.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Henrique Neto, empresário, um socialista fora dos carris?..

“Com o clima de corrupção generalizada existente, com os métodos usados na revisão dos preços, com os objectivos anunciados e com as prioridades conhecidas do Governo a serem a EDP, a PT, a Mota Engil, a Ongoing, Joaquim de Oliveira, a Martifer, a Sá Couto e quejandos, é fácil de ver para onde irão os milhares de milhões de euros de investimentos públicos previstos.
Para mais, tratando-se de financiamentos da Caixa Geral de Depósitos, do BCP, do Banco Espírito Santo e outros, recursos que são retirados ao investimento privado, nomeadamente exportador, esse sim necessário para criar empregos e para evitar o fecho de muitas empresas. Ou seja, a grande prioridade de José Sócrates não são os postos de trabalho, mas a ajuda às empresas do regime e o controlo dos meios de comunicação, para que os portugueses não se apercebam disso. O que o ministro das Finanças fará e em relação a isso está para se ver.”


Mariana Imaginário, ontem na TVI

domingo, 29 de novembro de 2009

Continua a chover

Ontem, choveu. Hoje, continua a chover.
Não é simpático para quem, como eu, logo de manhã, se teve de fazer à estrada.
Estamos em alerta amarelo. O certo, sendo do agrado ou não, é que continua a chover, o que causa incómodos...
Em alguns locais por onde passei, o trânsito estava difícil. Os condutores, impacientes, pensaram que a solução era buzinar.
O recurso ao barulho, é sempre uma forma de protestar contra o São Pedro!..
Pelos vistos, pelo que continua a chover, ineficaz.

X&Q783

Porque não perco tempo com blogues anónimos


Não tenho por hábito visitar os blogues anónimos cá do burgo que, ao que me dizem, são os que dão notícias e comentários, principalmente, das misérias intestinas dos principais partidos cá da santa terrinha.
Até aqui, nada de especial.
Ao que me dizem, na zona dos comentários, a coberto do anonimato, fazem-se acusações pessoais (algumas graves), sem que haja a possibilidade dos visados se defenderem, dado o carácter anónimo das acusações. Estes espaços, ao que me dizem, são propícios, até, ao uso do bom nome de outros, para se fazerem as ditas acusações.
A minha maneira de ser não é compatível com esse tipo de espaços. Portanto, para mim, pura e simplesmente, não existem.
Já não tenho idade, tempo ou pachorra, para desperdiçar com fofocas de meninos e lavagens de roupa suja.
A net, sem dúvidas, é um espaço de liberdade. Mas, será este tipo de comportamento irresponsável, um reflexo da liberdade ou será antes o reflexo da sociedade sem valores e princípios em que vivemos?..
Sou a favor da crítica assinada, pois esta é a única que, sabendo para onde vai, se sabe de onde vem! Responsabiliza e credibiliza a própria crítica.
Anonimamente, pode dizer-se o que se quiser, para quem quiser. Mas, só mesmo, para quem quiser escutar...

Sinais de trânsito na Ponte dos Arcos



Passamos lá todos os dias de carro, mas como entramos pelas rotundas da Gala/norte, não nos tínhamos ainda apercebido. O blogue Geração 70, num post oportuno, alerta para o problema com texto e foto, que com a devida vénia, citamos.

"Antes do primeiro sinal a velocidade máxima permitida é de 70Km/H, subitamente e durante cerca de 5m há que reduzir para uma velocidadde máxima de 50Km/H, para depois voltar aos 70Km/H.
Aqui está uma óptima racionalização de Recuros efectuada pelas Estradas de Portugal."

Saudade de Ary dos Santos - Cavalo à solta

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A qualidade de construção dos armazéns do portinho da gala

Estes armazéns ainda nem sequer foram inaugurados e já estão em degradação. Foram edificados há poucos meses, custaram um pipa de massa e, ainda sem qualquer tipo de utilização, estão como as imagens (mais fotos aqui) documentam!..

Mais palavras para quê?...Toda a gente sabe - e não sou eu que o digo - foi o presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d´Oliveira Martins, "que as obras públicas em Portugal são mal geridas". "É no lançamento das obras públicas que existem as raízes da indisciplina". Segundo o mesmo, “o Estado tem de ser profissional neste domínio: tem de ser muito cuidadoso com o dinheiro que é de todos". Os cadernos de encargos têm de ser suficientemente rigorosos e evitar grandes zonas de incerteza, que determinam o desperdício e podem levar à corrupção."
As análises custo benefício "são indispensáveis - tem de haver uma demonstração clara da boa utilização em termos de economia dos recursos"…
Pois

Actualizado às 23 horas e trinta minutos, de 28.11.09

Sendo assim...

No ano passado, à frente da empresa, Penedos ganhou 655 mil euros, entre remunerações fixas e prémios de gestão. Só em prémios a empresa gastou um valor total de 1,4 milhões de euros, distribuído pelos cinco membros executivos do Conselho de Administração. Na altura da apresentação do relatório e contas da REN, Penedos defendeu que o valor do seu vencimento (46 mil euros mensais) era baixo.
Sendo assim, conforme pergunta o blogue 5 dias, “será que não devia ser o Orçamento de Estado a pagar a caução de Penedos?”

Face oculta

"Uma face oculta não tem obrigatoriamente que ser medonha. Milhares de pessoas vivem “ocultas” no seu anonimato, discretamente, solidariamente trabalhando para os outros sem que se saiba, sem alarde, com passos seguros e impolutos... e a cada dia que passa, mais limpas e mais belas.

O contrário da corrupção oculta não é a demagógica e estridente propaganda de “princípios, valores e transparência”, mas sim a serena lisura de procedimentos e firmeza de convicções que não precisam de anúncio público."

Via "Cantigueiro"

aF91


quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Diminuição de clientes no Mercado Municipal preocupa comerciantes covilhanenses

Trabalho de Pedro Cruz

Sinto-me tão falhado...


Foi tão óbvio, tão óbvio que, presumo, até este Portugal entendeu o descalabro que foram aquelas declarações de Vieira da Silva sobre “espionagem política” no Face Oculta.
Foi tão óbvio, tão óbvio que, presumo, até Sua Excelência, o Senhor Ministro, depois de ter falado, terá reconhecido que acabava de ter perdido uma magnífica oportunidade de estar calado.
Isso, aliás, pode acontecer a qualquer de nós, portanto, se ficasse por aí, o caso ficaria resolvido…. Isto, presumo eu, seria o normal, se Portugal fosse um país normal… Só que Portugal é o que é… E, espanto dos espantos, o PSD quer ouvir Vieira da Silva no Parlamento!..
Numa altura em que, com um frio destes, o país está de tanga, a prioridade, para o PSD, é ouvir o ministro da Economia, a explicar o que é inexplicável!..
Que País é este, que situação é esta, que oposição é esta?..
Mas, isto, porventura, sou só eu que me interrogo, que sou tão falhado, tão falhado, que nem para governador civil, sequer, me convidaram...

aF90


"Viela Bar": entre ruas e vielas

São os estudantes que fazem sobreviver os comerciantes covilhanenses!, diz Céu Nunes.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Jaime Jesus brilha na Praia do Norte



Jaime Jesus, alcançou, ontem, um excelente terceiro lugar no Nazaré Special edition 09. O atleta covagalense foi o melhor português em prova.

O vencedor da competição foi o já nove vezes campeão mundial da modalidade, Mike Stewart.
O outro figueirense em prova foi o “Porkito”. O bicampeão do Special Edition trouxe para casa o prémio de melhor onda da prova.
O grande ausente no desafio nazareno foi o covagalense Fábio Laureano, devido a motivos de saúde.
Mais informação aqui.

Ainda a homenagem ao Pastor Neto

Como demos conta aqui, “foi bonita a homenagem ao Pastor João Neto”.
Voltamos à homenagem, justa e merecida, ao “Pai” do Centro Social da Cova e Gala, para deixar algumas fotos do evento.

Amigos na política...

Ao longo da vida, tive admiração por vários amigos, alguns deles, pensava eu, verdadeiros democratas. Por alguns deles, tive até respeito. Muito respeito.
Alguns deles, depois, meteram-se na política, foram a eleições, perderam e, na oposição, estiveram bem - muito bem mesmo.
Alguns deles, não desistiram, continuaram na política, voltaram a ir a eleições e ganharam.
Acabaram por estragar tudo…

Desafios

Agradeço a distinção e o amável convite dos blogues aldeia olímpica, LIMONETE e O Moinho.
Como o desafio foi endereçado ao Outra Margem, dada a impossibilidade de reunir o Conselho Consultivo deste espaço, de momento, estamos impossibilitados de responder a tantos e tão honrosos desafios.
Obrigado pela Vossa amável deferência e um abraço.
Por aqui, vamos continuar a sonhar com a utopia que é a construção de um Portugal melhor...

aF89


terça-feira, 24 de novembro de 2009

Soares, amigo...


"POLÍTICA A SÉRIO"


Diário as Beiras
, dia 24 de Novembro de 2009, página 4:
“PAULA TOVIM escreveu uma carta aberta a António João Paredes.
A mulher de Luís Tovim não poupa o presidente da Concelhia da Figueira da Foz do PS, começando por justificar o meio para atingir o fim: “como não atende o telemóvel, não aparece e foge quando vê o Luís (acho que se chama cobardia...), também não vejo outra possibilidade de lhe dizer algumas palavras”. Escreveu muitas palavras, aliás, através das quais transfere para o líder socialista o ónus da derrota de Luís Tovim na assembleia municipal e a situação do PS, que, segundo a autora da missiva, encontra-se nas ruas da amargura.
Recorde-se que o candidato independente ganhou, sem maioria absoluta, as eleições autárquicas com o voto popular.
“Mas o Paredes e meia dúzia de “amigos” preferiram, contra a vontade da população, eleger um presidente da assembleia municipal do PSD (Victor Pais)”, afirma Paula Tovim.
Afiança ainda: “custa-lhe admitir, porque não tem inteligência para tal, que duas pessoas completamente independentes e bem-intencionadas (João Ataíde e Luís Tovim), em menos de três meses, ganhassem as eleições para a câmara e para a assembleia: fizeram mais em três meses do que você e os seus apoiantes em 12 anos!”.
Demolidora, Paula Tovim conclui afirmando: “Quero assistir à sua morte política, o mais breve possível. O Luís, com a sua família e os seus verdadeiros amigos, já ultrapassou esta traição, mas você irá ficar com este peso na consciência (se a tiver...) para o resto da sua vida”. O DIÁRIO AS BEIRAS tentou obter declarações de António João Paredes. Porém, até ao fecho desta edição, as tentativas não foram bem sucedidas.”

X&Q782


Vida partidária figueirense

Há uns dias escrevi aqui: “a ética, o sentido de missão e de serviço, na vida como na política, só podem ser um ponto de partida, nunca um ponto de chegada. Os partidos, esses “chamados pilares da democracia”, não são propriamente uma escola de virtudes, de bons costumes e de lisura de processos.”
Para mim, é claro que a chamada crise do sistema partidário em Portugal é artificial. Ela foi criada, e é mantida, de modo a ajudar a perpetuar no poder sempre o mesmo bloco de interesses – sobretudo pessoais.
O político de sucesso nos dias que vivemos, mente, tem de ser, obrigatoriamente, bom fingidor, tresanda a falso, constrói o seu caminho, na busca do poder, entre o favor e a intriga, conta espingardas e distribui cumprimentos e palmadas nas costas com o ar enternecido com que Judas beijou Cristo.
Depois de ler, aqui, o que resultou da reunião da comissão política concelhia do PS, realizada na noite do passado domingo, reforcei a minha opinião.

Vira o disco e toca o mesmo

Vitor Constâncio, o Governador do Banco de Portugal, já veio abrir o caminho e "levantou o véu."
Nada com que não contasse, passado que está o período eleitotal.
"As contas públicas estão uma lástima, agravadas por uma crise estrutural e uma taxa de desemprego galopante (passe a metáfora).Solução? A típica e pouco imaginativa à qual os vários Governos nos habituaram: aumentar impostos como via de aumento das receitas (que certamente continuarão a ser mal geridas e redistribuidas).Em suma, a paliativa "solução" é fácil, é segura. O contribuinte não tem por onde piar."

Segundo o Bicho Carpinteiro, portanto, "o contribuinte que se cuide".
Nada a que já não estejamos habituados!...

Jardim Municipal da Figueira da Foz

Do Velho Coreto...
Com a devida vénia, foto sacada daqui

... à pala.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

VOX POP: A IMPORTÂNCIA DO CAFÉ NA VIDA QUOTIDIANA

Trabalho de: Pedro Cruz e Ana Pereira

Um post completo…

Tem futebol, política e religião...
Ontem Jesus não desceu à terra. Caiu por terra.

Via 31 da armada

Foi bonita a homenagem ao Pastor João Neto

Foram muitos, cerca de 150, tantos, “que ultrapassaram as expectativas do homenageado”, entre Amigos, entidades públicas e privadas, instituições e colectividades, os que na passada sexta-feira se juntaram num jantar no Grande Hotel Mercure, para prestar público reconhecimento e gratidão ao Pastor João Neto, por meio século de trabalho social.
A homenagem, que o Centro Social Cova-Gala promoveu na passada sexta-feira ao seu fundador, teve também a participação artística do Grupo de Cantares da Casa do Pessoal do Hospital Distrital da Figueira da Foz e do Grupo de Metais da Sociedade Boa União Alhadense.
O Centro Social da Cova e Gala desenvolve, há várias décadas, uma acção social notável em São Pedro, só possível com o esforço e a dedicação de muita gente . Porém, é da mais elementar justiça reconhece-lo, muito desse percurso deve-se ao Pastor João Neto.
Por isso mesmo, estiveram bem os actuais dirigentes da Instituição, pela justa homenagem que prestaram ao seu fundador, à qual, naturalmente, desde a primeira hora Outra Margem se associou ao dar a merecida divulgação. Aproveitamos para enviar um abraço de amizade ao Pastor João Neto.

Como nota complementar, deixamos dois contributos para um melhor conhecimento da vida e obra do Pastor João Neto:
Primeiro - Neste Outra Margem, poucos meses após o nascimento deste espaço, em 7 de Setembro de 2006, no post que podem ler clicando aqui, divulgámos uma pequena parte da vida e obra do Pastor João Neto.
Segundo - Na semana passada, O Figueirense, pela pena da jornalista Andreia Gouveia, publica uma belíssima reportagem, que igualmente podem ler clicando aqui, que dá uma ideia do percurso de vida de um Homem que, “como um agricultor diligente, preparou o campo e escolheu criteriosamente as sementes que, agora, cabe a outros garantir que continuem a frutificar.”

sem título


domingo, 22 de novembro de 2009

Futebol distrital - DIVISÃO HONRA

Sorte diferente tiveram esta tarde as equipas que representam o concelho da Figueira da Foz, na prova máxima organizada pela AFC:

o Praia Leirosa foi a Penela e perdeu por 4-1. O Cova Gala, em Poiares, conseguiu um precioso empate - 1-1, foi o resultado final.
Mais resultados aqui.

A baralhação

“A República, como incessantemente se repete, depende dos partidos. Com o PSD, já não pode contar.”
“As políticas de José Sócrates baralharam o espectro partidário em Portugal .O PSD é só a primeira vítima desse fenómeno.”
Na opinião de Medeiros Ferreira, “é isso que falta dizer”, no excelente artigo de Vasco Pulido Valente, hoje, no Público.

Rua da Saudade - Canções de Ary dos Santos

Versão da “Canção de madrugar”, por Susana Félix, na opinião do Cantigueiro Samuel, "a melhor que ouviu nos últimos (muitos) anos."

X&Q779


Moda Covilhã

foto de Pedro Cruz

sábado, 21 de novembro de 2009

Reflexão numa tarde triste e chuvosa sobre o covagalense tipo

O covagalense tipo, precisa que lhe digam onde e quando votar.

O covagalense tipo, não precisa que lhe reservem um dia para reflectir, pois ele não reflecte – deixa-se levar por um copo de tinto e um naco de porco no espeto ou, até, por uma sardinha assada.

O covagalense tipo, teme a solidão: sente-se desprotegido e sem saber o que deve fazer.

O covagalense tipo, não consegue sentir-se bem sem ser tutelado.

O covagalense tipo, é incapaz de dar um passo sem que o levem pela mão.

O covagalense tipo, convive bem e perfeitamente com a prepotência, a soberba e a falta de educação.

O covagalense tipo, não sente alergia a ditaduras. E, então, se forem ditas democráticas - nem se fala mais nisso...

O covagalense tipo, a aferir pelo que se tem passado nos últimos anos, confirma o ditado, bem português por sinal: “quanto mais me bates mais gosto de ti”.

X&Q780


Citação

"Nenhum homem deveria passar a sua vida sem experimentar ao menos uma vez a salutar e até enfadonha solidão de um ermo, exclusivamente dependente de si próprio e assim aprendendo, portanto, a conhecer a sua força verdadeira e oculta."

Viajante Solitário, Jack Kerouak, Editorial Minerva

Três

foto de Pedro Cruz

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Jorge Pelicano, repórter, realizador e um português atento

De Jorge Pelicano pouco conheço. Sei que é natural da Fontela, Vila Verde, estudou na Guarda, onde foi colega de curso da minha sobrinha Vanessa, e é um realizador que tem somado prémios, nacionais e internacionais, pelos dois documentários que já fez: "Ainda Há Pastores?” e “Pare, Escute e Olhe”.
Do profissional, repórter e realizador, tenho visto algumas reportagens na SIC e noto que está a trilhar um caminho profissional difícil, ao trazer até nós imagens de um País – o nosso – que os poderes políticos continuam a olvidar.
Primeiro, foi com “Ainda há pastores”. Agora, com “Pare, escute e olhe”, um retrato crítico, pertinente e mordaz de um Portugal de políticas desastrosas e desastradas, de erros de ordenamento do território, como é o caso focado no documentário "Pare, escute e olhe"
Jorge Pelicano, ainda um jovem repórter e realizador, tem visto o seu trabalho reconhecido. Com “Pare, escute e olhe”, ganhou prémios no DocLisboa e no Festival de Seia.
Agora, chegou a vez da Câmara da Figueira reconhecer o mérito dos documentários de Jorge Pelicano, jovem repórter, realizador e um português atento, cuja obra nos leva a “reflectir, olhar para o futuro e questionar aquilo que se faz em nome do progresso”, ao atribuir-lhe na reunião de terça-feira passada, um voto de louvor, por proposta do vereador da Cultura, António Tavares.

Apoio de luxo?..



A ser verdade o que vem hoje no Correio da Manhã, "o apoio do ex-internacional Luís Figo ao PS nas últimas eleições legislativas terá custado 75 mil euros a uma empresa pública."
Recorde-se, que em finais de Setembro passado, o futebolista Luís Figo manifestou o seu apoio ao PS nas eleições legislativas, tendo dito na altura: "apoio José Sócrates unicamente pelas minhas convicções e pelo trabalho feito nos últimos quatro anos e meio, apesar das dificuldades existentes em todo o mundo. Sócrates é uma pessoa séria, honesta e profissional"

os rodriguinhos

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Futebol industrial e comercial

/div>

Nunca, jamais em tempo algum

Segundo fonte judicial, Armando Vara, à semelhança do presidente da REN-Redes Eléctricas Nacionais, José Penedos, e o filho deste último, Paulo Penedos, é apontado pelos investigadores como integrando uma "rede tentacular" criada pelo principal arguido, o empresário Manuel José Godinho, administrador de diversas empresas de recolha, armazenagem, triagem e tratamento de resíduos/sucatas que prestam serviços a empresas com ligações ao Estado, como a REN e a REFER-Rede Ferroviária Nacional. Armando Vara é suspeito de tráfico de influências, mas afirmou à saída do tribunal, que os indícios são falsos."Estou tranquilo, porque não fiz nada do que me acusam. Nunca pedi dinheiro a ninguém e nunca recebi dinheiro de ninguém. Isso é completamente falso".
Armando Vara ainda disse mais aos jornalistas: "As acusações que são feitas no processo nunca aconteceram e estou certo que o julgamento provará o que acabo de dizer".

Por mim, já estou convencido: Vara, o ministro mais inteligente que alguma vez passou pelos governos desta insigne nação, alguma vez iria receber luvas de um sucateiro?..
Nunca, jamais em tempo algum. Para quê, foi homem que nunca vi com frio…
E os tribunais portugueses vão provar isso mesmo. Dúvidas há?...

Cheira bem, cheira a Lisboa...Aliás, África do Sul!..

"Nesta altura do campeonato já toda a gente se apercebeu de que eu preferiria estar num melhor lugar no ranking do emprego, ou do abandono escolar, ou do fosso entre pobres e ricos, da desigualdade entre homens e mulheres, dos cuidados de saúde, do apoio efectivo à cultura, do combate à corrupção... em vez de subir no ranking da FIFA.
Reconheço que este meu “feitio” é absolutamente minoritário. Ainda assim, mesmo não estando pessoalmente interessado em nada que tenha que ver com futebol, saúdo sinceramente os adeptos portugueses, legitimamente felizes pela qualificação para o próximo Mundial da África do Sul, conseguida esforçadamente pelos rapazes da Selecção Luso-Brasileira de Futebol."

Via "Cantigueiro"

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Ministra surpreendida!..



"Mas não é uma ministra qualquer"...
É a nova ministra do trabalho, dita ex-sindicalista, a ministra que aterrou recentemente na Praça de Londres vinda da Europa, onde parece ter andado muito distraída, e que pelos vistos ainda não teve tempo de estudar os dossiers.
Pela minha parte, posso dar-lhe uma ajudinha porque se os números do desemprego ontem divulgados pelo INE a surpreendem – uma taxa de 9,8 por cento e 547,7 mil desempregados – os números reais, que podem ler-se nas entrelinhas, deveriam suspreendê-la muito mais.
Na Verdade, se aos 547,7 mil desempregados somarmos aquilo a que o INE chama sub-emprego visível (66,5 mil), mais os inactivos disponíveis (82,7 mil) e os inactivos desencorajados (33,8 mil), estaremos a falar de facto de 730,7 mil desempregados e de uma taxa de desemprego de 12,9 por cento. Os números reais que qualquer sindicalista tem obrigação de conhecer."

Via abrasivo

Figueirenses prometem espectáculo na Nazaré


Encontra-se em período de espera o Nazaré Special Edition 09. O evento contará com os melhores bodyboarders da actualidade.

Os figueirenses Porkito , Jaime Jesus e Fábio Laureano vão estar presentes no certame.

Para ver o vídeo da edição de 2007 clique aqui.


(Foto gentilmente cedida por Porkito)

aF88

A vida, a ética e os políticos

Muito se fala em ética, nos dias que passam.
A política, ouve-se dizer amiúde, deveria conter um elevado sentido ético, de missão e de serviço.
A ética, o sentido de missão e de serviço, na vida como na política, só podem ser um ponto de partida, nunca um ponto de chegada.
Os partidos, esses “chamados pilares da democracia”, não são propriamente uma escola de virtudes, de bons costumes e de lisura de processos.
Para mim, é claro há muitos e bons anos, que quem pretender militar com lisura num partido, seja ele qual for, da esquerda à direita, corre o risco de, mais tarde ou mais cedo, entrar em conflito e, no mínimo, se não se quiser aborrecer muito, acaba por ir "dar uma volta ao bilhar grande”, para arejar as ideias.
Portanto, para mim, discutir a vida interna dos partidos está fora de questão.
Verdadeiramente motivante, isso sim, é a discussão das consequências que as decisões políticas têm na vida de todos nós. Questionar ou comentar propostas dos poderes, assim como escrutinar a gestão da “coisa pública” e a aplicação dos dinheiros do estado, é um acto de cidadania a que, nem os cidadãos nem os políticos, estão habituados. Aliás, os políticos, sejam do poder central ou do poder local, sentem-se especialmente desconfortáveis se forem atentamente observados pelo cidadão normal.
Para mim, é para o lado que me viro melhor. A meu ver, político que não queira ser escrutinado, só tem uma coisa a fazer: mudar de vida.
Portanto, nunca irei compreender o engulho que as questões ou opiniões dos cidadãos geram em alguns políticos.
Se há alguém que deve esclarecimentos, são eles próprios, os políticos. Justificar, clarificar e demonstrar o interesse público das suas propostas de realizações é o mínimo a que estão obrigados.
A arrogância, a prepotência, a soberba e a falta de humildade democrática nunca ajudaram a alterar significativamente, para melhor, a vida dos cidadãos.
Sobre ética política, tive ontem a oportunidade de ler no Jornal de Notícias, esta crónica de José António Pina, que podem ler na íntegra clicando aqui, onde “Mário Soares considera que tudo o que tem vindo a público relacionado com a investigação criminal do caso "Face Oculta" não passa, enquanto questão política, de um "problema comezinho", que o mesmo é dizer, "banal", "corriqueiro", "trivial", "usual", "vulgar".
Leiam, que vale bem a pena.

Centro escolar de S. Pedro em “stand by”

Segundo o Diário de Coimbra de hoje, "o vereador da educação disse ontem na reunião de câmara que, apesar do projecto apresentar alguns problemas «há financiamento», para que a autarquia possa avançar com a construção do Centro Escolar de S. Julião/Tavarede. Um panorama diferente do de S. Pedro que, segundo Carlos Monteiro «não tem projecto, não tem financiamento, e já não há verbas disponíveis para esse financiamento», e por isso, advertiu, «é importante baixar expectativas», até porque se está a falar de uma obra que ronda os 4 milhões de euros."

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Fresco!..

Foto: Pedro Cruz

“A tradição já não é o que era”



A Portugal

Jorge de Sena


Esta é a ditosa pátria minha amada.
Não, nem é ditosa porque o não merece,
nem minha amada, porque é só madrasta
nem pátria minha, porque eu não mereço
a pouca sorte de ter nascido nela.
Nada me prende ou liga a uma baixeza tanta
Quanto esse arroto de passadas glórias.
Amigos meus mais caros tenho nela
Saudosamente nela,
Mas amigos são por serem meus amigos
e mais nada.
Torpe dejecto de romano império,
Babugem de invasões,
Salsujem porca de esgoto atlântico,
Irrisória face de lama, de cobiça e de vileza,
De mesquinhez, de fátua ignorância.
Terra de escravos, de cú para o ar,
Ouvindo ranger no nevoeiro a nau do Encoberto.
Terra de funcionários e de prostitutas,
Devotos todos do Milagre,
Castos nas horas vagas, de doença oculta.
Terra de heróis a peso de ouro e sangue,
E santos com balcão de secos e molhados,
No fundo da virtude.
Terra triste à luz do Sol caiada,
Arrebicada, pulha,
Cheia de afáveis para os estrangeiros,
Que deixam moedas e transportam pulgas
(Oh!, pulgas lusitanas!) pela Europa.
Terra de monumentos
em que o povo assina a merda
o seu anonimato.
Terra-museu em que se vive ainda
com porcos pela rua em casas celtiberas.
Terra de poetas tão sentimentais
Que o cheiro de um sovaco os põe em transe.
Terra de pedras esburgadas,
Secas como esses sentimentos
De oito séculos de roubos e patrões,
Barões ou condes.
Oh! Terra de ninguém, ninguém, ninguém!
Eu te pertenço.
És cabra! És badalhoca!
És mais que cachorra pelo cio!
És peste e fome, e guerra e dor de coração!
Eu te pertenço!
Mas seres minha, não!

X&Q778

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Informação e audiências

Nestes tempos conturbados e inquietantes que vivemos, a imprensa poderia ser uma mais valia na formação cívica de todos nós.
Numa sociedade civilizada, o grau de cidadania de um povo também se mede pela percentagem dos leitores de jornais, relativamente à população.
Quantos mais jornais vendidos, tanto maior será a consciencialização sociopolítica de um povo e, consequentemente, maior a sua capacidade de exigência democrática, de participação cívica e de decisão política.
Todos sabemos, porém, que a informação vive de audiências, isto é, deixa de fazer sentido e é supérflua sem audiências. Sem audiência, a informação morre. Mas também deixa de ter sentido e é ociosa, a informação apenas vocacionada para as audiências.
Será que por causa das audiências, se tem de matar a informação?
São necessárias audiências para justificar a informação.
Mas a busca das audiências a todo o custo, como se pode verificar no exemplo ao lado, não pode determinar e condicionar a informação.
O espectáculo do sangue, por outras palavras “o recurso sistemático "aos crimes de faca e alguidar" como chamariz desvirtua os jornais e a comunicação social, abafando o trabalho sério de jornalistas que procuram formar e informar”.
Do meu ponto de vista, um jornal a "escorrer sangue", e como sabemos há casos destes na imprensa portuguesa, pode ser tudo menos atractivo e estimulante para a leitura...
Mas, se calhar, estou completamente enganado!...

José Saramago



Fez, ontem, 87 anos. Continua uma máquina. Parabéns.

País de sucateiros...

“O presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Noronha de Nascimento, considerou nulas e ordenou a destruição das escutas das conversas entre o primeiro-ministro, José Sócrates, e Armando Vara, no âmbito da operação “Face Oculta”.
Envie-se, pois, tudo para a sucata. E, já agora, preferencialmente, sem possibilidade de reciclagem!..