.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Uma imagem do passado da Aldeia

Esta, é uma paisagem de um dos mais bonitos recantos da Aldeia, que desapareceu fisicamente há mais de 30 anos.
Todavia, em muitos de nós, continua certamente na retina.
Somos protagonistas da paisagem, que é sempre uma representação única para cada um de nós. Por isso, este local permanece sublime, na minha imaginação e é terrível, neste momento e na realidade. Continua tranquilo e impressionante, na minha imaginação, mas é  desolador e barulhento, neste momento e na realidade.
Foi um espaço natural e selvagem da Aldeia que desapareceu, para dar lugar a uma mancha urbanizada e a uma estrada.
No princípio da década de 80 do século passado, quando os "quens" de direito concretizaram mais este atentado ambiental na Aldeia, com a honrosa excepção de Manuel Luís Pata, no geral, fomos espectadores em vez de actores, autênticos voyeurs da nossa própria decadência. 
Foi, claramente, o fim de um ciclo na Aldeia. 
O que veio a seguir, trouxe as soluções conhecidas.
Descaratizaram a Aldeia, não resolveram nada, mas continuam a fazer esola e ainda há quem acredite nelas!
Na Aldeia, tal como as aranhas se penduram no primeiro fio que encontram e esperam que o vento as leve de encontro a um outro ponto a partir do qual elaboram a teia, os políticos do poder continuam ao sabor da brisa política que sopra da Figueira, para construir a armadilha que lhes permita continuar a sustentar a gula.
Ainda bem que alguém forografou este recanto perdido da Aldeia.
Serve de pouco, dirão alguns. 
A mim, porém, serve-me de muito: evitou que me perdesse no labirinto que me resta, como consolo para amenizar a minha amargura.

Sem comentários: