"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quarta-feira, 12 de maio de 2021

O Povo é que sabe, mas "quando a cabeça não tem juízo o corpo é que paga"...

Via Diário de Notícias

Na edição de ontem do jornal Correio da Manhã, um ex-presidente de câmara afirma que «Santana Lopes é lembrado por “reinado do efémero”.» 
Joaquim de Sousa diz mais: «os figueirenses continuam a pagar dívidas que deixou o ex-primeiro-ministro.»
O que deixou o político Santana, a meu ver, depois de cerca de 4 anos de má gestão e de convivências pessoais, sociais  e partidárias, foi muito mais e muito pior do que uma dívida que ainda não está paga, apesar de já terem decorrido mais de 20 anos.
A herança foi  mais pesada: deixou um concelho completamente alienado do que são as prioridades duma necessária planeada e rigorosa gestão autárquica.
Na Figueira, há quem continue a acreditar que temos políticos capazes de fabricar ou inventar dinheiro. Que é possível voltar à orgia financeira do passado. 
Esta alienação é grave. Quem utiliza esta táctica, fá-lo sabendo o que está a fazer, mas é o seu principal instrumento eleitoral. 
A uns cobram-se os favores do passado. A outros, prometem-se lugares (nas listas, de assessores, promoções e nomeações), como se a democracia fosse um jogo de oferta de favores e os melhores candidatos fossem os que oferecem mais.
Em Outubro, o eleitorado figueirense dirá da sua justiça.

Sem comentários: