Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

segunda-feira, 30 de abril de 2018

A sorte dá muiito trabalho

Uma das qualidades que mais aprecio nas pessoas é o seu recato. 
Abomino aquelas que gostam de dar nas vistas sob qualquer forma. 
O valor, o mérito, o talento e a simpatia ressaltam por si próprios.
Dou um valor enorme a essa faceta do carácter de cada um.

O Pedro Agostinho Cruz, que eu conheço como ninguém, é um jovem que tem feito uma carreira a pulso.
Como disse um dia, já lão vão quase 9 anos, o Fernando Campos, o Pedro, "ao contrário do que é típico na sua idade (tinha apenas 22 anos na altura, em agosto de 2009) não é (continua a ser...) daqueles que descobriram a pólvora seca das verdades insofismáveis; gosta mais de ouvir (e observar) do que de falar. O Pedro é um andarilho e, sobretudo, um observador incansável.
No seu olhar silencioso e perscrutador há algo que o distingue de um mero fotógrafo competente, algo intangível e difícil de descrever: uma sensibilidade poética; ou seja, aquilo que o torna capaz de, com enquadramentos ousados e um sentido da composição notável, transformar o mais banal retrato do quotidiano numa imagem carregada de sentido(s)."
É assim que o Pedro continua a ser e tem de continuar a ser. 
Ser bom profissional e competente dá muito trabalho.
Quantas e quantas noites não saiste de casa às 4 da manhã para estares na Nazaré bem cedinho!..
Parabéns Pedro.

Sem comentários: