.

#FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA.#FIQUE EM CASA.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Salazar morreu como um privilegiado...

De Salazar, que morreu há quase 45 anos, em 27 de julho de 1970, ficou a imagem do todo poderoso Presidente do Conselho que esteve no poder 40 anos.
Ditador, patriota, fascista, conservador, nacionalista, autoritário, frio, cerceador da liberdade, salvador da Pátria, saneador das finanças públicas, provinciano, quase asceta e exemplo de honestidade e probidade - de António de Oliveira Salazar tudo se disse e o seu contrário, conforme as tendências da moda e as simpatias políticas de quem o qualifica. 
3 de Agosto de 1968, foi a data em que ao todo poderoso Presidente do Conselho, quando gozava um período de férias, no forte de Santo António do Estoril, o inesperado aconteceu. 
Não se saberá nunca se foi por descuido, desequilíbrio - ou por mera debilidade da cadeira de lona. 
O que é certo é que bateu violentamente com a cabeça no chão de pedra. Nunca mais recuperou. 
Morreu dois anos depois. 
O regime ainda lhe sobreviveu mais quatro anos
Até à morte, que aconteceu a 27 de Julho de 1970, ficou na tesura.
Daí, sobrou o mito de que morreu pobrezinho.
Mas a estória tem andado mal contada.
Não terá sido bem assim...
Leiam a crónica de Rui Curado da Silva, publicada no jornal AS BEIRAS, e ficam a perceber porquê.

1 comentário:

Rui Monteiro disse...

Interessante abordagem.