"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

terça-feira, 29 de outubro de 2013

A Assembleia Geral da Naval realizada ontem

A Assembleia Geral da Naval convocada essencialmente para aprovação do Relatório e Contas de 2013, realizou-se  ontem, como estava previsto, contudo, as contas não apareceram.
Falta de informação e passagem de dados contabilísticos pelos anteriores contabilistas aos actuais não permitiram a elaboração do Relatório e Contas,.
Por outro lado o aparecimento (uma hora antes do inicio da Assembleia) de uma notificação de uma acção de pedido de insolvência acabou por fazer surgir uma nova proposta.
Nuno Cardoso, antigo diretor desportivo da Naval 1.º de Maio e da Naval SAD, pediu a insolvência da associação. A novidade foi anunciada, na assembleia- geral  do clube, primeiro pelo contabilista e depois pelo próprio, que participava na reunião na qualidade de sócio.
A notificação chegou uma hora antes da AG, que começou às 19H30. O antigo director reclama salários em atraso e o pagamento de despesas do clube pagas pelo próprio, cujo valor não revelou.
Segundo se pode ler na edição de hoje do jornal AS BEIRAS, vários sócios solicitaram à mesa que fosse divulgado o nome do credor que pedira a insolvência e Nuno Cardoso tomou a iniciativa de assumir a sua autoria.
Nuno Cardoso afirmou que o presidente da comissão administrativa da Naval, Aprígio dos Santos, não quis negociar o pagamento das dívidas em causa, recusando-se a recebê-lo para discutirem o assunto.
Ao que o antigo diretor disse ainda, o dirigente só conversou com ele depois de saber que o tribunal lhe dera razão. Recorde-se que Nuno Cardoso trabalhou no coletivo da Figueira da Foz entre 2007 e 2010.
A Mesa propôs à Assembleia que fosse votada a permissão para que a actual Comissão Directiva “possa se assim o entender” avançar para um Pedido Especial de Revitalização (PER)
Esta proposta trouxe alguma discussão, já que um grupo de sócios entendia ser prematuro avançar para o PER sem conhecimento exacto da situação financeira do clube, outro entendia que o PER poderia ser a salvação do clube.
A proposta da mesa foi aprovada com 16 votos a favor, seis contra e nove abstenções.
Outro assunto que suscitou alguma discussão teve a ver com o seguinte: “desconhecimento da Comissão Directiva se o Génova liquidou (ou não) uma prestação de 260 mil euros mediante um acordo de pagamento que deveria ter ocorrido no dia 30 de Setembro.
Este assunto refere-se ainda à transferência de Diego Ângelo da Naval para o Génova em que o clube italiano foi condenado a indemnizar a Naval 1º de maio em 560 mil euros em duas tranches de 280 mil euros uma a pagar em 30 de Setembro e outra a pagar em 2 de Dezembro.”
Neste sentido foi aprovada uma proposta para que a Comissão Directiva da Naval peça informação ao TAS (Tribunal da FIFA) através da F P F para se saber se a verba em causa foi liquidada.
Na Assembleia Geral de ontem, foi aprovado ainda um voto de reconhecimento à Camara Municipal pelas obras de Requalificação do Campo de Treinos e um voto de pesar pelos falecimentos de António Cavaco e Rui Alves.     

Nota:
Texto escrito a partir de dados recolhidos no blogue Marcha do Vapor e jornal AS BEIRAS
Fotos sacadas ao Marcha do Vapor.

1 comentário:

MANUEL PEDRO disse...

Nuno Cardoso, antigo diretor desportivo da Naval 1.º de Maio e da Naval SAD?
Ó rogerio explique me lá que eu não estou a entender :
ele era empregado da sade ou da assossiação Naval 1º de Maio?A insolvÊncia de quÊ? da Naval 1º de maio ou da Naval sad?
Depois a assemembleia foi da assossiação Naval 1º de Maio ou da Naval sad? o diego angelo era empregado da assossiação ou da Naval sad? parece me que está aí uma grande confusão um abraço.