"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quarta-feira, 25 de março de 2015

Os cidadãos não se afastam da política por acaso...

Para que não exista qualquer tipo de confusão, escrevo, desde já, que Portugal é um Estado de Direito. 
Por isso, nunca, em circunstância alguma, podemos abrir excepções no que respeita aos direitos de um cidadão - seja ele Sócrates ou outro qualquer.

Escrito isto, recordo a entrevista de Sócrates, dada a Clara Ferreira Alves e publicada na Revista Expresso em outubro de 2013, apenas por ser um exemplo claro de um ex-jotinha.
Não tem nada a ver com a actual situação de preso preventivo do ex-primeiro-ministro. Até ser julgado em Tribunal, continua a beneficiar da presunção de inocência. 
Recordo dois momentos da entrevista de Sócrates.
A determinada altura, afirma:
«Aqueles gajos que se achavam a aristocracia pensavam que eu tinha que ir lá pedir, pedir se podia, pedir autorizações. E eu pensei, raios vos partam, vou vencer-vos a todos! E foi o que fiz!».
E, lá para para diante, diz:
Para ler a crónica do eng. Daniel Santos,
publicada hoje nas Beiras, clicar na imagem.
«Se voltei ao comentário político é porque me quis defender. Estava a ser atacado sem defesa.»

Se eu tivesse confiança nos jotinhas, Sócrates – ele próprio um ex-jotinha - com estas afirmações tinha esvaziado qualquer possibilidade de eu a continuar a ter.
Isto revela muito de José Sócrates, enquanto homem sujeito às contingências da condição humana. Porém, o que fica transcrito, em momento algum, revela uma vontade de intervir na sociedade com vista a contribuir para o bem comum.
Sendo a Política a intervenção na vida da polis, é de esperar que a razão fundamental que guia quem a ela se dedica seja o bem da comunidade. José Sócrates - ex-jotinha - deixou claro que não foi esse o objectivo que motivou o seu regresso, desta vez através do comentário político.

Os jotinhas, enquanto intervenientes políticos, costumam pensar em tudo, menos no bem da comunidade...
Sócrates, é só um exemplo. Passos Coelho, António Costa, Paulo Portas, por exemplo, são outros “modelos em ponto pequeno".
Na Figueira também temos bons e conhecidos exemplos - no PS e no PSD, como não poderia deixar de ser...

1 comentário:

A Arte de Furtar disse...

Por falta de tempo só hoje consigo fazer um pequeno comentário. Não queria deixar passar a oportunidade.
Aqui fica:

Declaração de interesses: não tenho sentimentos ambivalentes em relação a José Sócrates, pessoalmente não tenho simpatia pela personagem e politicamente estou distante.

Sobre o caso que o mantêm preso, apenas e só o desejo: que a Justiça funcione. Parecem palavras gastas e banais, mas num Estado de direito, não é isso que devemos esperar?
Mas, com Correio da Manhã, Observador e Sol a fazerem o julgamento na praça pública e com um advogado daquela estirpe, ninguém augura um esclarecimento justo deste caso. E já agora, será correcto manter uma pessoa em prisão preventiva tanto tempo?

Nesta altura chamo o (Mestre da Palavra) Baptista Bastos: "Mais do que a mossa social causada pela exaustão dos factos, a endemia moral que nos assaltou é, de certeza, extremamente gravosa, porque atinge fundo a nossa comum credulidade nas estruturas da nação e na particularidade da sua alma.”