Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

sábado, 27 de novembro de 2021

A arte e a realidade da nossa vida


Na minha opinião, "Barco Negro" é uma das mais belas musicas feitas em português. 
Já foi cantada por diversos. A começar pela Amália Rodrigues. Porém, gosto especialmente desta interpretação da Mariza.
O poema de David Mourão Ferreira, feito em 1954 (ano em que eu nasci), para uma música de Caco Velho, já existente, fala de um pescador que foi para o mar no seu barco negro e não voltou. Contudo, a mulher que o ama recusa acreditar que o pescador tivesse morrido.
O poema incia-se em retrospectiva, na praia.
"De manhã temendo que me achasses feia,
acordei tremendo deitada na areia,
mas logo os teus olhos disseram que não
e o sol penetrou no meu coração."
E prossegue:  "vi depois numa rocha uma cruz...".
A cruz é um prenúncio de morte. O pescador não voltou, mas a mulher que o ama pensa vê-lo no reflexo cegante do sol no mar. E recusa-se a acreditar na evidência que apontam as viúvas da praia...
"Eu sei, meu amor,
que nem chegaste a partir,
pois tudo em meu redor
me diz que estás sempre comigo."
A mulher sabe que o homem que ama não voltará, mas diz a si mesma que tudo está igual porque ele está com ela. Como sempre esteve.
Para mim, "O barco negro" é uma tocante e bela obra musical sobre uma realidade: o modo meio louco como o amor entre duas pessoas pode permanecer, quando uma delas se vai embora. 
Transpondo para a vivência de uma Aldeia de pescadores, fala sobre uma peixeira que perdeu o pescador. Que pode ser a história de vida da minha Mãe, uma peixeira que perdeu, ainda nova,  o seu amor desde a escola primária, mas nunca perdeu o amor pelo único homem da sua vida: o meu Pai.

Sem comentários: