.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

terça-feira, 11 de abril de 2017

Erosão costeira na Cova e Gala e na zona a sul do estuário do Mondego e a onda do Cabedelo

Uma delegação parlamentar do PCP esteve esta manhã na Cova e Gala e Cabedelo para ouvir o SOS Cabedelo sobre estes problemas.
Compunham a delegação comunista os deputados Paulo Sá, Manuel Tiago, Carla Cruz e Ana Serrano,que ouviram as queixas de Miguel Figueira e Eurico Gonçalves sobre o modo como a  APA pretende resolver o problema, pois consideram uma solução completamente inaceitável, a construção de um muro na frente do estacionamento da praia do Cabedelo.
Do ponto de vista do SOS Cabedelo é mais do mesmo: a tipologia de intervenção da APA para o Cabedelo repete a receita aplicada em 2015 a sul da Cova - que recentemente foi denunciada na Comissão Parlamentar do Ambiente - reforço da raiz do molhe com obra pesada, incluindo neste caso um muro de betão e ripagem de areias na zona de rebentação para protecção da duna primária que, neste caso, seria feito através da criação de uma nova duna na frente da existente com redução significativa da área útil da praia.
Essa solução é completamente errada como o demonstra o colapso da obra pesada de defesa aderente na raiz do molhe e destruição da duna em Fevereiro de 2017, como a foto abaixo documenta.
O SOS Cabedelo deixou bem expresso que, desta vez, não aceita a ripagem de areia na zona de rebentação, porque atenta contra a primeira defesa da costa: a duna hidráulica. Também não aceita a perda de área útil da praia, porque compromete a viabilidade do uso balnear de uma das praias mais concorridas da região. Finalmente, não aceita qualquer obra pesada que se oponha ao mar, porque frequentemente o prejuízo resultante deste tipo de intervenções é maior do que o seu benefício.
Miguel Figueira e Eurico Gonçalves deixaram bem expresso, "que não é só desta ameaça contra o mar que nos iremos defender. É também da ameaça a princípios básicos do estado de direito, pela forma displicente como a participação da cidadania é tratada. Não podemos aceitar que promovam o debate público que inscreve as mesmas soluções que à porta fechada optam por contrariar. Resistiremos seguros de que irão perder esta contenda. Porque ao mar, ninguém vence!"

Sem comentários: