segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Uma crónica que fez reflectir: será que o tempo me mudou?..

“Parece-me que as notícias sobre a minha morte são manifestamente exageradas!…”. Este foi o comentário de Mark Twain ( 1835-1910 ) a notícias que o davam como morto… antes de o ser.
Mark Twain (nome artístico de Samuel Langhorne Clemens), reconhecido escritor americano sobretudo famoso pelos romances “As aventuras de Tom Sawyer” e “As aventuras de Huckleberry Finn” (este último frequentemente chamado de O Maior Romance Americano), não raras vezes nos propõe o mundo das crianças, idealizado, inocente mas astuto, em contraponto com o mundo dos adultos, dos homens e das mulheres da dourada era industrial, no qual a civilização, frequentemente apontada como a resolução dos problemas e o garante da felicidade, estava também prestes a trazer o flagelo das trincheiras e das armas químicas.
A consciência da perigosidade dos tempos que vivemos (ao nível local, nacional ou europeu) pode levar-nos a depositar a nossa confiança em líderes providenciais, ou a descarregar a raiva em posts inflamados no Facebook e a ficar sentado no sofá sem sequer ir votar ou ir a votos; ou a… participar!
De novo lembrando Twain: “Daqui a alguns anos tu estarás mais arrependido pelas coisas que não fizeste do que pelas que fizeste. Então, solta as amarras. Afasta-te do porto seguro. Agarra o vento em suas velas. Explora. Sonha. Descobre”. Assim, as notícias sobre algumas vitórias antecipadas… não serão manifestamente exageradas?!…

"Exageros…", uma crónica de Teotónio Cavaco, hoje publicada no jornal As Beiras.
Depois de ler esta crónica, dei comigo a pensar: o tempo mudou-me? 
A resposta é não. O tempo não me mudou: porventura, ter-me-ei moldado!...
Fez sobressair tendências, penso que esbateu alguns exageros, aguçou-me o entendimento das pessoas e da vida, mas - e isso foi o que mais me marcou - roubou-me muitos daqueles de que mais gosto.
Sobretudo por isso,  ensinou-me a odiá-lo. A ele, ao tempo.

Basta de realidade. Venham mais sonhos!...

Nota de rodapé.
Todos sabemos que não é uma tarefa fácil. Na Figueira, em 26 anos, vários executivos presididos por 4 autarcas - dois do PS e dois do PSD - não conseguiram realizar a revisão do PDM.

Francisco Sanchez...

... nunca me digam que a voz de um lisboeta, de ascendência espanhola, no fundo a voz da península ibérica, que decidiu, depois de reformado, viver na Cova Gala não tem importância: tem muita importância. Tem mesmo muita importância...
Se duvidam e querem confirmar, cliquem aqui.

E se a Câmara da Figueira tivesse um vereador da cultura, em vez de mais um “mal-amado” pelo poder, apesar de se ter “rendido” ao mesmo?..

Tenho pouco a acrescentar à imagem que reproduzo acima, que foi obtida a partir do facebook do meu Amigo Luís Penaapenas direi que sinto que dar o relevo merecido à obra fotográfica de Gilberto Branco Vasco, seria uma homenagem mais que merecida e positiva para a Figueira da Foz...
Só que também sei que dificilmente serei surpreendido pelos políticos deste executivo municipal.
Os figueirenses têm o que merecem. Votam para eleger um político, como compram um sabonete: deixam-se influenciar pela publicidade...
Pouco, ou nada mesmo, tenho contra os sabonetes.
Contudo, tenho quase tudo, ou tudo mesmo, contra os políticos sabonete!
Depois de eleitos, os políticos sabonete chegam ao ponto de disfarçar e omitir os pontos mais importantes da sua personalidade política, nomeadamente, a sua cultura e o seu pensamento...
Depois, admiram-se se nos queixamos que o sabonete que foi vendido não presta!

O burro, porque é burro, só faz o que lhe apetece...

"O 1.º de Dezembro não é uma data qualquer na história de Portugal. Não se comemora uma mudança de regime ou de sistema político ou o nascimento de um santo ou outra qualquer data importante. Dias, acontecimentos, efemérides que, claro está, devem também ser lembrados e comemorados porque são parte da nossa história, do nosso passado comum. O 1.º de Dezembro é muito mais importante. Comemora-se a restauração da independência nacional. Uma data em que voltamos a tomar o nosso destino nas mãos. Em que, juntos, decidimos arriscar a nossa vida e a dos nossos filhos para sermos donos do nosso futuro. Não é possível conceber uma data na nossa história que tenha mais relevância, mais significado para aquilo que somos enquanto povo.

O que os dirigentes do PSD fizeram ao não estar presentes nas comemorações do 1.º de Dezembro foi preferir fazer uma birrinha politiqueira a respeitar o passado do seu país, a memória de um povo, do seu povo. Não consigo imaginar maior falta de sentido de Estado, maior falta de patriotismo, maior ausência de conhecimento sobre valores fundamentais, maior ignorância sobre o que une uma comunidade e o que lhe dá sentido. Uma mancha vergonhosa na história do partido."

Na crónica de que transcrevi dois excertos, "O 1.º de Dezembro, a memória e a politiquice", Pedro Marques Lopes explica a falta de visão e mais um tiro no pé deste PSD de Passos Coelho.
Embora oficialmente o 1º de Dezembro tenha deixado de ser feriado, por obra e graça de um governo presidido por Passos, Passos não compreendeu em tempo útil, que essa é das tais datas que nunca iriam cair  no esquecimento dos portugueses, pois é uma data que está associada a um dos maiores acontecimentos da História de Portugal: a reconquista da independência em 1640, depois de 60 anos de domínio espanhol
Uma data com este significado merecia continuar a ser assinalada em celebrações oficiais. E António Costa, percebeu que a memória dos feitos que forjaram, ao longo dos séculos, a identidade e o futuro de Portugal entre as outras nações europeias, é uma memória que deve continuar a ser comemorada a nível de Estado. Por isso restabeleceu a comemoração oficial deste feriado.

Passos tinha obrigação de saber, que reconquistar a liberdade, para os conjurados do 1º de Dezembro de 1640, foi um acto patriótico, cheio de abnegação e de fé, em que empenharam a vida, a família, os bens e a honra, uma missão cujos lances eram incertos e arriscados, pois nem o rei que queriam pôr no trono, o Duque de Bragança, lhes prometera lealdade absoluta. Que tal como o Mestre de Avis, quando entrou no paço da rainha para matar o conde Andeiro, também eles não hesitaram em invadir o palácio da Duquesa de Mântua, dar-lhe voz de prisão e atirar por uma janela o traidor Miguel de Vasconcelos. 
O futuro estava traçado e o preço da nova liberdade custaria a Portugal, como no tempo de D. João I, um duro esforço de guerra, até finalmente os tercios filipinos regressarem à fronteira de Badajoz, vergados sob o peso da derrota, e outros estados europeus, incluindo o Vaticano, esquecerem as suas alianças com Espanha, reconhecendo como legítima a subida ao trono de D. João IV.
É por isto, que a ausência do PSD nas comemorações do 1.º de Dezembro, em 2016, não pode ser vista como mais um fait divers político.

A ausência do PSD das comemorações do Dia da Restauração, em 2016, é  uma falha gravíssima, uma atitude que envergonha quem a cometeu, mas também quem votou no PSD, quem já tenha votado e, no fundo, todos os portugueses.

Política figueirense: a silly season fora da época... (VI)

Estávamos em finais de 2005. 
José Elísio, candidato único, tinha acabado de ser reeleito para o terceiro mandato seguido de 2 anos, à frente dos destinos da concelhia do PSD/Figueira.
Pois, foi precisamente nesse final do ano de 2005, que "insatisfeitos com a orientação da concelhia do PSD e preocupados com a estratégia do partido para futuras eleições", alguns militantes do PSD decidiram juntar-se num primeiro encontro para analisar a situação e acautelar o futuro do partido.
Entre os presentes, destacavam-se Joaquim de Sousa, Lídio Lopes, Daniel santos, David Azenha, Gil Ferreira, Albano Lé, Azenha Gomes, entre outros "ilustres" militantes sociais democratas figueirenses. Nessa reunião, registou-se a ausência de Pereira da Costa, que também fazia parte do grupo...
O porta voz foi Lídio Lopes, que na altura manifestou aos jornalistas "as preocupações associadas às dificuldades que o concelho atravessava" (recorde-se que em 2009, a Figueira estava na ressaca do ciclo PSD - mandato de Santana Lopes, a que se seguiu Duarte Silva...) e a "necessidade de inverter a situação".
Este grupo, dissidente da concelhia, então presidida por José Elísio, previa a necessidade de "acautelar algo que possa acontecer", manifestando, contudo, "toda a solidariedade a Duarte Silva".
Já sabemos o resto da história do PSD/Figueira. Quatro anos depois, em 2009, até aos dias de hoje, o PSD foi varrido do poder e as divisões e convulsões internas continuam a fazer caminho.   
Portanto, enquanto o PSD/Figueira não fechar este ciclo, Ataíde pode dormir descansado.

Neste momento, (até porque há quem considere que foram as divisões internas vividas pelo PSD/Figueira, em 2009, mas que já vinham de trás, que permitiram a vitória a João Ataíde) a incógnita é: será que as feridas então abertas vão conseguir ser saradas em tempo útil?
Se este ciclo estivesse fechado - a expressão "fim de ciclo" tem méritos... - isso significaria que o trauma dentro do PSD/Figueira,  que vem desde 2009,  estaria amansado.
Abro um parênteses, para sublinhar que há quem considere, dentro do PSD/Figueira, que estes "ilustres" companheiros acima referidos, foram os «coveiros» que, em 2005, com este primeiro encontro, registaram o momento em que se começou a cavar a sepultura onde este partido, no nosso concelho, jaz há sete anos...

Se tudo se renova, se os fins fazem parte da mesma ordem dos começos, a sagração deste "fim de ciclo" requer o elementar talento para aceitar enterrar de vez o passado recente do PSD/Figueira  e começar novo caminho.
Porém, pelo que conheço da realidade política figueirense, não consigo vislumbrar esse  talento dentro deste PSD/Figueira. 
No entanto, para um observador fora dos meandros partidários, parece que é por aí, pela capacidade ou incapacidade de arrepiar o actual trilho, que irá passar a explicação, para mais um contributo - o terceiro seguido - do PSD/Figueira para nova maioria de João Ataíde.

Em 2005, dentro do PSD/Figueira,  Joaquim de Sousa, Lídio Lopes, Daniel Santos (entretanto, já saiu do PSD), David Azenha, Gil Ferreira, Albano Lé, Pereira da Costa,  entre outros "ilustres" militantes sociais democratas figueirenses, funcionaram como funcionam os profetas dos fins de ciclo, os profetas das pequenas coisas, pois eles sabiam, já em 2004, que nada terminava sem mais...
Para eles, na altura,  tudo fazia parte de uma lógica mais vasta, que os figueirenses normais, como eu, ainda hoje não somos capazes de perceber, naturalmente pela nossa estreiteza de vistas, falta de paciência ou renúncia à esperança. 

Uma coisa o futuro provou.
Não convenceram: nem dentro, nem fora do partido.
E continuam a não convencer. 
Tanta sabedoria e talento junto só podia assustar...