.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sábado, 25 de abril de 2015

A olhar para o 25 de Abril. Sem esquecer o 24...

foto de António Agostinho
Pelo estudo e a experiência ficamos a saber que nunca as revoluções são o que parecem e nem aconteceram como mais tarde as contam.
Portanto, também com a Revolução dos Cravos, quando esse tempo chegar, assim acontecerá.
Para mim, que vivi o 25 de Abril de 1974 com 20 anos, o património cívico e simbólico do 25 de Abril está em processo de delapidação continua e continuada há muitos anos.
Os responsáveis, foram os partidos que passaram pelo poder desde o 25 de Novembro de 1975.
Passados 40 anos, desaguámos numa espécie de consensualização do 25 de Abril - que foi o que acabou por acontecer com o 5 de Outubro, que continua a ser comemorado, mas que foi completamente secundarizado.
O PS diz que gosta de comemorar o 25 de Abril... Mas, ao longo destes últimos 40 anos, quando esteve no poder, cometeu enormes perversões ao seu verdadeiro espírito.
Por via disso, perdermos um conjunto de direitos e de conquistas, que as lutas que desembocaram no 25 de Abril de 1974 nos trouxeram.
Neste momento, por exemplo, vivo numa cidade onde um executivo PS me proíbe o acesso a uma reunião camarária, das duas que realiza por mês.
Portanto, continua a ser necessário gritar: VIVA O 25 DE ABRIL, SEMPRE!
E não esquecer o 24...
Nesse tempo - lembro-me bem... - não se podia escrever em Liberdade...
Nesse tempo - tinha eu 20 anos e por isso lembro-me bem - o serviço militar e a guerra faziam parte do horizonte imediato para início de vida dos jovens, que o deixavam de ser a partir dessa idade.
Nesse tempo - lembro-me bem - adivinhei que um Regime Político estava condenado quando o Estado perde capacidade de encontrar salvação para o País que serve.
Neste momento, é o que sinto que está a acontecer à democracia partidária desta segunda República, dominada pelo rotativismo partidário de um bloco central de interesses - que é o regime que sobrou do verdadeiro 25 de Abril, após o 25 de Novembro de 1975.
Não sei muito da matéria, mas tenho a sensação de que estamos a assistir à repetição da história da primeira República que desembocou no 28 de Maio.
Espero estar enganado...  

Sem comentários: