.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

terça-feira, 26 de maio de 2015

A memória e o interesse

“Poucos anos depois da criação da ACIFF (1835), Henriques Seco, lente de Coimbra, inscreveu como factores do  progresso da Figueira da Foz a existência do porto, a fácil comunicação com o interior (através do rio), o génio dos seus habitantes, o afluxo de banhistas e o comércio do sal, do carvão, vinhos, cereais e frutas das beiras.
O que mudou desde então para hoje?”  - citei o vereador António Tavares.

Assim, de repente, olhando para o presente, apetece responder que mudou quase tudo…
E, na Figueira, para pior.
Porém, a memória é quase sempre um lugar escorregadio. 
O passado,  traz à memória poeiras sopradas pelos ventos. Podem ser simples constatações, ou verdades.
O tempo, essa coisa que estraga os corpos e as mentes, é inflexível para todos nós.
Eu sei que o consensual era isto: caminhar despreocupadamente a olhar para  o paraíso em  que este executivo transformou a Figueira em apenas quase 6 anos...
Contudo, a meu ver, o importante é respirar – sobretudo,  a saudade do futuro, apesar do passado recente e do presente que esburaca o meu optimismo.
Por isso, do que depender de mim, não vou permitir alienações que me roubem o  horizonte – que é o futuro.
E, pelo menos no meu  futuro não cabe este passado recente, protagonizado pelo vereador Tavares e a equipa de que faz parte.
Modéstia à parte, a minha memória está cada vez melhor. 
Ou é isso, ou ando-me a esquecer de me esquecer.

Em tempo.
Para aquelas pessoas que, porventura, achem que a minha memória não conta para nada, eu acho que elas é que deixaram de ter interesse...

1 comentário:

Anónimo disse...

Há uns anos para cá mudaram as moscas.
Abraço