"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quarta-feira, 19 de maio de 2021

“A Sondagem da Treta”

«A 4 de maio, o Diário de Notícias publicou o artigo “Santana à frente na Figueira tem em marcha a candidatura e está a deixar PSD nervoso“. O título do texto publicado era fundamentado pelo seguinte parágrafo:
O movimento de cidadãos tem estado, desde 6 de março, a fazer estudos de opinião junto dos figueirenses para saber as intenções de voto e, segundo o DN apurou, Santana Lopes aparece sempre em primeiro lugar, a uma distância confortável do candidato do PS e atual presidente da autarquia, Carlos Monteiro, e mesmo muitíssimo acima da intenção de voto no candidato apoiado pelo PSD, Pedro Machado, presidente da Entidade de Turismo do Centro.
Até hoje, a única informação disponibilizada na página do movimento sobre um hipotético estudo de opinião consta desta publicação encontrava-se neste link. No entanto, esse link já foi apagado. 
Obviamente, a parca informação constante na referida publicação levantava questões legítimas sobre a sua própria existência. Qualquer pessoa poderia ter feito uma publicação semelhante, sem uma ficha técnica que fundamentasse a existência de um estudo, bem como a sua credibilidade e validade.
O que é certo é que depois de reclamações e pedidos de esclarecimento junto do Diário de Notícias, foi confirmado que o artigo do DN de dia 4 de maio foi indevidamente publicado sem ter sido verificada a existência de uma ficha técnica. Posteriormente, a referida publicação foi apagada pelo movimento de Santana Lopes. O Polígrafo da SIC investigou o caso numa peça muito ilustrativa: “Candidatura de Santana Lopes divulgou sondagens não registadas e depois apagou?”.
A sensação com que ficamos é que há quem tenha uma profunda convicção de que a Figueira é uma aldeia de gente iletrada que se deixa levar por pseudo-sondagens grosseiramente apresentadas.
Pior, quem o fez sabe que pode gozar de alguma impunidade, visto que o movimento de Santana Lopes ainda não foi formalizado e por isso não pode ser levado à barra da justiça por este tipo de práticas indevidas.

Mas para já regista-se a intenção de produção de notícias falsas, que apesar de tudo é um mal maior dos dias que correm.»
Rui Curado da Silva. Para ler o artigo na totalidade, clicar aqui.

Sem comentários: