Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Mais valia ter permanecido calado


Foi um Santana Lopes sério e concentrado, sem nunca esboçar um sorriso, que recebeu esta terça-feira à tarde, a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, das mãos do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Conforme li no Delito de Opinião, "o Presidente da República entendeu explicar que ao condecorar Pedro Santana Lopes, se limitou a "cumprir a regra que sempre foi seguida de atribuir as condecorações depois de terminado o exercício das funções de que foram titulares e quando já não exerc[ia]m quaisquer funções políticas de destaque, como as de deputado ou dirigente partidário". Ou seja, Cavaco Silva só agora poderia condecorar o ex-primeiro-ministro uma vez que até Outubro de 2009 Pedro Santana Lopes exercera o cargo de deputado. Estaria assim explicada a razão do seu aparente atraso, tendo em conta que tomara posse como Presidente da República no já distante ano de 2006.

Há, porém, um problema com a 'regra' informal invocada por Cavaco Silva. Como os links aqui apresentados permitem verificar, José Manuel Durão Barroso foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo em Agosto de 1996 (ver p. 253). Ora, nessa altura, Durão Barroso era deputado à Assembleia da República e presidia à Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros (Nov. de 1995 a Nov. de 1996)."

Bem esteve Santana, que no decorrer da cerimónia se limitou a agradecer a honraria e à saída, apesar de os jornalistas o aguardarem, na Sala das Bicas do Palácio de Belém, nem uma palavra ouviram do antigo primeiro-ministro. O Santana Lopes circunspecto que entrou na residência oficial do Presidente da República foi o mesmo que a abandonou, cerca de 20 minutos e uma condecoração depois.

4 comentários:

Luis Ferraz disse...

Será que por qualquer invulgar rebate de consciência reconheceu o imérito da atribuição e por isso não falou?

Zéfoz disse...

"Pedro Santana Lopes tem somado conquistas ao longo da sua vida. Três casamentos e outras tantas relações assumidas.Preencheram o seu coração, segundo o Correio da Manhã de hoje. A sua última paixão é Dina Vieira que conheceu quando foi presidente da C.M. da Figueira."
Isto é o que se sabe, fora o resto que, obviamente, não é da nossa conta....
O que falta é uma condecoração por esta singularidade, a este casanova português, que, aliás nem lhe ficava mal!
Quanto a esta, que lhe foi concedida, estamos conversados...e desiludidos com a forma de fazer política.

Martinha Lacerda disse...

Este homem já foi deputado, deputado europeu, presidente das camaras da figueira e de lisboa (2 vezes), primeiro ministro e presidente do sporting....
será que o homem foi tudo isso por imérito?

Olímpio disse...

Com o Sr Santana Lopes a nosssa especie não corre riscos de extinção,mas é de facto a politica que temos!