Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

"Uma data querida da direita"



Sejamos claros: em 2021, 46 anos depois, vivemos um dia triste. 
Há precisamente 46 anos, tinha eu 21 anos de idade, terminava o sonho de uma geração que acreditava num mundo melhor.
Há 46 anos a democracia sofreu em Portugal uma derrota histórica.
Os efeitos, mesmo para os que dizem apoiar o 25 de Novembro de 1975, nunca deixaram de ser evidenciados pelas governações que se seguiram até hoje, incluindo a "geringonça".
Tem sido um processo lento. Porém, cadad mais visível em toda sua dimensão.

Nesta derrota, como em qualquer outra, seja ela de que natureza for, nunca se pode acusar o inimigo de ser o responsável pela nossa derrota. A responsabilidade foi nossa. De quem na euforia de vitórias pouco estáveis actuou sectariamente, com triunfalismo despropositado e sem capacidade para consolidar alianças que, num espírito de compromisso, garantissem a vitória.
A História, sem deturpações, é conhecida. A partir do momento em que o genuíno MFA se fraccionou, depois de já terem sido politicamente eliminados os elementos espúrios que por oportunismo político tinham alinhado no 25 de Abril, ficou selada a derrota. Tudo começa e acaba ai.

Importa também dizer que nem todos, embora fossem poucos, os que estavam com o 25 de Novembro de 1975 concordaram, posteriormente, com os seus desenvolvimentos.
A direita fez o seu papel:  adaptou a sua estratégia à exigência histórica do momento.
Outros há, - e são muitíssimos-, que tendo estado do lado das forças derrotadas, hoje as renegam, fazendo crer aos vindouros que sempre estiveram do “lado certo” da História. 
Para quem gosta de ler, clicar aqui..

Sem comentários: