.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

A história e a memória deveriam ser abrangentes...

Na opinião de Teotónio Cavaco, "Mário Soares foi um dos principais construtores do Portugal contemporâneo." E, citando João Miguel Tavares, na sua habitual crónica das segundas no jornal AS BEIRAS, "pergunta por que foi tão pouca gente ao seu funeral, apesar das honras, do luto, dos altos dignitários, da cerimónia; e da overdose informativa e da conjugação político-partidária que nos governa, quer a nível nacional quer a nível local, acrescentarei eu. E quando ainda temos na memória os funerais de Eusébio e de Amália, e o feriado «decretado” pelo Éder quando os campeões europeus chegaram a Portugal»..."
Já que Teotónio Cavaco referiu os funerais de Eusébio e Amália, aproveito para recuar ao dia 13 de Junho de 2004, altura em que desapareceu um mito do século XX português: Álvaro Cunhal.
Afastado da liderança do PCP desde 1992 – 12 anos antes – o choque perante a sua morte não foi exclusivo dos comunistas. 
Uma multidão oriunda de todo o país – militantes do partido e simpatizantes, gente sem filiação partidária, membros de outras forças políticas, operários, empregados, estudantes, intelectuais – participou naquela que foi a maior cerimónia fúnebre alguma vez realizada em Portugal. Na altura, o “Diário de Notícias” falou em mais de 250 mil pessoas presentes. 
Eu posso garantir que foi impressionante, pois estive lá a prestar a minha homenagem anónima e a agradecer o papel de Cunhal na resistência antifascista pela liberdade e a democracia, antes do 25 de Abril d e 1974, e nas transformações revolucionárias de Abril e em sua defesa por uma sociedade livre da exploração e da opressão, a sociedade socialista
E, no entanto, Cunhal era tudo menos uma personagem consensual – os anos de 1975 e o domínio do PCP sobre várias áreas da sociedade tinham causado choques sociais – mas, ao contrário do que o PCP pediu na altura - a melhor homenagem que poderia ser prestada ao antigo secretário-geral era “prosseguir a luta que travou até aos últimos dias de vida pelos interesses e direitos dos trabalhadores” -, o povo quis sair à rua e o seu funeral foi uma das manifestações de luto mais impressionantes da memória recente. A maior a que assisti.
Woody Allen achava que «parecia que o mundo se divide entre pessoas boas e pessoas más. As boas dormem melhor. As más gozam muito mais durante as horas em que estão acordadas.»
Voltando a Teotónio Cavaco: "quando ainda temos na memória os funerais de Eusébio e de Amália, e o feriado “decretado” pelo Éder quando os campeões europeus chegaram a Portugal... É verdade que a nossa democracia é incapaz de produzir os seus próprios heróis políticos? Acredito que tal tem a ver, sobretudo, primeiro com um deficit de ensino da História, em geral, e da de Portugal, em particular – a grande maioria dos jovens em idade escolar deixa de ter a disciplina de História no 9.º ano (aos 14 anos!). Depois, e em resultado daquela, a absoluta ignorância, sobranceria, desfaçatez e impunidade com que se (des)trata (nas redes sociais e não só) as pessoas, só por que tiveram a ousadia e a coragem de se apresentarem ao sufrágio (nacional e local), afastando-se assim muitas vezes os mais capazes mas que não querem/não conseguem resistir a tal martírio pessoal e familiar. Temos heróis? Temos! Conheçamo-los e reconheçamo-los, pela História."
Contudo, a meu ver, a História e a memória também não deveriam ser selectivas... Mas isso tem a ver com o sectarismo. Que existe, na sociedade portuguesa - à esquerda e à direita.

Sem comentários: