FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

domingo, 29 de março de 2015

Isto, é mau de mais, mas é verdade...

Este é o Passos Coelho de sempre, um homem cujo sentido de dignidade navega por níveis baixos.
Como português, acho uma vergonha ter um primeiro-ministro que inventa uma chantagem das agências de notação para sugerir que votam nele.
Chegou ao poder à custa destas agências e agora, passados 4 anos, não evoluiu nada: vai tentar manter-se aplicando precisamente os mesmos truques.  
Quase quarenta e um anos passados sobre o 25 de Abril, a tal madrugada libertadora que nos acenou com os 3 D`s (Democracia com Desenvolvimento e com Descolonização), que País é este em que vivemos?
O debate em torno da desigualdade crescente e da sua urgente ultrapassagem é o debate necessário e urgente ao povo de esquerda.
Como é que vamos conseguir sair do flagelo da desigualdade?
É essa a resposta que a esquerda deveria ser capaz de dar resposta de forma clara.  

1 comentário:

A Arte de Furtar disse...

A direita que nos tem governado (começou com o 44 e continua com esta gente) há muito que perdeu a vergonha.
Há um programa ideológico para aplicar e o capital não tem rosto. “Ir além da troika”; “viver acima das possibilidades”; “empobrecer é objectivo”; “jovens na zona de conforto”; ”desemprego é uma oportunidade”…., não são slogans, são ideologia!
“Os países receptores de mão-de-obra querem receber recursos humanos formados nos países de origem à custa dos orçamentos dos Estados periféricos” – Medeiros Ferreira.

Quanto à esquerda, desilusão em cima de frustração! Cada vez mais grupos, grupinhos e “grupetos”. Agora é a moda das “barrigas de aluguer” – caso partido da Joana Amaral Dias.

Até Outubro vai ser só lixo!
E depois ainda poderá vir o “Inverno do nosso Descontentamento”. A ver vamos.