Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

“Paixão e emoção”, ou falta de formação ?..

“José Eduardo Bettencourt foi claro na hora de assumir a presidência. Com ele, acabava o período da apatia racional e iniciava-se um ciclo novo. Um ciclo onde a paixão e a emoção teriam sempre um lugar especial.
Só assim se percebe a opção por Sá Pinto. Só assim se tornou aceitável a colocação de um elemento com um cadastro repleto por conflitos - mas de garra, raça, paixão, lá está - numa posição-chave na gestão do futebol profissional do Sporting.
Ao escolher Sá Pinto, Bettencourt escolheu um caminho muito perigoso. Escolheu o ardor em detrimento da serenidade; o coração em vez do cérebro; o tumulto no lugar da discrição.
Os mais optimistas clamavam que Sá Pinto era agora um homem diferente. Mais maduro, experiente, conciliador. Esqueceram-se que a essência é imutável. Perante uma situação de choque e provocação, Sá Pinto reagiria da forma que o fez: sem noção da responsabilidade.
O agora ex-dirigente leonino não é o único culpado. Liedson merece uma reprimenda das grandes e Bettencourt ganha com todo este escândalo uma lição gratuita. No futebol de hoje, a paixão não pode preencher e manietar o quotidiano de um clube profissional.”


Notas:

1. Como sportinguista, lamento que o Sporting Clube de Portugal seja uma agremiação sem rumo...

2. Ontem, dentro e fora dos relvados, a bola esteve em grande destaque no País.
Em circunstâncias normais, não ligo a escutas que não estejam em processos já públicos.
Não sei o que me deu, mas acabei de ouvir as que ontem deram que falar.
Estou arrependido.
Mais valia continuar a não ligar a escutas que não estejam em processos já públicos.
Fiquei com conhecimentos sobre a arbitragem, os dirigentes desportivos e até alguns jornalistas portugueses, que preferia continuar a ignorar...

Sem comentários: