.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Gonçalo Cadilhe 2009!.. Gonçalo Cadilhe 2013!.. Gonçalo Cadilhe 2015!..

“FIGUEIRA DA FOZ, PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE: era o que a nossa cidade seria hoje, se se tivesse mantido como a vemos nesta foto dos anos 50. Pobres de nós, que deixámos que as últimas três décadas a tornassem na banalização urbanística actual, igual a tantas outras cidades do mundo inteiro..."
Gonçalo Cadilhe, hoje, no facebook...

Em tempo.
Dele, Gonçalo Cadilhe, dizem, que percorre o mundo com a mochila às costas e conta o que vive através de livros e crónicas.
Dele, dizem, que quando os jovens viajantes portugueses partirem à conquista do mundo, já ele levará uma vantagem considerável.
Dele, dizem, que vai continuar a coleccionar quilómetros pelo globo.
Dele, dizem, que apesar da imensidão do planeta e das longas ausências do país, continua a manter a sua relação afectiva à Figueira da Foz, que é tudo menos superficial.
Dele, dizem, que olha há 30 e tal anos para a Figueira da Foz com olhos de ver.
Dele, dizem, que o que tem visto ao longo das últimas três décadas, não é, de todo, agradável: “desde que começou a ser observada pelo seu olhar, a Figueira não tem evoluído, a nível urbanístico”.

Em 2009, em novembro, na opinião de Gonçalo Cadilhe, a Praia da Claridade “perdeu uma boa oportunidade de ser a Biarritz ibérica, falando em termos turísticos”.
Contudo, a zona ribeirinha continuava a encher o seu olhar, como uma paisagem que gosta de ver. Mas o resto do conjunto, faz da Figueira “uma cidade tão feia como qualquer outra cidade feia do mundo”.

Em 2009, Gonçalo Cadilhe deu  "total apoio"  a Duarte Silva.
Todavia, em 2013 Gonçalo viu algo em João Ataíde (o candidato contra quem ele apoiou “totalmente” Duarte Silva em 2009!..) e por isso aceitou mandatar a sua candidatura. 
Hoje, no facebook, Gonçalo Cadilhe, escreveu o que pode ser lido a abrir esta postagem.
Surfista amador, viajante profissional e escritor da moda, ele costuma voltar de quatro em quatro anos à sua terra natal, para surfar a sua onda e, naturalmente, apoiar o seu candidato.
Às vezes, fico com a sensação que andar tanto a pé tem as suas desvantagens...

1 comentário:

Anónimo disse...

Nem era preciso que se tivesse mantido como a vemos nesta foto bastava que não a tivessem estragado tanto.