terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Passos tirou um coelho da cartola...

Passos, para sobreviver, sabe que necessita, como nunca, de se robustecer.
2017, vai ser um ano decisivo para a sua liderança.
A oposição que tem feito à "geringonça", tem sido fraquinha e pouco assertiva – tirando, em parte, a sua acção no processo da CGD. 
Ao ir contra o que defendeu no passado, Passos, como político, desperdiça  um dos activos que qualquer candidato a 1º. primeiro-ministro não pode perder - a responsabilidade.
Contudo, para quem seguiu o debate com António Costa, esta tarde, deu conta que, por outro lado, conseguiu causar danos na "geringonça".
Eu, por exemplo, dei conta que Passos  tornou visíveis as debilidades que a solução encontrada por António Costa para governar tem. 
Se isso é suficiente para o relegitimar dentro do partido, não sei, mas não me custa admitir que possa ter recuperado terreno e ganho alguns pontos. 
Talvez por isso tenha incomodado alguns sociais-democratas - nomeadamente o actual guru do comentário político "independente", de seu nome Marques Mendes - que se mostraram violentamente indignados com a atitude do líder.
Julgavam-no pronto para crematótio, mas Passos mostrou-lhes que está vivo. 
Com isso estragou o arranjinho a Marcelo, que segundo consta está furioso, pois Passos baralhou a estabilidade de que tanto  precisa.
Por outro lado, Costa percebeu que pode ficar isolado... O seu governo, que parecia coeso e estável,  mostra ser  um governo de minoria.

Intervale-se, para uma notícia verdadeiramente importante...

"O Governo vai disponibilizar mais de 18 milhões de euros para melhorar a produtividade na plantação de eucalipto", afirmou ontem o primeiro-ministro, António Costa.
“O grande desafio que temos pela frente é a melhoria da produtividade na plantação do eucalipto. A produtividade média que temos por hectare é baixíssima e temos condições de a melhorar significativamente”, afirmou António Costa, na Figueira da Foz, durante a sessão de assinatura de contratos de investimento de 125 milhões de euros com o grupo Altri.
António Costa, ele próprio acusado de ser “um eucalipto”,  pois “seca” toda a oposição que lhe aparece, sabe o que está fazer.
Recorde-se o que aconteceu a Helena Roseta e José Sá Fernandes, que começaram por ser vereadores da oposição na Câmara de Lisboa, liderada por António Costa, e que acabaram por fazer acordo com o presidente...
Advinhe-se o que poderá acontecer ao BE, ao PC e aos Verdes, depois do Governo da Geringonça?..
Entretanto, o loby do eucalipto vai percorrendo o seu caminho.

"Altri ameaça travar investimentos se Portugal «demonizar» o eucalipto".
A Altri não é a primeira empresa a ameaçar travar investimentos. A Navigator também já disse que os seus investimentos dependem dos termos da nova lei para o eucalipto. A empresa, antiga Portucel, quer conhecer os termos da nova lei para as plantações de eucalipto para decidir se avança ou cancela os projectos que tem para Cacia e Figueira da Foz, no valor de mais de 200 milhões de euros. Esta posição, foi assumida em Novembro, quando a empresa apresentou os resultados do terceiro trimestre.

NOTA DE RODAPÉ.
Haverá alguma vez dados relativos ao emprego criado pelo investimento dos milhões de euros por parte das empresas de celulose? 
Haverá alguma vez  dados sobre qual a percentagem da riqueza criada por esse investimento de milhões de euros que será aplicada novamente na economia?
Haverá alguma vez  dados  sobre qual a percentagem que será distribuída pelos accionistas?

Farturinha...

A campanha de agitação e propaganda ao regime, continua de vento e popa. 
Quer dizer, está a correr melhor que o desempenho do executivo camarário figueirense! 
Também não é difícil...

Bike eléctrica...

Lá vai ele, sem capacete, o famoso boy da JS, eng. electrotécnico... 
Deve andar a ver a que horas ligam as luzes!..
Sabe bem um passeiozinho de bicicleta eléctrica, sobretudo neste tempo... 
E quando se apanha uma descidinha, é a cereja em cima do bolo! 
É bom sentir o ar a bater na cara e o exercício (sobretudo, o das descidas...) faz muito bem!..

Eis um bom, bonito e belo exemplo do desleixo dos poderes públicos figueirenses...

"Autarquia quer resolver dossiê Naval 1.º de Maio" é o título da notícia hoje publicada no jornal AS BEIRAS, assinada por J.A. Passo a citar.

"O presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde, anunciou ontem que vai reunir-se com os dirigentes da Naval 1.º de Maio e com os pais das 240 crianças que frequentam os escalões de formação do clube, para tentar aferir a diferença entre as receitas e as despesas. O que está em causa é o incumprimento do pagamento, por parte dos navalistas, pela utilização dos campos de relva sintética do complexo do Estádio Municipal José Bento Pessoa. A dívida ronda os 14 mil euros. 
O edil revelou que a Naval não paga porque o saldo é negativo. João Ataíde também se mostrou preocupado com o estado de degradação do relvado natural do campo principal, afirmando que a autarquia não tem, neste momento, capacidade financeira para realizar obras no estádio. Por outro lado, devido à situação financeira e ao processo de insolvência, lembrou o edil, a Naval está impedida de receber apoios públicos. Assim sendo, também não tem acesso aos subsídios da autarquia, ao contrário dos restantes clubes que utilizam os campos sintéticos, ressalvou o autarca. Por isso, rejeitou a “dualidade de critérios” invocada pelo vereador do PSD Miguel Almeida, ontem, na reunião de câmara, onde o presidente se pronunciou sobre o assunto. 
Foi, aliás, João Ataíde quem teve a iniciativa de lançar o tema para o debate político, na sequência da tomada de posição pública do Ginásio Clube Figueirense. “Parece que se quer passar a ideia que só protegemos a Naval. Que fique claro que, em sete anos, demos zero à Naval!”, disse o presidente.“Se a Naval pudesse receber apoios públicos, teria verbas para pagar”, defendeu, acrescentando: “Dentro de um quadro aceitável, estamos disponíveis para encontrarmos uma solução que não ponha em causa os campeonatos em curso”
“Estranho que só agora tenha acordado para este problema. A câmara tem de encontrar uma solução para a Naval. Os problemas são antigos. Podia ter-se evitado a degradação do estádio”, defendeu, por seu turno, Miguel Almeida. E acrescentou: “Este processo é muito nubloso, porque não se percebe bem por que motivo, durante este tempo todo, esta situação não teve desenvolvimentos, por responsabilidade da Naval e da câmara, por não ter tentado estancar a situação mais cedo”
O vereador da oposição advogou que o clube deve levar as contas à câmara antes da reunião anunciada por João Ataíde. "

Nota de rodapé.
"O presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde, anunciou ontem que vai reunir-se com os dirigentes da Naval 1.º de Maio e com os pais das 240 crianças que frequentam os escalões de formação do clube, para tentar aferir a diferença entre as receitas e as despesas"!..
O mesmo presidente Ataíde  revela "que a Naval não paga porque o saldo é negativo"!..
E que tal começar por saldar este tabu?..

Aldeia do Mar...

"Não querendo ser saudosista...há imagens que nos fazem saudades de uma verdadeira Aldeia do Mar..." - Luís Pena.
A simples visão de uma imagem pode levar-nos a belas recordações que emocionam.
Sorrimos, quando deparamos com imagens que nos lembram a forma simples como vivíamos. 
Não precisávamos de muito, porque também não tínhamos onde o ir buscar. 
Mas,  aproveitávamos bem o pouco que a que podíamos chegar.

A distinção, seria uma das formas de nos afirmarmos e de mantermos uma identidade que tanto nos é necessária.
Nada disso aconteceu. Na Figueira, nem uma Aldeia foi preservada.
Os eleitores figueirenses são mais facilmente seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas exequíveis ou em obra feita.
É claro que há políticas com mérito, que são mal explicadas, ou cuja “explicação”, ou a falta dela, acaba por ser o seu principal óbice. Contudo, não são tantas como isso, são mais a excepção do que a regra. 
O seu reverso é igualmente verdadeiro, há políticas erradas que uma boa comunicação torna “boas”.
Mas, isso não é sustentável durante muito tempo...

Não se esqueçam, portanto, de olhar para os mais de  7 anos de gestão autárquica do presidente Ataíde e da sua equipa...
O saldo espectacular, que apurariam se se dessem a esse trabalho,  assenta numa fórmula mágica. 
Já testada por outros políticos, é uma fórmula com riscos mínimos. Funciona quase sempre  e pode ser aprendida em pouco tempo de poder...
A separação de águas, que se verifica - e é visível - no seio do poder político, na Figueira, entre o PS local, e quem manda na câmara, foi feita à custa da exclusão do partido.
É típica de políticos da "escola" tipo eucalipto.

Ao PS figueirense ficou entregue a  agenda menor, ligada à partilha do pequeno poder pessoal e à dádiva de um ou outro tacho partidário  - a entrada, neste segundo executivo liderado por Ataíde, do jotinha Portugal à frente de António Tavares, explica-se por ter tido tudo a ver com isso...
Daí, a  gestão da câmara ter perdido dimensão e condução política,  neste segundo mandato de João Ataíde.
Mas, isto, pelos vistos, não interessa para nada...