"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

terça-feira, 17 de março de 2015

A ideologia da caridadezinha..

para ler melhor clicar na imagem
Como sabemos, Portugal sempre foi um país pobre e periférico".
Pelas políticas implementadas  por governos anteriores e pelo trabalho feito por este governo,  já sabíamos que  teria que haver  distribuição de alimentos, vestuário e medicamentos aos pobrezinhos.
Ao contrário do que quer fazer crer a propaganda governamental – estamos em anos de eleições - tudo tem vindo a piorar. Já, até, existem ajudas para o pagamento dos transportes, gás, electricidade e combustíveis.
Sem muitos darem conta, estamos a retornar aos tempos da caridadezinha hipócrita da consciência tranquila, que quem viveu antes do 25 de Abril de 1974 em terras onde a miséria campeava,  bem se recorda.
Enquanto país, somos o que somos, desde 1143. Os poderes, que continuam a conseguir manter os governados em rédea curta, asseguram a estabilidade do sistema.
É assim que se perpetua a pobreza, a caridadezinha e a humilhação de não podermos ser cidadãos de corpo inteiro.
Quanto às IPSS e ao seu trabalho, estou à vontade, pois tive responsabilidades directivas durante alguns anos na gestão de uma das mais antigas do nosso concelho, pelo que conheço bem a realidade de que fala o vereador PS, dr. António Tavares, na sua habitual crónica das terças-feiras no jornal AS BEIRAS...

Portugal sempre foi um país pobre e periférico. 
A foto é de 1943 e foi sacada daqui. Mostra a realidade da Cova e Gala desse tempo. Na altura, vivia-se em plena II Grande Guerra. Aqui, neste cantinho à beira-mar plantado, imperava o desemprego, o medo, o racionamento, a miséria e a fome. Éramos gente cabisbaixa, vencida e resignada, entregue a um destino sem sentido e ferida na sua dignidade. Valia o altruísmo de alguns a quem doía a visão da fome e da miséria. Estávamos em 1943 em plena Cova num local que alguns, porventura, ainda reconhecerão.
Desde 1143 sempre vivemos com enormes dificuldades.
A epopeia marítima, essa grandiosa glória lusa, aconteceu apenas por ser insustentável e insuportável viver neste rectângulo à beira mar plantado.
Iniciou-se assim a diáspora portuguesa, que ainda hoje leva muitos dos melhores para bem longe.
Portugal padece de uma genética incapacidade nacional: a de conseguir construir uma sociedade evoluída seja a que nível for -  cientifico, técnico, cultural, social ou económico.
Por sua vez, os políticos sempre tiveram como meta preservar esta situação: a sociedade de governantes e de governados, mantendo estes com rédea curta por via de favores e esmolas.
Construiu-se  - e mantém-se, assim, uma sociedade favorecida, dentro de uma outra, de desfavorecidos. A dos empregos pelo partido e não pela competência, dos negócios pelos interesses e não pela qualidade orçamental, da governação pelos favores e não pela liberdade do voto em consciência.
Enquanto país, somos o que somos, desde 1143. Os governantes, que continuam a conseguir manter os governados em rédea curta, asseguram a estabilidade do sistema.
É assim que se perpetua a pobreza, a caridadezinha e a humilhação de não podermos ser cidadãos de corpo inteiro.

2 comentários:

A Arte de Furtar disse...

Este tipo de textos (laudatórios), vindo de políticos, dá-me sempre azia.
De imediato recordo os tempos (os sessentas) em que na saída da missa, se dava esmola aos pobrezinhos e, as senhoras diziam: ”toma lá, mas não é para o vinho”.
Tudo bem ao estilo da Srª Dª Cecília Supico Pinto, conhecida popularmente como Cilinha, criadora e presidente do Movimento Nacional Feminino, cujo espírito caridoso encontrou continuação na “nossa” Isabel Jonet dos anos XXI e na sua postura assistencialista: "Vamos ter que aprender a viver mais pobres" ou “Sou mais adepta da caridade do que da solidariedade social”, e por aqui me fico.

Frei Bento Domingos tem uma expressão muito engraçada: “ Uma vez um bispo disse-me que não estava de acordo com o que eu escrevia, ao que lhe respondi que eu quase nunca concordava com o que ele dizia…”.

Anónimo disse...

As familias Portuguesas vivem dias dificeis? e que dificeis.
Algumas vivem em cidades onde a agua é carissima onde os jardins estão sujos e não teem flores onde as praias são um monte de lixo onde há hospitais dentro de parques de estacionamento a pagar. Se juntar-mos a isto a falta de emprego os ordenados baixos e o carissimo nivel de vida realmente as familias Portuguesas vivem mesmo dias dificeis.