segunda-feira, 9 de março de 2015

Feitos ao bife...



Depois de Santana Lopes, também Marcelo Rebelo de Sousa, de cuja biografia se esperaria mais, não resistiu à leveza dos tempos: também se revê no perfil presidencial traçado por Cavaco.
Se Cavaco Silva "banalizou" o cargo no qual foi empossado há nove anos, começam agora a saltar alguns dos brincalhões que aspiram a ele!..
Como se diz na Aldeia: «estamos feitos ao bife»...  

Jotinhas, que o mesmo é dizer "aviário de políticos"...

Um dia destes, o ex-jotinha Nuno Gonçalves que foi vice-presidente da Distrital da JS, quando o deputado e vereador figueirense João Portugal liderava esta estrutura socialista, substituiu Anabela Gaspar na administração executiva da Figueira Domus.
Não é só na Figueira que existem aviários de candidatos a "tachos" e a  políticos. Portugal, todo ele, incluindo as ilhas adjacentes, é um enorme aviário de candidatos a "tachos" e a políticos. Vasco Pulido Valente, na passada sexta-feira, publicou esta oportuna e actual prosa.

«Como ele, houve centenas de pessoas que, por causa de uma educação perversa nas “juventudes partidárias”, entraram na meia-idade (os 35 anos de que fala Dante) sem um passado profissional e com uma visão do mundo distorcida pela incessante intriga a que se reduzia a actividade interna do PS e do PSD e em que participavam de pleno 
direito e, às vezes, como personagens maiores. Pior ainda, esta espécie de currículo dava uma certa autoridade a gente a quem faltava qualquer outra. Não vale a pena falar de António José Seguro. Mas basta lembrar que António Costa proclama por aí com orgulho que se inscreveu no PS aos 14 anos, para se perceber a natureza da aberração que os partidos promovem, julgando manifestar a sua perenidade e a sua força. Como se a perenidade e a força consistissem em enganar inocentes, abaixo da idade do consentimento político. A condição dos membros das várias “juventudes” dos partidos (que vão até aos 30 anos) acaba por ser uma condição de relativa irresponsabilidade, sobretudo para aqueles que exercem cargos no “aparelho”. Os deveres para com a sociedade e o Estado são obscurecidos pelas pequenas lutas domésticas pelo poder e pela grande questão de saber se a seita consegue ou não ocupar o governo e o Estado – fonte de favores,
recompensas, influência e dinheiro. Este mundo fechado sobre si próprio não se importa muito com o mundo exterior e não exige um comportamento cívico exemplar. Pelo contrário, tolera uma imensa quantidade de “erros”, por assim dizer, em nome do interesse superior da facção. Do incidente fiscal de Pedro Passos Coelho só uma coisa se deve concluir: as “juventudes partidárias” precisam de ser abolidas, como primeiro acto para a regeneração do regime. Os jovens que se inscrevam onde quiserem na idade de votar e que sejam tratados como o militante comum. Que os partidos não sirvam mais de educadores da “classe política” e aviário de ministros. Basta o que basta.»

Cada vez admiro mais o Carlos do Carmo...

Joana Castelão e João Costa.

A recordação pelas brumas da memória da "boa e má moeda"...

«Nos tempos que correm, os interesses de Portugal no plano externo só podem ser eficazmente defendidos por um Presidente da República que tenha alguma experiência no domínio da política externa e uma formação, capacidade e disponibilidade para analisar e acompanhar os dossiers relevantes para o País». 
A frase, de Cavaco, que pode bem vir a ficar para a História como o "Presidente do Silêncio", consta do prefácio escrito na IX edição dos "Roteiros" de Belém, publicado hoje pela Presidência da República. 
Santana Lopes, que acha que encaixa no modelo de PR defendido por Cavaco já veio apressar-se a vir à colação, dizendo que cumpre os requisitos do perfil. 
A memória é curta. Vejamos: é de uma arrogância extrema um Presidente ainda em funções dar-se ao luxo moral de traçar um perfil para o seu sucessor;  é imprudente, Santana, para surfar a onda, esquecer-se rapidamente da "boa e má moeda", em que ele próprio foi o destinatário, num artigo de Novembro 2004 no Expresso escrito por Cavaco Silva, então professor.
Recorde-se: em 2006, dois anos depois depois da queda do seu governo, o ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes chegou a atribui-la  a “uma conjugação objectiva de interesses de diferentes origens partidárias” e considerou que Cavaco Silva “foi um protagonista importante” neste período político.

"... QUATRO ADMINISTRAÇÕES DIFERENTES DESDE QUE ATAÍDE É PRESIDENTE DA CÂMARA (CINCO ANOS)"! (...às vezes é difícil acreditar na realidade figueirense...)


Mais uma ironia do nosso destino: fim da cláusula do IMI traz aumentos de 500%

Os proprietários vão começar a receber nos próximos dias as notificações para pagarem o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). E, desta vez, não vão poder contar com a cláusula de salvaguarda. Em média, a factura a pagar em 2015 será entre 35% e 40% mais cara. Mas, em alguns casos, os aumentos vão chegar até aos 500%. 
E é para pagar já em abril.
«Depois da reavaliação dos imóveis, o agravamento médio do IMI deveria rondar 350% a 400%, mas a cláusula de salvaguarda ajudou a diluir estes aumentos. Agora, prevê-se uma subida média na ordem dos 35% a 40%», afirmou ao "Dinheiro Vivo" Domingues de Azevedo, bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas.
Quer dizer: o aumento do IMI vai onerar ainda mais um orçamento familiar, reduzido pelos sucessivos cortes e taxas e impostos e o desemprego e, por consequência, vai  desincentivar a compra de casa própria.
Reparem a ironia: neste momento em Portugal, para muito proprietário, o sentimento de propriedade começa a ser pernicioso, penoso e, sobretudo, difícil de suportar...
E vivemos nós numa sociedade que se quer subserviente e respeitadora do património individual, dos valores e das hierarquias - no fundo, uma sociedade ultra liberal governada por uma direita ultra defensora da propriedade privada!..
Alguém entende a política promovida por estes fulanos do governo?..