.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Desertificação do interior, terá consequências nefastas para todos...

Recuemos a Janeiro de 2014.
"Eucaliptos dominam pedidos ao abrigo da nova lei de arborização"...
Querem saber o que isto quer significar?.. Continuem a ler...
“As chamas vão continuar a consumir hectares de floresta; o combate às chamas vai continuar a sair do bolso dos contribuintes, para gáudio dos combatentes privados e luto dos combatentes públicos; o combate à desertificação do território, num futuro próximo, também vai sair do bolso do suspeito do costume – o contribuinte; as vidas humanas e a miséria do dia seguinte ficam a cargo dos mesmos de sempre – os que já pagam o combate às chamas e vão pagar a guerra contra a desertificação do território; a biodiversidade fica por conta dos contribuintes das gerações futuras [onde é que eu já ouvi isto?]; as televisões vão ganhar shares de audiência, assim que mudarmos para a hora de Verão, com directos do local do crime e bate-papos da treta com especialistas da tanga; o lucro, esse, já se sabe para quem fica, porque o crime compensa e está consagrado em papel de Lei e tudo. É toda uma indústria à roda do património natural, comum a milhões para benefício de algumas dezenas.”

Avancemos 3 anos. Janeiro de 2017.
"O Governo vai disponibilizar mais de 18 milhões de euros para melhorar a produtividade na plantação de eucalipto", afirmou o primeiro-ministro, António Costa.
“O grande desafio que temos pela frente é a melhoria da produtividade na plantação do eucalipto. A produtividade média que temos por hectare é baixíssima e temos condições de a melhorar significativamente”, afirmou António Costa, na Figueira da Foz, durante a sessão de assinatura de contratos de investimento de 125 milhões de euros com o grupo Altri.  


O loby do eucalipto vai percorrendo o seu caminho
Tudo tem de ser repensado. A sociedade do desperdício não tem sustentabilidade. Criam-se necessidades de forma artificial, a fim de se conseguirem escoar produtos que já tiveram mais procura. Tudo poderia mudar se reparássemos com um pouquinho de olhar crítico para este sistema que não serve a esmagadora maioria da humanidade. 

Sem comentários: