Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Pior que isto ainda é possível?...

Triste, deprimente, muto triste mesmo:  humilhá-nos, pusemos os pés pelas mãos, mentimos e rastejamos...
Tudo em vão.
Ainda mais triste é termos de dar a mão à palmatória e verificar que o  homem tem razão
Quem é que pode confiar nesta gente? 
Se nem "em casa" são confiáveis, como é que podem ser lá fora? Se nada acontecer entretanto, a partir de 1 de Janeiro de 2014 o país, de uma forma geral e salvo os do costume, vai regredir aos níveis de rendimento pessoal auferidos por alturas do final do século passado ou mesmo antes. Não porque toda a sociedade portuguesa trabalhe em funções públicas, mas porque o "exemplo" do Estado costuma ser seguido (sobretudo quando é "para baixo") pelo sector privado.
Como escreve hoje o Pedro Santos Guerreiro, «o Governo enunciou um novo ciclo e criou a expectativa de menos austeridade. Mas quando abrirem o Orçamento do Estado, os portugueses terão a sensação de Álvaro de Campos na "Tabacaria": "Fui até ao campo com grandes propósitos. Mas lá encontrei só ervas e árvores, E quando havia gente era igual à outra." A austeridade é igual à outra. Ou pior.»

Sem comentários: