.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

José Afonso: não há muitos, mas há Homens assim

José Afonso:  "um homem livre e insubmisso"
Falecido há 30 anos, pagou "o preço das opções que fez nas condições materiais em que viveu, e foi, até ao fim, um homem livre e insubmisso" - palavras de José Jorge Letria, que com ele conviveu.
Poeta, dramaturgo e actual presidente da Sociedade Portuguesa de Autores, José Jorge Letria faz estas afirmações no livro "Zeca Afonso. O que faz falta. Uma memória plural", que é hoje colocado à venda.
A obra divide-se em duas partes essenciais. Na primeira, José Jorge Letria, que partilhou palcos com José Afonso, traça o perfil e a carreira do autor de "Grândola, Vila Morena". A segunda parte é constituída por 22 testemunhos de personalidades como António Almeida Santos (1926-2016), Carlos do Carmo, Francisco Fanhais, José Tengarrinha, Pedro Abrunhosa ou Vitorino, que conhecerem ou acompanharam o músico português.
Para Letria, o autor de "Os Índios da Meia-Praia" é "uma personalidade complexa e fascinante que, num tempo não esvaziado de memória, é urgente reencontrar, também no plano da afetividade e dos exemplares valores da cidadania".
"Neste tempo de desertificação da memória, falar de José Afonso é falar dos valores que a voragem do tempo e o jogo dos pequenos e grandes interesses não pode fazer prescrever", advoga Letria.
O ensaio de José Jorge Letria sobre José Afonso (1929-1987), que constituiu a primeira parte da obra, intitula-se "A errância criadora: Breve viagem por uma Vida". Neste texto, José Jorge Letria traça o percurso do «cantautor», que "simboliza e sintetiza o profundo processo de rutura e inovação que marca definitivamente a música portuguesa, a partir da década de sessenta [do século XX], introduzindo nela a qualidade poética, a imaginação, melódica, o engenho interpretativo e o compromisso cívico".
Sobre a intervenção política de José Afonso - de seu nome completo José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos -, Letria realça a sua "generosidade como ser humano", "a sua recusa de qualquer forma de paternalismo ou de qualquer compromisso que pudesse hipotecar a sua liberdade de ação e de opinião".
De "uma infância andarilha" às suas "errâncias como «bicho-cantor»", José Afonso "reivindicou para si muito mais o estatuto de agitador e de combatente cívico, do que propriamente o de cantor".
José Jorge Letria refere que José Afonso nunca seguiu qualquer ritual cénico ou "qualquer estratégia de programação discográfica", rejeitando "qualquer forma de mercantilismo ou de cedência comercial".
"Sempre andarilho", o cantor e compositor, "nunca chegou a filiar-se no PCP, não obstante ter sido durante anos, antes de [25 de] Abril [de 1974] um verdadeiro «compangon de route»".
José Afonso deu-se a conhecer em 1953, quando gravou os primeiros discos, em 78 rotações no Emissor Regional de Coimbra da ex-Emissora Nacional.
Para o autor, José Afonso faz uma rutura com o fado de Coimbra, que começou por gravar, por considerar que este e "a sua ritualização faziam parte desse mundo praxista com o qual não se identificava e que, no seu entender, perpetuava a apatia da universidade e da intelectualidade portuguesa em relação à ditadura".
Esta rutura deu-se nos inícios da década de 1960, quando gravou o EP "Balada de Outono" para a discográfica Rapsódia e onde em temas como "Vira de Coimbra" e "Amor de Estudante" revelava já, na forma, "o compromisso com o canto tradicional de Coimbra".
Mais tarde, com a sua ida para Moçambique, notar-se-ia a referência africana na sua obra musical.
É após o regresso, que José Afonso se assumiria como "a voz da mudança" e iniciaria uma relação com a etiqueta discográfica Orfeu, "responsável pela edição de mais de metade da sua obra discográfica", incluindo álbuns como "Cantigas do Maio", "Venham mais Cinco" ou "Cantares do Andarilho".
O ensaio sobre o percurso de José Afonso inclui ainda a transcrição de cartas e notas do criador de "O que faz falta" e "Coro dos tribunais", e refere-se ao período após a Revolução dos Cravos como o da "militância e utopia", prosseguindo até à derradeira etapa da vida do compositor.
"A doença foi mais forte que a repressão", escreve Letria sobre aquele que considera "o distraído mais atento e lúcido" que conheceu.

Sem comentários: