"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

domingo, 29 de novembro de 2020

Só há uma solução: mudar de vida

O Porto Comercial da Figueira da Foz e as nomeações políticas...
Li, na edição de ontem do Diário as Beiras, uma crónica de Ana Oliveira, que toca em algo que explica muito da estagnação que se vive na Figueira e no País.  Passo a citar.
"Nas atuais chefias, não existe nenhum elemento figueirense ou com ligações à Figueira, o que não nos favorece, é um facto! Mas não nos podemos esquecer que, o nosso Presidente da Câmara é detentor do cargo de presidente da assembleia geral da Administração Portuária da Figueira da Foz. E também não podemos ignorar a circunstância de todos estes cargos serem de nomeação política e o partido que lidera o país é o mesmo que comanda o concelho. Por isso é tão responsável pelo desinvestimento, a atual administração, como é o governo de António Costa e o executivo socialista camarário. 
Ao analisar bem a questão, está tudo errado! Se acho, por um lado, que mais do que uma representatividade figueirense, beneficiávamos muito mais com a autonomia da administração do porto comercial da Figueira da Foz em relação a Aveiro. Por outro lado, discordo com os critérios de nomeação de natureza política. No meu ponto de vista, os regras base de seleção dos elementos da administração deveriam ser a formação e aptidões especificas nas áreas ligadas ao mar, pescas e portos. O que torna a questão da representatividade irrelevante. Competência gera desenvolvimento, ou estarei errada?"

Há gente estudiosa, trabalhadora e competente, fora dos partidos políticos.
Contudo, continuar a não premiar a competência e o estudo, na vida real, é dar sinais errados ao Povo e à sociedade em geral. 
Premiar a partidarite, o seguidismo, o chico-espertismo, o desenrascanço, o lambe-botismo, o arranjinho, o "grupinho", é mais do mesmo.
Aliás, tudo coisas bem enraízadas também cá na aldeia e que temos de banir o mais rapidamente possível. 
Se não se mudar de vida, continuaremos como até aqui: a marcar passo.
Não podemos continuar assim: quando muda o Governo, mudam os dirigentes na administração do Estado. 
Quando alterna um partido, os da situação antiga são substituídos pelos da nova. No ciclo seguinte acontecia o mesmo, e assim sucessivamente. 
Esta é a imagem de Portugal desde os anos 80. Mas é também o velho retrato do país do século XIX, durante a monarquia liberal: bastava uma mudança de partido no Terreiro do Paço e alterava-se o perfil da administração e do funcionalismo de cima até abaixo: até carteiros e professores eram substituídos.
Na Figueira, basta atentar no número de funcionários camarários. A maior parte deles por fidelidades partidárias.

Sem comentários: