Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sábado, 28 de abril de 2018

Dr. Carlos Tenreiro apanhado pelas voltinhas da história...

Vou citar o Dr. Carlos Tenreiro.
"Em boa hora Brenha foi relembrada e convocada para o palco das referidas comemorações. 
A exemplo do que foi feito em relação à freguesia de Buarcos e S.Julião, também a Assembleia de Freguesia de Alhadas podia tomar a iniciativa de integrar Brenha na sua denominação como forma de perpetuar o nome daquela extinta freguesia. Fica aqui a sugestão."

Será que o vereador Dr. Carlos Tenreiro, neste assunto que envolve algum melindre para os Partidos, ainda se lembra daquilo que aconteceu em 2012?
Recorde-se: Miguel Almeida, com a colaboração do Movimento 100% e o alheamento do PS, impôs às freguesias figueirenses, não uma reforma político-administrativa, mas, apenas um conjunto de alterações avulsas, coercivas e apressadamente gizadas, feitas  à medida do chamado plano de reajustamento, ou Memorando de Entendimento (ME), celebrado pelo estado português sob a batuta do governo socialista de Sócrates com a Troika (FMI, CE e BCE), e com o acordo do PSD e CDS-PP.
Não sou  defensor  de que tudo, nomeadamente no que concerne às organizações humanas, é eterno.
Daí, encarar como perfeitamente natural reformas dos sistemas político-administrativos. Contudo, essas reformas têm de assentar em estudos fundamentados e tendo em conta a realidade.
Reformas político-administrativas coerentes e sérias, só se justificam quando ocorrem três condições fundamentais: necessidade comprovada de reforma (através do resultado de trabalhos científicos, do debate e acção política e de comparações/imposições internacionais), existência de tempo e de recursos para promover a reforma mais adequada às circunstâncias e, finalmente, vontade de promover a reforma por uma via democrática no referencial constitucional em vigor.
Em 2012, creio que não será estultícia apontar, que não se verificou nenhuma das três condições formuladas (salvo a imposição da Troika, que não é coisa pouca).

Aceito que há sempre o momento para pormos em causa tudo o que até aqui fizemos. 
Uma altura para fazermos um balanço, de preferência, o mais desapaixonadamente possível. 
Ponderar tudo que ocorreu, para sabermos como estamos e como aqui chegámos. 
Não falo de arrependimentos, mas de olhar a vida de frente.

Sem comentários: