sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Errar, é dar uma prova de vida...

Cada vez dou mais importância às pequenas coisas!
Sabia que a Figueira tem quase tudo?
Até tem "uns comentadores de lupanar"!..

Nota de rodapé.
Citando Woody Allen.
"É curioso que se chame de sexo oral uma prática que o que menos se pode fazer é falar." 

No País do faz de conta, fazem-se jornais para quem não gosta de ler!..

Há muito tempo que não lia jornais em papel. 
Esta semana, porém, devido a uma hospitalização, para estar informado, li quase todos. 
A saber: Público, Diário de Notícias, Jornal de Notícias e, até, passei os olhos pelo Correio da Manhã.
Via Aventarfiquei a saber que "Marcelo falou na crise dos jornais como se não soubesse o que se passa."
E a explicação bem podem ser esta, que constatei esta semana.
"Mistério? Não. É que, dado o perfil das pessoas que ainda compram jornais, é natural que os compradores-leitores, sejam quais forem as suas opções políticas, tenham critérios de exigência de qualidade que nenhum – rigorosamente nenhum – jornal português minimamente satisfaz. Os poucos colaboradores de qualidade que ainda por eles andam são cada vez mais insuficientes para legitimar/compensar os desmandos. É que a maioria dos jornais, hoje, pretende dirigir-se a leitores que…não lêem. Nem jornais nem outras letras."

Mesmo um anjinho, como eu, percebe que quem governa o concelho é João Ataíde e que a oposição é uma miséria...

Depois de dois mandatos a ignorar a importância que a autarquia poderia ter na promoção do desenvolvimento concelhio, quem gere a câmara figueirense tem agora um desafio para enfrentar.
Seria interessante que o senhor  presidente da autarquia, em vez de andar a cercear o debate político, com reuniões à porta fechada, por exemplo,  explicasse aos cidadãos figueirenses, como encara o futuro da cidade cujo desenvolvimento lhe cabe promover. 
Que ideias tem, com que recursos conta, o que pretende fazer?
Mas é também tempo para a oposição reflectir: como é possível que uma equipa tão incompetente consiga, oito anos depois de nada ter para apresentar de relevante e estrutural, além da bandeira da dívida, cuja história verdadeira, aliás, há-de um dia ser contada, ganhar as eleições  com uma maioria absolutíssima? 
Os abusos, os almoços, os jantares e a manipulação eleitoral da miséria económica e cultural não dá para explicar tudo.
A oposição perdeu,  porque também não foi suficientemente competente e os partidos devem reflectir sobre se escolheram bem os candidatos, se a forma como funcionam internamente é entendida pelos eleitores, se os seus modelos se adequam aos desejos da população. 
É bom e urgente que o façam, sob pena de dentro de quatro anos voltarem a perder...

Recordando Andreas Ding, um Pastor Evangélico que fez muito pela juventude da Cova e Gala

Para ler melhor clicar na imagem
O pastor Andreas Ding, nasceu em Pforzheim (Alemanha), estudou teologia no seu país natal e foi ordenado no ministério pastoral em 1995 pela Igreja Evangélica Presbiteriana de Portugal (IEPP), onde exerceu funções até 2008. 
O Pastor Andreas Ding dirigiu a comunidade da Igreja Evangélica Figueirense durante 12 anos. 
Fez parte da Direcção do Centro Social da Cova e Gala, no princípio do século XXI, onde o conheci e fui seu colega de duas Direcções que tinham o Pastor João Neto como Presidente. 
A partir de 2008, juntou-se à Fliedner Foundation como capelão da escola, mas em agosto de 2009, entrou numa comunidade monástica luterana chamada Christusbrudershaft (Irmandade de Cristo), onde serviu até ao dia da sua morte, que ocorreu em 16 de Agosto de 2014. 
Era um Homem de uma cultura enorme, mas também de acção, como o demonstra este "Projecto Esperança", de que foi o principal obreiro.