Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

domingo, 17 de janeiro de 2010

Haiti

foto sacada daquiLi no Cova d´oiro, este post, com o qual concordo inteiramente.
Eu próprio, no Outra Margem, num post publicado no passado dia 14 do corrente, que titulei, tal como este, apenas com a palavra “Haiti”, não coloquei propositadamente qualquer imagem, limitei-me a transcrever palavras de FERNANDO NOBRE.
A cobertura do terramoto, tal como tudo em televisão nos dias de hoje, virou espectáculo sensacionalista. Que dizer daquelas imagens obscenas que nos entram pela casa dentro e que são repetidas até à exaustão?
Acostumados a esperar lamúrias e lágrimas fáceis de sobreviventes de algumas tragédias que vão acontecendo por aqui, os repórteres, no terreno, e os editores, no estúdio, não têm, quanto a mim, conseguido ver e passar o essencial: os sintomas de estoicismo nos habitantes de um país onde o pior parece ser uma sina.
A tragédia haitiana é tão grande, tão grande que só nos resta respeitar o sofrimento deste povo e homenagear a sua resistência.
Contudo, temos a obrigação de estar atentos e exigir um plano de recuperação do Haiti, que vá muito, mas muito além da caridadezinha e do espectáculo de solidariedade formal.
O calvário haitiano, exige que o resto do mundo faça o que desde o final da Segunda Guerra Mundial nunca mais foi feito: reconstruir um país desde os alicerces.

Sem comentários: