.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

O meu voto está garantido: no (pica) "sete"...

Teotónio Cavaco, hoje na sua crónica habitual no jornal AS BEIRAS.
"No que diz respeito ao ciclo eleitoral, em muitos concelhos já passou um pouco mais de sete anos desde que as respectivas equipas vencedoras iniciaram mandato, faltando um pouco mais de sete meses até serem sufragadas de novo – é o caso da Figueira. Há sete anos, foi prometido uma Aldeia do Mar (com esplanadas, comércio e um Hotel, entre outras), isenção de taxas e licenças e a redução do IMI, um Corredor Verde, o PDM, o coreto no Jardim, o Mundialito de Futebol, o Mundial de surf, uma Rede Integrada de Transportes, rastreios gratuitos no 1.º ciclo de Oftalmologia e Dentista… tudo anunciado em sete cartazes, nada disto efetivamente concretizado. E agora que faltam pouco mais de sete – meses… – para o sufrágio, promete-se a finalização da requalificação(zita) da praia, a iluminação da praia para o surf noturno, a intervenção na Piscina-praia, o PEDU(zinho). Somos convidados a perdoar setenta vezes sete, mas dizem os entendidos nestas coisas que o sete, justamente por representar o fim de um ciclo e o começo de um novo, traz a ansiedade pelo desconhecido, e portanto, a renovação… Voto em eleições a cada sete meses!…"

Lido isto, não é difícil imaginarmos o jardim municipal, com  música  vinda do coreto nos dias de festa. O coreto, evidentemente rodeado de gente ávida de a ouvir. 
Noutros tempos, isto é, noutra Figueira, era assim, com simplicidade, que a música chegava ao Povo. 
E hoje? 
Hoje, há concertos no CAE para elites...
E foi assim que a Câmara se foi demitindo de mais uma das suas funções culturais.
Para que não se perca tudo, deixo-vos com António Zambujo...

Sem comentários: