"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Erosão costeira: quem foi avisando ao longo dos anos, não era "velho do restelo", é amigo...

Foto Márcia Cruz
A erosão costeira a sul, logo a seguir ao quinto molhe (sim, esse famoso e desprezado quinto molhe da Figueira, dos cartazes do "primo"!..), fala por si...
Manuel Luís Pata avisou, em devido tempo, mas ninguém o ouviu...
Entre os muitos atempados e avisados avisos que foi deixando ao longo do tempo, foi este Senhor que no dia 26 de Março de 2007, no “Diário de Coimbra”, pág. 8, na secção Fala o Leitor, escreveu. 
"Foram estes «Molhes» que provocaram a erosão das praias a sul da Figueira, e foi o “Molhe Norte” que originou a sepultura da saudosa “ Praia da Claridade”, a mais bela do país. Embora seja de conhecimento geral, quão nefasto foi a construção de tais molhes teimam em querer acrescentar o “Molhe Norte”, como obra milagrosa… 
Santo Deus! Tanta ingenuidade e tanta teimosia!... Quem defende tal obra, de certo sofre de oftalmia ou tem interesse no negócio das areias!... 
É urgente contratar técnicos credenciados, de preferência Holandeses, para analisarem o precioso projecto elaborado pelo distinto Engenheiro Baldaque da Silva em 1913, do qual consta um Paredão a partir do cabo Mondego em direcção a Sul, a fim de construir um Porto Oceânico junto ao Cabo Mondego e Buarcos. Este Paredão, sim, será a única obra credível, não já para o tal Porto Oceânico mas sim para evitar que as areias vindas do Norte, se depositem na enseada, que depois a sucessiva ondulação arrasta-as e deposita-as na praia da Figueira, barra e rio."
Ah, pois é: ninguém o ouviu e agora temos as consequências...
Enquanto não se tomam tomam medidas de fundo, resta continuar a  ir avivando a memória de quem de direito, sobre o tema mais estruturante do concelho da Figueira da Foz, a nível da gestão territorial:  a erosão costeira.

Sem comentários: