblioteca e ao Parque das Abadias, por 1 500 000 €. O objectivo era construir um centro de artes e espectáculos. Santana Lopes, sabia que  a Figueira da Foz precisava de um espaço capaz de receber com dignidade grandes produções, grandes espectáculos e concertos. 
A primeira “pedra” foi lançada a 5 de Novembro de 2000. Todavia, o processo que levou à construção do CAE não foi pacífico, por questões políticas e financeiras. A aprovação do CAE, prevista no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio, foi suspensa durante um mês, por intervenção directa do Secretário de Estado do Planeamento. Porém, Santana Lopes nunca desistiu. A sua determinação na defesa da candidatura da construção do CAE, levou o Governo a criar um Programa de Valorização Territorial, uma novidade do III QCA, para poder enquadrar nesse programa o investimento do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz.
O processo de construção do CAE, depois de submetido ao III Quadro Comunitário de Apoio, lá se candidatou a fundos comunitários. O projecto foi aprovado. O investimento foi de 10 milhões de euros, comparticipado em 50% pelos fundos comunitários. Os outros 50 %, vieram da Administração Central (25 %) e do Município figueirense(25%).
Foi assim, depois de mais algumas peripécias que aconteceram pelo meio, que foi possível inaugurar o CAE no dia 1 de Junho de 2002, já com o  falecido eng. Duarte Silva como presidente da autarquia figueirense.
No início, a gestão do CAE esteve a cargo da Câmara Municipal. Entretanto, também para tornear  dificuldades que tinham ver com a dependência do orçamento camarário, a autarquia figueirense passou o CAE para a gestão da Figueira Grande Turismo EM. 
Depois da extinção da FGT voltou para a tutela da CMFF, que é a quem compete a manutenção deste equipamento cultural de forma a permitir que o seu funcionamento decorra com todas as condições de segurança.

Um equipamento cultural, como o CAE, assume papel insubstituível na promoção do desenvolvimento do nosso concelho. A cultura é fundamental no desenvolvimento  local.
Passados 18 anos, a oferta de serviços culturais proporcionada pelo CAE, contribuiu para melhorar a qualidade de vida dos figueirenses e assumiu-se como um elemento de reforço da competitividade do concelho da Figueira, ao  promover a sua imagem e a sua visibilidade no exterior.
Imagem via Diário as Beiras

Miguel Figueira

 Via SOS Cabedelo

Proponho um brinde...

À queima - ou queimódromo ou borrachódromo.  O que queiram chamar-lhe: depende de cada um...

Via Diário de Coimbra 

«A tradição académica da visita dos estudantes do Ensino Superior às escolas que frequentaram no Secundário em Coimbra não correu da melhor forma em alguns estabelecimentos como foi o caso da Escola Avelar Brotero onde foram lançados petardos e praticados actos de vandalismo, como relatou ao Diário de Coimbra o sub-director deste estabelecimento de ensino, António Miranda. Também na Escola Secundária José Falcão ocorreram «excessos e muita sujidade», de acordo com o sub-director José Dias.»

Há dias em que os assuntos não abundam...

terça-feira, 24 de maio de 2022

Polo da Universidade de Coimbra na Figueira... (2)

 Via Diário as Beiras

“Esta medida é uma satisfação muito grande, porque vem numa altura em que estamos com dificuldades”

 Via Diário as Beiras

Carlos Neto, professor catedrático jubilado: "que crianças estamos a preparar para o futuro?"

 Via Jornal i

TERÇAS COM POESIA - Quinta das Olaias, com Andreia C. Faria


Hoje, dia 24 de maio é dia de mais uma sessão de «Terças com Poesia» com a poeta portuguesa, Andreia C. Faria (Porto, 1984), galardoada com o Prémio Autores de 2018 e com o Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2019.

✅A sua atividade de criação poética nasce em 2008, aquando do seu primeiro livro de poemas, «De haver relento» (Cosmorama Edições) e não mais parou.
✅Um dos seus poemas foi incluído na antologia «Os Cem Melhores Poemas Portugueses dos Últimos Cem Anos» (2017), organizada pelo jornalista e crítico literário José Mário Silva.
✅Esta iniciativa é desenvolvida Comissão Cultural e Divisão de Cultura da CMFF, insere-se no âmbito das Comemorações de elevação em 1771 da Figueira da Foz a categoria de Vila e elevação a cidade em 1882, contando com o apoio do Sol Engarrafado.

segunda-feira, 23 de maio de 2022

Para quem gosta de política: "CCD substitui Malta do Viso e organiza Festa da Sardinha na Figueira da Foz"


A associação Malta do Viso anunciou, esta manhã, em conferência de imprensa, o cancelamento da Festa da Sardinha, agendada para os dias 9, 10 e 11 de junho, no Coliseu Figueirense. 

Entretanto, Pedro Santana Lopes garante que o Centro de Cultura e Desporto (CCD) dos Trabalhadores da Câmara da Figueira da Foz assumem a organização do evento, na mesma data, na Praça João Ataíde.

Via Diário de Coimbra

Para quem gosta de política. Hoje a notícia é: "Festa da sardinha foi cancelada..." Para amanhã é capaz de haver mais notícias...

Via Diário as Beiras: "Malta do Viso cancela Festa da Sardinha na Figueira da Foz".

O anúncio teve lugar na manhã desta segunda-feira, pelas 11h00, na sede da Associação Malta do Viso, no decorrer de uma conferência de imprensa.
Estiveram na mesa Carlos Batista (Presidente), ladeado por José Leonardo  e Manuel Santos.

Disseram que a decisão é irreversível, porque o começo da montagem no Coliseu devia iniciar-se amanhã, dia 24, e depois já não há tempo.
O comunicado lido e distribuído está nestas imagens.




Recorde-se. A proposta do executivo camarário para a votação do protocolo entre ambas as partes foi retirada da ordem de trabalhos durante a reunião de câmara do dia 18 deste mês, na sequência de questões suscitadas pelo vereador da oposição Ricardo Silva.
Pedro Santana Lopes, segundo o DIÁRIO AS BEIRAS, ficou de prestar declarações sobre este assunto durante esta tarde.

Polo da Universidade de Coimbra na Figueira...

 Via Diário as Beiras

A nova realidade à direita: PSD em terreno desfavorável

 Via Correio da Manhã

Para ler melhor, clicar na imagem

Covid continua em forma na Figueira...

 Via Diário as Beiras

Orçamento: o PS e o Governo já aceitaram propostas do PAN, do Livre e da Iniciativa Liberal

 Via Público

As guerras...

"Que houvesse lutas entre os povos “atrasados” era compreensível, agora no seio da civilização?! Parecia impossível. Sabemos hoje como esta visão é ingénua. Talvez não sejamos tão evoluídos como acreditamos e o progresso, se pode dar-nos uma camada de verniz, não torna as pessoas melhores ou piores."

“É desta forma ‘invisível e incolor’ que a inflação está a destruir salários”

Via Jornal i 

sábado, 21 de maio de 2022

A praia da Figueira, plano de urbanização do engenheiro Almeida Garret e as dúvidas e interrogações do engenheiro José Redondo, chefe da repartição técnica da CMFF em 1962

"Em 1966, a 30 de outubro, foram inaugurados os 2 molhes, com um custo de 70.000 contos.  Após a construção destes molhes, a praia cresceu progressivamente, em resultado das areias provenientes da zona costeira a norte do cabo Mondego. Em contrapartida, a sul da foz do Mondego, o mar avançou perigosamente." (Foto e legenda via Fernando Curado)

Saraiva Santos, 2015, in "A indústria da pasta de celulose na história da Figueira"

Em março de 1962, o chefe da repartição técnica da CMFF, engenheiro José Redondo escreveu num parecer sobre o plano de urbanização do engenheiro Almeida Garrett:

(...) " manter-se-á a praia nas condições próximas das presentes, de tal modo que a avenida possa continuar a ser, de facto, uma avenida marginal? 

Crescerá a praia de tal modo que venhamos a ter, até ao mar, um areal imenso, desértico, incómodo e impróprio para veraneio, perdendo assim a Figueira o seu principal motivo de atração?

(...) virão as obras do porto proporcionar, realmente, o surto de progresso em que a cidade, há mais de um século almeja ?

Ou serão, pelo contrário, essas obras motivo de um retrocesso de atividades, pela perda da riqueza que a praia vem, desde há muitos anos, proporcionando?

(...) Porque não se julgue que será alguma vez viável estar a pensar numa marginal já com o distanciamento do atual, para ter em conta o assoreamento que as obras exteriores do porto venham a provocar.

(...) A Figueira não pode estar a cada dois ou três decenios a mudar umas tantas dezenas de metros a sua avenida marginal e o respectivo equipamento. (...) Se em 20 anos, como afirma o LNEC, a praia vai crescer 400 ou 500 metros, como pode a Figueira pensar noutra avenida que acompanhe essa progressão para o mar".

20 de Maio de 2022 - Três Efemérides, num Dia Só...

"O dia 20 de Maio é o dia em que, em Portugal, ocorrem três efemérides ...embora só uma delas seja celebrada... Três efemérides que, por acaso, se dá o acaso de coincidirem, temporalmente, no mesmo dia. Numa coincidência que é semelhante à da noite do dia 17 de Dezembro de 1961... (o Dia do Destino Português...), e do poema de Sophia de Mello Breyner Andresen que nessa noite estava a ser escrito... acerca do que é a verdadeira grandeza, humana, e do que é o verdadeiro pranto, histórico, e do que é a tragédia, paradoxal, da verdadeira História de Portugal, e dos Portugueses, e da sua expansão ultramarina, e do seu lugar e da sua presença no mundo...

A primeira dessas efemérides (mas que ninguém comemora...) é a do assassínio, em 20 de Maio de 1449, da figura mais significativa e interessante da História de Portugal, o Infante Dom Pedro de Coimbra, o responsável pioneiro da estruturação (legal e administrativa) do Estado Português (e da coragem de, através dessa estruturação, enfrentar o Feudalismo...), e o verdadeiro responsável pioneiro do incentivo e da organização do "Mar Português", dos Descobrimentos Geográficos e da Expansão Ultramarina Portuguesa (assassinado em 1449, em Alfarrobeira, às portas de Lisboa, faz, neste ano de 2022, quinhentos e setenta e três [573] anos).

A segunda dessas efemérides (sempre institucionalmente comemorada...) é a do dia que é considerado como o "Dia da Marinha Portuguesa", o qual todos os anos é sempre festejado neste dia 20 do mês de Maio devido a ser o dia em que se considera que em 20 de Maio de 1498 chegou à Índia — abrindo pela primeira vez o caminho marítimo entre a Europa e o Índico — a expedição portuguesa, da Ordem de Santiago da Espada, vulgarmente conhecida como a "Viagem de Vasco da Gama". A expedição dos Gamas (Paulo e Vasco da Gama), que, apesar de todos os atrasos, até acabou por ser realizada, e teve lugar em 1497-1499 (e, no fim, após a morte de Paulo da Gama, acabou por ser dela considerado responsável o seu irmão que o acompanhava e que sobreviveu, Vasco da Gama), e foi uma expedição que havia sido preparada pelo neto desse antigo Regente Infante Dom Pedro de Coimbra assassinado em Alfarrobeira, e seu herdeiro e continuador (pessoal, patrimonial e político) — herdeiro e continuador, quer na política interna, quer na política ultramarina — o “Príncipe Perfeito” Rei Dom João II.

Essa chegada à Índia nessa expedição de 1497-1499 dita "de Vasco da Gama" (que faz agora quinhentos e vinte e quatro [524] anos) ficou para sempre célebre, e é sempre celebrada — como uma das datas mais importantes e mais gloriosas da História de Portugal —, embora sobre ela existem enormíssimas dúvidas, e óbvias lacunas, que nunca são apontadas, apreciadas e esclarecidas... — e embora estejam à frente dos olhos de toda a gente as óbvias censuras e manipulações que acerca dela foram feitas "a posteriori"… (assim se originando o chamado "mistério de Vasco da Gama"... que quase tudo e todos, em Portugal, se têm afanosamente dedicado a silenciar e a tentar esconder, como se não existisse).

E essa expedição dos Gamas nem sequer terá chegado à Índia no dia 20 de Maio de 1498, e sim no dia 17 ou 18 de Maio de 1498... Mas a deslocação da efeméride um par de dias mais para a frente, na calendarização oficial (de 18 de Maio para 20 de Maio), para efeitos públicos e institucionais, teve a utilidade de assim se conseguir que o dia 20 de Maio, em Portugal, todos os anos, pudesse ser evocado e celebrado por outra qualquer coisa de significativo (e até glorioso...), em vez de ser evocado como o dia do assassínio do Infante Dom Pedro, o da "Virtuosa Benfeitoria", em Alfarrobeira, no episódio que ficou célebre como "Fartar, Vilanagem!"…

Preferiu-se comemorar a "Descoberta do Caminho Marítimo para a Índia", em vez de comemorar "Fartar, Vilanagem!"…

A terceira dessas efemérides (mas que ninguém comemora...) é a do dia 20 de Maio de 1801, o dia em que foi conquistada (e assim ficou para sempre), pelo exército de Espanha comandado por Manuel Godoy (no âmbito da ridícula campanha da "Guerra das Laranjas"...), a praça portuguesa de Olivença — a praça militar isolada do lado de lá do Guadiana que desde há muito se encontrava ao abandono por parte dos Reis portugueses da Casa de Bragança... (os novos reis que, desde 1640, estavam instalados não somente em Vila Viçosa mas também em Lisboa, e aí viviam das riquezas do ouro e dos diamantes do Brasil…). Ao abandono... com a ponte Ajuda, que era o cordão umbilical que ligava Olivença a Portugal, destruída desde 1709, e nunca reconstruída... com uma guarnição somente de 200 milicianos… com um governador, mercenário francês, Jules César Auguste de Chermont, que logo se rendeu... etc.)

A ponte Ajuda construída no tempo do Rei português Dom Manuel nos inícios do século XVI (construção belissimamente estudada no livro do historiador local Luis Alfonso Limpo Píriz)... destruídos os seus arcos centrais em 1709, e deixada assim... sem reconstrução, durante um século…! Durante o século em que a Portugal afluíram os abundantes ouros do Brasil, e por todo o lado foram erguidas as faraónicas obras religiosas portuguesas, de Mafra, etc., com as suas talhas douradas...!

Abandono, e desleixo, à portuguesa. Até que Olivença, por isso, ficou de todo estrangulada na sua ligação ao lado de cá do rio... e se perdeu para Portugal.

Foi assim o futuro de Portugal…

Em Portugal, quem ganhou, para sempre, foi a Casa de Bragança... e não a Casa de Coimbra do Infante Dom Pedro de Alfarrobeira e do seu neto Rei Dom João II...

E assim se criou um país que ficou para sempre subdesenvolvido e insustentável.

Hoje, 20 de Maio de 2022, completam-se quinhentos e setenta e três [573] anos da morte de uma das figuras mais decisivas e mais importantes (e, na sua multifacetada identidade, ao mesmo tempo homem de pensamento e homem de acção, a mais fascinante de todas as personalidades individuais) da História Nacional Portuguesa, o INFANTE DOM PEDRO DE AVIS E LANCASTRE (1392-1449), Regente da Coroa de Portugal (1439-1448), viajante das "Sete Partidas do Mundo" (Europa, 1425-1428), Duque de Coimbra, Senhor de Montemor, Buarcos, Aveiro, etc. (Beira Litoral, 1411-1415-1449)… o verdadeiro precursor da "glória e grandeza" futura de Portugal (como lhe viria a chamar Sophia de Mello Breyner Andresen): o precursor da criação do moderno Estado Português (as "Ordenações Afonsinas" de 1446, e a protecção dos concelhos municipais e das actividades económicas produtivas, do mercado e dos mercadores e pescadores), o precursor do efectivo lançamento dos Descobrimentos e Expansão Ultramarina Portuguesa (os verdadeiros Descobrimentos Geográficos do desconhecido, e as verdadeiras colonizações das Ilhas Atlânticas, e a encomenda para Portugal do mapa veneziano de Fra Mauro, origem do futuro "Plano da Índia", o plano que veio a ser conceptualizado e organizado na década de 40 do século XV pelo seu neto e herdeiro o "Príncipe Perfeito" Rei Dom João II), e o precursor da autêntica criação do vocabulário cultural e abstracto da Língua Portuguesa ("Livro da Virtuosa Benfeitoria", c.1431) e de tantos outros avanços culturais que, com o tempo, secularmente, vieram a ser os paradigmáticos para a identidade nacional portuguesa (a inspiração para os Painéis de Nuno Gonçalves de c.1445, a continuidade das obras do Mosteiro da Batalha como panteão nacional, etc.).

O Infante Dom Pedro, sobre a memória do qual — e sobre o carácter exemplar e simbólico dessa memória, verdadeiramente profética para o futuro de Portugal e da sua História (uma memória que, por isso, depois do seu assassínio, ficou a pairar, como um fantasma, para sempre, nessa História...) — tem desde sempre sido insidiosamente mantida e reforçada (ora silentemente disfarçada nos bastidores escuros dos claustros clericais e pseudo-progressistas, universitários e "académicos"… ora trombeteadamente massificada nas algazarras dos festivais das "Comemorações" oficiais…) uma "Maldição" destinada a perpetuar o seu silenciamento e a sua censura (à "boa maneira portuguesa", discretamente, escondendo a mão…)… através do silenciamento e da censura (através da perseguição pessoal, profissional e política) contra quem quer que tenha a coragem de tentar resgatar essa "Maldição da Memória" em curso desde há séculos.

Uma "Maldição" destinada a perpetuar sobretudo o silenciamento do exemplo cívico e do significado da sua figura. Uma maldição destinada a silenciar a História, memória e exemplo do Passado, para libertação do Futuro...

Mas uma maldição que não vai ter êxito... Essa figura histórica do Infante Dom Pedro, devido a esse seu exemplo cívico, está viva, e assim vai continuar para sempre... porque, ainda hoje (e para sempre), fala com a sua própria voz...

Agora, no século XXI, até pode enviar "tweets" (condensados a partir do seu "Livro da Virtuosa Benfeitoria" e de outros textos seus)...

Magia da Escrita, contra a Maldição da Memória... 1449-2022..." 

CENTRO DE ESTUDOS DO MAR - CEMAR. 

sexta-feira, 20 de maio de 2022

Orçamento Participativo (5)

 Via Diário as Beiras

Gás russo...

"PARAFRASEANDO FRASE CÉLEBRE DOS FILMES DE TRIBUNAL: NUNCA AMEAÇAR CORTAR O GÁS QUANDO NÃO SE TEM A CERTEZA DE PODER CORTAR O GÁS."

Ponto da situação: acho que já excedemos todas as expectativas - incluindo as nossas...


Se este ajuste directo fosse feito a uma empresa ligada a alguém da área do BE ou do PCP, estaríamos perante o pagamento de um favor. Ou perante a compra de silêncio... 
Neste caso, tratando-se de pessoas impolutas de direita, é o reconhecimento da competência e do mérito.
O importante nunca foi seres o melhor. 
O importante sempre foi estares no lado certo. 
E o lado certo todos sabemos qual é.

quinta-feira, 19 de maio de 2022

Orçamento Participativo... (4)

 Via Diário as Beiras

Mar, refugiados ucranianos e Quinta das Olaias estiveram ontem em destaque na reunião de Câmara

Via Diário as Beiras
"O mar voltou a fazer das suas no Cabedelo, inundando a estrada e armazéns no porto de pesca. As obras realizadas pelo anterior executivo camarário, que mereceram um oceano de críticas, continuam a agitar as águas políticas". 

"Refugiados ucranianos voltam a ser pretexto de debate político devido a uma carta aberta". 

"A Quinta das Olaias, propriedade do município, será a base do polo que a Universidade de Coimbra (UC) vai criar na Figueira da Foz. A informação foi avançada, ontem, pelo presidente da autarquia, Santana Lopes, aos jornalistas. O autarca revelou ainda, na reunião de câmara, que uma delegação da UC liderada pelo reitor, Amílcar Falcão, visitou aquele espaço, o Centro de Artes e Espetáculos (CAE) e o antigo terminal rodoviário. Por outro lado, aos jornalistas, Santana Lopes não afastou a possibilidade de o polo da UC e o centro de formação que o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) vai instalar no Sítio das Artes poderem coexistir no mesmo espaço. Solução que, aliás, vem defendendo. Todavia, a decisão está do lado da UC e do IEFP. Para ganhar tempo, já que a UC deverá iniciar a sua atividade na Figueira da Foz já no próximo ano letivo, a Quinta das Olaias é, neste momento, o imóvel que reúne melhores condições." 

"No período da reunião de câmara destinado à intervenção do público, o munícipe Miguel Amaral, baseando-se nas notícias publicadas, manifestou a sua oposição à utilização da Quinta das Olaias pela UC. Deixou, contudo, claro que apoia o regresso do ensino superior à cidade." 

"Pedro Santana Lopes optou por não fazer considerações sobre a intervenção do munícipe. Não obstante, e sem se referir a ele, afirmou aos jornalistas: “Não recebo lições de ninguém sobre o apreço, o reconhecimento de valor daquele edifício, daquele conjunto. Ninguém fez mais por aquilo do que eu”. De resto, o município adquiriu a propriedade a privados no primeiro mandato do autarca (1997-2001), para construir o CAE."

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Em 8 horas, mais de 9 mil visualizações... (E, vai continuar a somar)...

(Já ultrapassou as 52 000....)
Vídeo via António Agostinho
O resto é música... Tudo isto existiu, tudo isto foi triste, tudo isto foi o nosso fado durante 12 anos...

Orçamento Participativo... (3)

 Via Diário as Beiras

Carlos Batista, presidente de A Malta do Viso: “quando nos deparámos com esta situação, comunicámos à câmara que isto é um presente envenenado”

 Via Diário as Beiras

"Tudo o que se faz com vontade e com amor"...

NA MORTE DE JOÃO TRANCA (JOÃO MARIA REIGOTA)...

«O Centro de Estudos do Mar e das Navegações Luís de Albuquerque - CEMAR (Figueira da Foz do Mondego e Praia de Mira) cumpre a sua dolorosa obrigação de anunciar publicamente o falecimento, em 15.05.2022, aos noventa e dois anos de idade, do seu Associado, e membro do seu Conselho Consultivo e Científico, o Tio João Tranca (João Maria Reigota, 1930-2022), um dos homens mais prestigiados e acarinhados da comunidade dos Pescadores da Praia de Mira — emblemático pescador (revezeiro) dos grandes "Barcos-do-Mar" antigos —, e que, para além disso, nos últimos anos havia também contribuído decisivamente, como artesão e artífice da Memória colectiva, para as iniciativas culturais e identitárias que ao longo de mais de duas décadas aí foram levadas a cabo pelo CEMAR e as entidades autárquicas locais, em parceria, para a dignificação e a salvaguarda dessa Memória.

Este grande homem, que nos honrou com a sua presença e com a sua colaboração, sempre franca e generosa, e que nos orgulhámos de ter tido no Conselho Consultivo e Científico da nossa associação científica e cultural, foi um homem corajoso e forte, que viveu desde a infância uma vida de sacrifícios e dificuldades — as circunstâncias materiais do que era então a comunidade dos pescadores da Praia de Mira não lhe permitiram aprender a ler e escrever, e por isso era iletrado. E, no entanto, apesar disso, veio a ser nos dias da sua vida uma das figuras mais prestigiadas da sua comunidade, e veio a ser reconhecido por todos quantos tiveram a ventura de com ele contactar pelo seu carácter, pela sua coragem, pela sua força e pelo seu exemplo de vida. 

João Maria Reigota (Tranca), pescador, revezeiro e redeiro, nasceu em 2 de Fevereiro de 1930, na Praia de Mira. Desde a infância, nessa terra que era a sua, desenvolveu a sua principal actividade no âmbito da Pesca de Arrasto para Terra, a pesca local que os Pescadores desta e de outras localidades semelhantes da Beira Litoral (desde Espinho e o Furadouro até à Vieira) antigamente chamavam simplesmente "a Arte" "a Companha", e que veio depois a ser designada legalmente pelas entidades estatais das capitanias e do Estado português com o nome oficial de "Arte-Xávega" (para além de, entretanto, erroneamente, ter sido chamada "Xávega", como se fosse igual à do Algarve [!], por muitos divulgadores, académicos, universitários, jornalistas, e outros "eruditos" que nada sabem, nem querem verdadeiramente saber, do mundo dos pescadores).
Tal como tantos outros pescadores da "Arte", à medida que tal tipo de pesca foi decaindo e diminuindo (desde o Furadouro até à Vieira), João Tranca veio a trabalhar também como pescador em traineiras de pesca da sardinha (na Figueira da Foz), e num barco alemão de pesca do bacalhau (na Alemanha e na Terra Nova). Do trabalho nas traineiras,  em Portugal, viria depois a reformar-se, em 1989. A partir desse ano, voltou às companhas da "Arte" (Arrasto para Terra), na sua terra natal da Praia de Mira e na vizinha praia do Areão.

Para além do seu trabalho como pescador, em que desempenhou as importantes e corajosas funções de "revezeiro", em que se cotou como um dos mais considerados de sempre na Praia de Mira, foi também responsável por funções de "redeiro" (especialidade em que foi sempre apreciado como particularmente competente), e foi o proprietário de um dos últimos exemplares do tipo de embarcação chamada "Bateira do Mexoalho" ("Bateira de Buarcos" ou "Bateira da Praia de Mira") que existiram em Buarcos e na Praia de Mira (o seu exemplar foi precisamente o último que foi possível ser preservado para a posteridade, para um dia os vindouros virem a saber como era esse tipo de embarcação). Tratou-se da sua bateira "Lina Maria", que nos anos 80 do século XX foi obtida na Praia de Mira e meritoriamente salvaguardada pela Marinha Portuguesa, que então a levou, para fins museológicos, para o Museu de Marinha de Lisboa, onde desde então se encontra (e onde é apresentada com o nome de "Buarcos").»

LIBERDADE

 A crónica de António Agostinho publicada na Revista Óbvia em Abril de 2022

Foto António Agostinho. Local: Praça da República, Coimbra.

No dia 25 de abril de 1974 tinha 20 anos de idade. Vivia na Cova e Gala, uma Aldeia bisonha, cinzenta, deprimida e triste. Quase todas as mulheres vestiam de preto, incluindo as que me estavam mais próximas. O preto era a cor das suas vidas. A minha avó Carmina Pereira, Mãe do meu Pai, viúva de um pescador do bacalhau, desde a década de sessenta que vestia de preto. A minha avó Rosa Maia, Mãe da minha Mãe, viúva de um combatente da I Guerra Mundial, vestia de preto desde 1928. 

A minha Mãe, ficou viúva a 6 de Junho de 1974. No dia 25 de abril de 1974 tinha 20 anos de idade. Vivia na Cova e Gala, uma Aldeia bisonha, cinzenta, deprimida e triste. Quase todas as mulheres vestiam de preto, incluindo as que me estavam mais próximas. O preto era a cor das suas vidas. A minha avó Carmina Pereira, Mãe do meu Pai, viúva de um pescador do bacalhau, desde a década de sessenta que vestia de preto. A minha avó Rosa Maia, Mãe da minha Mãe, viúva de um combatente da I Guerra Mundial, vestia de preto desde 1928. 

Passou, logo a seguir ao 25 de Abril de 1974, a vestir de preto até 14 de Julho de 2015, dia em que morreu.

O 25 de Abril de 1974 vai fazer 48 anos. 

Portugal, antes, era diferente! Havia guerra nas colónias, fome, bairros de lata, analfabetismo, pessoas descalças nas ruas, censura prévia na imprensa, presos políticos, tribunais plenários, direito de voto limitado, licença para poder usar isqueiro... 

E havia medo, muito medo.


Apesar das dificuldades actuais, mudou-se muito. E para melhor. 

A democracia política foi conquistada. Em 2022, não é o 25 de Abril que está em causa. O que está em causa é o retrocesso de quase todos os valores de Abril. Em nome de um economicismo balofo que despreza as pessoas, estão a descaracterizar tudo o que de positivo, a nível social e laboral, foi conquistado nos anos que se seguiram ao 25 de Abril de 1974. 

Temos assistido ao esvaziamento de conquistas fundamentais da revolução. Neste momento, estamos perante a tentativa da  hegemonia da ideologia política da economia neoliberal e do seu projeto regressivo de nova opacidade e gerador de novas desigualdades. Têm vindo a tirar o básico aos portugueses: pão nas mesas, acesso à saúde, ensino de qualidade e habitação digna, em nome de que valores civilizacionais? 

Portugal, antes do 25 de Abril de 1974, era um país pobre que tinha alguns ricos. Vivia em ditadura, mas havia democratas que lutavam e morriam pela Liberdade (com os comunistas na primeira linha do combate). Vivia em capitalismo, mas os empreendedores eram quase todos "merceeiros protegidos do regime salazarista". Vivia isolado, mas tinha uma "ala moderada" que aspirava europeizar-se. Era um País ameno e de brandos costumes, mas onde quem procurava remar contra a maré era perseguido, preso, torturado e até morto. Dizia-se crente e civilizado, mas era bárbaro. Religioso, mas não praticante. Recusava ser considerado fascista, mas tinha a PIDE e presos políticos encarcerados sem julgamento, ou com julgamentos fantoches. 


Nesse País havia a minha Aldeia. A Cova e Gala era, em Abril de 1974, um pequeno povoado mal iluminado. Quase que não existiam ruas. As casas eram praticamente todas desconfortáveis. Na altura, a Cova e Gala era uma pequena Aldeia esquecida, com cerca de  2 000 habitantes, localizada à beira do Atlântico. Vivia-se ainda pior na minha Aldeia que em algumas localidades vizinhas: nas casas não havia esgotos e a corrente eléctrica era  ausência em muitas habitações. Existia muita miséria material, fome e outras privações, as condições de trabalho eram desumanas, existia má nutrição. E havia quadros familiares de risco. 

A vivência na  Cova e Gala era influenciada pelo que se passava no Atlântico Norte a bordo dos barcos da "faina maior". A pesca ao bacalhau era  sustento das família e uma vida para pessoas moldadas às agruras de uma existência dependente de ventos e marés, rijas de corpo e com o coração curtido pelas perdas de amigos e familiares dedicados à mesma lida, mas que encontravam na pesca do bacalhau a expressão máxima desse sacrifício diário que lhes proporcionava angariar o sustento das famílias. 

Gente habituada a ter de arriscar a vida para continuar a existir.

O cenário em que cresci, foi o de uma Aldeia de um País negro nas ideias, economicamente débil, que vivia na escuridão de uma ditadura com 48 anos de existência. 

Em 25 de Abril de 1974 caiu a ditadura. Chegou a democracia. Considero-me um privilegiado. Nunca deixei (nem deixarei enquanto tiver forças para isso) de exercer o voto, “um direito” que adquiri com a democracia e um “legado” de todos aqueles que lutaram décadas (com os comunistas na primeira linha) para que eu pudesse ter uma vida vivida "quase" toda em democracia, que foi o melhor que ganhei com o 25 de Abril.

O dia 27 de Abril de 1974, na Figueira, foi “uma loucura, extraordinária”. Foi talvez o momento mais vibrante da democracia figueirense. Foi único - nunca vi tanta gente na Rua a manifestar-se. Nunca vi manifestação tão genuína, tão forte, tão festiva, tão alegre e tão intensa no nosso concelho.

Nos anos a seguir ao 25 de Abril o povo envolveu-se e participou na construção da democracia. 

Deixo o meu testemunho: a  única coisa que me interessava era participar na construção democrática de um País renascido. Preocupei-me em conhecer gente culta e politicamente evoluída para aprender. Fui dirigente sindical. Participei em listas para eleições autárquicas. Fui dirigente associativo. Nessa altura, os partidos estavam activos. Na Gala, ajudei a abrir uma delegação do MDP/CDE. Da sua actividade, recordo a alfabetização de muitas mulheres que tinham os filhos emigrados e não sabiam ler as cartas que recebiam. 

Anos mais tarde, em 1986, fiz parte do primeiro executivo da Junta de Freguesia de S. Pedro.

A liberdade de informação e o fim da censura foi uma conquista fundamental e “imbatível” da democracia. 

Em 1976, com 22 anos de idade, o jovem que eu era, curioso e sedento de aprender, que vivia numa Aldeia "que era como um novelo de lã em que não sabíamos onde estava a ponta por onde se devia puxar para a desenvolver”, começa a interessar-se pelo exercício do jornalismo. Primeiro, como correspondente do jornal O Diário. Depois, fazendo parte da equipa Barca Nova, onde conheci pessoas extraordinárias, com quem muito aprendi e evoluí.

O que sou hoje, devo-o na totalidade ao facto de ter tido a oportunidade de viver a maior parte da minha vida em liberdade. Por ter vivido 20 anos no salazarismo, que é o nome que se dá ao Estado Novo português, período ditatorial que foi iniciado em 1933 e finalizado em 1974, com o triunfo da Revolução dos Cravos, sei avaliar o que é viver numa ditadura e a reconstrução de uma democracia. Olhando para os 68 anos que tenho de vida, recordo os primeiros 20, os que vivi em ditadura, como um espaço de tempo que custou a passar. Os 48 que vivi em democracia passaram num instante. Do 25 de Abril de 1974 para cá, tudo parece que foi ontem.

A ditadura castra e oprime, bloqueia o pensamento e impede que se escolha. 

Viva a Liberdade! Viva o 25 de Abril! Sempre!

terça-feira, 17 de maio de 2022

Os figueirenses há muito que procuram políticos que lutem pelos seus interesses. Contudo, só acharam políticos que lutam pelos seus interesses...

A Figueira anda há mais de 100 anos à procura de uma solução para a barra.
Existe um estudo sobre como melhorar o Porto da Figueira. Quem estiver interessado pode consultá-lo na Biblioteca Municipal, num dos jornais locais de 1914.
Esse precioso e importante trabalho, refere a construção de um "paredão a partir do Cabo Mondego em direcção ao quadrante sul"

Esse projecto, da autoria do Eng. Baldaque da Silva,  para a construção da obra de um "Porto Oceânico", foi aprovado na Assembleia de Deputados para ser posto a concurso, o que nunca aconteceu, pois foi colocado numa gaveta. 
Neste momento, como as coisas estão na enseada de Buarcos, já não deverá ser possível colocar ali o "Porto Oceânico", uma vez que as construções ocuparam os terrenos necessários ao acesso àquilo que seria um porto daquela envergadura.
Porém, o estudo do Eng. Baldaque da Silva poderia servir de base para a construção de um paredão com cerca de 1 800 metros, que serviria para obstruir o acesso das areias à enseada de Buarcos, traria benefícios consideráveis: acabaria o depósito de areias na enseada, barra, rio e praia; ficaria protegida a zona do Cabo Mondego e Buarcos, evitando a erosão das praias da zona e os constantes prejuízos na ida Marginal; serviria de abrigo à própria barra, quando a ondulação predominasse de Oeste ou O/N.

In a Voz da Figueira de 30 abril 1959:

"Discursando na inauguração das obras exteriores do porto de Portimão, o Venerando Chefe de Estado, Sr. Contra-Almirante Américo Tomaz, pronunciou mais um dos seus saborosos discursos, e referiu-se, na seguinte passagem, às obras do nosso Porto: Há muitos anos foi resolvido o caso de Leixões. Hoje é o de Portimão. Há pouco foi o de Aveiro. Em breve será o da Figueira da Foz"...

Ao longo dos anos, foram disparates em cima de disparates que se cometeram na orla marítima figueirense. Recordo este post  de março de 2009.

Tudo começou a 15 de Maio de 1959, com o concurso público para arrematação da empreitada das obras exteriores do porto da Figueira da Foz.


“Entre o progresso e a decapitação da beleza natural, decidiu-se pelo progresso.
Contudo, isto não ficou assim: o molhe norte do porto comercial da Figueira da Foz cresceu mais 400 metros.
Entretanto, a  Figueira continua com o futuro adiado.

Orçamento Participativo... (2)

 Via Diário as Beiras

Prémio ou castigo?

Via Público 17/5/2022

O areal da praia da Figueira e solução que tarda em chegar...

Confesso-me muito preocupado com o assunto. Certamente que o actual presidente da câmara também está muito preocupado. Tal como o presidente da Assembleia Municipal. E o anterior presidente da câmara, agora primeira figura da oposição. E o único vereador PSD da oposição. Tal como os presidentes de junta de Buarcos e São Julião, São Pedro, Lavos e Marinha das Ondas. Tal como as populações, sobretudo, as do sul do concelho. 
Todos andamos preocupados há muitos anos. 
Mais tarde ou mais cedo, espero mais cedo que tarde, o problema terá de ser resolvido. 
Por este andar, porém, ainda teremos que pôr o concelho e o país a funcionar como deve ser para ultrapassar esta situação.

Há mais de 40 anos que o areal da praia da Figueira é um problema.
O que fazer a tanta areia e a tanto espaço?
A meu ver, a solução mais sensata e mais adequada, passa por “aproveitar” a areia, colocando-a no sítio onde deveria estar - margem esquerda do estuário do Mondego.
Essas cenas da “requalificação” ou do “ordenamento”, não passam de modernices inconsequentes e ineficazes, como está mais do que provado com a passagem de todos estes anos em que o problema em vez de ser resolvido se agravou.
Via blogue quinto poder, recordemos.
«Em 1981, a equipa do Arqº Alberto Pessoa, com quem a Câmara Municipal mantinha uma permanente e frutuosa avença de assistência, elaborou um primeiro estudo. Mais não era do que um sintético documento orientador geral de futuras acções, apresentado na forma de duas a três plantas cobrindo todo o espaço, então menos extenso do que o actual. Por isso se designava pelo também singelo nome de “Programa-base”. Chegou a merecer apreciação em Assembleia Municipal, mas depois veio a “morrer na praia”.
Oito anos depois, foi a vez da Sociedade Figueira Praia encomendar um plano à equipa dos arquitectos Pereira da Silva e Alberto Pessoa-filho. Ignoro qual foi o destino da encomenda ou do plano que porventura haja sido elaborado.
Decorreram mais três a quatro anos e, por iniciativa da Câmara Municipal de então, surgiu um “plano geral do areal da praia”, desta feita da autoria do GITAP, que penso que seria um gabinete de consultores e especialistas.
Logo nos primeiros meses do seu primeiro mandato, Santana Lopes decidiu-se pela implantação do conhecido Oásis, junto à Ponte do Galante. Na sua versão inicial, o projecto previa árvores, esplanadas, palcos, campos desportivos, um lago de água doce. Incluía também um mirabolante circuito de um pequeno comboio (imagino que sobre carris…) que ia pela parte poente do areal, desde o “parque das gaivotas” até junto ao prédio J. Pimenta, em Buarcos, voltando para sul junto ao paredão da marginal.
Reconheço ter então achado o Oásis uma boa ideia. Todavia, encarei-o sobretudo como uma espécie de protótipo ou de amostra do que deveria e poderia ser feito, gradualmente e em sistemático esforço, em todo o areal. Não seria bem essa a ideia de Santana Lopes, mais interessado em rapidamente exibir obra, ainda que efémera, que tivesse efeitos mais imediatos na sua imagem de autarca, já com vista a outros mais altos voos.
Por isso, as palmeiras com que decorou o Oásis foram para lá transplantadas muito crescidas.
Há 10 anos, em Abril de 2012, a  CMFF lançou  um concurso de ideias, a que chamou “concurso público de concepção”, destinadas a orientar uma solução urbanística para o vastíssimo areal da Figueira, a que chamou “requalificação”. Veio acompanhado por uma vasta lista de requisitos quanto às “tipologias de intervenção”, sob a forma de belos e sugestivos termos do jargão da arte.»

Em janeiro de 2016, o executivo socialista fez o anúncio de uma obra “milagrosa”.
Na Obra de Requalificação do Areal/Valorização de Frente Mar e Praia - Figueira/Buarcos foram gastos 2 milhões de Euros na empreitada, com a obrigação do empreiteiro fazer a manutenção durante 5 anos.
Quem por lá passa hoje vê uma ciclovia a degradar-se de dia para dia, paliçadas caídas, postes delimitadores em madeira tombados, quase vegetação e árvores mortas.
Em 6 de Janeiro de 2020, há mais de 2 anos, o vereador do PSD solicitou um relatório sobre o estado actual em que se encontra a praia e se está de acordo com o projeto elaborado. Alguém sabe se essa iniciativa, na altura muito badalada na comunicação social, teve alguma consequência?
O problema mantem-se: a Praia da Claridade transformou-se na Praia da Calamidade. O extenso areal da Praia da Figueira continua a ser um problema, quando poderia contribuir para a solução global das praias e da orla marítima do sul do concelho.

Temos de continuar a ser optimistas. Mas, igualmente, realistas.
Alguém sabe alguma coisa do bypass? 
Mesmo que a construção do bypass estivesse concluída amanhã, só dentro de cinco anos São Pedro de Moel poderia recuperar o seu areal, exemplifica Filipe Duarte Santos, investigador e geofísico, a propósito do sistema fixo de transferência de areias a construir na Figueira da Foz, obra que o ministro do Ambiente disse recentemente que é para fazer avançar.
O anterior ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, em Setembro de 2021, em véspera das eleições autárquicas de Outubro passado, assumiu que a transferência de areias para combater a erosão costeira a sul da Figueira da Foz, com recurso a um sistema fixo (bypass) era a mais indicada e que seria concretizada. A decisão aconteceu após a análise do estudo da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que apresenta quatro soluções distintas de transposição de areias. Destas, notou o governante, o sistema fixo é aquele “que apresenta melhores resultados num horizonte temporal a 30 anos”.
Recorde-se que, com o prolongamento do molhe na Figueira da Foz, obra inaugurada em 2011, a erosão nas praias a sul acentuou-se, com a destruição da duna de protecção costeira a fazer sentir-se em vários locais. O problema estendeu-se pelo distrito de Leiria, até à Nazaré. Para Filipe Duarte Santos, a construção do bypass “é uma iniciativa positiva”, que está em linha com o que preconizou o Grupo de Trabalho para o Litoral num relatório de 2014, que o próprio investigador coordenou. 
“Estou satisfeito, é a melhor solução, vai beneficiar todas as praias a sul”.
Vamos a ela?...

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Beneficiário da desgraça que é a guerra?..

 Via Público 16/5/2022

Para ver melhor clicar na imagem

Orçamento Participativo...

 Via Diário as Beiras

Município vai atribuir distinções honoríficas no 24 de Junho

 Via Diário as Beiras

Recorde-se.

«O Município da Figueira da Foz homenageou a figueirense Teresa Coimbra, antiga professora e deputada da Assembleia da República, em Outubro de 2020, com a Medalha de Mérito Técnico/Científico em Prata Dourada, numa cerimónia realizada no Auditório Municipal

Dia Internacional dos Museus vai ser assinalado quarta-feira

Via Diário as Beiras

Instalação de um polo da Universidade de Coimbra: Santana Lopes procura soluções...

 Via Diário as Beiras

Já nem o "sindicato do voto" funciona no PSD?

"85 874este é o universo de militantes do PSD, mas apenas cerca de 50% decidiram regularizar as suas quotas para conseguir votar."

Mosteiro de Seiça: obras estão suspensas

Com um investimento total estimado em 2.924.933,33 euros, a intervenção é cofinanciada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) a 85%.

«As obras do Mosteiro de Seiça foram suspensas, na semana passada e por um período de dois meses, a pedido do empreiteiro, alegando indefinições por parte da Direção Regional da Cultura (DRC), avançou o presidente da Câmara da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes. O autarca, em declarações aos jornalistas, no passado dia 11 co corrente, mostrou-se “preocupado”.

“Temos o prazo (para concluir as obras) até 31 de dezembro de 2023”, frisou o presidente da câmara.»